Translate this Page

Rating: 2.6/5 (288 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Geografia biblica de Israel antigo testamento
Geografia biblica de Israel antigo testamento

           Geografia de Israel perido do deserto (1)

      GEOGRAFIA DE ISRAEL PERIODO DO DESERTO

 

won'dẽr - ingz :

  1. CONDIÇÕES
  2. The Wilderness
  3. Quatro Regiões separado incluído
  4. "A Sandy Trato"
  5. Descrição da Arabá
  6. Condição Física da região selvagem
  7. dificuldades quanto à Números de Israel e da conta do Tabernáculo
  8. Dificuldade como a número de vagões
  9. Fauna do Deserto
  10. Nomes característica dos Distritos
  11. Primeira viagem
  12. Modo de viajar
  13. A Rota: o First Camp
  14. Águas de Mara
  15. acampamento junto ao Mar Vermelho
  16. A Rota para Sinai

III. Segunda viagem

  1. A estadia no Sinai
  2. Local de Cades-Barnea
  3. A Rota: Hazerote para Moserote
  4. Os Camps entre Hazerote e Moserote

EU V. OS trinta e oito anos

  1. A História
  2. As Camps Visitou
  3. A VIAGEM FINAL
  4. A Rota
  5. As Estações Cinco até a fronteira de Moabe
  6. A partir Iyim para Arnon
  7. A Mensagem a Siom
  8. A partir do Arnon a acácia
  9. Revisão
  10. Condições.
  11. A Wilderness:

 

A consideração das características geografia e naturais do deserto entre Egito e Edom, em que os hebreus são disse ter vagou por 40 anos, tem uma influência muito importante na questão da autenticidade da narrativa Pentateuco. Este deserto forma uma cunha entre os golfos de Suez e 'Akabah , Afinando do Sul para as montanhas de granito perto de Sinai. Ele tem uma base de 175 milhas de comprimento Oriente eo Ocidente sobre o Norte, ea distância do Norte e do Sul Isaías 250 milhas. A área é, portanto, mais de 20.000 milhas quadradas, ou o dobro do tamanho da Terra Prometida Leste e Oeste da Jordânia. No North deste deserto encontram-se as planícies de Gaza e Gerar, eo Neghebh ou "região seca" (sul; ver Números 13:17 Versão Revisada (britânico e americano)), incluindo o planalto e colinas baixas rodada Beersheba.

 

  1. Quatro regiões separadas incluído:

 

Existem quatro regiões separadas incluídas na área, a maior parte (13.000 milhas quadradas), sendo um platô que no Sul se eleva 3.000 a 4.000 pés acima do mar, e prateleiras suavemente em direção às planícies filisteus. O mesmo é drenado no vasto Wady el - 'Arish , Com o nome de el - 'Arish ("o estande"), uma estação no Mediterrâneo costa sul de Gaza, onde este vale entra no mar. Nesse sentido ocorrem várias montanhas proeminentes ( Jebel Yelek , Jebel Hilal E Jebel Ikhrimm ), Enquanto mais a leste - perto do local do Cades ocidental - há um passo no planalto culminando no Sul em Jebel el - Mukhrah ; mas nenhuma destas gamas parece ser mais do que cerca de 4.000 pés acima do mar.

 

 O patamar é conhecido como Badiet et - Tih ("os resíduos sem caminhos"), e apesar de alguns geógrafos árabes da Idade Média falam dele como o deserto "de o vaguear da Beni İsrail ", Eles se referem a toda a região, tanto quanto 'Akabah , E não para o planalto sozinho. A elevação no Sul constitui uma subida muito íngreme ou "parede" (veja SHUR ), Flexão redonda sobre o Ocidente eo Oriente, e elevando-se acima das planícies da costa perto de Suez eo 'UMA rabah perto de Edom. Perto do centro do planalto é o pequeno forte de Nakhl ("as palmas das mãos"), onde a água é encontrado; mas, como um todo, o Tih é sem água, tendo muito poucas fontes, sendo a mais importante aqueles perto do Cades ocidental ( 'Ain Kadis ); para Rehoboth pertence à região do Neghebh ao invés de para o Tih . No inverno, quando ocorrem chuvas muito fortes, os vales são frequentemente inundado subitamente por um seil , Ou "torrente", que é, por vezes, 10 pés de profundidade por algumas horas. Tal seil tem sido conhecida a varrer árvores, rebanhos, e os seres humanos; ainda, em conseqüência da superfície rochosa dura, o dilúvio corre longe do mar e logo se torna um mero riacho. Sempre que seja detectada solo mole, nos vales, a grama vai crescer e dar pasto, mas mesmo no início da primavera os árabes começam a sofrer de falta de água, o que só permanece em covas e em furos de água entre rochas. Eles têm muita dificuldade em seguida, regar as suas cabras e ovelhas.

 

  1. "A Sandy Trato":

 

Abaixo de Tih escarpas no Sul é outra região chamada Debbet er - Ramleh ("o trato de areia"), que fica a apenas 20 milhas de largura no seu mais largo; e ao oeste são as planícies arenosas, com montes de pedra calcária, que se estende do leste dos lagos amargos e do Golfo de Suez. A terceira região é composta da cadeia de granito (ver SINAI ) Que se eleva a 8.550 pés acima do mar, e cerca de 6.000 pés acima do seus vales, próximos Jebel Musa . Partes desta região são mais bem regada do que é qualquer parte do Tih , E da principal estrada do Egito até Edom tenha, portanto, sempre correr com ele.

 

  1. Descrição da Arabá:

 

 

A quarta região, que é do 'Arabá Ou vale largo (10 milhas de largura) entre o Golfo de 'Akabah e do Mar Morto. Tem um divisor de águas cerca de 700 pés de altura acima do Golfo (Sul do bairro de Petra); e North desta vertente a água flui para o Mar Morto 1.292 pés abaixo do Mediterrâneo. O comprimento total deste vale Isaías 120 milhas, sendo o divisor de águas (perto da cadeia edomita) cerca de 45 milhas a norte de 'Akabah . O chefe do Golfo foi uma vez mais para o norte; e, próximo 'Ain Ghudiân (provavelmente Eziom-Geber) e 'Ain et - Tabah (provavelmente Jotbatá), há um plano de lama que se torna um lago no inverno - cerca de 20 milhas do mar. Diminuir para baixo - pelo 'Ain ed Deffıyeh - Há um outro tal plano, a cabeça sendo 10 milhas de 'Akabah . Toda a região é muito melhor regada que qualquer um dos três distritos anteriores, com molas no pé das montanhas de ambos os lados; e a 'Arabá é, portanto, o melhor país pastorais dentro dos limites descritos.

 

Ele agora suporta uma população nômade de cerca de 2.000 ou 3.000 almas ( Haiwatât e 'Alawın Árabes), enquanto a região rodada Sinai tem cerca de 2.000 almas ( Towârah Árabes): o conjunto da Tih tem provavelmente não mais do que 5.000 habitantes; para as tribos mais fortes ( 'Azâzimeh e Ṭerabın ) Vivem principalmente entre Gaza e Beersheba. Estes árabes têm cabras, ovelhas e camelos, mas o gado só são encontrados perto de Beersheba. Os rebanhos são regadas diariamente - como na Palestina em geral - e às vezes são conduzidos 20 milhas no inverno para encontrar pasto e água. A água também é levado em burros e camelos para os campos, e transportados em sacos de pele de cabra em uma viagem através distritos áridos. (notas encyclopedia Standard 19150

 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

Postado por mauricio berwald

Geografia de Israel período do deserto (2)

 

 

Historia de Israel periodo do deserto n.2

 

 

  1. Condição Física da Wilderness:

 

Não há nenhuma razão para pensar que as condições no momento do Êxodo diferiam materialmente daqueles do tempo presente. Os árabes cortaram um bom número de árvores de acácia para lenha nos últimos tempos, mas a população é muito pequeno para afetar materialmente a vegetação. A precipitação anual - exceto em anos de seca - é de 10 a 20 polegadas, e no inverno a neve cai sobre a Tih E clareia Sinai eo edomitas montanhas por muitos dias. A acácia, tamarisk e palma crescem nos vales. Às Wady Feiran Há são referidos como sendo 5.000 palmeiras, e que também ocorrem no 'Arabá e as gargantas edomitas, enquanto a vassoura branco (1 Reis 19: 5, a King James Version "zimbro") cresce naTih planalto. EsteTih platô é a cama de um oceano antigo que antes rodeava as montanhas de granito de Sinai. 

 

Ele foi levantada provavelmente no Mioceno, muito antes de o homem apareceu na terra. A formação de superfície (Hull, Memoir na Geologia e Geografia da Arábia, Petra |, etc., 1886) consiste de calcários Cretáceo das idades Eoceno e giz, sob a qual se encontra o arenito Nubian do período Greensand, que também é visível o tempo todo rota de Sinai para'AkabahE no lado leste do Mar Morto, e até mesmo no sopé do planalto Gilead. 

 

Estas camas são visíveis naTih escarpa; e Norte do Sinai há formações ainda mais antigas do calcário, eo "arenito deserto" do período Carbonífero. Uma vez que as condições de abastecimento de água natural dependem inteiramente da formação geológica e da chuva, nenhuma das quais pode ser considerada como tendo mudado desde o tempo de Moisés, a conclusão científica é que o deserto assim descrita representa que a sua idade, Isto, como veremos, afeta a nossa conclusão sobre a rota seguida por Israel do Egito para a'Arabá; para, na rota direta de Suez paraNakhl (cerca de 70 milhas), não há água para a parte principal do caminho, por isso tem que ser levado em camelos; enquanto, ao leste deNakhl , A uma distância de 80 milhas, há apenas um fornecimento de um bem conhecido na (Bir eth -Temático) Algumas milhas ao sul da estrada. Esta rota foi, assim, praticamente intransitável para os hebreus e os seus animais, enquanto que a rota Sinai foi passável. Assim, quando Wellhausen (História de Israel e Judá, 343) fala de Israel como ir direto para Kadesh, e não fazendo uma "digressão ao Sinai", ele parece não ter considerado a topografia como descrito por muitos viajantes modernos. Pois não só era todo o objeto de sua viagem primeiro para visitar o "Monte de Deus", mas ele também estava sobre a rota mais viável a Cades.

 

  1. dificuldades quanto à Números de Israel e da conta do Tabernáculo

 

É verdade que existem algumas dificuldades no que respeita tanto os números de Israel e da conta do tabernáculo. A primeira destas acusações tem sido considerado em outros lugares (verEXODUS). A conta detalhada do tabernáculo (Êxodo 25 a 28; 36 a 39) pertence a uma parte do Pentateuco que muitos escritores críticos atribuir a uma data posterior à da velha narrativa e leis (Êxodo 1 a 24). A descrição pode parecer mais aplicável à estrutura semi-permanente que existia na Shiloh e Nob, do que o "tenda da congregação" original no deserto. Por outro lado, viver tanto tempo no civilizada Egito, os hebreus, sem dúvida, teve entre eles artífices qualificados como Bezalel. Os egípcios usavam madeira de acácia para móveis; e embora a acácia deserto não cresce com o tamanho, que iria apresentar pranchas de 1 1/4 côvados de largura, pode ser que estes foram feitos pelo trabalho do marceneiro, como os antigos eram capazes de executar. Houve uma abundância de ouro no Egito e na Ásia, mas nenhum perto de Sinai.

 

 Sugere-se, no entanto, que os ornamentos dos quais os hebreus saqueavam os egípcios foram apresentados, como os animais (Êxodo 36: 6) preparados para as cortinas - assim como os árabes tecer animais para as suas tendas - e eles poderiam ter servido para espalhar uma fina camada de ouro sobre placas de acácia, e no altar de acácia. É mais difícil de entender (em nossa informação presente) onde a prata suficiente para as bases (Êxodo 26:25) seria encontrado. Cobre (Êxodo 27: 4) apresenta menor dificuldade, uma vez que havia minas de cobre em Wady Nuṣb próximo Serabit el Khadim. As mulheres deram brincos de ouro de Arão (Êxodo 32: 3) para o bezerro de ouro, mas isso pode ter sido um pequeno objeto. Eusébio (em Onomasticon), referindo-se a Di-Zaabe, "o lugar de ouro" (Deuteronômio 1: 1), agoraDhahab ("gold") na costa oeste do Golfo do 'Akabah, Leste do Sinai, menciona as minas de cobre de Punom; e pensei que veios de ouro também pode ter existido nas montanhas de Edom em tempos antigos. Um pouco de ouro também é encontrada em Midiã. Sabemos que os egípcios e assírios levaram arcas e altares portáteis com os seus exércitos, e uma grande tenda de couro da rainha Habasu realmente existe. Tutmés III, antes do Êxodo, fala de "sete pólos da barraca coberta com placas de ouro da tenda do rei hostil", que ele tomou como despojo em Megido. A arte da gravura jóias também foi já antiga no tempo de Moisés. VejoNÚMEROS , LIVRO DE .

 

  1. Dificuldade como a número de vagões:

 

Outra dificuldade é entender como seis carros de boi (Números 7: 3) ​​suficiente para transportar todas as pranchas e pesadas cortinas e vasos do tabernáculo; e, embora o uso de carros de boi, e de quatro rodas vagões também, é conhecido por ter sido antigo na Ásia, há pontos no mesmo o caminho mais fácil que pareceria impossível para os vagões para passar, especialmente na estrada áspera através de Edom e Moab. Por outro lado, sabemos que um egípcio Mohar se conduzir o seu carro sobre as montanhas na Palestina, no reinado de Ramsés II, apesar de ter sido finalmente quebrado perto de Jope.

 

  1. Fauna do Deserto:

 

O que quer ser pensado como a essas questões, há indicações de outras passagens do conhecimento real com a fauna do deserto. Embora o maná, como descrito (Êxodo 16:31), é dito para não se parecer com a goma doce que emana dos galhos do tamarisk (a que tem sido comparado por alguns), que derrete no sol, e é considerado como uma iguaria pelos árabes, mas a codorna (Êxodo 16:13; Números 11:31) ainda migram do mar para o norte através do deserto na primavera, voando baixo por noite. 

 

As aves notado (Lv 11; Dt 14) incluem - como Canon Tristram observou - espécies encontradas nas praias e no deserto, como o corvo marinho, gaivota e pelicano; o avestruz (no deserto do leste de Moab); a cegonha, a grua ea garça que migrar da África para o vale do Jordão. É notável que, com exceção da garça-real (assírio anpatu), Os nomes hebraicos não são aqueles usados ​​pelos assírios posteriores. Os mamíferos incluem o javali que ama os pântanos, eo hyrax (King James Version "coney") que ainda existe perto de Sinai e no deserto de Judá, com a lebre do deserto. É notável que em Dt (Deuteronômio 14: 5), além do ibex eo Bubak, duas espécies são adicionados (o gamos, hebraico'ayyāl , A King James Version "hart", ea gazela, hebraico yaḥmūr , Árabe yaḥmûr, A King James Version "gamo"), que não são deserto animais. O primeiro ocorre em Tabor; o último foi encontrada por este autor em 1873 no Carmelo, e é conhecido desde em Gileade e do Líbano.(notas encyclopedia standard biblia)

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

 

 

Postado por mauricio berwald

 

Geografia de Israel periodo do deserto (3)

 

       

 

 

 

                Historia de Israel periodo do deserto n.3

 

  1. Nomes característica dos Distritos:

 

Os vários distritos no deserto receber nomes característicos na conta do Êxodo. Assim, Shur é a região da costa sob a "parede" do Tih E Sin (Êxodo 17: 1; Números 33:11) foi o deserto "gritante" (vejaSINAI) De giz branco, West de Sinai. Paran é notada 10 vezes, como uma região do deserto e montanha (Deuteronômio 33: 2; Habacuque 3: 3) entre o Sinai e Cades. O nome parece sobreviverWady Feiran Oeste do Sinai.

 

 Isso significa algum tipo de "tocas", se referindo a minas, cavernas ou poços de água, de acordo com a explicação habitual; mas em árabe a raiz também significa "quente", o que talvez seja mais provável. O termo parece ser de extensão muito grande, e referem-se aTih geral (Gênesis 21:21); para Davi (1 Samuel 25: 1) em Paran não estava longe de Maon e Carmel Sul de Hebron, ea mesma aplicação geral (1 Reis 11:18) é sugerido em outra passagem. Finalmente, o deserto de Zim (cin) É notado 9 vezes, e de forma muito clara ficava perto Cades-Barnéia e no Leste do Paraná (Números 13:21; Números 20: 1; Números 34: 3; Deuteronômio 32:51; Josué 15: 3). Os rabinos tornava "palm" (cin ), O que é apropriado para o 'Arabá vale, que ainda mantém o antigo nome mencionado em Deuteronômio 1: 1. Estas várias considerações quanto às condições a serem cumpridas pode servir para demonstrar que as dificuldades frequentemente levantada, quanto ao carácter histórico da narrativa do Êxodo, foram muito exagerados; e um estudo mais aprofundado das várias viagens serve para confirmar este ponto de vista.

 

  1. Primeiro Journey.

 

  1. Modo de viajar:

 

Israel deixou o Egito no início de abril (após o dia 14 de Abib) e chegou Sinai sobre o 14 ou 19 do 3 meses (Êxodo 19: 1), ou no final de maio. Eles, assim, levou dois meses para realizar um percurso de cerca de 117 milhas; mas a partir do primeiro acampamento depois de cruzar o Mar Vermelho para que na planície antes das Mount dez marchas são mencionados, dando intervalos de menos de 12 milhas entre cada acampamento. Assim, eles evidentemente permaneceu em campo por pelo menos 50 dias de tempo, provavelmente nas fontes melhor fornecidos, incluindo a do ponto de partida, e aqueles em Elim e Refidim, a fim de descansar seus rebanhos. 

 

Os campos eram provavelmente não todos os cheia rodada uma mola, mas espalhados por uma distância de algumas milhas. Os árabes na verdade não acampar ou manter os seus rebanhos perto das águas, provavelmente, a fim de não contaminar-los, mas enviar as mulheres com burros para buscar água, e conduzir as ovelhas e cabras para a primavera ou bem no frescor da tarde . Assim, lemos que os amalequitas "feriu na tua retaguarda" (Deuteronômio 25:18), o que pode significar os retardatários incapazes de manter-se quando "cansado", ou talvez aqueles no acampamento mais na parte traseira.

 

  1. A Rota: The First Camp:

 

A rota de Israel foi cuidadosamente descrito por Robinson (BR, 1838, I, 60-172; II, 95-195), e sua conta é seguido, principalmente, neste e próximas seções. Podemos colocar o primeiro acampamento (vejaEXODUS ), Entre as molas que fornecem Suez ( 'Ain Nab'a e 'Ayyûn Musa ), Que são cerca de 4 milhas de distância. A primeira delas é retirado entre os montículos de areia, e bolhas em uma bacia de alguns seis pés de profundidade.

 

 A água é salobra, mas suprimentos como muitos como 200 cargas de camelo de uma só vez para Suez. Às 'Ayyûn Musa ("as molas de Moisés") há sete molas, sendo alguns pequenos e pegou na areia. Algumas palmas ocorrer perto da água (que também é salobra), e um pouco de cevada é cultivada, enquanto que nos últimos tempos jardins de romã foram cultivadas (AE Haynes, Homem-Hunting in the Desert, 1894,106), que, com as palmas das mãos, dar um tom grato.

 

  1. Águas de Mara:

 

A partir desta base de Israel marcharam "três dias no deserto" de Sur ", e não acharam água" (Êxodo 15:22). Eles, sem dúvida, levou-a com eles, e pode ter enviado de volta camelos para buscá-la. Mesmo quando chegaram as águas de Mara ("o amargo") eles foram encontrados undrinkable até adoçado. O site de Marah claramente parece ter sido em 'Ain Hawarah ("a primavera branco giz"), com o nome do monte de giz ao lado dele. 

 

Este é de 36 milhas de'Ayyûn Musa, Dando uma média diária marcha de 12 milhas. Não há água na rota, embora alguns possam ter sido obtido a partir'Ain Abu Jerad dentro Wady Sudr , E de uma pequena fonte de Abu Suweirah perto do mar. Burckhardt achava que a água foi adoçado das bagas doGharḳad arbusto (que têm um suco ácido) sobre os arbustos espinhosos perto da primavera. Esta baga vermelha amadurece, no entanto, em junho. Não há dúvida, por outro lado, que o melhor tratamento para água Brack é a adição de um sabor ácido. Os árabes consideram as águas de Primavera deste ano para ser o mais amargo no país próximo.

 

  1. acampamento junto ao Mar Vermelho:

 

A partir Marah, a próxima marcha levou a Elim ("as palmas das mãos"), onde eram "doze fontes (não" poços ") de água e setenta palmeiras." O site parece claramente ter sido em Wady Gharandil , Onde um riacho é encontrado alimentada por nascentes de água melhor do que a de Mara. A distância é de apenas cerca de 6 milhas, ou uma marcha fácil, e existem palmeiras perto das águas. Israel em seguida, entraram no deserto de Sin, que se estende de Elim para Sinai, atingindo um acampamento "junto ao Mar Vermelho" (Números 33:10) apenas um mês depois de sair do Egito (Êxodo 16: 1). 

 

O local provável é perto da fozWady et -Ṭaiyibeh ("o vale formoso"), que é cerca de 10 ou 12 milhas das molas de Gharandil. O sopé aqui projeto perto da costa, e no Norte do vale éJebel Hammam Far'aûn ("a montanha de banho quente de Faraó"), com o nome de fontes de enxofre quente. A água emWady et -Ṭaiyibeh é dito ser melhor do que a de Marah, e este é o principal balneário árabe depois de passar Gharandil. Uma pequena lagoa é aqui descrito por Burckhardt emel -Murkhat, Na rocha de arenito perto do sopé das montanhas, mas a água é amargo e cheio de ervas daninhas, musgo e lama. O local é próximo a uma ampla planície litoral que se estende do Sul Aqui duas estradas divergem em direção Sinai, que fica a cerca de 65 milhas a sudeste, e neste intervalo (Números 33: 11-15) cinco estações são nomeados, dando uma marcha diária de 13 milhas. Os hebreus provavelmente tomou a estrada menor e mais fácil, especialmente no que evitou as minas egípcias deWady el -Maghârah ("vale da caverna") e sua estação em Serabit el -Khadim ("pilares do servo"), onde - embora este não é certa - pode ter havido um destacamento de arqueiros guardando as minas.

 

  1. A Rota para Sinai:

 

 

Nenhum dos cinco campos nesta secção do percurso é certamente conhecido. Dofca aparentemente significa "distorcer" dos rebanhos, e Alus (de acordo com os rabinos) "crowding", indicando assim as dificuldades da marcha. Refidim ("refrescos") contrasta com esses nomes e indica uma melhor acampamento. O site, desde o século 4 dC, sempre foi mostrado na Wady Feiran (Eusébio, Onomasticon, sob a palavra "Rephidim") - um oásis de palmeiras com um riacho. A distância do Sinai é cerca de 18 milhas, ou 14 a partir da extremidade ocidental da planície ampla er - Rahah em que Israel acampados à vista de Horebe; eo último nome (Êxodo 17: 6) incluídos no deserto de Sinai, mesmo tão longe como Refidim.

 

 Aqui, a vara de Moisés, ferindo a rocha, revelou aos Hebreus uma oferta abundante, assim como eles se desesperaram de água. Aqui, aparentemente, eles poderiam descansar em conforto para alguns três semanas antes da marcha final para a planície "em frente do monte" (Êxodo 19: 1, Êxodo 19: 2), que chegaram a dois meses após deixar o Egito. Aqui Amalek - descendo provavelmente das minas - atacou-os na parte traseira. Enquanto isso, houve tempo suficiente para a notícia de sua viagem para chegar a Midiã, e para a família de Moisés (Êxodo 18: 1-5) para alcançar Sinai. 

 

Em uma das colinas baixas pertoWady Feiran, Moisés assisti a luta duvidoso e construiu seu altar de pedra. A passagem íngreme separa o oásis doRahah lisos, e camelos de bagagem geralmente arredondar sobre o Norte por Wady esh -Sheikh, O qual pode ter sido o percurso real. O oásis Rephidim tem um solo aluvial fértil, eo local foi escolhido por eremitas cristãos talvez tão cedo quanto o século 3 dC.

(notas encyclopedia standard)

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

 

Postado por mauricio berwald

 

Geografia de Israel período do deserto (4)


 

 

                          

 

 

  1. Primeiro Journey.

 

  1. Modo de viajar:

 

Israel deixou o Egito no início de abril (após o dia 14 de Abib) e chegou Sinai sobre o 14 ou 19 do 3 meses (Êxodo 19: 1), ou no final de maio. Eles, assim, levou dois meses para realizar um percurso de cerca de 117 milhas; mas a partir do primeiro acampamento depois de cruzar o Mar Vermelho para que na planície antes das Mount dez marchas são mencionados, dando intervalos de menos de 12 milhas entre cada acampamento. Assim, eles evidentemente permaneceu em campo por pelo menos 50 dias de tempo, provavelmente nas fontes melhor fornecidos, incluindo a do ponto de partida, e aqueles em Elim e Refidim, a fim de descansar seus rebanhos.

 

 Os campos eram provavelmente não todos os cheia rodada uma mola, mas espalhados por uma distância de algumas milhas. Os árabes na verdade não acampar ou manter os seus rebanhos perto das águas, provavelmente, a fim de não contaminar-los, mas enviar as mulheres com burros para buscar água, e conduzir as ovelhas e cabras para a primavera ou bem no frescor da tarde . Assim, lemos que os amalequitas "feriu na tua retaguarda" (Deuteronômio 25:18), o que pode significar os retardatários incapazes de manter-se quando "cansado", ou talvez aqueles no acampamento mais na parte traseira.

 

  1. A Rota: The First Camp:

 

A rota de Israel foi cuidadosamente descrito por Robinson (BR, 1838, I, 60-172; II, 95-195), e sua conta é seguido, principalmente, neste e próximas seções. Podemos colocar o primeiro acampamento (vejaEXODUS ), Entre as molas que fornecem Suez ( 'Ain Nab'a e 'Ayyûn Musa ), Que são cerca de 4 milhas de distância. A primeira delas é retirado entre os montículos de areia, e bolhas em uma bacia de alguns seis pés de profundidade. A água é salobra, mas suprimentos como muitos como 200 cargas de camelo de uma só vez para Suez. Às 'Ayyûn Musa ("as molas de Moisés") há sete molas, sendo alguns pequenos e pegou na areia. Algumas palmas ocorrer perto da água (que também é salobra), e um pouco de cevada é cultivada, enquanto que nos últimos tempos jardins de romã foram cultivadas (AE Haynes, Homem-Hunting in the Desert, 1894,106), que, com as palmas das mãos, dar um tom grato.

 

  1. Águas de Mara:

 

A partir desta base de Israel marcharam "três dias no deserto" de Sur ", e não acharam água" (Êxodo 15:22). Eles, sem dúvida, levou-a com eles, e pode ter enviado de volta camelos para buscá-la. Mesmo quando chegaram as águas de Mara ("o amargo") eles foram encontrados undrinkable até adoçado. O site de Marah claramente parece ter sido em 'Ain Hawarah ("a primavera branco giz"), com o nome do monte de giz ao lado dele.

 

 Este é de 36 milhas de'Ayyûn Musa, Dando uma média diária marcha de 12 milhas. Não há água na rota, embora alguns possam ter sido obtido a partir'Ain Abu Jerad dentro Wady Sudr , E de uma pequena fonte de Abu Suweirah perto do mar. Burckhardt achava que a água foi adoçado das bagas doGharḳad arbusto (que têm um suco ácido) sobre os arbustos espinhosos perto da primavera. Esta baga vermelha amadurece, no entanto, em junho. Não há dúvida, por outro lado, que o melhor tratamento para água Brack é a adição de um sabor ácido. Os árabes consideram as águas de Primavera deste ano para ser o mais amargo no país próximo.

 

  1. acampamento junto ao Mar Vermelho:

 

A partir Marah, a próxima marcha levou a Elim ("as palmas das mãos"), onde eram "doze fontes (não" poços ") de água e setenta palmeiras." O site parece claramente ter sido em Wady Gharandil , Onde um riacho é encontrado alimentada por nascentes de água melhor do que a de Mara. A distância é de apenas cerca de 6 milhas, ou uma marcha fácil, e existem palmeiras perto das águas. Israel em seguida, entraram no deserto de Sin, que se estende de Elim para Sinai, atingindo um acampamento "junto ao Mar Vermelho" (Números 33:10) apenas um mês depois de sair do Egito (Êxodo 16: 1). O local provável é perto da fozWady et -Ṭaiyibeh ("o vale formoso"), que é cerca de 10 ou 12 milhas das molas de Gharandil. 

 

O sopé aqui projeto perto da costa, e no Norte do vale éJebel Hammam Far'aûn ("a montanha de banho quente de Faraó"), com o nome de fontes de enxofre quente. A água emWady et -Ṭaiyibeh é dito ser melhor do que a de Marah, e este é o principal balneário árabe depois de passar Gharandil. Uma pequena lagoa é aqui descrito por Burckhardt emel -Murkhat, Na rocha de arenito perto do sopé das montanhas, mas a água é amargo e cheio de ervas daninhas, musgo e lama. 

 

O local é próximo a uma ampla planície litoral que se estende do Sul Aqui duas estradas divergem em direção Sinai, que fica a cerca de 65 milhas a sudeste, e neste intervalo (Números 33: 11-15) cinco estações são nomeados, dando uma marcha diária de 13 milhas. Os hebreus provavelmente tomou a estrada menor e mais fácil, especialmente no que evitou as minas egípcias deWady el -Maghârah ("vale da caverna") e sua estação em Serabit el -Khadim ("pilares do servo"), onde - embora este não é certa - pode ter havido um destacamento de arqueiros guardando as minas.

 

  1. A Rota para Sinai:

 

Nenhum dos cinco campos nesta secção do percurso é certamente conhecido. Dofca aparentemente significa "distorcer" dos rebanhos, e Alus (de acordo com os rabinos) "crowding", indicando assim as dificuldades da marcha. Refidim ("refrescos") contrasta com esses nomes e indica uma melhor acampamento. O site, desde o século 4 dC, sempre foi mostrado na Wady Feiran (Eusébio, Onomasticon, sob a palavra "Rephidim") - um oásis de palmeiras com um riacho.

 

 A distância do Sinai é cerca de 18 milhas, ou 14 a partir da extremidade ocidental da planície ampla er - Rahah em que Israel acampados à vista de Horebe; eo último nome (Êxodo 17: 6) incluídos no deserto de Sinai, mesmo tão longe como Refidim. Aqui, a vara de Moisés, ferindo a rocha, revelou aos Hebreus uma oferta abundante, assim como eles se desesperaram de água. Aqui, aparentemente, eles poderiam descansar em conforto para alguns três semanas antes da marcha final para a planície "em frente do monte" (Êxodo 19: 1, Êxodo 19: 2), que chegaram a dois meses após deixar o Egito. Aqui Amalek - descendo provavelmente das minas - atacou-os na parte traseira. Enquanto isso, houve tempo suficiente para a notícia de sua viagem para chegar a Midiã, e para a família de Moisés (Êxodo 18: 1-5) para alcançar Sinai. 

 

Em uma das colinas baixas pertoWady Feiran, Moisés assisti a luta duvidoso e construiu seu altar de pedra. A passagem íngreme separa o oásis doRahah lisos, e camelos de bagagem geralmente arredondar sobre o Norte por Wady esh -Sheikh, O qual pode ter sido o percurso real. O oásis Rephidim tem um solo aluvial fértil, eo local foi escolhido por eremitas cristãos talvez tão cedo quanto o século 3 dC.

 

 

III. Segundo Journey.

 

  1. A estadia no Sinai:

Israel manteve-se em Mt. Sinai por 10 meses, deixando-o após a Páscoa do "segundo ano" (Números 9: 1-3), e, aparentemente, logo após a festa, já que, quando eles testemunharam novamente a migração da primavera codorna (Números 11:31) "do mar" - como haviam feito no ano anterior (Êxodo 16:13) mais a oeste - ". sepulturas da luxúria" que eram já cerca de 20 milhas em seu caminho, em Quibrote-Hataavá, ou

 

  1. Local de Cades-Barnea:

 

(1) A fim de seguir sua jornada, é necessário fixar o local de Cades-Barnéia para onde iam, e tem havido uma boa dose de confusão quanto a esta cidade uma vez que, em 1844, John Rowlands descobriu o local de a Cades ocidental, em 'Ain Kadis na parte norte do Tih . Robinson apontou ( BR , II, 194, nota 3) que este site não poderia ser bom para Cades-Barnéia; e, apesar de ter sido aceito pelo professor Palmer, que visitou a vizinhança em janeiro de 1870, e tem sido defendida por Henry Clay Trumbull ( Cades - barnea , 1884), a identificação torna caos sem esperança de topografia do Antigo Testamento.

 

 O local de 'Ain Kadis é sem dúvida a do Cades de Hagar (ver SHUR), E uma tradição de presença dela sobrevive entre os árabes, provavelmente derivadas de um dos primeiros eremitas, desde uma pequena ermida foi encontrado por Palmer nas imediações (Levantamento de Palestina Ocidental, papéis especiais, 1881,19). Mas nesta primavera não se diz ter sido a "cidade" de Cades-Barnéia, que é claramente colocado no canto do sudeste da terra de Israel (Josué 15: 3), enquanto que, no mesmo capítulo (Josué 15:23 ), um outro site chamado Cedes é mencionado, com Adadah ('Ada'deh 7 milhas ao sudeste de Arad) e Hazor (na Jebel Ḥadıreh); Quedes este pode muito bem ter sido a Cades ocidental.

 

(2) Cades-Barnéia é notado em 10 passagens do Antigo Testamento, e em 16 outros versos só é chamado Cades. O nome provavelmente significa "o lugar santo do deserto de errante", e - como veremos - as andanças de Israel foram confinados no 'Arabá . O lugar é descrito como "uma cidade na extremidade ... fronteira" de Edom (Números 20:16), Edom ser a "terra vermelha" de Mt. Seir, assim chamada por seus arenitos vermelhos, em contraste com o brancoTih calcário. É também muito claramente colocado (Números 34: 3, Números 34: 4) ao sul do Mar Morto (compare Josué 15: 3), enquanto Ezequiel também (Ezequiel 47:19) dá-lo como o limite sudeste da terra, oposto a Tamar (Tamrah perto de Gaza) como a cidade fronteiriça do sudeste. Uma tradição constante, entre judeus e cristãos, identifica Cades-Barnéia com Petra, e isso tão cedo quanto o tempo de Josephus, que diz que Aaron morreu em uma montanha perto de Petra (Ant., IV, IV, 7), e que o antigo nome de Petra foi Arekem (vii, 1). 

 

O Targum de Onkelos (em Números 34: 4) torna Cades-Barnéia por "Requem doG'aia "E esse nome - que significa" muitas cores "- foi devido às pedras multicoloridas perto de Petra, enquanto o g'aia ou "clamor" é provavelmente a de Israel em Meribá-Cades (Números 27:14), e pode ter alguma ligação com o nome da vilael -Jii , Em Petra, que agora é chamado Wady Musa ("o vale de Moisés") pelos árabes, que têm uma tradição que o desfiladeiro levando a Petra era fendido pela vara de Moisés, quando ele bateu na rocha nas "águas da contenda" (Números 27:14), formando a actual fluxo que representa o de "Meribá de Cades." Eusébio também (em Onomasticon sob a palavra "Barne") conecta Cades com Petra, e este site tradicional forma, você atende plenamente as exigências do transporte em causa que pode ser aceito como um dos pontos mais bem fixos na rota, especialmente no que a posição de Hazerote concorda com esta conclusão. Hazerote (Números 11:35; Números 12:16; Números 33:17; Deuteronômio 1: 1) significa "caixas" e o nome sobrevive no'Ain Ḥaḍrah ("mola do gabinete") cerca de 30 milhas nordeste do Mt. Sinai no caminho para o'Arabá. Foi o terceiro acampamento do Sinai, o primeiro sendo Taberá (Números 11: 3) e do segundo Quibrote-Hataavá (Números 11:35), dando uma marcha diária de 10 milhas. VejoCades-Barnéia .

 

  1. A Rota: Hazerote para Moserote:

 

Depois de passar Hazerote (Números 12:16; Números 13: 3) a viagem parece ter sido vagaroso, e provavelmente Israel acampado por algum tempo nas melhores pastos do 'Arabá. Para os espiões foram enviados de Paran perto Hazerote para explorar a rota para Kadesh, e para examinar a "terra do sul" através do qual Israel esperava entrar na Palestina (Números 13:17, Números 13:21). Eles exploradas neste distrito (Números 13:21; Números 32: 8) de "o deserto de Zim," ou de outra forma "de Cades-Barnéia," no Oriente, até Reobe - provavelmente Rehoboth (agoraer -Ruheibeh) - No Ocidente; e - ter estado ausente 40 dias (Números 13:25) - depois de visitar Hebron (Números 13:22) eles voltaram pela rota direta levando Sul de Arad (Contar 'Arad) Para Petra, que a estrada é chamado (Números 21: 1) o "caminho dos espias." Em seu retorno, na estação de "uvas primeiro-maduros" (Números 13:20), eles descobriram Israel em Cades (Números 13:26). Não há lugar ao norte de Hebron é mencionado no relato de suas explorações, e é difícil supor que, em 40 dias, eles poderiam ter atingido a cidade síria de Hamat, que é cerca de 350 milhas a norte de Petra, e regressaram dali. 

 

A definição de Roob (mencionado antes Hebron) como sendo "sobre a vinda a Hamate" (Números 13:21) é melhor explicado como um erro do escriba, devido a um manuscrito indistinta, sendo a leitura originalḥălāceth (חלצת), e referindo-se ao Elussa clássica (agoraKhalasah), Que fica a 10 milhas a norte de Rehoboth, na estrada principal para Beersheba e Hebron. Israel deixou Sinai na primavera, depois da Páscoa, e estava perto de Hazerote na época da migração de codorna. Hazerote possui a única oferta perene de água na região, a partir de sua vizinhança os espiões estabelecidas em agosto.

 

  1. Os Camps Entre Hazerote e Moserote:

 

A maioria dos locais ao longo desta rota são desconhecidas, e sua posição só pode ser recolhida a partir do significado dos nomes; mas a sexta estação de Hazerote estava em Mt. Sefer (Números 33:23), e pode ter deixado seu nome corrompido em Contar el -'Asfar (ou 'Asfar), O significado hebraico "a colina de brilho", e do árabe o mesmo ou mais "o amarelo". Este site é de 60 milhas de Hazerote, dando uma marcha diária de 10 milhas. Quanto às outras estações, Ritmá significa "broomy", referindo-se ao deserto vassoura branco; Rimom-Pérez foi um "height fendido," e Libna um "branco" lugar calcário; Rissa significa "orvalho", e Queelata, "reunião. " De Mt. Shepher a distância para a vizinhança de Mt. Hor é cerca de 55 milhas, e sete estações são nomeados, dando uma marcha média de 8 milhas. Os nomes são Harada (Números 33:24), "com medo", referindo-se a uma montanha; Maquelote, "encontros"; Taate - provavelmente "abaixo" - marcando a descida para o 'Arabá; Tera, "demora", referindo-se a descansar nas melhores pastagens; Mitca, "doçura" de pasto ou de água; Hashmonah, "gordura"; e Moserote; provavelmente significa "os limites", perto de Mt. Hor. Esses nomes, embora agora perdido, concordam bem com uma viagem através de uma região acidentada de calcário branco e arenito amarelo, seguido de uma descida para o vale pastoral da'Arabá. As distâncias são também todo provável para os rebanhos.

 

EU V. Os trinta e oito anos.

 

  1. A história:

 

 

A partir do momento da sua primeira chegada em Cades-Barnéia, no Outono do 2º ano, para o dia em que os hebreus atravessaram o ribeiro de Zerede em Moabe em sua marcha final, é dito ter sido um período de 38 anos (Deuteronômio 2 : 14), durante o qual a primeira geração morreu, e um forte raça de guerreiros do deserto sucedeu. Durante este período Israel vivia no estado nômade, como árabes modernos que mudam acampamento acordo com a época dentro de limites bem definidos, visitando as pastagens mais altas no verão, e de invernada nas terras mais baixas. 

 

Em sua primeira chegada perto de Cades-Barnéia, eles foram desencorajados pelo relatório dos espiões, e se rebelaram; mas quando eles foram obrigados a transformar Sul "pelo caminho do Mar Vermelho" ou golfo de'Akabah, Eles fizeram uma tentativa frustrada de entrar na Palestina pelo caminho dos espias (Nu 14: 25-45). Eles foram desbaratou por amalequitas em Horma ("cortar"), que lugar é chamado de outra maneira Zefate (Juízes 1:17). Aqui também eles foram novamente derrotados pelo rei de Arad (Números 21: 1, Números 21: 3) no início do outono do ano 40 de vagar. Este local pode também ser colocado na subida agora chamadaNuḳb es -Ṣufah ("o passe de Zefate"), que preserva o nome hebraico, 45 milhas a noroeste de Mt. Hor, na estrada principal a partir de Hebron para Petra.

 

 O percurso é bem regado, e'Ain Iémen é uma mola no pé desta subida que leva ao terraço superior do Tih. Arad fica ao norte da estrada, e seu rei cananeu, sem dúvida, marcharam Sul cerca de 40 milhas, para defender o topo da subida para baixo que os amalequitas tinha conduzido a primeira geração de Hebreus, que voltou para a Cades-Barnéia acampamento.

(notas Encyclopedia standard)

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

 

 

Postado por mauricio berwald 

Geografia de Israel período do deserto (5)

 

 

 

 

 

  1.                               As Camps de Visita:

 

Não somos deixados sem qualquer aviso prévio das estações que Israel visitados, e, sem dúvida revisitado anualmente, durante os 38 anos de vida nômade. Temos, de facto, três passagens que parecem definir os limites de suas andanças. (1) No primeiro destes (Números 33: 31-36), encontramos que eles deixaram Moserote, perto de Mt. Hor, o site do qual este último sempre foi mostrado - desde o tempo de Josephus, pelo menos - no notável montanha oeste da Petra, agora chamadoJebel Haran ("Montanha de Arão"); daí eles passaram a poços da Bene-Jaacã, de Hor-Hagidgade, e para Jotbatá. 

 

Hor-Hagidgade (ou Gudgoda, Deuteronômio 10: 7) significa, aparentemente, o "monte de trovão", ea palavra não é de forma alguma relacionado com o nome deWady Ghaḍaghıd ("o vale de falhar águas"), aplicando-se a uma ravina do Oeste 'Arabá; para as palavras hebraicas e árabes não têm uma letra em comum. O site de Jotbatá, que estava em "uma terra de ribeiros de águas" (Deuteronômio 10: 7), é, por outro lado, muito claramente a ser fixada em'Ain et -Tabah ("o bom Primavera"), 28 milhas a norte de 'AkabahE cerca de 40 ao longo da estrada do Mt. Hor. Nesta primavera, perto de um palmeiral, alimenta o lago do inverno deet -Tabah à sua Oeste no 'Arabá. A estação seguinte foi Abrona ("cruzamento"), e se isso refere-se a cruzar a 'Arabá às encostas ocidentais, somos naturalmente levados - na viagem de volta - a Eziom-Geber, em'Ain -ghudıan (a identificação de costume), que brota das encostas ocidentais da Tih no lado oposto do lago para Jotbatá. Daí os migrantes gradualmente voltou a Cades.

 

(2) A segunda passagem (Deuteronômio 10: 6, Deuteronômio 10: 7). é uma das muitas notas geográficas adicionados à narrativa das peregrinações, e dá os nomes em uma ordem diferente- W varas da Bene-Jaacã, Moserá, Gudgoda, e Jotbatá - mas isso tem pouca importância, como os campos de concentração, durante 38 anos, seria muitas vezes nesses molas.

 

(3) A terceira passagem é no prefácio do Deuteronômio (Dt 1: 1, Deuteronômio 1: 2), que enumera os vários lugares onde Moisés falou a Israel em vários momentos depois de deixar Sinai. Estes incluem a região do Leste do Jordão, no deserto, o'Arabá "Defronte de Suf," com todo o distrito entre Paran e Tofel (agora Tufıleh, Na fronteira sul de Moab), bem como Laban (provavelmente a Libna de Números 33:20), Hazerote e Di-Zaabe que pode serDhahab no litoral leste do Sinai. Esta lista, com as notas de valor acrescentado mostrando que Cades-Barnéia foi de 11 dias desde Horebe, no sentido de Mt. Seir, refere-se a discursos até os últimos dias da vida de Moisés. As andanças dos 38 anos não incluem a marcha através de Edom e Moab; e, embora seja claro que é possível que eles podem ter estendido para Hazerote e Sinai, parece mais provável que eles estavam confinados ao'Arabá entre Petra e Jotbatá.

 

 Elat (agora'Akabah), Na costa oriental à cabeça dos golfos, não é mencionado; para a praia levantada Sul do Lago de Jotbatá não daria pasto. No verão os campos seria nas encostas ocidentais do vale, onde a grama pode ser encontrado em abril; e as migrações anuais foram, assim, dentro dos limites de cerca de 500 milhas quadradas, que é sobre a área agora ocupada por uma forte tribo entre os árabes.

 

  1. A viagem final.

 

  1. A Rota:

 

No primeiro mês do ano 40 (Números 20: 1) Israel foi em Cades, no deserto de Zin, onde Miriam foi enterrado. Eles estavam preocupados, uma vez mais por falta de água, até que Moisés feriu a rocha de Meribá ("discórdia"). Eles foram ordenados a manter a paz com seus parentes de Edom e Moab, cujas terras não foram atacados pelos hebreus até o tempo de Saul, e de David e seus sucessores. Eles acamparam na fronteira do Cades, desejando chegar à estrada principal para Moab através da cidade; e, quando este foi recusado pelo rei de Edom, eles se retiraram algumas milhas a oeste de Mt. Hor. Aqui Aaron foi sepultado, e foi lamentada por 30 dias (Números 20:29), após o qual a segunda tentativa de chegar a Hebron pela estrada principal (Números 21: 1) também foi repelido. Uma vez que, nesta ocasião, Israel permaneceu "muitos dias" em Cades (Deuteronômio 01:46) e deixou-o menos do que 38 anos depois de terem atingido primeiro-lo no outono, parece que eles podem ter começado em agosto, e tomaram sobre um mês para chegar ao ribeiro de Zerede; mas apenas cinco estações são notados (Números 21: 10-12; Números 33: 41-44) no caminho. 

 

Eles não são disse - em qualquer passagem - ter ido a Elate, mas eles viraram "do monte Hor, pelo caminho do Mar Vermelho, a rodear a terra de Edom" (Números 21: 4), ou, como indicado de outra forma ( Deuteronomy 2: 8), eles foram "a partir do caminho da campina" na estrada que levou "de Elate e de Eziom-Geber"; e, portanto, a partir do "caminho do Mar Vermelho," eles "rodeamos o monte Seir muitos dias", transformando "o norte" pelo "caminho do deserto de Moab" (Deuteronômio 2: 1, Deuteronômio 2: 8) depois de passar através da costa de Edom (Deuteronômio 2: 4).

 

  1. As Cinco Estações da fronteira de Moab:

 

Se a lista de cinco estações estiver concluída, podemos supor que eles deixaram o 'Arabá estradas não muitas milhas ao sul de Petra, golpeando-Leste por uma estrada existente levando a Ma'an E, assim, ganhar o planalto acima Petra para o Oriente, e atingindo o presente Haj rota. Este ponto de vista é confirmado pelo aviso de Punom como o segundo acampamento, se aceitarmos a declaração de Eusébio (Onomasticon, sob a palavra "Phinon"); pois ele parece ter conhecido ele como um edomita aldeia do Norte de Petra, no deserto, onde os condenados foram empregados cavando cobre. O nome, no entanto, ainda não foi recuperado. 

 

O acampamento anterior em Zalmona sugere algum vale "sombrio" que conduz ao platô edomita. Norte de Punom, o 3camp estava em Obote ("bolsas de água"), eo quarto estava em Iyim ou Ije-Abarim ("as ruínas" ou "as ruínas das passagens"), o local de que é muito certamente em 'Aimeh , Algumas milhas a norte de Tofel. A distância total parece, assim, ter sido cerca de 60 milhas por quatro marchas, ou 15 milhas por dia. Iyim estava "no limite de Moabe" (Números 33:44) e no deserto enfrentando Moab, no Oriente (Números 21:11).

 

  1. A partir Iyim para Arnon:

 

Aqui, portanto, Israel deixou Edom; e entre Iyim eo rio Arnon, em uma distância de aproximadamente 32 milhas, apenas uma estação é mencionada, sendo no vale de Zerede (Números 21:12; Deuteronômio 02:13, Deuteronômio 02:14). Isto tem sido usualmente colocado noWady el -Ḥesy ("o vale de seixos"), que deságua no Mar Morto, tendo a sua cabeça perto Iyim; mas esta é, evidentemente, muito longe do Sul, e é sem dúvida o grande desfiladeiro noKerak que se destina, tendo a sua cabeça perto do Haj estrada, a meio caminho de Iyim de Arnon, dando uma marcha diária de 16 milhas.

 

 A identificação tradicional do Arnon com Wady Mojib é processado determinado pelas posições dos Diban ( Dhiban) E Aroer ( 'Ar'aır) perto de. Foi o termo dos amorreus, que tinha lançado o moabitas Sul deste rio (Números 21:13; Deuteronômio 02:36), privando-os de suas melhores terras que se estendiam para Hesbom. Estes amorreus foram aparentemente intrusos recentes que, com os hititas (vejaHititas), Tinham invadido Damasco e Basan do norte da Síria, e que sem dúvida tinha, assim, trouxe a fama de Balaão, de Petor (Números 22: 5), no Eufrates perto Carchemish.

 

  1. A Mensagem para Siom;

 

Os hebreus eram agora um povo forte caber para a guerra, e Moisés enviou mensageiros do "deserto de Quedemote" (Deuteronômio 02:26) a Siom, em Hesbom, exigindo uma passagem pacífica através de suas terras, como havia sido realizado através de Edom e Moab . Quedemote ("Terras do Leste") era, evidentemente, o deserto de Moab.

 

Foi objectou, por Colenso, com a narrativa do Pentateuco que, desde que Israel só atingiu o ribeiro de Zerede no outono do ano 40, apenas seis meses são deixados para a conquista do Norte Moab, Gileade e Basã. Mas é preciso lembrar que os hebreus deixaram todos os seus apetrechos nas "planícies de Moab" (Números 22: 1) Jericho oposto em Sitim, de modo que o avanço de seu exército em Gileade e Basã foi desimpedido. Os assírios, em tempos posteriores, coberto de uma temporada distâncias muito maiores do que são atribuídos a conquistadores hebreus, e os seis meses de deixar tempo suficiente para as duas missões enviadas a partir de Moab (Nu 22: 5-36) para buscar Balaão. 

 

  1. A partir do Arnon a Shittim:

 

(1) É de notar que, para a marcha do Arnon de acácia, temos duas listas de estações. Aquilo que se diz ter sido escritas pelo próprio Moisés (Números 33: 45-49) menciona apenas quatro estações em uma distância de aproximadamente 25 milhas - ou seja, Dibom-, Almon-Diblataim, Nebo e as planícies de Moab, onde o campos foram colocados em vários águas de Bete-Jesimote (Sûeimeh ) Na costa nordeste do Mar Morto para Abelshittim ("o Prado de Acacias"), agora chamado de Ghor es -Seisebân, Ou "Valley of Acacias". Nesta área de 50 milhas quadradas havia quatro córregos running, além de molas, e excelente pasto para os rebanhos. Esta, portanto, era a sede da nação durante a guerra amorreus.

 

(2) Na segunda lista (Números 21: 13-20), lemos sobre um avanço ainda mais gradual e cauteloso nas terras dos amorreus, e isso pode representar a marcha do corpo principal seguindo os homens de guerra. Deixando o Arnon, chegaram a "um bem" (cerveja), provavelmente perto de Dibom, sendo este um dos poços de águas rasas que os árabes ainda colher fora nos vales, quando a água corre abaixo da superfície. Entre Arnon e Pisgah (ou Nebo) há menos de cinco estações são notados em cerca de 20 milhas, ou seja, cerveja, Matana ("o dom"), Naaliel ("o vale de Deus"), Bamote (ou Bamote-Baal (Números 22 : 41), "os monumentos de Baal"), e Pisgah (Jebel Neba). Destes, apenas o último é certamente conhecido, mas a estação central em Naaliel podem ser colocados no grande desfiladeiro doZerka Mâ'aın, A estrada de Dibom para Nebo atravessando sua cabeça perto de Beth-Meom. Havia muita água nesta vizinhança. A última etapa da marcha de Israel parece, assim, representar um programa de apenas cerca de 4 milhas por dia, coberto pelo mais rápido avanço dos combatentes; e sem dúvida as mulheres, crianças e rebanhos não foram autorizados a proceder em tudo até, pelo menos, Siom, tinham sido expulsos de Hesbom (Números 21: 21-25).

 

  1. revisão:

 

 

Temos, assim, considerado cada marcha feita pelos hebreus, do Egito à Shittim, à luz do conhecimento real da sua rota. Não encontrámos nenhum caso em que as estações estão muito distantes para a passagem de seus animais, e há discrepâncias entre qualquer uma das contas quando cuidadosamente considerada. Se, como alguns escritores críticos pensam, a história dos espiões ea lista dos campos dito ter sido escrito por Moisés estão a ser atribuída a uma escrita sacerdote hebreu na Babilônia, não podemos deixar de perguntar como ele chegou a ser informado com precisão quanto à topografia do deserto, suas diversas regiões, o seu abastecimento de água e de seus produtos naturais. Não parece necessário supor uma "fonte de casal", porque, na primavera de dois anos consecutivos, o maná é notado, e Israel é registrado como tendo comido a codorna voando (como agora) por noite para o vale do Jordão a partir de África .

 

 A marcha não era contínua, e muito tempo que resta, pelas datas registradas, para o descanso dos rebanhos em tais como as águas de Elim, Rephidim e Hazerote. As andanças dos 38 anos representam uma vida nômade nas melhores pastagens da região, e está perto do 'Arabá . Aqui a nova raça cresceu - resistentes como os árabes de hoje. Quando eles deixaram o Egito o faraó ainda tinha um firme no "caminho dos filisteus", e os cananeus é dono de seu balanço. Mas 40 anos depois, o Egito foi derrotado pelos amorreus, e as forças do Faraó foram retirados de Jerusalém depois de sofrer derrota em Basan (veja Tell el-Amarna letras, número 64, British Museum, onde há menos de nove lugares conhecidos próximos Asterote e Edrei são notados); caos geral, em seguida, resultou no sul da Palestina, quando o 'Abiri (ou hebreus) apareceu de Seir, e "destruiu todos os governantes" (veja EXODUS). Isso, então, foi a oportunidade histórica para a derrota dos amorreus, e para a conquista de Josué da Terra Prometida.(notas enciclopedia Standard 1915)

 

fonte www.mauricioberwaldoficial.blogspot.com

 

 

Postado por mauricio berwald