Translate this Page

Rating: 2.7/5 (307 votos)




ONLINE
3




Partilhe esta Pgina



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


SUBSIDIO 9 O PRIMEIRO PROJETO DA GLOBALIZA플O
SUBSIDIO 9 O PRIMEIRO PROJETO DA GLOBALIZA플O

SUBSIDIO N.9 ADULTOS O PRIMEIRO PROJETO DA GLOBALIZAÇÃO

MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR

COMENTARIO GENESIS 11.1-9

INTRODUÇÃO

A TORRE DE BABEL

 

 Não sabemos quanto tempo se havia passado desde que Noé saiu da arca até a construção da torre de Babel. De qualquer forma, seus filhos, Sem e Jafé, não puderam impedir seus descendentes de cair na apostasia de Cam.

  1. O monolinguismo. Naquele tempo, a humanidade ainda era monolíngue; todos falavam uma só língua (Gn 11.1). Sobre o idioma original da humanidade, há muita especulação.Alguns sugerem o hebraico. Nada mais ilógico. Abraão, ao deixar a sua terra natal, falava o arameu (Dt 26.5) que, nos lábios de seus descendentes, sofreria sucessivas mudanças até transformar-se na belíssima língua hebreia. O interessante é que depois do cativeiro babilônico, os israelitas voltariam a usar o aramaico, inclusive Jesus (Mc 15.34).2. Uma nova apostasia. Se por um lado o monolinguismo facultava a rápida disseminação do conhecimento, por outro, propagava com a mesma rapidez as apostasias da nova civilização. E, assim, não demorou para que a revolta, misturada ao medo, se tornasse incontrolável. Por isso, revoltam-se os descendentes de Noé contra Deus: “Eia, edifiquemos nós uma cidade e uma torre cujo cume toque nos céus e façamo-nos um nome, para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra” (Gn 11.4).

Se Deus não tivesse intervindo a situação ficaria mais insustentável do que no período anterior ao Dilúvio.Apesar das garantias divinas de que não haveria outro dilúvio, os filhos de Noé buscavam agora concentrar-se num lugar alto e forte. Entregando-se ao medo, acabaram por erguer um monumento à soberba e à rebelião.A ordem do Senhor àquela gente era clara: espalhar-se até aos confins da terra (Gn 9.7; Mt 28.19,20). Séculos mais tarde, o Senhor Jesus Cristo também ordenou aos seus discípulos que fossem proclamar o Evangelho até os confins da Terra. Quando não a obedecemos, edificamos dispendiosas torres, onde a confusão é inevitável. Cada um fala a sua língua, e ninguém se entende mais.

 

A CONFUSÃO DE LÍNGUAS

 

 

 

  1. Uma cidade à prova d'água. A engenharia dos descendentes de Noé era bastante avançada. De início, projetaram uma cidade cujo epicentro seria uma torre que, segundo imaginavam, arranharia o céu (Gn 9.4). Aquele lugar se tornaria uma fortaleza impenetrável, mas independente dos planos dos homens, Deus lhes frustraria os objetivos e cumpriria sua vontade espalhando-os pela terra.Em seguida, prepararam o material: tijolos bem queimados e betume. O seu objetivo era construir uma cidade à prova d'água. Se houvesse algum dilúvio, escalariam a torre, e tudo estaria bem. Na verdade, não queriam cumprir o mandato cultural que o Senhor confiara ao patriarca: repovoar e trabalhar a terra (Gn 9.4).

 

  1. A torre que Deus não viu. Aos olhos dos homens, a torre parecia alta. Mas, à vista de Deus, nada era. Ironicamente, o Altíssimo teve de baixar à terra para vê-la: “Então, desceu o Senhor para ver a cidade e a torre que os filhos dos homens edificavam” (Gn 11.5).Assim são os projetos firmados na vaidade humana. Aos nossos olhos, muita coisa; à vista de Deus, tolas pretensões. Se o Senhor não tivesse intervindo, a segunda civilização tornar-se-ia pior do que a primeira (Gn 11.6). Nenhum limite seria forte o bastante para conter aquela gente, que já começava a depravar-se totalmente.
  2. Quando ninguém mais se entende. Por isso mesmo, o Senhor decreta: “Eia, desçamos e confundamos ali a sua língua, para que não entenda um a língua do outro” (Gn 11.7). Nascia ali, na planície de Sinear, o multilinguismo.Como ninguém mais se entendia, os descendentes de Noé foram apartando-se uns dos outros, e reagrupando-se de acordo com a sua nova realidade idiomática. Os filhos de Sem formaram uma grande família linguística, da qual se originaram o aramaico, o moabita, o árabe e, mais tarde, o hebraico. O mesmo fenômeno deu-se entre as linhagens de Jafé e Cam. É bem provável que Pelegue tenha nascido nesse período (Gn 10.25).

Apesar da confusão da linguagem humana, Deus permitiu que os idiomas conservassem evidências de um passado, já bastante remoto, quando todos os seres humanos falavam uma só língua.Como uma forma de dificultar os intentos perversos dos homens, Deus confundiu as línguas.

“A história nos conta que, em assembleia, os novos habitantes de Sinar tomaram uma decisão totalmente fora da vontade de Deus. O propósito da ação é claro. Queriam fama (Gn 11.4). E desejavam segurança: ‘Para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra’. Ambas as metas seriam alcançadas somente pelo empreendimento humano. Não há dúvida sobre a ingenuidade das pessoas. Não tendo pedras, fabricaram tijolos de barro e depois queimaram bem. Viram a utilidade do betume abundante na área e o usaram como argamassa.O interesse principal desse povo não estava numa torre, embora também houvesse a construção de uma cidade. A torre ia alcançar os céus. Nada é dito sobre um templo no topo da torre, por isso não está claro se a torre era como os zigurates que houve mais tarde na Babilônia.O paganismo está indiretamente envolvido nesta história, pois havia um ímpeto construtivo em direção ao céu e o único verdadeiro Deus foi definitivamente omitido de todo planejamento e de todas as etapas. Mas Deus não estava inativo. O julgamento de Deus logo veio. Para demonstrar que a unidade humana era superficial sem Deus, Ele introduziu confusão de som na língua humana. Imediatamente estabeleceu-se o caos. O grande projeto foi abandonado e a sociedade unida, sem temor de Deus, foi despedaçada em segmentos confusos. Em hebraico, um jogo de palavras no versículo 9 é pungente. Babel significa ‘confusão’ e a diversidade de línguas resultou em balbucius ou fala ininteligível” (Comentário Bíblico Beacon. Volume 1. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2005, p.55).

 

III. A MULTIPLICIDADE LINGUÍSTICA E CULTURAL

 

O episódio da torre de Babel criou diversas fronteiras entre os descendentes de Noé: linguísticas, culturais e geográficas.

  1. Linguísticas. Da barreira idiomática, surgiu a noção de nacionalidade, responsável pela criação de países e reinos. Só os impérios, geralmente antagônicos a Deus, buscam unificar o que o Senhor separou em Sinear (Dn.3.7). A multiplicidade linguística dos povos oprimidos, porém, torna inviável tal unificação, ainda que possa ser considerada “duradoura”, como foi o império romano.Já imaginou se toda a humanidade falasse o russo ou o alemão? Homens como Stalin e Hitler teriam certamente dominado toda a terra.
  2. Culturais. A diversidade linguística trouxe também a diversidade cultural. Cada povo, uma língua, uma cultura e costumes bem característicos. Tais fatores tornam inviável um Estado totalitário mundial. O governo do Anticristo, aliás, reinará absoluto por apenas 42 meses (Ap 13.5). Logo após, será destruído.3. Geográficas. Acrescente-se a essas dificuldades as fronteiras naturais: rios, mares, montanhas, vales, etc. Cada povo com o seu território. Deus sabe o que faz.

 

 

 

Versículos 1-9

- A confusão de línguas

 

  1. נסע nāsa ‛ “ arranca, rompe, viaja. ” מקדם mı̂qedem “ para o leste ou para o lado oriental ”como em Gênesis 2:14 ; Gênesis 13:11 ; Isaías 9:11 (12).

 

  1. החלם hachı̂lām “seu começo”, para החלם hăchı̂lām a forma regular desse infinitivo com um sufixo. יזמוּ yāzmû como se de יזם yāzam = זמם Zamam נבלה nābelâh normalmente dito ser para נבלה nābolâh de בלל Balal mas, evidentemente, projetado pelo pontuador para ser a terceira perfeito feminino singular de נבל Nabal “a ser confundidos”, tendo por assunto שׂפה śāpâh “E ali se confundam os lábios.” Os dois verbos têm a mesma raiz.

 

  1. בבל bābel Babel, “confusão”, derivada de בל bl a raiz comum de בלל bālal e נבל nābel , dobrando o primeiro radical.

 

Tendo completado a tabela das nações, o escritor sagrado, de acordo com seu costume, volta a registrar um evento de grande momento, tanto para a explicação dessa tabela quanto para a história futura da raça humana. O ponto a que ele reverte é o nascimento de Peleg. A presente passagem singular explica a natureza dessa mudança sem precedentes pela qual a humanidade passou de uma família com um discurso mutuamente inteligível, para muitas nações de diversas línguas e terras.

 

Gênesis 11: 1

 

O estado anterior da linguagem humana é aqui descrito brevemente. "A terra inteira" evidentemente significa todo o mundo então conhecido com todos os seus habitantes humanos. A universalidade da aplicação é clara e constantemente mantida ao longo de toda a passagem. "Eis que o povo é um." E o fim está neste ponto, de acordo com o início. "Portanto, o nome dele se chamava Babel, porque o Senhor havia confundido os lábios de toda a terra."

 

De um lábio e um caldo: de palavras. -Na tabela de nações, o termo "língua" foi usado para significar o que aqui é expresso por dois termos. Isso não é designado. Os dois termos não são sinônimos ou paralelos, pois formam as partes de um predicado composto. "Um estoque de palavras", então, concebemos, indica naturalmente a matéria, a substância ou o material da linguagem. Este foi o mesmo para toda a corrida. O termo "lábio", que é propriamente um dos órgãos de articulação, é, por outro lado, usado para denotar a forma, ou seja, a maneira de falar; o modo de usar e conectar a questão da fala; o sistema de leis pelo qual as inflexões e derivações de uma língua são conduzidas. Isso também ocorreu em toda a família humana. Assim, o escritor sagrado expressou a unidade da linguagem entre a humanidade, não por um único termo como antes, mas,

 

Gênesis 11: 2-4

 

A ocasião da mudança de linguagem prestes a ser descrita é aqui narrada. “Enquanto eles viajavam para o leste.” A palavra “eles” se refere a toda a terra do versículo anterior, que é colocada por uma figura comum para toda a raça humana. “Leste” provou ser o significado da frase מקדם mı̂qedem em Gênesis 13:11 , onde diz-se que Ló viajou ( מקדם mı̂qedem) de Betel à planície do Jordão, que fica a leste. A raça humana, composta por quinhentas famílias, viaja para o leste, com alguns pontos de desvio para o sul, ao longo do vale do Eufrates, e chega a uma planície de fertilidade superada na terra de Shinar (Herodes 1: 178,193). ) Uma determinação para estabelecer uma morada permanente neste local produtivo é formada imediatamente.

 

Gênesis 11: 3-4

 

Um edifício deve ser construído de tijolo e asfalto. O solo babilônico ainda é comemorado por esses materiais arquitetônicos. Há aqui uma argila fina, misturada com areia, formando o melhor material para tijolos, enquanto pedras não podem ser encontradas a uma distância conveniente. O asfalto é encontrado fervendo do solo na vizinhança da Babilônia e do Mar Morto, que é chamado de "asfalto asfáltico". As nascentes de asfalto de Is ou Hit no Eufrates são celebradas por muitos escritores. “Queime-os completamente.” Os tijolos secos ao sol são muito usados ​​no Oriente para fins de construção. Estes, no entanto, deveriam ser queimados e, assim, tornados mais duráveis. "Tijolo por pedra". Isso indica um escritor pertencente a um país e a uma época em que os edifícios de pedra eram familiares e, portanto, não da Babilônia. A fabricação de tijolos era bem conhecida por Moisés no Egito; mas esse país também é abundante em pedreiras e esplêndidas ereções de pedra, e a península do Sinaita é uma massa de colinas graníticas. Os shemitas habitavam principalmente países abundantes em pedras. “Asfalto para argamassa.” O asfalto é um passo mineral. A palavra argamassa traduzida significa inicialmente argila e depois qualquer tipo de cimento.

 

Gênesis 11: 4

 

O propósito de seus corações agora é mais plenamente expresso. "Vamos construir uma cidade para nós, e uma torre cujo topo possa estar nos céus." Uma cidade é um recinto fortificado ou serve de defesa contra a violência da criação bruta. Uma torre cujo topo pode estar no céu para escapar da possibilidade de um dilúvio periódico. Esta é a linguagem do orgulho no homem, que deseja não saber nada acima de si mesmo, e ultrapassar o alcance de uma providência dominante. "E vamos nos tornar um nome." Um nome indica distinção e preeminência. Tornar-nos um nome, então, não é tanto o clamor da multidão como os poucos, com Nimrod à frente, que só poderiam esperar o que não é comum, mas distinto. No entanto, aqui está artisticamente inserido na exclamação popular, pois as pessoas tendem a imaginar até a glória do déspota a refletir sobre si mesmas.Gênesis 6: 4 . Mas o despotismo para poucos ou um implica a escravidão e todos os seus males inumeráveis ​​para muitos. "Para que não sejamos espalhados sobre a face de toda a terra." Os variados instintos de sua natureza comum aqui se manifestam. O vínculo social, o vínculo de parentesco, o desejo de segurança pessoal, o desejo de ser independente, talvez até de Deus, a sede de poder absoluto, todos pedem união; mas é união para fins egoístas.

 

Gênesis 11: 5-7

 

Esses versículos descrevem a natureza dessa mudança pela qual essa forma de egoísmo humano deve ser verificada. “O Senhor desceu.” A providência de Deus que se interpõe é apresentada aqui em uma sublime simplicidade, adequada à mente primitiva do homem. Ainda há algo aqui característico dos tempos após o dilúvio. A presença do Senhor parece não ter sido retirada da terra antes desse evento. Ele entrou no jardim quando Adão e Eva estavam lá. Ele colocou os ministros e símbolos de sua presença diante dela quando foram expulsos. Ele expôs com Caim antes e depois de seu terrível crime. Ele disse: “Meu Espírito nem sempre se esforçará com o homem.” Ele viu a maldade do homem; e a terra estava corrompida diante dele. Ele se comunicou com Noé de várias maneiras e finalmente estabeleceu sua aliança com ele. Em tudo isso, ele parece ter estado presente com o homem na terra. Ele permaneceu no jardim, desde que se esperasse que sua tolerância influenciasse o homem para sempre. Por fim, ele estabeleceu o limite de cento e vinte anos. E depois de cuidar de Noé durante o dilúvio, ele parece ter retirado sua presença visível e graciosa da terra. Portanto, a propriedade da frase “o Senhor desceu”. Ele ainda lida com misericórdia com um remanescente da raça humana, e visitou a terra e manifestou Sua presença de uma maneira maravilhosa. Mas Ele ainda não adotou sua morada entre as pessoas, como fez no jardim, e ao sugerir que um dia fará na terra renovada. Por fim, ele estabeleceu o limite de cento e vinte anos. E depois de cuidar de Noé durante o dilúvio, ele parece ter retirado sua presença visível e graciosa da terra. Portanto, a propriedade da frase “o Senhor desceu”. Ele ainda lida com misericórdia com um remanescente da raça humana, e visitou a terra e manifestou Sua presença de uma maneira maravilhosa. Mas Ele ainda não adotou sua morada entre as pessoas, como fez no jardim, e ao sugerir que um dia fará na terra renovada. Por fim, ele estabeleceu o limite de cento e vinte anos. E depois de cuidar de Noé durante o dilúvio, ele parece ter retirado sua presença visível e graciosa da terra. Portanto, a propriedade da frase “o Senhor desceu”. Ele ainda lida com misericórdia com um remanescente da raça humana, e visitou a terra e manifestou Sua presença de uma maneira maravilhosa. Mas Ele ainda não adotou sua morada entre as pessoas, como fez no jardim, e ao sugerir que um dia fará na terra renovada.

 

Gênesis 11: 6

 

Na mesma simplicidade, é retratado o espírito voluntário e desafiador de Deus, de combinação e ambição que agora brotava na imaginação do homem. "O povo é um" - uma raça, com um propósito. "E eles têm todos um lábio." Eles entendem a mente um do outro. Nenhum mal-entendido surgiu da diversidade da linguagem. “Este é o começo deles.” O começo do pecado, como o do conflito, é como quando alguém deixa a água sair. O Senhor vê neste começo a semente do mal crescente. Todo pecado é obscuro e pequeno em sua primeira ascensão; mas incha em graus insensíveis nas proporções mais flagrantes e gigantescas. “E agora nada lhes será restringido, o que eles imaginaram fazer.” Agora que eles fizeram esse notável começo de concentração, ambição e renome, não há nada dessa maneira que eles não imaginem ou tentem.

 

Gênesis 11: 7

 

Aqui é anunciado o meio pelo qual o espírito desafiador de concentração deve ser derrotado. Deste e do verso anterior, aprendemos que o lábio, e não o estoque de palavras, é a parte da linguagem que deve ser afetada e, portanto, percebemos a propriedade de distinguir esses dois na declaração introdutória. Confundir, é introduzir vários tipos, onde antes havia apenas um; e, portanto, no presente caso, para introduzir várias variedades de forma, enquanto a linguagem era anterior a uma forma. Portanto, parece que a única língua primitiva foi multiplicada pela diversificação da lei da estrutura, sem interferir no material de que era composta. As bases ou raízes das palavras são fornecidas por analogias instintivas e evanescentes entre sons e coisas, nas quais a lei etimológica desempenha seu papel, e assim vocábulos passam a existir. Assim, da raiz “fer”, obtemos “fer, ferre, ferens, fert, ferebat, feret, ferat, ferret”;φέρε phere φέρειν pherein φέρων Pheron φέει pherei ἔφερε ephere φέρῃ Phere φέροι pheroi etc .; ברה perēh ברה pāroh por רה o poreh p רה pārâh יפרה yı̂preh etc., de acordo com a lei formativa de cada idioma.

 

É evidente que algumas raízes podem se tornar obsoletas e desaparecer, enquanto outras, de acordo com as exigências da comunicação e as habilidades do interlocutor, podem ser convocadas em grande abundância. Mas quaisquer que sejam as novas palavras que entram em ação, elas são feitas para cumprir a lei formativa que regula o idioma do falante. Essa lei foi fixada como a habitabilidade de sua mente, da qual ele se desvia apenas de aprender e imitar alguns dos processos formativos de outra língua. Na ausência de qualquer outra língua, não é concebível que ele deva, de alguma forma, alterar esta lei. Fazer isso seria se rebelar contra o hábito sem razão, e colocar-se fora de relação com os outros falantes da única língua conhecida.

 

O escritor sagrado não se importa em distinguir o ordinário do extraordinário no procedimento da Divina Providência, na medida em que atribui todos os eventos àquele que cria, superintende e administra o poder de Deus. No entanto, há algo além da natureza aqui. Podemos entender e observar a introdução de novas palavras no vocabulário do homem sempre que a necessidade de designar um novo objeto ou processo colocar em prática a faculdade de nomeação. Mas a nova palavra, raiz ou não, se inserida na linguagem, invariavelmente obedece à lei formativa do discurso em que é admitida. Uma nação acrescenta novas palavras ao seu vocabulário, mas por si só, sem influência externa, altera o princípio em que são formadas. Aqui, então, a interferência divina era necessária, se o uniforme se tornasse multiforme.

 

Os filólogos distinguiram três ou quatro grandes tipos ou famílias de línguas. A primeira delas foi a família shemética ou hebraica. É provável que a maioria dos shemitas tenha falado dialetos desse tipo bem definido de fala humana. Aram (os sírios), Arpakshad (os hebreus e os árabes) e Assur (os assírios) certamente o fizeram. Elam (Elymais), sucumbiu primeiro à raça kushita ( Kissίσσιοι Kissioi Κοσσαῖοι Kossaioi ) e depois ao persa, perdendo assim sua língua e sua individualidade entre as nações. Lud (os lírios) também foi invadido por outras nacionalidades. Mas esse tipo de linguagem foi estendido para além dos shemitas, até os kenaanitas e talvez alguns outros hamitas. Inclui a linguagem do Antigo Testamento.

 

A segunda família de línguas foi designada de forma judaica, indo-germânica, indo-européia e ariana. É falado pela grande maioria dos descendentes de Jafé e abrange uma série de modos cognitivos de comunicação, que se estendem da Índia às várias colônias européias da América. Inclui o grego, a língua do Novo Testamento.

 

Uma terceira classe, incluindo as línguas kushita (babilônica), egípcia e outras línguas africanas, foi denominada hamítica. Alguns de seus estoques têm afinidades com as famílias shemética e jafética.

 

É provável que as congêneres de línguas não classificadas (alofiliana, esporádica, turaniana), incluindo até as línguas chinesas, tenham relações mais ou menos íntimas com uma ou outra dessas três famílias razoavelmente definidas. Mas a ciência da filologia comparada está apenas abordando a solução de seu problema final, a relação histórica ou natural de todas as línguas do mundo. É evidente, no entanto, que o princípio da classificação não é tanto a quantidade de raízes em comum, como a ausência ou presença de uma determinada forma. A diversidade no assunto pode ser provocada por causas naturais atribuíveis; mas a diversidade na forma só pode surgir de um impulso sobrenatural. Os formulários podem se desgastar; mas eles não passam de uma lei constituinte para outra sem influência estrangeira. O discurso de uma raça forte e numerosa pode gradualmente dominar e aniquilar o de uma raça fraca; e, ao fazer isso, pode adotar muitas de suas palavras, mas de modo algum sua forma. Enquanto um discurso nacional retiver qualquer uma de suas formas, ele continuará sendo parte desse tipo especial pelo qual é caracterizado.

 

Portanto, percebemos que a interposição da providência em confundir os lábios da humanidade é a solução histórica do enigma da filologia; a existência de diversidade de linguagem ao mesmo tempo com a persistência natural da forma e a unidade histórica da raça humana. Os dados da filologia, indicando que a forma é o lado da linguagem que precisa ser tocado para produzir diversidade, coincidem também com os fatos aqui narrados. Além disso, a diversificação sobrenatural da forma marca a ordem em meio à variedade que prevaleceu nessa grande revolução da habitação mental. Não é necessário supor que setenta línguas foram produzidas a partir de uma na mesma crise dessa mudança notável, mas apenas as poucas formas genéricas suficientes para efetuar o propósito divino, e por sua interação para dar origem a todas as variedades subsequentes de idioma ou dialeto. Também não devemos imaginar que os princípios variantes da formação entraram em desenvolvimento prático de uma só vez, mas apenas que iniciaram um processo que, em combinação com outras causas operativas, emitiu todas as diversidades de fala que agora são exibidas na raça humana. .

 

Para que eles não entendam os lábios um do outro. - Este é o resultado imediato da diversificação da lei formativa da fala humana, mesmo que os elementos materiais permanecessem os mesmos de antes. Mais resultados serão exibidos em breve.

 

Gênesis 11: 8-9

 

O efeito da interposição divina é observado em Gênesis 11: 8-9 . “E o Senhor os espalhou para o exterior.” Não entendendo o modo de falar um do outro, eles se sentem praticamente separados um do outro. A unidade de conselho e de ação se torna impossível. Naturalmente, mal-entendido segue e gera desconfiança. A diversidade de interesses cresce e a separação ocorre. Aqueles que têm um discurso comum recuam do centro da união para um local isolado, onde podem formar uma comunidade separada entre si. A falta de pastagem para os seus rebanhos e a provisão para eles mesmos levam a uma migração progressiva. Assim, o propósito divino, de que sejam frutíferos, multiplique e reabasteça a terra Gênesis 9: 1é cumprido. A dispersão da humanidade ao mesmo tempo pôs fim aos projetos ambiciosos de poucos. “Eles pararam para construir a cidade.” É provável que o povo tenha começado a ver através do véu plausível que os líderes lançaram sobre seus fins egoístas. Doravante, a cidade seria abandonada à festa imediata de Nimrod. Isso interromperia por um tempo a construção da cidade. Suas habitações provavelmente seriam numerosas demais para os demais habitantes. A cidade recebeu o nome de Babel (confusão), do notável evento que interrompeu seu progresso por um tempo.

 

Esta passagem, então, explica a tabela de nações, na qual se diz que elas se distinguem, não apenas por nascimento e terra, mas "cada um segundo a sua língua". Portanto, é anexado à tabela como um apêndice necessário e, portanto, completa a história das nações na medida em que é realizada pela Bíblia. Nesse ponto, a linha da história deixa o universal e, por uma rápida contração, restringe-se ao indivíduo, na pessoa daquele que deve finalmente ser o pai de uma semente escolhida, na qual o conhecimento de Deus e de sua verdade é para ser preservado, em meio à degeneração das nações, na ignorância e no erro, que são os filhos naturais do pecado.

 

Aqui, consequentemente, termina o apêndice da segunda Bíblia, ou o segundo volume da revelação de Deus ao homem. Como o primeiro pode ter sido devido a Adão, o segundo pode ser atribuído em questão a Noé, com Shem como seu continuador. Os dois juntos não pertencem a um povo especial, mas à raça universal. Se eles já tivessem aparecido por escrito antes de Moisés, poderiam ter descido tanto para os gentios quanto para os israelitas. Mas a falta de interesse pelas coisas sagradas explicaria seu desaparecimento entre as primeiras. Os falantes da língua primitiva, no entanto, só reteriam o conhecimento de tal livro, se existente. Alguns de seus conteúdos podem ser preservados na memória e transmitidos à posteridade dos fundadores das nações primitivas. Conseqüentemente, encontramos traços mais ou menos distintos do Deus verdadeiro,

 

Mas mesmo que essa Bíblia de dois volumes não fosse possuída pelas nações em forma escrita, sua presença aqui, na cabeça dos escritos da verdade divina, marca o desígnio católico do Antigo Testamento e sugere a compreensão de toda a família do homem dentro dos propósitos misericordiosos do Todo-Poderoso. Nas questões de Providence, as nações parecem agora abandonadas a seus próprios meios. Tal abandono judicial de uma raça, que ouvira pela segunda vez a proclamação de sua misericórdia e pela segunda vez abandonava o Deus de seus pais, era naturalmente esperado. Mas nunca se deve esquecer que Deus duas vezes revelou sua misericórdia "a toda a raça humana" antes de serem deixados à sua maneira. E mesmo quando foram entregues à sua própria injustiça voluntária e impiedade,

 

Os novos desenvolvimentos do pecado durante esse período são principalmente três - embriaguez, desonra dos pais e a ambiciosa tentativa de ser independente do poder de Deus e frustrar seu propósito de povoar a terra. Essas formas de egoísmo humano ainda permanecem nos comandos principais das duas tabelas. A insubordinação à autoridade suprema de Deus é acompanhada de desrespeito à autoridade parental. A embriaguez em si é um abuso da livre concessão do fruto das árvores, orignalmente feitas ao homem. Essas manifestações de pecado não avançam para profundidades mais grosseiras ou mais sutis de iniqüidade, depois explicitamente proibidas nos dez mandamentos. Eles indicam um povo ainda relativamente pouco sofisticado em seus hábitos.

 

Os motivos adicionais trazidos à raça humana durante o intervalo de Noé a Abraão são a pregação de Noé, a perdição dos antediluvianos incrédulos, a preservação de Noé e sua família, a distinção de animais limpos e impuros, a permissão participar da alimentação animal, a proibição especial do derramamento de sangue do homem, a instituição do governo civil e a aliança com Noé e sua semente de que não deveria haver outro dilúvio.

 

A pregação de Noé consistiu em pressionar os convites e as advertências da misericórdia divina em uma raça perversa. Mas teve um novo poder sobre as gerações seguintes, quando foi comprovado pelo afogamento da raça impenitente e pela salvação da família piedosa. Foi uma demonstração terrível ao mesmo tempo da vingança divina sobre aqueles que persistiam no pecado e da misericórdia divina para com os humildes e os penitentes. A distinção entre limpo e impuro era um aviso especial contra a conformidade com o mundo pelo qual os filhos de Deus haviam morrido fora da raça humana. A permissão para comer ração animal estava em harmonia com a constituição física do homem e parece ter sido adiada até essa época por razões morais e físicas. No jardim, e depois no Éden, os produtos vegetais do solo eram adequados ao sustento saudável do homem. Mas na difusão universal da raça humana, o alimento animal se torna necessário.

 

Em algumas regiões onde o homem se estabeleceu, isso só está disponível durante grande parte do ano, se não para o todo. E um pavor salutar da morte, como a penalidade expressa da desobediência, foi uma lição necessária na infância da raça humana. Mas a destruição esmagadora da raça condenada foi suficiente para impressionar indelevelmente esta lição nas mentes dos sobreviventes. Portanto, a permissão para alimentação animal agora pode ser concedida com segurança, especialmente quando acompanhada da proibição expressa de homicídio culposo, sob pena de morte pelas mãos do carrasco. Essa proibição destinava-se diretamente a neutralizar o mau exemplo de Caim e Lamek e impedir que aqueles que matavam animais matassem homens; e foi prevista a aplicação de sua penalidade pela instituição do governo civil. A aliança com Noé foi um reconhecimento da raça sendo reconciliada com Deus em sua nova cabeça e, portanto, adequada para ser tratada como uma festa em paz com Deus e para entrar em termos de comunhão com ele. Sua promessa de segurança contra a destruição por um dilúvio era uma promessa de todas as bênçãos maiores e posteriores que naturalmente fluem da amizade com Deus.

 

Assim, percebemos que a revelação de Deus ao mundo antediluviano foi confirmada em muitos aspectos, e ampliada em outros, por aquela feita aos pós-diluvianos. Os estupendos eventos do dilúvio foram uma confirmação maravilhosa da justiça e misericórdia de Deus revelada a Adão. A pregação de Noé era um novo modo de incitar as verdades de Deus nas mentes dos homens, agora um pouco exercidas no pensamento reflexivo. A distinção entre limpo e impuro impunha a distinção que realmente existe entre os piedosos e os ímpios. A proibição de derramar sangue humano é o crescimento de uma lei específica a partir do grande princípio de retidão moral na consciência, acelerado pelo desenvolvimento do mal na conduta da humanidade. A aliança com Noé é a evolução para o enunciado articulado daquela relação federal que foi virtualmente formada com o crente e arrependido Adão. O próprio Adam ficou em silêncio por muito tempo, na sua auto-humilhação pela desobediência que exibira. Em Noé, o espírito de adoção alcançou a liberdade de expressão e, consequentemente, Deus, na importante ocasião em que saiu da arca e apresentou sua oferta propiciatória e eucarística, entra em uma aliança de paz com ele, assegurando-lhe certos bênçãos.

 

Há algo especialmente interessante nessa aliança com Noé, que abraça toda a raça humana e está em vigor até hoje. É tão verdadeiramente uma aliança de graça como a de Abraão. É praticamente a mesma aliança, apenas de uma forma anterior e menos desenvolvida. Sendo feito com Noé, que havia encontrado graça aos olhos do Senhor, e adicionado à expressão anterior do favor divino ao homem, menciona explicitamente um benefício que é apenas o primeiro e mais palpável da série de benefícios, temporais e eterna, fluindo da graça de Deus, e todas elas são oportunamente entregues aos herdeiros da salvação. Não podemos dizer quantos gentios consentiram explícita ou implicitamente a esse convênio geral e participaram de suas bênçãos.(ALBERT BARNES).WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET