Translate this Page

Rating: 2.7/5 (307 votos)




ONLINE
3




Partilhe esta Pgina



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


SUBSIDIO N.2 CRIA플O DE EVA
SUBSIDIO N.2 CRIA플O DE EVA

          SUBSIDIO ADULTOS N.2 A CRIAÇÃO DE EVA CAP.2

 MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR

Gênese da mulher

 

 

  1. EXPLICAÇÃO DA PASSAGEM.

 

  1. Uma parábola divina.

 

  1. Panorama da mulher emergente. É a hora de ouro para a instrução divina; pois é nos sonhos, nas visões da noite, quando o sono profundo cai sobre os homens, que Deus abre seus ouvidos e sela suas instruções ( Jó 33: 15-16 Jó 33: 15-16 ). Envolto em seu sono profundo, o sonhador de Eden contempla a visão de seu segundo eu. Ele vê seu Criador tirando dele uma de suas próprias costelas, formando-a em uma mulher e apresentando-a em toda sua gloriosa beleza a si mesmo, para ser a partir de agora aquele companheiro abençoado por quem ele inconscientemente suspirou. E assim, seu Deus, em verdade, deu ao amado em seu sono ( Salmos 127: 2Salmos 127: 2) Tampouco é um sonho. Despertando de seu sono, ele ainda vê ao seu lado a bela e feliz visão. Reconhecendo instintivamente a comunidade da natureza, ele exclama alegremente; “Agora, isso é osso dos meus ossos e carne da minha carne; isso será chamado de mulher, Isha , porque do homem, Ish, ela foi levada.

 

 

II Significado moral.

 

  1. A inferioridade formal da mulher em relação ao homem. A mulher, em matéria de autoridade externa, formal e cênica, deve ceder ao homem. Para todo tipo de organização, política, militar, financeira, eclesiástica, doméstica, deve ter algum tipo de cabeça nominal ou dedo indicador - por exemplo,, rei, presidente, general, presidente, bispo, pastor, marido. Veja a grande e antiga pátria. De acordo com sua teoria do governo, a Inglaterra deve ter um monarca. E quem está sentado no trono da Inglaterra hoje? Uma mulher - uma mulher pura, nobre, sincera. Mas, porque Victoria usa uma coroa como figura de proa estampada de sua nação, segue-se necessariamente que ela é intelectualmente superior aos Disraeli que detém seu comando de estado; ou moralmente superior ao Spurgeon que prega que existe outro Soberano, mesmo um Jesus? O mesmo ocorre com a mulher em sua relação com o homem. Segundo as Sagradas Escrituras, ela é subordinada a ele. Mas essa subordinação não implica em nenhum sentido qualquer inferioridade essencial. A mulher é parceira do homem em todas as capacidades essenciais - nas capacidades de sensibilidade, intelecto, valor moral, humanidade.

 

  1. Igualdade essencial da mulher. Homem e mulher, considerados em sua essência, são uma unidade. Mas observe, a unidade implica complexidade; isto é, unidade implica semelhança e semelhança, semelhança e diferença, comunidade e diversidade.

 

  1. Casamento com uma instituição divina.

 

  1. O casamento terrestre é um tipo do celestial. ( GD Boardman. )

 

A provisão de Deus para as necessidades do homem

 

 

  1. DEUS CONHECE E CONSIDERA TODAS AS NOSSAS DESEJOS, E FORA OU SUA PRÓPRIA GOODNESS FAZ PROVISÃO PARA FORNECê-LAS. E isto--

 

  1. Ele deve fazer, ou então devemos perecer com frequência.

 

  1. E é adequado que Ele faça isso para ampliar Suas misericórdias gratuitas. Deixe que o trato de Deus conosco nos leve a lidar da mesma maneira com nossos irmãos, considerando os pobres e necessitados ( Salmos 41: 1 Salmos 41: 1 ), segundo o exemplo dos discípulos de Antioquia ( Atos 11:29Atos 11:29 ).

 

 

II A PROVIDÊNCIA DE DEUS E A BOM ABUNDANTE FALHA NOS NÃO ATÉ QUE NOS FORNECEU COM TUDO O QUE NÓS PRECISAMOS QUE É ADEQUADO. Que acalme todos os nossos corações na consideração de nossa condição atual, quando nossos desejos desordenados nos provocam às vezes a queixas e murmúrios sem causa, por motivos supostos, mas equivocados. Enquanto que--

 

  1. Ou temos aquilo que concebemos que queremos, como Hagar chorou por falta de água quando ela não viu o poço que foi rápido por Gênesis 21:19Gênesis 21:19 ). Ou--

 

  1. Aquilo que queremos nos faria mal e não seria bom se o tivéssemos, como os israelitas descobriram por experiência quando murmuraram por falta de carne Números 11:33Números 11:33 ).

 

 

III UMA VIDA SOLITÁRIA É UMA VIDA INCONFORTÁVEL E INCONFORTÁVEL. De onde, então, veio a afetação e admiração de uma vida monástica que atravessa:

 

  1. A própria lei da natureza pela qual os homens se inclinam para a sociedade; e--

 

  1. A ordenança de Deus que nos designou--

 

(a) priva a Deus de Sua honra;

 

(b) Os homens e a Igreja, em especial, o aumento de uma semente sagrada, que podem ter do fruto de seus corpos, do conforto de sua comunhão, do serviço de amor que devem e dos exemplos de suas vidas piedosas;

 

(c) No presente, de muitos confortos doces e ajudas necessárias, e a partir de então o aumento de sua recompensa aumentado de acordo com a proporção de seu aprimoramento atual de seus talentos no avanço da honra de Deus e na busca e obtenção do bem de Seus filhos.

 

 

IV DEUS NÃO ATENDE A NOSSOS QUERERES COMO ESPECTADORES INÚTEIS, MAS, COMO UM AJUDANTE FIEL, COLOCA SUA MÃO PARA NOS AJUDAR NO QUE NECESSITAMOS. Façamos o mesmo - observe, tenha pena e alivie.

 

  1. Caso contrário, nossos irmãos não terão nenhum benefício por nós, se expressarmos nossa compaixão apenas em palavras, e não em ações ( Tiago 2:16 Tiago 2:16 ), mas em nuvens provinciais e vento sem chuva ( Provérbios 25:14Provérbios 25:14 ).

 

  1. Tornamos nossos próprios pensamentos ou palavras evidentes contra nós mesmos quando sabemos o que nosso irmão precisa e não o ajudamos, e provocamos a Deus que nos negligencie ao negligenciá-lo. Veja o que Ele ameaça nesse caso ( Provérbios 24: 11-12Provérbios 24: 11-12 ).

 

 

  1. DEUS FAZ NADA, MAS PARA ALGUM USO NECESSÁRIO E PARA ALGUM FINAL RENTÁVEL.

 

 

VI UMA ESPOSA NÃO É BOM ATÉ QUE NÃO SEJA BOM SER SEM UMA ESPOSA. VII UM HOMEM PODE, E É DE DEUS QUE ELE DEVE SER MELHOR PARA SUA ESPOSA.

 

  1. Ai das esposas tolas que destroem a casa que devem construir ( Provérbios 14: 1Provérbios 14: 1 ), provando traças nas propriedades de seus esposos por sua ociosidade e desperdício; e espinhos em seus lados, irritando aqueles a quem deveriam confortar, com seu contínuo cair; pervertendo aqueles a quem deveriam aconselhar.

 

  1. Todo homem trabalhe para ser melhor para sua esposa, e para esse fim--

 

 

VIII É só Deus mesmo, que deve fornecer-nos com aquilo que estamos em necessidade.

 

 

IX Nada leva Deus a ter compaixão de nós, a nos fornecer o que precisamos, mas a sua própria recompensa e bondade.

 

 

  1. UMA ESPOSA É UM AJUDANTE AO SEU MARIDO. Não o guia dele, pois ela foi criada para o homem, não o homem para ela ( 1 Coríntios 11: 9 1 Coríntios 11: 9 ), e isso também, inferior a ele, tanto em dignidade quanto em geral em habilidades. Para que ela seja verdadeira e dignamente chamada de vaso mais fraco ( 1 Pedro 3: 71 Pedro 3: 7 ).

 

 

  1. UMA ESPOSA NÃO PODE SER UMA BOA ESPOSA A MENOS QUE SEJA UMA REUNIÃO E UMA ESPOSA ADEQUADA. Respondível, se for--

 

  1. Em sangue e paternidade (ver 1 Samuel 23: 1-291 Samuel 23: 1-29 . ) .

 

  1. Na propriedade.

 

  1. Educação.

 

  1. Especialmente no temperamento de sua disposição.

 

  1. Mas acima de tudo, na religião; vendo que não pode haver comunhão de justiça com injustiça, nem de luz com trevas ( 2 Coríntios 6:142 Coríntios 6:14 ). Menos que tudo entre pessoas casadas. ( J. White, MA )

 

A provisão de Deus para remediar a solidão do homem

 

Deus sempre pensou no que seria para o bem do homem. Como, então, Deus propõe encontrar a solidão? Fazendo outro homem? Ora, quando Ele fez um homem para fazer companhia a Caim, Caim o matou! Parece ser uma das leis mais profundas da natureza humana que o homem deve matar o homem, e que a única chance de manter a sociedade unida é pela maravilhosa influência da mulher. Para o homem ficar sozinho significa suicídio; para dois homens estar juntos significa homicídio; somente a mulher pode manter a sociedade em movimento e saudável. A mulher e a criança pequena são os salvadores da ordem social hoje em dia em todo o mundo. A mulher ficar sozinha é tão ruim quanto o homem ficar sozinho. A segurança está em contraste e em complemento mútuo. A reverência pela feminilidade salvará qualquer civilização da decadência. Linda e muito terno é essa noção de jogar o homem em um sono profundo para tirar uma costela dele como ponto de partida de uma companhia abençoada. Muito está sempre sendo feito por nós quando estamos em estado de inconsciência! Não recebemos nossas melhores bênçãos por nossa própria agitação e artifício inteligente: elas vêm e não sabemos como. São doces surpresas; eles nascem do espírito e são tão rastreáveis ​​quanto os desvios do vento. Este é o curso do amor verdadeiro e dos casamentos que são feitos no céu. Você não pode, pesquisando, anunciando e planejando, encontrar um companheiro para a alma solitária. Ela virá sobre você inconscientemente. Você a conhecerá por uma marca na testa que ninguém além de você pode ler. ( Muito está sempre sendo feito por nós quando estamos em estado de inconsciência! Não recebemos nossas melhores bênçãos por nossa própria agitação e artifício inteligente: elas vêm e não sabemos como. São doces surpresas; eles nascem do espírito e são tão rastreáveis ​​quanto os desvios do vento. Este é o curso do amor verdadeiro e dos casamentos que são feitos no céu. Você não pode, pesquisando, anunciando e planejando, encontrar um companheiro para a alma solitária. Ela virá sobre você inconscientemente. Você a conhecerá por uma marca na testa que ninguém além de você pode ler. ( Muito está sempre sendo feito por nós quando estamos em estado de inconsciência! Não recebemos nossas melhores bênçãos por nossa própria agitação e artifício inteligente: elas vêm e não sabemos como. São doces surpresas; eles nascem do espírito e são tão rastreáveis ​​quanto os desvios do vento. Este é o curso do amor verdadeiro e dos casamentos que são feitos no céu. Você não pode, pesquisando, anunciando e planejando, encontrar um companheiro para a alma solitária. Ela virá sobre você inconscientemente. Você a conhecerá por uma marca na testa que ninguém além de você pode ler. ( e de casamentos que são feitos no céu. Você não pode, pesquisando, anunciando e planejando, encontrar um companheiro para a alma solitária. Ela virá sobre você inconscientemente. Você a conhecerá por uma marca na testa que ninguém além de você pode ler. ( e de casamentos que são feitos no céu. Você não pode, pesquisando, anunciando e planejando, encontrar um companheiro para a alma solitária. Ela virá sobre você inconscientemente. Você a conhecerá por uma marca na testa que ninguém além de você pode ler. (J. Parker, DD )

 

A criação da mulher

 

 

  1. O cuidado do Criador pelo homem, e Sua preocupação paterna por seu conforto.

 

  1. Pena de Deus por sua solidão.

 

  1. Sua determinação em prover sociedade para ele.

 

 

II A sujeição das criaturas ao homem e seu domínio sobre elas. Deus trouxe os animais a Adão para que ele pudesse nomeá-los e, assim, dar uma prova de--

 

  1. O conhecimento dele.

 

  1. Seu poder.

 

 

III A insuficiência das criaturas para ser uma felicidade para o homem. Observar--

 

  1. A dignidade e excelência da natureza humana.

 

  1. A vaidade das coisas deste mundo. ( Henry, DD )

 

véspera

 

Vamos falar de ...

 

 

  1. a mulher.

 

  1. Sua criação.

 

  1. O propósito que Deus tinha em vista ao criá-la.

 

 

II A instituição maravilhosa pela qual o homem e a mulher são feitos um. É maravilhoso que essa instituição seja encontrada tão cedo na história da humanidade.

 

 

III A união gloriosa da qual essa instituição é um tipo. Adão é um tipo de Cristo; e desde que Cristo era o cônjuge da Igreja, Eva era um tipo de Igreja. E nossa conclusão, portanto, é que o casamento de Adão e Eva, e o instituto do casamento por completo, é típico da união entre Cristo e a Igreja. ( TW Richards, MA )

 

Lições

 

1 . Como Deus não diz que não era bom Adão ficar sozinho, mas que o homem estivesse sozinho; assim, na sabedoria, ampliando o bem do casamento para o homem em geral, isto é, para alguns de todos os tipos, e não vinculando-o apenas a Adão, ou apenas a qualquer tipo. Novamente, ao dizer que não é bom, você vê o que o Senhor considera em Suas ações e obras, com inteligência, bondade e lucro para os usuários, quão bom pode ser, quão confortável: o que é uma boa lição para todos, como respeito em suas ações, vontades, prazeres. Sis volo, sic iubeo,Eu também, então ordeno que não respeite o bem de nenhum outro. Desdenhará a carne pecaminosa de fazer o que o Senhor dos senhores faz? Ele, embora tenha todo o poder e autoridade, ainda não fará apenas de acordo com isso, mas parece que pode ser bom que ele faça; e carne, pó e terra pecaminosos, com um pouco de autoridade, terão tanto orgulho, que sua vontade deve governar todas as ações?

 

  1. Marque com todo o seu coração como Deus considera antes mesmo que o homem veja o próprio desejo, o que pode ser bom para o homem, e entra em um objetivo de fazê-lo, e prepara para ele o que ele ainda queria e precisava, dizendo: "Tornemos o homem um ajudante como ele." Oh, como podemos nos apegar e nos apegar à providência deste Deus em todo o conforto de nossas mentes, que assim pensa no que pode ser bom para nós antes de pensarmos nele? nós mesmos, e não apenas pensamos nisso, mas o providencia e o prepara para nós, dizendo em todos os assuntos como neste: Ainda assim, meu servo quer tal ajuda, não é bom para ele ficar sem ela; venha, portanto, vamos prepará-lo para ele, etc.

 

3)Essa mulher é homenageada com o título de ajudante, não apenas mostra a bondade da instituição, como foi observado anteriormente, mas também ensina como ela deve ser querida e amada pelo marido, por cujo bem foi ordenada e dada. Quem não valorizará, nutrirá e amará o que lhe é dado em auxílio, não pelo homem, mas pelo próprio Deus? Sua ajuda consiste principalmente em três coisas: dar-lhe filhos, os confortos de sua vida e a idade de sua idade, que ele não pode ter sem ela. Em guardar o corpo santo para o Senhor da poluição imunda que o Senhor abomina. O apóstolo assim ensina quando fala assim: “Para evitar a fornicação, que todo homem tenha sua própria esposa.” E, terceiro, ao governar sua casa, filhos e família, e de muitas maneiras tendendo sua própria pessoa, tanto na doença como na doença. saúde. Todas essas e todas são ótimas ajudas,

 

4)Mas com que mulher foi feita? Certamente não de uma parte externa, mas de uma parte interna do homem, para que ela lhe seja querida como a sua interior. Não da cabeça do homem, para que ela não se orgulhe e busque superioridade. Não do pé do homem, para que ela não seja desprezada e usada como para o inferior dele; mas do lado dele, para que ela pudesse ser usada como companheira, agarrando-se a ele como companheira inseparável de todas as suas rédeas enquanto os dois vivem. E como a costela recebe força do peito do homem, assim como a mulher do marido: o conselho dele é a força dela; seu peito ela deve considerar que deve ser governada e governada em todos os seus caminhos, e procurar agradá-lo e facilitar ele de todas as dores que puder, sabendo sempre que está mais fraca sem o seio do marido, do qual vem toda a sua força e bom conforto em todos os momentos.

 

  1. É, se você marcar, não apenas disse que Deus fez a mulher, mas que Ele a trouxe ao homem: e assim somos ensinados que o casamento não é todo encontro de homem e mulher juntos sobre suas próprias cabeças, mas quando Deus os une, um ao outro; e Deus não os une, exceto no temor deles encontrarem o consentimento dos pais e dos interessados ​​neles. ( Bp. Babington. )

 

A ordenança de Deus em casamento

 

Vamos prestar atenção especial a esse idioma. Provavelmente, imaginamos que a afirmação significasse que Deus proveria ao homem alguém que deveria ser um ajudante para ele e cuja natureza e caráter seriam adequados para ele. Bem, as palavras realmente significam isso; mas eles também significam algo mais. Corretamente prestados, eles corriam assim: “Farei dele uma ajuda contra ele”; ou “para encontrá-lo”: isto é, “criarei para ele alguém que contará e corresponderá a ele como seu equivalente”. E a expressão parece apontar para essa unidade na diversidade, para aquela moral, adaptação intelectual e espiritual de um para o outro, - que existe entre a mulher e o homem. Por que o homem e a mulher não foram criados separados, como os animais, e depois reunidos? Porque Adam deveria ser o chefe inclusivo da raça humana: todos deviam ser derivados dele; ele deveria ser a fonte da qual todo rio deveria fluir. Portanto, era necessário que a mulher não tivesse uma existência independente, mas derivada - uma existência derivada do chefe federal da raça humana. Como diz São Paulo: “O homem é a imagem e a glória de Deus; mas a mulher é a glória do homem. Pois o homem não é da mulher; mas a mulher do homem. "

 

 

EU.Agora, comentando a passagem, tomemos isso como o pensamento que surge primeiro diante da mente - que era bom se a relação entre os dois sexos, e tudo o que existia na gravata do casamento, eram vistos como algo importante. . É claro que nenhum homem sensato falaria em tom anormalmente solene sobre eles. Ele jogava cores vivas e alegres sobre o assunto de namoro e casamento. Ele sabe que essa entrada na vida deve ser caracterizada pela alegria. Mas, no entanto, subjacente à alegria, devemos nos aventurar a pensar, para o povo cristão, um senso de seriedade e responsabilidade. As moças, por exemplo, devem entender e valorizar a influência que exercem no mundo; considerando que, com demasiada frequência, na relação com o outro sexo, eles toleram a falta de caráter por causa de qualidades vistosas e atraentes. E quanto aos homens, se eles vissem a relação dos sexos à luz que essa narrativa do Gênesis lança sobre ela, seriam mais caracterizados do que talvez sejam pelo respeito cavalheiresco pela humanidade. Honrariam uma mulher porque ela é uma mulher.

 

 

IINosso segundo pensamento se conecta com o assunto que é comumente chamado de "direitos das mulheres". Agora, vamos ver o caminho claramente nesta questão. Não supomos que o grande objetivo da mulher seja se casar: muitos dizem e pensam assim; mas nós também não. Ainda menos, queremos ser entendidos como implicando que uma mulher é justificada em relação a si mesma, ou que outras pessoas são justificadas em relação a ela, como tendo em algum grau considerável falhado no objeto de sua existência, se as circunstâncias a levassem a permanecer em uma única condição. No entanto, mantendo a visão da dignidade essencial e independente da feminilidade, lamentamos a má administração dos assuntos humanos, que exige em muitos seres humanos uma vida de celibato; e rastreamos o fato da imensa e mais desproporcional preponderância das mulheres em nossa civilização moderna, a existência de muitos dos males que estão minando os fundamentos de nossa prosperidade social. “Bem”, você pode dizer, “existe o fato: você não pode alterá-lo.” Não: eu sei que não podemos alterá-lo; mas podemos tentar tirar o melhor proveito disso. Reconhecendo que existem, e que, como as coisas estão agora, deve haver entre nós um grande número de mulheres solteiras, faríamos todo o possível para possibilitar isso para elas, ou pelo menos para muitas delas (para algumas não a exigem) ), para alcançar uma posição de independência por meio de seus próprios esforços honestos. Este, no mínimo, é nosso dever. Mas nós cumprimos? Claro que não. Não preciso dizer que, no caso das classes instruídas, e no caso daqueles que vêm logo abaixo delas, o caminho para a subsistência independente das mulheres é barrado e bloqueado por inúmeros obstáculos, que o dragão insone do preconceito popular guarda a maior parte das vias de acesso aos frutos dourados do sucesso honroso e que poucas mulheres que, como pioneiras no avanço do sexo, inventam energia persistente para romper o círculo de ferro que os envolve, é muito provável que adquiram uma dureza pouco atraente e não feminina, a partir da força do esforço que lhes permite forçar seu caminho. Há algo aqui que está errado e quer ser corrigido. Nossos arranjos sociais exigem o celibato para centenas de milhares que, provavelmente, não aceitariam essa condição por opção. E então desaprovamos seus esforços se eles lutam para manter - se lhes for permitido fazê-lo - uma posição independente em nossa terra comum. Uma última coisa mais, deixe-me dizer, e isso do mesmo caráter geral com o que eu já me atrevi a avançar. Não tenho nenhum tipo de simpatia pela gargalhada e barulho que às vezes ouvimos sobre as excelências relativas dos dois sexos - sobre a superioridade de um ou a inferioridade do outro. Para mim, a idéia de que uma mulher quer apenas um "estágio claro e sem favor", quer treinamento, educação e circunstâncias adequadas, a fim de desenvolver um cérebro tão grande e um músculo tão vigoroso quanto o homem, e assim poder lidar com ele na luta da vida - para mim esse pensamento é indescritivelmente repulsivo. O grande charme de uma mulher é que ela é diferente do homem: não um homem em um estágio inferior de desenvolvimento. Ela é o complemento do homem: sua natureza, sua disposição, seus poderes, suprem o que lhe falta. Os dois juntos formam um orbe completo: separados eles são apenas segmentos do círculo. Mas, para permanecer nessa relação um com o outro, é óbvio que eles não devem ser parecidos, mas diversos. Acredito com nosso grande poeta moderno que “a mulher não é um homem subdesenvolvido, mas diverso”. Não, e acredito que serão encontradas as diferenças sexuais de caráter, disposição, faculdade e natureza geralmente existentes na Terra. - é claro, de uma certa forma modificada - para existir no reino dos céus. ( será encontrado - é claro, de uma certa forma modificada - que existe no reino dos céus. ( será encontrado - é claro, de uma certa forma modificada - que existe no reino dos céus. (G. Calthrop, MA )

 

véspera

 

Deus não faz nada sem um propósito: e, portanto, "a costela que o Senhor Deus tirou do homem, fez dele uma mulher". Podemos entender prontamente que, se Eva tivesse sido edificada da terra como Adão, haveria uma relação entre eles que nunca foi intencional. Eles poderiam ter sido considerados como tendo um para o outro em algum grau o vínculo de um irmão e uma irmã, brotando da terra como pais de ambos. Mas o amor que deveria existir entre eles não foi projetado para ser o amor ao relacionamento, nem o amor à consanguinidade, nem o amor de um irmão e irmã. Adão deveria amar Eva como sendo essencialmente uma parte de si mesmo, como um amigo que se aproxima mais do que um irmão, como alguém que se originou em si mesmo, e na verdade derivou sua existência de seu próprio corpo. E o grande propósito que o Todo-Poderoso tinha em vista nessa formação da mulher era a instituição do casamento. Portanto, você não deve considerar a formação de Eva simplesmente como uma criação da mulher, assim como a formação de Adão foi a criação do homem; mas você deve considerá-lo como a produção da esposa de Adão, e como tendo envolvido nele o propósito divino da instituição do casamento. E então você percebe imediatamente por que o processo peculiar da criação foi empregado para levar a costela de Adão. E tudo isso nos mostra e nos ensina que o casamento é uma instituição divina sem importância comum e que seus votos e obrigações devem ser considerados em alto grau sagrado. Ele nunca deve ser considerado de maneira imprudente, nem sua festividade deve continuar a ponto de apagar seu caráter sagrado. Se deixarmos de reconhecer seu compromisso Divino, e não lhe dermos a reverência que reivindica em virtude de sua Divindade, como procuraremos a bênção Divina? Deve ser todo amor - amor, do começo ao fim do compacto; como o anel, que pertence à nossa cerimônia, sem fim, emblemático do amor eterno. E este é um amor místico: não é o amor que a natureza planta e nutre onde quer que ela tenha estabelecido o parentesco, ou onde ela uniu alma a alma nos laços da amizade. É um amor místico, que se posiciona sobre a instituição divina, e só pode ser atribuído à circunstância registrada da criação - "A costela que o Senhor Deus tirou do homem, fez dele uma mulher". E isso nos impressiona. como uma coisa maravilhosa, que esta instituição seja encontrada tão cedo e com destaque entre os breves registros da criação. Talvez devêssemos esperar que ela tivesse uma posição entre os compromissos levíticos. Cabe-nos, então, indagar se havia algum propósito especial do Todo-Poderoso, se havia algum mistério oculto envolvido na instituição. Parece haver algo tão notável na criação da mulher, e há algo tão expressivo na observação de Adam: “Agora este é osso do meu osso e carne da minha carne”; e a nomeação é tão maravilhosa que deve haver algum significado na história além do que aparece na superfície e além do que nossas observações até agora incluíram. Agora, sabemos que em muitos aspectos, Adão era um tipo de Cristo, nosso Redentor. "Maridos, ”Diz o apóstolo,“ ame suas esposas, assim como Cristo também amou a Igreja e se entregou por isso ”. E, depois de falar e exortar a respeito do casamento, ele cita as próprias palavras empregadas por Adão em sua primeira instituição e acrescenta: “Este é um grande mistério, mas falo a respeito de Cristo e da Igreja.” Se, então, Adão era o tipo de Cristo, e Cristo é a esposa da Igreja, segue-se como dedução lógica que Eva era um tipo de Igreja. E nossa conclusão, portanto, é esta: que o casamento de Adão e Eva, e o instituto do casamento por completo, é típico e emblemático da união entre Cristo e Sua Igreja. E assim, na primeira página quase da Bíblia (e dificilmente existe uma página ou carta que não faça referência ao mesmo assunto maravilhoso), encontramos a redenção sugerida e um Redentor apontou: e uma igreja sugerida. Aqui está o evangelho, aqui estão as boas novas da mediação no próprio alfa da revelação divina, e nunca se perde de vista, mesmo para o ômega. E aqui, então, chegamos ao profundo mistério do instituto do casamento: aqui aprendemos por que sua nomeação é uma característica tão proeminente na história concisa da criação. Se, então, tivermos raciocinado corretamente, e Eva for assim um tipo de Igreja, seria uma questão de investigação proveitosa observar como a posição e as instruções de Adão e Eva se aplicam em seu cumprimento a Cristo e à Igreja. Mas podemos apenas sugerir essas coisas e deixar esse assunto maravilhoso para meditação particular. Não há dúvida de que a abertura do lado de Adão para a formação de Eva tinha referência àquela abertura do lado do segundo Adão para a formação de Sua Igreja, que ocorreu na cruz no Calvário; pois a Igreja, resgatada de Sião, deve toda a sua existência e toda a sua salvação à água e ao sangue que foi lançado no golpe da lança do soldado, e sem o qual, segundo nos é dito, não poderia haver remissão. E essa abertura do lado também foi realizada durante um sono profundo; pois, quando os soldados vieram a Ele, descobriram que Ele já estava morto: era um sono profundo, o sono profundo da morte. Sejamos, portanto, fiéis a nós mesmos e à nossa profissão; para que, depois de termos assumido os votos de casamento com Cristo, nunca sejamos mencionados como uma geração má e adúltera. ( que ocorreu na cruz no Calvário; pois a Igreja, resgatada de Sião, deve toda a sua existência e toda a sua salvação à água e ao sangue que foi lançado no golpe da lança do soldado, e sem o qual, segundo nos é dito, não poderia haver remissão. E essa abertura do lado também foi realizada durante um sono profundo; pois, quando os soldados vieram a Ele, descobriram que Ele já estava morto: era um sono profundo, o sono profundo da morte. Sejamos, portanto, fiéis a nós mesmos e à nossa profissão; para que, depois de termos assumido os votos de casamento com Cristo, nunca sejamos mencionados como uma geração má e adúltera. ( que ocorreu na cruz no Calvário; pois a Igreja, resgatada de Sião, deve toda a sua existência e toda a sua salvação à água e ao sangue que foi lançado no golpe da lança do soldado, e sem o qual, segundo nos é dito, não poderia haver remissão. E essa abertura do lado também foi realizada durante um sono profundo; pois, quando os soldados vieram a Ele, descobriram que Ele já estava morto: era um sono profundo, o sono profundo da morte. Sejamos, portanto, fiéis a nós mesmos e à nossa profissão; para que, depois de termos assumido os votos de casamento com Cristo, nunca sejamos mencionados como uma geração má e adúltera. ( e sem o qual, nos disseram, não poderia haver remissão. E essa abertura do lado também foi realizada durante um sono profundo; pois, quando os soldados vieram a Ele, descobriram que Ele já estava morto: era um sono profundo, o sono profundo da morte. Sejamos, portanto, fiéis a nós mesmos e à nossa profissão; para que, depois de termos assumido os votos de casamento com Cristo, nunca sejamos mencionados como uma geração má e adúltera. ( e sem o qual, nos disseram, não poderia haver remissão. E essa abertura do lado também foi realizada durante um sono profundo; pois, quando os soldados vieram a Ele, descobriram que Ele já estava morto: era um sono profundo, o sono profundo da morte. Sejamos, portanto, fiéis a nós mesmos e à nossa profissão; para que, depois de termos assumido os votos de casamento com Cristo, nunca sejamos mencionados como uma geração má e adúltera. ( nunca podemos ser mencionados como uma geração má e adúltera. ( nunca podemos ser mencionados como uma geração má e adúltera. (TW Richards, MA )

 

A família: seu ideal bíblico e seus agressores modernos

 

 

  1. A FUNDAÇÃO DA FAMÍLIA NA NATUREZA.

 

 

IIO IDEAL DA FAMÍLIA. A família é uma das combinações da natureza, sendo composta por várias partes constituintes; e mostra as mesmas propriedades normalmente encontradas nas outras combinações da natureza. Em tais combinações, encontramos duas coisas: primeiro, uma afinidade natural ou atração das partes umas das outras; e segundo, harmonia e repouso quando a combinação é efetuada, como se algum cimento invisível tivesse sido usado para unir o todo em um. Combinações duras e friccionais são estranhas à natureza. O oxigênio e o hidrogênio que se combinam para formar a água têm uma afinidade natural entre si, e o produto é tão maravilhosamente harmonioso que ninguém poderia imaginar antes que a água não fosse uma substância simples. O exemplo mais impressionante de combinação harmoniosa na natureza é o da luz, onde as sete cores do arco-íris dão à luz um produto em que o menor traço de discórdia nunca pode ser encontrado. A natureza, ao organizar suas forças, faz uma provisão semelhante nessa combinação que chamamos de família. A intenção da natureza, ou melhor, do Criador, parece óbvia aqui, embora essa intenção seja freqüentemente frustrada pela perversidade do homem. Em primeiro lugar, uma afinidade natural aproxima o homem e a mulher. Não existe apenas a afinidade natural dos sexos, mas há a atração individual entre um homem e uma mulher, o desejo de estar intimamente relacionado um com o outro, que é o verdadeiro e natural fundamento do casamento. Seria uma visão muito baixa da relação matrimonial que a faria fluir apenas pelo instinto. O homem é certamente muito mais que um animal. Ele não tem uma natureza espiritual que o alia às ordens mais elevadas do ser, assim como sua natureza animal o alia às inferiores? E quando um ser humano é atraído para outro com o objetivo de formar a relação mais próxima possível, certamente isso não é meramente uma atração do animal; a natureza superior também tem uma participação nela. Atualmente, falamos do que parece ser o objetivo da instituição. Dizemos que a lei da afinidade que governa todas as combinações da natureza nos leva a esperar que o fundamento do casamento esteja em uma afinidade ou atração, não apenas uma parte da natureza do homem, e não apenas a parte inferior, mas o todo. E quando nos voltamos para a Bíblia, encontramos essa opinião amplamente confirmada, pois é dito: “Portanto, um homem deixará seu pai e sua mãe, e se apegará a sua esposa, e eles serão uma só carne. ”Deve haver alguma atração da natureza superior para atrair um homem de seu pai e mãe, a quem seus melhores afetos o induziriam naturalmente a se apegar. Em outras palavras, o verdadeiro casamento tem como fundamento o atrativo poder do amor. E como o amor é seu fundamento, também é o cimento projetado para unir os dois seres à unidade, e dar origem àquela harmonia que vimos para caracterizar todas as combinações da natureza. Diferenças de temperamento, variedades de gosto, diversidades de vontade, diversas formas de fraqueza natural e tentação natural tendem naturalmente a atritos e discórdias. Que disposição existe na natureza para combater essa tendência e garantir harmonia? O amor é o cimento moral da natureza. Por seu poder magi, diferentes temperamentos se tornam complementos um do outro, gostos opostos encontram um método de reconciliação, e até vontades contraditórias, aprendendo a aceitar e a dar, a suportar e a tolerar, tornam-se como um. Talvez seja perguntado: Você está falando sério ao afirmar que o casamento deve sempre ser baseado no amor mútuo? Essa idéia não é totalmente utópica? Pode ser: mas o utopismo nem sempre é o oposto da verdade ou do dever. Se estabelecêssemos como regra de vida adequada que os homens sempre falassem a verdade, isso pareceria totalmente impraticável e utópico; e ainda assim é uma regra correta e apropriada. Quando falamos de amor, não queremos dizer necessariamente o estado de fervor extático que é comumente delineado em romances e que às vezes é encontrado na vida real. Essa verdadeira afinidade de corações um pelo outro, que é o verdadeiro fundamento do casamento, pode ser, e muitas vezes é, muito mais calma e não demonstrativa. Há outro elemento importante que entra na idéia de uma família completa e, em conexão com a qual, também, é prevista a natureza de uma combinação harmoniosa com os outros elementos - a saber, as crianças. Não é difícil ver, na teoria ou na prática, que as crianças podem muito rapidamente se tornar um elemento muito discordante. Para promover a harmonia necessária e desejável, os pais são dotados de duas coisas, força e carinho. Eles têm força do corpo, se não também da mente, para impor o que consideram certo; mas o emprego de pura força apenas despertava o espírito de rebelião e, ao produzir uma submissão temporária, tornava a discórdia mais profunda no final. Portanto, o amor, o amor dos pais, é fornecido, para tornar a aplicação da força mais suave e mais eficaz. Os dois devem trabalhar juntos, caso contrário, o mal acontece. Assim, vemos como, no caso das famílias, é exemplificada a grande lei da natureza, que visa tornar todas as combinações harmoniosas e eficientes. Se, no caso de uma família, a combinação é discordante, é porque a elaboração do plano é abusada nas mãos de seres humanos frágeis. Pois é um fato doloroso na história deste mundo que nada frustra com tanta frequência os planos da providência como a intervenção do homem. Quando os arranjos divinos caem em efeito pelas forças cegas da natureza, eles são realizados com precisão e certeza; mas quando são dependentes da intervenção do homem, muitas vezes resulta em confusão e derrota. Se, no caso de uma família, a combinação é discordante, é porque a elaboração do plano é abusada nas mãos de seres humanos frágeis. Pois é um fato doloroso na história deste mundo que nada frustra com tanta frequência os planos da providência como a intervenção do homem. Quando os arranjos divinos caem em efeito pelas forças cegas da natureza, eles são realizados com precisão e certeza; mas quando são dependentes da intervenção do homem, muitas vezes resulta em confusão e derrota. Se, no caso de uma família, a combinação é discordante, é porque a elaboração do plano é abusada nas mãos de seres humanos frágeis. Pois é um fato doloroso na história deste mundo que nada frustra com tanta frequência os planos da providência como a intervenção do homem. Quando os arranjos divinos caem em efeito pelas forças cegas da natureza, eles são realizados com precisão e certeza; mas quando são dependentes da intervenção do homem, muitas vezes resulta em confusão e derrota. são realizados com precisão e certeza; mas quando são dependentes da intervenção do homem, muitas vezes resulta em confusão e derrota. são realizados com precisão e certeza; mas quando são dependentes da intervenção do homem, muitas vezes resulta em confusão e derrota.

 

 

III O OBJETIVO DA FAMÍLIA.

 

1No que diz respeito à comunhão de marido e mulher. Deve-se observar que a razão que é apresentada no segundo capítulo de Gênesis, por que Deus criou a mulher, é que ele poderia fornecer ao homem um companheiro adequado; é somente depois que ela se chama Eva, como símbolo de sua maternidade, "porque ela era a mãe de todos os vivos". As escrituras vêem a relação do homem e da mulher casados, portanto, como tendo um fim importante para servir no Propósito divino, mesmo à parte da continuação da corrida. O homem e a mulher entram nessa notável relação de unidade para promover o bem-estar um do outro. É verdade que muitas vezes há discórdia em vez de unidade. Mas a unidade é certamente alcançada em um número suficiente de casos para justificar a sabedoria do arranjo. Uma coisa é muito certa: se essa unidade não for realizada, a relação de marido e mulher, em vez de ser benéfica, deve ser cansativa e até desastrosa para ambos. Ser forçado a viver, comer, dormir e adorar juntos, enquanto seus corações estão em discórdia aberta, é simplesmente horrível. Por outro lado, onde existe uma unidade substancial, o entrelaçamento necessário de todos os eventos de sua vida aumenta a unidade e investe a relação com um interesse mais terno e uma santidade mais profunda. Ter o mesmo nome: passar seus dias e noites na mesma casa e quarto; compartilhar os mesmos bens mundanos; ser pais dos mesmos filhos; ser parceiros das alegrias e tristezas um do outro, cuidados e ansiedades, perplexidades e libertações; procurar um ao outro por conselho e animação; misturar suas orações e ações de graças como ninguém mais pode; olhar para trás ao longo da linha de suas vidas, e pense em tudo o que compartilharam; olhar para frente e pensar na inevitável separação que está por vir e depois na reunião que a fé espera; quem negará que tais experiências sejam adequadas não apenas para aprofundar a unidade que está no fundamento da relação, mas para elevar o tom da vida, purificar o caráter e adoçar a corrente da existência, como nenhuma outra influência terrena pode? Onde os dois são uma carne, não deve haver contato com outra carne. E aqui também a natureza oferece uma recompensa abundante para aqueles que são fiéis à sua ordem. Nada mantém a fonte do amor conjugal tão pura e fresca quanto a fidelidade absoluta ao vínculo matrimonial. Mesmo nas nações pagãs, houve belos exemplos de uma união feliz e da mais alta estima entre homem e mulher. Joseph Cook, em suas palestras em Boston, encontra muita coisa nesse sentido para justificar o casamento por motivos naturais. Ele exemplifica o caso da esposa de Phocion, o grande reformador, que, quando seu marido foi recusado o enterro no solo do sótão, passou a noite queimando o corpo, trouxe seus ossos de volta a Atenas, enterrou-os embaixo da lareira e abençoou a lugar que assim protegia os restos mortais de um homem bom e grande, até que os atenienses, voltando à sua mente correta, devessem restaurá-los ao sepulcro de seus pais. Mais impressionante é a história contada por Ciro de Panthea, esposa de Abradatus. Ela amava o marido com um carinho supremo. Quando capturado por Cyrus, ele perguntou a ela onde estava sua casa. "No seio do meu marido", foi em substância sua resposta; e quando ofereceu uma posição deslumbrante na corte de Ciro, ela pediu que a mandassem rapidamente para casa. “Se alguma vez houve uma mulher que considerava seu marido mais do que sua própria alma, ela era essa mulher.” Encorajando-o a lutar por Cyrus para mostrar sua gratidão, ela o enviou com sua bênção para a batalha em que ele caiu. Mais uma vez ela teve ofertas da glória deste mundo; novamente seu objetivo foi declarado estar com o marido. "Não posso justificar Panthea em tudo", diz Cook. “Ela foi educada com opiniões severas que justificavam o suicídio. Ela disse à empregada para cobri-la da mesma forma que o marido. Então ela se feriu; pôs a cabeça no peito dele e adormeceu. Grande natureza está nisso! Você deseja que eu ensine o que a ciência proclama respeitando a vida familiar. Devo pedir-lhe que volte às fontes mais profundas da experiência humana. Essas mulheres, a esposa de Phocion e a esposa de Abradatus são irmãs de todos nós, ajudantes de todas as idades. São águas cristalinas que brotam das fendas mais íntimas da natureza e da sociedade humanas, e uma em sua pureza com a chuva que cai sobre todas as colinas, e é a fonte real, afinal, de cada uma dessas nascentes cristalinas ”. sob o paganismo, havia influências fortes o suficiente para perceber, pelo menos em alguns casos, a verdadeira unidade de marido e mulher, e mostrar ao mundo que tipo de relação ele foi projetado para ser. O cristianismo trouxe novas influências para o campo. Foi fornecido um novo padrão de unidade conjugal e uma nova força para o desenvolvimento do amor conjugal ( ”Mesmo sob o paganismo, havia influências fortes o suficiente para perceber, pelo menos em alguns casos, a verdadeira unidade de marido e mulher, e mostrar ao mundo que tipo de relação ele foi projetado para ser. O cristianismo trouxe novas influências para o campo. Foi fornecido um novo padrão de unidade conjugal e uma nova força para o desenvolvimento do amor conjugal ( ”Mesmo sob o paganismo, havia influências fortes o suficiente para perceber, pelo menos em alguns casos, a verdadeira unidade de marido e mulher, e mostrar ao mundo que tipo de relação ele foi projetado para ser. O cristianismo trouxe novas influências para o campo. Foi fornecido um novo padrão de unidade conjugal e uma nova força para o desenvolvimento do amor conjugal (Efésios 5:25 Efésios 5:25 ; Efésios 5:30Efésios 5:30 ).

 

2)A relação de pais e filhos. Agora, observemos que a provisão da natureza para a criação dos filhos é colocá-los sob a responsabilidade de seus dois pais, ambos possuidores de afeto por eles, embora em proporções um tanto diferentes, e essa provisão para a educação deles é mais essencial. Um desiderato essencial para uma criança é o treinamento moral. Essa é uma tarefa muito difícil e muito pesada para os pais? Assim, é afirmado por aqueles que menosprezam o instituto familiar e que reuniam crianças em quartéis ou outros grandes estabelecimentos, onde seriam educados pelos mais sábios e experientes da raça, nas melhores condições de treinamento eficiente. Cometer esse trabalho aos pais de caráter médio, é contestado por dois motivos; primeiro, porque onde for tentada, o trabalho será feito mal, em conseqüência da loucura e ignorância dos pais; e segundo, porque em uma grande variedade de casos, isso não será tentado. Que as qualificações necessárias para a educação correta dos filhos estão ao alcance da administração comum dos pais, é suficientemente claro o fato de que muitos pais, nas classes mais humildes da vida, cumpriram o dever com um sucesso admirável. Quando o Dr. Livingstone compôs um epitáfio simples para ser colocado na lápide de seu pai e mãe, a única coisa que ele desejava comemorar era a gratidão de seus filhos a Deus pelos pais pobres e piedosos. Ele recusou-se a mudar a expressão para "pobre, mas piedoso", porque acreditava nas influências benéficas da pobreza, na nobreza de caráter que ela fomentava nelas e no bem que obtinha dela. Se tivesse sido criado com luxo e esplendor, não teria aprendido os hábitos que lhe permitiam abrir a África a um custo de resistência dolorosa e perseverança inflexível, raramente igualada nos anais da humanidade. Não é um grande intelecto nem um amplo meio que permita aos pais dar uma boa educação aos filhos, mas uma devoção consciente ao dever, o espírito de amor e um bom exemplo. Essas são qualidades ao alcance de todas as classes. Muito estresse deve ser colocado no último ponto - o bom exemplo. Ao estimar o valor moral da família como um todo, não devemos perder de vista a influência que os filhos geralmente exercem sobre os pais. “O que aprendi com meus filhos” pode ser objeto de uma narrativa tão interessante quanto “O que aprendi com meus pais. Que pai não encontrou ocasião para pesquisar mais profundamente a verdade a partir das perguntas estranhas que as crianças costumam colocar em respeito às coisas que as mentes mais velhas costumam dar como garantidas? O escritor atual, em seu primeiro ministério, teve uma ocasião para ouvir a história espiritual de uma mulher aflita, que estava deitada na cama, aguardando o último mensageiro. “Por muitos anos”, ela disse, “não vi que era pecadora, não achei que havia violado seriamente nenhum dos mandamentos de Deus.

 

Mas tive a infelicidade de ter um filho único que fugiu de mim e nunca escreveu para mim, ou parecia querer ouvir de mim ou de mim. Então me ocorreu que eu tinha sido tão indiferente ao meu Pai celestial, quanto meu filho fora de mim. Embora eu não tenha sido culpado de pecados abertos, negligenciei totalmente meu dever para com o Pai celestial. As palavras me vieram à mente: 'O boi conhece o seu dono, e o jumento o berço do seu senhor; mas Israel não sabe, o meu povo não considera. Eu recebi uma nova luz por toda a minha vida; Eu me via como um grande pecador; e não descansei até chegar à cruz, e lá estava aspergido com o sangue que purifica de todo pecado. ”A presença de crianças em uma casa amolece o coração, o torna mais humano e compreensivo. Afasta os homens da atitude rígida e séria dos negócios. Evoca os elementos mais gentis e brincalhões de nossa natureza. Mantém o coração jovem e suas afeições frescas. Mas mais poderoso do que qualquer coisa que já foi notada, é o efeito sobre o pensamento de seus filhos, em razão da razão, de suas próprias tentações e perigos. Existem prazeres malignos cuja atração pode se mostrar forte demais para alguns homens, se o pensamento de seus filhos não vier para detê-los. O que eles pensariam se essas crianças fizessem o mesmo? se o pensamento de seus filhos não viesse vê-los. O que eles pensariam se essas crianças fizessem o mesmo? se o pensamento de seus filhos não viesse vê-los. O que eles pensariam se essas crianças fizessem o mesmo?

 

  1. Notamos então, a seguir, a relação de irmãos e irmãs. Em uma família bem regulamentada, esse é um fator muito importante. O ideal do lar cristão sugere o pensamento de Comus, de Milton ,onde irmãos de mente pura, admirando a pureza de uma irmã querida, preocupam-se para que, sozinha no mundo, ela se atrapalhe com qualquer daqueles monstros inchados que arrastariam até um anjo em seu chiqueiro imundo. Mas, além desse assunto doloroso, que provisão abençoada temos para a difusão de benefícios mútuos nas qualidades contrastantes de irmãos e irmãs ligados um ao outro e profundamente interessados ​​no bem-estar um do outro! Um grande encanto na relação de irmãos e irmãs vem da diferença de idade. O poder de ajudar as pessoas mais velhas é projetado para desenvolver o senso de responsabilidade e, quando devidamente exercido, dá-lhes alguma participação no governo dos pais e facilita o trabalho dos próprios pais. Além disso,

 

  1. Em muitas famílias, além de irmãos e irmãs, também existem servos.

 

  1. Os amigos e conhecidos de uma família ampliam o horizonte de interesse, carinho e simpatia. ( WG Blaikie, DD )

 

Casamento

 

 

  1. O LAÇO DO CASAMENTO. Isto é realmente o que se trata. É desnecessário discutir a questão de saber se o casamento deve ser dissolúvel não apenas com base no adultério, mas também na crueldade, na embriaguez habitual ou na loucura. Os oponentes do casamento, como estão agora, ficariam satisfeitos com essas promessas. O contrato de casamento deve ser reduzido ao nível de um contrato entre parceiros nos negócios, e um deve ser anulado precisamente da mesma maneira que o outro. É este, vamos perguntar, além das Escrituras, um método justo ou razoável de tratar o contrato de casamento?

 

  1. Não negligencia a natureza muito delicada e solene da relação estabelecida no casamento entre homem e mulher? Esse contrato é realmente sem paralelo. Coloca as partes em uma relação de intimidade e delicadeza sem abordagem em nenhuma outra.

 

  1. Essa visão do casamento subverte a provisão da natureza para o bem-estar dos jovens. O que deve acontecer com os filhos quando o casamento termina, porque o pai e a mãe estão cansados ​​um do outro?

 

  1. Um arranjo que encerrasse a união de marido e mulher sempre que eles se cansassem, desencorajaria grandemente o exercício de tolerância um com o outro quando, infelizmente, surgissem diferenças.

 

4)Além disso, essa política deixaria pouca oportunidade de arrependimento e reconciliação. Depois que o empate foi cortado, ele deve permanecer. Mas pode-se argumentar que o que é chamado de arranjo da natureza é um arranjo defeituoso e, na prática, gera males tão grandes que, para remediá-los, você deve recorrer a divórcios fáceis. Devemos exaltar para "um plano da natureza", um arranjo que é tão dolorosamente frutífero de contenção e miséria? Sim, ainda é o plano da natureza; mas é o plano da natureza pervertido, frustrado, tornado abortivo por algum mau hábito ou indulgência vil que impede que a intenção da natureza seja cumprida, tão real e totalmente quanto um prego cravado nas obras de um relógio o impede de indicar o hora adequada. Primeiro entre essas influências perversas, devemos colocar o hábito da embriaguez. Até agora, temos lidado com a objeção em bases comuns ao secularista e ao cristão. Mas não podemos deixar o assunto sem examiná-lo também no terreno das Escrituras. Lembremos que, de acordo com as Escrituras, o casamento e a constituição da família foram instituídos enquanto a raça humana ainda não havia caído e enquanto a relação entre Deus e o homem existia em toda a sua plenitude de bênçãos. A queda não revogou a instituição, mas fez uma grande mudança nas condições em que existia. Houve discórdia entre homem e Deus, discórdia na alma do homem entre paixão e consciência, discórdia em suas relações sociais, discórdia entre homem e mulher. Admitindo, então, que em um grande número de casos o casamento é o pai da discórdia e da miséria, Qual das duas políticas é mais digna de apoio, com o objetivo de remediar esse mal grave? Devemos mudar o vínculo matrimonial como tem sido até agora, tornar a relação das pessoas casadas frouxa e fácil, amarrar o nó tão frouxamente que um puxão muito leve irá desfazê-lo e colocar o que até agora era a mais sagrada das obrigações humanas? a misericórdia do capricho de qualquer das partes? Ou tentaremos fazer com que essa relação seja penetrada pelo amor de Cristo, para trazer o espírito de tolerância e perdão para as divergências reais, para exaltar o senso dos homens da dignidade e sacralidade da relação conjugal - símbolo como é de a união de Cristo e Sua Igreja; tentaremos acelerar a consciência dos pais em relação ao bem-estar de seus filhos, induzi-los a ampliar sua visão além do horizonte da vida atual,

 

 

IIA ESTRUTURA DAS CRIANÇAS. Outra objeção comum à família refere-se ao melhor arranjo para educar os filhos para serem cidadãos ordenados, respeitáveis ​​e úteis. Dizemos que é a vida em família. Mas em quantos casos a educação que recebem em suas casas é pior do que inútil - uma educação de golpes e maldições, embriaguez e devassidão, pecados e miséria. Nesses casos, sem dúvida, você deve substituir a família. Mas este é um remédio extremo, aplicável apenas ao pior caso. E antes que este curso seja adotado, todos os esforços devem ser feitos para estimular o senso de responsabilidade dos pais. Para muitos, parece não apenas um remédio mais simples, mas mais eficiente, para os males da negligência dos pais, levar as crianças negligenciadas por atacado dos pais e trazê-las para outro lugar. Mas fazer uma prática promíscua disso seria causar danos infinitos. Quando o Dr. Guthrie instituiu suas Escolas Ragged, ele não forneceu acomodações para dormir para seus filhos; à noite eles retornavam aos pais; por todas as coisas, ele estava mais ansioso para preservar o interesse dos pais em seus filhos e o interesse dos filhos em seus pais. Não temos garantia de separar totalmente os filhos dos pais, exceto sob duas condições: primeiro, quando é certo que os filhos seriam arruinados se continuassem a viver com eles; e, segundo, quando os pais estão dispostos a desistir, digamos emigrar. ( por todas as coisas, ele estava mais ansioso para preservar o interesse dos pais em seus filhos e o interesse dos filhos em seus pais. Não temos garantia de separar totalmente os filhos dos pais, exceto sob duas condições: primeiro, quando é certo que os filhos seriam arruinados se continuassem a viver com eles; e, segundo, quando os pais estão dispostos a desistir, digamos emigrar. ( por todas as coisas, ele estava mais ansioso para preservar o interesse dos pais em seus filhos e o interesse dos filhos em seus pais. Não temos garantia de separar totalmente os filhos dos pais, exceto sob duas condições: primeiro, quando é certo que os filhos seriam arruinados se continuassem a viver com eles; e, segundo, quando os pais estão dispostos a desistir, digamos emigrar. (WG Blaikie, DD )

 

Significado da esposa

 

E agora vamos ver se a palavra "esposa" não tem lição. Literalmente significa um tecelão. A esposa é a pessoa que tece. Antes do surgimento de nossas grandes fábricas de algodão e tecidos, um dos principais empregos em todas as casas era a fabricação de roupas: toda família fazia suas próprias. A lã foi fiada pelas meninas, que eram chamadas de solteirões; a linha foi tecida em tecido por sua mãe, que, consequentemente, foi chamada tecelão ou esposa; e outro remanescente dessa velha verdade que descobrimos na palavra “herança”, aplicada a qualquer peça de mobília antiga que nos veio de nossos ancestrais e que, embora possa ser uma cadeira ou cama, mostra que um tear era uma vez um artigo importante em todas as casas. Assim, a palavra “esposa” significa tecelão: e, como Trench bem observa, “na própria palavra está envolvida uma sugestão de fervoroso, interior,Dicionário de ilustrações. )

 

Mulher, um ajudante

 

Joshua Reynolds conheceu Flaxman no dia seguinte ao casamento e disse: "Você é um homem feliz, mas está arruinado por um artista". Ele contou à noiva com grande desânimo. “Eu queria ser um grande artista.” “E, John”, disse Annie, com o fogo nos olhos, “você será um grande artista!” Ele sempre dizia que era isso que o tornava um artista. Havia um jovem na Suíça, empenhado em observar e classificar os himenópterosde sua terra natal, quando de repente ele foi atingido por cegueira. A calamidade era tão desesperadora que o casamento era absolutamente proibido pelo pai de sua amada. Ela esperou, como uma criança obediente, até os vinte e um anos de idade; depois, sem ocultação e, com grande tristeza, mas honrando o pai por desobedecê-lo, casou-se com o cientista e imediatamente o convenceu a retomar seus estudos. Ela continuou as experiências dele sob a direção dele. Ela logo se tornou mais habilidosa do que ele jamais assistira ao funcionamento das criaturas curiosas. E ele se tornou mais exato em sua generalização, em conseqüência de se calar às próprias reflexões. O resultado foi uma obra que surpreendeu o mundo e continua sendo a primeira e clássica autoridade sobre o assunto - o tesouro imortal de Huber nas abelhas! O que o amor fiel de uma esposa não realizará! Deus no céu não vê nada na terra, como o paraíso acima, como um amor de confiança e ajuda.

