Translate this Page

Rating: 2.7/5 (307 votos)




ONLINE
3




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Subsidio N.6 jovens EU SOU JESUS
Subsidio N.6 jovens EU SOU JESUS

SUBSIDIO N.6 JOVENS EU SOU JESUS

MAURICIO BERWALD ESCRITOR PROFESSOR

 

Explicando o Texto Bíblico Base

 

Fl 2:1-11.

Se vocês receberam algo bom por seguir a Cristo; se o amor dele fez alguma diferença na vida de vocês; se estar numa comunidade do Espírito significa algo para vocês; se vocês têm um coração; se vocês se importam uns com os outros - façam-me um favor: concordem um com o outro, amem um ao outro, sejam amigos de verdade. Não joguem sujo; não bajulem ninguém só para conseguir o que desejam. Ponham o interesse próprio de lado e ajudem os outros em sua jornada. Não fiquem obcecados em tirar vantagem. Esqueçam-se de vocês o suficiente para estender a mão e ajudar.

 

Tentem pensar como Cristo Jesus pensava. Mesmo em condição de igualdade com Deus, Jesus nunca pensou em tirar proveito dessa condição, de modo algum. Quando sua hora chegou, ele deixou de lado os privilégios da divindade e assumiu a condição de escravo, tornando-se humano! E, depois disso, permaneceu humano. Foi sua hora de humilhação. Ele não exigiu privilégios especiais, mas viveu uma vida abnegada e obediente, tendo também uma morte abnegada e obediente - e da pior forma: a crucificação.Por causa dessa obediência. Deus o exaltou e honrou muito acima e além de todos, para que todos os seres criados, no céu e na terra - até aqueles há muito mortos e enterrados - se curvem em adoração na presença de Jesus Cristo e proclamem, por meio do louvor, que ele é o Senhor de todos, para a gloriosa honra de Deus Pai.

  1. O NOSSO SENHOR.

 

► 1.1 - Jesus chamado "Cristo".

"E muitos outros sinais realmente fizeram Jesus na presença de seus discípulos,que não estão escritos neste livro:Mas estes estão escritos, para que creiais que Jesus é o Cristo,o Filho de Deus,

e para que, crendo, tenhais vida através de seu nome ".João 20: 30-31

 

Por que Jesus é chamado "o Cristo"? O que significa "Cristo"? Essa informação não seria muito importante se o propósito de João em escrever seu Evangelho fosse para que pudéssemos crer que "Jesus é o Cristo ..."? Vamos procurar nas escrituras para ver o que eles dizem!

Uma definição bíblica: comparando escritura com escritura

"... Nós encontramos o Messias, que é, sendo interpretado, o Cristo."

João 1:41

 

"... Eu sei que o Messias vem, que é chamado de Cristo ... "

João 4:25Essas duas passagens da escritura definem Cristo como o Messias. Portanto, podemos dizer que a palavra Cristo significa o mesmo que o Messias ou:

 

Cristo = Messias

Outra passagem que acrescenta alguma luz é:

 

"Os reis da terra se levantaram e os príncipes foram reunidos contra o Senhor e contra o seu Cristo."

Atos 4:26.Aqui em Atos 4: 24-30 os discípulos estão orando e no meio da oração, eles citam uma passagem do Antigo Testamento. A passagem citada é Salmos 2: 2 e diz:"Os reis da terra se levantam e os chefes consultam juntamente contra o SENHOR e contra o seu ungido ... "

Salmos 2: 2

 

Então, quando comparamos essas duas passagens, escritura com escritura, vemos que a palavra "ungido" no Salmo 2: 2 é traduzida como a palavra "Cristo" em Atos 4:26. Para simplificar, então, podemos dizer:

 

Cristo = Ungido

 

Agora, se o que concluímos aqui é verdade, que Cristo significa Messias e Cristo significa Ungido, então, logicamente, o Messias e o Ungido significam a mesma coisa. O que diz a escritura?Quando vamos à concordância e procuramos a palavra "ungido" no Salmo 2: 2, descobrimos que a palavra hebraica usada é "Mashiyach". Nós também achamos que essa mesma palavra hebraica é traduzida como "Messias" em Daniel 9: 25-26. Então, se compararmos Daniel 9: 25-26.Sabe e entende: desde a saída da ordem para restaurar, e para edificar a Jerusalém, até ao Messias, o Príncipe, haverá sete semanas, e sessenta e duas semanas; as ruas e o muro se reedificarão, mas em tempos angustiosos.

E depois das sessenta e duas semanas será cortado o Messias, mas não para si mesmo; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas as assolações.Daniel 9:25,26

 

Para:

 

"Os reis da terra se levantam e os chefes consultam juntamente contra o SENHOR e contra o seu ungido ... "

Salmos 2: 2

 

Descobrimos que a palavra hebraica "Mashiyach" é traduzida como "Messias" e "ungido" e que o Messias, de fato, significa ungido.Em conclusão, quando essas passagens são diligentemente comparadas, descobrimos que as palavras inglesas "Messias", "Ungido" e "Cristo" vêm todas da mesma palavra hebraica e, portanto, podem e devem ser usadas de forma intercambiável. Em outras palavras, quando dizemos Jesus Cristo, ou Jesus, o Cristo, podemos dizer com exatidão Jesus o Messias ou Jesus o Ungido do Senhor.

 

Por que isso é tão importante?

Por favor, observe algumas das coisas que as escrituras do Antigo Testamento diziam sobre este que estava para vir ... o Ungido ... o Messias ... o Cristo ...Daniel 9:25 Ele apareceria na terra em um tempo determinado na história; 9:26 Ele morreria, mas não por si mesmo, morreria pelos outros;Salmo 2: 1-2 as nações, pessoas, reis e governantes estariam em rebelião contra Ele e o Senhor que O enviou; 2: 6 Ele seria feito Rei em Sião; 2: 7 Ele seria chamado o Filho de Deus; 2: 8 Ele herdaria as nações e possuiria o mundo inteiro; 2: 9 Ele quebraria as nações com uma vara de ferro 2:12 A ira dele um dia serão acesas e muitos perecerão Ele abençoará todos aqueles que confiam nele.

 

Quem é esse ungido? o Messias? o Cristo?

Concernente a Jesus, André, o irmão de Simão Pedro disse:

 

"Nós encontramos o Messias, que é, sendo interpretado, o Cristo ".

João 1:41

O próprio Jesus testificou que Ele é o Cristo:

Disse-lhe a mulher: Eu sei que o Messias (que se chama o Cristo) vem; quando ele vier, nos anunciará todas as coisas. Disse-lhe Jesus: Eu sou a ti que eu sou.

João 4: 25-26

 

E ele foi condenado à morte por este testemunho:

Mas ele calou-se, e nada respondeu. O sumo sacerdote lhe tornou a perguntar, e disse-lhe: És tu o Cristo, Filho do Deus Bendito?

E Jesus disse-lhe: Eu o sou, e vereis o Filho do homem assentado à direita do poder de Deus, e vindo sobre as nuvens do céu.

E o sumo sacerdote, rasgando as suas vestes, disse: Para que necessitamos de mais testemunhas?

Vós ouvistes a blasfêmia; que vos parece? E todos o consideraram culpado de morte.Marcos 14:61-64

 

Marta disse a Jesus:

 

Disse-lhe ela: Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo.João 11:27

Na conclusão do Evangelho de João, João escreve:

 

"E muitos outros sinais realmente fizeram Jesus na presença de seus discípulos,

que não estão escritos neste livro:

Mas estes estão escritos, para que creiais que Jesus é o Cristo,

o Filho de Deus,

e para que, crendo, tenhais vida através de seu nome ".

João 20: 30-31

 

Pedro disse:

"... Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo."

Mateus 16:16

e mais tarde no Pentecostes, ele corajosamente proclamou:

 

Pelo que toda a casa de Israel saiba com certeza que Deus fez o mesmo Jesus, a quem vós crucificastes, Senhor e Cristo.

Atos 2:36.Como Paulo estava em Tessalônica, raciocinando com eles fora das Escrituras, estava escrito:"... abrindo e alegando, que Cristo deve ter sofrido e ressuscitado dos mortos; e que esse Jesus, a quem eu prego, é Cristo."

Atos 17: 3

 

então na Macedônia ...E quando Silas e Timóteo vieram da Macedônia, Paulo foi pressionado no espírito e testificou aos judeus que Jesus era o Cristo.

Atos 18: 5

 

Da mesma forma, está escrito que Apolo:

 

"... convenceu fortemente os judeus, e isso publicamente, mostrando pelas Escrituras que Jesus era Cristo."

 

Atos 18:28.

 

PÃO DA VIDA, ÁGUA DA VIDA E LUZ DO MUNDO

 

  1. O PÃO DA VIDA

Comida e Verdade Jo 6.27

Discurso do Pão Jo 6.32

Reações ao discurso de Jesus Jo 6.41

 

  1. A ÁGUA DA VIDA

Antes da Festa Jo 7.10

Durante a Festa Jo 7.14

Último dia da Festa Jo 7.37

 

 

III. A LUZ DO MUNDO

A luz é uma pessoa J0 8.12

A luz é uma promessa J0 8.12

A importância de Jesus J0 8.21

 

 

INTRODUÇÃO

 

O povo queria a comida, mas não a verdade. E, no final, quase todos abandonaram Jesus e se recusaram a andar com Ele. Jesus “perdeu” a multidão com um único sermão!

 

  1. PÃO DA VIDA

Comida e Verdade (Jo 6.27). Quando a multidão que se alimentou dos pães e dos peixes do outro lado do mar chegou a Cafarnaum e encontrou Jesus, não vendo nenhum barco que o tivesse transportado, e movida pela curiosidade, fez a Jesus a primeira pergunta: “Mestre, quando chegaste aqui?” (6.25). Em vez de responder à pergunta feita, Jesus lança uma acusação aos interlocutores: “Em verdade, em verdade vos digo: vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes.” (6.26). Depois da acusação solene, Jesus dá uma ordem expressa: “Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual O Filho do Homem vos dará; porque Deus, O Pai, O confirmou com O seu selo.” (6.27)  . Jesus quer direcionar a atenção dos judeus, que estavam interessados apenas nas coisas terrenas, às realidades espirituais. A segunda pergunta dos judeus vem como um pedido de esclarecimento: “Que faremos para realizar as obras de Deus?” (6.28). Uma vez que a ordem de Jesus era para trabalharem pela comida que não perece, eles querem saber como é que se faz esse trabalho. Jesus responde de forma surpreendente: “A obra de Deus é esta: que creiais naquele que por ele foi enviado.” (6.29). A salvação não é algo que fazemos para Deus, mas algo que Deus fez por nós.

Discurso do Pão (Jo 6.32). Isso está relacionado com a terceira pergunta feita pelos judeus no texto, a qual é dupla: “Que sinal fazes para que o vejamos e creiamos em ti? Quais são os teus feitos?” (6.30) e argumentam: “Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer pão do céu.” (6.31). Jesus responde à pergunta insincera deles, corrigindo-lhes o entorpecido entendimento e dizendo que não foi Moisés quem deu a eles o pão do céu, pois o verdadeiro pão do céu só lhes é concedido pelo Pai. O pão que Moisés deu era apenas um símbolo do pão verdadeiro, aquele que desce do céu e dá vida ao mundo (6.32,33). D. A. Carson diz acertadamente que o maná do céu era, comparativamente, imperfeito: estragava com o tempo, e o povo que o comia perecia com o tempo. Uma de suas principais funções era servir como um tipo do verdadeiro pão do céu. Depois de interpelarem Jesus três vezes, agora os judeus fazem um pedido desprovido de entendimento: “Senhor, dá-nos sempre desse pão.” (6.34). Jesus, então, faz a aberta declaração; “Eu sou o pão da vida” (6.35); e emenda com uma solene promessa: “o que vem a mim jamais terá fome; e o que crê em mim jamais terá sede”.

Reações ao discurso de Jesus (Jo 6.41). Quando Jesus terminou esse longo discurso na sinagoga de Cafarnaum (6.59), a reação do auditório foi negativa (6.60-66). Muitos dos discípulos julgaram o discurso de Jesus duro demais. Queriam coisas mais amenas. Essa reação negativa manifestada principalmente em dois aspectos:a) Decepção (6.60,61). Em vez de os ouvintes correrem apressadamente para Jesus, endureceram a cerviz e murmuraram escandalizados. Jesus não pregou para agradar seus ouvintes; pregou para levá-los ao arrependimento.b) Abandono (6.66). Esse pesado discurso de Jesus não produziu um estupendo resultado numérico; ao contrário, provocou uma debandada geral. Seu propósito era ser fiel, e não popular.

 

II.A ÁGUA DA VIDA

 

  1. Antes da Festa (Jo 7.10). Nas vésperas da festa dos Tabernáculos, Jesus ainda andava pela Galileia, uma vez que não desejava subir à Judeia porque os judeus procuravam matá-lo. Jesus tinha plena consciência de que os judeus não poderiam matá-lo antes da hora; entretanto, não queria expor-se desnecessariamente. Alguns fatos nos chamam a atenção nesse período: 1) Em primeiro lugar, a exatidão da agenda de Jesus estabelecida (7.6-10). Jesus tinha plena consciência do seu tempo, da sua hora. Estava totalmente sintonizado com o plano do Pai. Não atendeu à sugestão de seus irmãos para manifestar-se abertamente em Jerusalém, porque sua hora ainda não tinha se cumprido. 2) Em segundo lugar, a procura por Jesus é notória (7.1113). Não eram apenas os irmãos de Jesus que o queriam na festa em Jerusalém, mas também os judeus. Ele era uma figura nacional, o centro das atenções. É bem verdade que as opiniões divergiam. Uns o julgavam um homem bom; outros o reputavam como um enganador do povo. Mas, como Jesus conquistara a simpatia de muitos, ninguém ousava falar Dele abertamente.

 

  1. Durante a Festa (7.14). Quando a festa já estava em andamento, mesmo chegando a Jerusalém secretamente (7.10), Jesus subiu ao templo e passou a ensinar em público. Destacamos alguns pontos a esse respeito. 1) Em primeiro lugar, o ensino de Jesus produz admiração (7.14,15). O evangelista Mateus nos informa que Jesus não ensinava como os escribas, mas como quem tem autoridade (Mt 7.28,29); 2) Em segundo lugar, o ensino de Jesus procede de Deus (7.16-18). Ele não fala de si mesmo. Tem o próprio testemunho do Pai e busca a glória do Criador; 3) Em terceiro lugar, o ensino de Jesus acusa os judeus de não conhecerem a Deus (7.25-29). Diante dos comentários do povo acerca de Jesus e Sua origem, Jesus aproveita o ensino para dizer a esses judeus que procedia do Pai, a quem eles não conheciam; 4) Em quarto lugar, o ensino de Jesus desperta a fúria dos judeus (7.30-32). Diante do buchicho da multidão a respeito de Jesus, os fariseus se mancomunaram com os principais sacerdotes para enviar os guardas do templo a fim de prendê-lo. Mas os guardas jamais poderiam fazê-lo, pois ainda não havia chegado a hora de Jesus ser entregue nas mãos dos pecadores. 6) Em sexto lugar, o ensino de Jesus mostra que a oportunidade para o receber pode ser perdida (7.33-36). Jesus permaneceria mais pouco tempo entre eles e, então, regressaria ao Pai, onde eles não mais poderiam encontrá-lo.
  2. Último dia da Festa (Jo 7.37). Em todos os sete dias da festa, um sacerdote enchia uma jarra de ouro com água do tanque de Siloé, acompanhado de uma solene procissão, voltava ao templo em meio ao toque de trombetas e aos gritos das alegres multidões e derramava a água sobre o altar. Essa cerimônia não só lhes recordava as bênçãos outorgadas a seus antepassados no deserto (água da rocha), mas também apontava para a abundância espiritual da era messiânica.No sétimo dia, o último e o auge da festa, o sacerdote acompanhado pela multidão, ao som de trombeta, fazia a procissão do tanque de Siloé ao templo sete vezes. Jesus, então, coloca-se no meio e brada: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”. Jesus é a Rocha ferida da qual brota água viva. JESUS É A ÁGUA DA VIDA. Ele é o manancial das águas vivas.

 

III. A LUZ DO MUNDO

 

Jesus ainda estava ensinando no templo, quando foi interrompido pelos escribas e fariseus que traziam uma mulher apanhada em adultério. Depois que Jesus frustrou os desígnios dos acusadores da mulher e a despediu com a recomendação de que não pecasse mais, voltou a falar aos que estavam no templo.1. A luz é uma pessoa (Jo 8.12). Jesus já havia se apresentado como o pão da vida para os famintos e a água viva para os sedentos. Agora, faz mais uma declaração solene: “Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará nas trevas; pelo contrário, terá a luz da vida”. Carson diz que a metáfora da luz está impregnada de alusões ao Antigo Testamento. A glória da própria presença de Deus na nuvem conduziu o povo para a terra prometida (Êx 13.21,22) e o protegeu daqueles que o destruiriam (Êx 14.19-25). Os israelitas foram treinados para cantar: O Senhor é a minha luz e a minha salvação (SI 27.1). A Palavra de Deus é lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho (SI 119.105). A luz de Deus é irradiada nas outras nações em revelação (Ez 1.4) e salvação (Hc 3.3,4), A luz é o próprio Deus em ação (SI 44.3).

 

  1. A luz é uma promessa (Jo 8.12). Jesus é categórico em afirmar que aqueles que o seguem não andarão em trevas, mas terão a luz da vida. A vida com Jesus é uma jornada na luz da verdade, na luz da santidade e na luz da mais completa felicidade. William Barclay diz que a palavra grega akolouthein, traduzida aqui por “seguir”, tem cinco significados: a) um soldado que segue seu capitão; b) o escravo que acompanha seu senhor; c) a aceitação de uma opinião, veredito ou juízo de um conselheiro sábio; d) a obediência às leis de uma cidade ou Estado; e) alguém que segue a linha de argumentação de um mestre.

 

A pessoa que tem um guia seguro e um mapa correto chegará, sem dúvida, a seu destino sã e salva. Jesus Cristo é esse guia; Ele é o único que possui o mapa da vida.

 

  1. A importância de Jesus (Jo 8.21). Sem Jesus, o ser humano perece em seus pecados (8.21). Jesus em breve morreria numa cruz, ressuscitaria dentre os mortos e voltaria para o céu. Mas os judeus obstinados em seus pecados pereceriam inevitavelmente, pois fechariam a porta da graça, recusando o enviado de Deus.Jesus é o enviado de Deus (8.25-30). Os judeus perguntaram a Jesus: “Quem és tu?” (8.25). Jesus responde, mostrando o que já lhes dissera outras vezes. Ele reafirma que o testemunho que dá de si mesmo é o mesmo testemunho daquele que o enviou, mas os judeus não conseguem compreender que Jesus está falando sobre o Pai. Jesus esclarece, então, que, quando for levantado, ou seja, crucificado pelos próprios judeus, então entenderão que Ele de fato é o “Eu sou”, o enviado do Pai.FONTE WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET