Translate this Page

Rating: 2.6/5 (266 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Comentario biblico Mateus cap.16 subsidio EBD
Comentario biblico Mateus cap.16 subsidio EBD

 

       Comentario evangelho de Lucas cap.12 subsidio EBD

MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR

Comentário  Matthew Henry sobre a Bíblia 

Introdução

O escopo do discurso de Cristo neste capítulo é despertar e vivificar todos nós, de modo a usar este mundo para não abusar dele, de modo a administrar todos os nossos bens e prazeres aqui, como eles podem fazer por nós, e não podem fazer contra nós em o outro mundo, pois eles farão um ou outro, de acordo com o que usamos agora. I. Se fizermos bem com eles, e expormos o que temos em obras de piedade e caridade, colheremos o benefício disso no mundo vindouro e isso ele mostra na parábola do mordomo injusto, que se saiu tão bem uma mão de bens de seu senhor que, quando ele foi expulso de sua mordomia, ele tinha uma subsistência confortável para se convencer. A própria parábola nós temos ( Lucas 16: 1-8 ) a explicação e aplicação dela ( Lucas 16: 9-13).e o desprezo que os fariseus atribuem à doutrina que Cristo lhes pregou, razão pela qual ele os reprovou com agilidade, acrescentando algumas outras palavras importantes, Lucas 16: 14-18 . II. Ao invés de fazer o bem com nossos prazeres mundanos, nós os transformamos em alimento e combustível de nossas luxúrias, de nosso luxo e sensualidade, e negamos alívio aos pobres, certamente pereceremos eternamente, e as coisas deste mundo, que foram assim abusado, mas acrescentará à nossa miséria e tormento. Isto ele mostra na outra parábola do homem rico e Lázaro, que tem igualmente uma intenção adicional, e isto é, despertar todos nós para tomar a advertência que nos é dada pela palavra escrita, e não esperar mensagens imediatas do outro mundo. , Lucas 16: 19-31 .

 

Versículos 1-18

O Administrador Injusto

1 E disse também aos seus discípulos: Havia um homem rico, que tinha um mordomo, e este lhe foi acusado de ter desperdiçado os seus bens. 2 E ele, chamando-o, disse-lhe: Como é que eu ouço isto de ti? dê conta da tua mordomia, pois não serás mais mordomo. 3Então o mordomo disse dentro de si: O que devo fazer? porque o meu senhor tira de mim a mordomia; não posso cavar a mendigar. Estou envergonhado. 4 Estou decidido o que fazer, para que, quando for expulso da mordomia, me recebam em suas casas. 5 Então chamou a si todos os devedores do seu senhor ,e disse ao primeiro: Quanto deves ao meu senhor? 6 E ele disse: Cem medidas de azeite. E ele lhe disse: Toma a tua conta, e senta-te depressa e escreve cinqüenta. 7 Então disse ele a outro, e quanto te deves? E ele disse: Cem medidas de trigo. E ele disse-lhe: Toma a tua conta e escreve oitenta. 8 E o senhor elogiou o desonesto mordomo, porque ele havia feito com sabedoria: pois os filhos deste mundo são em sua geração mais sábios do que os filhos da luz. 9 E eu vos digo: Façam para vós, amigos das riquezas da injustiça, que, quando fracassarem, possam recebê-lo em moradas eternas. 10 Quem é fiel naquilo que é menor, também é fiel no muito; e quem é injusto no mínimo, também é injusto no muito.riquezas? 12 E se não fostes fiel no que é outro homem, quem te dará o que é teu? 13 Nenhum servo pode servir a dois senhores: ou ele odiará um e amará o outro, ou então se apegará a um e desprezará o outro. Você não pode servir a Deus e a Mamom. 14Os fariseus, que eram avarentos, ouviram todas essas coisas e zombaram dele. 15 E ele lhes disse: Vós sois os que se justificam perante os homens, a não ser Deus conhece os vossos corações; porque o que é altamente estimado entre os homens é abominável aos olhos de Deus. 16 A lei e os profetas foramaté João: desde então o reino de Deus é pregado, e todo homem o pressiona. 17 E é mais fácil que o céu e a terra passem, do que um til da lei falhe. 18 Todo aquele que repudia sua mulher e casa com outra, comete adultério; e quem casa com a que foi repudiada pelo seu marido, também comete adultério.

 

Nós nos equivocamos se imaginamos que o desígnio da doutrina e da santa religião de Cristo fosse nos divertir com noções de mistérios divinos ou nos entreter com noções de divinas misericórdias. Não, a revelação divina de ambos no evangelho tem a intenção de nos engajar e nos estimular para a prática dos deveres cristãos e, tanto quanto qualquer coisa, para o dever de beneficência e fazer o bem àqueles que precisam de qualquer coisa. coisa que temos ou podemos fazer por eles. Este nosso Salvador está aqui nos pressionando, lembrando-nos que somos apenas mordomos da multiforme graça de Deuse desde que em várias instâncias temos sido infiéis, e perdemos o favor de nosso Senhor, é nossa sabedoria pensar em como podemos, de alguma outra forma, fazer com que o que temos no mundo se torne um bom relato. As parábolas não devem ser forçadas além de sua intenção primária e, portanto, não devemos inferir que qualquer um pode nos fazer amizade se estivermos sob o desagrado de nosso Senhor, mas que, no geral, devemos expor o que temos em obras. de piedade e caridade para que possamos encontrá-lo novamente com conforto do outro lado da morte e da sepultura. Se agirmos sabiamente, devemos ser diligentes e laboriosos para empregar nossas riquezas nos atos de piedade e caridade, a fim de promover nosso futuro e eterno bem-estar, como os homens mundanos os colocam para o maior proveito temporal, ao fazer para si mesmos amigos com eles, e garantir outros interesses seculares. assim Dr. Clarke. Agora vamos considerar,

 

  1. A parábola em si, na qual todos os filhos dos homens são representados como mordomos do que eles têm neste mundo, e nós somos apenas mordomos. O que quer que tenhamos, a propriedade disso é de Deus, temos apenas o uso dele, e isso de acordo com a direção do nosso grande Senhor, e para a sua honra. Rabino Kimchi, citado pelo Dr. Lightfoot, diz: "Este mundo é uma casa céu o telhado as estrelas as luzes da terra, com seus frutos, uma mesa espalhada O Mestre da casa é o santo e abençoado Deus o homem é o mordomo, em cujas mãos os bens desta casa são entregues se ele se comportar bem, ele achará graça aos olhos de seu Senhor, se não, ele será expulso de sua mordomia ". Agora,

 

  1. Aqui está a desonestidade deste mordomo. Ele desperdiçou os bens de seu senhor, desviou-os, aplicou-os erradamente ou, devido ao descuido, permitiu que fossem perdidos e danificados e, por isso, foi acusado por seu senhor, Lucas 16: 1Lucas 16: 1 . Somos todos responsáveis pela mesma acusação. Não fizemos uma melhoria devida daquilo que Deus nos confiou neste mundo, mas perverteram seu propósito e, para que não estejamos julgados por nosso Senhor, nos preocupa julgar a nós mesmos.

 

  1. Sua descarga do seu lugar. O seu senhor chamou-o, e disse: Como é que eu ouço isto de ti? Eu esperava coisas melhores de ti. Ele fala como alguém que se sente desapontado com ele, e sob a necessidade de dispensá-lo de seu serviço: ele o incomoda de ouvir, mas o mordomo não pode negá-lo e, portanto, não há remédio, ele deve fazer suas contas e vá embora daqui a pouco, Lucas 16: 2Lucas 16: 2 . Agora, isto é planejado para nos ensinar, (1) Que todos nós devemos em breve ser dispensados ​​de nossa mordomia neste mundo, não devemos sempre desfrutar daquelas coisas de que desfrutamos agora. A morte virá e nos dispensará da nossa mordomia,nos privam das habilidades e oportunidades que temos agora de fazer o bem, e outros virão em nossos lugares e terão o mesmo. (2) Que nosso cumprimento de nossa mordomia na morte é justo e o que merecemos, pois desperdiçamos os bens de nosso Senhor e, assim, perdemos nossa confiança, de modo que não podemos nos queixar de qualquer erro cometido por nós. (3) Que quando nossa mordomia é tirada de nós, devemos dar conta disso a nosso Senhor: Após a morte, o julgamento. Somos bastante advertidos, tanto da nossa alta quanto da nossa conta, e devemos estar freqüentemente pensando neles.

 

  1. Sua sabedoria. Agora ele começou a considerar: O que devo fazer? Lucas 16: 3 Lucas 16: 3 . Ele teria feito bem em ter considerado isso antes de ter se jogado tão tolamente fora de um bom lugar por sua infidelidade, mas é melhor considerar tarde do que nunca. Note que, como todos nós recebemos a notificação de que devemos ser dispensados ​​em breve de nossa mordomia, estamos preocupados em considerar o que devemos fazer então. Ele deve viver de que maneira ele terá um meio de subsistência? (1) Ele sabe que não tem tal grau de indústria para ganhar a vida no trabalho: " Não posso cavar, não posso ganhar de pão com o meu trabalho". Mas por que ele não pode cavar? Não parece que ele é velho ou coxo, mas a verdade é que ele é preguiçoso.Lucas 16: 4 Lucas 16: 6 Lucas 16: 7Sua vontade não é uma vontade, não é uma deficiência natural, mas uma deficiência moral, que ele trabalha se o seu dono, quando o expulsa da mordomia, o tivesse continuado a seu serviço como operário e colocado um mestre de tarefas sobre ele. , ele teria feito ele cavar. Ele não pode cavar, pois nunca esteve acostumado a isso. Agora isto sugere que não podemos obter um meio de vida para nossas almas por nenhum trabalho para este mundo, nem de fato fazer algo para nossas almas por qualquer habilidade nossa. (2) Ele sabe que não tem tal grau de humildade a ponto de conseguir seu pão implorando: implorando tenho vergonha.Essa era a linguagem de seu orgulho, como o primeiro de sua indolência. Aqueles a quem Deus, em sua providência, incapacitou para ajudar a si mesmos, não deveriam se envergonhar de pedir alívio aos outros. Esse mordomo tinha mais razão para se envergonhar de enganar seu mestre do que implorar seu pão. (3) Ele, portanto, decide fazer amigos dos devedores de seu senhor, ou de seus inquilinos que ficaram para trás com o aluguel, e tinha dado notas em suas mãos para isso: " Estou decidido o que fazer, Lucas 16: 4. Meu senhor me tira de sua casa. Eu não tenho nenhuma para ir. Estou familiarizado com os inquilinos do meu senhor, fiz-lhes muitas e boas, e agora vou fazê-los mais um, o que os obrigará a dar-me as boas-vindas às suas casas, e o melhor entretenimento que puderem e enquanto Eu vivo, pelo menos até que eu possa me desfazer melhor de mim mesmo, eu vou trilhar sobre eles, e ir de uma boa casa para outra. "Agora, o jeito que ele tomaria para torná-los seus amigos era eliminando uma parte considerável de sua dívida. para o seu senhor, e dando-lhe em suas contas muito menos do que era.Então, ele enviou para um, que devia ao seu senhor cem medidas de petróleo (nessa mercadoria ele pagou o aluguel): Pegue a sua conta, disse ele, aqui está esente-se depressa e escreva cinquenta ( Lucas 16: 6 ) então reduziu sua dívida para a metade. Observe que ele estava com pressa para fazer isso: " Sente-se depressa e faça isso, para não sermos tratados, e suspeitamos". Ele tomou outro, que devia ao seu senhor cem medidas de trigo, e da sua conta cortou uma quinta parte, e ordenou-lhe que escrevesse oitenta ( Lucas 16: 7 ), provavelmente ele fez o mesmo com outros, abrandando mais ou menos conforme ele esperava gentileza deles. Veja aqui quais são as coisas incertas de nossas posses mundanas, elas são mais para aqueles que têm a maioria delas, que dedicam aos outros todo o cuidado com relação a elas, e assim colocam em seu poder para enganá-las,porque eles não se incomodarão em ver com seus próprios olhos. Veja também que traição é encontrada mesmo entre aqueles em quem a confiança é depositada. Quão difícil é encontrar uma em que a confiança possa ser reposta! Seja Deus verdadeiro, mas todo homem mentiroso. Embora este mordomo tenha se revelado desonesto, ainda assim ele o faz. Tão raro é que os homens consigam uma falha, apesar de espertos.

 

  1. A aprovação disto: O senhor elogiou o mordomo injusto, porque ele tinha feito com sabedoria, Lucas 16: 8Lucas 16: 8 . Pode ser o seu senhor, o senhor daquele servo, que, embora não pudesse deixar de estar zangado com a sua desonestidade, estava satisfeito com a sua ingenuidade e política para si próprio, mas, sendo assim, a última parte do verso deve sejam as palavras de nosso Senhor e , portanto, acho que o todo é feito dele. Cristo, por assim dizer, disse: "Agora me recomende a um homem como este, que saiba fazer bem a si mesmo, como melhorar uma oportunidade presente e como prover uma necessidade futura". Ele não o elogia porque fez falsamente a seu mestre, mas porque fez sabiamentepara ele mesmo. No entanto, talvez aqui ele tenha se saído bem também para seu mestre, mas com justiça com os inquilinos. Ele sabia que barganhas difíceis ele havia feito , para que eles não pudessem pagar o aluguel, mas, tendo sido ferrado por seu rigor, foram jogados para trás, e eles e suas famílias provavelmente iriam a ruína em consideração a isso, ele agora, ao sair, fazia o que devia na justiça e na caridade, não só para aliviar parte de seus atrasados, mas diminuir sua renda para o futuro. Quanto deves tu? pode significar: "Em que tipo de aluguel você se senta? Venha, vou fazer de você uma barganha mais fácil e, no entanto, não mais fácil do que o que você deve ter." Ele tinha sido todo pelo seu senhor,mas agora ele começa a considerar os inquilinos, que ele poderia ter seu favor quando ele perdeu o seu senhor. O abatimento de seu aluguel seria uma bondade duradoura e mais provável de engajá-los do que diminuir apenas seus atrasados. Agora esta previsão dele, para uma subsistência confortável neste mundo, envergonha nossa imprevidência para outro mundo: As crianças deste mundo, que escolhem e têm suas porções nela, são mais sábias para sua geração, agem com mais consideração e melhor consultam sua interesse e vantagem mundana, do que os filhos da luz, que desfrutam do evangelho, em sua geração,isto é, nas preocupações de suas almas e eternidade. Note, (1). A sabedoria das pessoas mundanas nas preocupações deste mundo é para ser imitada por nós nas preocupações de nossas almas: é o princípio deles / delas para melhorar as oportunidades deles / delas, fazer isso primeiro que é mais necessário, em verão e ceifar para descansar no inverno, fazer um bom negócio quando lhes é oferecido, confiar nos fiéis e não nos falsos. Ó que nós éramos assim sábios em nossos assuntos espirituais! (2) Os filhos da luz são comumente superados pelos filhos deste mundo. Não que os filhos deste mundo sejam verdadeiramente sábios , é apenas em sua geração. Mas nisso eles são mais sábio do que os filhos de luz deles , embora nos seja dito que devemos em breve ser desviados de nossa mordomia, mas não providenciamos como estaríamos para estar aqui sempre e como se não houvesse outra vida depois disso, e não tão solícito como este mordomo era para prover daqui em diante. Embora, como filhos da luz, aquela luz para a qual a vida e a imortalidade são trazidas pelo evangelho, não podemos deixar de ver outro mundo diante de nós, mas não nos preparamos para isso, não enviamos nossos melhores efeitos e melhores afetos para lá, devemos.

 

  1. A aplicação desta parábola, e as inferências extraídas dela ( Lucas 16: 9 Lucas 16: 9 ): " Eu vos digo, vós meus discípulos" (para eles esta parábola é dirigida, Lucas 16: 1 ) ", embora você tenha, mas pouco neste mundo, considere como você pode fazer o bem com esse pequeno ". Observar,Lucas 16: 1

 

  1. O que nosso Senhor Jesus aqui nos exorta a prover para nossa confortável recepção à felicidade de outro mundo, fazendo bom uso de nossas posses e prazeres neste mundo: " Façam amigos das riquezas da injustiça, como o mordomo com os bens de seu senhor fez os inquilinos de seu senhor seus amigos ". É a sabedoria dos homens deste mundo assim administrar o dinheiro deles / delas como isso eles podem ter o benefício disto daqui por diante, e não para o presente só assim eles põem isto a interesse, compra terra com isto, põe isto nisto ou o outro fundo. Agora devemos aprender sobre eles para fazer uso do nosso dinheiro para que possamos ser o melhor para o futuro em outro mundo,para que possamos encontrá-lo novamente depois de muitos dias, Eclesiastes 11: 1 Eclesiastes 11: 1 . E, no nosso caso, embora o que temos, sejam os bens de nosso Senhor , enquanto os dispusermos entre os inquilinos de nosso Senhor e para seu proveito, está longe de ser considerado um erro para nosso Senhor, que é um dever para ele, assim como política para nós mesmos. Note, (1) As coisas deste mundo são as riquezas da injustiça, ou as falsas riquezas, não somente porque muitas vezes são atingidas por fraude e injustiça, mas porque aqueles que confiam nela para satisfação e felicidade certamente serão enganados, pois as riquezas são perecer as coisas e desapontar aqueles que aumentam suas expectativas. (2.) Embora isso2 Coríntios 5: 1 1 Timóteo 6: 17-19Não se deve confiar em riquezas da injustiça , mas pode e deve ser usada em subserviência à nossa busca daquilo que é a nossa felicidade. Embora não possamos encontrar verdadeira satisfação nisso, ainda assim podemos fazer amizade com ela, não por meio de compra ou mérito, mas por recomendação para que possamos fazer de Deus e Cristo nossos amigos, os anjos e santos bons nossos amigos e os pobres. nossos amigos e é uma coisa desejável para ser ajudado na conta e estado para vir. (3.) Na morte, todos nós devemos falhar, hotan eklipete - quando você sofrer um eclipse.A morte nos eclipsa. Um comerciante é dito falhar quando ele se torna um falido. Nós devemos todos falhar assim que a morte fecha a loja, fecha a mão. Nossos confortos e prazeres na terra nos deixarão falhos de carne e coração. (4) Deve ser a nossa grande preocupação para torná-lo certifique-se de nós mesmos, que quando nós falhar no momento da morte que pode ser recebido nos tabernáculos eternos no céu. As habitações no céu são eternas, não feitas por mãos, mas eternas, 2 Coríntios 5: 1 . Cristo se foi antes, para preparar um lugar para aqueles que são dele, e está pronto pararecebê-los o seio de Abraão está pronto para recebê-los, e, quando uma guarda de anjos os leva para lá, um coro de anjos está pronto para recebê-los lá. Os pobres santos que se foram antes da glória receberão aqueles que neste mundo distribuem suas necessidades. (5) Esta é uma boa razão pela qual devemos usar o que temos no mundo para a honra de Deus e o bem de nossos irmãos, para que assim possamos com eles depositar um bom vínculo, uma boa segurança, boa base para o tempo que virá, para uma eternidade vindoura. Veja 1 Timóteo 6: 17-19 , o que explica isso aqui.

 

  1. Com que argumentos ele pressiona essa exortação para abundar em obras de piedade e caridade.

 

(1) Se não fizermos uso correto dos dons da providência de Deus, como podemos esperar dele os confortos presentes e futuros que são os dons de sua graça espiritual? Nosso Salvador aqui compara estes, e mostra que, embora o nosso uso fiel das coisas deste mundo não possa ser considerado merecedor de qualquer favor nas mãos de Deus, contudo nossa infidelidade no uso deles pode ser justamente considerada uma perda daquela graça que é necessário para nos levar à glória, e é isso que nosso Salvador aqui mostra, Lucas 16: 10-14Lucas 16: 10-14 .

 

[1] As riquezas deste mundo são menos graça e a glória é maior. Agora, se formos infiéis no menos, se usarmos as coisas deste mundo para outros propósitos além daqueles para os quais eles nos foram dados, pode ser justamente temido que assim seja nos dons da graça de Deus, que devamos receber eles também em vão, e por isso nos serão negados: Quem é fiel naquilo que é o menor, também é fiel no muito. Aquele que serve a Deus e faz o bem, com o seu dinheiro, servirá a Deus e fará o bem, com os talentos mais nobres e valiosos de sabedoria e graça, e dons espirituais e os feitos do céu, mas aquele que enterra o único talento de Deus. a riqueza deste mundo nunca melhorará os cinco talentosde riquezas espirituais. Deus retém sua graça das pessoas mundanas cobiçosas mais do que estamos cientes. [2] As riquezas deste mundo são enganosas e incertas elas são as riquezas injustas, que estão nos precipitando rapidamente, e, se nós fizermos alguma vantagem disso, nós devemos nos apressar rapidamente se não o fizermos, como podemos nós? espera ser confiada com riquezas espirituais, que são as únicas riquezas verdadeiras? Lucas 16:11 Lucas 16:11 . Sejamos convencidos disso, que são verdadeiramente ricos e muito ricos, ricos em fé e ricos para com Deus.Eclesiastes 2:26rico em Cristo, nas promessas e nos feitos do céu e, portanto, vamos acumular nosso tesouro neles, esperar nossa porção deles, e cuidar deles em primeiro lugar, o reino de Deus e sua justiça, e então , se outras coisas nos forem acrescentadas, use-as em ordine ad spiritualia - com uma referência espiritual, para que, ao usá-las bem, possamos tomar mais rapidamente as verdadeiras riquezas, e possamos ser qualificados para receber ainda mais graça de Deus. porque Deus dá a um homem que é bom aos seus olhos, isto é, a um homem de caridade de coração livre, sabedoria e conhecimento e alegria ( Eclesiastes 2:26 ), isto é, a um homem que éfiel nas maias injustas, ele dá as verdadeiras riquezas. [3] As riquezas deste mundo são de outro homem. São alotria , não nossa, pois são estranhas à alma e à sua natureza e interesse. Eles não são nossos porque são o título de Deus para eles é anterior e superior ao nosso a propriedade permanece nele, nós somos apenas usufrutuários. Eles são de outro homem, nós os temos de outros, nós os usamos para os outros, e que bem tem o dono de seus bens que aumentam, salvo a contemplação deles com os olhos, enquanto aindasão aumentados que os comem e devemos logo deixá-los aos outros, e não sabemos a quem? Mas riquezas espirituais e eternas são nossas (elas entram na alma que se torna possuída por elas) e inseparavelmente elas são uma boa parte que nunca será tirada de nós. Se fizermos nosso próprio Cristo, e as nossas próprias promessas, e as do céu, temos o que podemos verdadeiramente chamar de nosso. Mas como podemos esperar que Deus nos enriqueça com estes se não o servirmos com nossas posses mundanas, das quais somos apenas mordomos?

 

(2) Não temos outro meio de provar a nós mesmos que somos servos de Deus, do que nos entregando tão inteiramente ao seu serviço, a ponto de fazer com que as riquezas mundanas sejam úteis a nós em seu serviço ( Lucas 16:13Lucas 16:13). ): Nenhum servo pode servir a dois senhores, cujos mandamentos são tão inconsistentes quanto os de Deus e as riquezas são. Se um homem vai amar o mundo, e se apegar a isso, não pode ser, mas ele odiará a Deus e desprezaráele. Ele fará com que todas as suas pretensões religiosas caminhem para seus interesses e projetos seculares, e as coisas de Deus serão feitas para ajudá-lo a servir e a buscar o mundo. Mas, por outro lado, se um homem amar a Deus, e aderir a ele, ele odiará o mundo comparativamente (sempre que Deus e o mundo entrarem em competição) e o desprezará , e fará todos os seus negócios e sucesso no mundo. de algum modo ou outro que conduza ao seu progresso no negócio da religião e das coisas do mundo, será feito para ajudá-lo a servir a Deus e realizar sua salvação. A questão está aqui colocada claramente diante de nós: Você não pode servir a Deus e a Mamom.São tão divididos seus interesses que seus serviços nunca podem ser combinados. Portanto, se estamos determinados a servir a Deus, devemos renunciar e renunciar ao serviço do mundo.

 

  1. Aqui nos é dito que entretenimento esta doutrina de Cristo encontrou entre os fariseus, e que repreensão ele lhes deu.

 

(1) Eles perversamente o ridicularizaram , Lucas 16:14 Lucas 16:14 . Os fariseus, cobiçosos, ouviam todas essas coisas e não podiam contradizê-lo, mas zombavam dele. Consideremos isso: [1.] Como seu pecado e o fruto de sua cobiça, que era seu pecado reinante, sua própria iniqüidade. Note, Muitos que fazem uma grande profissão de religião, têm muito conhecimento, e são abundantes no exercício da devoção, ainda estão arruinados pelo amor do mundo, nem endurecem mais o coração contra a palavra de Cristo. Esses fariseus cobiçosos não suportariam ter aquele tocado, que era sua Delilah,Jeremias 6:10sua queridíssima luxúria por isso eles o ridicularizavam, autômato de islândia - eles farejaram o nariz para ele ou assoaram o nariz para ele. É uma expressão do maior desprezo e desdém imaginável que a palavra do Senhor era para eles uma vergonha, Jeremias 6:10 . Eles riram dele por serem tão contrários à opinião e ao modo de ser do mundo, por tentarem recuperá-los de um pecado que eles estavam decididos a manter. Note-se, é comum para aqueles fazer uma piada da palavra de Deus que são resolvidos que eles não serão governados por ela, mas eles vão encontrar, finalmente, que não pode ser desligado assim. [2] Como seu sofrimento. Nosso Senhor Jesus suportou não só a contradiçãodos pecadores, mas seu desprezo eles o ridicularizavam o dia todo. Aquele que falava como nunca falava era banalizado e ridicularizado, que seus ministros fiéis, cuja pregação é injustamente ridicularizada, não podem ser desanimados com isso. Não é uma desgraça para um homem ser ridicularizado, mas para merecer ser ridicularizado. Os apóstolos de Cristo foram ridicularizados e não é de admirar que o discípulo não seja maior do que o seu Senhor.

 

(2) Ele justamente reprovou-os não por ridicularizá- lo (ele sabia desprezar a vergonha ), mas por se iludirem com os espetáculos e cores da piedade, quando eles eram estranhos ao poder dele, Lucas 16:15Lucas 16:15 . Aqui está,

 

[1.] Seu ilusório fora do país , era esplêndido. Primeiro, eles justificaram-se diante dos homens, eles negaram que qualquer mal foi colocado a seu cargo, até mesmo pelo próprio Cristo. Eles alegavam ser vistos como homens de singular santidade e devoção, e se justificavam nessa afirmação: " Vocês são aqueles que fazem isso, como ninguém jamais fez, que fazem questão de cortejar a opinião dos homens, e, certo ou errado, justificar-se-ão diante do mundo que você é notório por isso ". Em segundo lugar, eles foram muito estimados entre os homens. Os homens não apenas os absolveram de qualquer culpa que estavam sofrendo, mas aplaudirameles, e os tinham em veneração, não apenas como bons homens, mas como os melhores homens. Seus sentimentos eram considerados oráculos, suas instruções como leis e suas práticas como prescrições invioláveis.

 

[2] Seu odioso interior, que estava sob os olhos de Deus: "Ele conhece o seu coração, e é à vista dele uma abominação, pois está cheio de todos os tipos de iniqüidade." Nota: Primeiro, é loucura justificar-nos diante dos homens e pensar isto o suficiente para nos sustentar, e nos tirar, no julgamento do grande dia, que os homens não conhecem o mal de nós por Deus, que conhece nossos corações Sabe aquele mal de nós que ninguém mais pode saber. Isso deve verificar nosso valor para nós mesmos e nossa confiança em nós mesmos, que Deus conhece nossos corações e quanto engano existe, pois temos razões para nos abater e desconfiar de nós mesmos. Em segundo lugar,É loucura julgar as pessoas e as coisas pela opinião dos homens a respeito delas, e descer com o fluxo da estimativa vulgar para aquilo que é altamente estimado entre os homens, que julgam de acordo com a aparência exterior, é talvez uma abominação à vista de Deus, que vê as coisas como elas são, e cujo julgamento, temos certeza, é de acordo com a verdade. Pelo contrário, há aqueles a quem os homens desprezam e condenam os que ainda são aceitos e aprovados por Deus, 2 Coríntios 10:182 Coríntios 10:18 .

 

(3) Ele se afastou deles para os publicanos e pecadores, como mais propensos a serem forjados pelo seu evangelho do que os cobiçosos fariseus ( Lucas 16:16Lucas 16:16 ): "A lei e os profetas eram de fato até João, o Antigo Testamento. Dispensa, que foi confinado a você judeus, continuou até João Batista apareceu, e você parecia ter o monopólio da justiça e da salvação e você está inchado com isso, e isso lhe traz estima entre os homens, que vocês são estudantes na lei e os profetas, mas desde que João Batista apareceu, o reino de Deus é pregado, uma dispensação do Novo Testamento, que não valoriza os homens em absoluto por serem doutores da lei, mas todo homem pressionano reino do evangelho, tanto os gentios quanto os judeus, e nenhum homem se acha obrigado a boas maneiras para deixar que os seus superiores venham antes dele para dentro dele, ou para permanecer até que os governantes e os fariseus o tenham guiado por esse caminho. Não é tanto uma constituição política nacional como a economia judaica, quando a salvação era dos judeus, mas é uma preocupação pessoal particular e, portanto, todo homem que está convencido de que tem uma alma para salvar, e uma eternidade para prover , empurra para entrar, para que ele não fique aquém de ser insignificante e elogioso. "Alguns dão esse senso de que eles ridicularizavam a Cristo ou falando em desprezo de riquezas, pois, pensavam eles, não havia muitas promessas de riquezas e outras coisas boas temporais. na lei e nos profetas?E não foram muitos dos melhores servos de Deus muito ricos, como Abraão e Davi? "É verdade", disse Cristo, "assim foi, mas agora que o reino de Deus começou a ser pregado, as coisas tomam um novo rumo, agora são abençoados os pobres, os que choram e os perseguidos". Os fariseus, para retribuir o povo por sua alta opinião sobre eles, permitiam-lhes uma religião barata, fácil e formal. "Mas", disse Cristo, "agora que o evangelho é pregado, os olhos do povo são abertos, e como eles não podem agora ter uma veneração pelos fariseus, como eles tiveram, então eles não podem se contentar com tal indiferença na religião como eles foram treinados, mas eles pressionamcom uma santa violência no reino de Deus. ”Note, Aqueles que iriam para o céu devem ter dores, devem lutar contra o fluxo, devem pressionar contra a multidão que está indo pelo caminho contrário.

 

(4) No entanto, ele ainda protesta contra qualquer projeto para invalidar a lei ( Lucas 16:17 Lucas 16:17 ): É mais fácil para o céu ea terra passar, parelthein - para passar, para passar, embora os fundamentos da terra e as colunas do céu estão tão firmemente estabelecidas, do que para um til da lei falhar. A lei moral é confirmada e ratificada, e nem um til disso falha os deveres impostos por ela são deveres ainda os pecados proibidos por ela são pecados ainda. Não, os preceitos são explicados e reforçados pelo evangelho e feitos parecer mais espirituais. A lei cerimonial é aperfeiçoada nas cores do evangelho, nem um til disso falha,Lucas 16:18 Mateus 5:32 , 19 : pois é encontrada impressa no evangelho, onde, embora a força dela seja como uma lei retirada, ainda assim a figura dela como um tipo brilha intensamente, testemunhe a epístola aos hebreus. Havia algumas coisas que eram coniventes pela lei, para a prevenção de maiores danos, a permissão que o evangelho de fato tirou, mas sem qualquer prejuízo ou depreciação à lei, pois assim os reduziu à intenção primitiva. da lei, como no caso do divórcio ( Lucas 16:18 ), que tivemos antes, Mateus 5: 32,19: 9 . Cristo não permitirá divórcios, pois o seu evangelho destina-se a atacar a amarga raiz dos apetites e paixões corruptos dos homens, matá-los e arrancá-los e, portanto, eles não devem ser tão indulgentes.como que a permissão fez saciar-los, pois quanto mais eles se entregam a mais impetuoso e obstinado que crescem.

 

Versículos 19-31

O homem rico e Lázaro.

19 Havia certo homem rico, que se vestia de púrpura e linho fino, e tomava suntuosamente a cada dia: 20 E havia um certo mendigo chamado Lázaro, que estava posto à sua porta, cheio de chagas, 21 E desejando ser alimentado com as migalhas que caíram da mesa do homem rico: além disso, os cães vieram e lamberam suas feridas. 22 E aconteceu que o mendigo morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; morreu também o rico, e foi sepultado. 23 E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe a Abraão; Lázaro no colo. 24E ele clamou e disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e envia a Lázaro, para que molhe a ponta do dedo em água, e refresque a minha língua, pois estou atormentado nesta chama. 25 Mas Abraão disse: Filho, lembra-te de que, em tua vida, recebestes as tuas boas coisas e, do mesmo modo, Lázaro, coisas ruins; mas agora ele é consolado e estás atormentado. 26 E além de tudo isto, entre nós e vós há um grande abismo fixado: de modo que os que passariam de para vós não podem nem podem passar para nós, queviria daí. 27 Então ele disse: Pai, peço-te que o enviassem à casa de meu pai: 28 Porque tenho cinco irmãos, para que ele lhes testifique, para que também eles cheguem a este lugar de tormento. 29 Abraão disse-lhe: Eles têm Moisés e os profetas que os deixe ouvir. 30 E ele disse: Não, pai Abraão; mas, se alguém foi até eles dentre os mortos, eles se arrependerão. 31 E ele disse-lhe: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que alguém tenha ressuscitado dentre os mortos.

 

Como a parábola do filho pródigo colocou diante de nós a graça do evangelho, que é encorajadora para todos nós, assim isto coloca diante de nós a ira vindoura,e é projetado para o nosso despertar e muito rápido adormecido aqueles que estão em pecado que não serão despertados por ele. Os fariseus fizeram uma piada do sermão de Cristo contra o mundanismo, agora essa parábola pretendia fazer com que aqueles escarnecedores fossem sérios. A tendência do evangelho de Cristo é nos reconciliar com a pobreza e a aflição e nos armar contra as tentações do mundanismo e da sensualidade. Agora, esta parábola, ao desenhar a cortina e deixar-nos ver qual será o fim de ambas no outro mundo, vai muito longe na prossecução dessas duas grandes intenções. Esta parábola não é como as outras parábolas de Cristo, nas quais as coisas espirituais são representadas por similitudes emprestadas das coisas mundanas, como as do semeador e da semente (exceto as ovelhas e cabras), o filho pródigo e, na verdade, todo o resto, isto. Mas aqui oas próprias coisas espirituais são representadas em uma narrativa ou descrição dos diferentes estados do bem e do mal neste mundo e no outro. No entanto, não precisamos chamar isso de história de uma ocorrência específica, mas é uma questão de fatoisso é verdade todos os dias, que os pobres piedosos, que os homens negligenciam e pisoteiam, morrem de suas misérias, e vão para a felicidade e alegria celestiais, o que lhes é mais agradável por suas tristezas precedentes e pelos ricos epicures, que vivem no luxo e não são piedosos com os pobres, morrem e entram em um estado de tormento insuportável, que é o mais grave e terrível para eles por causa da vida sensual que viveram: e que não há como ganhar nenhum alívio de suas vidas. tormentos. Isto é uma parábola? Que similitude há nisso? O discurso, na verdade, entre Abraão e o homem rico é apenas uma ilustração da descrição, para torná-la mais afetiva, como aquela entre Deus e Satanás na história de Jó. Nosso Salvador veio para nos familiarizar com outro mundo e nos mostrar a referência queeste mundo tem que isso e aqui está. Nesta descrição (pois assim eu escolherei chamá-lo) nós podemos observar,

 

  1. A condição diferente de um homem rico perverso e um homem pobre e piedoso neste mundo. Sabemos que, como alguns dos últimos, os judeus da antiguidade estavam prontos para tornar a prosperidade uma das marcas de uma verdadeira igreja, de um homem bom e um favorito do céu, de modo que dificilmente poderiam ter pensamentos favoráveis ​​de um pobre homem. Este erro Cristo, em todas as ocasiões, se colocou para corrigir, e aqui muito completamente, onde nós temos,

 

  1. Um homem perverso, e aquele que será para sempre miserável, no auge da prosperidade ( Lucas 16:19Lucas 16:19 ): Havia um certo homem rico. Do latim comumente o chamamos de Dives - um homem rico, mas, como observa o Bispo Tillotson, ele não tem nome dado, como o pobre tem, porque foi injusto ter nomeado um homem rico em particular em tal descrição. isso, e apto a provocar e ganhar má vontade. Mas outros observam que Cristo não faria tanta honra ao rico quanto a nomeá-lo, embora talvez quando ele chamasse suas terras pelo seu próprio nome ele pensasse que deveria sobreviver por muito tempo àquele do mendigo em seu portão, que ainda está aqui preservado, quando aquele do homem rico é enterrado no esquecimento. Agora nos é dito sobre este homem rico,

 

(1) Que ele estava vestido de púrpura e linho fino, e esse era o seu adorno. Ele tinha linho fino por prazer, e limpo, sem dúvida, todos os dias de roupa de noite, e roupa de cama. Ele tinha roxo para o estado, pois esse era o desgaste dos príncipes, o que fez algumas conjecturas de que Cristo tinha um olho para Herodes nele. Ele nunca apareceu no exterior, mas em grande magnificência.

 

(2) Ele se saía deliciosamente e suntuosamente todos os dias. Sua mesa foi decorado com todas as variedades e delícias que a natureza ea arte poderiam fornecer seu lado da mesa ricamente adornada com placa seus servos, que esperaram na mesa, em texturas ricas e os convidados em sua mesa, sem dúvida, como ele pensou agraciadoisto. Bem, e que mal houve em tudo isso? Não é pecado ser rico, nem pecado usar roupa de púrpura e fina, nem guardar mesa abundante, se a propriedade de um homem a permitir. Não nos é dito que ele obteve sua propriedade por fraude, opressão ou extorsão, não, nem que ele estava bêbado, ou fez outros bêbados, mas, [1.] Cristo viria mostrar que um homem pode ter uma grande quantidade de riqueza e pompa e prazer deste mundo, e ainda mentem e perecem para sempre sob a ira e a maldição de Deus. Não podemos inferir dos homens que vivem grandemente que Deus os ama em dar-lhes tanto, ou que eles amam a Deus por dar-lhes tanta felicidade não consiste nessas coisas. [2] Que a abundância e o prazer são muito perigosos e para muitos, um fataltentação ao luxo, sensualidade e esquecimento de Deus e de outro mundo. Este homem poderia ter sido feliz se não tivesse grandes posses e prazeres. [3] Que a indulgência do corpo e a facilidade e prazer disso são a ruína de muitas almas e os interesses dela. É verdade, comer carne boa e usar roupas boas é legal, mas é verdade que elas frequentemente se tornam o alimento e o combustível do orgulho e do luxo, e assim se transformam em pecado para nós. [4] Que nos festejarmos e aos nossos amigos e, ao mesmo tempo, esquecermos as aflições dos pobres e aflitos, é muito provocador para Deus e condenação para a alma. O pecado deste homem rico não era tanto o seu vestido ou a sua dieta, mas o seu fornecimento apenas para si mesmo.

 

  1. Aqui está um homem piedoso, e aquele que será para sempre feliz, na profundidade da adversidade e aflição ( Lucas 16:20Lucas 16:20 ): Havia um certo mendigo, chamado Lázaro. Um mendigo desse nome, eminentemente devoto e em grande aflição, provavelmente era bem conhecido entre as pessoas boas da época: um mendigo, suponha tal como Eleazar, ou Lázaro. Alguns acham Eleazar um nome próprio para qualquer homem pobre, pois significa a ajuda de Deus, a qual eles devem voar para que sejam destituídos de outras ajudas. Esse pobre homem foi reduzido ao último extremo, tão miserável quanto as coisas externas, como você pode supor levemente que um homem esteja neste mundo.

 

(1) Seu corpo estava cheio de feridas, como Jó. Estar doente e fraco no corpo é uma grande aflição, mas feridas são mais dolorosas para o paciente e mais repulsivas para aqueles que o cercam .

 

(2) Ele foi forçado a suplicar seu pão e a aceitar os restos que conseguisse nas portas de pessoas ricas. Ele estava tão dolorido e coxo que ele não podia ir ele mesmo, mas foi levado por alguma mão compassiva ou outra, e colocado no portão do homem rico. Note, Aqueles que não são capazes de ajudar os pobres com suas bolsas devem ajudá-los com suas dores aqueles que não podem emprestar-lhes um centavo devem emprestar-lhes uma mãoaqueles que não têm o poder de lhes dar devem trazê-los, ou ir para eles, àqueles que o possuem. Lázaro, em sua aflição, não tinha nada para subsistir, nenhuma relação para ir, nem a paróquia cuidava dele. É um exemplo da degeneração da igreja judaica neste tempo que um homem tão piedoso quanto Lázaro deveria ser obrigado a perecer por falta de alimento necessário. Agora observe

 

[1] Suas expectativas da mesa do homem rico: Ele desejava ser alimentado com as migalhas, Lucas 16:21 Lucas 16:21 . Ele não procurou uma bagunça na mesa, embora devesse ter um, um dos melhores, mas ficaria agradecido pelas migalhas debaixo da mesa, a carne quebrada que era o lixo dos ricos, os restos de comida. seus cachorros. Os pobres usam súplicas e devem se contentar com o que puderem conseguir. Agora isso é levado em conta para mostrar: Primeiro, qual foi a aflição e qual a disposição do pobre homem. Ele era pobre, mas ele era pobre em espírito,Salmo 73: 7 , 10 , 14 contente pobre. Ele não se deitou no portão do homem rico reclamando, berrando e fazendo barulho, mas silenciosamente e modestamente desejando ser alimentado com as migalhas. Este homem miserável era um homem bom e a favor de Deus. Note que, com frequência, muitos dos mais queridos santos e servos de Deus são muito afligidos neste mundo, enquanto pessoas iníquas prosperam e têm abundância, veja Salmos 73: 7,10,14 . Aqui está um filho da ira e um herdeiro do inferno sentado em casa, caminhando suntuosamente e um filho de amor e um herdeiro do céu jazendo no portão, perecendo pela fome. E o estado espiritual dos homens é então julgado por sua condição exterior? Em segundo lugar,Qual foi o temperamento do homem rico em relação a ele? Não nos é dito que ele abusou dele, ou lhe proibiu a sua porta, ou lhe causou algum dano, mas é insinuado que ele o desprezou, ele não tinha nenhum interesse por ele, não tomou nenhum cuidado sobre ele. Aqui estava um verdadeiro objeto de caridade, e um muito comovente , que falava por si mesmo, foi apresentado a ele em seu próprio portão. O pobre homem tinha um bom caráter e boa conduta, e tudo o que poderia recomendá-lo. Uma pequena coisa seria uma ótimaBondade para com ele, e ainda assim ele não tomou conhecimento do seu caso, não ordenou que ele fosse levado e alojado no celeiro, ou em alguns dos edifícios externos, mas deixou-o deitar lá. Nota: Não é suficiente não oprimir e espezinhar os pobres, seremos encontrados mordomos infiéis dos bens de nosso Senhor, no grande dia, se não os socorrermos e aliviarmos. A razão dada para o destino mais temeroso é que eu estava com fome e você não me dava carne. Eu me pergunto como aquelas pessoas ricas que leram o evangelho de Cristo, e como acreditam, podem ser tão despreocupadas quanto costumam ser nas necessidades e misérias dos pobres e aflitos.

 

[2] O uso que ele teve dos cães Os cães vieram e lamberam suas feridas. O homem rico mantinha um canil de cães de caça, pode ser, ou outros cães, para sua diversão, e para agradar sua fantasia, e estes eram alimentados ao máximo, quando o pobre Lázaro não conseguia o suficiente para mantê-lo vivo. Note que eles terão muito a responder, para o futuro, que alimentem seus cães, mas negligenciem os pobres. E é um grande agravamento da falta de caridade de muitas pessoas ricas que elas conferem às suas fantasias e tolices que suprem a necessidade e regozijam o coração de muitos bons cristãos em perigo. Aqueles que ofendem a Deus, não, e eles desprezam a natureza humana, que mimam seus cães e cavalos e deixam as famílias de seus pobres vizinhos morrerem de fome. Agora aqueles cães vieram e lambeu oferidas do pobre Lázaro, que podem ser tomadas, em primeiro lugar, como um agravamento de sua miséria. Suas feridas eram sanguinolentas, o que levou os cachorros a virem, e os lambeu, como fizeram com o sangue de Nabote e Acabe, 1 Reis 21:19 1 Reis 21:19 . E lemos da língua dos cães mergulhada no sangue dos inimigos, Salmo 68:23 . Eles o atacaram enquanto ele ainda estava vivo, como se ele já estivesse morto, e ele não tinha se fortalecido para mantê-los afastados, e nenhum dos servos seria tão civilizado para checá-los. Os cães eram como seu mestre, e pensavam que se saíam suntuosamente quando se regalavam com sangue humano. Ou, pode ser considerado, em segundo lugar, como algum alívio para ele em sua miséria Salmo 68:23 alla kai , o mestre foi de coração duro para ele, mas os cães vieram e lambeu suas feridas, o que os acalmou e aliviou. Não é dito: Eles os chuparam , mas os lambiam , o que era bom para eles. Os cachorros eram mais gentis com ele do que seu amo.

 

  1. Aqui está a condição diferente deste pobre homem piedoso, e este homem rico perverso, na e depois da morte. Até agora, o homem mau parece ter a vantagem, mas Exitus acta probat - Vamos esperar um pouco, para ver o fim aqui.

 

  1. Ambos morreram ( Lucas 16:22 Lucas 16:22 ): O mendigo morreu o rico também morreu. A morte é o lote comum de ricos e pobres, piedosos e ímpios que encontram juntos. Um morre em toda a sua força e outro na amargura de sua alma, mas deitar-se-á igualmente no pó, Jó 21:26 . A morte não favorece nem o rico pelas suas riquezas nem o pobre pela sua pobreza. Os santos morrem para que possam trazer suas tristezas a um fim e entrar em suas alegrias. Pecadores morrem, para que eles possam desistir de sua conta. Diz respeito tanto aos ricos quanto aos pobres para se preparar para a morte, pois espera por ambos.Jó 21:26 Mors sceptre ligonibus æ quat - Death combina o cetro com a pá.

 

------ quo pulsat pede pauperum tabernas,

Regumque turres.

 

Com igual ritmo, o destino imparcial

bate no palácio, como o portão da cabana.

  1. O mendigo morreu primeiro. Deus muitas vezes tira pessoas piedosas do mundo, quando ele deixa os ímpios para florescerem ainda. Era uma vantagem para o mendigo que um final tão rápido fosse colocado em suas misérias e, como não encontrava outro abrigo ou local de descanso, ele estava escondido no túmulo, onde os cansados ​​estão em repouso.

 

  1. O homem rico morreu e foi enterrado. Nada é dito sobre o enterro do pobre homem. Eles cavaram um buraco em qualquer lugar, e derrubaram o corpo dele, sem solenidade ele foi enterrado com o enterro de um jumento: não, é bom que se eles deixassem os cães lamberem suas feridas, não os deixassem roer seus ossos. Mas o homem rico tinha um funeral pomposo, estava em estado, tinha uma fila de pessoas para acompanhá-lo ao túmulo, e um imponente monumento montado sobre ele provavelmente tinha uma oração fúnebre em louvor a ele, e seu modo generoso de viver. e a boa mesa que ele mantinha, que recomendariam àquele que se deleitara. Diz-se do homem iníquo que ele é trazido para o túmulo, sem qualquer dificuldade, e colocado no sepulcro, eos torrões do vale, se fosse possível, se tornam doces para ele, Jó 21: 32,33 . Quão estranha é a cerimônia de um funeral para a felicidade do homem!Jó 21:32 , 33

 

  1. O mendigo morreu e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão. Quanto a honra feita a sua alma, por este comboio a seu descanso, excede a honra feita ao homem rico, pelo porte de seu corpo com tanta magnificência ao seu túmulo! Observe, (1) Sua alma existiu em um estado de separação do corpo. Não morreu ou adormeceu, com o corpo a vela não foi apagada, mas vive e agiu, e soube o que fez e o que foi feito a ela. (2) Sua alma removida para outro mundo, para o mundo dos espíritos, retornou a Deus que a deu, ao seu país nativo, isto está implícito em ser transportado.O espírito de um homem sobe. (3). Anjos cuidaram disso, foi levado por anjos. Eles são espíritos ministradores para os herdeiros da salvação, não somente enquanto eles vivem, mas quando eles morrem, e têm uma acusação a respeito deles, para carregá-los em suas mãos, não apenas em suas jornadas para lá e para cá na terra, mas em suas grande jornada para seu longo lar no céu, para ser seu guia e sua guarda através de regiões desconhecidas e inseguras. A alma do homem, se não acorrentada a esta terra e entupida por ela como almas não santificadas, tem em si mesma uma virtude elástica, pela qual ela se eleva para cima.assim que se torna claro do corpo, mas Cristo não confia naqueles que são seus para isso, e, portanto, enviará mensageiros especiais para buscá-los para si mesmo. Um anjo alguém poderia pensar o suficiente, mas aqui estão mais, como muitos foram enviados para Elias. Amasis rei do Egito teve sua carruagem puxada por reis, mas o que era essa honra para isso? Os santos ascendem na virtude da ascensão de Cristo, mas este comboio de anjos é adicionado para o estado e decoro. Os santos serão trazidos para casa, não apenas com segurança, mas honrosamente. Quais eram os portadores do funeral do homem rico, embora, provavelmente, os do primeiro escalão, comparados com os portadores de Lázaro? Os anjos não tinham vergonha de tocá-lo, pois suas feridas estavam em seu corpo, não em sua alma que foi apresentada a Deussem mancha, nem ruga ou qualquer outra coisa. "Agora, anjos abençoados", disse um bom homem que acabou de expirar, "agora venha e faça seu ofício". (4) Foi levado para o seio de Abraão. Os judeus expressaram a felicidade dos justos na morte de três maneiras: - eles para ir ao jardim do Éden: eles vão estar sob o trono da glória e eles vão para o seio de Abraão, e é isso que nosso Salvador aqui fazer uso de. Abraão foi o pai dos fiéis e para onde as almas dos fiéis devem ser reunidas, mas para aquele que, como um terno pai, as põe no seu seio, especialmente em sua primeira vinda, para convidá-los a recebê-los, e para atualizá-los quando recém-chegados das tristezas e fadigas deste mundo? Ele foi levado ao seu seio, isto é, para deleitar-se com ele, pois nas festas diz-se que os convidados se apoiavam nos seios um do outro e os santos no céu sentavam-se com Abraão, Isaque e Jacó. Abraão era um homem grande e rico, mas no céu não desdenha colocar o pobre Lázaro no seu seio. Santos ricos e pobres se encontram no céu. Este pobre Lázaro, que não pode ser admitido dentro da porta do homem rico, é conduzido para a sala de jantar, para o quarto de dormir do palácio celestial e ele é colocado no seio de Abraão, a quem o glutão rico despreza em pôr com os cães do seu rebanho.

 

  1. As próximas notícias que você ouve do homem rico, depois do relato de sua morte e sepultamento, é que no inferno ele ergueu os olhos, estando em tormento, Lucas 16:23Lucas 16:23 .

 

(1.) Seu estado é muito miserável. Ele está no inferno, no hades, no estado de almas separadas, e lá está ele na maior miséria e angústia possíveis. Assim como as almas dos fiéis, imediatamente depois de serem libertadas do fardo da carne, estão em alegria e felicidade, almas tão perversas e não santificadas, imediatamente depois de serem tiradas dos prazeres da carne pela morte, estão na miséria e no tormento. infinito, inútil e sem remédio, e que será muito aumentado e completado na ressurreição. Este homem rico dedicou-se inteiramente aos prazeres do mundo dos sentidos, foi totalmente ocupadocom eles, e levou com eles para a sua porção, e, portanto, era totalmente imprópria para os prazeres do mundo dos espíritos para uma mente tão carnal como a sua, eles realmente não seriam um prazer, nem poderiam ter qualquer prazer deles, e portanto ele é naturalmente excluído deles. No entanto, isso não é tudo o que ele era de coração duro para os pobres de Deus, e, portanto, ele não é apenas cortado da misericórdia, mas ele tem julgamento sem misericórdia e cai sob uma punição de sentido , bem como uma punição de perda.

 

(2) A miséria do seu estado é agravada pelo seu conhecimento da felicidade de Lázaro: Ele levanta os olhos e vê Abraão de longe, e Lázaro no seu seio. É a alma que está em tormento, e eles são os olhos da mente que são elevados. Ele agora começou a considerar o que aconteceu com Lázaro. Ele não o encontra onde ele está, ou melhor, ele claramente o vê, e com tanta segurança como se o tivesse visto com seus olhos corpóreos, longe no seio de Abraão. Este mesmo agravamento das misérias dos condenados que tivemos antes ( Lucas 13:28Lucas 13:28 ): Vereis Abraão, Isaque, Jacó e todos os profetas no reino de Deus, e vós lançados fora. [1] Ele viu Abraão de longe. Para ver Abraão devemos pensar uma visão agradável, mas vê-lo de longe foi uma visão atormentadora. Perto de si mesmo, viu demônios e companheiros condenados, visões assustadoras e dolorosas ao longe, viu Abraão. Note, cada visão no inferno é agravante. [2] Ele viu Lázaro em seu seio. Aquele mesmo Lázaro a quem ele olhara com tanto escárnio e desprezo, como não digno de sua atenção, ele agora vê preferido e deve ser invejado. A visão dele trouxe à sua mente sua própria conduta cruel e bárbara em relação a ele e a visão dele naquela felicidade fez sua própria desgraça mais grave.

 

III Aqui está um relato do que se passou entre o homem rico e Abraão no estado separado - um estado de separação um do outro e de ambos deste mundo. Embora seja provável que não haja nem haja tais diálogos ou discursos entre santos glorificados e pecadores condenados, ainda assim é muito apropriado, e o que geralmente é feito em descrições, especialmente aquelas que são projetadas para serem patéticas e comoventes, por tais diálogos para representar o que será a mente e os sentimentos tanto de um como do outro. E desde que encontramos os pecadores condenados atormentados na presença do Cordeiro ( Apocalipse 14:10 Apocalipse 14:10 ), e os servos fiéis de Deus olhando para aqueles que transgrediram o pacto, lá onde seusIsaías 66:23 , 24verme não morre, e seu fogo não se apaga ( Isaías 66: 23,24 ), tal discurso como este não é incongruente de ser suposto. Agora neste discurso nós temos,

 

  1. O pedido que o homem rico fez a Abraão para alguma mitigação de sua atual miséria, Lucas 16:24Lucas 16:24 . Vendo Abraão de longe, ele gritou para ele, gritou alto, como se fosse sincero, e como alguém em dor e miséria, misturando gritos com suas petições, para forçá-los, movendo a compaixão. Aquele que costumava comandar em voz alta agora implora em voz alta, mais alto do que nunca Lázaro fez em seu portão. As canções de seu motim e festanças são todas transformadas em lamentos. Observe aqui

 

(1.) O título que ele dá a Abraão: o pai Abraão. Note que há muitos no inferno que podem chamar a Abraão de pai, que foi a semente de Abraão segundo a carne, e muitos que foram, em nome e profissão, os filhos da aliança feita com Abraão. Talvez esse homem rico, em sua alegria carnal, tenha ridicularizado Abraão e a história de Abraão, como fazem os escarnecedores dos últimos dias, mas agora ele lhe dá um título de respeito, padre Abraão.Nota: Chegará o dia em que os ímpios ficarão contentes em fazer amizade com os justos e exigir que eles se relacionem com eles, embora agora os desprezem. Abraão nesta descrição representa Cristo, pois para ele todo o julgamento está comprometido, e é a sua mente que Abraão aqui fala. Aqueles que agora desprezam a Cristo logo farão sua corte a ele, Senhor, Senhor.

 

(2) A representação que ele faz da sua presente condição deplorável: Eu estou atormentado nesta chama. É o tormento de sua alma de que ele se queixa e, portanto, tal fogo que operará sobre almas e tal fogo é a ira de Deus , fixando-se em uma consciência culpada tal fogo é um horror da mente, e as censuras de um auto-acusador auto-condenando o coração. Nada é mais doloroso e terrível para o corpo do que ser atormentado com fogo por isso, portanto, as misérias e agonias das almas condenadas são representadas.

 

(3) Seu pedido a Abraão, em consideração a esta miséria: Tende piedade de mim. Note, o dia está chegando quando aqueles que fazem luz da divina misericórdia vão implorar por isso. Ó por misericórdia, misericórdia, quando o dia da misericórdia termina, e ofertas de misericórdia não são mais feitas. Aquele que não teve misericórdia de Lázaro, ainda espera que Lázaro tenha misericórdia dele "por", pensa ele, "Lázaro é mais bem-humorado do que eu jamais fui." O favor especial que ele pede é, mande Lázaro, que ele mergulhe a ponta do dedo na água e esfrie minha língua. [1] Aqui ele se queixa do tormento da sua língua em particular, como se ele estivesse mais atormentado do que em qualquer outra parte, a punição respondendo ao pecado. A línguaé um dos órgãos do discurso, e pelo tormento de que ele é colocado em mente de todas as palavras perversas que ele havia dito contra Deus e o homem, sua maldição, e juramento e blasfêmia, todos os seus discursos duros e discursos imundos por suas palavras ele é condenado e , portanto, em sua língua ele é atormentado. A língua é também um dos órgãos de degustação e , portanto, os tormentos dela o lembrarão de seu desordenado prazer das delícias do sentido, que ele enrolara sob a língua. [2] Ele deseja uma gota de água para refrescar sua língua. Ele não diz: "Pai Abraão, ordene-me uma libertação desta miséria, ajude-me a sair deste buraco", pois ele se desesperou completamenteisso, mas ele pergunta como uma coisa pequena como poderia ser pedido, uma gota de água para refrescar a língua por um momento. [3] Ele às vezes suspeitava que ele tinha aqui um desígnio mal sobre Lázaro, e esperava que, se ele pudesse levá-lo ao seu alcance, ele deveria impedi-lo de retornar ao seio de Abraão. O coração que está cheio de raiva contra Deus está cheio de raiva contra o povo de Deus. Mas nós pensaremos mais caridosamente até mesmo de um maldito pecador, e suponhamos que ele pretendesse aqui mostrar respeito a Lázaro, como alguém a quem ele agora ficaria feliz em agradecer. Ele o nomeia porque ele sabeele, e acha que Lazarus não estará disposto a fazê-lo este bom ofício pelo antigo conhecimento. Grotius aqui cita Platão descrevendo os tormentos de almas iníquas e, entre outras coisas, diz: Eles estão continuamente delirando com aqueles a quem assassinaram, ou foram de alguma forma prejudiciais, conclamando-os a perdoar-lhes os erros que lhes causaram. Note, Há um dia chegando quando aqueles que agora odeiam e desprezam o povo de Deus receberiam bondade alegremente deles.

 

  1. A resposta que Abraão deu a este pedido. Em geral, ele não concedeu. Ele não permitiria uma gota de água para resfriar a língua. Nota: Os condenados no inferno não terão a menor redução ou mitigação de seu tormento. Se agora melhorarmos o dia de nossas oportunidades, poderemos ter uma satisfação plena e duradoura nas correntes de misericórdia, mas, se agora ignorarmos a oferta, será em vão no inferno esperar a menor gota de misericórdia. Veja como justamente este homem rico é pago em sua própria moeda. Aquele que negou uma migalha é negado uma queda. Agora nos é dito, peça, e lhe será dadomas, se deixarmos escapar esse tempo aceito, podemos pedir e não nos será dado. Mas isso não é tudo se Abraão apenas dissesse: "Você não terá nada para abater seu tormento", foi triste, mas ele diz muito que acrescentaria ao seu tormento, e tornaria a chama mais quente, para cada coisa no inferno estará atormentando.

 

(1.) Ele o chama de filho, um título gentil e civil, mas aqui ele serve apenas para agravar a negação de seu pedido, que cala as entranhas da compaixão de um pai dele. Ele era um filho, mas rebelde e agora um abandonado e deserdado. Veja a loucura daqueles que confiam nesse pedido: Temos Abraão para nosso pai, quando encontramos um no inferno e provavelmente para sempre, a quem Abraão chama filho.

 

(2) Ele coloca em mente o que tinha sido tanto sua condição quanto a condição de Lázaro, em sua vida: Filho, lembre-se que esta é uma palavra cortante. As memórias das almas condenadas serão seus atormentadores, e a consciência será então despertada e estimulada a fazer o seu ofício, que aqui eles não permitiriam que ela fizesse. Nada trará mais petróleo para as chamas do inferno do que o Filho, lembra-te. Agora os pecadores são chamados a lembrar, mas eles não o fazem, eles não vão, eles encontram maneiras de evitá-lo. " Filho, lembra- te do teu Criador, do teu Redentor, lembra-te do teu último fim", mas eles podem fazer ouvidos moucos a estas recordações,e esquece aquilo pelo qual eles têm suas memórias justamente, portanto, a infelicidade eterna deles surgirá de um Filho, lembre-se, ao qual eles não serão capazes de se fazer de surdos. Que pavor terrível isso soará em nossos ouvidos: " Filho, lembra-te das muitas advertências que te foram dadas para não vires a este lugar de tormento, o qual tu não consideras lembrar as ofertas justas feitas a ti da vida eterna e glória, que tu não aceitaria! " Mas o que ele está aqui em mente é: [1.] Que tu, na tua vida, recebeu as tuas boas coisas. Ele não diz a ele que ele abusou deles, mas que ele havia recebidoeles: "Lembre-se de que beneficio generoso Deus tem sido para ti, como ele estava pronto para te fazer bem, portanto não podes dizer que te deve alguma coisa, não, nenhuma gota de água. O que ele te deu você recebeu, e que Foi tudo o que você nunca lhe deu um recibo para eles, em um agradecido reconhecimento deles, muito menos você já fez algum retorno grato para eles ou melhoria deles tu tem sido o túmulo das bênçãos de Deus, em que eles foram enterrados, não o campo deles, em que foram semeados, tu recebeste as tuas boas coisas tu as recebeste, e usaste-as como se tivessem sido tuas,e tu não tinha sido responsável por eles. Ou, antes, eram as coisas que escolheste para as tuas boas coisas, que estavam no teu olho as melhores coisas, com as quais te contentaste, e fazes parte. Tu tens carne e bebida, e roupas das mais ricas. e as melhores, e estas foram as coisas em que puseste a tua felicidade, pois foram a tua recompensa, a tua consolação, a moeda que tu concordaste, e tu a tens. Tu foste para as coisas boas da tua vida e não pensaste em coisas melhores noutra vida e, portanto, não tens razão para as esperar. O dia das tuas boas coisasjá passou e se foi, e agora é o dia das tuas coisas más, de recompensa por todas as tuas más ações. Tu já tens a última gota dos frascos de misericórdia que poderias esperar cair na tua parte e não resta senão frascos de ira sem mistura. "[2]" Lembre-se também que coisas malignas Lazarus recebeu. Tu inveja sua felicidade aqui, mas pense na grande parte das misérias que ele teve em sua vida. Você tem o mesmo bem que poderia ser considerado um homem tão ruim, e tanto mal quanto poderia ser considerado um homem tão bom. Ele recebeusuas coisas más que ele fura-os pacientemente, recebeu-os das mãos de Deus, como Jó ( Lucas 2:10Lucas 2:10 , Devemos receber o bem na mão do Senhor, e não receberemos o mal também? ) - ele recebeu -los como físico designado para a cura de suas enfermidades espirituais, e a cura foi efetuada. "Como pessoas perversas têm apenas coisas boas nesta vida, e na morte elas estão para sempre separadas de todo bem, pessoas tão piedosas só têm coisas más neste vida, e na morte eles estão para sempre fora do alcance deles.Agora Abraão, colocando-o em mente de ambos juntos, desperta sua consciência para lembrá-lo como ele se comportou em relação a Lázaro, quando ele estava se divertindo em sua boa coisas e Lázaro gemendo sob as suas coisas más, ele não pode esquecer que então ele não ajudaria Lázaro, e como então ele poderia esperar que Lázaro deveria agora ajudá-lo? Se Lázaro em sua vida enriquecera depois, e ele pobre, Lázaro teria pensado que era seu dever aliviá-lo, e não tê-lo repreendido com sua antiga grosseria, mas, no futuro estado de recompensa e retribuição, aqueles que são agora tratadas, tanto por Deus quanto pelo homem, melhor do que merecem, devem esperar ser recompensadas a cada homem de acordo com suas obras.

 

(3) Ele o lembra da felicidade presente de Lázaro e sua própria miséria: Mas agora as mesas estão viradas, e assim devem permanecer para sempre agora ele é consolado, e você é atormentado. Ele não precisava ser informado de que estava atormentado , sentia isso a seu custo. Ele sabia da mesma forma que aquele que estava no seio de Abraão não podia deixar de ser consolado lá, ainda que Abraão o tenha lembrado disto, para que ele pudesse, comparando uma coisa a outra, observar a justiça de Deus, em recompensar tribulação àqueles que perturba seu povo, e para aqueles que estão com problemas, 2 Tessalonicenses 1: 6,7 . Observe, [1.] O céu é conforto e o inferno é2 Tessalonicenses 1: 6 , 7 Deuteronômio 28:56tormento: o céu é alegria, o inferno está chorando e lamentando e a dor na perfeição. [2] A alma, assim que sai do corpo, vai para o céu ou para o inferno, para confortar ou atormentar, imediatamente, e não dorme, nem entra no purgatório. [3] O céu será realmente o céu para aqueles que vão para lá através de muitas e grandes calamidades neste mundo daqueles que tinham graça, mas tinham pouco conforto aqui (talvez suas almas se recusassem a ser consoladas), ainda assim, quando eles estão adormecidos em Cristo, você pode realmente dizer: "Agora eles são consolados: agora todas as suas lágrimas são enxugadas,e todos os seus medos desaparecem. "No céu há consolo eterno. E, por outro lado, o inferno será realmente o inferno para aqueles que vão para lá do meio do prazer de todas as delícias e prazeres dos sentidos. Para eles, a tortura é a maior, como as calamidades temporais são descritas para a mulher terna e delicada, que não colocaria a sola do pé até o chão, para ternura e delicadeza ( Deuteronômio 28:56) .

 

(4.) Ele assegura a ele que não havia propósito em pensar em ter qualquer alívio pelo ministério de Lázaro ( Lucas 16:26Lucas 16:26 ), além de tudo isso, pior ainda, entre nós e você há um grande abismo fixado, um intransponível, um grande abismo, para que não haja comunicação entre santos glorificados e pecadores condenados. [1] O santo mais bondoso do céu não pode fazer uma visita à congregação dos mortos e condenados, para consolar ou aliviar qualquer um que já tenha sido seus amigos. " Eles que passariam daqui para você não podemeles não podem deixar de ver a face de seu Pai, nem a obra sobre seu trono, buscar água para você que não faz parte de seus negócios. "[2] O pecador mais ousado no inferno não pode forçar seu caminho para fora daquela prisão, Não podemos superar esse grande abismo Eles não podem passar para nós que viriam dali Não é de se esperar, pois a porta da misericórdia está fechada, a ponte está traçada, não há saída sobre liberdade condicional ou não, não para Uma hora Neste mundo, abençoado seja Deus, não há abismo entre um estado de natureza e graça, mas podemos passar de um para o outro, do pecado para Deus, mas se morrermos em nossos pecados, se jogarmos nós mesmos no poço da destruição, não há saída, é um poço no qual não há água, edos quais não há redenção. O decreto e conselho de Deus consertaram este abismo, que todo o mundo não pode desfazer. Isso abandona esta criatura miserável ao desespero, agora é tarde demais para qualquer mudança de sua condição, ou qualquer alívio menor: ela poderia ter sido evitada a tempo, mas agora não pode ser remediada à eternidade. O estado dos malditos pecadores é fixado por uma sentença irreversível e inalterável. Uma pedra é rolada até a porta do poço, que não pode ser revertida.

 

  1. O pedido adicional que ele teve que fazer ao seu pai Abraão, não por si mesmo, sua boca está parada, e ele não tem uma palavra a dizer em resposta à negação de Abraão de uma gota de água. Pecadores condenados são levados a saber que a sentença em que se encontram é justa e não podem aliviar sua própria miséria fazendo qualquer objeção contra ela. E, uma vez que ele não pode obter uma gota de água para resfriar a língua, podemos supor que ele roeu a língua em busca de dor, como se diz àqueles em quem uma das taças da ira de Deus é derramada, Apocalipse 16:10Apocalipse 16:10.. Os gritos e exclamações que podemos supor serem agora proferidos por ele eram hediondos, mas, tendo a oportunidade de falar com Abraão, ele o aperfeiçoará para suas relações que ele deixou para trás, já que ele não pode melhorá-lo para sua própria vantagem. Agora, quanto a isso,

 

(1) Ele implora que Lázaro pode ser enviado para a casa de seu pai, em uma incumbência para lá: Eu te peço, pai, Lucas 16:27 Lucas 16:27 . Novamente ele invoca Abraão, e neste pedido ele é importuno: " Eu te peço. Não me neges isto." Quando ele estava na terra, ele poderia ter orado e sido ouvido, mas agora ele reza em vão. " Portanto, porque tu me negaste o primeiro pedido, certamente serás tão compassivo a ponto de não negar isto:" ou " Portanto, porque há um grande abismo fixado, visto que não há como sair daqui quando estão aqui , Enviai para impedir a sua vinda para cá: "ou", embora haja um grande abismo fixadoLucas 16:28entre você e eu, no entanto, já que não existe esse abismo entre você e eles, mande-os para cá. Mande-o de volta para a casa de meu pai, ele sabe muito bem onde está, esteve lá muitas vezes, tendo sido negadas as migalhas que caíram da mesa. Ele sabe que eu tenho cinco irmãos lá se ele aparecer para eles, eles o conhecerão e considerarão o que ele diz, pois eles o conheceram como um homem honesto. Que ele testemunhe a eles que ele lhes diga em que condições eu estou, e que me levei a isso com meu luxo e sensualidade e minha inocência para com os pobres. Adverti-os a não pisar nos meus passos, nem prosseguir no caminho em que os conduzi, e os deixei, para que não viessem também a este lugar de tormento." Lucas 16:28 . Alguns observam que ele fala apenas de cinco irmãos, de onde inferir que ele teve nenhuma criança, então ele os teria mencionado, e então era um agravamento de sua falta de caridade que ele não tinha filhos para sustentar. Agora ele os faria parar em seu caminho pecaminoso, e não diz: "Dá-me permissão para ir a eles, para que eu testemunhe a eles", pois ele sabia que havia um abismo fixado, e desesperou-se de uma permissão tão favorável -se; a sua saída iria assustá-los fora de seus inteligência , mas, "Enviar Lázaro, cujo endereço será menos terrível, e ainda assim o seu testemunho suficiente para assustá-los fora de seus pecados."Agora ele desejava a prevenção de sua ruína, em parte em ternura para eles, para quem ele não podia senão manter uma afeição natural que ele conhecia seu temperamento, suas tentações, sua ignorância, sua infidelidade, sua falta de consideração e desejava impedir a destruição. estavam entrando em colapso: mas era em parte ternura para si mesmo, pois a chegada deles a ele, àquele lugar de tormento, apenas agravava a miséria para ele, que ajudara a lhes mostrar o caminho até lá, assim como a visão de Lázaro ajudava a agravar sua miséria.Quando parceiros no pecado passam a ser compartilhadores em desgraça, como o joio amarrado em feixes para o fogo, eles serão um terror para o outro.

 

(2) Abraão também lhe nega esse favor. Não há pedido concedido no inferno. Aqueles que fazem o homem rico orando a Abraão uma justificativa de sua oração aos santos partiram, pois eles têm muito que buscar provas, quando a prática de um pecador condenado deve ser valorizada como exemplo, então eles têm pouco encorajamento para seguir o exemplo. , quando todas as suas orações foram feitas em vão. Abraão os deixa ao testemunho de Moisés e dos profetas, os meios ordinários de convicção e conversão que eles têm a palavra escrita, que eles podem ler e ouvir ler. " Que eles atendam a essa certeza de profecia, pois Deus não sairá do método comum de sua graça para eles." Aqui está o privilégio deles: eles têm Moisés e os profetase seu dever: " Deixe-os ouvi-los e misture a fé com eles, e isso será suficiente para mantê-los deste lugar de tormento". Por isto parece que há evidência suficiente no Antigo Testamento, em Moisés e os profetas, para convencer aqueles que os ouvirão imparcialmente que há outra vida depois disto, e um estado de recompensas e punições para homens bons e maus para aquele era a coisa que o rico tinha assegurado a seus irmãos, e por isso eles foram entregues a Moisés e aos profetas.

 

(3.) Ele pede ainda mais seu pedido ( Lucas 16:30Lucas 16:30 ): " Não, pai Abraão, me dê permissão para pressionar isto. É verdade, eles têm Moisés e os profetas, e, se eles apenas derem a devida No que diz respeito a eles, seria suficiente, mas eles não o fazem, eles ainda não serão esperados, se alguém fosse até eles dentre os mortos, eles se arrependessem, isso seria uma convicção mais sensata para eles. e os profetas, e, portanto, os consideram menos, mas isso seria uma coisa nova, e mais surpreendente certamente isso os levaria a se arrependerem, e mudar seu hábito perverso e seu curso de vida. "Note, os homens tolos estão aptos a pensar qualquer método de convicção melhor do que aquele que Deus escolheu e designou.

fonte Coment.Mattew Henri / www.mauricioberwald.comunidades.net