 

Sociedade na família

 

“Sociedade da família”, diz Henry, “se isso for agradável, é uma reparação suficiente para a queixa da solidão. Aquele que tem um bom Deus, um bom coração e uma boa esposa para conversar, e ainda reclama que quer conversar, não teria sido fácil e contente no paraíso, pois o próprio Adão não tinha mais. ”

 

Verso 19

Gênesis 2:19Gênesis 2:19

 

Esse era o nome dele

 

A nomeação dos animais por Adam

 

1.

O homem deveria assim tornar-se consciente de seu senhorio sobre as tribos animais.

 

  1. Como símbolo de suas relações com eles, respectivamente, ele deveria dar a eles seus respectivos nomes.

 

  1. Seu conhecimento da natureza animal (na qual ele havia sido criado) deve ser desenvolvido imediatamente, sob o ensino especial de Deus.

 

  1. Seus órgãos de fala devem ser colocados em exercício.

 

  1. Seu conhecimento da linguagem (Divinamente transmitido) deve ser desenvolvido no uso de termos para nomear as várias classes - sob a instrução e orientação divinas.

 

  1. Parece, a partir da conexão, que o homem deveria ser sensato à sua necessidade social, pois deveria ver os animais passando diante dele em pares. ( MW Jacobus. )

 

Linguagem um presente Divino

 

O homem foi criado em conhecimento, após a imagem Divina, e, portanto, dotado de poderes de percepção e discriminação, pelos quais podia conhecer os hábitos, personagens e usos de várias espécies, tanto de animais quanto de aves, mas não sem Ensino divino no assunto e no uso de termos. Os nomes que ele lhes deu foram designados para serem os nomes pelos quais deveriam ser conhecidos - e foram, sem dúvida, significativos - como foi o nome de Eva ( Gênesis 2:23 Gênesis 2:23 ), Gênesis 3:20Gênesis 3:20 . A linguagem em si não poderia ter sido tão cedo uma invenção humana, mas uma revelação. ( MW Jacobus. )

 

Observações

 

 

  1. As mercê de Deus são, ou deveriam ser, preciosas para nós quando não podemos estar sem eles, nem os temos de nenhum outro, mas de si próprio. Para que a necessidade de criar uma mulher para ser a ajudante de Adão lhe seja mais claramente descoberta, Ele traz à sua frente as criaturas, para que, por seu próprio julgamento, conclua a unidade de que alguma delas deve ser sua companheira ou ajudadora.

 

 

II DEVEMOS CONHECER A INSERVAÇÃO DE OUTRAS COISAS, QUE PODEMOS SABER E APROVAR A RENTABILIDADE DO QUE É VERDADEIRAMENTE BOM.

 

 

III Deus pode ordenar e dispor das criaturas para fazer o que, e estar onde ele as designa.

 

 

IV O HOMEM PODE USAR LEGALMENTE ESSE PODER SOBRE AS CRIATURAS QUE DEUS MESMO TEM QUE COLOCAR EM SUA MÃO.

 

 

  1. DEUS AGRADECE-SE A HOMENS HOMENS ATRAVÉS DE EMPREGÁ-LOS EM MUITAS COISAS QUE PERTENCEM PERTO E PODEM SER FEITAS POR SI MESMO.

 

  1. Incentivar os homens ao Seu serviço, honrando-os a ponto de torná-los Seus companheiros de trabalho.

 

  1. Para unir os homens mais apaixonados, um ao outro.

 

  1. Aumentar sua recompensa a partir de agora, pelo emprego fiel de seus talentos, para a vantagem de seu Mestre, de quem os recebeu, Mateus 25:21 Mateus 25:21 ; Mateus 25:23Mateus 25:23 . ( J. White, MA )

 

Intuição

 

Deus agora passa a mostrar ao homem o ponto exato onde estava o vazio. Adão foi levado a sentir esse vazio, mas o objetivo de Deus é colocá-lo em circunstâncias que o levarão passo a passo à sede do anseio insatisfeito interior. Conseqüentemente, Deus traz diante de si todas as criaturas que Ele criou, para que Adão, em sua escolha, tenha todo o alcance da criação. Adam examina todos eles. Ele vê pela sabedoria instintiva a natureza e as propriedades de cada um, para que possa apor nomes a todos por sua vez. Seu conhecimento é amplo e completo; veio diretamente de Deus, assim como seu próprio ser. Não é descoberta, não é aprendizado, não é experiência, não é memória, é intuição. Por intuição, ele sabia o que o rei mais sábio, após eras, só sabia pesquisando. ( H. Bonar, DD )

 

O primeiro ato de soberania do homem sobre os animais

 

O homem era certamente o mestre superior da natureza. Isso fica evidente no próximo recurso mencionado pelo nosso texto. Deus trouxe os animais que Ele havia criado ao homem, para "ver como ele os chamaria"; e os nomes escolhidos pelo homem deveriam permanecer para eles para sempre. Este é o primeiro ato pelo qual o homem exerceu sua soberania; e embora seu intelecto ainda não estivesse despertado, ele era suficientemente dotado para essa tarefa; pois ele tinha sido capaz de entender o mandamento divino e de representar para si mesmo a morte. Na primeira cosmogonia, o próprio Deus fixou os nomes dos objetos que Ele havia chamado à existência; Ele determinou as denominações de dia e noite, do céu e do mar e da terra seca. Aqui Ele cede esse direito ao homem, a quem Ele ordenou "ter domínio sobre toda a terra". O nome era, segundo os escritores hebraicos e orientais em geral, uma parte integrante do próprio objeto; não foi considerado indiferente; não era sinal convencional; era um atributo essencial. Quando Deus se revelou a Moisés na sarça ardente, este se apressou a perguntar em que nome desejava ser anunciado aos israelitas. Quando uma crise na vida de um indivíduo era iminente, ou havia sido superada com sucesso, seu nome foi transformado em outro expressivo desse evento. Os reis, na sua elevação ao trono, assumiram outro nome. “Conhecer o nome de Deus” era idêntico a conhecer Sua natureza interna, e até mesmo caminhar piedosamente em Seus preceitos. O direito, portanto, de determinar os nomes inclui autoridade e domínio; mas o homem não realizou esse ato por sua própria vontade; ele ainda não sentia sua posição exaltada; mas Deus, convidando-o a executá-lo,Salmos 8: 7 Salmos 8: 7) Tem sido freqüentemente observado que nosso texto explica a origem da linguagem e atribui sua invenção apenas ao homem. A linguagem é, de fato, uma emanação espontânea da mente humana; é implantado em sua natureza; ao fornecer ao homem, além de sua organização externa, a razão e a imaginação, Deus concedeu a ele os principais elementos da comunicação pela fala; é uma função tão natural do intelecto quanto a reflexão; o discurso inteligente é uma das principais características do homem; portanto, os poetas gregos antigos chamam os homens simplesmente de “dotados de fala”; o germe foi concedido por Deus; o homem não precisava fazer mais do que cultivá-lo. Mas nosso autor não entra nessa questão abstrusa; não tem importância prática para a verdade religiosa; deve ter parecido supérfluo para quem conhece a Deus como criador e conspirador de todos,Êxodo 4:11Êxodo 4:11 ). Pitágoras e outros filósofos antigos consideravam justamente a invenção de nomes para objetos como um ato da mais alta sabedoria humana; e os chineses o atribuíram ao primeiro e mais honrado soberano Fo-oi, que executou tão bem essa tarefa, que "nomeando as coisas que sua própria natureza se tornou conhecida". ( MM Kalisch, Ph. D. )

 

A origem da linguagem

 

Foi uma invenção? Então, alguns ensinaram. Foi a questão de uma convenção? Então, alguns ensinaram. Era uma imitação dos sons da natureza? Então, alguns ensinaram. Foi um presente direto do céu? Então, alguns ensinaram. A maioria dos homens eruditos ponderou o problema; e, no entanto, toda a especulação aqui está bastante à tona. E assim voltamos à linguagem infantil e pictórica do arquivo mais hediondo do tempo: “Jeová Deus formou do solo todos os animais do campo e todas as aves do céu: e os levou ao homem para ver como ele chamaria eles: e o que quer que o homem chame de todo ser vivo, esse deve ser o seu nome; e o homem deu nomes a todo o gado, e às aves do céu, e a todos os animais do campo. ”Foi o primeiro ato registrado do homem. Observe: foi um ato de percepção, discriminação, descrição. Os animais estavam dispostos diante dele; e os animais sugerem todos os fenômenos da vida. E a visão de mudar a vida despertou dentro dele a capacidade latente de falar. Em resumo, foi a origem do vocabulário da humanidade. Como tal, é um relato profundamente filosófico. Para substantivos,isto é, nomes, são os rudimentos da linguagem, os próprios ABs da fala. Tal é a teoria da gênese da linguagem de acordo com Moisés. Seus Max Mullers, Wedgwoods e Whitneys podem dar uma teoria mais filosófica? ( GDBoardman. )

 

Uso duplo da linguagem

 

Isso nos indica um uso duplo da linguagem. Primeiro, serve para registrar coisas e eventos na apreensão e na memória. O homem tem um poder singular de conferir consigo mesmo. Isso ele realiza por meio da linguagem de uma forma ou de outra. Ele tem alguma semelhança com seu Criador, mesmo na complexidade de sua natureza espiritual. Ele é ao mesmo tempo orador e ouvinte, e, ao mesmo tempo, é conscientemente um. Em segundo lugar, é um meio de comunicação inteligente entre espíritos, que não consegue ler os pensamentos uns dos outros por intuição imediata. O primeiro desses usos parece ter precedido o segundo no caso de Adam, que era o primeiro da primeira língua. O leitor refletor pode dizer que variados poderes da razão estão envolvidos no uso da linguagem e até que ponto a mente do homem foi desenvolvida, quando ele começou a nomear as várias classes de pássaros e bestas. Ele estava evidentemente preparado para os mais altos prazeres das relações sociais. (JG Murphy. )

 

Verso 21-22

Gênesis 2: 21-22Gênesis 2: 21-22

 

O Senhor Deus causou um sono profundo sobre Adão

 

O primeiro sono

 

Quão profundo é o mistério do sono! É um daqueles enigmas da vida familiar dos quais sabemos tão pouco; sobre qual pensamento se ocupará e se especulará.

O sono tem sido muito bem falado pelos alemães como o "irmão gêmeo da morte"; e, na verdade, quanto mais sinceramente consideramos o assunto, mais vemos a semelhança que deu origem à observação. Mas o sono nasceu no jardim do paraíso, antes que sua beleza desaparecesse e sua glória diminuísse; a morte surgiu em meio à escuridão e tristeza de um mundo sombrio. O sono chegou ao homem como uma bênção: a morte como uma maldição. Por mais forte que seja a semelhança, há pontos em que falha; mas, desde a queda, o sono tornou-se mais como a morte; desde a ressurreição de Cristo, a morte tornou-se mais como o sono. Nós que pecamos - em nosso sono "morremos diariamente"; nós que somos redimidos - em nossa morte “dormimos em Cristo”. Acho que temos todos os motivos para receber as palavras do texto como um registro do primeiro sono. Se, quando as noites do Éden chegaram em sua beleza estrelada e sem nuvens, elas trouxeram para o primeiro homem o repouso do sono, alternando com sua agradável ocupação de cuidar e cuidar do jardim, não sei dizer; mas acho que o primeiro sono não foi desse personagem; tem algo especial e peculiar, ocorrendo pela interposição direta do Criador. “O Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão, e ele dormiu.” Que sono abençoado provou! O primeiro sono foi sucedido pelos sonolentos perturbados, doentes e cheios de dor de uma raça caída; e para nós o mistério é misturado com medo. Pretendo dizer algumas palavras sobre os quatro tipos de sono que naturalmente se sugerem à mente enquanto refletem sobre o assunto da sonolência. alternando com sua agradável ocupação de cuidar e cuidar do jardim, não sei dizer; mas acho que o primeiro sono não foi desse personagem; tem algo especial e peculiar, ocorrendo pela interposição direta do Criador. “O Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão, e ele dormiu.” Que sono abençoado provou! O primeiro sono foi sucedido pelos sonolentos perturbados, doentes e cheios de dor de uma raça caída; e para nós o mistério é misturado com medo. Pretendo dizer algumas palavras sobre os quatro tipos de sono que naturalmente se sugerem à mente enquanto refletem sobre o assunto da sonolência. alternando com sua agradável ocupação de cuidar e cuidar do jardim, não sei dizer; mas acho que o primeiro sono não foi desse personagem; tem algo especial e peculiar, ocorrendo pela interposição direta do Criador. “O Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão, e ele dormiu.” Que sono abençoado provou! O primeiro sono foi sucedido pelos sonolentos perturbados, doentes e cheios de dor de uma raça caída; e para nós o mistério é misturado com medo. Pretendo dizer algumas palavras sobre os quatro tipos de sono que naturalmente se sugerem à mente enquanto refletem sobre o assunto da sonolência. ocorrendo pela interposição direta do Criador. “O Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão, e ele dormiu.” Que sono abençoado provou! O primeiro sono foi sucedido pelos sonolentos perturbados, doentes e cheios de dor de uma raça caída; e para nós o mistério é misturado com medo. Pretendo dizer algumas palavras sobre os quatro tipos de sono que naturalmente se sugerem à mente enquanto refletem sobre o assunto da sonolência. ocorrendo pela interposição direta do Criador. “O Senhor Deus fez cair um sono profundo sobre Adão, e ele dormiu.” Que sono abençoado provou! O primeiro sono foi sucedido pelos sonolentos perturbados, doentes e cheios de dor de uma raça caída; e para nós o mistério é misturado com medo. Pretendo dizer algumas palavras sobre os quatro tipos de sono que naturalmente se sugerem à mente enquanto refletem sobre o assunto da sonolência.

 

 

EU.O sono profundo ou sem sono, do qual o primeiro sono foi peculiarmente o tipo e padrão. A condição física desse sono parece ser simplesmente essa: os sentidos, cansados ​​de usar ou influenciados por alguma influência externa, recusam-se a exercer seu cargo e deixam de dar à alma a inteligência do mundo externo. É notável pensar em como, durante esse sono, todas as funções do corpo necessárias a ele como estrutura orgânica e que geralmente são realizadas sem o reconhecimento da alma, ou um aviso específico, como a pulsação do coração, a circulação do sangue, a digestão de nossos alimentos continua ininterruptamente: mas apenas as partes do nosso sistema que são os canais especiais de comunicação entre as coisas externas e o raciocínio e a essência imaterial são afetadas. Certamente há um medo no sono. A alma, inconsciente de seu companheiro carnal, existe em algum estranho estado de suspensão, oculta na cavidade da mão de seu Criador, e ofuscada por Suas asas que cobrem. Não é com o mundo atual das realidades; nem com o mundo passado da memória; nem com o futuro mundo da promessa; mas, mantido na vida pelo Preservador dos homens, e cercado pelo poder Divino, espera que a aptidão do corpo seja usada novamente. Esse estado, de fato, é inconcebível; só podemos referir o fato à infinita e maravilhosa operação de Deus. É a suposição atual de que o sono sem sonhos é comum nos dias atuais. Há muito que tenho minhas dúvidas, desde que, desde o outono, os homens dormem esse sono. Então, completamente, considero o sonho um dos efeitos físicos mais fortes da Queda, Estou inclinado a pensar que sempre acompanha o sono, exceto quando a visão toma seu lugar; e que o que imaginamos ser um sono sem sonhos é apenas aquele em que nossos sonhos não são lembrados quando acordamos. Isso é confirmado pelo fato de sonhos esquecidos serem repentinamente lembrados à mente, por alguma circunstância que ocorre horas ou dias depois. Raramente, de fato, retemos uma lembrança do que sonhamos, imediatamente ao acordar: a lembrança da mente das impressões que recebeu no sono é geralmente incidental e provocada por alguma conexão com os pensamentos que despertam. Isso é confirmado pelo fato de sonhos esquecidos serem repentinamente lembrados à mente, por alguma circunstância que ocorre horas ou dias depois. Raramente, de fato, retemos uma lembrança do que sonhamos, imediatamente ao acordar: a lembrança da mente das impressões que recebeu no sono é geralmente incidental e provocada por alguma conexão com os pensamentos que despertam. Isso é confirmado pelo fato de sonhos esquecidos serem repentinamente lembrados à mente, por alguma circunstância que ocorre horas ou dias depois. Raramente, de fato, retemos uma lembrança do que sonhamos, imediatamente ao acordar: a lembrança da mente das impressões que recebeu no sono é geralmente incidental e provocada por alguma conexão com os pensamentos que despertam.

 

 

IIO SONO DOS SONHOS. Não é incomum buscar uma longa e conectada linha de pensamento durante o sono. A Bíblia está cheia de exemplos do discurso de Deus por esse modo a Seus servos; e embora vivamos nos dias de luz do evangelho, e não nos dias de Urim e Tumim, sonho e visão, devemos afirmar positivamente que Deus nunca agora pela instrumentalidade dos sonhos comunica aviso e força à Sua Igreja? Devemos desprezar e desprezar o testemunho de John Newton sobre seu sonho com o anel? Eu acho que não. E, no entanto, não sejamos observadores supersticiosos e ociosos dos sonhos, eles são apenas as “vaidades diversas” de natureza decaída. Se eles pesam conosco e deprimem nossas mentes, vamos levá-los a Deus; se eles nos proporcionam conforto em um momento de tristeza,

 

 

III O SONO MESMÉRICO OU ARTIFICIAL.

 

 

IV O transe ou o sono da visão. ( O protoplast. )

 

Observações

 

 

  1. Mesmo o sono e o descanso tranquilo são dados por Deus por si próprio e, portanto, devem ser reconhecidos como suas bênçãos.

 

 

II QUE DEUS SEJA AGRADECIDO A MANIFESTAR SUAS OBRAS AOS HOMENS, QUE PODEM APRENDER A ELES A MANEIRA DE COMO ESTÃO TRABALHANDO, É geralmente escondido de seus olhos.

 

 

III Deus cuida de nós e nos fornece, mesmo quando dormimos, e não pensamos em nossos próprios assuntos. E isso como--

 

  1. Ele pode fazer porque não dorme nem dorme ( Salmos 121: 3-4Salmos 121: 3-4 ). Assim,

 

  1. Ele faz--

 

 

IV Deus se deleita em suas maneiras em todas as suas operações. A matéria às vezes é rude e despreparada, às vezes adequada para o efeito a ser produzido, como sementes para produzir ervas e plantas. E assim são Suas maneiras de trabalhar, às vezes por meios, às vezes sem: às vezes por meios agradáveis, caso contrário por contrários. Tudo isso Ele manifesta -

 

  1. Sua infinita sabedoria ( Salmos 104: 24Salmos 104: 24 ).

 

  1. Seu poder todo-poderoso, aparecendo nisto, que Ele se vincula a nenhum meio nem maneira de trabalhar, mas realiza qualquer coisa da maneira que Ele quiser; para que o efeito pareça não depender de nenhum meio, mas apenas do poder dAquele que opera tudo em todos.

 

  1. Para que Ele nos seduza com tanta variedade, a buscar Seus caminhos, à medida que Suas obras são procuradas por quem tem prazer ( Salmos 3: 2Salmos 3: 2 ).

 

 

  1. AS MANEIRAS E OS TRABALHOS DE DEUS ESTÃO ORDINARIAMENTE CHEIROS DAS INSTRUÇÕES SANCAS

 

 

VI A esposa não deve ser o senhor nem o marido de Vassal.

 

 

VII UMA ESPOSA É, OU DEVERIA SER, UM FORTE AJUDANTE AO SEU MARIDO.

 

 

VIII DEUS NÃO EXIGE NADA NÓS, NENHUMA QUALQUER COISA NÓS, QUE PODE NOS DANIFICAR OU NÃO. Que nada seja doloroso para nós que Deus nos ordene ou nos imponha; lembrando--

 

  1. Para que ele possa fazer por si mesmo o que quiser.

 

  1. E, no entanto, Ele não odeia nada que fez.

 

  1. E Ele pode e não deixará de restaurar-nos abundantemente, tudo o que parecemos perder, fazendo ou sofrendo por Sua nomeação, para que Ele não seja devedor de ninguém.

 

 

IX DEUS NÃO LEVA NADA NÓS, MAS ASSEGURA RECOMPENSÁ-LO A NÓS, DE ALGUMA MANEIRA OU DE OUTRA FORMA.

 

 

  1. É habitual que Deus deixe conosco, próxima e viva, a lembrança de suas mercês para nós e de nossos deveres. ( J. White, MA )

 

Observações

 

 

  1. DEUS PODE MUDAR QUALQUER COISA DE FORMA QUE ELE SAE.

 

 

II DEUS É EXATO E PERFEITO EM TODAS AS OBRAS QUE COMEÇA.

 

 

III As mulheres, assim como os homens, são o próprio ofício de Deus.

 

 

IV DEUS PERMITIU, MAS UMA ESPOSA PARA UM HOMEM.

 

 

  1. Embora todas as coisas sejam feitas para o homem, ele não pode ter interesse em nada, até que Deus se manifeste sobre ele. Sim, quando Deus colocou as propriedades dos homens em suas mãos, nosso Salvador ainda nos instrui a pedir nossa permissão de Deus, pela parte de cada dia.

 

  1. Porque tudo o que temos ou usamos é de Deus, que apenas os envia para nosso uso, reservando a propriedade de todos para Si.

 

  1. Para que possamos usar tudo de acordo com Sua direção, e não de acordo com nossas próprias concupiscências.

 

  1. Para que, com base nos melhores fundamentos, esperemos Sua bênção naquilo que usamos, sem o qual ela não pode nos beneficiar.

 

 

VI CADA FILHO DE DEUS DEVE DESEJAR RECEBER SUA ESPOSA DA MÃO DE DEUS.

 

  1. Ao fazer a escolha de uma pessoa, como é de sua família, com quem Ele pode conversar como herdeiro da graça da vida.

 

  1. Trabalhar para conquistá-la por meios justificáveis, oração, conselhos e mediação de amigos piedosos, conferências sagradas e proposições piedosas, não por seduções carnais, enganos, tentações ou importunações violentas.

 

  1. E almejando uma extremidade certa, mais o nosso aumento de piedade e a propagação de uma semente sagrada, do que o avanço de nós mesmos em nossas propriedades externas: lembrando ...

 

  1. Que somente Deus (que não parece homem na aparência exterior, pouco vê o coração) é capaz de nos dirigir em nossa escolha.

 

  1. Que nos impõe um forte compromisso de fazer um uso sagrado do casamento, quando assim estabelecemos o fundamento dele em Seu temor.

 

  1. Que adoça todas as cruzes que podemos encontrar na vida de casado; tendo certeza de que, se caírem sobre nós por Sua mão, serão por Ele tão santificados para nós, que, como todas as outras coisas, trabalharão juntos para o nosso bem. ( J. White, MA )

 

Observações

 

 

  1. As bênçãos de Deus deveriam ser entretidas e abraçadas por nós com uma santa alegria e gratidão. Este regozijo deve ser--

 

  1. Em Deus, e não em nós mesmos; não tanto que esteja bem conosco, mas que a honra de Deus, em Sua misericórdia e verdade, seja manifestada e promovida por meio disso.

 

  1. E realizado com medo e tremor (Salmo se 11); e humilhação infinita de nós mesmos diante dEle, mediante a apreensão de nossa própria indignidade, de tão grandes favores, após o exemplo de Davi ( 2 Samuel 7:182 Samuel 7:18 ). E--

 

  1. Pode ser testemunhado publicamente quando os favores de Deus são eminentes e públicos, e especialmente quando a Igreja se interessa por eles: de onde Davi, sendo uma pessoa pública, promete um agradecimento público na congregação por essas misericórdias, as quais, embora iluminassem Ele, ainda redundou para o benefício de seu povo também.

 

 

II PODEMOS E CONHECEREMOS MUITAS MANEIRAS DE DEUS E TRABALHAREM COMO NOS PREOCUPAM, PARA A DIREÇÃO E A RÁPIDA DE NÓS AOS NOSSOS DEVERES. Como--

 

  1. Que são obras de Sua própria mão ( Salmos 64: 9Salmos 64: 9 ).

 

  1. E aqueles praticados em retidão, misericórdia e verdade.

 

  1. E para Sua única glória ( Provérbios 16: 4 Provérbios 16: 4 ); e para o nosso bem, para o qual todas as coisas trabalham juntas ( Romanos 8:28 Romanos 8:28 ); para que os homens temam e confiem nEle ( Salmos 64:10Salmos 64:10 ).

 

 

III É O CONSENTIMENTO QUE DEVE FAZER O CASAMENTO ENTRE HOMEM E ESPOSA.

 

 

IV MESMO OS MELHORES ENTRE OS HOMENS PRECISAM DE SER CONSIDERADOS DEVER DEVERES E CONDIÇÕES DE CADA MANEIRA. ( J. White, MA )

 

 

  1. A POSIÇÃO E O DESTINO DA MULHER.

 

Mulher

 

1Sua posição é inferior e subordinada. Se a Escritura fala claramente em qualquer ponto, ela afirma inequivocamente a superioridade do homem sobre a mulher, tanto em sua natureza quanto na esfera que, por nomeação divina, ele deve ocupar. Que estranho, então, é que nossos dias tivessem dado à luz tantos esquemas para elevá-la ao nível dele, a quem a supremacia foi tão distintamente dada. Mesmo na inocência, vimos que a mulher não era igual ao homem: Eva, em sua pureza imaculada, contentava-se em ocupar um lugar mais baixo que Adão e em servi-lo de acordo com a ordenança de Deus. A experiência confirma a verdade declarada na Palavra de Deus - a inferioridade do caráter feminino. A força física dessa mulher é menor que a do homem, é quase universalmente reconhecida. Em todos os casos em que força e ousadia são necessárias, o trabalho é entregue ao homem. Das cenas de terror e perigo, a mulher encolhe instintivamente e o homem a protege instintivamente. Se for dito que a página histórica registra instâncias dela passando por elas com um ar destemido; se o nome de Joana D'Arc for citado como testemunha para contestar minha afirmação, respondo apenas que a exceção prova a regra. Não é igualmente verdade que a força mental da mulher é menor que a do homem? Se for necessário, novamente, que o nome de De Stael, De Genlis ou Somerville ateste a possibilidade de a mente masculina mais elevada ser consagrada na forma feminina - se eu admitisse isso - eu diria novamente: a exceção prova a regra: mas, embora não negue que uma mulher do intelecto mais nobre e exaltado possa ser superior aos homens de talento comum a seu redor, não hesito em dizer que ela é inferior, em sua grandeza, a um homem do mais alto gênio. Compare a mulher no seu melhor estado, com o homem no seu melhor estado, e a disparidade será impressionante. Não houve Isaac Newton nas fileiras do sexo mais fraco. De acordo com a natureza da mulher, Deus designou sua posição no mundo. Ela é "não para ensinar"; ela "não deve usurpar autoridade sobre o homem"; ela deve estar em "sujeição" e "sob obediência".

 

2)O seu destino é ocupar o posto seguinte àquele que foi feito "um pouco mais baixo que os anjos"; compartilhar com ele o governo do mundo animal; ficar ao seu lado em toda a vida do presente; entregar-se a ele, com todos os seus poderes e todas as suas afeições; sacrificar-se por ele, com sua devoção peculiar e concentração de propósito; aproximar-se dele quando a sociedade de seu próximo seria insuportável; e falar com ele quando a voz de seu próximo seria chocante e discordante; simpatizar com ele na hora da tristeza; animá-lo na hora da doença; reanimá-lo na hora da apatia; ajudá-lo na hora da dificuldade; encorajá-lo na hora da tentação: ser, de fato, seu companheiro, seu conforto, seu cooperador, seu amigo. Mas, além disso, esse destino, sob uma dispensação de redenção, é participar com ele as bênçãos e privilégios da Nova Aliança - compartilhar com ele os deveres e esperanças de uma vida interior e espiritual; receber com ele o presente da imortalidade; manter com ele os títulos de uma herança incorruptível, imaculada e que não desaparece, reservada no céu eterno. Certamente não há nada necessariamente degradante em tanto! Toda a ignomínia e miséria associadas a ela foram o efeito do pecado da mulher e a maldição da mulher. Podemos dizer, em conclusão, usando as palavras do apóstolo: "Nem o homem sem mulher, nem a mulher sem homem, estão no Senhor". receber com ele o presente da imortalidade; manter com ele os títulos de uma herança incorruptível, imaculada e que não desaparece, reservada no céu eterno. Certamente não há nada necessariamente degradante em tanto! Toda a ignomínia e miséria associadas a ela foram o efeito do pecado da mulher e a maldição da mulher. Podemos dizer, em conclusão, usando as palavras do apóstolo: "Nem o homem sem mulher, nem a mulher sem homem, estão no Senhor". receber com ele o presente da imortalidade; manter com ele os títulos de uma herança incorruptível, imaculada e que não desaparece, reservada no céu eterno. Certamente não há nada necessariamente degradante em tanto! Toda a ignomínia e miséria associadas a ela foram o efeito do pecado da mulher e a maldição da mulher. Podemos dizer, em conclusão, usando as palavras do apóstolo: "Nem o homem sem mulher, nem a mulher sem homem, estão no Senhor".

 

 

II A PREPARAÇÃO NECESSÁRIA PARA O TRABALHO DA MULHER.

 

  1. Como uma autodisciplina mais importante, eu mencionaria, primeiro, o cultivo progressivo da mente, que é continuado quando o tempo para o estudo obrigatório é passado. Não houve nenhum erro tão fatal para a elevação da personagem feminina quanto a idéia de que, quando se cruza o rubicon do décimo oitavo ano, uma vida do chamado prazer, ou seja, uma vida de ociosidade e dissipação, é ter sucesso. vida de aplicação mental.

 

  1. A preparação de uma mulher para seu escritório é grandemente provocada por uma experiência de sofrimento. A tristeza, a santificada e a sagrada, dá os melhores toques em seu caráter. Produz nela esse requintado refinamento de sentimentos, aquela suscetibilidade aguda, aquela profunda simpatia, pela qual a mulher é tão distinta.

 

 

III O próprio trabalho da mulher. Depois de tudo o que escrevi, será estranho se eu disser que sua natureza pode ser expressa em uma palavra abrangente - ministração! Deve-se lembrar que não estamos considerando a mulher em suas relações diretas com Deus como Sua criatura, mas em suas relações diretas com o homem como sua ajuda. Nesse ponto de vista, seu trabalho pode ser considerado como consistindo em ministrar ao homem. No ministério mental, ou um serviço em sua mente. No ministério corporal, ou um serviço ao seu corpo. No ministério espiritual, ou um serviço ao seu espírito.

 

  1. Ministração mental. A mulher, como vimos, encontra o homem, não sob o pé de um escravo passivo, mas de um assistente inteligente. É seu escritório compartilhar suas atividades intelectuais e ajudá-lo em suas pesquisas após o conhecimento natural e a verdade científica. Como ela faz isso? Trazendo a mente dela para a dele; colocando seus tesouros diante dele; entrando com apreciação e interesse nos detalhes das descobertas de seu gênio, ou mesmo das especulações de sua imaginação; comunicando a ele seus pensamentos sobre os assuntos altos e misteriosos que atraem sua atenção.

 

  1. Ministração corporal. É uma província da mulher prover ao homem as ninharias da vida, coisas que contribuem grandemente para seu conforto e que ainda são indignas de dedicar grande parte de seu tempo e atenção. A constituição de sua natureza é tal, que os arranjos familiares não têm com ela esse efeito perturbador sobre a mente, que é tão peculiarmente sentido por alguém que se dedicaria totalmente a assuntos mais altos e mais importantes. É seu escritório cercar o homem com pouco luxo; dar-lhe pequenos prazeres; deixá-lo sentir que não se importava com nada e, no entanto, não queria nada na economia doméstica de cada dia sucessivo.

 

3)Ministração espiritual. A mulher, como redimida da queda, é uma herdeira companheira do homem da graça da vida. Ela deve caminhar com ele naquele caminho estreito que leva à terra celestial, e grande parte do progresso de seu companheiro nela depende instrumentalmente de si mesma. Muitos homens foram impedidos no aperfeiçoamento da santidade pelo fardo de uma mulher que se esqueceu de prestar-lhe serviço no melhor e mais alto sentido. A tarefa de uma mulher cristã é muito gloriosa. Ela deve ser a "ajuda" do servo de Deus. Viver com o homem e atado a ele por um vínculo estreito, é parte dela ajudá-lo na devoção de todas as suas energias à glória de seu Criador; ajudá-lo em sua renúncia ao mundo, mostrando que ela está satisfeita com o monte de filhos de Deus; ajudá-lo em sua liberalidade para aqueles que precisam, provando que ela considera o dinheiro dado aos pobres emprestado ao Senhor e que ela está disposta a esperar pela redenção de Seu vínculo; ajudá-lo a estabelecer uma autoridade justa em sua casa, respeitando seu próprio domínio; para ajudá-lo a obedecer ao chamado do dever, mesmo quando ele o leva ao meio do perigo, contando sua vida menos querida para ela do que o cumprimento da vontade de Deus.

 

 

IVA RECOMPENSA do trabalho da mulher. Algumas breves palavras serão suficientes para esta última divisão do nosso assunto. A maior recompensa da mulher consiste na honra e na alegria de ser empregada por Deus, no caminho de Sua própria nomeação. A bem-aventurança da criatura está ligada à consciência de preencher o local designado pela infalível sabedoria de Jeová e de cumprir Sua santa vontade. Proporcionalmente à grandeza mental de uma mulher, será sua satisfação pensar que ela está ocupando o posto que Deus pretendia para ela e que ela está cumprindo o serviço para o qual Ele a chamou. Além disso, o trabalho do ministério é sua própria recompensa. Desenhando uma mulher para fora de si, trazendo-a à união de simpatia com outra; em dar-lhe ocupação e interesse todos os dias de sua vida na terra; é ele próprio um meio de felicidade. Ainda assim, Deus permitiu que uma recompensa adicional esperasse o cumprimento de um ofício sagrado por uma mulher. Para uma mulher casada, há uma recompensa peculiarmente rica e doce. Salomão está muito bem diante de nós como confiança do marido e louvor do marido. “O coração de seu marido confia nela com segurança” (Provérbios 31:11Provérbios 31:11 ). ( O protoplast. )

 

Um sermão de casamento

 

Deus que trouxe Eva a Adão implica cinco coisas:

 

  1. Sua permissão, permissão e concessão, para que Adão reconhecesse com gratidão o benefício como vindo de Deus, o próprio Deus a trouxe. Esse trazer foi a plena concessão a ele, para que vivessem juntos como marido e mulher.

 

  1. Sua instituição e nomeação do casamento como meio de propagar a humanidade.

 

  1. Pela maior solenidade e ordem de casamento. Adão não a tomou de sua própria cabeça, mas Deus a trouxe para ele. Essa honra e favor especial que Deus concede à humanidade acima de todas as outras criaturas; Ele mesmo, em sua própria pessoa, faz o fósforo e os reúne.

 

  1. Distribuir Sua bênção para eles. A mulher foi criada no sexto dia, como aparece ( Gênesis 1: 1-31Gênesis 1: 1-31 ); e diz-se que, quando Ele os “criou homem e mulher, Ele os abençoou” (versículo 28). Ele amplia as coisas aqui e explica o que havia tocado brevemente. Quando Ele fez a mulher, Ele a trouxe ao homem, e abençoou os dois juntos; mostrando assim que, quando alguém entrar nesse estado, deve levar consigo a bênção de Deus, de cujo favor o conforto dessa relação depende totalmente.

 

  1. Para um padrão de providência em todos os tempos posteriores. Vale a pena observar que Cristo argumentou contra a poligamia, de Gênesis 2:24 Gênesis 2:24 , comparado com Mateus 19: 1-30 Mateus 19: 1-30 . Deus tendo abundância de espírito, como o profeta fala Malaquias 2:15Malaquias 2:15 ), levou a mulher a um homem, embora houvesse mais motivos para dar a Adão muitas esposas pelo povo mais rápido do mundo, do que poderia haver em qualquer um de seus homens. posteridade. O ponto em que insistirei é o seguinte: - Que os casamentos são celebrados de maneira sagrada, quando as partes se tiram das mãos de Deus.

 

 

  1. Eu mostrarei a você em que sentido eles dizem que se tiram das mãos de Deus.

 

 

II Por que isso é tão necessário para ser observado.

 

 

  1. Pela primeira vez, eles tiram mais uma das mãos de Deus de duas maneiras.

 

  1. Quando Suas instruções são observadas.

 

  1. Quando Sua providência é possuída e reconhecida.

 

  1. Quando Suas instruções em Sua palavra são observadas; e entao--

 

  1. Quando Sua providência é possuída e reconhecida. É dever deles que temem que Deus o possua em todas as ocasiões, especialmente em tais negócios. Os pagãos não começariam esse negócio sem sacrifício. Há uma providência especial sobre casamentos. Deus reivindica para si o poder de fazer as pazes, mais do que ordena quaisquer outros assuntos dos homens - “Riquezas e honras são uma herança de nossos pais; mas a boa esposa é do Senhor ”( Provérbios 19:14Provérbios 19:14 ).

 

 

II POR QUE ISSO É TÃO NECESSÁRIO UM DEVER? Em grande medida, aparece do que já foi dito. Mas mais longe--

 

  1. Será um grande compromisso para nós dar a Deus toda a glória do conforto que temos nessa relação, quando vocês se sensatamente e explicitamente se tiram das mãos de Deus.

 

  1. Para que possamos nos comportar de maneira mais santa em nossas relações, é bom ver a mão de Deus nelas. Toda relação é um novo talento com o qual Deus nos confia a trocar por Sua glória; e para esse fim, precisamos ter consciência para usá-lo.

 

3)Que possamos suportar com mais paciência as cruzes incidentes a esse estado de vida, se Deus nos chamar a eles. Os que se lançam ao mundo navegam em um mar tempestuoso e tempestuoso, e não podem esperar senão encontrar uma tempestade antes que cheguem ao fim de sua viagem. A vida conjugal tem seus confortos, e também seus ônus e tristezas. Agora, adoçará todas as nossas cruzes incidentes a essa condição, quando lembramos que não entramos nela precipitadamente por nossa própria escolha, mas fomos guiados pela justa direção e pelo justo convite da providência de Deus; não precisamos nos preocupar muito com o que nos ultrapassa no caminho de nosso dever e nas relações para as quais somos chamados. Aquela mão que enviou o problema o santificará, ou Ele anulará as coisas para que elas trabalhem para o nosso bem. Se Deus nos chamar para este estado, Ele nos apoiará nele.

 

  1. Podemos, com mais confiança, nos aplicar a Deus e depender dEle para uma bênção sobre a esposa da escolha de Deus ou um marido da escolha de Deus. Temos acesso ao trono da graça com mais esperança, porque nos entregamos à Sua direção - "Em todos os teus caminhos O ​​reconhecem, e Ele direcionará os teus caminhos" ( Provérbios 3: 6Provérbios 3: 6 ).

 

  1. É uma ajuda para tornar-nos mais prontos para nos separarmos quando Deus quiser. É a direção do apóstolo - "O tempo é curto, resta que aqueles que têm esposas sejam como se não o tivessem" ( 1 Coríntios 7:29 1 Coríntios 7:29 ); não para ser defeituoso em nosso amor a eles e cuidar deles; não, aqui é mais um excesso do que um defeito - "Sejas sempre arrebatado com o amor dela" ( Provérbios 5:19Provérbios 5:19 ); mas quanto a uma preparação do coração para manter ou perder, se Deus achar conveniente, contentar-se em se separar de um caro companheiro de jugo, ou pelo menos com uma humilde submissão e aquiescência, quando

 

A vontade de Deus é declarada; e parte disso deve ser misturada com todas as nossas alegrias, alguns pensamentos sobre a vaidade da criatura. INSCRIÇÃO.

 

 

  1. Busquemos a Deus em fervorosa oração, quando estiver em questão. É um desprezo a Deus, e uma espécie de colocá-lo de lado, quando ousamos realizar qualquer coisa sem a sua permissão, conselho e bênção; e estas são as coisas que devemos procurar em oração.

 

  1. A licença dele. Adão não tinha interesse em Eva até que Deus a trouxe para ele e a concedeu a ele. Cada um de nós deve obter uma concessão de Deus de tudo o que ele tem; o Senhor Ele possui a casa em que habitamos, as roupas que vestimos, a comida que comemos; e assim, no uso de todos os outros confortos, precisamos ter uma licença de Deus e nos despedir. Dizem que Deus deu a Davi as esposas que ele tinha em seu seio.

 

  1. Seu conselho e orientação quando o caso é duvidoso e nossos pensamentos são incertos - "Não se incline para o seu próprio entendimento" ( Provérbios 3: 5Provérbios 3: 5 ). Mal conhecemos os deveres, certamente não podemos prever eventos; portanto, um homem que faz seu seio, seu oráculo, sua inteligência, seu conselheiro, escolherá uma travessura para si mesmo, em vez de um conforto e uma bênção. Portanto, devemos principalmente, e antes de tudo, consultar-nos com Deus e buscar Sua direção, pois Ele vê o coração e prevê eventos.

 

  1. Pedimos a Sua bênção. Deus não apenas prevê o evento, mas ordena; por Sua sabedoria Ele a prevê, e por Sua poderosa providência, Ele a realiza. Portanto, Deus, que tem a disposição de todos os eventos, quando nossa direção termina, deve ser buscado uma bênção; pois todo conforto vem mais cedo quando é buscado em oração; e quaisquer que sejam os propósitos de Deus, esse é o nosso dever.

 

 

II Conselho para as pessoas que estão entrando nessa relação.

 

  1. Negativamente. Veja que Deus não é perdedor pelo casamento.

 

  1. Positivamente. Certifique-se de que Deus seja um ganhador. Estes são os dois profissionais que tenho que fazer para você.

 

  1. Negativamente. Deus não seja um perdedor; Ele nunca teve a intenção de dar presentes a seus próprios erros. Agora isso será--

 

  1. Positivamente. Que Deus seja um ganhador.

 

Um preparativo para o casamento

 

Bem, Paulo pode dizer ( Hebreus 13: 4 Hebreus 13: 4Atos 12: 7 Hebreus 2: 2 Gênesis 2:12 Gênesis 3:15 Lucas 1:25 Deuteronômio 23: 2 João 2: 8 Mateus 22: 2 Gênesis 2:11 Cântico de Salomão 5: 9 Apocalipse 19: 7 Apocalipse 21: 9 Apocalipse 17: 1 Gênesis 2:22 Gênesis 1:28 1 Coríntios 7: 8 Eclesiastes 4:10 Provérbios 19: 7 1 Samuel 14: 7 Mateus 22: 1-46 Efésios 5:23 1 Pedro 3: 7 Filipenses 4: 3 Jó 2: 9 Gênesis 2:18 1 Coríntios 1:27 Provérbios 5:18 1 Samuel 16:23 Gênesis 38:14 Gênesis 34: 2 Tito 2: 5 2 Samuel 1:26 ): "o casamento é honroso"; pois Deus mesmo o honrou. É honrosa para o autor, honrosa para a época e honrosa para o local. Enquanto todas as outras ordenanças foram designadas por Deus pelas mãos dos homens, ou pelas mãos dos anjos ( Atos 12: 7 ; Hebreus 2: 2 ), o casamento foi ordenado pelo próprio Deus, que não pode errar. Nenhum homem nem anjo trouxe a esposa ao marido, mas o próprio Deus ( Gênesis 2:12); assim, o casamento tem mais honra de Deus nisso do que todas as outras ordenanças de Deus, porque Ele mesmo o solenizou. Então é honroso para a época; pois foi a primeira ordenança que Deus instituiu, mesmo a primeira coisa que Ele fez, depois que o homem e a mulher foram criados, e que, no estado de inocência, antes de ambos pecarem: como a flor mais fina, que não floresce, chão limpo. Então é honroso para o lugar; pois enquanto todas as outras ordenanças foram instituídas fora do paraíso, o casamento foi instituído no paraíso, no lugar mais feliz, para significar como estão felizes que se casam no Senhor. Como Deus Pai honrou o casamento, Deus também Filho, que é chamado "a Semente da mulher" ( Gênesis 3:15); portanto, o casamento era tão honrado entre as mulheres por causa dessa semente que, quando Isabel deu à luz um filho ( Lucas 1:25 ), ela disse que "Deus havia retirado sua repreensão", contando como uma honra para as mulheres ter filhos; por conseqüência, a honra de as mulheres se casarem; pois os filhos que nascem fora do casamento são desonros para as mulheres e são chamados pelo vergonhoso nome de bastardos ( Deuteronômio 23: 2 ). Assim como Cristo honrou o casamento com Seu nascimento, também o honrou com Seus milagres; pelo primeiro milagre que Cristo fez, realizou um casamento em Caná, onde transformou a água em vinho ( João 2: 8 ). Assim como Ele a honrou com milagres, também a honrou com louvores; pois Ele compara o reino de Deus a um casamento ( Mateus 22: 2); e Ele compara a santidade a uma roupa de casamento ( Gênesis 2:11 ); e no quinto dos cânticos, Ele se casa ( Cântico de Salomão 5: 9 ). Lemos nas Escrituras os três casamentos de Cristo. A primeira foi quando Cristo e nossa natureza se encontraram. A segunda é quando Cristo e nossa alma se unem. A terceira é a união de Cristo e Sua Igreja. Essas são as três esposas de Cristo. Como Cristo honrou o casamento, os discípulos de Cristo também; pois João chama a conjunção de Cristo e dos fiéis de casamento ( Apocalipse 19: 7 ). E em Apocalipse 21: 9 , a Igreja tem o nome de noiva, enquanto a heresia é chamada prostituta ( Apocalipse 17: 1) Agora deve ser necessário que o casamento, que foi ordenado por um Autor tão excelente, e em um lugar tão feliz e em um tempo tão antigo, e após uma ordem tão notável, também tenha causas especiais para a ordenança dele. Portanto, o Espírito Santo nos mostra três causas dessa união. Uma é a propagação de crianças, significada em que, quando Moisés disse: “Ele os criou macho e fêmea” ( Gênesis 2:22 ), não tanto macho como fêmea, mas um macho e outra fêmea; como se Ele os tivesse criado para propagar outros. E, portanto, quando Ele os criou, para mostrar que a propagação dos filhos é um fim do casamento, disse-lhes: “Aumente e multiplique” ( Gênesis 1:28); isto é, cria filhos, assim como outras criaturas produzem sua espécie. A segunda causa é evitar a fornicação. Este Paulo significa quando diz: "Para evitar a fornicação, que todo homem tenha sua própria esposa" ( 1 Coríntios 7: 8).) A terceira causa é evitar a inconveniência da solidão, significada nestas palavras: "Não é bom que o homem esteja sozinho"; como se Ele dissesse: Esta vida seria miserável, cansativa e desagradável para o homem, se o Senhor não tivesse lhe dado uma esposa para fazer companhia de seus problemas. Se não é bom para o homem ficar sozinho, então é bom para o homem ter um companheiro; portanto, como Deus criou um par de todos os outros tipos, também criou um par desse tipo. Dizemos que ninguém é um, porque ele não pode ser menos que um, ele não pode ser menos que um, ele não pode ser mais fraco que um e, portanto, o sábio diz: “Ai daquele que está sozinho” ( Eclesiastes 4:10).), isto é, aquele que está sozinho deve sofrer. Pensamentos, preocupações e medos chegarão a ele porque ele não tem ninguém para confortá-lo, como ladrões entram quando a casa está vazia; como uma tartaruga que perdeu seu companheiro; como uma perna quando a outra é cortada; como uma asa quando a outra é cortada; assim também o homem, se a mulher não se juntou a ele; portanto, para a sociedade mútua, Deus uniu dois, para que os problemas infinitos que estão sobre nós no mundo sejam aliviados com o conforto e ajudem um ao outro, e que os pobres do mundo possam ter algum conforto, assim como os ricos; pois "o pobre", diz Salomão, "é abandonado por seus próprios irmãos" ( Provérbios 19: 7 ); todavia, Deus lhe deu um consolo, como o escudeiro de Jônatas, que nunca o abandonará ( 1 Samuel 14: 7), ou seja, outro eu, que é a única mercadoria (como eu posso chamar) em que os pobres correspondem aos ricos; sem o qual algumas pessoas não deveriam ter ajudador, conforto ou amigo algum. Em Mateus 22: 1-46Cristo mostra que, antes das festas se casarem, elas costumavam vestir roupas novas e justas, chamadas roupas de casamento; um aviso a todos os que vestem roupas de casamento para vestir também a verdade e a santidade, que tão precisamente se assemelham a essa roupa mais do que a outra. No entanto, o ponto principal está por trás, ou seja, de nossos deveres. Os deveres do casamento podem ser reduzidos aos deveres do homem e da esposa, um em relação ao outro, e aos deveres para com os filhos e ao dever com os servos. Para si, diz um, devem pensar que gostam de pássaros: um é o galo e o outro é a galinha; o galo voa para o exterior para trazer, e a represa se senta no ninho para manter tudo em casa. Então Deus fez o homem viajar para o exterior, e a mulher a ficar em casa; e assim sua natureza, sagacidade e força são ajustadas de acordo; pois o prazer do homem está mais no exterior, e a mulher está no interior. Em todo estado, existe uma virtude que pertence a esse chamado mais do que outro; como justiça aos magistrados, e conhecimento aos pregadores, e fortaleza aos soldados; então o amor é a virtude do casamento que canta música por toda a vida. O casamento é feito de dois amores, que posso chamar de primeiro amor e depois amor. Como todo homem é ensinado a amar a Deus antes que ele tente amar o próximo, eles devem amar a Deus antes que possam amar um ao outro. Para mostrar o amor que deve haver entre homem e mulher, o casamento é chamado então o amor é a virtude do casamento que canta música por toda a vida. O casamento é feito de dois amores, que posso chamar de primeiro amor e depois amor. Como todo homem é ensinado a amar a Deus antes que ele tente amar o próximo, eles devem amar a Deus antes que possam amar um ao outro. Para mostrar o amor que deve haver entre homem e mulher, o casamento é chamado então o amor é a virtude do casamento que canta música por toda a vida. O casamento é feito de dois amores, que posso chamar de primeiro amor e depois amor. Como todo homem é ensinado a amar a Deus antes que ele tente amar o próximo, eles devem amar a Deus antes que possam amar um ao outro. Para mostrar o amor que deve haver entre homem e mulher, o casamento é chamadoconjugium, que significa tricô ou união; mostrando que, a menos que haja união de corações e união de afetos, não se trata de casamento em ato, mas em demonstração e nome, e eles habitarão em uma casa como dois venenos no estômago, e um jamais será cansado de outro. Portanto, primeiro, para que possam amar e manter o amor um com o outro, é necessário que ambos amem a Deus e, à medida que o amor deles aumenta em relação a Ele, aumentará um para o outro. Para começar bem essa concórdia, é necessário aprender a natureza e as afeições um do outro, e as enfermidades um do outro, porque vocês devem ser ajudantes e não podem ajudar a menos que conheçam a doença. Assim, muitas das suas funções em geral; agora para seus vários escritórios. O homem pode soletrar seu dever de seu nome, pois é chamado de "a cabeça" (Efésios 5:23), para mostrar que, como o olho, a língua e o ouvido estão na cabeça para direcionar todo o corpo, o homem deve ser armazenado com sabedoria, e entendimento, e conhecimento e discrição, para direcionar toda a sua família; pois não é correto que o pior governe melhor, mas o melhor governe o pior, como as melhores governam tudo. O marido diz que sua esposa deve obedecê-lo, porque ele é melhor dela; portanto, se ele a deixa ser melhor que ele, parece libertá-la de sua obediência e se compromete a obedecê-la. Seu primeiro dever é chamado de coração, ou seja, afeto caloroso. Como são jejuados à mão, devem ser jejuados de coração; pois os olhos, a língua e a mão serão seus inimigos se o coração não for seu amigo. Como Cristo desenha todos os mandamentos para amar, que eu possa desenhar todos os seus deveres para amar ... que é o presente do coração para a noiva em seu casamento. Primeiro, ele deve escolher seu amor e, em seguida, ele deve amar sua escolha. Este é o óleo que facilita todas as coisas. Seu próximo dever de amar é fruto de seu amor; isto é, para permitir que todas as coisas sejam comuns entre eles antes. O homem e a mulher são parceiros, como dois remos em um barco; portanto, ele deve dividir ofícios, negócios e bens com ela, fazendo com que ela seja temida, reverenciada e obedecida a seus filhos e servos, como ele, pois ela é suboficial em sua comunidade e, portanto, deve ser ajudada e confirmado como seu substituto; como o príncipe está junto com seus magistrados para sua própria quietude, porque são as pernas que o sustentam. Por fim, ele deve oferecê-la tanto quanto todos os seus amigos, porque ele a levou de seus amigos, e convencionou oferecê-la por todos eles. Para mostrar como ele deveria amá-la, Peter disse: “Honre a mulher como o vaso mais fraco” (1 Pedro 3: 7) Como não lidamos com copos como panelas, porque são vasos mais fracos, mas os tocamos gentil e suavemente por medo de rachaduras, o homem deve pedir à esposa com gentileza e suavidade, sem esperar essa sabedoria, nem fé, nem paciência , nem aquela força no vaso mais fraco, que deveria estar no mais forte; mas pense que quando ele toma uma esposa, ele toma uma vinha, não uvas, mas uma vinha para lhe dar uvas; portanto, ele deve semear, vestir, regar e cercar, e considerar uma boa vinha, se finalmente produz uvas. Portanto, ele não deve procurar encontrar uma esposa sem culpa, mas pensa que ela está comprometida com ele para recuperá-la de seus defeitos; pois todos estão com defeito. E se ele acha verdadeiro o provérbio, que no espaço vem a graça, ele deve se alegrar tanto com sua esposa quando ela corrigir. como o lavrador se regozija quando sua vinha começa a frutificar. Tanta coisa para maridos. Da mesma forma, a mulher pode aprender o dever de seus nomes. Eles são chamados de boas esposas, como boa esposa A e boa esposa B. Toda esposa é chamada boa esposa; portanto, se não são boas esposas, seus nomes as desdenham, e não valem seus títulos, mas respondem a um nome errado, como os jogadores no palco. Este nome lhes agrada bem. Além disso, uma esposa é chamada de colega de jugo (Filipenses 4: 3 ), para mostrar que ela deve ajudar o marido a suportar o jugo dele, ou seja, o pesar dele deve ser o pesar dela; e seja o jugo da pobreza, ou o jugo da inveja, ou o jugo da doença, ou o jugo da prisão, ela deve submeter o pescoço para suportá-lo pacientemente com ele; caso contrário, ela não é sua companheira do jugo, mas a dele. jugo; como se ela tivesse sido infligida a ele por uma penalidade, como a esposa de Jó, a quem o diabo deixou para atormentá-lo quando ele tirou tudo o que tinha ao lado ( Jó 2: 9 ). Ao lado de um jugo, ela é chamada de ajudante ( Gênesis 2:18), para ajudá-lo em seus negócios, para ajudá-lo em seus trabalhos, para ajudá-lo em seus problemas, para ajudá-lo em sua doença, como uma médica, às vezes com suas forças e outras com seus conselhos; porque em algum momento Deus confunde os sábios pelos tolos e os fortes pelos fracos ( 1 Coríntios 1:27 ), assim ensina os sábios pelos tolos e ajuda os fortes pelos fracos. Ao lado de uma ajudante, ela também é chamada de edredom; e, portanto, o homem se alegra em sua esposa ( Provérbios 5:18 ); o que é o mesmo que dizer que as esposas devem regozijar-se de seus maridos, assim como a harpa de Davi para confortar 1 Samuel 16:23 ). Por fim, chamamos a esposa de esposa, isto é, dona de casa; não uma esposa de rua, como Tamar ( Gênesis 38:14); nem esposa de campo, como Diná ( Gênesis 34: 2 ); mas uma dona de casa, para mostrar que uma boa esposa fica com sua casa; e, portanto, Paulo pede a Tito que exorte as mulheres a serem “castas e a manterem-se em casa” ( Tito 2: 5) Atualmente, depois de “casto”, ele diz “ficar em casa”, como se o lar fosse o guardião da castidade. Assim como ela fica em casa, assim ela fica em silêncio e sempre fala o melhor de sua cabeça. Outros buscam sua honra em triunfo, mas ela deve buscar sua honra em reverência; pois não cabe a nenhuma mulher iluminar seu marido, nem publicar suas enfermidades. Pois eles dizem: Esse é um pássaro maligno que contamina seu próprio ninho; e se a esposa usa o marido assim, como o marido pode usar a esposa? Como essa é a qualidade desse sexo, oprimir e reprimir e processar a preeminência de seus maridos, os filósofos não sabiam como definir uma esposa, mas a chamavam de contrário do marido, como se nada fosse tão irritado. e ao contrário de um homem como esposa. Esta não é a Escritura, mas nenhuma difamação para muitos.2 Samuel 1:26 ), e Salomão monta a inveja das mulheres acima de todas as outras invejas ( Provérbios 21:19 Provérbios 21:19 ). Teimoso, mal-humorado, zombador, insensato, irreverente, com um humor tão amargo, que alguém pensaria que eles estavam derretidos do pilar de sal em que a esposa de Ló foi transformada ( Gênesis 19:28 Gênesis 19:28 ). Dizemos que nem todos são iguais, mas esta seita tem muitos discípulos: A costela que está do lado do homem o irrita ou irrita? Não mais do que ela, que é feita da costela ( Gênesis 2:20 Gênesis 2:20) Embora uma mulher seja sábia, dolorosa e tenha muitas partes boas, ainda que seja uma megera, no final, sua perturbadora perturbação fará com que seu comportamento honesto seja desagradável, uma vez que sua força excessiva faz com que sua boa dona de casa seja malvada. Portanto, embora seja esposa, às vezes deve observar a lição do servo: “Não responder novamente” ( Tito 2: 9 Tito 2: 9) e mantenha sua paz para mantê-la. Portanto, é dito que os que mantêm o silêncio mantêm a paz, porque o silêncio muitas vezes mantém a paz quando as palavras a quebram. Para seu silêncio e paciência, ela deve adicionar a obediência aceitável que faz uma mulher governar enquanto é governada. Este é o tributo da esposa ao marido; pois ela não é chamada cabeça dele, mas ele é chamado cabeça dela. Assim, obscurecemos o dever do homem para com a esposa e o da mulher com o marido. Depois de seus deveres um para o outro, eles devem aprender seus deveres com a família. Compara-se o dono da casa aos serafins, que vieram e acenderam o zelo do profeta; então ele deveria passar de esposa para servos, e de servos para filhos, e acender neles o zelo de Deus, desejando ensinar seu conhecimento, como enfermeira para esvaziar seus seios. Outro diz que um mestre em sua família tem todos os ofícios de Cristo, pois ele deve governar, ensinar e orar; governar como um rei, e ensinar como um profeta, e orar como um sacerdote (Apocalipse 5:10 Apocalipse 5:10 ). Para mostrar como um homem piedoso deve se comportar em sua casa, quando o Espírito Santo fala da conversa de qualquer governanta, ele diz com leviandade, que “o homem creu com toda a sua casa” ( Atos 16:34 Atos 16:34 ; Atos 18: 8 Atos 18: 8 ) . Como Pedro sendo convertido, deve converter seus irmãos; então o mestre que está sendo convertido deve converter seus servos. Por fim, colocamos o dever em relação às crianças, porque elas vêm por último em suas mãos. Em latim, as crianças são chamadas pignora,Gênesis 21: 7 Provérbios 22: 6 Mateus 19: 8 Mateus 5:32 Mateus 19: 9 1 Coríntios 7: 9isto é, promessas; como se eu dissesse, uma promessa do amor do marido pela esposa e uma promessa do amor da esposa pelo marido; pois nada há que amarre tanto o homem como a esposa como fruto do útero. O primeiro dever é da mãe, ou seja, cuidar do filho nos próprios seios, como Sara fez Gênesis 21: 7 ); e, portanto, Isaías juntou o nome da enfermeira e o nome da mãe em um e os chamou de "mães que amamentam"; mostrando que as mães devem ser as enfermeiras. O próximo dever é: "Catequize uma criança em sua juventude, e ela se lembrará dela quando for velha" ( Provérbios 22: 6) Essa é a bênção correta que pais e mães dão aos filhos, quando fazem com que Deus os abençoe também. Se esses deveres são cumpridos no casamento, não preciso falar em divórcio, que é a vara do casamento, e os dividimos como uma só carne, como se o corpo e a alma se separassem. Mas, porque nem todos cumprem seus votos de casamento, portanto, aquele que designou o casamento designou o divórcio, pois estava tirando nosso privilégio de nós quando o abusamos. Como Deus ordenou remédios para todas as doenças, assim Ele ordenou um remédio para a doença do casamento. A doença do casamento é adultério, e o remédio é o divórcio. Moisés os licenciou para partir por dureza de coração Mateus 19: 8); mas Cristo os licencia para partirem sem motivo, a não ser adultério. Se pudessem ser separados por discórdia, alguns fariam uma mercadoria de conflito; mas agora não é melhor que sejam contenciosos, pois esta lei mantém o nariz unido, até que o cansaço os faça sair lutando; como dois spaniels acoplados em uma corrente, eles finalmente aprendem a andar juntos, porque não podem se separar. Como nada pode separar os amigos, mas "se os teus olhos te ofenderem, tira-os" ( Mateus 5:32 ); isto é, teu amigo seja um tentador; portanto, nada pode dissolver o casamento, exceto a fornicação ( Mateus 19: 9 ), que é a violação do casamento, pois o casamento é ordenado para evitar a fornicação ( 1 Coríntios 7: 9 ) e, portanto, se a condição for quebrada, a obrigação será anulada. (H. Smith. )

 

Por que a criação da mulher foi adiada a esse momento preciso da história da humanidade

 

Primeiro, a unidade original do homem é a contrapartida da unidade de Deus. Ele deveria ser criado à imagem de Deus e à Sua semelhança. Se o homem e a mulher tivessem sido criados ao mesmo tempo, uma característica essencial da semelhança divina teria sido necessária. Mas, como no Absoluto, não há dualidade, seja no sexo ou em qualquer outro aspecto, também não existe na forma e na constituição originais do homem. Por isso, aprendemos o absurdo daqueles que importam em suas noções da divindade a distinção de sexo e todas as alianças envolvidas em uma raça de deuses. Em segundo lugar, a unidade natural do primeiro par e da raça descendente deles é estabelecida pela criação primária de um indivíduo, de quem deriva, por um segundo processo criativo, a primeira mulher. A raça do homem é, portanto, uma unidade perfeita, fluindo de um único centro da vida humana. Terceiro, dois eventos marcantes ocorrem na experiência do homem antes da formação da mulher; sua parcela no jardim como seu proprietário, guardador e cômoda; e sua revisão dos animais como seu superior racional, a quem eles prestam uma homenagem instintiva. Pelo primeiro, ele está preparado para prover o sustento e o conforto de sua esposa. Por este último, ele se torna consciente de seu poder de protegê-la. Ainda mais longe, pela entrevista com seu Criador no jardim, ele passou a entender a linguagem; e pela inspeção dos animais para empregá-lo ele mesmo. A fala implica o exercício dos poderes suscetíveis e conceituais do entendimento. Assim, Adam estava qualificado para manter conversas inteligentes com um ser como ele. Ele era competente para ser o instrutor de sua esposa em palavras e coisas. Novamente, ele se encontrou com seu superior em seu Criador, seus inferiores nos animais; e ele agora encontraria seu igual na mulher. E, finalmente, pelo comando divino, seu senso moral havia sido posto em jogo, a teoria da obrigação moral havia sido revelada à sua mente, e, portanto, ele estava preparado para lidar com um ser moral como ele, para entender e respeitar os direitos de outros. , fazer a outro como ele teria outro fazer com ele. Era especialmente necessário que o senso de direito crescesse em seu seio, para manter sob controle o poder em que ele se destacava, antes que o sexo mais fraco e suave fosse criado, e confiado a seu cargo. ( a teoria da obrigação moral havia sido revelada à sua mente, e ele estava, portanto, preparado para lidar com um ser moral como ele, entender e respeitar os direitos de outro, fazer com outro como faria com ele. Era especialmente necessário que o senso de direito crescesse em seu seio, para manter sob controle o poder em que ele se destacava, antes que o sexo mais fraco e suave fosse criado, e confiado a seu cargo. ( a teoria da obrigação moral havia sido revelada à sua mente, e ele estava, portanto, preparado para lidar com um ser moral como ele, entender e respeitar os direitos de outro, fazer com outro como faria com ele. Era especialmente necessário que o senso de direito crescesse em seu seio, para manter sob controle o poder em que ele se destacava, antes que o sexo mais fraco e suave fosse criado, e confiado a seu cargo. ( antes que o sexo mais fraco e suave fosse criado, e confiado a sua carga. ( antes que o sexo mais fraco e suave fosse criado, e confiado a sua carga. (JG Murphy. )

 

Consolo feminino

 

Washington Irving compara essa mulher à videira. Como a videira, que há muito enrolou sua graciosa folhagem sobre o carvalho e foi erguida por ela sob o sol, quando a planta resistente é arrancada pelo raio, a envolve com seus tentáculos carinhosos e amarra seus galhos quebrados; por isso, é lindamente ordenado pela providência que a mulher seja a estadia e o consolo do homem quando ferida com súbita calamidade - atando o coração partido.

 

“A mulher é para amarrar o coração partido,

 

E amolece o espírito flexível;

 

E para iluminar neste mundo de pecado e dor,

 

A lâmpada do amor e da alegria novamente.

 

Esposa ajuda

 

Guelph, o duque da Baviera, foi sitiado em seu castelo e obrigado a capitular ao imperador Conrad. Sua dama exigiu que ela e as outras senhoras conduzissem com segurança a um local seguro, com o que elas pudessem carregar. Isso foi concedido; e, para surpresa de todos, as damas apareceram, carregando os maridos nas costas. Assim, as esposas ajudavam seus maridos: e nunca no humor mais alegre de torneios ou tribunais aquelas damas justas pareciam mais amáveis.

 

Mulher

 

Hargrave diz que as mulheres são a poesia do mundo no mesmo sentido que as estrelas são a poesia do céu. Harmonias claras e iluminadoras, as mulheres são os planetas terrestres que governam os destinos da humanidade.

 

A palavra "mulher"

 

Em inglês, a qualificação "wo", colocada antes de "man", indica apenas uma diferença de sexo. Em latim, ela é chamada de muller, uma palavra derivada de mollior - mais suave, mais suave. Em hebraico, ish significa "homem", e a adição de uma vogal terminal torna isha-- uma mulher. Nas três línguas, as palavras usadas também são aplicadas a uma "esposa". No entanto, em turco, o nome karu - mulher - nunca é aplicado a uma esposa; ela é chamada ev, que significa "casa"; enquanto os armênios a chamam de undanik, ou o guardião em casa, uma palavra que inclui as crianças; eles também chamam a esposa de gin, ou seja, uma mulher. ( Coisas geralmente não conhecidas )

 

Verso 24

Gênesis 2:24Gênesis 2:24

 

Apegue-se à esposa

 

Casamento

 

 

I.

A natureza e o fim do casamento. É um voto de amizade perpétua e indissolúvel.

 

  1. Há muito tempo se observa que a amizade deve ser confinada a um: ou que, para usar as palavras do axioma: "Quem tem amigos, não tem amigo". Aquele ardor de bondade, confiança ilimitada, segurança desavisada que a amizade exige, não pode ser estendida além de um único objeto.

 

  1. Observa-se que a amizade entre iguais é a mais duradoura, e talvez haja poucas causas pelas quais se deve atribuir mais casamentos infelizes do que uma desproporção entre a condição original das duas pessoas.

 

  1. Amizade estrita é ter os mesmos desejos e as mesmas aversões. Quem escolhe um amigo deve considerar primeiro a semelhança ou a dissimilitude dos temperamentos. Quão necessária essa cautela deve ser solicitada como preparatória para o casamento, a miséria daqueles que a negligenciam evidencia suficientemente.

 

  1. Amigos, diz a observação proverbial, "têm tudo em comum". Isso também está implícito no convênio do casamento. O matrimônio não admite bens separados, interesses incomunicáveis.

 

  1. Existe ainda outro preceito igualmente relacionado à amizade e ao casamento, um preceito que, em ambos os casos, nunca pode ser inculcado com muita força ou observado escrupulosamente; “Contrate amizade apenas com os bons.” A virtude é a primeira qualidade a ser considerada na escolha de um amigo, e mais ainda em uma escolha fixa e irrevogável.

 

 

II Pelo que significa o fim do casamento deve ser alcançado. Os deveres, pela prática da qual uma vida conjugal deve ser feliz, são os mesmos da amizade, mas exaltados à perfeição mais elevada. O amor deve ser mais ardente e a confiança sem limites. Portanto, é necessário que cada parte mereça essa confiança com a fidelidade mais inabalável, e preservar seu amor inextinguível por atos contínuos de ternura: não apenas detestar todas as ofensas reais, mas aparentes, e evitar suspeitas e culpas, com quase igual solicitude. ( John Taylor, LL. D. )

 

Casamento

 

 

  1. O CASAMENTO DE HOMEM E MULHER É UMA ORDINÂNCIA DE DEUS. E, portanto, é chamado a aliança de Deus ( Provérbios 2:17 Provérbios 2:17 ). Pelo qual é dito que ele une as pessoas casadas ( Mateus 19: 6 Mateus 19: 6 ). De qual conjunção fala especialmente o apóstolo, quando ele adverte todo homem a andar como Deus o chamou ( 1 Coríntios 7:171 Coríntios 7:17 ). Nem na razão pode ser de outra maneira; vendo--

 

  1. Nós somos de Deus e não somos nossos; e, portanto, nenhum de nós que tenha poder sobre sua própria pessoa, pode ser descartado de outra maneira que Ele não ordena ( 1 Coríntios 6: 19-201 Coríntios 6: 19-20 ).

 

  1. Criamos filhos para Deus ( Malaquias 2:15 Malaquias 2:15 ). O que Ele, portanto, chama de Seu ( Ezequiel 16:21Ezequiel 16:21 ), como nasceu para Ele.

 

 

II PESSOAS CASADAS DEVEM SER TODAS E INTEIRAMENTE UMA A OUTRA. De acordo com a forma mencionada ( Oséias 3: 3 Oséias 3: 3 ), que se estende apenas a todos os deveres conjugais. Pode-se amar outros amigos, mas apenas sua esposa com um amor e afeto conjugais, regozijando-se somente nela ( Provérbios 5: 18-19 Provérbios 5: 18-19 ); morar com ela como companheira inseparável; aconselhando e trabalhando em conjunto com ela para defender e governar a família ( 1 Coríntios 7: 31 Coríntios 7: 3 ) e coisas semelhantes - naqueles os casados ​​devem ser totalmente um para o outro. Mas para que eles também, assim como os outros, ainda se mantenham obrigados a esses deveres gerais de amor, devida reverência e serviço, a todas as outras pessoas, de acordo com suas diversas relações.

 

 

III AS PESSOAS CASADAS NÃO SÃO APENAS PARA SE ABRAÇAR DE TODOS OS OUTROS, MAS RESIDEM EM ADESIVAR E LIMPAR A FIRMADA UM A OUTRO. ( J. White, MA )

 

A união de marido e mulher

 

Marido e mulher devem ser como duas velas acesas juntas, o que torna a casa mais iluminada; ou como duas flores perfumadas atadas em um nosegay, que aumentam sua doçura; ou como dois instrumentos bem afinados que, soando juntos, tornam a música mais melodiosa. Marido e esposa - o que eles são senão como reunião de duas fontes e, assim, unindo-se às correntes que fazem apenas uma corrente? ( W. Secker. )

 

Duas instituições consagradas

 

Duas instituições consagradas desceram para nós desde os dias da inocência primitiva, o casamento e o sábado. O primeiro indica a comunhão do tipo mais puro e perfeito entre iguais da mesma classe. Este último implica a comunhão do tipo mais alto e sagrado entre o Criador e a criatura inteligente. Os dois combinados importam comunhão um com o outro em comunhão com Deus. União conjunta é a soma e o tipo de todo vínculo social. Dá origem e abrangência a todas as alegrias sem nome do lar. É o campo nativo para o cultivo de todas as virtudes sociais. Ele fornece o devido enquadramento e a verificação do crescimento excessivo do interesse em si mesmo, e o treinamento gentil e a promoção de um interesse crescente pelos outros. Desdobra as graças e encantos do amor mútuo e transmite ao coração suscetível toda a paz e alegria, toda a luz e fogo, toda a franqueza e vida da pureza consciente e constante e da boa vontade. Amizade, bondade fraterna e amor, ainda são nomes esperançosos e sagrados entre a humanidade. A guarda do sábado eleva o casal, os irmãos, os amigos e a mente única, até a comunhão com Deus. A alegria da conquista é um sentimento comum a Deus e ao homem. A comemoração do começo auspicioso de uma existência santa e feliz viverá no homem enquanto a memória durar. A antecipação também do repouso alegre após o final de um trabalho bem feito dourará o futuro enquanto a esperança sobreviver. Assim, a idéia do sábado abrange toda a existência do homem. História e profecia se misturam em suas meditações pacíficas, e ambas estão ligadas a Deus. Deus é; Ele é o autor de todo ser e o recompensador daqueles que O buscam diligentemente. Esta é a nobre lição do sábado. Cada sétimo dia é bem gasto em atender à realização desses grandes pensamentos. (JG Murphy. )

 

Verso 25

Gênesis 2:25Gênesis 2:25

 

Não envergonhado

 

Nudez sem vergonha

 

Lá estavam eles, assim como vieram das mãos de Deus.

Eles não precisaram corar; eles não sentiram vergonha. É o pecado que uniu nudez e vergonha. Sem pecado, sem vergonha. Não há rubor na testa de um anjo. O homem não caído tinha a nudez sem vergonha da inocência; mas com a queda, isso passou, não para ser devolvido, mesmo sob redenção, mas para ser substituído por algo mais elevado, o glorioso vestuário de uma justiça que é infindável e divina. O homem não caído não precisava de cobertura e não pedia nada; mas o homem caído, sob a amarga consciência da condição indigna e indecorosa a que o pecado o reduziu, como impróprio para Deus, ou anjos, ou homem a quem olhar, clama por cobertura - cobertura que ocultará sua vergonha mesmo de o olho de Deus. Portanto, aquele que se comprometeu a fornecer essa cobertura deve suportar a vergonha. E Ele suportou - toda a vergonha de ficar nu na cruz; a vergonha de um pecador; a vergonha de ser feita a canção do bêbado; a vergonha de ser desprezado e rejeitado pelos homens; a vergonha de ser tratado como um pária, incapaz de ser visto por Deus ou pelo homem - impróprio não apenas para viver, mas também para morrer dentro dos portões da cidade santa (Hebreus 13: 11-12Hebreus 13: 11-12 ). Toda essa vergonha Ele nos deu, para que possamos herdar Sua glória. Ele se inclinou para o lugar de vergonha abaixo, para que pudéssemos obter o lugar de honra no melhor paraíso acima. Assim caminhamos nossos primeiros pais entre os bosques de um paraíso que não havia sido perdido. Assim habitavam eles em seus cobertores como um lar, e adoravam nele como um santuário. ( H. Bonar, DD )

 

Qual era a glória do homem agora é sua vergonha

 

Aquele mesmo estado de corpo que era, em Adão e Eva, a sua mais alta glória, seria, em nós, se fossemos vistos nesse estado, nossa mais profunda vergonha. Era a própria glória do homem, e continuaria sendo assim, se ele tivesse permanecido em sua inocência original, que enquanto todos os outros animais precisavam de cabelos, penas e escamas, etc., para cobrir sua falta de visão, só o homem foi criado com aquela dignidade e beleza do corpo, para que ele pudesse aparecer descoberto na glória de sua nudez criada. Mas toda essa glória está perdida. Agora somos obrigados, não apenas pela proteção necessária, mas por uma questão de evitar a mais profunda tormenta, a cobrir nosso corpo com mais estudo e cuidado do que qualquer outro animal da criação de Deus. Pois todos eles vêm ao mundo coberto pela natureza. ( M. Espuma. )(NOTAS ILUSTRDOR COMENTARIO)

.

 

 

 

MAIS SUBSIDIO CAP.2

 

Verso 18

E o Senhor Deus disse : ... Não ao mesmo tempo ele deu a direção e a instrução acima para o homem, como se comportar de acordo com sua vontade, mas antes disso, mesmo no tempo da formação de Adão e que ele disse para ele ou consigo mesmo: era um propósito ou determinação em sua própria mente, e pode ser traduzido, como é por muitos, ele "havia dito"F2, no sexto dia, em que o homem foi criado:

 

não é bom que o homem esteja sozinho ; não agradável e confortável para si mesmo, nem agradável à sua natureza, sendo uma criatura social; nem útil para sua espécie, não sendo capaz de propagá-la; nem tanto para a glória de seu Criador:

 

Eu o farei uma ajuda para ele encontrar ; alguém para ajudá-lo em todos os assuntos da vida, não apenas para a propagação de sua espécie, mas para fornecer coisas úteis e confortáveis ​​para ele; vestir sua comida e cuidar dos assuntos da família; um "como ele"F3, na natureza, temperamento e disposição, em forma e forma; ou um "como antes dele"F4, isso seria agradável aos seus olhos, e com quem ele poderia conversar deliciosamente, e seria em todos os aspectos agradáveis ​​a ele e totalmente responsáveis ​​por seus casos e circunstâncias, seus desejos e vontades.

 

Verso 19

E do chão o Senhor Deus formou todos os animais do campo e todas as aves do ar , .... Ou "os formou"F5no quinto e sexto dias; e estes foram formados dois e dois, masculino e feminino, a fim de continuar suas espécies; considerando que o homem foi feito solteiro e não tinha companheiro da mesma natureza com ele; e enquanto nessas circunstâncias, Deus

 

trouxe-os para Adão ; ou "para o homem"F6; pelo ministério dos anjos, ou por um tipo de instinto ou impulso, que os levou a ele por sua própria vontade, como o senhor e o proprietário deles, que, assim que ele foi criado, tinham o domínio de todos os criaturas dadas a ele; assim como as criaturas do dilúvio foram a Noé na arca; e como então, agora, todas as criaturas, aves e gado, vieram, exceto os peixes do mar; e isso foi feito

 

ver como ele os chamaria ; que nomes ele daria a eles; que, como prova da sabedoria do homem, é um sinal de seu domínio sobre as criaturas, sendo um exemplo de grande conhecimento delas dar-lhes nomes adequados e adequados, de modo a distinguir um do outro e apontar para algo neles que era natural para eles e os tornava diferentes um do outro; pois isso não supõe nenhuma falta de conhecimento em Deus, como se ele fizesse isso para saber o que o homem faria, ele sabia que nomes o homem lhes daria antes dele; mas para parecer que ele havia feito alguém superior a todos em sabedoria e poder, e por seu prazer, uso e serviço; e, portanto, os traz a ele, para colocá-los em suas mãos e dar-lhe autoridade sobre eles; e sendo ele próprio, chamá-los com o nome que quisesse:

 

e tudo o que Adão chamou a todos os seres vivos, esse era o seu nome ; sempre foi chamado depois, por ele e sua posteridade, até a confusão das línguas, e então toda nação as chamou como julgavam adequadas, todos na sua própria língua: e como há muitas razões para acreditar, que a língua hebraica era a primeira e a língua original; ou, no entanto, a língua oriental, da qual o hebraico, o caldeu, o siríaco e o árabe são tantos dialetos; foi isso que ele falou, e nele deu nomes às criaturas adequadas à sua natureza, ou agradáveis ​​a alguma propriedade ou outra observada nelas: e BochartF7nos deu muitos exemplos de criaturas na língua hebraica, cujos nomes respondem a algum personagem ou outro neles: alguns pensam que isso foi feito por inspiração; e Platão diz que lhe parecia que aquela natureza era superior à humana, que dava nomes às coisas; e que este não era o trabalho de um homem vaidoso e tolo, mas os primeiros nomes foram designados pelos deusesF8; e então CíceroF9 pergunta quem foi o primeiro, que com Pitágoras foi a mais alta sabedoria, quem impôs nomes a todas as coisas?

 

Verso 20

E Adão deu nomes a todo gado, e às aves do céu, e a todos os animais do campo . ... Quando eles vieram antes dele, e passaram por ele, prestando homenagem a ele, seu senhor e proprietário:

 

mas para Adão não foi encontrada ajuda para ele ; e talvez essa fosse uma das razões de serem trazidas a ele, para que ele se tornasse sensível ao fato de que não havia nenhuma entre todas as criaturas de sua natureza, e que era adequado para ser seu companheiro; e a ele deve ser referido, e não a Deus; não como se Deus procurasse uma ajuda para ele entre as criaturas, e não pudesse encontrar nenhuma; mas, como Aben Ezra observa, o homem não conseguiu encontrar um para si; e isso tornou-o mais agradecido e aceitável para ele, quando Deus formou a mulher dele e a apresentou diante dele.

 

Verso 21

E o Senhor Deus causou um sono profundo sobre Adão, e ele dormiu, .... Não foi um sono comum e natural em que Adão caiu, ocasionado por qualquer cansaço dos espíritos animais, ao ver as criaturas passarem por ele e examiná-las, dando-lhes nomes adequados e adequados; mas foi sobrenatural, e do Senhor, seu poder e providência, que o fizeram cair sobre ele: não era uma sonolência, nem um sono, mas um sono profundo: seus sentidos estavam tão trancados por ele que ele percebeu nada que foi feito com ele; e parece ter sido de propósito, que ele não sentisse dor durante a operação, assim como poderia parecer que ele não tinha mão na formação da mulher; e que ele poderia ficar mais surpreso ao vê-la, apenas acordando do sono, ao ver um objeto tão adorável, tão parecido com ele, e feito de si mesmo,

 

e ele pegou uma de suas costelas ; com a carne junto com ela: os homens têm geralmente, como anatomistasF11observe doze costelas de um lado; parece que Adam tinha treze anos. O Targum de Jônatas é ", e ele pegou uma de suas costelas; isto é, a décima terceira costela do seu lado direito: 'mas nosso poeta inglêsF12 leva para ser um do lado esquerdo, e também um supranumerárioF13. Deus fez uma abertura nele, e a retirou, sem causar nenhuma dor e sem sentir: de que maneira isso foi feito, não precisamos investigar; o poder de Deus era suficiente para executá-lo; Adão estava dormindo quando foi feito, e não o viu, e a maneira da operação não é declarada:

 

e fechou a carne em vez dela : para que não houvesse nenhuma abertura, nem aparecesse ferida, nem aparecesse uma cicatriz, ou qualquer perda sofrida, mas o que era compensado por um aumento de carne ou fechando a carne; e isso sendo endurecido como outra costela, e assim respondeu ao mesmo propósito. (Adam provavelmente tinha o mesmo número de costelas que nós temos hoje. Caso contrário, o código genético para a criação de uma costela extra faria com que pelo menos algumas pessoas hoje tenham treze costelas. Não conheço esse caso. Além disso, sabemos que as características adquiridas não pode ser passado para a próxima geração. Um homem que perde as duas pernas em um acidente, geralmente tem filhos que têm duas pernas.

 

Verso 22

E a costela, que o Senhor Deus tirara do homem, a fez mulher, .... É comumente observado, e com pertinência suficiente, que a mulher não foi feita da parte superior do homem, para que não se pense que ela esteja acima dele e tenha poder sobre ele; nem de qualquer parte inferior, como estando abaixo dele, e para ser pisoteado por ele; mas do lado dele, e de uma de suas costelas, para que ela parecesse igual a ele; e de uma parte perto de seu coração, e debaixo de seus braços, para mostrar que ela deveria ser afetuosamente amada por ele e estar sempre sob seus cuidados e proteção: e ela não foi "criada" como as coisas eram, do nada, nem " formado "como Adão era, do pó da terra, estando na mesma forma que o homem; mas "feito" de pó refinado e vivificado, ou da carne e ossos do homem, e assim em sua composição e constituição, fina e amável; ou "construído"F14, como a palavra significa, que é usada, porque ela é a base da casa ou da família e os meios para construí-la: ou melhor, para denotar o cuidado e a arte singulares usados ​​e a proporção adequada observada na composição dela:

 

e a trouxe ao homem: do lugar onde a costela foi transportada, e ela foi feita dela; ou ele a trouxe, como mãe dela, a quem ela estava disposta, e a apresentou a Adam como sua esposa, para ser levada a uma relação conjugal com ele e para ser amada e querida por ele; que, como fornece uma regra e um exemplo a ser seguido por pais e filhos, um para descartar seus filhos em casamento e o outro para ter o consentimento de seus pais; assim como é uma recomendação de casamento, agradável à vontade divina e ser estimada como honrosa, sendo de Deus: era um tipo de casamento de Cristo, o segundo Adão, entre ele e sua igreja, que surgia dele, do seu lado; e é da mesma natureza que ele, e foi apresentado por seu divino Pai a ele, que a deu a ele; e ele a recebeu como esposa e noiva; VejoEfésios 5:29Efésios 5:29 .

 

Verso 23

E Adam disse: agora isso é osso dos meus ossos, e carne da minha carne , .... Dos "seus ossos", porque feitos de um par de costelas, como alguns pensam, um de cada lado e, portanto, expressam no número plural ", e de sua carne", uma parte da qual foi tirada com a costela; este Adam sabia que, ou estava acordado enquanto ela era feita, mas dormia quando a costela foi arrancada; ou por revelação divina, por uma impressão disso em sua mente; ou poderia ter sido declarado a ele em um sonho, enquanto dormia, quando, estando em êxtase ou em transe, todo esse caso lhe era representado: e isso foi "agora" feito, apenas feito, e não seria feito mais em de maneira semelhante; "desta vez"F15, desta vez, como muitos o renderizam; assim foi, mas a partir de agora a mulher deveria ser produzida no caminho da geração, como homem:

 

ela será chamada mulher, porque foi tirada do homem : seu nome era "Ishah", porque tirada de "Ish", como "vira" em latim de "vir" e "mulher" em nossa língua de "homem" .

 

Verso 24

Portanto, um homem deixará seu pai e sua mãe . ... Estes são considerados por alguns como as palavras de Moisés, inferindo do fato acima, o que deveria haver entre os homens; e por outros, as palavras de Adão sob inspiração divina, como o pai da humanidade instruindo seus filhos o que fazer e predizendo o que seria feito em todas as épocas seguintes: embora elas pareçam ser as palavras do próprio Deus, por quem o casamento foi agora instituído; e quem aqui dá orientação sobre o assunto e declara o caso e as circunstâncias do homem sobre ele, e como ele deveria e deveria se comportar: e assim nosso Senhor Jesus Cristo, citando essas palavras, faz deles as palavras daquele que fez o homem, homem e mulher, e os fornece e os prefaz assim, e disse: "por esta causa", etc. Mateus 19: 5Mateus 19: 5então Jarchi parafraseia-os ", o Espírito Santo disse assim: 'não que um homem em seu casamento deva deixar suas afeições para com seus pais, ou seja negligente em sua obediência a eles, honra a eles e estima por isso, ou negligenciar. os cuidados deles, se eles precisam de sua assistência; mas que ele se afaste da casa de seu pai, e não fique mais com ele, ou fique na cama e hospede em sua casa; mas, tendo tomado uma esposa para si mesmo, deve fornecer um habitação para ele e ela habitarem juntos: assim todos os três Targums a interpretam, de deixar "a casa de seu pai e a cama de sua mãe":

 

e se apegará a sua esposa ; com um carinho cordial, cuidando dela, alimentando-a e nutrindo-a, proporcionando-lhe todas as coisas confortáveis, continuando a viver com ela e não se afastando dela enquanto viverem: a frase é expressiva da união próxima pelo casamento entre Homem e esposa; eles são, por assim dizer, colados e formam apenas um; que é mais completo e fortemente expresso na próxima cláusula:

 

e eles serão uma só carne ; isto é, "eles dois", o homem e sua esposa, como são fornecidos e interpretados por Cristo, Mateus 19: 5Mateus 19: 5e assim aqui nas versões Targum de Jônatas, e nas versões Septuaginta e Samaritana: a união entre eles é tão estreita, como se fossem apenas uma pessoa, uma alma, um corpo; e que deve ser observado contra a poligamia, divórcios ilegais e toda impureza, fornicação e adultério: apenas um homem e uma mulher, unidos em um casamento legal, têm o direito de copular um com o outro, a fim de produzir uma descendência legítima , participando da mesma carne, como os filhos de seus pais, sem poder distinguir a carne de uma da outra, participam: e daí parece ser uma noção fabulosa que Cecrops, o primeiro rei de Atenas, foi o primeiro instituto de matrimônio e marceneiro de um homem para uma mulher; de onde ele era considerado "biforme"F16, e foi chamado διφυης ; a menos que, como algunsF17 pensaram que ele e Moisés eram o mesmo que entregou a primeira instituição do casamento, que é essa.

 

Verso 25

E eles estavam nus, o homem e sua esposa , .... Foram criados, sem roupas e sem necessidade de nenhum, para protegê-los do calor ou do frio, estando em um clima temperado; ou ocultar qualquer parte de seus corpos da visão de outras pessoas, não havendo nenhuma das criaturas contra as quais se proteger:

 

e não tinha vergonha; não ter nada neles, ou neles, ou sobre eles, que causasse vergonha; nada pecaminoso, defeituoso, escandaloso ou culpável; nenhum pecado em sua natureza, nenhuma culpa em suas consciências ou iniqüidade em suas mãos ou ações; e, particularmente, eles não tinham vergonha de estarem nus, assim como as crianças não se vêem nuas, ou devemos contemplá-las; além disso, elas não estavam sozinhas e ninguém as contemplava; mas o fato de estarem nus não era uma desgraça para eles, mas sim de acordo com sua natureza; e não sabiam que havia necessidade ou ocasião de se cobrir, nem teriam tido, se tivessem continuado em seu estado inocente: além disso, não havia o menor motivo para se envergonhar de aparecer dessa maneira, pois eles eram apenas uma carne. O Jerusalém Targum é: "eles não sabiam o que era vergonha". não estar consciente de nenhum pecado, que mais cedo ou mais tarde produz vergonha. Assim PlatãoF18descreve os primeiros homens que, diz ele, foram produzidos fora da terra; e para quem o solo fértil e as árvores produziram frutos de todo tipo em abundância em si mesmos, sem agricultura; que estes eram γυμνοι και αρρωτοι , "nus e sem qualquer cobertura"; e assim Diodories SiculusF19diz que o primeiro dos homens estava nu e sem roupa. A palavra aqui usada às vezes significa sábio e astuto; é tornado "sutil" o primeiro verso do próximo capítulo: e aqui está o Targum de Jônatas, "ambos eram sábios, Adão e sua esposa, mas não continuavam em sua glória; 'a próxima coisa que ouvimos falar é sobre a queda deles. .WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET