Translate this Page
  • Currently 2.56/5

Rating: 2.6/5 (265 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Lição jovens CPA livro de Numeros 1 trimestre 2019
Lição jovens CPA livro de Numeros 1 trimestre 2019

                      

 

       LIÇÃO JOVENS CPAD 2019 1 TRIMESTRE 2019 LIÇÕES 1 A 3

 

Lição 1 O Livro de Números - Caminhando com Deus no Deserto

 

Encontrar...

 Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 06/01/2019

F

TEXTO DO DIA

“Ora, tudo isso Lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos” (1 Co 10.11).

 

SÍNTESE

A peregrinação dos hebreus pelo deserto, rumo à Canaã, por aproximadamente 40 anos, revela Lições importantes para a igreja da atualidade.

 

AGENDA DE LEITURA

 

SEGUNDA- Sl 29.8: A voz do Senhor faz tremer o deserto

TERÇA - Sl 68.7: Deus caminha com o povo no deserto

QUARTA - Sl 78.15,16: Deus, no deserto, faz brotar água da rocha

QUINTA - Sl 78.19: O povo duvida de Deus no deserto

SEXTA – Sl 136.16: Deus guia seu povo pelo deserto

SÁBADO - Jo 6.49,51: Cristo, o pão vivo que desceu no deserto

 

OBJETIVOS

  • APRESENTAR um panorama geral do livro de Números;
  • EXPLICAR a natureza das experiências vivenciadas pelo povo Israel na sua peregrinação peto deserto;
  • MOSTRAR como Cristo aparece tipologicamente no livro de Números.

 

INTERAÇÃO

O livro de Números nos mostra a caminhada do povo de Deus pelo deserto rumo à Terra Prometida. Seus alunos terão a oportunidade de compreenderem a vontade do Senhor para o seu povo, enquanto analisam os percalços dos hebreus pelo deserto. As vitórias, derrotas e Lutas dos hebreus servem como exemplo para os cristãos da atualidade, pois estamos também caminhando rumo à Canaã Celestial.

 

O comentarista do trimestre é o pastor Reynaldo Odilo Martins Soares. Ele é natural e reside no Rio Grande do Norte - Natal. O pastor Reynaldo é juiz de direito, bacharel em Teologia e em Direito, especialista em Direito Processual Civil e Penal, mestre e doutorando em Direito pela Universidade do País Vasco, Espanha. Tem diversas obras editadas pela CPAD.

VEJA TAMBÉM

5) Estudos Para Professores da Escola Dominical - Clique Aqui

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Estimado (a) professor (a), é um privilégio ser vocacionado e selecionado por Deus para ensinar as Sagradas Escrituras. Por isso, esforce-se, inspire-se, ore, jejue, estude (utilizando todas as ferramentas disponíveis, inclusive o Livro da lição) - seja um instrumento de Deus para esta geração. Apesar do imenso desafio inerente a essa tarefa, somado às muitas atividades do dia a dia, o Senhor não tem lhe deixado só, antes, tem levantado você como professor (a) da juventude. Dedique-se ao seu ministério e invista nele. O Mestre dos mestres é o maior interessado no êxito desta obra e Ele lhe ajudará. Caminhar com Deus pelo deserto desta vida é a experiência mais gratificante de todas. Boa viagem!

 

 

 

TEXTO BÍBLICO

1 Coríntios 10.1-11

1 Ora, irmãos, não quero que ignoreis que nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem; e todos passaram pelo mar,

2 e todos foram batizados em Moisés, na nuvem e no mar,

3 e todos comeram de um mesmo manjar espiritual,

4 e beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra era Cristo.

5 Mas Deus não se agradou da maior parte deles, pelo que foram prostrados no deserto.

6 E essas coisas foram-nos feitas em figura, para que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.

7 Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; conforme está escrito: O povo assentou-se a comer e a beber e levantou-se para folgar.

8 E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram e caíram num dia vinte e três mil.

9 E não tentemos a Cristo, como alguns deles também tentaram e pereceram pelas serpentes.

10 E não murmureis, como também alguns deles murmuraram e pereceram pelo destruidor,

11 Ora, tudo isso lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.

 

INTRODUÇÃO

 

Com a ida da família de Jacó para o país mais rico da época, a fim de escapar da fome, os hebreus prosperaram grandemente. A prosperidade do povo de Deus, no Egito, fez com que ele passasse a ser considerado uma ameaça social e política. Os hebreus tornaram-se escravos e sofreram muito debaixo do jugo de Faraó. Mas Deus, por intermédio de Moisés, Libertou os israelitas da escravidão e, após a travessia do mar, guiou-os pelo deserto, rumo à Terra Prometida. Entretanto, primeiro, era necessário passarem pelo Sinai, para que recebessem a Lei, pois precisavam de parâmetros civis, morais e espirituais para se estabelecerem como uma nação. Depois de caminharem pelo deserto por cerca de 40 anos, quando toda aquela geração adulta que houvera sido escravizada morreu, eles chegaram ao seu destino final. Diferentemente de outros povos, os hebreus não sucumbiram diante de Faraó e das muitas aflições do deserto. Deus queria preservá-Los para si, pois havia prometido que, deles, descenderia o Salvador do mundo.

 

I - O LIVRO DE NÚMEROS

 

  1. Números ou “no deserto".

Ao traduzir o Antigo Testamento para o grego (tradução chamada Septuaginta), um grupo de setenta sábios denominou o terceiro livro do Pentateuco de “Números", por conta dos dois recenseamentos mencionados na obra. Na Bíblia hebraica, entretanto, o livro tem como titulo “no deserto”, expressão extraída do texto de Números 1.1 ("Falou mais o SENHOR a Moisés, no deserto”). A maioria dos fatos, nele narrados, se desenvolveram "no deserto”. As duas titulações possuem justificativas plausíveis e, sob o prisma da didática, têm grande importância; por isso, ao Longo das lições, ambas serão utilizadas.

 

 

  1. Considerações preliminares.

Alguns eruditos defendem que o livro de Números poderia ser chamado de “peregrinação no deserto”, “livro das caminhadas”, “livro das murmurações", “o livro do deserto", dentre outros, por narrara caminhada que Israel fez, sob a liderança de Moisés (que o escreveu), por volta do ano 1440 a 1400 a.C., segundo a maioria dos estudiosos. A palavra "deserto” aparece em Números quase 50 vezes, — a maior frequência nos escritos bíblicos.

A Bíblia declara expressamente que a narrativa de Números traz lições objetivas para nós que vivemos “nos fins dos séculos”, conforme 1 Coríntios 10.11. Assim, o jovem cristão, no dia a dia, quando se deparar com um convite à prostituição, idolatria, murmuração, rebelião, deve rapidamente se lembrar — como recomenda a Palavra profética — de uma geração que morreu “no deserto”, porque cedeu às inclinações carnais e aos apelos mundanos.

 

O Senhor Deus, séculos depois, de maneira poética, usou Oseias para descrever, com precisão, o que aconteceu: “Quando Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei a meu filho. Mas, como os chamavam, assim se iam da sua face [...]. Todavia, eu ensinei a andar a Efraim; tomei-os pelos seus braços, mas não conheceram que eu os curava. Atraí-os com cordas humanas, com cordas de amor; e fui para eles como os que tiram o jugo de sobre as suas queixadas; e lhes dei mantimento" (Os 11.1-4).

 

  1. Relevância contemporânea.

O livro de Números traz, de um lado, a dureza de coração de um povo composto por ex-escravos escolhidos para se tornarem príncipes — os quais morreram no deserto — e, de outro, a longanimidade e o amor de um Deus santo e justo que, diariamente, alimentava, cuidava, instruía, protegia e guiava pessoas que, mesmo assim, dia após dia, se tornavam ainda mais obstinadas, desobedientes, rebeldes, incrédulas e ingratas. O livro narra também o surgimento de uma nova geração, a partir do segundo censo, que seria introduzida em Canaã, sob o comando de Josué.

 

O livro de Números não é um dos mais comentados da cristandade, porém possui inestimável valor histórico e espiritual ao trazer a narrativa das minúcias da caminhada pelo deserto e, por isso, constitui-se em um verdadeiro tratado a respeito do relacionamento entre Deus e o seu povo, de onde se pode extrair um riquíssimo tesouro teológico para a atualidade!

 

Pense!

Como explicar que o povo hebreu conseguiu sua liberdade, do opressor jugo egípcio, sem precisar guerrear? Contingências políticas, sorte ou milagre?

 

Ponto Importante

Deus, “com mão forte e braço estendido", libertou os israelitas da escravidão. Um verdadeiro milagre em todos os sentidos!

 

II - AS EXPERIÊNCIAS NO DESERTO

 

  1. Deserto, lugar de caminhada.

Um dos significados de deserto é “terra inabitada"; mas a Bíblia diz que Deus estabeleceu a Terra para que fosse habitada (Is 45.18). Portanto, o deserto não é um lugar de moradia, mas de caminhada, lugar de passagem, de transição.

Deus mostrou aos hebreus que, ao conduzi-los até Canaã, guiou-os por um grande e terrível deserto de serpentes ardentes, escorpiões e terra seca, em que não havia água (Dt 8.15). O objetivo do Senhor era humilhar e prová-los, para saber o que estava nos seus corações, e se guardariam os mandamentos ou não (Dt 8.2), Deus queria, dessa forma, que a caminhada do deserto nunca fosse esquecida pelos hebreus, pelo aprofundamento do relacionamento com o Senhor.

 

  1. Deserto, lugar de treinamento.

A caminhada pelo deserto sacudiu as estruturas morais e psicológicas dos hebreus, sendo que ali foi revelado o caráter deles, desnudadas as intolerâncias, exposta a espiritualidade. Jesus, também, antes de começar seu ministério, foi. pelo Espírito Santo, conduzido ao deserto para ser experimentado. Ninguém está livre desse período de caminhada, no qual, à proporção que a escassez se manifesta, Deus treina seu povo.

Atribui-se a William Shakespeare a seguinte frase: “Quando o mar está calmo, qualquer barco navega bem". Parafraseando: “Sem problemas e pressões, qualquer pessoa reage com tranquilidade", mas isso não traz nenhum mérito! As pessoas (como os barcos) foram feitas para abrirem caminhos nos mares tempestuosos da existência! Assim, se os indivíduos (como os barcos) nunca forem testados em condições de estresse, nunca serão confiáveis, pois, em regra, as longas travessias apresentam muitos perigos.

 

  1. Deserto, lugar de milagres.

Está escrito que Deus fez “prodígios e sinais na terra do Egito, no mar Vermelho e no deserto, por quarenta anos" (At 7.36). No período de maior provação da descendência de Abraão, o amigo de Deus, existiram abundantes milagres. Quando ia faltar água, ou comida, sempre havia uma provisão extraordinária. As roupas e os sapatos dos israelitas, milagrosamente, não se desgastavam, mesmo debaixo de um sol causticante (Dt 8,4).

 

O fato é que, ao longo de quase 40 anos de caminhada no deserto, nenhum deles morreu de sede ou fome, ou ficou sem roupa ou calçado. Disse Jesus: “Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pequena fé? Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos ou que beberemos ou com que nos vestiremos?” (Mt 6.30,31).

 

Pense!

Como entender o propósito de Deus em fazer com que um povo, que Ele diz amar, passar pelo deserto, para ser humilhado?

Não seria isso um contrassenso?

 

Ponto Importante

Quem ama de verdade não se contenta em ter o objeto do seu amor de qualquer forma, mas da melhor forma! Para isso, a experiência do deserto é indispensável.

 

Clique e acesse

III - CRISTO NO DESERTO

 

  1. A pedra que os seguia.

A constatação mais confortante de toda a travessia de décadas pelo deserto é a de que Cristo estava ali, com o hebreus, em todo o tempo. Jesus Cristo era a “pedra espiritual que os seguia” (1 Co 10.4).

 

A expressão bíblica demonstra todo cuidado e carinho de Deus por seu povo, A vida neste mundo, portanto, só prossegue pela abundante graça e misericórdia divina, Pois. Deus conhece a desobediência do seu povo, mas mesmo assim, continua a nos suportar, e nos acompanhar, pacientemente, todos os dias. É por causa dEle — Cristo Jesus — que não sucumbimos! “Glória, pois, a ELe, eternamente” (Rm 11.36).

 

  1. O maná.

Em João 6.48-51, Jesus se identificou como o maná que alimentou os israelitas no deserto pelo tempo da peregrinação. Interessante que, a princípio, eles aceitaram aquela provisão diária de comida, entretanto, posteriormente, o povo não teve mais vontade de comê-la. Então, começaram a chamar o maná de “pão tão vil” (Nm 21.5)   . Mesmo com todo esse desprezo, todas as manhãs, por quase 40 anos, continuou “chovendo" comida da parte de Deus. Quanta humildade e bondade da parte do Senhor!

 

Não é, porventura, o que acontece cotidianamente nos dias atuais? Muitas pessoas, inclusive cristãs, desprezam e ridicularizam a bendita Palavra de Deus, preferindo os “pratos da culinária do velho Egito, cheios de temperos que fazem mal"? Ainda assim, o Senhor, cheio de compaixão, continua batendo à porta e dizendo: Eu quero cear com vocês (Ap 3.20).

 

  1. A serpente de bronze (Jo 3.14).

Em João 3.14, Jesus declara que a serpente de bronze que foi Levantada, por Moisés, no deserto, era um tipo dEle. Esse objeto de metaL era a alternativa de cura para todos aqueles que fossem mordidos pelas serpentes venenosas. A desobediência do povo suscitou aquele juízo divino. Isso revela que o deserto é um lugar perigoso, mas se o caminhante estiver sempre olhando para Cristo, não sofrerá dano irreversível, mortal, ainda que, ocasionalmente, sofra algum revés.

 

Pense!

Será que se pode acreditar, de fato, que o Deus que conduziu seu povo ao deserto para o humilhar está, realmente, com ele todos os dias?

 

Ponto Importante

Os tipos de Cristo, durante a travessia pelo deserto, demonstram claramente o cumprimento da promessa: “Não te deixarei, nem te desampararei" (Hb 13.5).

 

SUBSÍDIO 1

“[...] todo material em Números — ritualístico, legal, narrativo e até mesmo as informações estatísticas — giram em tomo do tema universal da santidade, Childs observa: 'Apesar da diversidade de assuntos e da complexa estrutura literária, o livro de Números mantém uma interpretação sacerdotal unificada da vontade de Deus para o seu povo, a qual é exposta em um nítido contraste entre o santo e o profano’. Sinto-me mais inclinado a aceitar a avaliação de Childs que a defendida por aqueles que veem Números como uma coletânea aleatória de materiais

 

A primeira parte cobre a geração de israelitas que saiu do Egito, dos quais ninguém conseguiu chegar a Canaã (com exceção de Josué e Calebe). Pereceram no deserto por causa de sua incessante desobediência e pecaminosidade. A outra parte cobre a geração que nasceu no deserto, segunda geração, os quais entrariam em Canaã sob a liderança de Josué e para quem Deuteronômio foi escrito. Assim, para Olson, Números fala sobre a morte do que é velho (1 - 25) e o nascimento do que é novo (26-36), com Deus tendo de começar novamente" (HAMILTON, Victor P. Manual do Pentateuco: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, pp, 350,351).

 

SUBSÍDIO 2

Números 1

Moisés, tendo assim provido o que se referia ao culto a Deus e ao governo do povo, voltou a sua atenção para o que concernia à guerra, pois estava prevendo que a nação teria grandes lutas a sustentar, e começou por ordenar aos príncipes e aos chefes de tribos, exceto à de Levi, que fizessem um recenseamento exato de todos os que estavam em condições de pegar em armas [...]. Feito o recenseamento, constataram que 603.650 eram aptos. No lugar da tribo de Levi, Moisés pôs Manassés, filho de José, no número dos príncipes das tribos e Efraim no lugar de seu pai, José, segundo o que vimos, pois Jacó pedira a José que ele desse os dois filhos em adoção. O tabernáculo foi colocado no meio do acampamento, e três tribos postaram-se de cada lado, com grandes espaços entre elas. Escolheram um grande lugar para instalar o mercado, onde seria vendida toda espécie de mercadoria. Os negociantes e os artífices foram estabelecidos em suas tendas e oficinas com tal ordem que parecia uma cidade. Os sacerdotes e depois deles os levitas ocupavam os lugares mais próximos do tabernáculo. (JOSEFO, Flávio. História dos Hebreus: De Abraão à Queda de Jerusalém, 9.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p. 188).

 

CONCLUSÃO

O livro de Números retrata, de forma diversificada, os altos e baixos do relacionamento entre o povo de Israel e o Criador, durante a caminhada pelo deserto. Revela também as constantes advertências do Senhor a respeito da necessidade de santidade! Podemos perceber que é perigoso viver fora do padrão do Senhor, e que é uma bênção ter um coração alinhado ao dEle, como aconteceu com os crentes Josué e Calebe.

 

Lição 2 Os Preparativos para a Conquista

 

Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 13/01/2019 - Fonte: Lições Bíblicas de Jovens, CPAD | Divulgação: Subsídios EBD

 

TEXTO DO DIA

“Os filhos de Israel assentarão as suas tendas, cada um debaixo da sua

bandeira, segundo as insígnias da casa de seus pais; ao redor, defronte

da tenda da congregação, assentarão as suas tendas.” (Nm 2.2)

 

SÍNTESE

O povo de Deus deve viver em unidade, santidade, e também deve conhecer sua força e preparar-se para os embates da vida; sabendo, especialmente, que a vitória vem do Senhor.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Pv 21.31: O cristão deve se preparar para a batalha

TERÇA - At 17.30: Deus não leva em conta os tempos da ignorância

QUARTA - 1 Co 14.40: O cristão deve fazer tudo com decência e ordem

QUINTA - Hb 11.24: O cristão precisar reconhecer a quem pertence

SEXTA - At 20.24: O cristão deve ter uma vida de serviço

SÁBADO - 1 Pe 1.16: O cristão deve ter uma vida de santidade

 

OBJETIVOS

  • APRESENTAR o modelo social criado por Deus para os hebreus;
  • EXPLICAR como se deu o processo da formação da identidade nacional;
  • MOSTRAR o cuidado de Deus para com a vida espiritual dos hebreus ainda no deserto.

INTERAÇÃO

Professo (a), é imprescindível que haja um bom relacionamento entre os docentes de uma mesma classe, pois isso influencia diretamente no trabalho a ser realizado, como veremos nesta lição. Assim, a interação com seu (s) colega (s) docentes, logo no início do trimestre, será importantíssimo, a fim de ouvir e sugerir novas ideias, discutir o tema da revista, desenvolver estratégias e atividades para a classe. Invista tempo na construção de laços de amizades “em volta da Arca da Aliança”, pois trará um senso de propósito, unidade e pertencimento ainda mais forte. Com isso, será possível realizarem muito mais pela classe, uma vez que, ao planejar as atividades do trimestre e dividir as tarefas entre todos, ninguém ficará sobrecarregado e o trabalho será bem mais produtivo e dinâmico.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

Caro (a) professor(a), é importante que você utilize recursos didáticos em suas aulas, pois eles facilitam a aprendizagem. Por isso, procure apresentar gravuras a respeito dos costumes daquele tempo, tanto em Israel como no Egito, local da formação cultural daqueles mais de dois milhões de ex-escravos. Também é interessante a exibição de pequenos vídeos extraídos da internet, tudo isso para contextualizar, ainda mais, os alunos. Certamente será muito estimulante, para eles, compreenderem as circunstâncias históricas da lição. Faça, com criatividade que Deus lhes concedeu, com que seus alunos passem entre as tendas do acampamento hebreu. Ore, peça a Deus estratégias para que cada lição alcance a mente e o coração dos seus alunos.

 

TEXTO BÍBLICO

 

Números 1.1-4, 18,19, 52,53

1 Falou mais o SENHOR a Moisés, no deserto do Sinai, na tenda da congregação, no primeiro dia do segundo mês, no segundo ano da sua saída da terra do Egito, dizendo:

2 Tomai a soma de toda a congregação dos filhos de Israel, segundo as suas gerações, segundo a casa de seus pais, conforme o número dos nomes de todo varão, cabeça por cabeça;

3 da idade de vinte anos para cima, todos os que saem à guerra em Israel, a estes contareis segundo os seus exércitos, tu e Arão.

4 Estará convosco de cada tribo um homem que seja cabeça da casa de seus pais.

18 e ajuntaram toda a congregação no primeiro dia do segundo mês, e declararam a sua descendência segundo as suas famílias, segundo a casa de seus pais, pelo número dos nomes dos de vinte anos para cima, cabeça por cabeça;

19 como o SENHOR ordenara a Moisés, assim os contou no deserto do Sinai.

52 E os filhos de Israel assentarão as suas tendas, cada um no seu esquadrão e cada um junto à sua bandeira, segundo os seus exércitos.

53 Mas os levitas assentarão as suas tendas ao redor do tabernáculo do Testemunho, para que não haja indignação sobre a congregação dos filhos de Israel; pelo que os levitas terão o cuidado da guarda do tabernáculo do Testemunho.

 

 

 

INTRODUÇÃO

Os israelitas permaneceram no deserto do Sinai (após a história narrada em Êxodo), mas o lugar da manifestação de Deus tinha migrado do monte para a planície do deserto (Nm 3.14), onde estava o tabernáculo (erguido um mês antes - Êx 40.17; Nm 1.1). Nesse cenário, Deus levantou líderes para guiar o seu povo: Moisés, Arão (Nm 1.1,3) e um líder de cada tribo de Israel (Nm 1.4).  O Senhor mencionou-os nominalmente (Nm 1.5-15), declarando, que eles seriam “príncipes das tribos de seus pais” (Nm 1.16).

 

Os hebreus tinham potencial para conquistar o território de Canaã, mas lhes faltou humildade, obediência e fé, para seguirem até o fim. Todos aqueles líderes, nomeados por Deus, e seus companheiros, morreram no deserto. Começaram bem, mas terminaram mal. Por isso, os fatos narrados em Números devem ser cuidadosamente observados, pois trazem graves advertências para todos.

 

I - CRIANDO A ORDEM SOCIAL

 

  1. Censo para a guerra.

O livro de Números começa com o Senhor determinando a contagem dos israelitas aptos para a guerra, expressão repetida várias vezes em Números 1. O Senhor estava revelando, assim, que haveria guerras, pois os inimigos continuariam colocando obstáculos ao projeto de Deus, aliás, os israelitas já tinham lutado e vencido uma batalha contra os amalequitas (Êx 17.8-16).

 

Interessante que, mesmo com a promessa de Deus “[…] a tua semente possuirá a porta dos seus inimigos” (Gn 22.17), Israel precisava conhecer sua força militar e preparar-se para os embates futuros; crendo que o Senhor daria força, estratégia, e desenvoltura belicosa para guerrear e vencer os inimigos. Eles só não poderiam ficar inertes, pois a Terra Prometida seria conquistada com muito esforço. Definitivamente, a vida dos servos de Deus nunca foi, nem nunca será fácil.

 

 

  1. Censo sem discriminação.

Observa-se que a iniciativa do censo foi de Deus e não de Moisés (Nm 1.1,2). O Senhor anelava que eles se credenciassem, que assumissem a posição de guerreiros, afinal não eram mais escravos. Os que se sentissem aptos para o alistamento seriam agregados ao exército de Israel. Deus usaria a todos que se dispusessem a lutar.

 

O censo não seria feito levando em consideração a posição econômica, a intelectualidade, a força física ou outros requisitos; o objetivo era conhecer o número de jovens, “da idade de vinte anos para cima, capazes de sair à guerra em Israel” (Nm 1.2,3). Ninguém apto seria desprezado, demonstrando o princípio segundo o qual toda pessoa “nascida de novo” é um instrumento de Deus, pois certamente recebeu algum talento do Senhor (Mt 25.14-30).

 

  1. Senso organizacional.

Depois de fazer o censo, o Senhor ordenou como as tribos deveriam ser distribuídas no acampamento: a Norte, Sul, Leste e Oeste do tabernáculo, quer quando estivessem acampados, quer quando estivessem em marcha (Nm 2.1- 32). É impressionante como, ao longo das Escrituras Sagradas, Deus demonstrou ser extremamente detalhista e organizado. O improviso não faz parte do Reino de Deus. A descendência e o nome das famílias era importante para Deus, por isso foram contados nominalmente (Nm 1.18). A posição geográfica das tribos também foi determinada por Deus, certamente observando o número de pessoas em cada família. Isso nos mostra que o Senhor tem cuidado pelo seu povo e por sua obra, nada acontecendo por acaso ou coincidência. Deus sempre tem o controle de tudo e nenhum dos seus propósitos pode ser impedido (Jó 42.2).

 

Pense!

Se Deus não é afeito a improvisos, por que, às vezes, Ele age surpreendentemente, quebrando a ordem e frustrando expectativas?

 

Ponto Importante

Deus sempre tem um plano, e Ele nunca erra. As surpresas são apenas

para os homens que não conhecem a mente do Senhor. Ele, porém, já conhece o fim desde o começo.

 

 

II – CONSTRUINDO A IDENTIDADE NACIONAL

 

  1. Senso de pertencimento.

Ao analisar as determinações divinas, nos primeiros capítulos de Números, observa-se que Deus mostrou interesse com o senso de pertencimento social dos hebreus. Devido ao longo período em que viveram no Egito, esse censo foi eventualmente fragmentado. Assim, Deus determinou que as pessoas acampassem “junto ao seu estandarte, segundo as insígnias da casa de seus pais” (Nm 2.2). O senso de pertencimento deveria nortear todos.

 

A vida no acampamento deveria ser notoriamente comunitária, sem espaço para egocentrismos ou egoísmo, pois o Senhor já havia ordenado: “[…] amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor” (Lv 19.18). Cada clã deveria funcionar no afã de fazer o bem aos seus integrantes, mas também aos vizinhos, tudo em santidade e constante adoração a Deus, tendo o tabernáculo ao centro. Nas festas, nos descansos, nas viagens, nas guerras, as tribos sempre deveriam estar juntas. Afinal, onde existe amor, existe milagre! Quando Deus preside um ajuntamento, essa regra é imutável.

 

  1. Senso de serviço.

O livro de Gênesis mostra o homem perdendo a comunhão com Deus; no livro do Êxodo, a humanidade reencontra o caminho da comunhão; em Levítico, o homem é ensinado a respeito da verdadeira adoração e em Números, é ensinado a servir. Um novo comportamento começava a surgir, representado na expressão: “Assim fizeram os filhos de Israel; conforme tudo o que o Senhor ordenara a Moisés, assim o fizeram” (Nm 1.54).

 

Os filhos de Israel estavam acostumados a servir por obrigação, debaixo do jugo egípcio, mas agora eles deveriam aprender a servir uns aos outros em amor. Especialmente os levitas, que não trabalhavam secularmente e deveriam ser mantidos pelas demais tribos, bem como, e sobretudo, em relação ao santuário do Senhor. Isso seria uma bênção, já que, por intermédio do serviço ao próximo, e a Deus, as pessoas são aperfeiçoadas, pois, à proporção que elas se doam, em amor, vão morrendo um pouco mais para seus egoísmos e vaidades, e são vivificadas para com Deus. Os hebreus precisavam aprender a servir a Deus e ao próximo.

 

  1. Senso de reverência sacerdotal.

Deus escolheu a tribo de Levi como a sua propriedade particular, fazendo com que seus membros não trabalhassem, nem fossem à guerra, mas que cuidassem exclusivamente da manutenção e das celebrações do santuário. Isso, possivelmente, foi um choque cultural para aquela nação de ex-escravos. Entretanto, em nenhum momento do Pentateuco, registra-se qualquer tipo de incômodo contra esse “privilégio” levítico. A distinção estabelecida por Deus foi plenamente admitida, conforme está escrito: “[…] conforme tudo o que o SENHOR ordenara a Moisés acerca dos levitas, assim os filhos de Israel lhes fizeram” (Nm 8.20).

 

Dessa forma, em regra, as demais tribos reverenciavam a função sacerdotal da tribo levítica, não obstante tenham se rebelado especificamente contra Moisés e Arão em algumas oportunidades.

Pense!

A construção da identidade nacional dos filhos de Israel aconteceu por contingências sociais ou por intervenção divina?

 

Ponto Importante

Todos os detalhes que levaram à construção da identidade dos filhos de

Israel como nação foram estabelecidos diretamente por Deus; concluindo, assim, que foi um grande milagre.

 

 

III – CUIDANDO DA VIDA ESPIRITUAL

 

  1. A importância dos levitas.

Antes de conquistar a Terra Prometida, Deus determinou um levantamento numérico dos guerreiros, organizou o acampamento e mostrou como seriam os deslocamentos. Ele incutiu na mente do povo o senso de pertencimento social e a necessidade do serviço no tabernáculo e ao próximo, além de criar um serviço de assistência aos levitas. Assim, em linhas gerais, a vida social e político-administrativa dos filhos de Israel estava bem encaminhada formalmente, mas ainda precisavam ser estabelecidos alguns princípios religiosos. Para o ensino e a função sacerdotal, o Senhor escolheu a tribo de Levi (Nm 3.11,12). Isso era de vital importância, pois os hebreus precisavam ser ensinados a respeito da Lei do Senhor, recentemente dada no Sinai, para que vivessem em serviço e santidade, pois só assim teriam uma jornada vitoriosa.

 

  1. Vida espiritual no centro.

Em Números 2.2 Deus determinou que a “tenda da congregação” ficasse localizada no meio do acampamento, quer o arraial estivesse em deslocamento, quer não, obviamente por ser aquele o lugar mais protegido e importante. O Senhor estava mostrando ao povo que a vida espiritual (representada pelo santuário móvel) constituía-se no bem mais precioso daquela jornada, por isso deveria estar no centro.

 

Eles deveriam ter levado aquela verdade a sério, pois nela residia toda a esperança de sucesso, enquanto nação, daqueles ex-escravos. Deus estava ensinando que a vitória acha-se em permitir que o Senhor ocupe o lugar mais nobre — o centro de tudo. Estratégia, planejamento operacional, coragem, força e capacidade intelectual são importantes, mas o segredo da prosperidade — para o crente — está em entregar a Deus o primeiro lugar na vida (Mt 6.33).

 

  1. Vivendo para servir.

Quando os filhos de Israel saíram do Egito não tinham regras a seguir, mas agora o Senhor ensinava um novo padrão doutrinário e cultural que eles deveriam adotar. Era o início, o nascedouro da cosmovisão judaico-cristã.

 

O Senhor estabeleceu muitas (e detalhadas) regras para que, por elas, o povo desenvolvesse uma vida plena de santidade e serviço. Não é por acaso que entre os capítulos 3 e 9 de Números, o Espírito Santo ensinou inúmeras condutas que envolviam tanto a celebração cultual como o dia a dia do povo, — Deus estava deixando muito claro sobre a necessidade de os hebreus viverem no centro da sua vontade.

 

Pense!

Os israelitas estavam preparados para seguir um novo padrão de comportamento como o ditado no Monte Sinai?

 

Ponto Importante

As leis dadas por Deus, no Sinai, não eram duras, mas justas e visavam evitar que os hebreus morressem no deserto.

 

SUBSÍDIO

“Você já percebeu que tudo depende da visão? O saudoso reverendo Myles Munroe ensinava que ‘o maior dom que Deus deu ao homem não foi o dom da vista, mas o dom da visão. A vista é uma função dos olhos, mas a visão é uma função do coração. Com a vista vemos o que é, mas com a visão vemos o que poderia ser. Com a vista enxergamos apenas o que está diante dos nossos olhos. Com a visão enxergamos além do que nossos olhos físicos podem ver’. O apóstolo Paulo nos orienta a não viver por vista, mas sim por fé, ou seja, pela visão que nos é dada por Deus.

 

Um líder sem visão é fadado ao fracasso. Onde não há visão o povo perece. É fantástico aprender do próprio Cristo a importância de se tornar um líder com visão. O primeiro passo de um líder cristão que deseja ser um visionário, é uma entrega total ao Senhor. Somente uma vida de intimidade e total dependência de Deus podem consolidar os direcionamentos certos para uma liderança eficaz. Se o líder busca em Deus a sabedoria para construir seus projetos não há como as coisas saírem erradas” (LINS, Luaran. Chamados para Liderar: Um Guia Prático para Líderes de Adolescentes e Jovens. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2017, p.17).

 

CONCLUSÃO

Como visto, os preparativos da viagem no deserto incluíam organização, estratégia, sentimento de unidade entre as tribos, mas, principalmente, o desenvolvimento de um profundo senso de compromisso do povo com Deus e a sua Palavra. O Senhor tinha chamado o seu filho do Egito e, por isso, estava ensinando-o a andar e dando-lhe mantimento, mas quanto mais o atraía, mas se ia de sua face (Os 11.1-4).

 

 

Lição 3: Santidade - Requisito para a Conquista

Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 20/01/2019 - Fonte: Lições Bíblicas de Jovens, CPAD | Divulgação: Subsídios EBD

 

TEXTO DO DIA

“E não profanareis o meu santo nome, para que eu seja santificado no meio dos filhos de Israel. Eu sou o SENHOR que vos santifico.” (Lv 22.32)

SÍNTESE

A busca pela santidade é o requisito primordial para a preservação da salvação.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Hb 12.14 Santidade, um alvo a ser perseguido

TERÇA - 1 Pe 1.2 Santidade, um alvo do Espírito Santo em nós QUARTA - Gl 5.16-21 Santidade para não dar lugar às obras da carne QUINTA - 2 Co 7.1 Santidade, uma virtude a ser aperfeiçoada

SEXTA - 1 Ts 4.3 Santidade, a vontade de Deus

SÁBADO- 1 Pe 1.16 Santidade, a essência de Deus

 

OBJETIVOS

  • DISCORRER a respeito da natureza das leis repetidas pelo Senhor no deserto do Sinai;
  • EXPLICAR o teor da bênção sacerdotal, o valor espiritual das ofertas e a grandeza da consagração levítica;
  • DEMONSTRAR a importância da comunhão com Deus no deserto.

 

INTERAÇÃO

Considerando que os encontros com seus alunos acontecem somente nos domingos, busque uma maior interação com eles durante toda a semana, por intermédio das redes sociais. A comunicação virtual pode ser bastante útil para estimular o estudo prévio da lição, como por exemplo-convidar os alunos faltosos para as aulas, parabenizar os aniversariantes, etc. Use sua criatividade, conquiste seus alunos, pois muitos deles estão ávidos pelo estudo da Palavra de Deus.

 

Ore e peça ao Senhor que lhe conceda estratégias para fortalecer o elo de amizade e comunhão com os alunos. Peça também sabedoria para cuidar daqueles que por ventura desfaleceram pelo caminho e estão sem forças para prosseguirem.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

 

 Professor (a), para desenvolver o primeiro tópico da lição, escreva no quadro a palavra “pureza”. Em seguida pergunte aos alunos o que vem a mente deles quando ouvem essa palavra. À medida que forem falando vá relacionando as palavras no quadro. Em seguida procure relacionar as palavras citadas pelos alunos e o significado delas.

 

Depois faça a seguinte indagação: “Qual é o antônimo de pureza?” Após reproduza o esquema abaixo no quadro e explique o significado real da palavra e o seu antônimo. Em seguida peça que leiam o Texto do Dia. Diga que Deus é santo e exige santidade dos seus filhos (as). Mostre que a falta de santidade impede a nossa comunhão, o nosso relacionamento com Deus.

PUREZA

SIGNIFICADO

ANTÔNIMO

Condição, estado ou qualidade do que é puro, límpido, não tem mistura ou impurezas.

Impureza, que não é ou não está limpo; coberto de sujeira.

 

TEXTO DO DIA

Números 7.1-7

1 E esta é a lei da expiação da culpa; coisa santíssima é.

2 No lugar onde degolam o holocausto, degolarão a oferta pela expiação da culpa, e o seu sangue se espargirá sobre o altar em redor.

3 E dela se oferecerá toda a sua gordura, a cauda e a gordura que cobre a fressura;

4 também ambos os rins e a gordura que neles há, que está sobre as tripas; e o redenho sobre o fígado, com os rins, se tirará.

5 E o sacerdote o queimará sobre o altar em oferta queimada ao SENHOR; expiação da culpa é.

6 Todo varão entre os sacerdotes a comerá; no lugar santo se comerá; coisa santíssima é.

7 Como a oferta pela expiação do pecado, assim será a oferta pela expiação da culpa; uma mesma lei haverá para elas: será do sacerdote que houver feito propiciação com ela.

 

INTRODUÇÃO

Paulo disse que não se aborrecia em fazer as mesmas advertências, porque era segurança para os crentes (Fp 3.1). O Senhor, igualmente, no deserto do Sinai, depois de algumas providências administrativas, também repetiu várias leis (Nm 1 e 2). Deus estava advertindo os filhos de Israel que, para chegarem à Canaã, era preciso obedecerem à sua Palavra, o que propiciaria àquele povo o padrão de plenitude moral exigido pelo Senhor, conduzindo-os a um estado doutrinário e cultural marcado pela pureza — viveriam em santidade. Deus, naquele momento, estava apontando fortemente para a santidade dos hebreus, virtude sobre a qual não havia nenhum referencial no Egito; porém, agora, o Senhor expedira muitas determinações comportamentais. Os filhos de Israel, assim, tinham um grande desafio pela frente — o maior — serem santos. Se eles vencessem esta guerra interior contra o pecado, a Terra Prometida seria conquistada gloriosamente.

 

 

 

I - A REPETIÇÃO DE ADVERTÊNCIAS

 

  1. Pureza social.

O processo, ou caminho, para se chegar à santidade chama-se santificação. É uma estrada interminável. Somente quando se chegar ao Céu é que se alcançará a estatura de varão perfeito. Nesse sentido, os descendentes de Abraão tinham muito o que aprender.

 

Em Número 5.1-10 o Senhor tratou a respeito da pureza social. Deus, portanto, para proteger o seu povo, determinou que os contaminados pela lepra, ou por fluxo corporal ou por terem tocado num morto, fossem lançados fora do arraial; bem como tratou acerca da restituição de quem causasse prejuízo a outrem. O povo de Deus tinha de ter pureza em todos os aspectos. Assim, os hebreus deveriam se livrar de “toda a aparência do mal”, de tudo o que fosse prejudicial ao espírito, à alma ou ao corpo.

 

O cuidado de Deus era para que houvesse uma normatização justa das relações sociais. Dessa forma, os que aparentavam algum tipo de “contaminação” biológica deveriam ser apartados do povo até que ficassem purificados; e os que tivessem comportamento inadequado, restituíssem devidamente aos prejudicados. Não é demais lembrar de que, como diz 1 Coríntios 10.6: “E essas coisas foram-nos feitas em figura [...]”.

 

  1. Pureza nos relacionamentos.

Em Números 5.11-31 o Espírito do Senhor tratou a respeito da pureza no casamento. Essa lei era muito valiosa para as famílias, pois evitava que as esposas sofressem injúrias ou difamações levianas.

 

Na família de uma nação santa, os cônjuges precisavam viver em paz, sem acusações infundadas. Ainda que o procedimento prescrito por Deus pareça rudimentar, era o único compatível em face da dureza de coração dos hebreus, conforme Jesus mencionou (Mt 19.8).

 

  1. Pureza espiritual.

Em Números 6.1-21, Deus estabeleceu o padrão da pureza espiritual, para quem quisesse consagrar-se a Ele — o nazireado. Impressiona como, nos dias atuais, as pessoas querem servir a Deus de qualquer maneira. A mulher, de acordo com o texto sagrado, também podia fazer voto de nazireado (Nm 6.1,2).

 

Pense!

Na Igreja de Cristo, a mulher tem importantes tarefas na expansão do Reino de Deus.

 

Ponto Importante

Homens e mulheres são iguais perante Deus.

 

 

 

II - O CAMINHO DA CONSAGRAÇÃO

 

  1. A bênção de Deus.

O acampamento estava em ordem e os israelitas encontravam-se preparados para marchar. Nesse cenário, Deus relembrou algumas leis que versavam sobre a santidade do seu povo no aspecto social, relacional e espiritual (havia inúmeras outras leis, mas o Espírito Santo fez questão de repetir essas). Deus mostrara o caminho da consagração.

 

Num primeiro instante, “o SENHOR, que ama a prosperidade do seu servo” (Sl 35.27), ensinou que os sacerdotes deveriam abençoar os filhos de Israel da maneira mais ampla possível, de modo que o seu nome trouxesse proteção, presença e paz através das palavras proferidas pelos sacerdotes (Nm 6.24-26). Observa-se que, com a bênção sacerdotal, o Senhor vinculava seu nome, ou seja, seu caráter, ao povo de Israel.

 

Na oração do “Pai Nosso”, Jesus fez o mesmo quando ensinou seus discípulos a orarem dizendo: “[...] santificado seja o teu nome” (Mt 6.9).

 

Quando, tempos depois, Balaão, o falso profeta, tentou amaldiçoar o povo de Israel, teve de pronunciar as seguintes palavras: “Não viu iniquidade em Israel, nem contemplou maldade em Jacó; o SENHOR, seu Deus, é com ele e nele, e entre eles se ouve o alarido de um rei. Deus os tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio. Pois contra Jacó não vale encantamento, nem adivinhação contra Israel; neste tempo se dirá de Jacó e de Israel: Que coisas Deus tem feito!” (Nm 23.21-23). Somente uma coisa poderia trazer desgraça ao povo: o pecado. Enquanto o Senhor não contemplasse iniquidade em Israel, o seu meu nome estaria sobre os filhos de Israel, e Ele os abençoaria (Nm 6.27).

 

  1. A bem-aventurança do doar.

Os 88 primeiros versículos de Números 7 informam uma longa lista de ofertas trazidas em doze cultos, mencionando o dia em que cada um dos príncipes das tribos as deveria apresentar. Elas eram iguais, mas Deus — que não esquece do trabalho das mãos dos seus servos — fez questão de especificar as contribuições individualmente. O Senhor estava satisfeito com a voluntariedade do povo e, por isso, registrou tudo. Em consequência, no versículo seguinte está escrito a respeito da aprovação de Deus, ao se mencionar que “quando Moisés entrava na tenda da congregação para falar com o SENHOR, então, ouvia a voz que lhe falava de cima do propiciatório, que está sobre a arca do Testemunho entre os dois querubins; assim com ele falava” (Nm 7.89). Ele é galardoador dos que o buscam (Hb 11.6). A questão relevante a respeito das ofertas dos israelitas não era a quantidade somente, mas também a voluntariedade e alegria com que eram trazidas.

 

  1. Obediência no chamado.

Em Números 8 o Altíssimo demonstra que o caminho da consagração do povo passa pela obediência ao chamado e, consequentemente, a purificação dos levitas. Interessante que, em primeiro lugar, o Senhor determina que Arão acenda as lâmpadas; uma vez o santuário iluminado, o ritual de purificação dos levitas, por Moisés, começaria. Tudo no santuário deveria ser feito às claras, sob a orientação de Deus.

 

Concluída a ordem divina, “[...] vieram os levitas, para exercerem o seu ministério na tenda da congregação, perante Arão e perante os seus filhos; como o SENHOR ordenara a Moisés acerca dos levitas, assim lhes fizeram” (Nm 8.22). Os levitas não podiam estar diante do povo pelas suas próprias justiças, mas somente após terem os pecados “cobertos” pelo sangue da expiação de um animal, que apontava para o sacrifício perfeito de Cristo. Com isso, eles foram aceitos diante de Deus, e o povo foi abençoado.

 

Pense!

Por que Deus estabeleceu tantas regras para receber a adoração do seu povo? Não poderia ser mais simples?

 

Ponto Importante

A Queda deixou tudo complicado para o homem. A única forma de resolver o problema do pecado era Deus assumi-lo em nosso lugar através de Jesus Cristo.

 

III - COMUNHÃO NO DESERTO

 

  1. Tempo de comunhão.

Os filhos de Israel estavam no deserto do Sinai; o censo já havia sido feito, e o lugar de cada tribo no acampamento já havia sido determinado. Então eles foram lembrados a respeito de algumas leis e Arão e os levitas foram consagrados. Agora, o Todo-Poderoso deseja abençoá-los e cultivar a comunhão com eles.

 

 

 

O capítulo 9 do livro de Números mostra uma nova etapa do relacionamento do povo com Deus. Para marcar esse tempo, Deus ordena: “No dia catorze deste mês, pela tarde, a seu tempo determinado a celebrareis; segundo todos os seus estatutos e segundo todos os seus ritos, a celebrareis” (Nm 9.3). Serão momentos de festa e alegria, mas as regras, os estatutos, também não poderiam ser esquecidos. Por que, então, há pessoas que querem servir a Deus sem se submeterem à normas ou regras?

 

  1. Exigência divina.

Em Números 9.6-13, vemos que Deus ordenou a celebração da Páscoa, porém alguns homens reconheceram que não estavam preparados para tal celebração. O que fazer? Deus respondeu que não dispensaria a adoração deles, providenciando, por isso, um dia alternativo para a comunhão, pois todos são importantes diante do Pai.

 

Impressionante como, por vezes, alguns cristãos deixam de participar da Ceia do Senhor por qualquer outro compromisso. Deus levava a festa da Páscoa (que Jesus celebrou como a ordenança da Ceia) tão a sério que, caso alguém faltasse sem justificativa plausível, deveria ser eliminado do povo.

 

  1. Igualdade dos adoradores.

Quando os hebreus saíram do Egito veio também uma multidão de pessoas gentias com eles. Deus, nesse momento de comunhão no deserto, lembrou-se delas: “E, quando um estrangeiro peregrinar entre vós e também celebrar a Páscoa ao Senhor, segundo o estatuto da Páscoa e segundo o seu rito, assim a celebrará; um mesmo estatuto haverá para vós, para o estrangeiro como para o natural da terra” (Nm 9.14). Há igualdade entre os adoradores, pois Deus não têm filhos prediletos. Aqueles que se achegam a Ele, independente de suas etnias, são recebidos alegremente pelo Pai amoroso.

 

Pense!

Por que o Senhor escolheu o deserto para ter comunhão com seu povo? Não teria sido melhor um lugar mais confortável?

 

Ponto Importante

Deus, às vezes, deseja que seus servos “reduzam a marcha” e sentem-se à mesa com Ele; neste caso, o deserto é o lugar ideal, porque lá tem poucas distrações.

SUBSÍDIO 1

As ofertas dos príncipes (Nm 7.1-9).

 

Aqui está a oferta dos príncipes das tribos para o serviço do Tabernáculo. Quando isto ocorreu: Não antes que o Tabernáculo tivesse sido completamente erigido. Quando todas as coisas já estavam concluídas, no Tabernáculo, e o arraial de Israel, que o rodeava, estava de acordo com as instruções recebidas, então eles, trouxeram seus presentes, aproximadamente no oitavo dia do segundo mês. Observe que as cerimônias necessárias sempre devem tomar o lugar das ofertas voluntárias: primeiramente, aquelas, e então, estas.

 

Quem os oferecia: Os príncipes de Israel, os cabeças da casa de seus pais, v. 2. Observe que aqueles que estão acima de outros, em poder e dignidade, devem ir à frente deles, e esforçar-se para ir além deles, em tudo o que é bom. Quanto mais alguém é promovido, mais se espera dele, por causa da maior oportunidade que tem de servir a Deus e à sua geração. Para que servem a riqueza e a autoridade, se não para capacitar um homem a fazer o bem ao mundo, em muito maior quantidade?

 

O que foi oferecido: Seis carros cobertos, cada um deles com um jugo de bois que o puxava, v. 3. Sem dúvida, estes carros estavam em conformidade com os demais utensílios do Tabernáculo, e seus acessórios, os melhores do seu gênero, como as carruagens que os grandes príncipes usam quando saem em seus desfiles” (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico: Antigo Testamento, Gênesis a Deuteronômio. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, pp. 459,460).

 

SUBSÍDIO 2

Através de Abraão e sua semente, Deus formaria uma nação sagrada, pela qual sua glória seria manifestada em toda a terra. Ele deu a essa nação um conjunto de leis e normas únicas e gloriosas para viver; princípios maravilhosos de santidade e divindade que seus filhos deveriam obedecer com todo coração, alma, mente, força, pois eles amavam o autor. A glória de Deus seria revelada através das bênçãos que Ele conferiu ao seu povo obediente. Porém, a desobediência levaria à disciplina e o castigo [...].

 

Sabemos o que aconteceu. Israel preferiu desobedecer [...]. A falta de santidade conduz à inutilidade do Reino de Deus. Sempre foi assim, e sempre será. A santidade é para um cristão o que a segurança contra a água é para um navio. Mas o objetivo de um navio de guerra não é simplesmente manter a água fora do seu casco. Seu propósito é entrar na guerra, lutar e trabalhar para conseguir a vitória. Não entrar na batalha torna o navio inútil à nação que o construiu, e o cristão que não entra na guerra pelas almas dos homens torna a crença inútil. Ele deve se envolver na batalha para a qual o Pai o chamou (DANIELS, Robert. Pureza Sexual. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD: 2011, pp. 41,42,47,50).

 

CONCLUSÃO

Deus criou mecanismos para que os hebreus entrassem pelo caminho da perfeição moral e da pureza, mas eles, ao contrário, amaram os deleites do Egito. Se a busca pela santidade tivesse se tornado a coisa mais importante para eles, o fim da história dos que atravessaram o mar Vermelho seria diferente. Com isso, é pertinente inquirir: “O que é mais vantajoso: viver em santidade ou em constante anelo pelos desejos carnais?”

 

Lição 4- A Presença de Deus no Deserto

 

Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 27/01/2019 - Fonte: Lições Bíblicas de Jovens, CPAD | TEXTO DO DIA

“Ou, quando a nuvem sobre o tabernáculo se detinha dois dias, ou um mês, ou um ano, ficando sobre ele, então, os filhos de Israel se alojavam e não partiam; e, alçando-se ela, partiam.” (Nm 9.22)

 

SÍNTESE

A presença de Deus no meio do povo era garantia de segurança, alegria e descanso. Pois, caminhar pelo deserto envolvia correr perigos dos mais diversos.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Sl 140.13: Na presença de Deus, somente os retos habitarão

TERÇA - Sl 31.20: Presença de Deus, lugar de esconderijo

QUARTA - Sl 16.11: Presença de Deus, lugar de alegria

QUINTA - Gn 4.16: Sair da presença de Deus, uma grande tragédia

SEXTA - Sl 68.7,8: A presença de Deus faz tremer a terra

SÁBADO - Êx 33.14: A presença de Deus traz descanso

 

OBJETIVOS

  • MOSTRAR como Deus se manifestou ao povo no deserto, e como os hebreus, a princípio, obedeceram voluntariamente o mover da nuvem e da coluna de fogo;
  • EXPLICAR como foi o início da caminhada no deserto e os primeiros pecados do povo;
  • COMPREENDER como Deus orientou a Moisés para que ele escolhesse setenta cooperadores.

 

 

 

 

INTERAÇÃO

Professor (a), é imprescindível haver um bom relacionamento entre os docentes de uma mesma classe, pois isso influencia diretamente no trabalho a ser realizado.

 

Assim sendo, agende uma reunião com seu(s) colega(s), a fim de ouvir e sugerir novas ideias, discutir o tema do trimestre, desenvolver estratégias e atividades para a classe, etc. Faça desse um momento de interação e estreitamento de laços, independente de quantos professores existam na classe. Todos devem trabalhar com um só propósito, o que só é possível se houver um bom diálogo. Assim, realizarão muito mais pela classe, uma vez que, ao planejar as atividades do trimestre e dividir as tarefas entre todos, ninguém ficará sobrecarregado e o trabalho será bem mais dinâmico.

 

VEJA TAMBÉM

1) Novas Lições de Adultos – Clique Aqui

2) Novas Lições de Jovens - Clique Aqui

3) Subsídios Jovens e Adultos - Clique Aqui

Áudio Lição

 

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Peça que os alunos relatem, de forma resumida, alguns testemunhos de heróis e heroínas da fé. Homens e mulheres que viveram em santidade diante do Senhor e como a glória de Deus se manifestou em suas vidas.

 

Reflita com os alunos a respeito do elo que existe entre santificação e a manifestação da presença de Deus, como mencionado nos testemunhos. Conclua dizendo que, a santidade é o requisito principal para ser cheio (a) do Espírito Santo. Assim, os alunos compreenderão porque, na narrativa de Números, a menção a leis e regras para a santificação de todos, antecederam o aparecimento da nuvem da presença. Essa conversa deve abrir a discussão a respeito do tema da aula de hoje, que vai tratar a respeito da presença de Deus no deserto.

 

 

 

 

TEXTO BÍBLICO

Números 9.15-22

15      E, no dia de levantar o tabernáculo, a nuvem cobriu o tabernáculo sobre a tenda do Testemunho; e, à tarde, estava sobre o tabernáculo como uma aparência de fogo até à manhã.

 

16      Assim era de contínuo: a nuvem o cobria, e, de noite, havia aparência de fogo.

 

17      Mas, sempre que a nuvem se alçava sobre a tenda, os filhos de Israel após ela partiam; e, no lugar onde a nuvem parava, ali os filhos de Israel assentavam o seu arraial.

 

18      Segundo o dito do SENHOR, os filhos de Israel partiam e segundo o dito do SENHOR assentavam o arraial; todos os dias em que a nuvem parava sobre o tabernáculo, assentavam o arraial.

 

19      E, quando a nuvem se detinha muitos dias sobre o tabernáculo, então, os filhos de Israel tinham cuidado da guarda do SENHOR e não partiam.

 

20      E era que, quando a nuvem poucos dias estava sobre o tabernáculo, segundo o dito do SENHOR, se alojavam e, segundo o dito do SENHOR, partiam.

 

21      Porém era que, quando a nuvem desde a tarde até à manhã ficava ali e a nuvem se alçava pela manhã, então, partiam; quer de dia quer de noite, alçando-se a nuvem, partiam.

 

22      Ou, quando a nuvem sobre o tabernáculo se detinha dois dias, ou um mês, ou um ano, ficando sobre ele, então, os filhos de Israel se alojavam e não partiam; e, alçando-se ela, partiam.

 

INTRODUÇÃO

Caminhando com Deus, pelo deserto, o povo estava aprendendo uma lição espiritual a cada dia. As diversas leis tinham o objetivo de mostrar que um Deus santo requeria um povo santo (Lv 20.7). Entretanto, as pessoas que saíram do Egito não tinham noção dessa exigência divina e foram conhecendo o caráter de Deus à proporção que seguiam rumo à Canaã.

 

Um ano depois da saída do Egito, os hebreus estavam tendo uma nova revelação a respeito da presença de Deus. O Senhor estava com eles, acompanhando-os numa coluna de fogo nas noites congelantes do deserto e, durante os dias, sob o sol escaldante de um dos lugares mais quentes do mundo, uma monumental nuvem trazia refrigério para milhões de pessoas. O Altíssimo, carinhosamente, fazia-os viver em uma temperatura agradabilíssima, podendo eles, assim, desfrutarem de uma paisagem inigualável, de dia ou de noite. Com o movimento da nuvem ou coluna de fogo, Deus indicava o momento de parar a caminhada e de prosseguir.

 

I - A NUVEM E A COLUNA DE FOGO

 

 

 

  1. A presença contínua.

Quando o povo levantou o tabernáculo, o qual foi feito conforme o modelo dado por Deus no monte Sinai, a nuvem da presença do Senhor surgiu gloriosamente (Nm 9.15). Os milhões de peregrinos que estavam ao redor do tabernáculo, nas suas respectivas tribos, entenderam perfeitamente que se tratava de uma manifestação divina.

 

No fim da tarde, quando o sol declinava e a temperatura começava a cair, outro milagre acontecia: a nuvem ficava com uma aparência de fogo, permanecendo assim até pela manhã, quando, novamente, voltava a ser um refúgio contra o sol. Esse processo perdurou, continuamente, por quase 40 anos (Nm 9.16). O Senhor estava testemunhando a todo o povo: “E eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra, porque te não deixarei, até que te haja feito o que te tenho dito” (Gn 28.15).

 

  1. O mover imprevisível.

O texto de Números 9.17-23 fala a respeito do mover imprevisível de Deus, representado nos deslocamentos da nuvem e da coluna de fogo. Impressionante como o Espírito Santo, que inspirou os escritores bíblicos, fez questão de mencionar que, às vezes, o referencial da presença de Deus permanecia no mesmo lugar um ano ou, inexplicavelmente, menos de um dia.

 

Interessante perceber, também, que não havia nenhum fenômeno natural perceptível que antecedesse os movimentos vertical (subida e descida sobre o tabernáculo) e horizontal (mudança geográfica) da nuvem ou da coluna de fogo. O Senhor, por sua soberania, de dia ou de noite, sem mandar qualquer aviso, simplesmente transferia o lugar da nuvem ou a coluna de fogo. Não havia, nem há, paradigmas para entender o mover de Deus. Porventura, nos dias atuais, não é com a mesma imprevisibilidade e aparente ilogicidade eventual que Deus age?

 

  1. A obediência voluntária.

Deus estava treinando os israelitas para que eles, com alegria, aprendessem a obedecer ao Senhor. Vale lembrar que, repetidamente, as Escrituras dizem que eles eram rebeldes ou de “dura cerviz” (Dt 10.16; Jr 7.26; Mc 10.5; At 7.51). Assim, por vezes, a nuvem passava um longo período parada e, depois, numa sequência inesperada, era transferida de lugar rapidamente, mas o povo a seguia, como se vê: “Segundo o dito do SENHOR, se alojavam e, segundo o dito do SENHOR, partiam; da guarda do SENHOR tinham cuidado, segundo o dito do SENHOR pela mão de Moisés” (Nm 9.23).

 

Os que servem a Deus devem aprender a obedecer voluntariamente ao Senhor, de todo coração, como Davi recomendou a Salomão (1 Cr 28.9), para que tenham vitória nas grandes lutas que travarem. A obediência

é um segredo, uma bússola, um mapa e um caminho. Andar por ela é sinal de sabedoria, humildade, fé e sempre produz os resultados da verdadeira prosperidade na vida.

 

Pense!

Vale a pena obedecer a Deus mesmo quando aquilo que Ele requer aparenta ser irracional ou ilógico?

 

Ponto Importante

Fazer a vontade de Deus sempre é a melhor decisão para seu povo, sob quaisquer circunstâncias, pois o Senhor é o sumo bem e Ele jamais se equivoca.

 

Veja também:

 

II - O INÍCIO DA CAMINHADA

 

  1. A ordem para marchar (10.11-13).

Deus possui um aguçado senso de beleza e organização, entretanto esse traço de seu caráter justifica-se não apenas pela estética e estratégia de suas determinações, mas sobretudo em face do grande amor pelo seu povo.

 

O Senhor mandou fazer duas trombetas de prata, uma sofisticada obra de arte (a prata era depurada no fogo, daí por que é símbolo da redenção na Bíblia), as quais serviam para conclamar o povo para se reunir e dar o sinal de partida do acampamento, tudo muito organizado. Entretanto, mais adiante, Deus disse que as trombetas também seriam tocadas quando os israelitas estivessem em dificuldades (o toque das trombetas era uma verdadeira oração) e nas festas religiosas (Nm 10.2, 9,10). Dessa forma, o início de toda caminhada era marcado, simbolicamente, por um momento de oração. O toque das trombetas movia o coração de Deus em favor do povo e o Senhor se lembrava da aliança firmada. A promessa de Deus, feita desde os dias do patriarca Abraão, seria cumprida, pois Deus é fiel.

 

  1. Confiança do líder abalada (10.29).

Em meio a tantas demonstrações eloquentes do cuidado de Deus, percebe-se uma falta de confiança do líder Moisés, pois convidou Hobabe, seu cunhado, para guiar o povo nos caminhos do deserto (Nm 10.29-32). Ora, a presença de Deus, representada na nuvem e na coluna de fogo, sinalizava perfeitamente quando o povo deveria acampar e seguir viagem, e qual rota percorrer, mas Moisés entendeu que seria bom ter alguém com experiência para “ser seus olhos” e socorrê-los em tempo oportuno. Mas, o Senhor compreendeu a fraqueza do líder e sequer o repreendeu. Moisés também precisava aprender a confiar. Vê-se, porém, que em nenhum outro momento Hobabe é mencionado nas Escrituras, dando provas que o convite de Moisés foi estéril e inócuo. Deus é quem comanda e guia os passos do seu povo.

 

  1. O pecado da murmuração (11.1-10).

Na caminhada dos hebreus pelo deserto, o Senhor sempre esteve presente cuidando do seu povo, mas, como visto anteriormente é inevitável que as fraquezas dos líderes apareçam e, infelizmente, também, existam rebeliões. Em Números 11.1-10 diz-se que aconteceu murmuração no meio do povo por causa da comida (toda murmuração dirige-se, em primeiro plano, contra Deus) e o Senhor levou em consideração as palavras proferidas a tal ponto que muitos israelitas morreram como castigo pela rebelião.

 

Judas escreveu a respeito de alguns indivíduos não recomendáveis que eram “murmuradores, queixosos da sua sorte, andando segundo as suas concupiscências, e cuja boca diz coisas mui arrogantes, admirando as pessoas por causa do interesse” (Jd 16). Certamente o que os israelitas fizeram foi muito grave diante do Senhor, pois a Bíblia diz que a maldição não vem sem causa (Pv 26.2). Importante que cada cristão aprenda a ser agradecido, de todo coração, e nunca despreze o “pão” que Deus dá.

 

Pense!

Não teria Deus agido injustamente ao matar pessoas por apenas reclamarem do cardápio alimentar?

 

Ponto Importante

Deus é a suma justiça. Ele jamais exacerba em seus juízos, por isso, a maldição não vem sem causa.

 

III - DEUS LEVANTA COOPERADORES

 

  1. Carga pesada.

Na caminhada com Deus, pelo deserto a cada dia os limites humanos são testados. O grande Moisés que, pouco tempo antes, tinha convidado Hobabe para ser “seus olhos” na peregrinação (tinha plano até para quando Deus falhasse na orientação), agora pensa em desistir do ministério. Ele concluiu: “Eu sozinho não posso levar a todo este povo, porque muito pesado é para mim. E, se assim fazes comigo, mata-me, eu to peço, se tenho achado graça aos teus olhos; e não me deixes ver o meu mal” (Nm 11.14,15).

 

A resposta que Deus ofereceu a Moisés ressoa como modelo ministerial pelos séculos. O líder é feito de “carne e osso” e, por isso, precisa de apoio e companhia. Sempre que Deus quis fazer algo significativo, antes de tudo, montou uma equipe. Talvez Moisés, até aquele instante, acreditasse ser possível liderar sozinho, mas o Senhor permitiu que ele ficasse esgotado emocionalmente para aprender a depender mais dEle. Então, o Altíssimo designou setenta anciãos para auxiliar o seu servo.

 

  1. Dividindo a carga.

Deus, de maneira sábia, pediu que Moisés escolhesse setenta líderes para que o auxiliasse. A escolha seria de Moisés, porém eles seriam instrumentos do Senhor, para ajudar na condução da obra. Observa-se um segundo aspecto relevante nessa história: os auxiliares precisavam ter o mesmo espírito de Moisés, pensar a mesma coisa, compartilhar do alinhamento do entendimento do líder, ação precípua do Espírito Santo. Só assim a carga pesada das atribuições seria, de fato, compartilhada.

 

Pouco tempo depois houve o episódio das codornizes, o primeiro teste dos 70 líderes (Nm 11.31-35). Deus é bom e fiel, pois, certamente, se Moisés estivesse sozinho nessa nova e grave situação ele teria sucumbido.

 

  1. Insubmissão.

Moisés, depois de ter a carga administrativa aliviada pelos setenta líderes chancelados por Deus, viu ruir os apoios mais importantes que tinha: o de Miriã e Arão, seus amados irmãos, os quais se insurgiram fortemente contra ele, mas “o SENHOR o ouviu” (Nm 12.2). Os irmãos de Moisés foram repreendidos pelo Senhor, inclusive Miriã ficou leprosa por causa dessa insubmissão ao líder. Ferir o princípio da autoridade e submissão, desobedecendo a liderança, não é uma atitude sábia e prudente, ainda que existam ponderações de natureza administrativa consideráveis.

 

Pense!

As ponderações de Miriã e Arão contra Moisés não deveriam, ao menos, terem sido discutidas por Deus na reunião feita com eles no santuário?

 

Ponto Importante

O princípio da autoridade e submissão tem grande relevância para Deus, por isso, havendo rebelião, o Senhor sequer discute as argumentações apresentadas.

 

SUBSÍDIO

“Os capítulos 9 e 10, em especial, centram-se na presença do Senhor no meio do seu povo. A primeira metade do capítulo 9 reconta a celebração da primeira Páscoa do deserto, (9.1-14), celebração essa que, acima de tudo, lembra-lhes a presença do Senhor quando, de forma extraordinária, libertou-os do Egito. Na segunda metade do capítulo, Deus promete prover uma nuvem para guiar os viajantes e para lembrá-los de sua presença contínua [...].

 

No início do capítulo 10, a finalidade de tocar as trombetas é para que Deus e o povo lembrem-se uns dos outros (10.9,10). E nos versículos seguintes a nuvem move-se pela primeira vez. Portanto, a primeira parte de Números é um resumo da forma especial como Deus preparou seu povo ao instruí-lo sobre a pureza, ao conceder-lhes os sacerdotes e, acima de tudo, sua presença especial.

 

O Senhor preparou o seu povo naquela época e o prepara hoje. Você já pensou nisso? Você já pensou na forma como Senhor o prepara? Talvez tudo isso lhe pareça uma informação religiosa casual, todavia, Deus teve o cuidado em fazê-lo à sua imagem. Você foi projetado com a capacidade de compreender as palavras” (DEVER, Mark. A Mensagem do Antigo Testamento. 1.ed., Rio de Janeiro: CPAD, 2008, pp. 138,139).

 

CONCLUSÃO

A maior consolação que os israelitas poderiam ter no deserto era a certeza da presença contínua de Deus com eles; e o Senhor demonstrou inequivocamente tal realidade, através da nuvem ou da coluna de fogo que nunca abandonaram o povo. Mesmo diante dessa certeza, tanto os líderes quanto o povo cometeram erros, os quais não ficaram impunes, servindo isso de exemplo para a igreja hodierna.

 

HORA DA REVISÃO

  1. Cite dois sinais que Deus realizou, os quais demonstravam a presença dEle entre o povo.

A nuvem e a coluna de fogo.

 

  1. Em quais momentos a nuvem e a coluna de fogo podiam ser vistas?

Durante o dia a nuvem e à noite, a coluna de fogo.

 

  1. De qual material foram feitas as duas trombetas que convocavam o povo?

De prata batida.

 

  1. Qual o nome do cunhado de Moisés que foi convidado para ser o “guia do povo”?

Hobabe.

 

5.Segundo a lição, por que os irmãos de Moisés foram repreendidos pelo Senhor?

Eles foram repreendidos pelo Senhor porque foram insubmissos ao líder.

 

 

 

 

Lição 5 - Decidindo o Seu Futuro

 

Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 03/02/2019 - Fonte: Lições Bíblicas de Jovens, TEXTO DO DIA

“Ao qual nossos pais não quiseram obedecer, antes o rejeitaram e, em seu coração, se tornaram ao Egito.” (At 7.39)

 

SÍNTESE

Sempre haverá dificuldades na vida daquele que caminha com Deus, mas nunca se deve perder a fé no cumprimento de suas promessas, porque Ele é sumamente fiel!

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Hb 11.1 - A fé é o firme fundamento do futuro

TERÇA - Mt 17.20 - A fé remove montanhas

QUARTA - Hb 10.38 - O justo viverá da fé

QUINTA - Rm 4.18,19 - A fé nos faz crer contra a esperança

SEXTA - 1 Sm 17.45 - A fé em Deus nos faz triunfar

SÁBADO - Jd 3 - A necessidade de batalhar pela fé

 

OBJETIVOS

  • EXPLICAR porque Deus enviou espias até Canaã;
  • MOSTRAR que a murmuração evidencia a falta de fé;
  • COMPREENDER que frutos amargos são colhidos em decorrência da desobediência e falta de fé.

 

 

INTERAÇÃO

Querido (a) professor (a), as lições desta revista possuem um elo que as interligam, pois tratam de temas sequenciais do livro de Números. De modo que será confuso para um aluno compreender a lição atual se ele não tiver conhecimento das anteriores. Se ficarem muito calados durante a aula, procure mobilizá-los, estimulando-os a perguntarem, opinarem, etc. Sempre motive seus alunos para que não faltem à próxima aula e convidem os ausentes. Essas lições são importantíssimas para o crescimento da fé em Deus, pois trazem valiosas orientações que se adequam perfeitamente ao nosso dia a dia, pois retratam a angustiante trajetória do povo de Deus pelo deserto.

 

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Na aula anterior foi abordado o tema da presença de Deus, fazendo assim uma ponte para essa lição cujo foco é o futuro, pois não é razoável pensar em ser feliz no futuro, se no presente, não se caminhar com o Senhor. Faça as seguintes indagações aos alunos: “Como vocês veem o futuro?” “O que esperam dele?” “Como encará-lo?” Aguarde as respostas e ouça-os com atenção. Você se surpreenderá com a forma de pensar dos alunos e isso o ajudará a conhecê-los melhor. Em seguida, diga-lhes que, certamente, os filhos de Israel enfrentaram esses mesmos questionamentos acerca do futuro, mas não souberam equacioná-los e não tiveram fé!

 

 

 

TEXTO BÍBLICO

Números 13.26-33

 

26      E caminharam, e vieram a Moisés, e a Arão, e a toda a congregação dos filhos de Israel no deserto de Parã, a Cades, e, tornando, deram-lhes conta a eles e a toda a congregação; e mostraram-lhes o fruto da terra.

 

27      E contaram-lhe e disseram: Fomos à terra a que nos enviaste; e, verdadeiramente, mana leite e mel, e este é o fruto.

 

28      O povo, porém, que habita nessa terra é poderoso, e as cidades, fortes e mui grandes; e também ali vimos os filhos de Anaque.

 

29      Os amalequitas habitam na terra do Sul; e os heteus, e os jebuseus, e os amorreus habitam na montanha; e os cananeus habitam ao pé do mar e pela ribeira do Jordão.

 

30      Então, Calebe fez calar o povo perante Moisés e disse: Subamos animosamente e possuamo-la em herança; porque, certamente, prevaleceremos contra ela.

 

31      Porém os homens que com ele subiram disseram: Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós.

 

32      E infamaram a terra, que tinham espiado, perante os filhos de Israel, dizendo: A terra, pelo meio da qual passamos a espiar, é terra que consome os seus moradores; e todo o povo que vimos no meio dela são homens de grande estatura.

 

33      Também vimos ali gigantes, filhos de Anaque, descendentes dos gigantes; e éramos aos nossos olhos como gafanhotos e assim também éramos aos seus olhos.

 

Números 14.1,2

 

1 Então, levantou-se toda a congregação, e alçaram a sua voz; e o povo chorou naquela mesma noite.

 

2 E todos os filhos de Israel murmuraram contra Moisés e contra Arão; e toda a congregação lhe disse: Ah! Se morrêramos na terra do Egito! Ou, ah! Se morrêramos neste deserto!

 

 

 

 

INTRODUÇÃO

Israel já desfrutava de extraordinários milagres de Deus. Eram aquecidos nas noites frias do deserto, pelo calor de uma gigantesca coluna resplandecente, e durante o dia, logo pela manhã, colhiam um pão maravilhoso que caía diariamente do céu — o maná. Quando o sol, naquela região árida, ia esquentando, os israelitas não eram incomodados, porque havia uma cortina térmica (a nuvem da presença de Deus) que os protegia (Sl 121.5). A caminhada do povo de Deus, em qualquer época, sob quaisquer contingências, apresenta-se, sobretudo, como uma jornada de fé.

 

Deus lhes dava mantimento, conforto e proteção, porém requeria deles (como requer da Igreja) uma atitude de fé. Eles precisavam enxergar o futuro através dos olhos do Altíssimo e deveriam acreditar que “aquilo que Deus diz é verdade”. Diante disso, o Senhor determinou que Moisés enviasse espias à Terra Prometida. Os israelitas seriam postos à prova! É deste ponto que, hoje, prossegue a saga do povo de Deus no deserto.

 

I - OS ESPIAS

 

  1. O fim da jornada.

Em Números 13, Deus acena para o fim da caminhada. Espias deveriam ser enviados para analisar o extraordinário presente de Deus — a Terra da Promissão. Doze homens, representando suas tribos, deveriam subir à Canaã (v. 17). As conquistas dadas pelo Senhor ao seu povo sempre são representadas por “subidas”. É interessante o fato de que Deus tenha se ocupado em fazer com que os filhos de Israel declarassem o desejo de conquistar a promessa, por Ele anunciada. Eles precisavam somente dizer: Que linda e abençoada terra, meu Senhor.

 

Os espias eram representantes de todos que saíram do Egito. Eles tinham sobre si o compromisso de comunicar aos hebreus o que estava além do rio Jordão. A terra que mana leite e mel estava muito próxima e poucos instantes separavam os ex-escravos da maior conquista de suas vidas. O Senhor lhes daria mais que um lugar para habitarem, sobretudo lhes outorgaria dignidade enquanto indivíduos e nação. A promessa feita, ainda, ao patriarca Abraão, o amigo de Deus, estava plenamente em vigor, não obstante os séculos decorridos.

 

  1. O tempo da alegria.

Deus não escolheu um tempo qualquer para essa visita in locu tão especial. Está escrito que era o tempo das “primícias das uvas” (Nm 13.20). Um período que simbolizava tudo de bom, o tempo de sublime alegria, porque estava acontecendo uma colheita muito grande, de excelentes frutos. As pessoas de Canaã estavam tão felizes que, possivelmente, nem desconfiavam da verdadeira intenção daqueles doze homens que atravessavam seu território.

 

Aquele tempo de alegria em Canaã prenunciava uma vitória maiúscula para os hebreus, recompensa das mãos do Senhor, prometida há mais de quatro séculos. Moisés pediu que eles olhassem tudo, analisassem

 

minuciosamente e, por fim, enfatizou: “[...] esforçai-vos e tomai do fruto da terra [...]” (Nm 13.20). Essa seria a prova incontestável de que o Senhor falara a verdade quanto ao potencial agrícola daquela região.

 

  1. A antessala da vitória.

Quando os representantes dos filhos de Israel foram enviados à Canaã, eles estavam vivendo na antessala da vitória. Possivelmente havia uma grande expectativa do povo pelos desdobramentos sociais e políticos a partir daquela expedição missionária. Os espias passaram 40 dias transitando na Terra Prometida, observando tudo que tinha sido determinado por Moisés.

 

No fim do período, trouxeram alguns frutos da Terra Prometida e tudo era esplendidamente bom. Deus nunca se equivoca em nenhum de seus conceitos! Provavelmente os israelitas estavam com muita esperança ao perceberem os espias chegando com um gigantesco cacho de uvas (além das romãs e figos). Mas, logo que os viajantes abriram a boca, o que era alegre expectativa transformou-se num inacreditável tormento emocional.

 

Pense!

Por qual razão Deus quis que os espias fossem enviados à Canaã?

 

Ponto Importante

O Senhor queria que o povo de Israel declarasse que confiava na sua fidelidade, acreditando que Ele cumpriria a palavra empenhada; afinal, “o justo viverá da fé”.

 

II - MURMURAÇÃO E FÉ

 

 

 

  1. A vista humana.

Os espias que voltaram de Canaã dirigiram-se aos seus líderes e ao povo, levando consigo a prova da bênção de Deus: o fruto da terra. Então confirmaram que, de fato, da Terra Prometida manava leite e mel — a expressão não tinha sido nenhum exagero de Deus e a prova disso era o fruto (Nm 13.26,27). Em seguida, porém, afirmaram que as cidades eram muito bem protegidas e os moradores podiam ser considerados gigantes (Nm 13.28,29). Um verdadeiro terror!

 

O olhar humano dos representantes das dez tribos trouxe consequências terríveis para a história do povo de Deus. Um desespero abateu-se imediatamente sobre os descendentes de Isaque. No dia a dia da vida, inúmeros medos solapam a mente humana, como foi mencionado pelo apóstolo Paulo (2 Co 7.5), entretanto isso não pode obstruir a visão daqueles cujos corações estão firmados em Deus (Sl 108.1).

 

  1. A visão da fé.

No meio dos doze espias havia dois homens de fé: Josué e Calebe. Eles não viviam segundo o que viam, mas eram guiados pela fé. Logo quando os dez espias começaram a desanimar o povo, Calebe levantou-se e proferiu palavras de fé e exortação. Ele compreendia, como Martin Luther King, que “mesmo as noites totalmente sem estrelas podem anunciar a aurora de uma grande realização”. Ele sabia que Deus poderia fazer, num movimento, o que os homens passariam meses e anos para realizar.

 

Josué e Calebe, com ímpeto, refutaram instantaneamente os outros companheiros de viagem, pois estes haviam dito que os cananitas eram mais fortes do que eles e, que, por tal motivo, Israel não deveria conquistar a Terra Prometida (Nm 13.30).

 

  1. O poder do desânimo.

O discurso negativo dos dez espias adentrou o coração dos hebreus a ponto de fazer com que esqueceu-se das promessas do Senhor. O povo, subitamente, esqueceu-se do Deus que deu um filho a Abraão na sua velhice, através de uma mulher estéril. Esqueceram-se daquEle que trouxe as dez pragas ao Egito e os tirou com mão forte e braço estendido das garras de Faraó. Nenhuma imagem, palavra, teoria, ou discurso seria mais eloquente do que o poder do desânimo disseminado pelos espias incrédulos.

 

Está escrito que toda a congregação chorou naquela mesma noite (Nm 14.1). O projeto de Deus, dado e confirmado para várias gerações de crentes fiéis, estava, agora, fulminado no coração daqueles ex-escravos, por causa de uma única abordagem pessimista de um grupo de dez homens infiéis.

 

Pense!

Por que a reação dos israelitas às más notícias trazidas pelos espias incrédulos foi tão contundente?

 

Ponto Importante

O povo de Israel tinha saído do Egito, mas o Egito não tinha saído deles.

Por isso, as palavras de Deus soavam tão timidamente em seus corações!

 

III - COLHENDO FRUTOS AMARGOS

 

  1. O povo volta ao Egito.

O momento mais decisivo e alegre do povo transformou-se no pior de todos os pesadelos, pois segundo Atos 7.39 eles voltaram ao Egito em seus corações. Anelaram a escravidão, o pecado, as festas pagãs, e abandonaram ao Senhor. Eles preferiram os ídolos egípcios e apostataram da fé. “E diziam uns aos outros: Levantemos um capitão e voltemos ao Egito” (Nm 14.4). Nesse momento, Moisés e Arão caíram de joelhos diante de todo o povo, ao passo que Josué e Calebe rasgaram suas vestes e tentaram animar o povo a confiar em Deus; porém, ao contrário, todos tencionaram apedrejá-los, o que só não aconteceu porque Deus manifestou a sua glória (Nm 14.5-10). Uma cena incrível! Como pessoas alcançadas pela bondade maravilhosa de Deus foram tão ingratas e incrédulas? Não acontece isso, porventura, muitas vezes em nossos dias?

 

  1. O povo é reprovado.

Os mais de seiscentos mil homens adultos daquela geração foram, então, reprovados pelo Senhor: não entrariam na Terra Prometida.

 

A promessa que repousava sobre eles passou para a geração seguinte. Eles não eram dignos de herdar a bênção divina, pois viram a glória do Senhor e os sinais realizados no Egito e no deserto, mas mesmo assim rejeitaram Deus por dez vezes e não obedeceram à voz do Eterno.

 

As pessoas que um dia participaram dos banquetes espirituais e se fizeram participantes do Espírito Santo e, depois, decidiram apostatar da fé, correm o risco de não serem mais admitidas por Deus. Esse risco não só é real, como também é impreterível (Hb 6.4-6).

 

  1. Quarenta dias se tornam em quarenta anos.

Deus demonstrou indignação pela falta de confiança dos israelitas, por isso Ele transformou 40 dias de desânimo e falta de fé em 40 anos de caminhada pelo deserto (Nm 14.33,34). Um ensinamento que o povo de Israel jamais esqueceria.

 

Deus estava mostrando que a dúvida em relação à sua Palavra traria sérias consequências. Nunca perca a fé, jamais murmure, olhe para o futuro com esperança e sempre creia no poder de Deus. Se o povo for obediente, a vitória será certa, mas se apostatar da fé, e voltar ao Egito, atrairá para si uma dor e vergonha que nunca serão esquecidas.

 

Pense!

Por que Deus transformou 40 dias de desânimo em 40 anos de deserto?

 

Ponto Importante

Os hebreus tinham saído do Egito, mas o Egito não tinha saído deles. Por isso, as palavras de Deus soavam tão timidamente em seus corações!

 

 

 

SUBSÍDIO

“A fé encoraja nossas crenças e expectativas com confiança. A fé pode nos tornar destemidos. “Ter esperança é ouvir a melodia do futuro. Ter fé é dançar ao som dessa melodia”, declarou Rubem Alves.

 

Como a fé realiza esta obra sobrenatural? Concedendo-nos uma perspectiva eterna. Pessoas de fé enxergam a vida de modo diferente. O otimismo cheio de esperança acerca do futuro, quando reforçado pela fé, modera nossa ansiedade acerca do presente. Olhamos para a vida com lentes maiores. Ver os problemas da vida com as grandes lentes do futuro ajuda a colocar em perspectiva os aborrecimentos de hoje, problemas no carro, discussões na família, voos atrasados. Muitas coisas que antes nos aborreciam agora podem ser vistas como o que de fato são: irritações triviais, temporárias.

 

Mas a fé vai além de nos ajudar a lidar com meros aborrecimentos. Vemos o verdadeiro poder da fé com mais clareza nos momentos de dor. A fé transforma a esperança em uma certeza de que o sofrimento fará sentido mesmo quando nossa perspectiva terrena não vê sentido algum. Em outras palavras, quando a dor nos atinge até a alma e as provações nos dão um soco no estômago, a fé é responsável por manter viva a nossa esperança” (PARROTT, Les. Você é Mais Forte do que Pensa. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2014, p. 52).

 

CONCLUSÃO

A geração que saiu do Egito tinha, de fato, enormes dificuldades para conquistar os “gigantes” de Canaã; mas, quaisquer que fossem os obstáculos, Deus lhe introduziria, como prometido, naquela boa terra. Os hebreus só precisavam crer e obedecer, porém preferiram a rebeldia em seus corações. Por isso, morreram e foram enterrados em sepulturas no deserto. Poderia ter sido diferente, pois “o justo viverá da fé”.

 

HORA DA REVISÃO

  1. Conforme a lição, ao determinar o envio de espias, o que Deus estava indicando?

Deus estava indicando o fim da caminhada.

 

  1. Segundo Números 13.20, em que momento Deus comissionou os espias?

No tempo das primícias das uvas.

 

  1. Identifique pelo menos uma passagem bíblica que demonstre a fé e obediência de Calebe.

Números 13.30.

 

  1. Qual referência bíblica afirma que os hebreus voltaram ao Egito em seus corações?

Atos 7.39.

 

  1. Qual a lição que Deus ensinou ao transformar 40 dias de desânimo dos espias em 40 anos de caminhada no deserto?

Se o povo for obediente, a vitória será certa, mas se apostatar da fé, e voltar ao Egito, atrairá para si dor e vergonha que nunca serão esquecidas.

 

 

Lição 6- O Pecado de Rebelião

 

Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 10/02/2019 - Fonte: Lições Bíblicas de Jovens, CPAD TEXTO DO DIA

“Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como iniquidade e idolatria. Porquanto tu rejeitaste a palavra do SENHOR, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei.” (1 Sm 15.23)

SÍNTESE

A rebelião à hierarquia (notadamente àquela firmada por Deus), instala o caos e faz os melhores projetos sucumbirem.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Êx 23.21 Advertência contra a rebelião

TERÇA - Dt 31.27 A rebelião de Israel era conhecida

QUARTA - Sl 78.8 A geração contumaz e rebelde

QUINTA - Js 1.18 O terrível castigo aos rebeldes

SEXTA - Jr 29.32 O rebelde não tem um bom futuro

SÁBADO - Mq 7.18 O Senhor perdoa a rebelião

 

OBJETIVOS

  • MOSTRAR que a caminhada pelo deserto evidenciou o fato de que os hebreus que saíram do Egito eram de dura cerviz;

 

  • SABER que as rebeliões que surgiram no meio da liderança eram contagiantes, alcançando muitos do povo;

 

  • REFLETIR a respeito da vontade de Deus.

 

 

INTERAÇÃO

Estimado (a) professor(a), todo intento para que venha lograr êxito, em regra, passou por um eficaz planejamento. Na educação cristã não é diferente. Não é necessário ser um pedagogo para fazer um planejamento, pois planejar nada mais é do que organizar a aula antes de ministrá-la.

 

As lições de professor oferecem excelentes subsídios pedagógicos e didáticos, tudo que você precisa fazer é estudar com afinco, ler o livro de apoio à lição, e organizar o roteiro de sua aula com antecedência, definindo um tempo para cada tópico da lição e atividades a serem desenvolvidas. Não é demais lembrar a recomendação bíblica: “Se é ensinar, haja dedicação ao ensino” (Rm 12.7).

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

O tema da aula de hoje é de extrema relevância para a igreja da atualidade: rebelião. Muitos têm enveredado por esse caminho, com consequências trágicas na vida. Para iniciar a aula, faça a seguinte pergunta: “O cristão deve obedecer seu líder mesmo que não concorde com ele?”

 

“Nesse caso, é correto levantar oposição?” Espere que os alunos respondam e registre todas as colocações. Após, comece a analisar as respostas, junto com eles, com o cuidado de não causar constrangimento. Essa atividade vai diagnosticar se os alunos entendem o que significa o princípio da autoridade e submissão.

TEXTO BÍBLICO

Números 12.1-14

 1 E falaram Miriã e Arão contra Moisés, por causa da mulher cuxita, que tomara; porquanto tinha tomado a mulher cuxita.

2 E disseram: Porventura, falou o SENHOR somente por Moisés? Não falou também por nós? E o SENHOR o ouviu.

3 E era o varão Moisés mui manso, mais do que todos os homens que havia sobre a terra.

4 E logo o SENHOR disse a Moisés, e a Arão, e a Miriã: Vós três saí à tenda da congregação. E saíram eles três.

5 Então, o SENHOR desceu na coluna de nuvem e se pôs à porta da tenda; depois, chamou a Arão e a Miriã, e eles saíram ambos.

6 E disse: Ouvi agora as minhas palavras; se entre vós houver profeta, eu, o SENHOR, em visão a ele me farei conhecer ou em sonhos falarei com ele.

7 Não é assim com o meu servo Moisés, que é fiel em toda a minha casa.

8 Boca a boca falo com ele, e de vista, e não por figuras; pois, ele vê a semelhança do SENHOR; por que, pois, não tivestes temor de falar contra o meu servo, contra Moisés?

9 Assim, a ira do SENHOR contra eles se acendeu; e foi-se.

10 E a nuvem se desviou de sobre a tenda; e eis que Miriã era leprosa como a neve; e olhou Arão para Miriã, e eis que era leprosa.

11 Pelo que Arão disse a Moisés: Ah! Senhor meu! Ora, não ponhas sobre nós este pecado, que fizemos loucamente e com que havemos pecado!

12 Ora, não seja ela como um morto, que, saindo do ventre de sua mãe, tenha metade da sua carne já consumida.

13 Clamou, pois, Moisés ao SENHOR, dizendo: Ó Deus, rogo-te que a cures.

14 E disse o SENHOR a Moisés: Se seu pai cuspira em seu rosto, não seria envergonhada sete dias? Esteja fechada sete dias fora do arraial; e, depois, a recolham.

 

 

Introdução

Números capítulo 13 narra a respeito da derrocada espiritual e social da geração de ex-escravos hebreus que saiu do Egito, a qual preferiu, em seus corações, retornar à vida de escravidão debaixo do jugo de Faraó. Os israelitas demonstraram o seu grave sentimento de insubmissão — fator decisivo para que não entrassem em Canaã.

 

Todas as vezes que o povo de Deus se insurgiu contra a sua liderança espiritual, a qual era fiel ao Senhor, as consequências foram trágicas. O pecado da rebelião, disse Deus, é como o pecado da feitiçaria (1 Sm 15.23), porque o rebelde (assim como o feiticeiro) busca alcançar o fim pretendido independentemente da vontade do Senhor; acha que os fins justificam os meios e, por isso, realiza qualquer conduta para ter o que deseja. Após o pecado em Cades, os hebreus desencadearam outras revoltas e o resultado, em todas elas, foi tristeza, morte e luto. Poderia ter sido diferente, pois bastava somente obedecer!

 

I - UM POVO DE DURA CERVIZ

 

  1. Inveja na família do líder.

Um caso emblemático, que retrata o espírito de oposição dos israelitas, aconteceu precisamente na família de Moisés (Nm 12.1-15). Arão e Miriã falaram contra Moisés, mas o Senhor o ouviu (Nm 12.1,2). A consequência é que Miriã ficou leprosa, como castigo de Deus. Logo após, “Arão disse a Moisés: Ah! Senhor meu! Ora, não ponhas sobre nós este pecado, que fizemos loucamente e com que havemos pecado!” (Nm 12.11).

 

 

Muitas pessoas têm ficado “leprosas” por que levantam oposições injustas contra seus líderes, enquanto eles estão agindo no centro da vontade de Deus. Há uma verdade inexorável: quem desatende ao princípio da autoridade e submissão será quebrado por Deus.

 

2.Teimosia.

Após receberem uma sentença forte de Deus, de que eles não entrariam na Terra Prometida por causa da desobediência, o Senhor determinou que voltassem ao deserto, pelo caminho do mar Vermelho (Dt 1.40). Os hebreus, porém, com soberba, resolveram desafiar Moisés e o próprio Deus e partiram para a guerra. Foram fragorosamente derrotados (Nm 14.40-45).

 

A motivação de toda a rebelião fica bastante patente aqui: Para os hebreus, independente dos conselhos ou da vontade de Deus, o que importava era a opinião própria deles, o desejo vaidoso. E, como sempre acontece com os rebeldes, o fim não foi bom. Acerca disso Moisés escreveu, relembrando o momento em que os sobreviventes israelitas voltaram chorando após o massacre dos amorreus: “Tornando, pois, vós e chorando perante o SENHOR, o SENHOR não ouviu a vossa voz, nem vos escutou” (Dt 1.45). Triste desfecho para quem poderia ter sido vitorioso.

 

  1. Murmuração.

Os atos de rebeldia do povo continuaram acontecendo e, cada vez mais, morriam no deserto os desobedientes. Em Números 20.2-5 e 21.4,5 há o registro de duas outras histórias de insubmissão, as quais redundaram em danos e mortes. No primeiro episódio o povo murmurou tanto que o próprio Moisés perdeu o bom senso e feriu a rocha, quando a ordem divina era para falar à rocha; no segundo caso, reclamaram do cuidado divino e desprezaram o maná que caía do céu, oportunidade em que o Altíssimo fez com que fossem atacados por víboras ardentes, as quais picaram o povo, sendo grande a mortandade.

 

A desonra com que alguns tratam seus líderes destoa daquilo que a Igreja aprendeu ao longo dos séculos. Eusébio de Cesareia, por exemplo, diz que o mártir Policarpo, bispo de Esmirna, “sempre fora tratado com grande respeito”, a tal ponto que não tinha o costume de tirar os sapatos, “pois sempre tivera irmãos que, logo ao seu lado, disputavam entre si para servi-lo”.

 

Pense!

A forma como os crentes de Esmirna tratavam Policarpo não era exagerada, quase uma idolatria?

 

Ponto Importante

A igreja em Esmirna tinha muito respeito por Policarpo, não bajulação ou idolatria. A conduta fiel daquela igreja fê-la não ser repreendida pelo Senhor (Ap 2.8-11).

 

II - LÍDERES EM CONFLITO

 

 

 

  1. Insubmissão e desrespeito.

Havia em Israel, no deserto, três homens muito influentes: Corá, Datã e Abirão. Eles tinham uma grande liderança (Nm 16.2-4), mas desprezavam a Palavra do Senhor que dizia:

 

“Os juízes não amaldiçoarás e o príncipe dentre o teu povo não maldirás” (Êx 22.28). É fato que todo rebelde, com frequência, critica a liderança, não só nas coisas importantes, mas inclusive nos pequenos acontecimentos, e isso deve ter acontecido com esse trio. Um dia, porém, resolveram dar vazão a toda a indignação acumulada contra o líder Moisés. Eles queriam fazer uma divisão no meio do povo e o resultado da rebelião foi: Eles foram exterminados pelo Senhor (Nm 16.32-35).

 

  1. O memorial dos rebeldes.

Números 16. 40 relata uma determinação divina interessante: a construção de um memorial, no altar do Senhor, para que os filhos de Israel se lembrem da conduta de Corá e seus seguidores. Deus, além do justo juízo inflingido aos rebeldes, deixou a advertência “para que nenhum estranho, que não for da semente de Arão, se chegue para acender incenso perante o SENHOR [...]” (Nm 16.40).

 

Na verdade, ser da tribo de Levi era um privilégio concedido pelo Senhor, pois os levitas deveriam ser cuidados, por toda a vida, pelos demais israelitas (Dt 12.19). Entretanto o ministério sacerdotal somente seria exercido pelos descendentes de Arão. Corá, como levita, achava que a medida era um equívoco de Moisés e, ainda com as muitas demonstrações do Senhor quanto a isso, não retroagiu em seu intento, e o fim foi trágico. O memorial serviria para que os filhos de Israel (e não apenas os levitas) não se esquecessem disso.

 

  1. O castigo dos inconformados.

É impressionante como a rebelião, em regra, é extremamente contagiosa. Não obstante o castigo que aconteceu, no dia seguinte o povo quis destruir a liderança pelos danos que o Senhor causara. Diante disso, mais uma vez, Moisés e Arão foram buscar a Deus, intercedendo pelos que estavam solidários aos que morreram. O Senhor matou outras 14.700 pessoas e só não foram mais porque Moisés e Arão apaziguaram a Justiça de Deus rapidamente.

 

É inacreditável como há pessoas que, sem temor, quebram o princípio da autoridade e submissão contra um homem de Deus, e ainda justificam que realizaram algo “politicamente correto”. Erram por não conhecerem as Escrituras. As regras que regem a liderança espiritual estabelecidas

por Deus são exclusivas dEle e estão relacionadas com sua escolha soberana. Ana, por exemplo, poderia ter murmurado contra o sacerdote Eli, tanto pela crítica infundada, como pela desordem sacerdotal da época, mas tratou-o respeitosamente e foi abençoada (1 Sm 1.13-20).

 

Pense!

 

É correto suscitar rebelião contra um homem de Deus, ainda que ele tenha realizado conduta “politicamente incorreta”?

 

Ponto Importante

Não havendo desobediência à Palavra de Deus na conduta da autoridade, a submissão deve ser a mais ampla possível, sob pena de se cometer um pecado semelhante à feitiçaria (1Sm 15.23).

 

III - DEUS MOSTRA A SUA VONTADE

 

  1. Deus firma a liderança.

O Senhor, como forma de firmar a liderança sacerdotal de Arão, e de fazer cessar as contendas, determinou que “cada cabeça da casa de seus pais” deveria trazer uma vara até a tenda da congregação. A vara do homem a quem o Senhor havia escolhido floresceria” (Nm 17.5). É interessante como Deus disse que murmuravam contra Moisés e Arão, porém, na verdade, as palavras eram lançadas contra Ele próprio. O fato mais relevante é que Deus não suporta os que se dão à murmuração e, por isso, eles sofrerão danos; ademais, o Senhor recomenda que não haja murmuradores no meio do povo (Fp 2.14; 1 Pe 2.1), mas adoradores com o coração transbordante de ações de graças (1 Cr 29.13).

 ===333===

  1. Deus honra o líder.

Números 17.8 relata que a vara de Arão floresceu e a dos outros permanceram mortas. O Senhor estava prestigiando aquele que o servia fielmente. Afinal, quem se entrega inteiramente nas mãos do Deus, o Senhor o colocará em lugares estratégicos, de honra. O grande problema é que, em inúmeras ocasiões, a pessoa, na verdade, está sendo preparada, moldada, para assumir responsabilidades maiores, porém não discerne o que está se passando e reage de maneira egoísta e imprudente, criando rebelião. Quem o Senhor escolhe, cedo ou tarde, será sumamente honrado, como aconteceu com Arão.

 

  1. Deus protege o líder.

Números 17.10 fala a respeito da ordem para se guardar a vara de Arão, que floresceu, dentro da Arca da Aliança (Hb 9.4), para servir como sinal aos filhos rebeldes, para que não morressem. O Senhor, com isso, estava protegendo o sacerdote Arão, de maneira que pudesse exercer seu ministério com toda a desenvoltura diante dos filhos de Israel, sem oposição. Os homens que confiaram inteiramente em Deus tinham uma característica interessante: “da fraqueza, tiraram forças” (Hb 11.34). Como Jesus, eles venceram. Arão deveria saber que a vida não seria fácil, mas Deus estava com ele, protegendo-o e projetando-lhe um futuro brilhante. Esse é o destino de quem serve a Deus fielmente: ser mais que vencedor (Rm 8.37), porque Ele já venceu o mundo (Jo 16.33).

 

Pense!

Se Deus firma, honra e protege os líderes que Ele nomeia, por que eles sofrem tanto?

Ponto Importante

O sofrimento faz parte da vida ministerial, pois para levar a preciosa semente, ao que parece, deve ser “andando e chorando”. Mas o bom é que, no fim, haverá muita alegria (Sl 126.5,6).

 

SUBSÍDIO

“O Pecado de Miriã e Arão (Nm 12.115). Pelo que deduzimos, a murmuração e a reclamação eram incontroláveis, pouco importando a severidade com que Deus as tratasse. Neste ponto, surgem nos escalões mais altos do acampamento, em Miriã, a profetisa (Êx 15.20), e Arão, o sacerdote. A passagem é bastante clara em mostrar que foi Miriã quem iniciou a crítica e que Arão, como sempre, foi mero porta-voz. A crítica que fizeram de Moisés era dupla: o desgosto por ele escolher uma esposa e a questão sobre por que Miriã e Arão não deveriam ser reconhecidos, ao lado de Moisés, como competentes para receber as mensagens de Deus.

 

A primeira destas reclamações não tinham fundamento na transgressão moral ou legal, como seria caso tivesse Moisés se casado com uma cananeia (Dt 7.1-6). Pelo visto, brotou do coração de uma irmã ciumenta quanto ao que era o segundo casamento de Moisés.

 

A segunda reclamação tinha menos fundamento, existente somente na mente de Miriã e Arão. Miriã recebera certa posição de honra e respeito, destacando-se particularmente por sua liderança na canção da vitória logo após a travessia do Mar Vermelho. Arão fora designado como porta-voz de Moisés e, mais recentemente, se tornara o principal sacerdote dos israelitas. Não há que duvidar que Miriã e Arão ainda viam Moisés como o caçulinha e se ressentiam de sua posição de liderança com o povo e de seu favor com Deus” (Comentário Bíblico Beacon. 1.ed. Vol. 1. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p. 347).

 

 

CONCLUSÃO

 

Os ministérios de Moisés e de Arão foram marcados por muitas rebeliões, mas o Senhor sempre os honrou e protegeu.

 

Talvez em algum momento, tenha surgido no seu coração algum sentimento de rebelião contra alguma autoridade espiritual constituída por Deus, como ocorreu com Corá, Datã e Abirão. Se isso aconteceu, arrependa-se, peça perdão a Deus e retorne à plena submissão a Cristo.

 

 

HORA DA REVISÃO

 

  1. Conforme a lição, quais os benefícios do princípio da autoridade e submissão?

O princípio da autoridade e submissão estabelece a ordem e cria condições para o crescimento, em todo e qualquer agrupamento humano.

 

  1. Conforme a lição, quais os malefícios de agir em rebelião à autoridade constituída pelo Senhor?

A rebelião à hierarquia (notadamente àquela firmada por Deus), instala o caos e faz os melhores projetos sucumbirem.

 

  1. Qual conduta Moisés teve que o impediu de entrar na Terra Prometida?

Feriu a rocha, quando deveria apenas ter falado a ela.

 

  1. Cite os nomes dos três líderes que se levantaram contra Moisés e Arão.

Corá, Datã e Abirão.

 

  1. Qual sinal físico chancelou a autoridade sacerdotal de Arão?

Sua vara floresceu.

 

Lição 7 - Os Perigos do Deserto

 

Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 17/02/2019 - Fonte: Lições Bíblicas de Jovens, CPAD TEXTO DO DIA

“O nosso socorro está em o nome do SENHOR, que fez o céu e a terra.” (Sl 124.8)

SÍNTESE

Em algum momento da nossa trajetória haverá desertos a serem transpostos; é preciso, ter muito cuidado para não sucumbirmos ante aos perigos que surgem nesses dias difíceis.      

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Gn 16.7 Encontrada por Deus no deserto

TERÇA - Gn 36.24 Encontrando fontes termais no deserto

QUARTA - Êx 3.1 Apascentando o rebanho no deserto

QUINTA - Sl 95.8 Corações endurecidos no deserto

SEXTA - Sl 106.14 Corações cobiçosos no deserto

SÁBADO - Mt 4.1-11 Deserto, lugar de tentação

OBJETIVOS

DEMONSTRAR que nos períodos de provações (desertos), habitualmente surgem críticas indevidas, como aconteceu com Moisés;

 

SABER que como aconteceu com Jesus, no deserto a obediência de cada um é testada;

 

RECONHECER que há instantes, na vida de um servo de Deus, que ocorrerão perdas pessoais irreparáveis, as quais podem contribuir para o surgimento da solidão.

Veja também:

 

 

INTERAÇÃO

Estimado (a) professor (a), a relação professor-aluno precisa ser o mais amigável possível, de forma a desenvolver um forte vínculo afetivo e de confiança com aqueles que Deus lhe confiou para ensinar e orientar. O contato pessoal que acontece semanalmente, aos domingos, não é suficiente para o estabelecimento de duradouros elos de amizade. Por isso, procure ter contato com os alunos fora do horário da Escola Dominical. Se os discentes

confiarem em você, receberão de bom grado o seu ensi­no, seguirão suas orientações e ouvirão seus conselhos. Por outro lado, a proximidade com eles proporcionará a você um melhor conhecimento a respeito de suas vidas,

e isso é algo que todo professor de Escola Dominical deve buscar com afinco.

 

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Distinto (a) professor(a), para a aula de hoje convide, com antecedência, um membro de sua igreja que tenha passado por uma grande dificuldade durante um longo tempo. Ele deve narrar parte dos sofrimentos suportados, de forma sucinta, mencionando as críticas que sofreu, as perdas materiais, a eventual solidão nesse período e os dramas emocionais [se perdeu (ou quase) a paciência, o equilíbrio ou mesmo a fé]. O objetivo é fazer uma conexão entre o testemunho e o tema da lição. Tenha cuidado com o tempo destinado a essa atividade, para evitar que se prolongue em demasia. Ao final, agradeça ao convidado pela presença e peça que ele ore pela turma. Encerre a atividade explicando que na lição de hoje terão a oportunidade de entender alguns aspectos da experiência de caminhar no deserto com Deus.

 

TEXTO BÍBLICO

Números 20.1-13

  1. Chegando os filhos de Israel, toda a congregação, ao deserto de Zim, no mês primeiro, o povo ficou em Cades; e Miriã morreu ali e ali foi sepultada.
  2. E não havia água para a congregação; então, se congregaram contra Moisés e contra Arão.
  3. E o povo contendeu com Moisés, e falaram, dizendo: Antes tivéssemos expirado quando expiraram nossos irmãos perante o SENHOR!
  4. E por que trouxestes a congregação do SENHOR a este deserto, para que morramos ali, nós e os nossos animais?
  5. E por que nos fizestes subir do Egito, para nos trazer a este lugar mau? Lugar não de semente, nem de figos, nem de vides, nem de romãs, nem de água para beber.
  6. Então, Moisés e Arão se foram de diante da congregação, à porta da tenda da congregação e se lançaram sobre o seu rosto; e a glória do SENHOR lhes apareceu.
  7. E o SENHOR falou a Moisés, dizendo:
  8. Toma a vara e ajunta a congregação, tu e Arão, teu irmão, e falai à rocha perante os seus olhos, e dará a sua água; assim, lhes tirarás água da rocha e darás a beber à congregação e aos seus animais.
  9. Então, Moisés tomou a vara de diante do SENHOR, como lhe tinha ordenado.
  10. E Moisés e Arão reuniram a congregação diante da rocha, e Moisés disse-lhes: Ouvi agora, rebeldes: porventura, ti­raremos água desta rocha para vós?
  11. Então, Moisés levantou a sua mão e feriu a rocha duas vezes com a sua vara, e saíram muitas águas; e bebeu a congregação e os seus animais.
  12. E o SENHOR disse a Moisés e a Arão: Porquanto não me crestes a mim, para me santificar diante dos filhos de Israel, por isso não metereis esta congregação na terra que lhes tenho dado. Estas são as águas de Meribá, porque os filhos de Israel contenderam com o SENHOR; e o SENHOR se santificou neles.

 

 

 

INTRODUÇÃO

Números 20 narra episódios que aconteceram no quadragésimo ano da viagem do povo de Israel pelo deserto. Os fatos são sobremodo decisivos e menciona, por exemplo, o falecimento de duas pessoas muito queridas de Moisés: seus irmãos Miriã e Arão. Trata também da rejeição e repulsa de um povo coirmão: Edom, que impediu Israel de passar por seu território.

 

O longo período de caminhada naquele ambiente inóspito certamente propiciou a Moisés muita experiência, tornando-o apto para entender a natureza humana como poucos. Mesmo com todos os sinais miraculosos que aconteceram em seu ministério, ele foi censurado por sua espiritualidade, moralidade e integridade enquanto ser humano. Diante de tudo que ele enfrentou, ainda teve que lidar com a dificuldade em achar amigos verdadeiros. Diante desse emaranhado de emoções, ele, por um instante, fraquejou e perdeu a sua recompensa: entrar, juntamente com o seu povo, em Canaã. O deserto, sem dúvida, é um lugar perigoso.

 

I - NO DESERTO SURGEM CRÍTICAS

 

  1. Quanto à espiritualidade.

Em Números 16.3, Moisés foi acusado por Corá, Datã e Abirão de não possuir autoridade espiritual para conduzir o povo. Esse é um dos perigos do deserto. A mesma coisa aconteceu com Jesus, ao ser tentado por Satanás ao longo de 40 dias após seu batismo: o Inimigo colocou em questão se, de fato, Jesus era o Filho de Deus (Mt 4.1-11).

 

Ora, Moisés, desde os primeiros sinais no Egito, tinha apresentado autoridade espiritual. Mas, no deserto, até ela foi contestada. A espiritualidade de cada cristão é testada fortemente no período em que caminha no meio da escassez, por isso é necessário manter uma constante comunhão com Deus. A comunhão é importante para que não venha desfalecer. O segredo de Moisés é que ele conhecia os caminhos do Senhor (Sl 103.7).

 

  1. Quanto à moralidade.

Depois de tantos anos sendo cuidados por Deus, os israelitas ainda conseguiam murmurar a respeito das decisões de Moisés e com isso desestimulavam o povo a herdar a Terra Prometida, que manava leite e mel. Eles questionavam a moralidade de Moisés, acusando-o de agir com irresponsabilidade. Os hebreus não estavam com os olhos voltados para as coisas espirituais, eternas, mas se fixavam apenas nas transitórias, materiais.

 

Era uma grande ingratidão. Nenhum israelita morreu de fome ou de sede enquanto atravessava o deserto, nem suas roupas envelheceram ou seus sapatos estragaram (Dt 29.5). Os que morreram e foram sepultados no deserto foi por causa da desobediência. Deus, porém, manteve sua fidelidade e sua palavra empenhada.

 

 

 

  1. Quanto à sinceridade.

Em Números 20.14-21 encontramos registrado o pedido que Moisés fez aos edomitas, solicitando passagem. Mas eles não quiseram sequer dialogar. Duvidaram da honestidade, da boa fé de Moisés e, por isso, arregimentaram um grande exército para afugentar o povo. No deserto, a desconfiança sobre o líder se propaga, inclusive para além dos limites do povo de Deus; até os seus vizinhos desconfiavam das reais intenções de Moisés.

 

A honestidade, integridade, sinceridade e pureza de propósitos de um líder cristão apresentam-se, sem dúvida, como seu maior patrimônio. A índole de Moisés, nos 40 anos de caminhada, deveria ser suficiente para que os edomitas confiassem nele, entretanto, no deserto, as coisas acontecem sempre de maneira inesperada, pois num ambiente cheio de perigos espirituais, morais e físicos, as pessoas, em regra, desconfiam de tudo.

 

Pense!

 

Se o deserto é um lugar de tantos perigos, por que Deus habitualmente conduz seus filhos por esse ambiente?

 

Ponto Importante

A experiência do deserto é insubstituível para quem anda com o Senhor, o qual sempre se revela de um modo especial nos momentos mais difíceis da vida.

 

II - NO DESERTO A OBEDIÊNCIA É TESTADA

 

 

 

  1. Pode-se perder a paciência.

Moisés era considerado o homem mais manso da terra. Entretanto, no momento em que foi pressionado, sendo questionado sobre o porquê de, 40 anos antes, ter trazido Israel do Egito para sofrer no deserto (eles preferiam a morte), perdeu a paciência. Ao que tudo indica, o caminho do deserto traz consigo o perigo da desobediência. E a desobediência acarreta prejuízos para todas as áreas da nossa vida. A história de fé e obediência de Moisés se desfez mediante um único ato de insubmissão e arrogância, por isso todo cuidado é pouco.

 

  1. Pode-se perder o equilíbrio.

Moisés, em desobediência à Palavra do Senhor, feriu a rocha por duas vezes (Nm 20.11). O Senhor, porém, tinha determinado que Moisés falasse à rocha. A conduta imprudente dele, corroborada por Arão, desagradou muitíssimo ao Senhor.

 

Os filhos de Deus estão sujeitos, aqui ou acolá, a perder o equilíbrio emocional, como aconteceu com Moisés e Arão, e praticarem algo errado, embora não aparente ser um “grande” pecado. Esse triste episódio nos mostra que devemos vigiar para que não venhamos a transgredir contra o Senhor, principalmente no exercício de uma atividade eclesiástica, pois a presença de Deus exige de nós reverência, solenidade, santidade e um profundo senso de adoração. Moisés sabia disso tudo e, mesmo assim cometeu o desatino de desobedecer ao Senhor.

 

  1. Pode-se perder a promessa.

Não existe algo mais seguro na vida do que as promessas do Altíssimo. Ocorre que a maioria delas é condicional; ou seja, para a concretização carecem de que os beneficiários permaneçam obedientes a Deus (Lv 26.3-12). Esse era o caso da promessa a respeito da entrada em Canaã. Se o povo fosse rebelde, não entraria na boa terra. Moisés e Arão, porém, cometeram, aparentemente, um ato de pouca rebeldia, mas não para Deus. Por isso, ambos os irmãos perderam a promessa. Tal fato demonstra a existência de algumas situações que, às vezes, julgamos não terem muita importância, mas, na verdade, para Deus, são extremamente relevantes. Moisés perdeu a promessa só porque desobedeceu a Deus e feriu a rocha? Não! Foi muito mais. Ele usurpou, com o auxílio do sumo sacerdote Arão, o lugar da adoração, atraindo para si a glória quanto ao milagre, a qua deve ser dada exclusivamente a Deus, “porque dele, por ele e para ele são todas as coisas”.

 

Pense!

Por que Deus puniu Moisés e Arão pelo incidente em Meri-bá, mas nada fez contra os que murmuravam?

 

 

 

Ponto Importante

 

A conduta de quem recebe autoridade espiritual de Deus deve ser cuidadosa, pois “a quem muito foi dado, muito será exigido; e a quem muito foi confiado, muito mais será pedido” (Lc 12.48 - NVI).

 

III - NO DESERTO CHEGA A SOLIDÃO

 

  1. A morte de Miriã.

A morte de Miriã (Nm 20.1) foi uma grande perda para Moisés, pois ele perdia uma das colunas de sustentação do seu ministério. Alguém já afirmou que “todo líder é um solitário.”

 

No deserto, todavia, essa realidade é potencializada, como aconteceu com Moisés. A ausência de sua irmã, certamente, aumentou essa solidão. Miriã contribuiu para que o plano de Joquebede para salvar Moisés desse certo; ela profetizou e liderou o grupo de louvor que adorou a Deus após a travessia do mar Vermelho (Êx 15.20,21). É verdade que Miriã, em dado momento da história, por castigo de Deus, ficou leprosa por murmurar contra seu irmão caçula (Nm 12.16). Entretanto isso, não retirou o amor que Moisés nutria por ela. A morte de um ente querido é sempre difícil de ser superada.

 

  1. A morte de Arão.

Naquele mesmo ano, depois da morte de Miriã e da rejeição de Deus quanto a Moisés entrar em Canaã, mais um fato ruim surgiu: morreu o irmão e companheiro de Moisés, o sumo sacerdote de Israel há 40 anos: Arão.

 

Arão foi usado por Deus como porta-voz de Moisés diante de Faraó (Êx 7.1,2). Ele sustentou os braços de Moisés na guerra (Êx 17.12); viu a glória de Deus (Êx 24.1-10) e foi eleito por Deus como o patriarca de toda a linhagem sacerdotal (Êx 28). Seu pecado em Meribá antecipou sua morte, por isso, foi impedido de entrar na Terra Prometida (Nm 20.12). Depois de ser despido das vestes sacerdotais, o Senhor o recolheu, nos mostrando que todo ministério terreno é transitório. O povo pranteou por Arão durante um mês.

 

  1. Moisés, um líder com poucos amigos.

A Bíblia não registra o fato de que Moisés tivesse amigos. A pessoa que lhe era mais chegada, Josué, é citada como seu “servidor”. Moisés passou dois terços de sua vida no deserto, quer cuidando das ovelhas de Jetro, seu sogro, quer tentando conduzir os israelitas até o lugar dos seus sonhos, o que lhe possibilitou evitar as distrações naturais da vida, fazendo acender a necessidade de uma maior intimidade com Deus.

 

Talvez o Senhor tenha requerido esse isolamento para Moisés, a fim de que ele pudesse cultivar uma maior comunhão com Ele. Mas, certamente Moisés não se sentia solitário, pois ele podia contar com a presença do próprio Todo-Poderoso.

 

Pense!

Será que todo “líder cristão é um solitário”?

 

O Ponto Importante

O líder que procura agradar a Deus sempre sofrerá oposição e terá de experimentar a solidão.

 

SUBSÍDIO

“Depois de trinta e nove anos de tediosas peregrinações, ou melhor, tediosos descansos, no deserto, aproximando-se e afastando-se do Mar Vermelho, os exércitos de Israel agora, por fim, se voltaram outra vez para Canaã, e não tinham chegado muito longe do lugar onde estavam quando, pela justa sentença da justiça divina, foram forçados a dar início às suas peregrinações. Até aqui, eles tinham sido conduzidos por uma espécie de labirinto, enquanto se fazia a execução dos rebeldes que eram condenados. Mas agora foram trazidos ao caminho correto outra vez: eles ficaram em Cades (v.1), não Cades-Barneia, que estava perto das fronteiras de Canaã, mas outra Cades, nas fronteiras de Edom, mais afastada da Terra da Promessa, mas a caminho dela, a partir do Mar Vermelho, ao qual tinham sido forçados a voltar.

 

O capitulo teve início com o funeral de Miriã e termina com o funeral de seu irmão, Arão. Quando a morte se abate sobre uma família, em alguns casos ela ataca em dobro. [...] Moisés, cujas mãos tinham antes vestido Arão com suas vestes sacerdotais, agora o despe delas. [.] Nós veremos poucos motivos para nos orgulhar das nossas roupas, dos nossos ornamentos, ou sinais de honra, se considerarmos quão cedo a morte nos despirá de toda nossa glória” (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico do Novo Testamento. 1. ed. Vol. 1. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, pp. 512,515).

 

CONCLUSÃO

 

Como pode tanta coisa ruim acontecer ao mesmo tempo? Moisés poderia ter feito esse questionamento. Em Números 20, algumas das maiores tragédias aconteceram com Moisés: morrem Miriã e Arão, seus irmãos; os vizinhos edomitas (descendentes de Esaú) demonstram aversão para com os hebreus e, por fim, Moisés é reprovado por Deus, o qual não lhe permite entrar na Terra Prometida. Os perigos do deserto são muitos. É preciso vigilância.

 

HORA DA REVISÃO

  1. Segundo a lição, qual o povo que não acreditava na sinceridade de Moisés e por isso lhe negou um pedido?

Edom.

 

  1. Qual referência bíblica menciona o pecado de Moisés e Arão, que os impediu de entrar em Canaã?

Números 20.10-12.

 

  1. A rocha ferida por Moisés representa quem?

Cristo Jesus.

 

  1. Quais os nomes dos irmãos de Moisés que faleceram no mesmo ano? Onde encontrar refúgio diante da perda de um ente querido?

Miriã e Arão. Encontramos refúgio em Jesus Cristo.

 

  1. O que você tem a dizer a respeito da afirmação: “Todo líder cristão genuíno é uma pessoa solitária?”

Resposta pessoal.

 

 

 

 

Lição 8- As Guerras no Deserto

 

Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 24/02/2019 - Lições Bíblicas de Jovens, CPAD |TEXTO DO DIA

“Ó Deus, nós ouvimos com os nossos ouvidos, e nossos pais nos têm contado os feitos que realizaste em seus dias, nos tempos da antiguidade.” (Sl 44.1)

SÍNTESE

Ainda que os inimigos sejam muitos, fortes e bem preparados para a guerra, se buscarmos a Deus em oração e lhe obedecermos, agindo com fé e coragem, eles serão derrotados.

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Js 5.4 Guerreiros mortos no deserto

TERÇA - 1 Cr 12.8 Guerreiros refugiados no deserto

QUARTA - 2 Cr 14.11,13 Deus concede vitória na guerra

QUINTA - 2 Cr 20.17 Deus concede vitória sem ter que pelejar

SEXTA - Ec 9.11 Não é dos fortes a batalha

SÁBADO - Hb 11.34 Guerras vencidas pela fé

 

OBJETIVOS

  • MOSTRAR que as aflições do deserto são passageiras;
  • REFLETIR a respeito da vida no deserto;
  • SABER que é Deus quem nos concede a vitória.

 

INTERAÇÃO

Professor (a), a conexão entre os educadores e os alunos, deve ser plenamente cultivada. Numa escola secular isso acontece mediante os encontros diários e, assim, os laços de amizade têm mais possibilidades de florescerem. No caso da Escola Dominial, os professores devem agir proativamente para alcançar esse fim. Inúmeras estratégias podem e devem ser articuladas entre os docentes, de maneira que a classe se transforme em um lugar de aprendizado e comunhão. Este, sem dúvida, é o mais expressivo desafio dos docentes. Você pode propor que todos se reúnam na residência de um dos alunos, algum dia da semana, quando debaterão os aspectos mais interessantes da lição da semana. Se possível, inclua um lanche nessa programação.

 

 

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor (a), inicie a aula lendo com os alunos Deuteronômio 3.11. Fale a respeito das medidas da cama de Ogue, rei de Basã, a qual era de ferro e media aproximadamente 4 metros de comprimento por um metro e oitenta de largura, segundo as medidas daquele tempo. Explique que por essas dimensões, podemos afirmar que Ogue era bem mais alto que Golias. Ele foi um dos últimos reis da raça de gigantes. Depois, leia com a turma 1 Samuel 17.4 e compare as medidas de Ogue com Golias. Golias tinha quase três metros de altura. Depois peça aos alunos que com uma ou duas palavras, definam o sentimento que possivelmente invadiu o coração dos filhos de Israel ao saberem que iriam guerrear contra homens com o tamanho de Ogue.

 

TEXTO BÍBLICO

Números 21.31-35

31 Assim, Israel habitou na terra dos amorreus.

32 Depois, mandou Moisés espiar a Jazer, e tomaram as suas aldeias e daquela possessão lançaram os amorreus que estavam ali.

33 Então, viraram-se e subiram o caminho de Basã; e Ogue, rei de Basã, saiu contra eles, e todo o seu povo, à peleja em Edrei.

34 E disse o SENHOR a Moisés: Não o temas, porque eu to tenho dado na tua mão, a ele, e a todo o seu povo, e a sua terra, e far-lhe-ás como fizeste a Seom, rei dos amorreus, que habitava em Hesbom.

35 E de tal maneira o feriram, a ele, e a seus filhos, e a todo o seu povo, que nenhum deles escapou; e tomaram a sua terra em possessão.

 

 

 

INTRODUÇÃO

O capítulo 20 do livro de Números começa com a morte de Miriã e termina com a morte de Arão, tendo o povo pranteado durante 30 dias. Agora, de forma súbita, o rei de Arade, com seu exército, ataca os israelitas, alcançando vitória na batalha. Algo emocionalmente devastador. Israel, então, buscou o Senhor e fez um voto, ao que o Altíssimo atendeu e deu-lhes a vitória. Em seguida, mais uma vez, faltou água pelo caminho e o povo murmurou, tendo Deus enviado serpentes que matavam as pessoas. Mas o Senhor, novamente, trouxe livramento e cura. Depois desse grave problema, surgiu uma guerra inesperada: uma forte nação vizinha quis destruir Israel, mas o Todo-Poderoso concedeu outro grande êxito ao seu povo.

 

I - A VITÓRIA DEPOIS DO LUTO

 

  1. Perdas imprevisíveis.

Depois da morte de Miriã e Arão, o rei de Arade entendeu que a intenção dos hebreus era de atacá-lo, pois eles seguiam pelo “caminho dos espias”, ou seja, estavam marchando para conquistar terras, o mesmo itinerário seguido quase quatro décadas antes. Para piorar a tristeza dos hebreus, alguns homens foram aprisionados. Isso nunca tinha acontecido antes.

 

Perdas imprevisíveis, injustas agressões, nalgumas vezes, servem para tirar os filhos de Deus do imobilismo, da inércia e do comodismo. Aquele era o momento de se tomar uma nova atitude, de se buscar um novo começo com Deus. Eles teriam forças para isso?

 

  1. Compromisso com Deus.

“Então, Israel fez um voto ao SENHOR, dizendo: Se totalmente entregares este povo na minha mão, destruirei totalmente as suas cidades” (Nm 21.2). Aquela nova geração que entraria em Canaã, talvez pela primeira vez tenha dado um salto de fé, resolveu confiar no Senhor. A partir desse momento, a desesperança, derrota e morte, tão patente em Números 20, desaparece completamente. Surge um novo compromisso com Deus. Eles não poupariam nenhuma das cidades desobedientes, por amor ao Senhor.

 

Ainda que não haja informações a respeito do poder bélico do rei de Arade, o relevante é que Israel decide, desde aquele momento, confiar no Senhor. Uma nova página na história daquela geração estava sendo escrita. Um capítulo no qual ainda seriam vistos erros horríveis, mas era um sinal de que o treinamento do deserto já estava surtindo efeitos positivos. Davi disse: “Antes de ser afligido, andava errado; mas agora guardo a tua palavra” (Sl 119.67).

 

  1. Oração atendida.

“O SENHOR, pois, ouvira a voz de Israel e entregou os cananeus, que foram destruídos totalmente, eles e as suas cidades [...]” (Nm 21.3). Enfim, surge o primeiro feito na história daquela geração trazendo alegria e regozijo, satisfação pessoal, alegria íntima, pois Deus ouviu a voz de Israel. Qualquer vitória, naquelas circunstâncias, seria muito celebrada, haja vista ser um grande feito, pelo simbolismo, pela mudança de trajetória espiritual.

 

O Senhor conhece bem o seu povo, e, certamente, caso Israel sofresse mais uma derrota naquele momento, consisti-ria em uma tragédia, com consequências emocionais inimagináveis. O povo (e sobretudo Moisés) não suportava mais tanta decepção.

 

II - UM POUCO DA VIDA NO DESERTO

 

  1. Uma murmuração cultural.

Poucos dias antes, os israelitas tinham demonstrado uma grande fé e receberam uma grande vitória, mas agora, diante da escassez de água, voltam a murmurar contra o Senhor e Moisés. Nesse ponto do livro de Números, quase toda a geração que saiu do Egito havia falecido, entretanto os hebreus mantêm os mesmos argumentos, o mesmo tom das murmurações de seus pais (Nm 21.5).

 

 

 

Como repreensão, o Senhor enviou serpentes venenosas que matavam as pessoas e, mais uma vez, Israel procurou ajuda de Deus. Em resposta, o Altíssimo determinou que Moisés confeccionasse uma serpente de bronze; em seguida a colocasse no alto de uma haste e aqueles que olhassem para ela seriam curados. Deus, em sua longanimidade, mais uma vez, deu um grande livramento ao seu povo. A nova geração estava aprendendo como andar com Deus no deserto. O mesmo desafio se impõe aos cristãos, atualmente, em todo o mundo.

 

  1. A dificuldade recorrente.

Depois da solução do problema com as serpentes, o povo saiu a peregrinar por inúmeros lugares e, quando chegaram em Beer, ao que tudo indica, o povo teve sede. Não há nada mais comum no deserto do que a escassez de água, dificuldade essa que é potencializada se a necessidade é sentida por milhões de pessoas, como no caso de Israel.

 

Entre uma guerra e outra, além da murmuração e consequente envio das serpentes por Deus, mais uma vez, falta água; só que, desta vez, as pessoas não resmungam. Sentem a aflição, mas resolvem ficar caladas. Diante disso, o Senhor chamou Moisés e ensinou uma nova maneira para prover o que faltava: mandou o povo ficar junto e, em vez de murmurar, cantar. O Altíssimo estava apontando o caminho para uma vida de provisão na sua presença.

 

  1. O poder do louvor.

Deus ofereceu uma extraordinária experiência de provisão. Com as pessoas cantando juntas, em coro, Deus fez com que do poço seco brotasse água que dessedentou toda aquela multidão. O cântico era muito simples, e não possuía nenhum poder mágico, mas a fé do povo moveu o coração de Deus e o milagre aconteceu (Nm 21.17,18). O poder de Deus atuou por intermédio do louvor, como aconteceu em inúmeros episódios da história do povo de Deus.

 

A vida de cada cristão é permeada por pequenos milagres e livramentos, provisões, curas, diariamente. Afinal o justo viverá da fé e os milagres acontecem de forma inesperada e de maneira perfeita em sua vida.

 

III - A VITÓRIA SOBRE O MAIS FORTE

 

 

 

 

  1. Seom, rei dos Amorreus.

Números 21.21-32 narra a guerra contra Seom, rei dos amorreus. Foi uma batalha intensa e fora do comum, sempre mencionada em outros momentos, juntamente com o conflito seguinte (contra Ogue, rei de Basã), não como um feito heroico do povo, mas como um grande milagre realizado pelo Senhor, porque esses povos eram mais fortes e preparados do que Israel. As guerras enfrentadas pelos israelitas fizeram com que eles se tornassem mais confiantes no Senhor.

 

  1. Ogue, rei de Basã.

Com a mesma importância histórica nacional, encontra-se também a guerra contra Ogue, rei de Basã. Deuteronômio 3.4,5 diz que foram conquistadas 60 cidades que eram protegidas por altos muros, portas e ferrolhos, além de muitas outras sem muros. Deus disse a Moisés que não temesse nessa batalha (Nm 21.34), porque, de fato, Ogue era um gigante (Dt 3.11) mas, está escrito: “Operando eu, quem impedirá?” (Is 43.13).

 

Números 20 trouxe histórias de infortúnios para Israel e também para Moisés, mas no capítulo seguinte o quadro é diferente. O ambiente de triunfo e alegria, pelas proezas realizadas, tomou conta de todas as tribos de Israel, e ninguém falava noutro assunto, conforme relata Flávio Josefo.

 

  1. Uma recompensa importante.

As batalhas contra Seom e Ogue deixaram um legado, uma herança, um direito, para os israelitas. Eles agora tinham uma possessão, embora fosse aquém do rio Jordão. Toda bênção deve ser celebrada; se veio de Deus, enriquecerá e não acrescentará dores (Pv 10.22).

 

Deus traz bênçãos em meio às provações e, não poucas vezes, também acontece o contrário: permite surgir uma prova no meio da bênção. Neste caso, o povo estava sendo provado há aproximadamente 40 anos e o Senhor, depois de permitir muitas dores e lágrimas, propiciou conquistas que levantaram o ânimo e a fé do povo. Bom lembrar, porém, que tudo começou a mudar quando os hebreus, em Beer, não murmuraram pela falta de água mas, juntos, debaixo da orientação de Moisés, cantaram ao Senhor (Nm 21.17,18).

 

SUBSÍDIO 1

“Embora os espias que Moisés tinha enviado 38 anos antes, tivessem passado e voltado a passar despercebidos, ainda assim a sua vinda e o seus afazeres, provavelmente, foram posteriormente de conhecimento dos cananeus, e os alarmaram, e os levaram a vigiar Israel e ter conhecimento de todos os seus movimentos. Agora, quando Israel pensava que estava dirigindo-se a Canaã, este Arade, pensando na sua política de manter a guerra a distância, lhes fez um ataque e lutou com eles. Mas ficou provado que ele se intrometeu para seu próprio prejuízo. Se tivesse ficado quieto, o seu povo poderia ser o último de todos os cananeus destruídos, mas agora eles seriam os primeiros. [...] Seus primeiros soldados prenderam alguns israelitas desgarrados e os levaram prisioneiros (v. 1). Isto, sem dúvida, o deixou cheio de orgulho, e ele começou a pensar que teria a honra de esmagar este formidável exército, salvando o seu país da destruição que tal exército ameaçava. Isto foi, um teste para a fé dos israelitas e simultaneamente uma repreensão a eles, por suas desconfianças e descontentamentos” (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico do Novo Testamento: Antigo Testamento, Gênesis a Deuteronômio. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p. 516).

 

SUBSÍDIO 2

Siom, o seu rei, estava entre os mortos, e, como os mais valentes haviam morrido na batalha, os vitoriosos não encontraram mais resistência.

 

Assim foram os amorreus castigados pela sua imprudência no proceder e pela covardia no combate. Os hebreus tornaram-se os senhores do país deles.

 

Estavam as coisas nesse pé quando Ogue, rei de Galaade e Gaulanite, que vinha em socorro a Siom, seu amigo e aliado, soube que ele havia perdido a batalha. Como era muito ousado, não deixou de querer combater os israelitas e de se gabar da certeza de derrotá-los. Mas estes o desbarataram com todo o seu exército, e ele mesmo foi morto em combate. Era um gigante de enorme estatura, e o seu leito, que era de ferro e podia ser visto na cidade capital do seu reino, chamada Rabatha, tinha nove côvados de comprimento e quatro de largura. E Ogue não tinha menos coragem do que força.

 

Moisés, depois dessa vitória, atravessou o rio Jaboque, entrou no reino de Ogue e apoderou-se de todas as suas cidades, fazendo matar os habitantes mais ricos. Tão grande êxito não trouxe aos hebreus apenas vantagem momentânea, mas lhes abriu caminho para outras conquistas, pois tomaram sessenta cidades fortes e bem municiadas (JOSEFO, Flávio. História dos Hebreus. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, pp. 206,207).

 

CONCLUSÃO

A caminhada com Deus será sempre cheia de aventuras, surpresas e sobressaltos. Nunca haverá monotonia em nossa caminhada até o céu, pois, o Senhor deseja nos levar a um patamar sempre mais alto. Israel aprendeu essa importante lição durante sua longa temporada no deserto. Deus permite em nossa caminhada guerras e conflitos com o propósito de nos moldar e nos preparar para adentrarmos na Terra Prometida, a Nova Jerusalém.

 

HORA DA REVISÃO

  1. Quais as três guerras mencionadas em Números 21?

Guerras contra o cananeu rei de Arade; Seom, rei dos amorreus e Ogue, rei de Basã.

  1. Em quais lugares mencionados em Números 21 faltou água para o povo beber?

Nos arredores da terra de Edom e em Beer.

  1. Qual a solução, a fim de ficar vivo, para quem fosse picado por uma serpente no deserto?

Olhar para a serpente de bronze levantada por Moisés.

  1. Cite um personagem bíblico, mencionado em Números 21, que era gigante.

Ogue, rei de Basã.

  1. Aponte duas outras passagens bíblicas que tratam sobre a guerra contra Seom, rei dos amorreus.

 

Lição 9- A Proteção no Deserto

Classe: Jovens | Trimestre: 1° de 2019 | Revista: Professor | Data da Aula: 03/03/2019 - Lições Bíblicas de Jovens, CPAD | TEXTO DO DIA

“Pois contra Jacó não vale encantamento, nem adivinhação contra Israel; neste tempo se dirá de Jacó e de Israel: Que coisas Deus tem feito!” (Nm 23.23)

O povo de Deus passou por aflições no deserto, mas o Todo-Poderoso jamais os deixou sozinhos. Eles puderam contar sempre com a ajuda do Senhor.

 

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - 1 Tm 6.9 Os que querem ficar ricos caem em tentação

TERÇA - 1 Tm 6.10 A avareza é a raíz de todos os males

QUARTA - 1 Co 10.12 Quem pensa estar em pé, tome cuidado

QUINTA - Lc 10.19 O maligno não toca no povo de Deus

SEXTA - Tg 1.15 O pecado tem poder mortal

SÁBADO - Rm 3.23 O pecado sempre tem um custo

 

OBJETIVOS

  • SABER que os inimigos do povo de Deus podem se levantar de qualquer lugar;
  • COMPREENDER que o Senhor é o escudo do seu povo e, por isso, o maligno não lhe toca;
  • EXPOR a força destrutiva do pecado.

 

INTERAÇÃO

Querido (a) professor(a), toda pessoa nascida de novo é um instrumento de Deus, por isso confie a seus discentes tarefas desafiadoras. Não se esqueça de que as pessoas trabalham com mais empenho, e de forma mais persistente, quando reconhecem a importância de sua contribuição individual. Assim, diga-lhes que a aula seguinte será muito melhor se houver visitantes não evangélicos e, após, estimule-os a lançar o convite aos amigos e vizinhos não cristãos. Eles se sentirão importantes com tal tarefa. Ofereça uma premiação (ainda que simbólica), que pode ser individual ou em grupo, para quem trouxer mais convidados para a aula. Você foi escolhido (a) por Deus para fazer a diferença na vida dos seus alunos, por isso invista incansavelmente neles.

 

 

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor (a), leia juntamente com seus alunos e comente o texto de 2 Pedro 2.15. Explique que o caminho de Balaão era mal, pois ele era o típico profeta profissional, mercenário, ansioso por obter lucro com o seu dom. Depois, leia Judas 1.11. Fale que o engano de Balaão foi o seu raciocínio, baseado numa moralidade desvirtuada, de que um Deus justo levaria em consideração o suborno recebido pelo profeta, a fim de cometer uma injustiça. Em seguida, leia Apocalipse 2.14 e explique que a doutrina de Balaão era maligna, pois seduziu os israelitas ao pecado, o mesmo que faz Satanás, e, com isso, garantiu que Israel se arruinaria.

 

TEXTO BÍBLICO

Números 23.1-10, 19-21

1 ENTÃO Balaão disse a Balaque: Edifica-me aqui sete altares, e prepara-me aqui sete novilhos e sete carneiros.

2 Fez, pois, Balaque como Balaão dissera: e Balaque e Balaão ofereceram um novilho e um carneiro sobre cada altar.

3 Então Balaão disse a Balaque: Fica-te junto do teu holocausto, e eu irei; porventura o SENHOR me sairá ao encontro, e o que me mostrar te notificarei. Então foi a um lugar alto.

4 E encontrando-se Deus com Balaão, este lhe disse: Preparei sete altares, e ofereci um novilho e um carneiro sobre cada altar.

5 Então o SENHOR pôs a palavra na boca de Balaão, e disse: Torna-te para Balaque, e assim falarás.

6 E tornando para ele, eis que estava junto do seu holocausto, ele e todos os príncipes dos moabitas.

7 Então proferiu a sua parábola, e disse: De Arã, me mandou trazer Balaque, rei dos moabitas, das montanhas do oriente, dizendo: Vem, amaldiçoa-me a Jacó; e vem, denuncia a Israel.

8 Como amaldiçoarei o que Deus não amaldiçoa? E como denunciarei, quando o SENHOR não denuncia?

9 Porque do cume das penhas o vejo, e dos outeiros o contemplo; eis que este povo habitará só, e entre as nações não será contado.

10 Quem contará o pó de Jacó e o número da quarta parte de Israel? Que a minha alma morra da morte dos justos, e seja o meu fim como o seu.

19 Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?

20 Eis que recebi mandado de abençoar; pois ele tem abençoado, e eu não o posso revogar.

21 Não viu iniquidade em Israel, nem contemplou maldade em Jacó; o SENHOR seu Deus é com ele, e no meio dele se ouve a aclamação de um rei.

 

INTRODUÇÃO

Números capítulo 21 mostra-nos momentos de alegria e vitória para os hebreus. Deus lhes concedeu a vitória. A nova geração que nasceu no deserto (não tinha sido escrava no Egito) vivia, até então, seu melhor momento com Deus. As recentes conquistas contra o rei de Arade, Seom e Ogue, bem como o milagre acontecido em Beer (água brotar de um poço seco), eram provas cabais desse avanço espiritual.

 

As notícias a respeito das vitórias esmagadoras sobre alguns reis, espalharam-se rapidamente por todas as nações vizinhas, motivo pelo qual os moabitas ficaram bastante preocupados. Acreditavam que seriam os próximos. No afã de conseguir deter a marcha triunfal do povo hebreu, Balaque, rei dos moabitas, enviou mensageiros para contratarem um profeta que morava na Mesopotâmia, Balaão, a fim de amaldiçoar o povo de Deus. É o que veremos na lição de hoje. 

 

 

I - OS INIMIGOS

 

  1. Inimigos que não conhecem a Deus.

Toda vez que o povo de Deus cresce e prospera, o mal se levanta para detê-lo. Foi exatamente o que aconteceu nesse momento da travessia dos hebreus pelo deserto. Balaque, rei dos moabitas, compreendeu que a força deles era espiritual, vinda de Deus, por isso tencionou derrotá-los na vida espiritual. Porventura não é isso que, com frequência, acontece em nosso cotidiano? O Inimigo sabe que Deus age em nosso favor, mas, mesmo assim, ele tenta arruinar nossas vidas e impedir a nossa caminhada até o céu.

 

  1. Inimigo que conhece a Deus.

No afã de destruir Israel, Balaque busca (e consegue) apoio de alguém que conhecia o Deus de Israel: o profeta Balaão. Ele aparece de forma misteriosa nas Escrituras (Nm 31.8; 2 Pe 2.15; Jd 11; Ap 2.14). Ele era, sem dúvida, muito afamado, tanto que Balaque acreditava que suas palavras determinariam a bênção ou a maldição (Nm 22.6), por isso pagou caro para ele amaldiçoar Israel.

 

O problema de Balaão era o seu caráter duvidoso. Ele teve a ousadia de orar perguntando a Deus se deveria aceitar suborno para amaldiçoar Israel. O Senhor lhe disse um não veemente (Nm 22.12). No entanto, quando viu que o valor do seu “cachê” havia aumentado, Balaão foi perguntar a Deus novamente se poderia almaldiçoar os hebreus.

  1. Os Inimigos espirituais.

Os principais inimigos de Israel não eram seres espirituais. Balaque estava ciente de que a guerra vindoura (Nm 22.3) seria travada, sobretudo, nas trincheiras da espiritualidade, por isso contratou um expert em assuntos espirituais para enganar o povo de Deus.

 

Balaão, amando o prêmio da injustiça, negociou o que tinha recebido de Deus. As “hostes espirituais da maldade” (Ef 6.12) dominaram totalmente o coração dele, como aconteceu com o de Judas, por isso Jesus o chamou de filho da perdição (Jo 17.12), pelas inúmeras chances que ele teve de acertar, mas errou em todas elas. Precisamos começar bem e, com Deus, terminar melhor, mas Balaão, ao contrário, deixou o Diabo encher seu coração.

 

Pense

Será que Balaão teria argumentos para responder à pergunta: “De que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”

 

Ponto Importante

Balaão perdeu-se na estrada da vida porque o seu coração era mau e ganancioso.

 

II - NÃO CABE ENCANTAMENTO CONTRA JACÓ

 

  1. Deus se opõe a Balaão.

Todos aqueles que se levantarem contra o povo de Deus, mais cedo ou mais tarde, vão sofrer oposição da parte do Senhor, como aconteceu com Balaão. A jumenta que transportava o profeta viu o anjo do Senhor no caminho, e salvou-lhe a vida. Diante disso, Balaão ainda questionou ao anjo se deveria seguir naquele mesmo destino. Quanta loucura e ganância! Que caráter mesquinho! A jumenta tinha mais “visão de Deus” do que o próprio Balaão.

 

Sem dúvida, quando se está no caminho errado, o mais correto a fazer é dar meia volta e retornar ao centro da vontade de Deus. Balaão, entretanto, buscava somente sua vontade, o aumento do seu patrimônio. Por isso o Senhor se opôs a ele. Na caminhada cristã, igualmente, o servo de Deus deve tomar cuidado para não lutar contra quem o Senhor abençoou! Isso é muito perigoso.

 

  1. Deus constrange Balaão.

Caminhar para um lugar longe da vontade Senhor só produz vergonha e dissabor. Foi isso que aconteceu com Balaão; desagradou a Deus e a Balaque, o qual não lhe prestou nenhuma homenagem, mesmo tendo empreendido uma viagem tão longa.

 

Todas as tentativas de “convencer” o Senhor da indignidade de Israel foram inúteis, o que fazia com que o contratante dos “serviços proféticos” ficasse cada vez mais irado com Balaão. Atualmente, algumas pessoas também recorrem a alguns “profetas” para que lhes digam as palavras que querem ouvir.

 

  1. Deus abençoa Israel.

Foram três bênçãos proferidas por Balaão, além da última que tratou, inclusive, da vinda do Messias.

 

Deus não ouviu Balaão e transformou a maldição em bênção (Dt 23.5), pois o Senhor amava o seu povo. Balaão teve de pronunciar as seguinte bênçãos:

  1. a) O crescimento de Israel (Nm 23.9,10);
  2. b) A fidelidade das promessas de Deus (Nm 23.19,20);
  3. c) A lealdade e a santidade de Israel (Nm 23.21);
  4. d) A força de Israel (Nm 23.22);
  5. e) Nenhum encantamento contra Jacó os alcançaria (Nm 23.23);
  6. f) Prosperidade, riqueza e vitória contra os inimigos (Nm 24.5-9); g) Deus enviaria o Messias o qual daria a vitória completa ao povo (Nm 24.17-24).

 

Todo o tempo em que Balaão tencionava amaldiçoar os hebreus, o Senhor os protegia e, certamente, nenhum deles sabia o que se passava nos arredores do acampamento. Isso acontece também conosco, pois todas as vezes em que o Inimigo vem para matar, roubar e destruir, Deus concede o livramento.

 

Pense!

Se o coração de Balaão era corrompido, a ponto de aceitar a proposta de suborno de Balaque, por que Deus continuou falando com ele?

 

Ponto Importante

Enquanto Deus frustrava a maldição de Balaão, mostrava a Israel sua proteção e anunciava sua soberania a Balaque. O Senhor precisava falar com alguém, e Balaão, ainda que desviado, era o único meio ideal.

 

 

 

III - A FORÇA DESTRUTIVA DO PECADO

 

  1. O caminho de Balaão.

Balaão tinha o “coração exercitado na avareza”; essa era sua conduta, seu caminho (2 Pe 2.14, 15). Era um “profissional da religião”, que cobrava pelos prognósticos “proféticos”. Balaão ensinou seu mau caminho aos hebreus e o prejuízo para o povo de Deus foi enorme.

 

O Senhor convoca todos a experimentarem uma “mudança de mente”, do grego metánoia (Rm 12.2). Novos pensamentos que visem a glória de Deus, para que se compreenda toda a sua vontade. O caminho de Balaão continua, infelizmente, sendo palmilhado por muitos “profissionais da fé”, os quais intitulam o dom recebido de Deus como “ganha pão” e, com isso, cobram cachês astronômicos, comparando-se às celebridades do mundo artístico.

 

É importante ressaltar que dar uma oferta, compatível com a capacidade financeira da igreja, a um cantor ou pregador, o qual teve gastos diversos para chegar até a igreja, não é um cachê, trata-se de um compromisso moral e espiritual de quem convida. Entretanto, exigir vultosas quantias em dinheiro para realizar atividades inerentes à fé, não parece ser adequado ao crente.

 

  1. A doutrina de Balaão.

Frustrado por não conseguir amaldiçoar o povo de Deus, Balaão ensinou “Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel para que comessem dos sacrifícios da idolatria e se prostituíssem” (Ap 2.14). Com isso, as filhas dos moabitas conquistaram o coração de milhares de hebreus. O que os ferozes inimigos não conseguiram com as armas, foi alcançado pela força destrutiva do pecado. Flávio Josefo diz que “para agradar àquelas moças, que se tornaram suas esposas, não temeram violar os mandamentos do verdadeiro Deus”.

 

As Escrituras ensinam o antídoto para a doutrina de Balaão: Assentar no coração a firme convicção de, como Daniel (Dn 1.8), oferecer o corpo em sacrificio vivo, santo e agradável a Deus, o nosso culto racional (Rm 12.1).

 

  1. O castigo merecido.

O pecado, sugerido por Balaão, foi consumado por muitos hebreus, o que gerou a morte de 24 mil pessoas (Nm 25.9) e só cessou por causa de um ato de bravura e fé do sacerdote Fineias. A mortandade foi encerrada imediatamente, mas um grande estrago já tinha acontecido. A geração que fora criada no deserto seguia os mesmos passos daquela que havia saído do Egito. O futuro, por isso, parecia sombrio para o povo.

 

Deus advertiu, com veemência, a condicionalidade das suas promessas para Israel à total obediência (Lv 26.1439). Se houvesse rebeldia, os castigos seriam rigorosos. Este episódio demonstra cabalmente isso. É preciso seguir com Deus de modo cuidadoso, “em santo trato e piedade” (2 Pe 3.11), “porque a nossa salvação está, agora, mais perto de nós do que quando aceitamos a fé” (Rm 13.11).

 

Pense!

O que representou, de fato a apostasia de Israel no caso em que estudamos?

Ponto Importante

Os critérios da justiça divina não podem ser aquilatados por seres limitados e imperfeitos, como os homens, que não conhecem a real e profunda natureza do pecado.

 

SUBSÍDIO 1

Balaque, muito irritado por ver-se desiludido em suas esperanças, despediu Balaão sem lhe prestar homenagem alguma. Tendo o profeta chegado próximo do Eufrates disse: ‘Não espereis que a raça dos israelitas pereça pelas armas, pela peste, pela carestia ou por qualquer outro acidente, pois Deus, que a tomou sob sua proteção, a preservará de todas as desgraças. Ainda que eles sofram algum desastre, levantar-se-ão com mais glória ainda, pois se tornarão mais sensatos pelo castigo. Mas se quereis triunfar sobre eles por algum tempo, dar-vos-ei o meio para tanto. Mandai ao seu acampamento as mais belas de vossas filhas, bem adornadas, e ordenai-lhes que de nada se esqueçam para suscitar amor aos mais jovens e os mais corajosos dentre eles. É o único meio que tendes para fazer com que Deus se encha de cólera contra eles.'

 

[...] Os mídianitas não titubearam em executar logo o conselho, isto é, enviar as suas filhas e instruí-las conforme ele lhes havia dito.

 

Os moços, enamorados, aceitaram as condições: abandonaram a fé de seus pais, adoraram vários deuses, ofereceram-lhes sacrifícios semelhantes aos dos mídianitas e comeram indiferentemente de todas as iguarias. Para agradar àquelas moças, que se tornaram suas esposas, não temeram violar os mandamentos do verdadeiro Deus (JOSEFO, Flávio. História dos Hebreus. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, pp. 210,211).

 

SUBSÍDIO 2

Foram levados pelo engano do prêmio de Balaão. Como em 2 Pedro, Judas usa os pecados de Balaão como exemplo do que esses homens são. Balaão foi um falso profeta e um paradigma de falso mestre, o que mostra o modus operandi dos sonhadores contemporâneos e dos falsos profetas. A referência explícita ao prêmio de Balaão aqui em Judas, e ao ‘prêmio da injustiça' em Pedro 2.15 (também em Ap 2.14) dá uma ideia de atos motivados por ganância.

 

O pecado de Balaão foi tão grave quanto o daqueles homens — o sincretismo. Isso é o que o torna tão sedutor, e por essa razão, se introduziram sem serem notados. A ostensiva heresia poderia ter sido imediatamente detectada. Mas estes homens penetraram secretamente na comunhão, e, de modo sedutor, espalharam o sincretismo licencioso oferecendo um cristianismo que, na verdade, não é cristianismo. A referência a Balaão vem de Números 25, onde induziu os filhos de Israel ao sincretismo (isto é, à união da adoração a Jeová com a adoração a Baal). A porta de entrada ao sincretismo foi a ‘imoralidade sexual' entre os homens de Israel e as mulheres moabitas (Nm 25.1). Desse modo, os falsos mestres, movidos pela ganância, inclinaram-se aos erros de Balaão, introduzindo uma negação moral do senhorio de Cristo, enquanto ainda mantinham uma aparente ortodoxia (Comentário Bíblico Pentecostal. 2.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p. 1813).

 

CONCLUSÃO

A experiência narrada em Números 25 deixou marcas profundas no povo hebreu, sendo tal fato relembrado posteriormente, durante séculos. Nunca devemos nos esquecer das consequências danosas do pecado. Os feitos de homens da estirpe de Balaão deveriam ficar registrados “para exemplo aos que vivessem impiamente” (2 Pe 2.6). “A noite é passada, e o dia é chegado. Rejeitemos, pois, as obras das trevas e vistamo-nos das armas da luz” (Rm 13.12).

 

HORA DA REVISÃO

  1. Que rei moabita contratou Balaão para amaldiçoar Israel?

Balaque.

  1. Em que lugar residia Balaão?

Mesopotâmia (Dt 23.4).

  1. O que motivou Balaão a tentar amaldiçoar Israel?

O prêmio da injustiça — dinheiro oferecido por Balaque.

  1. Quais os textos do Novo Testamento que falam do caminho e da doutrina de Balaão? 2 Pedro 2.14,15 e Apocalipse 2.14.
  2. Quantas pessoas morreram em face do castigo pelo pecado do povo?

Foram 24 mil pessoas.

 

Lição 10 - OS CUIDADOS E DEVERES DA NOVA GERAÇÃO

 Quinta-Feira, Janeiro 24, 2019

 

TEXTO DO DIA “Dá ordem aos filhos de Israel e dize-lhes: Da minha oferta, do meu manjar para as minhas ofertas queimadas, do meu cheiro suave, tereis cuidado, para mas oferecer a seu tempo determinado.” (Nm 28.2)

 

SÍNTESE No deserto, Deus se relacionava intimamente com o seu povo e lhe concedeu leis, que o ajudara a ter relacionamentos saudáveis, e a oportunidade de adorá-lo.

 

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Sl 44.3 Foi Deus quem concedeu vitória a Israel

TERÇA - Js 1.7,8 Guardando a lei de Deus

QUARTA - Sl 119.97 Amando a lei de Deus

QUINTA – Rm 12.11 Cuidado redobrado

SEXTA – 1 Tm 4.16 Cuidando da doutrina

SÁBADO – 1 Tm 5.8 Cuidando da família

 

OBJETIVOS

  • MOSTRAR o propósito do censo que foi ordenado pelo Senhor;
  • EXPLICAR a importância das leis divinas para os hebreus;
  • RECONHECER a importância da adoração.

 

INTERAÇÃO

Estimado(a) professor(a), estamos no último mês do trimestre e, diante disso, é possível que alguns alunos tenham perdido a empolgação inicial e, por isso, faltaram algumas aulas. Ante essa circunstância seja proativo e convoque os outros professores e alunos para que façam um jejum pelos discentes que estão afastados da Escola Dominical. Se possível, planeje com a turma ou parte dela, uma visita a cada um dos faltosos. Essa estratégia, sem dúvida, vai melhorar significativamente a frequência de sua classe. O professor(a) comprometido(a) com a obra para a qual foi vocacionado, jamais desiste de seus alunos!

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Para apresentar o terceiro tópico da lição, faça alguns esquetes. Lembrando que o objetivo dessa atividade é aumentar a participação dos alunos nas aulas. Divida a turma em dois grupos e peça que representem, em cinco minutos, uma cena que simbolize a adoração no tabernáculo (apresentação de uma oferta). Escolha três jurados e ofereça um prêmio ao grupo vencedor, que poderá ser caixa de bombons. Parabenize a todos que participaram. Ao final, conclua dizendo que a adoração era o cerne da vida comunitária hebraica.

 

TEXTO BÍBLICO

Números 26.1,2,52-55,64,65

1  Aconteceu, pois, que, depois daquela praga, falou o SENHOR a Moisés e a Eleazar, filho de Arão, o sacerdote, dizendo: 

2  Tomai a soma de toda a congregação dos filhos de Israel, da idade de vinte anos para cima, segundo as casas de seus pais, todo que, em Israel, vai para o exército. 

52  E falou o SENHOR a Moisés, dizendo: 

53 A estes se repartirá a terra em herança, segundo o número dos nomes. 

54 Aos muitos, multiplicarás a sua herança; e, aos poucos, diminuirás a sua herança; a cada qual se dará a sua herança, segundo os que foram deles contados. 

55 Todavia, a terra se repartirá por sortes; segundo os nomes das tribos de seus pais, a herdarão.

64 E entre estes nenhum houve dos que foram contados por Moisés e Arão, o sacerdote, quando contaram aos filhos de Israel no deserto do Sinai. 

65 Porque o SENHOR dissera deles que certamente morreriam no deserto; e nenhum deles ficou, senão Calebe, filho de Jefoné, e Josué, filho de Num.

 

 COMENTÁRIO

 

INTRODUÇÃO

Os capítulos 26 a 30 do livro de Números, seguem o mesmo padrão dos capítulos iniciais e o intervalo entre um evento e outro dista quase quatro décadas. As gerações são diferentes: A primeira foi escrava no Egito e morreu no deserto, restando apenas Moisés, Josué e Calebe (Nm 26.64,65). A segunda geração era formada por pessoas com, no máximo, 59 anos de idade. Diante de um novo grupo de indivíduos, o Senhor ordenou que fosse feito novamento um censo (Nm 26.1-51), relembrou a lei e estabeleceu algumas leis civis (Nm 26.52-56; 27.1-11; 30.1-16; 36.1-13). O Senhor também falou a respeito da importância da adoração (Nm 28,29), pois os novos hebreus precisavam conhecer sua identidade e força (censo), suas responsabilidades civis e familiares (leis) e o dever de adorar ao Senhor em todo o tempo.

 

I – A IMPORTÂNCIA DAS PESSOAS

  1. Um censo providencial. “Aconteceu, pois, que, depois daquela praga, falou o SENHOR a Moisés e a Eleazar, filho de Arão, o sacerdote, dizendo: Tomai a soma de toda a congregação dos filhos de Israel, da idade de vinte anos para cima, segundo as casas de seus pais, todo que, em Israel, vai para o exército” (Nm 26.1,2). As provações do deserto consumiram os últimos ex-escravos hebreus que saíram do Egito e, agora, o povo deveria ser numerado novamente pois, conforme Deus prometera, o caminho para Canaã estava liberado, mas ainda havia muitas terras a serem conquistadas.

Deus estava “cansado” da ingratidão e da rebelião dos hebreus. Por isso, Ele intentou ferir todo o povo, exterminando-os para fazer a partir de Moisés um novo povo (Nm 14.11,12). Mas Moisés, como um líder amoroso e humilde, intercedeu em favor dos seus irmãos. Então, o Senhor ouviu e aceitou a súplica do seu servo. Deus ouve e responde as nossas súplicas, por isso nunca desista de clamar.

 

  1. Um exército poderoso. Segundo Números 26.2, “todos os filhos de Israel”, maiores de 20 anos, deveriam ser contabilizados em um novo censo. Deus estava tratando da nova geração do deserto. Eles precisavam aprender que, diante dos inimigos e das guerras vindouras, não deveriam se gloriar quanto ao número de guerreiros ou à força física dos jovens soldados. Precisavam aprender a confiar inteiramente no Deus que os tirou do Egito e que já havia prometido que eles possuiriam “a porta dos seus inimigos” (Gn 22.17).

Quando Balaque tentou empreender um “ataque espiritual” em desfavor de Israel, por intermédio do suborno ao profeta Balaão, o rei dos moabitas afirmou que Israel era um grande e poderoso povo.

Deus fez dos hebreus um povo valente, guerreiro. Ele também fez cair um pavor, um respeito, nas nações circunvizinhas em relação a Israel.

 

  1. Um povo abençoado. Depois que foi concluído o recenseamento, “falou o SENHOR a Moisés, dizendo: A estes se repartirá a terra em herança, segundo o número dos nomes” (Nm 26.52,53). O Senhor poderia ter dado essas instruções após a conquista da Terra, mas preferiu animar e fortalecer o coração e a fé de todos previamente. Israel deveria esperar, confiar e descansar nas promessas de Deus.

Sabemos que as pessoas só vão até onde a visão delas alcança. Assim, o Senhor estava internalizando naquela nova geração o sentimento de luta e conquista, mostrando, sobretudo, que eles eram mais que vencedores, pois havia a garantia, em Deus, de que tudo fluiria bem; tanto que o Altíssimo instruiu em como dividir a herança da Terra Prometida.

 

 Pense!

O fato de Moisés ter “mudado a opinião” de Deus a respeito do extermínio dos hebreus incrédulos, demonstra que o Senhor não é imutável?

 

Ponto Importante

Moisés não “mudou a opinião” de Deus acerca da morte dos hebreus incrédulos, mas apenas retardou o acontecimento; com isso, o próprio Moisés também não pôde entrar em Canaã.

 

 

 

II – A IMPORTÂNCIA DAS LEIS

  1. Lei acerca da divisão da terra (Nm 26.52-65). O povo que fora criado no deserto precisava de regras e normas. Era um povo santo, separado e não poderia viver segundo os costumes adquiridos no Egito e nem segundo os hábitos das nações vizinhas. Por isso, no livro de Números, vamos encontrar várias leis civis e normas de condutas. Por exemplo, em Números 26.52-65, o Senhor determina regras para a divisão das terras que seriam conquistadas. O Altíssimo conhecia o seu povo, sabia da dureza de coração deles e que poderia haver brigas e discórdias na partilha das terras que haveriam de ser conquistadas.
  2. Lei para proteger os relacionamentos (Nm 30.1-16). Deus estabeleceu leis acerca dos votos das mulheres e dos homens. O propósito do Senhor era evitar que os votos feitos viessem afetar os relacioamentos entre marido e mulher ou entre pai e filha. Sabemos que um povo forte e próspero é também o resultado de famílias fortes e unidas. Contudo, o objetivo não era apenas evitar os conflitos familiares, pois segundo a Bíblia de Estudo Pentecostal “esse capítulo deixa claro que Deus requeria do seu povo o cumprimento das promessas feitas a Ele e ao próximo.” O Senhor desejava mostrar a seriedade de um voto ou promessa.

 

  1. Lei a respeito da divisão da presa (Nm 31.25-47). O Senhor também estabeleceu critérios a respeito dos espólios de guerra. Eles deveriam ser divididos em duas partes iguais, sendo que uma parte seria dada aos guerreiros que lutaram na batalha e a outra seria distribuída entre os “que ficaram com a bagagem” (1 Sm 30.24,25). Uma parte também deveria ser entregue ao Senhor como uma oferta. Desta forma ninguém ficaria com tudo e nem ninguém ficaria sem nada.

 

Pense!

Sendo Israel um povo santo, poderia aproveitar o ordenamento jurídico de outros povos?

 

Ponto Importante

Deus sabia que as leis de outros povos eram injustas. Por isso, os hebreus deveriam ser um referencial para outras nações.

 

III – A IMPORTÂNCIA DA ADORAÇÃO

  1. Uma vida bem cuidada. A partir do capítulo 21, o livro de Números narra vários conflitos bélicos vencidos pelos hebreus, os quais trouxeram muitas riquezas das cidades despojadas. Em várias ocasiões, naquela jornada extenuante, faltou água, mas nunca faltou o cuidado divino. Sempre houve milagres. Quer seja a rocha proporcionando água em abundância, como rios caudalosos, para dessedentar a necessidade de milhões de pessoas e animais, quer fazendo brotar água de um poço seco (em Beer), depois de, juntos, os israelitas cantarem um louvor a Deus, “falando” ao poço.

O fornecimento milagroso de água e de maná ao longo da peregrinação demonstra de maneira inequívoca uma verdade que permeia todas as Escrituras: Deus provê as necessidades daqueles que o servem e o adoram em espírito e em verdade.

 

  1. O dever de um povo agradecido. Em Números 28 e 29 o Senhor revela que o seu povo não deveria descuidar da adoração. Então Ele mostra, mediante o estabelecimento das ofertas, a primazia da adoração. Israel seria uma comunidade de adoradores, porisso deveriam aprender a serem agradecidos. Agratidão ao Senhor seria revelada mediante as ofertas.

A especificação de algumas regras para o recebimento de ofertas, na presença do Senhor, demonstrava que os hebreus não poderiam fazer o que bem quisessem. As regras eram de Deus e isso deveria ser cumprido reverentemente sob pena de danos terríveis aos adoradores. Vivemos debaixo de uma nova aliança, mas tal aliança não admite permissividade. As mortes de Ananias e Safira servem como exemplo disso, a fim de que se entenda o que pode acontecer com alguém que desobedece, voluntariamente, dentro de uma ambiência litúrgica e cultural divina.

 

  1. Um Deus que merece ser adorado. Avida deve ser como um culto contínuo de adoração; esse era e é o propósito do Deus de Israel. O cerne da existência e das atividades do povo de Deus. Não era por acaso que o tabernáculo encontrava-se no centro do acampamento e tudo se movia ao seu redor.

Números 28 começa com uma grave advertência de Deus:“Dá ordem aos filhos de Israel e dize-lhes: Da minha oferta, do meu manjar para as minhas ofertas queimadas, do meu cheiro suave, tereis cuidado, para mas oferecer a seu tempo determinado”. Deus demonstrou o cumprimento da aliança com seu povo. Todavia, agora, o Senhor estava deixando claro que as falhas da jornada no deserto não deveriam se repetir e que a adoração dos hebreus, na Terra Prometida, deveria se transformar num estilo de vida.

 

Pense!

A liturgia do culto ao Senhor pode ser compatível com os modismos sociais e culturais do nosso tempo?

 

Ponto Importante

O culto a Deus deve ser solene e reverente, calçado na simplicidade, santidade e obediência.

 

SUBSÍDIO

“Imediatamente após um ato de apostasia (capítulo 25), vem um censo mais detalhado, semelhante ao descrito no capítulo 1. Esse censo inclui os descendentes dos israelitas que saíram do Egito (v. 4b) e que eram da idade de vinte anos ou mais, a idade mínima para a inclusão no primeiro censo. A frase da NVI, ‘estes foram os israelitas que saíram do Egito’ não pode dizer respeito à primeira geração, pois os versículos 64,65 dizem expressamente que ninguém dessa geração, exceto Calebe e Josué, estavam entre eles. O propósito imediato desse levantamento é produzir dados estatísticos para a partilha da terra após a sua conquista (vv. 52-56). Isso, por si só, já é um fato curioso, considerando-se a formidável oposição que tinham pela frente. A visão de Deus para o futuro era diferente da visão dos espias. Os espias haviam dito: ‘Não somos capazes de tomar a terra’. Deus dizia: ‘Tomarão a terra’. Com esse intuito, Israel inicia confiantemente suas preparações sem sentir que está se precipitando. A primeira geração estava fadada a perecer no deserto, por causa de seus pecados. Deus havia levantado um segunda geração para pôr os pés na terra prometida” (HAMILTON, Victor P. Manual do Pentateuco. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2016, pp. 405,407).

 

 

 

CONCLUSÃO

A partir da morte dos últimos representes da antiga geração, um novo grupo de israelitas, que conquistaria a terra dos cananeus, precisava entender alguns princípios acerca da vontade de Deus. Por isso, o Senhor determinou um novo censo, estabeleceu leis e fez um apelo incisivo sobre a necessidade de que Israel adorasse ao Senhor voluntariamente, de todo o coração. A conquista de Canaã exigiria muitos esforços dos israelitas.

 

HORA DA REVISÃO

  1. Qual referência bíblica demonstra que todos da geração de ex-escravos que saiu do Egito morreram no deserto?

Números 26.64,65.

  1. Quais os nomes das duas pessoas que saíram do Egito e entraram em Canaã?

Josué e Calebe.

  1. Cite dois tipos de assuntos versados nas leis mencionadas à segunda geração dos hebreus.

Lei que trata de herança e de relacionamento familiar.

  1. Qual a referência na qual Deus exige que a oferta seja prestada com cuidado, no tempo certo?

Números 28.2.

  1. Segundo a lição, o propósito de Deus era que a vida dos hebreus fosse como um culto contínuo de adoração?

Sim. Esse era o real propósito divino.

 

 

Lição 11 - MOISÉS, UM LÍDER VITORIOSO

- Segunda-Feira, Fevereiro 11, 2019

 

TEXTO DO DIA “E nunca mais se levantou em Israel profeta algum como Moisés, a quem o SENHOR  conhecera face a face.” (Dt 34.10)

 

SÍNTESE Os milagres na vida de Moisés eram eventos naturais para Deus. Mas para ele e seu povo eram sobrenaturais.

 

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Êx 20.1-26 Moisés, o estadista

TERÇA - Sl 77.20 Moisés, o líder que guiou o povo de Deus

QUARTA - Sl 90.1-17 Moisés, o poeta

QUINTA - Sl 105.26 Moisés, servo de Deus

SEXTA - Sl 106.23 Moisés, o intercessor

SÁBADO - Jo 1.17 Moisés, o legislador

 

OBJETIVOS

  • MOSTRAR a difícil jornada de Moisés enquanto líder pelo deserto;
  • CONSCIENTIZAR de que Moisés era um homem à frente do seu povo;
  • REFLETIR a respeito da última batalha de Moisés.

 

INTERAÇÃO

Prezado(a) professor(a), as deficiências estruturais de algumas classes de Escola Dominical não devem ser empecilhos para que se ofereça aos alunos um ensino bíblico de qualidade. Ame seus alunos e eles sentirão que são especiais. Quem ama os alunos procura propiciar um ambiente que seja o mais aconchegante possível, apesar das limitações. Uma simples decoração pode fazer uma enorme diferença. Lembre-se de que em alguns lugares (países onde os cristãos são perseguidos), as dificuldades são ainda maiores, mas nem por isso a obra de Deus deixou de crescer e os alunos de serem edificados em Cristo. Não podemos nos esquecer de que a primeira reunião da Escola Dominical no Brasil aconteceu na cozinha do casal Kalley. Portanto, esteja certo de que Deus o ajudará a vencer quaisquer dificuldades. Não desista nunca e sempre dê o seu melhor.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Professor(a), você tem o hábito de realizar trabalhos em grupos com seus alunos? Essa ferramenta apresenta-se bastante útil, pois propicia dinamismo no encontro com os discentes, promove a unidade, evita que sejam ministradas aulas estritamente expositivas, proporcionando uma aprendizagem participativa, portanto, mais eficaz. Para tanto, é preciso que os grupos sejam formados aleatoriamente, buscando a interação entre os que têm menos afinidade. Assim, no início da aula, forme 3 ou 4 grupos heterogêneos, e dê-lhes tempo para que falem a respeito dos seguintes temas: (1)Moisés, o libertador; (2) Moisés, o legislador; (3) Moisés, o historiador; (4) Moisés, o amigo de Deus. Se você conseguir contatar os alunos, formando os grupos, ao longo da semana, será um incentivo a mais para que participem ativamente da aula.

 

TEXTO BÍBLICO

Números 27.12-17

12  Depois, disse o SENHOR a Moisés: Sobe este monte Abarim e vê a terra que tenho dado aos filhos de Israel. 

13  E, havendo-a visto, então, serás recolhido ao teu povo, assim como foi recolhido teu irmão Arão;  14  porquanto rebeldes fostes no deserto de Zim, na contenda da congregação, ao meu mandado de me santificardes nas águas diante dos seus olhos. (Estas são as águas de Meribá de Cades, no deserto de Zim.)

15  Então, falou Moisés ao SENHOR, dizendo: 

16  O SENHOR, Deus dos espíritos de toda carne, ponha um homem sobre esta congregação, 

17  que saia diante deles, e que entre diante deles, e que os faça sair, e que os faça entrar; para que a congregação do SENHOR não seja como ovelhas que não têm pastor.

 

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

A vida de Moisés é um milagre em todos os sentidos. Nascido sob condições extremamente desfavoráveis, sem ter sequer o direito de viver, foi escondido por três meses por seus pais. Para salvar sua vida, sua mãe colocou-o dentro de um cesto betumado no rio Nilo (um rio cheio de crocodilos). Mas, a filha de Faraó o encontrou nas águas do rio e o resgatou. Tirado das águas (daí provém seu nome), ele foi criado como filho da filha de Faraó. Quando adulto, não compreendeu o tempo de Deus para a sua vida e de seu povo e acabou agindo com precipitação e arrogância, tendo de fugir do Egito. A formação desse homem extraordinário, suas lutas, dilemas e conquistas, será o tema dessa lição.

 

I –A JORNADA DE MOISÉS

  1. Um homem com um ideal. Há certas motivações que impulsionam as pessoas fortemente, fazendo-as conquistarem objetivos aparentemente inalcançáveis. Moisés, o libertador hebreu, guardava no coração e mente o desejo profundo de conduzir o seu povo até a Terra Prometida. Esse foi o seu ideal de vida.

Aos 40 anos, decidiu por conta própria, retirar o seu povo da escravidão egípcia. Mas não deu certo e ele teve de amargar um ostracismo que durou 40 anos. Até que Deus, então, lhe apareceu e o chamou. Moisés precisava libertar o povo e conduzi-lo a uma terra que manava leite e mel. A partir de então, ele batalhou, usando toda a sua energia — por 40 anos — para que seu objetivo fosse alcançado. E você? Desiste facilmente de seus projetos de vida?

 

  1. Um homem que também cometeu erros. Depois de quase 40 anos sofrendo num deserto inóspito e conduzindo milhões de pessoas insubordinadas e de corações duros, Moisés cometeu um desatino. Deus o mandou falar à rocha, mas na sua ira ele a feriu por duas vezes (Nm 20.7-11). Certamente este foi o maior erro de sua vida. O salmista, séculos depois, afirmou no Salmo 106.33: “Porque irritaram o seu espírito, de modo que falou imprudentemente com seus lábios”.

Em determinadas ocasiões, os erros cometidos podem não trazer consequências tão graves, mas em noutros momentos, porém, os equívocos são inadmissíveis, inaceitáveis, principalmente no que tange às coisas que digam respeito à obra de Deus, o ministério.

 

  1. Um homem que aceita parar. O sonho de adentrar na Terra Prometida termina para Moisés quando o Senhor lhe diz: “Pelo que verás a terra diante de ti, porém não entrarás nela, na terra que darei aos filhos de Israel” (Dt 32.52). Moisés ainda tentou argumentar com o Altíssimo, como fizera outras vezes, mas o Senhor foi taxativo: “Basta; não me fales mais neste negócio” (Dt 3.26).

Em momento algum vemos no texto bíblico, ainda que indiretamente, sinais demonstrando que Moisés tenha ficado com raiva de Deus. Absolutamente! Ele foi um servo submisso e fiel ao Senhor até o fim dos seus dias.

Como servo, ele tinha consciência de que chegaria o seu momento de parar. Conhecer o tempo de começar e de terminar é uma virtude que somente os mais nobres e espirituais possuem. Jesus compreendia perfeitamente o tempo do Pai: “[…] sabendo Jesus que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai [...]” (Jo 13.1). Como cristãos necessitamos conhecer o tempo de Deus em nossas vidas e ministério.

 

Pense!

Por que Deus foi tão rigoroso em punir Moisés por ferir a rocha?

 

Ponto Importante

Às vezes, nossos erros produzem consequências implacáveis em nossa vida pessoal, familiar e em nosso ministério, mas Deus não nos abandona. Ele deseja que nos arrependamos e deixemos o nosso erro.

 

II – MOISÉS, UM HOMEM À FRENTE DO SEU TEMPO

  1. Um homem de sucesso. Mas o que é o sucesso para você? Será possuir riquezas, prestígio, fama? Certamente que não. Conta-se que, certa vez, uma atriz famosa disse a um repórter: “Se sou uma lenda como você diz, porque estou tão sozinha? Vou lhe dizer uma coisa: tudo bem ser uma lenda, desde que você tenha por perto, alguém que te ame”.

Uma pessoa de sucesso é aquela que, apesar de seus pequenos recursos, obtém êxito em realizações pessoais e coletivas. Sucesso, então, é algo relativo, mas que sempre envolve amor e a conquista de desafios. Nesse sentido, Moisés pode ser considerado um homem de sucesso, pois ele viveu perto de pessoas que o amavam: Arão, Miriã, Josué, Calebe, entre outros. Moisés deixou a sua marca na história do seu povo. Conquistou o que era impossível aos olhos humanos e foi um sucesso como legislador, poeta, libertador, profeta e estadista.

 

  1. Uma referência para sua geração. Moisés também é um referencial na história do direito, pela entrega ao povo de um código legal muito avançado para sua época. Também é o maior profeta do Antigo Testamento. As suas realizações extraordinárias, seu caráter e sua fidelidade a Deus fazem dele o mais importante personagem do Antigo Testamento.

 

  1. Um homem que cumpriu sua missão. Moisés cumpriu o projeto que Deus tinha para sua vida. Alcançou um patamar de excelência, tendo seu nome incluído na galeria dos heróis da fé (Hb 11.23-29). O deserto e as muitas adversidades não lhe impediram de cumprir com a missão que lhe foi outorgada pelo Senhor.

 

Pense!

Moisés cumpriu com a sua missão. O que você tem feito para que os propósitos de Deus se cumpram em sua vida?

 

Ponto Importante

Como Moisés, cumpra a missão que lhe foi confiada pelo Senhor, ainda que seja preciso atravessar o deserto.

 

 

 

III – A ÚLTIMA BATALHA DE MOISÉS

  1. A última missão. Foi Deus quem falou com Moisés que a sua carreira e o seu tempo de vida nesta terra estavam chegando ao final (Nm 27.12,13). Moisés tinha maturidade emocional para ouvir o que o Senhor lhe havia revelado. Você teria essa mesma maturidade? Como reagiria? Moisés confiava no Deus a quem dedicou grande parte da sua vida.

 

  1. Um erro fatal. A guerra contra os midianitas, a última de Moisés (Nm 31. 1,2), não era aparentemente perigosa, pois do exército de Israel foram enviados apenas doze mil homens, um número irrisório. O exército de Israel pelejou contra os midianitas e o Senhor ordenou que todos os homens fossem mortos. Mas Israel decidiu poupar as mulheres midianitas, ao que se indignou Moisés e disse: “Deixastes viver todas as mulheres? Eis que estas foram as que, por conselho de Balaão, deram ocasião aos filhos de Israel de prevaricar contra o SENHOR, no negócio de Peor, pelo que houve aquela praga entre a congregação do SENHOR” (Nm 31.15,16). A santidade e a obediência de Moisés não foram observadas e imitadas pelo povo. Eles não observaram o exemplo do seu líder.

 

  1. A purificação. O Senhor então determinou o cumprimento integral da sua palavra e ordenou que ficassem alojados durante sete dias fora do arraial a fim de serem purificados (Nm 31. 19). Deus, mais uma vez, estava demonstrando ao seu povo a importância da obediência e da santidade. Ainda hoje, o Senhor requer de cada crente a adoção de um alto padrão de devoção e o comprometimento com Ele, porque está escrito: “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver” (1 Pe 1.15).

 

Pense!

Deus ainda continua a exigir santidade do seu povo?

 

Ponto Importante

Moisés também cometeu erros, mas ele cumpriu todo o propósito que Deus tinha para sua vida.

 

SUBSÍDIO 1

“MOISÉS, hb. Tirado. Libertador, estadista, historiador, poeta e legislador hebreu — o maior vulto do Antigo Testamento. Deus o usou para formar, de uma raça de escravos egípcios e sob as maiores dificuldades, uma nação poderosa que completamente alterou o curso da humanidade. A história de Moisés ocupa os livros de Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio — a sétima parte da Bíblia. Ele merece a fama de ter sido um dos maiores homens de todas as épocas. Apesar de ser criado em um foco de idolatria e cercado em toda a vida de adoração a ídolos, ele não se contaminou e edificou a nação de Israel na Rocha Firme e a ensinou a cultuar ao único Deus, Jeová. Qual outro homem cujas obras foram acompanhadas de tantas e tão estupendas maravilhas? Falava ‘boca a boca’ com Deus (Nm 12.8). “E nunca mais se levantou em Israel profeta algum como Moisés, a quem o SENHOR conhecera face a face; nem semelhante em todos os sinais e maravilhas, que o SENHOR o enviou para fazer na terra do Egito, a Faraó, e a todos os seus servos, e a toda a sua terra; e em toda a mão forte e em todo o espanto grande que operou Moisés aos olhos de todo o Israel (Dt 34.10-12)” (BOYER, Orlando. Pequena Enciclopédia Bíblica. 36.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2016, pp. 364,365).

 

SUBSÍDIO 2

“Salmo 90. A condição de Israel no deserto é tão preeminentemente explicada em cada versículo. Moisés era poderoso em palavras, assim como em obras e nós cremos que este salmo é um de seus poderosos discursos. Ele canta sobre a fragilidade do homem e a pouca duração da vida, comparadas aqui com a eternidade de Deus. Moisés era um homem idoso e muito vivido, mas a idade e a experiência lhe tinham ensinado que, entre as mudanças perpétuas que estão acontecendo no universo, uma coisa, pelo menos, permanece imutável, a fidelidade Daquele que ‘de eternidade a eternidade’, é Deus. O Salmo 90 pode ser citado como, talvez, a mais sublime das composições humanas — a mais profunda em sentimentos — a mais eminente em concepção teológica — a mais magnífica em suas comparações. Depois de sua saída do Egito, o seu tempo foi absolutamente desperdiçado, e não era digno de ser o assunto de uma história, mas somente de uma ‘conto ligeiro’; pois somente foi para passar o tempo, como contando histórias, que eles passaram aqueles anos no deserto; todo esse tempo eles estavam se consumindo, e outra geração estava surgindo” (SPURGEON, Charles. Os Tesouros de Davi. 1.ed. Vol. 2. Rio de Janeiro: CPAD, 2017, pp. 682,690,691,701).

 

 

 

CONCLUSÃO

Moisés, servo fiel do Senhor, tornou-se um líder vitorioso no deserto, não obstante as suas lutas. Aprendemos com ele que, em nossa trajetória, nem tudo ocorre como planejamos, mas Deus nunca perde o controle da nossa história. Moisés concluiu sua trajetória de vida como um homem feliz, embora não tenha entrado na Terra Prometida.

 

HORA DA REVISÃO

  1. Segundo a lição, qual era o ideal de vida de Moisés?

Entrar com o povo na Terra Prometida.

  1. Moisés foi um sucesso em quais áreas?

Moisés foi um sucesso como legislador, poeta, libertador, profeta e estadista.

  1. Qual a última missão de Moisés?

Derrotar completamente os midianitas.

4.Cite três características de um líder vitorioso.

O líder vitorioso reconhece a justiça de Deus, estimula a santidade e conduz o povo ao arrependimento.

  1. O que você considera mais marcante na trajetória de Moisés?

Resposta pessoal.

1° Trimestre de 2019/Revista: Professor/Data da Aula:17/03/2019

 

 

Lição 12 - UM LÍDER FORMADO NO DESERTO

 Segunda-Feira, Fevereiro 11, 2019

 

TEXTO DO DIA “Esforça-te e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria.  Tão somente esforça-te e tem mui bom ânimo [...].” (Js 1.6,7)

 

SÍNTESE O deserto é uma escola de formação de líderes; por isso, não se deixe abater pelas lutas, provações e dificuldades.

 

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA – 2 Co 12.15 O amor é a principal característica do líder cristão

TERÇA - At 13.22 O líder cristão deve ser obediente a Deus

QUARTA – 1 Cr 9.20 As pessoas precisam ver e reconhecer que o Senhor é com o líder

QUINTA – Sl 100.2 O líder deve servir a Deus e ao próximo com alegria

SEXTA – 1 Tm 3.6 O líder cristão não pode ser neófito

SÁBADO – 1 Tm 3.2 O líder cristão precisa ser irrepreensível

 

OBJETIVOS

  • MOSTRAR que a formação de Josué se deu no deserto, ao lado de Moisés;
  • CONSIDERAR o fato de que Josué foi escolhido pelo Senhor;
  • COMPREENDER que Josué foi fortalecido por Moisés e por Deus.

 

INTERAÇÃO

Prezado(a) professor(a), no próximo domingo será o encerramento do trimestre, portanto programe-se. Desafie seus alunos, peça que tragam o maior número possível de parentes e amigos à Escola Dominical, independentemente da idade, salvos ou não. Os objetivos são: Congregar toda a família, apresentar a classe àqueles que não a conhece e trazer de volta os que andam ausentes. Cuide para que os parentes e visitantes sejam apresentados à igreja. Premie os alunos mais esforçados, na medida do possível. Sugestões de brindes: caixas de bombons que possam ser compartilhadas por seu aluno com os familiares, amigos presentes e/ou livros da CPAD. A Escola Dominical deve ser, sempre, um momento de aprendizado e de celebração da unidade.

 

 ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Estimado(a) professor(a), o foco da aula de hoje será Josué, o homem escolhido pelo Senhor para substituir o líder Moisés. Convide, previamente, três alunos para falarem de 3 a 5 minutos, a respeito de algumas peculiaridades desse servo de Deus extraordinário. Os tópicos a serem tratados pelos alunos a respeito de Josué são: A família dele; seu caráter e o serviço de Josué. Depois, entregue uma pequena lembrança para os que participaram da atividade.

 

TEXTO BÍBLICO

Números 27.18-23

18  Então, disse o SENHOR a Moisés: Toma para ti a Josué, filho de Num, homem em quem há o Espírito, e põe a tua mão sobre ele. 

19  E apresenta-o perante Eleazar, o sacerdote, e perante toda a congregação, e dá-lhe mandamentos aos olhos deles, 

20 e põe sobre ele da tua glória, para que lhe obedeça toda a congregação dos filhos de Israel. 

21  E se porá perante Eleazar, o sacerdote, o qual por ele consultará, segundo o juízo de Urim, perante o SENHOR; conforme o seu dito, sairão; e, conforme o seu dito, entrarão, ele, e todos os filhos de Israel com ele, e toda a congregação. 

22  E fez Moisés como o SENHOR lhe ordenara; porque tomou a Josué e apresentou-o perante Eleazar, o sacerdote, e perante toda a congregação; 

23  e sobre ele pôs as mãos e lhe deu mandamentos, como o SENHOR ordenara pela mão de Moisés.

 

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

O deserto é uma escola de formação de líderes onde muitos servos de Deus foram treinados. O deserto prova a nossa fé, expõe os nossos limites, delineia a nossa confiança, quebra o nosso orgulho e revela o nosso caráter. Não é por acaso que o próprio Jesus, no início do seu ministério, foi levado pelo Espírito Santo para o deserto a fim de ser tentado. Na lição de hoje, estudaremos a respeito de Josué, filho de Num, homem valente que foi formado na escola do deserto, e que foi escolhido, pelo Senhor, para substituir Moisés e conduzir os hebreus até a Terra Prometida.

 

I – UM JOVEM VALOROSO

  1. Cheio de confiança. Josué foi um homem cheio do Espírito de Deus (Nm 27.18). Ele é identificado não somente por sua coragem e seus conhecimentos, mas por sua comunhão com o Senhor. A primeira referência que encontramos a respeito dele está em Êxodo 17.9. Moisés ordena que Josué escolha soldados e saia para pelejar contra os amalequitas. Josué não somente lutou, mas formou o exército. Alguns autores defendem a ideia de que ele foi treinado para a guerra ainda no Egito, razão pela qual assumiu o posto de general das tropas de Israel.

A habilidade para a guerra deve ter sido levada em consideração na escolha de Josué para assumir o lugar de Moisés,entretanto, o seu caráter foi o fator preponderante para a escolha. A fidelidade e o temor a Deus são características indispensáveis do líder cristão. Paulo disse que Jesus Cristo o teve por fiel e, porisso, colocou-o no ministério (1 Tm 1.12).

 

  1. Que gostava de estar na presença de Deus. Josué subiu o monte de Deus juntamente com Moisés (Êx 24.13). Assim como Jesus queria que seus discípulos o acompanhassem em alguns momentos, Moisés também apreciava a companhia de Josué, nos instantes em que subia ao monte para falar com Deus.

O sumo sacerdote tinha a obrigação de estar a sós com Deus, uma vez por ano no santo dos santos (Hb 9.7). Porém Moisés, diferentemente dos demais sumos sacerdotes, entrava no lugar santíssimo constantemente, devido à sua comunhão com Deus. Todo líder cristão precisa amar e priorizar os seus momentos de oração em particular, sua comunhão com o Senhor

 

  1. Submisso a Deus e ao seu líder. No deserto, ou a pessoa obedece e confia em Deus ou ela murmura contra Ele e a liderança, como aconteceu com a geração que saiu do Egito. Josué submeteu-se à liderança que fora constituída por Deus e suportou com alegria, fé e gratidão às circunstâncias adversas que surgiram em sua caminhada.

Josué sempre esteve ao lado de Moisés em várias ocasiões, nas guerras (Êx 17.9), nos momentos de perplexidade (Nm 11.28) e nos desafios (Nm 13.16). Isso faz diferença na vida do jovem que almeja o ministério da Palavra de Deus. Com isso, aprendemos que é preferível haver duas pessoas bem preparadas (Josué e Calebe), que caminham e sofrem com seus líderes, do que muitos sem formação adequada, amantes apenas das “cebolas, pepinos e panelas de carne” do Egito.

 

Pense!

Por que é preciso submeter-se aos líderes e aprender com eles, para só depois ser ordenado ao ministério?

 

Ponto Importante

O líder cristão deve ter conhecimento teológico, mas somente após enfrentar, ao lado do seu pastor, as agruras do deserto, estará apto para ensinar a outros.

 

 

 

II – “PÕE TUA MÃO SOBRE ELE”

  1. Escolhido pelo Senhor. Segundo a Bíblia de Estudo Pentecostal, “o nome Josué significa o Senhor é salvação. A forma grega desse nome é Jesus (Mt 1.21).” Josué é um tipo de Jesus Cristo.

A escolha de Josué para substituir Moisés foi divina, não teve a influência do homem, e foi anunciada pelo Senhor: “Então, disse o SENHOR a Moisés: Toma para ti a Josué, filho de Num, homem em quem há o Espírito, e põe a tua mão sobre ele” (Nm 27.18). Seu sucesso em conduzir o povo até a Terra Prometida deve-se a isso e não à sua força ou coragem. Certa vez, para que a vitória de Israel fosse completa, Josué orou e Deus fez o sol parar (Js 10.12,13). Somente do “Senhor é a salvação”.

 

  1. Encarava os desafios. Josué nunca fugiu de um desafio, nunca se acovardou, mas sempre agiu com dignidade, afinal “a vida é muito curta para ser pequena”, como bem dizia Benjamim Disraeli, escritor e político inglês do século XIX. Sem titubear, Josué (e também Calebe) fizeram um ardoroso discurso, inspirando o povo a crer no Deus que fez a promessa da conquista de Canaã (Nm 14.6-9).

Deus conta com pessoas corajosas (não atrevidas) e a intrepidez de Josué, sem dúvida, foi uma das tônicas do seu ministério. Essa também deve ser uma característica marcante dos jovens cristãos atuais.

 

  1. Um coração obediente. Números 32.12 afirma que em meio a uma grande oposição, Josué, juntamente com Calebe, perseveraram em seguir ao Senhor. Eles agiram em total obediência, que é uma condição indispensável para um líder.

Josué sabia que crendo e obedecendo à Palavra de Deus herdaria insondáveis bênçãos (Dt 28.1-14). Ele aprendeu a obedecer em um cenário de escassez, murmuração e conflitos. Ora, obedecer quando tudo vai bem não é tão difícil, pois, como dizia Shakespeare, “em mar calmo todo barco navega bem”, mas, quando tudo parece perdido não é fácil, por isso a provação no deserto tem tanto valor para a formação ministerial.

 

Pense!

O fato de Deus mandar Moisés apresentar Josué ao sacerdote e ao povo, como sendo seu substituto eventual, não enfraqueceria Moisés politicamente?

 

Ponto Importante

Deus espera que lhe obedeçamos independente das circunstâncias, pois só Ele sabe o que é melhor para nós

 

III – JOSUÉ É FORTALECIDO

  1. Deus pede que Moisés anime Josué (Dt 1.38; 3.28). O Senhor afirmou que Josué tinha o Espírito e que ele havia sido escolhido para substituir Moisés. Depois, Deus mandou que Josué fosse apresentado ao sacerdote e ao povo para assumir a posição que fora de Moisés. Segundo Deuteronômio 1.38 e 3.28, Deus ordenou que Moisés cuidasse de Josué animando-o e fortalecendo-o.
  2. Deus promete ir adiante de Josué (Dt 31. 8). O Senhor prometeu a Josué que ele não estaria sozinho em sua caminhada até a Terra Prometida. O Senhor estaria com ele, portanto, que não temesse, nem se espantasse. Do que mais precisava Josué? Do que mais precisamos nós? Pois Jesus também prometeu que estaria conosco todos os dias (Mt 28.20). A conquista de “novos territórios” para Deus é um desafio para toda a Igreja (Mt 28.19,20). Mas a garantia do nosso sucesso foi outorgada por Jesus (Mt 16.18).

 

  1. A nobreza de Josué. Ele era tão especial para o Senhor e para o seu povo que nunca foi contestado por ninguém, diferentemente do que aconteceu com Moisés. Contudo, a verdadeira nobreza de Josué não lhe foi outorgada por suas extraordinárias realizações (ele conquistou mais de 30 nações), mas por sua humildade.

Josué, por exemplo, ao escrever o livro que leva o seu nome, apresenta-se como sendo, “filho de Num, servo de Moisés” (Js 1.1), e, ao longo da narrativa, sempre chama Moisés de “servo do Senhor”. Quando, porém, Josué faleceu, alguém escreveu as últimas linhas do livro, chamando-o, por fim, de “servo do Senhor”. Não havia, portanto, nenhum sentimento de autoengrandecimento, vaidade, dominação política, no espírito de Josué. Seu ideal de vida era servir fielmente a Deus, honrar ao seu líder Moisés bem como ao seu povo; por isso o Senhor o honrou de maneira tão distintiva.

 

SUBSÍDIO 1

“Josué era filho de Num, da tribo de Efraim. Como tinha mais de 40 anos de idade quando deixou o Egito e parecia bem qualificado para assumir o comando das forças israelitas que lutaram contra os amalequitas em Refidim (Êx 17.8-16), é possível que tivesse sido treinado pelo exército de faraó. Durante aquele ano, no Monte Sinai, Josué serviu como auxiliar direto de Moisés quando esse último recebeu as leis, e todas as vezes que ia à tenda onde encontrava e ouvia o Senhor (Êx 24.23; 32.17; 33.21). Mesmo depois de deixar o Sinai, Moisés considerava Josué como um ‘moço’ e achava necessário censurá-lo por proibir dois anciãos do acampamento de profetizar (Nm 11.27-29). Além dos possíveis contatos que pode ter tido antes do Êxodo com Canaã e seus habitantes, que vinham comercializar com os egípcios, ou mesmo que pudesse ter viajado ao Egito em alguma campanha militar, Josué adquiriu experiência dessa terra por ser um dos 12 espias. Quando Moisés e seu sucessor se dirigiram à porta da tenda, Deus comissionou Josué de uma forma direta (Dt 32.14,15,23). Depois da morte de Moisés, o Senhor bondosamente repetiu essa ordem particularmente a Josué, aumentando as suas promessas com a finalidade de encorajá-lo na véspera da invasão de Canaã (Js 1.1-9)” (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 1.095).

 

SUBSÍDIO 2

“Em muitos aspectos, ‘Josué do Antigo Testamento’ prefigura características do Jesus do Novo Testamento. Não foi registrado nenhum mal contra ele. Ele estava livre de todo o desejo de autopromoção ou cobiça; não existe traço de egoísmo que manche a nobreza simples de seu caráter. Em todas as circunstâncias ele demostrou um desejo supremo: conhecer a vontade de Deus. Sua principal ambição era fazer a vontade divina. Josué foi um homem de coragem inabalável e perseverança invencível que mostrou profunda confiança diante das dificuldades. Suas ações imediatas lhe deram vitórias. As outras pessoas lhe deram grande honra em função da desconsideração altruísta de seus próprios interesses pessoais. Ele nunca deixou de demonstrar uma profunda preocupação pelos interesses daqueles a quem liderava. Desse modo, na plenitude dos tempos, quando Deus precisava de um homem bem preparado, Ele escolheu Josué. O Senhor encontrou naquele homem alguém que ouviria suas instruções. Josué era alguém que cumpriria suas tarefas. Estas qualidades de caráter tão associadas à disposição de Josué são sempre aprovadas por Deus” (Comentário Bíblico Beacon. 1.ed. Vol. 8. Rio de Janeiro: CPAD, 2015, pp. 24,25).

 

 

 

CONCLUSÃO

Josué é um exemplo para todo o crente, desde a sua formação como discípulo (servo) de Moisés, no deserto, até a sua ascensão ao posto mais alto da nação. Ele demonstrou um grande senso de serviço e devoção ao Senhor mesmo em tempos difíceis, como a travessia pelo deserto.

 

HORA DA REVISÃO

  1. Transcreva a referência em que Josué foi citado pela primeira vez na Bíblia.

“Pelo que disse Moisés a Josué: Escolhe-nos homens, e sai, e peleja contra Amaleque; amanhã, eu estarei no cume do outeiro, e a vara de Deus estará na minha mão” (Êx 17.9).

  1. Quem, juntamente com Josué, trouxe um relatório de fé ao espiar Canaã?

Calebe.

  1. Qual era o costume de Josué segundo Êxodo 33.11?

Ele nunca se apartava do meio da tenda.

  1. Segundo Número 27.18 o que diferenciava Josué dos demais líderes?

Homem em que há o Espírito (Nm 27.18).

  1. Qual a característica de Josué que você considera a mais importante para um líder?

 

 

 

Lição 13 - O DESERTO VAI PASSAR

Segunda-Feira, Fevereiro 11, 2019

 

TEXTO DO DIA “Não to mandei eu? Esforça-te e tem bom ânimo; não pasmes, nem te espantes, porque o SENHOR, teu Deus, é contigo, por onde quer que andares.” (Js 1.9)

 

SÍNTESE A caminhada do povo de Deus pelo deserto deste mundo em breve terminará e estaremos para todo o sempre com o Senhor.

 

AGENDA DE LEITURA

SEGUNDA - Js 24.14 Temor e sinceridade diante do Senhor

TERÇA – Js 24.15 Escolha a quem quer servir

QUARTA – Js 24.17 O Senhor é o nosso Deus

QUINTA – Js 24.19 Deus é santo e zeloso

SEXTA – Js 24.23 Inclinai o coração ao Senhor

SÁBADO – Js 24.13 A terra, a herança do Senhor

 

OBJETIVOS

  • MOSTRAR o perigo de ficar no liminar da Terra Prometida;
  • COMPREENDER que para receber os benefícios do Senhor é preciso ter fé;
  • CONSCIENTIZAR de que um dia nossa jornada nesse mundo chegará ao fim.

 

INTERAÇÃO

Chegamos ao final do estudo do livro de Números. Caminhamos pelo deserto, juntamente com o povo de Deus. O trimestre foi concluído, mas nosso trabalho docente não. É hora de iniciar o planejamento do próximo trimestre. Esmere-se fazendo o melhor para Deus, investindo no estudo bíblico e na oração. Com isso, você continuará aprendendo a respeito de Deus. Certo professor em uma conferência de Escola Dominical disse o seguinte: “Quando eu aprendo, consigo ensinar; ensinando, aprendo de novo”.

 

ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA

Chegamos ao final de mais trimestre. Com certeza a sua fé no Deus que guiou o seu povo pelo deserto à Terra Prometidas foi fortalecida mediante o estudo de cada lição. Conclua mostrando aos alunos que embora sejamos filhos(as) de Deus estamos sujeitos a enfrentar algumas crises em nossa caminhada, como os hebreus enfrentaram no deserto. Contudo, as crises não são para nos destruir, castigar, desanimar, mas o Pai as permite para nos moldar, lapidar e para que possamos confiar mais nEle, em sua fidelidade. Incentive os alunos a verem os “desertos” como oportunidades de crescimento espiritual, de transformação. O Deus que sustentou o povo no deserto durante os anos é o mesmo que vai sustentá-lo e ajudá-lo a enfrentar as dificuldades da vida.

 

TEXTO BÍBLICO

Números 32.31-33 3

1  E responderam os filhos de Gade e os filhos de Rúben, dizendo: O que o SENHOR falou a teus servos, isso faremos. 

32  Nós passaremos, armados, perante o SENHOR à terra de Canaã e teremos a possessão de nossa herança daquém do Jordão.

33  Assim, deu-lhes Moisés, aos filhos de Gade, e aos filhos de Rúben, e à meia tribo de Manassés, filho de José, o reino de Seom, rei dos amorreus, e o reino de Ogue, rei de Basã: a terra com as suas cidades nos seus termos, as cidades do seu contorno. 

Números 33.50-56

50  E falou o SENHOR a Moisés, nas campinas dos moabitas, junto ao Jordão, de Jericó, dizendo:  51  Fala aos filhos de Israel e dize-lhes: Quando houverdes passado o Jordão para a terra de Canaã,  52  lançareis fora todos os moradores da terra diante de vós e destruireis todas as suas figuras; também destruireis todas as suas imagens de fundição e desfareis todos os seus altos; 

53  e tomareis a terra em possessão e nela habitareis; porquanto vos tenho dado esta terra, para possuí-la. 

54  E por sortes herdareis a terra segundo as vossas famílias; aos muitos, a herança multiplicareis, e, aos poucos, a herança diminuireis; onde a sorte sair a alguém, ali a terá; segundo as tribos de vossos pais, tomareis as heranças. 

55  Mas, se não lançardes fora os moradores da terra de diante de vós, então, os que deixardes ficar deles vos serão por espinhos nos vossos olhos e por aguilhões nas vossas costas e apertar-vos-ão na terra em que habitardes. 

56  E será que farei a vós como pensei fazer-lhes a eles.

 

COMENTÁRIO

INTRODUÇÃO

Neste trimestre acompanhamos a longa jornada do povo hebreu pelo deserto. Eles caminharam por aproximadamente 40 anos, num lugar onde as pessoas, em regra, não se arriscavam a fixar residência pelas condições extremamente desfavoráveis, um “grande e terrível deserto de serpentes ardentes, e de escorpiões, e de terra seca, em que não havia água” (Dt 8.15). A jornada estava chegando ao fim. A geração que atravessou o mar Vermelho a pé enxuto havia sido consumida durante a peregrinação, —— mais de seiscentos mil homens; entretanto, nenhum deles faleceu por falta do cuidado de Deus, morreram pela desobediência; tentaram a Deus e caíram no deserto (Hb 3.16,17).

 

I – CHEGANDO AO FIM DA JORNADA

  1. A antecipação da herança. Os filhos de Rúben, Gade, e metade da tribo de Manassés eram afeitos à pecuária, donos de muitos animais. Eles solicitaram a antecipação da sua herança a Moisés. Porém, essas tribos se prontificaram a transpor o Jordão e ajudar a derrotar os exércitos cananitas (Js 4.12,13).

 

  1. O perigo de ficar à margem de Canaã. Ao que tudo indica, os rubenitas, gaditas e os homens da meia tribo de Manassés não perceberam o perigo que corriam em ficar, na verdade, no “limiar da herança”. O futuro revelaria o erro daquela decisão, pois aqueles israelitas separados do restante das tribos pelo Jordão, e sem nenhuma defesa natural contra os inimigos — foram os primeiros a se tornarem idólatras e, vulneráveis, também os primeiros a serem levados cativos à Assíria (1 Cr 5.25,26). Convém observar que aquelas duas tribos e meia tinham um sério problema: não anelavam entrar na Terra Prometida. Qualquer campina serviria para eles.

 

  1. Recordando a viagem no deserto. Depois da purificação do exército de Israel (Nm 31. 13-24), e da resolução a respeito das terras a leste do Jordão, que ficaram com as tribos de Rúben, Gade e metade da tribo de Manassés (Nm 32), chegou a hora da despedida do grande líder. Moisés então faz um longo discurso. Ele discorre a respeito da história da travessia pelo deserto, começando com a saída do Egito (Nm 33). Esse capítulo possui uma peculiaridade: relembra o passado e, por isso, traz consigo uma forte carga de informações valiosas sobre como viver no presente. É necessário trazer a memória do povo as experiências do passado, a fim de que os mesmos erros não sejam praticados novamente.

Por fim, o Senhor (vv. 50-56) adverte o povo a respeito das consequências para quem se tornar relapso em obedecê-lo. O amor do Altíssimo por seu povo, a cada novo parágrafo das Escrituras, mostra Deus como um Pai cuidadoso, que não quer que nenhum dos seus filhos se perca, mas cheguem ao pleno conhecimento da verdade (1 Tm 2.4).

 

Pense!

Se era tão ruim ficar ao leste do Jordão, por que Moisés autorizou a antecipação da herança das duas tribos e meia?

 

Ponto Importante

As duas tribos e meia desprezaram todo o esforço empreendido e, por isso, pagaram um alto preço anos depois.

 

II – FÉ E HERANÇA

  1. Chegando ao fim da viagem. Os hebreus fixaram acampamento nas campinas dos moabitas, junto ao Jordão, na direção de Jericó (Nm 33.50). A cansativa viagem pelo deserto estava chegando ao fim e esse era um momento de especial alegria. Há cerca de 38 anos eles estavam em Cades Barneia (Nm 13) e ali, tomados pelo desânimo e pela falta de fé, decidiram retornar ao Egito.

O Deus que guiou os hebreus até a Terra Prometida deseja nos guiar em nossa trajetória por esse mundo tenobroso; precisamos crer nisso, ter fé. Deus é bom e tem cuidado de nós; por isso podemos descansar o nosso coração, pois o Senhor nunca erra, nem se atrasa, ou permite que a luta da vida seja mais dura do que possamos suportar. Tenha fé!

 

 

 

  1. A herança pela fé, uma visão. Em Números 34.2, Deus está falando a respeito do futuro, no qual os israelitas herdariam, pela fé, a Terra Prometida. A vinda do tempo de Deus para aquela geração não tardaria. As profecias bíblicas, agora, teriam seu cabal cumprimento.

O Senhor estava fornecendo uma visão aos hebreus do que seria a herança deles. O propósito era encorajar o povo a seguir caminhando e conquistando as muitas cidades. Aos olhos dos israelitas não havia nenhuma possibilidade de êxito nas batalhas, mas a visão espiritual fornecida a eles pelo Senhor tornou-se o combustível necessário para lançá-los à guerra.

 

  1. A herança pela fé, uma proteção. O Senhor, ao estabelecer os limites da herança dos hebreus, estava aguçando a fé do povo e os protegendo contra a cobiça. O Eterno não desejava que a aquisição de bens materiais fosse a força motriz de Israel, — eles precisavam anelar, como Abraão, a cidade que tem fundamentos (Hb 11.10). A herança oferecida pelo Senhor, entretanto, deveria ser conquistada com força e coragem, pela fé (Js 1.9).

 

Pense!

Por que os hebreus deveriam lutar por uma herança que já lhes pertencia?

 

Ponto Importante

O servo de Deus deve buscar a realização de seus projetos pessoais, mas desde que seja segundo a vontade divina.

 

III – O FIM DA JORNADA

  1. A oferta aos levitas. Os dois últimos capítulos do livro de Números trazem as últimas recomendações de Moisés para o povo, pouco antes da entrada em Canaã. Segue-se, após, a repetição da lei em Deuteronômio e a morte de Moisés, quando encerra-se a história da caminhada de 40 anos no deserto.

Depois de determinar a divisão da terra, o Senhor fez lembrar da necessidade de os levitas morarem em cidades próprias e da existência, também, de cidades de refúgio. Santidade e justiça são virtudes imprescindíveis para quem quer ser abençoado. Israel sabia que a bênção do Senhor decorreria da obediência ao seu padrão ético e moral e, por isso, essas determinações foram atendidas.

 

  1. Estabelecimento de leis justas. Por fim, o Senhor entregou, por intermédio de Moisés, as últimas leis penais (homicídio culposo e doloso) e hereditárias (bastante avançadas para a época). Deus estabeleceu diversas leis devido a dureza do coração dos hebreus. Israel deveria refletir a glória do Senhor em seu ordenamento jurídico.

As leis tinham um propósito maior: apontavam, sobretudo, para a justiça que provém da cruz do Calvário. Eram justas, proféticas, e messiânicas.

 

  1. Conquistando o impossível. Ao longo de 40 anos, Israel palmilhou por uma estrada de muitas dificuldades. Agora, às margens da Terra Prometida, receberia as últimas instruções de Deus e, debaixo da sua bênção, entraria triunfantemente em Canaã, para conquistar o que aparentemente era impossível. Isso poderia ter acontecido há quase quatro décadas, mas, pela incredulidade da primeira geração de hebreus, a porta foi fechada.

Agora, o caminho estava aberto e uma nova geração que cresceu no deserto, marcharia vitoriosa. O rio Jordão estava cheio, transbordando pelas suas ribanceiras, mas não haveria problema quanto a esse fato, pois Deus cumpriria brevemente sua promessa.

 A vida do crente é semelhante a do povo de Deus no deserto. São muitas estradas empoeiradas pelas quais devemos trilhar, tendo em vista o aprimoramento espiritual para, depois, tomarmos posse das bênçãos que estão preparadas para aqueles que amam a Deus.

 

 Pense!

 Qual era o real propósito das muitas leis entregues aos hebreus?

 

 Ponto Importante

A dureza do coração dos hebreus fez com que Deus, por amor, concedesse leis civis e cerimoniais.

 

SUBSÍDIO 1

“Números 34.1-15. Aqui temos a definição da linha pela qual a terra de Canaã foi medida e limitada por todos os lados. Havia uma concessão muito maior prometida a eles, a qual, no devido tempo, teriam possuído, se tivessem sido obedientes, chegando até o rio Eufrates (Dt 11.24). E até lá o domínio de Israel estendeu-se, nos tempos de Davi e de Salomão (2 Cr 9.26). Mas o que aqui está descrito é apenas Canaã, que era a parte das nove tribos e meia, pois as outras duas e meia tribos já tinham sido assentadas (vv. 14,15). Aqueles que estivessem dentro destas fronteiras, e somente a eles, os israelitas deveriam destruir. Até aqui a sua espada sanguinária devia ir, e não além. Deus não desejava que o seu povo aumentasse o seu desejo de possessões mundanas, mas que soubesse quando tivesse o suficiente, e ficasse satisfeito com isto. Os próprios israelitas não deveriam estar sozinhos no meio da terra, mas deveria deixar lugar para que seus vizinhos vivessem a seu lado. Deus determinou os limites da nossa terra. Devemos, então, definir limites aos nossos desejos, fazendo com que o nosso pensamento e a nossa vontade estejam de acordo com nossa condição” (HENRY, Matthew. Comentário Bíblico do Novo Testamento. 1.ed. Vol. 1. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, pp. 554,555).

 

SUBSÍDIO 2

“Números 32. Nesse mesmo tempo, as tribos de Gade e de Rúben e a metade da de Manassés, que eram muito ricas em gado e em todas as espécies de bens, rogaram a Moisés que lhes desse o país dos amorreus, conquistado algum tempo antes, porque era muito rico em pastagens. Esse pedido fê-lo crer que o desejo deles era evitar, sob esse pretexto, o combate contra os cananeus. Assim, disse-lhe que era apenas por covardia que lhe faziam aquele pedido, para viver em tranquilidade numa terra conquistada pelas armas de todo povo. Eles responderam que estavam tão longe da intenção de querer evitar o perigo quanto desejavam colocar, por esse meio, as suas mulheres, os seus filhos e os seus bens em segurança, para estar sempre prontos a seguir o exército aonde os quisessem levar. Moisés, satisfeito com a explicação, concedeu-lhes o que pediam, com a condição de que essas tribos marchariam com as outras contra os inimigos até que a guerra estivesse completamente terminada. Assim, eles tomaram posse daquele país e ali construíram cidades fortificadas. Puseram nelas as suas mulheres, filhos e bens, a fim de estarem mais livres para tomar as armas e cumprir a sua promessa” (JOSEFO, Flávio. História dos Hebreus. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, pp. 214,215).

 

 

 

 CONCLUSÃO

O livro de Números, ao narrar a caminhada dos hebreus, por cerca de 40 anos, em uma região desértica, simboliza a vida de fé de cada cristão, em todos os tempos. Cabe a cada crente se apropriar de cada fato narrado no livro de Números e assim guardar as importantes lições que o ajudarão na jornada de fé até a Canaã Celestial.

 

HORA DA REVISÃO

  1. Por que as tribos de Rúben, Gade e a meia tribo de Manassés resolveram antecipar a sua herança? Porque essas tribos eram afeitas à pecuária, donos de muitos animais e as terras pareciam excelentes para a pecuária.
  2. Segundo a lição, por que é necessário relembrar as experiências do passado?

Faz-se necessário que a memória do povo esteja atenta para experiências do passado, a fim de que os mesmos erros não sejam praticados novamente.

  1. Por que as leis foram dadas por Deus?

Deus estabeleceu diversas leis devido a dureza do coração dos hebreus. Israel deveria refletir a glória do Senhor em seu ordenamento jurídico.

  1. Segundo a lição, por que foi importante Deus mencionar os limites da Terra Prometida ?

Foi importante para proteger os hebreus da cobiça.

  1. O que você aprendeu de mais significante a respeito do livro de Números?

Resposta pessoal.    

 

 

 

 

Meus avós os meus tataravós, trisavós, bisavós ,avos ,eram todos Luteranos praticantes de Blumenau ,Pomerode Blumenau ,timbó etc.,é provável que meus tataravós eram evangélicos na igreja Luterana em Santa Catarina  também.