Translate this Page

Rating: 2.6/5 (266 votos)




ONLINE
4




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Comentario biblico Mateus cap.18 subsidio EBD
Comentario biblico Mateus cap.18 subsidio EBD

         Comentario evangelho de Lucas cap.18 subsidio EBD

MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR

                      Comentário  Matthew Henry sobre a Bíblia

Introdução

Neste capítulo temos, I. A parábola da viúva importuna, destinada a nos ensinar fervor na oração, Lucas 18: 1-8 . II. A parábola do fariseu e publicano, destinada a nos ensinar humildade e humilhação pelo pecado, em oração, Lucas 18: 9-14 . III O favor de Cristo para as criancinhas que foram trazidas a ele, Lucas 18: 15-17 . IV. O julgamento de um homem rico que tinha a intenção de seguir a Cristo, quer ele tenha amado melhor a Cristo ou suas riquezas, a sua curta vinda sobre aquela provação e o discurso de Cristo com seus discípulos naquela ocasião, Lucas 18: 18-30 . V. Cristo está predizendo sua própria morte e sofrimentos, Lucas 18: 31-34 . VI. Sua visão restauradora para um cego, Lucas 18: 35-43. E estas quatro passagens que tivemos antes em Mateus e Marcos.

 

Versos 1-8

O juiz injusto.

1 E falou-lhes uma parábola para este fim, que os homens deviam sempre orar, e não para desmaiar 2 Dizendo, Havia em uma cidade um juiz, que não temia a Deus, nem considerava homem: 3 E havia uma viúva naquela cidade e ela chegou até ele, dizendo: Vinga-me do meu adversário. 4E ele não quis por um tempo, mas depois disse consigo mesmo: Ainda que eu não tema a Deus, nem considero o homem 5 Contudo, como esta viúva me perturbou, eu a vingarei, para que, com a sua vinda contínua, ela me cansasse. 6 E o Senhor disse: Ouça o que o juiz injusto diz. 7 E Deus não vingará os seus eleitos, que clamam dia e noite a ele, ainda que ele demore muito com eles? 8 Eu lhes digo que ele irá vingá-los rapidamente. Todavia, quando o Filho do homem vier, encontrará fé na terra?

 

Esta parábola tem sua chave pendurada na porta, e o desenho é prefixado. Cristo falou com esta intenção, para nos ensinar que os homens devem sempre orar e não desmaiar, Lucas 18: 1Lucas 18: 1 . Supõe que todo o povo de Deus está rezando para que todos os filhos de Deus mantenham uma correspondência constante e ocasional com ele, enviar a ele declaradamente e em todas as emergências. É nosso privilégio e honra que pode orar. É nosso dever que devemos orar, pecamos se negligenciarmos isso. É para ser nosso trabalho constante que devemos sempre orar, é o queo dever de todo dia exige. Devemos orar, e nunca nos cansar de orar, nem pensar em deixá-lo até que venha a ser engolido em louvor eterno. Mas aquilo que parece particularmente concebido aqui é para nos ensinar constância e perseverança em nossos pedidos de algumas misericórdias espirituais que estamos buscando, relacionando-nos a nós mesmos ou à igreja de Deus. Quando estamos orando por força contra nossos inimigos espirituais, nossas luxúrias e corrupções, que são nossos piores inimigos, devemos continuar em oração, orar e não desmaiar, pois não buscaremos o rosto de Deus em vão. Por isso devemos, do mesmo modo, em nossas orações pela libertação do povo de Deus das mãos de seus perseguidores e opressores.

 

  1. Cristo mostra, por uma parábola, o poder da importunação entre os homens, que serão influenciados por isso, quando nada mais influenciar, para fazer o que é justo e correto. Ele lhe dá um exemplo de uma causa honesta que foi bem sucedida perante um juiz injusto, não pela eqüidade ou compaixão, mas puramente por meio de importunação. Observe aqui, 1. O mau caráter do juiz que estava em uma determinada cidade. Ele não temia a Deus nem considerava o homemele não tinha nenhum tipo de preocupação nem por sua consciência nem por sua reputação. Ele não tinha medo da ira de Deus contra ele ou das censuras dos homens em relação a ele; homem ele era um perfeito estranho tanto para piedade e honra, e não tinha noção de qualquer um. Não é estranho que aqueles que rejeitaram o medo de seu Criador sejam completamente indiferentes a seus semelhantes, onde nenhum temor de Deus não é bom é esperado. Tal prevalência de irreligion e desumanidade é ruim em qualquer um, mas muito ruim em um juiz,quem tem poder na mão, no uso do qual ele deve ser guiado pelos princípios da religião e da justiça, e, se ele não for, em vez de fazer o bem com o seu poder, ele estará em perigo de ferir. A maldade no lugar do julgamento foi um dos males mais graves que Salomão viu sob o sol ( Eclesiastes 3:16 Eclesiastes 3:16)Jeremias 21: 3 Isaías 1:17 Salmo 68: 5 Lucas 18: 5 . 2. O caso angustiado de uma pobre viúva que foi obrigado a fazê-la apelar para ele, sendo injustiçado por alguém que pensava em derrubá-la com poder e terror. Ela tinha manifestamente razão do lado dela, mas, ao que parece, ao solicitar que o direito a fizesse, ela não se atinha às formalidades da lei, mas fazia um pedido pessoal ao juiz, dia após dia, em sua própria casa, ainda chorando. , Faze-me justiça contra o meu adversárioisto é, faça-me justiça contra o meu adversário, não que ela desejasse ser vingada dele por qualquer coisa que ele tivesse feito contra ela, mas que ele poderia ser obrigado a restaurar os efeitos que ele tinha dela em suas mãos, e poderia ser incapacitado. mais para oprimi-la. Nota: Viúvas pobres muitas vezes têm muitos adversários, que barbaramente se aproveitam de seu estado fraco e desamparado para invadir seus direitos, e defraudam o pouco que têm e os magistrados são particularmente acusados, não apenas para não violentar a viúva ( Jeremias 21). : 3 ) mas, para julgar os órfãos, e pleitear a viúva ( Isaías 1:17 ), para ser seus patronos e protetores, eles são como deuses,porque Deus é assim, Salmo 68: 5 . 3. A dificuldade e desânimo que ela encontrou em sua causa: Ele não o faria por algum tempo. De acordo com sua prática habitual, ele desaprovou a mulher, não tomou conhecimento de sua causa, mas conspirou com todo o mal que seu adversário a fez, pois ela não tinha suborno para dar a ele, nenhum grande homem em quem ele se arrependesse de falar por ela, de modo que ele não se inclinasse em nada para corrigir suas queixas e ele mesmo era consciência da razão de sua debilidade, e não podia deixar de possuir dentro de si mesmo que ele não temia a Deus nem considerava o homem. É triste que um homem deva saber tanto mal de si mesmo e não tenha o menor cuidado em emendá-lo. 4. A conquista de seu objetivo ao continuamente atacar esse juiz injusto ( Lucas 18: 5 ): " Porque esta viúva me incomoda, dá-me uma labuta contínua, eu vou ouvir a sua causa, e fazer justiça a ela, não pelo seu clamor contra mim ela me trazer um nome doente, como por ela clama por mim, ela me aborrece, pois está decidida a não me dar descanso até que seja feito, e, portanto, farei isso, para me poupar de novos problemas tão bons no início como finalmente. Assim, ela fez justiça a ela por desejo contínuo, implorou à sua porta, seguiu-o pelas ruas, solicitou-o em tribunal aberto, e ainda assim seu grito era: Me vingar do meu adversário, que ele foi forçado a fazer, se livrar por sua consciência, por pior que fosse, não permitiu que ele a mandasse para a prisão por afronta à corte.

 

  1. Ele aplica isso para encorajar o povo de oração de Deus a orar com fé e fervor e a perseverar nele.

 

  1. Ele assegura-lhes que Deus finalmente será gracioso com eles ( Lucas 18: 6Lucas 18: 6 ): Ouça o que o juiz injusto diz, como ele próprio se torna completamente dominado por uma constante importunação, e Deus não vingará seus próprios eleitos? Observar,

 

(1) O que eles desejam e esperam: que Deus vingue seus próprios eleitos. Note, [1.] Há pessoas no mundo que são o povo de Deus, seus eleitos, seus eleitos, um povo escolhido, um povo escolhido. E isso ele tem um olho para em tudo o que ele faz para eles é porque eles são seus escolhidos, e em busca da escolha que ele fez deles. [2.] Os próprios eleitos de Deus encontram-se com muitos problemas e oposição neste mundo existem muitos adversáriosque luta contra eles Satanás é seu grande adversário. [3] Aquilo que é desejado e esperado é Deus preservando e protegendo-os, e o trabalho de suas mãos neles, assegurando o interesse da igreja no mundo e sua graça no coração.

 

(2) O que é requerido do povo de Deus para obter isto: eles devem clamar dia e noite para ele, não que ele precise de seus protestos, ou pode ser movido por suas alegações, mas isto ele fez a sua dever, e para isso ele prometeu misericórdia. Devemos ser especiais em orar contra nossos inimigos espirituais, como foi São Paulo: Por isso, três vezes supliquei o Senhor, para que pudesse se afastar de mim como esta viúva importuna. Senhor, mortifica esta corrupção. Senhor, arma-me contra esta tentação. Devemos nos preocupar com as igrejas perseguidas e oprimidas, e orar para que Deus lhes faça justiça e as coloque em segurança. E aqui devemos ser muito urgentes, devemos chorarcom seriedade: devemos chorar dia e noite, como aqueles que crêem que a oração será finalmente ouvida, devemos lutar com Deus, como aqueles que sabem valorizar a bênção e não terão mais do que isso. O povo de oração de Deus é dito para não lhe dar descanso, Isaías 62: 6,7 .Isaías 62: 6 , 7

 

(3) Que desânimo eles talvez encontrem em suas orações e expectativas. Ele pode ficar muito tempo com eles, e pode não aparecer para eles em resposta às suas orações. Ele é makrothymon autois ep --he exerce paciência para com os adversários de seu povo, e não toma vingança sobre eles e ele exerce a paciência de seu povo, e não interceder por eles. Ele suportou por muito tempo o grito do pecado dos egípcios que oprimiam Israel, e com o grito dos sofrimentos daqueles que eram oprimidos.

 

(4) Que certeza eles terão de que a misericórdia virá finalmente, embora seja retardada, e como ela é apoiada pelo que o juiz injusto diz: Se esta viúva prevalecer sendo importunada, muito mais os eleitos de Deus prevalecerão. Pois [1.] Esta viúva era uma estranha, nada relacionado com o juiz, mas o povo de oração de Deus é seu próprio eleito, a quem ele conhece, ama e se deleita e sempre se preocupou. [2] Ela era apenas uma, mas o povo de Deus que ora é muito, e todos vêm a ele na mesma incumbência, e concordam em perguntar o que precisam, Mateus 18:19 Mateus 18:19.João 17:25. À medida que os santos do céu cercam o trono da glória com seus louvores unidos, os santos da terra também cercam o trono da graça com suas preces unidas. [3] Ela veio a um juiz que pediu que ela mantivesse distância de chegarmos a um Pai que nos ordena a vir corajosamente a ele, e nos ensina a chorar, Abba, Pai. [4] Ela veio a um juiz injusto, nós viemos a um Pai justo ( João 17:25 ), aquele que considera sua própria glória e o conforto de suas pobres criaturas, especialmente aquelas em perigo, como viúvas e órfãos. [5] Ela veio a este juiz puramente por conta própria, mas Deus está empenhado na causa que estamos solicitando e podemos dizer: Levanta-te, Senhor, pleiteia a tua própria causa e o que farás ao teu grande nome? [6.] Ela não tinha amigo para falar por ela, para acrescentar força à sua petição, e para usar interesse por ela mais do que ela própria, mas nós temos um Advogado junto ao Pai, seu próprio Filho, que vive para fazer intercessãopara nós, e tem um poderoso interesse prevalecente no céu. [7] Ela não tinha nenhuma promessa em alta velocidade, não, nem qualquer encorajamento dado a ela para perguntar, mas temos o cetro de ouro que nos foi oferecido, somos instruídos a perguntar, com uma promessa de que nos será dado. [8] Ela só pode ter acesso ao juiz em certos momentos, mas podemos clamar a Deus dia e noite, em todas as horas, e, portanto, talvez a esperança prevaleça pela importunação. [9] A sua importunação estava provocando ao juiz, e ela pode temer que isso o colocasse mais contra ela, mas a nossa importunação é agradável a Deus, a oração dos retos é o seu deleite e, portanto, podemos esperar, deve valer muito , se for uma oração fervorosa eficaz.

 

  1. Ele sugere a eles que, não obstante, eles começarão a ficar cansados ​​de esperar por ele ( Lucas 18: 8Lucas 18: 8 ): "Não obstante, embora tais garantias sejam dadas que Deus vingará seus próprios eleitos, ainda assim, quando o Filho de virá o homem, encontrará fé na terra? "O Filho do homem virá para vingar seus próprios eleitos, para defender a causa dos cristãos perseguidos contra os judeus perseguidores, ele virá em sua providência para pleitear a causa de suas pessoas feridas em todas as épocas, e no grande dia ele virá finalmente para determinar as controvérsias de Sião. Agora, quando ele vier, encontrará fé na terra? A questão implica uma forte negação: não, ele próprio não o prevê.

 

(1.) Isto supõe que é na terra apenas que há uma ocasião para a fé, porque os pecadores no inferno estão sentindo aquilo em que não crêem, e os santos no céu estão desfrutando daquilo em que creram.

 

(2.) Supõe que a fé é a grande coisa que Jesus Cristo procura. Ele olha para os filhos dos homens e não pergunta: há inocência? mas existe fé? Ele perguntou sobre a fé daqueles que se aplicaram a ele para curas.

 

(3.) Supõe que, se houvesse fé, embora fosse tão pequena, ele descobriria e descobriria. Seu olho está no crente mais fraco e mais obscuro.

 

(4) É predito que, quando Cristo vier para defender a causa de seu povo, ele encontrará pouca fé em comparação com o que se poderia esperar. Isto é, [1.] Em geral, ele encontrará poucas pessoas boas, poucas que são realmente boas. Muitos que têm a forma e moda da piedade, mas poucos que têm fé, que são sinceros e honestos: não, ele encontrará pouca fidelidade entre os homens os fiéis falham, Salmo 12: 1,2Salmos 12: 1 , 2 . Até o final do tempo ainda haverá ocasião para a mesma queixa. O mundo não crescerá melhor, não, não quando estiver se aproximando de seu período. Mau é, e será ruim, e o pior de tudo, pouco antes da vinda de Cristo, os últimos tempos serão os mais perigosos. [2] Em particular, ele encontrará poucos que tenham fé a respeito de sua vinda. Quando ele vem para vingar seus próprios eleitos, ele olha se existe alguma fé para ajudar e sustentar, e se pergunta que não há nenhum, Isaías 59: 16,63: 5 . Ele insinua que Cristo, tanto em suas idas particulares para o alívio de seu povo, como em sua vinda geral no final dos tempos, pode, e irá, atrasar sua vinda enquanto isso, em primeiro lugar.Isaías 59:16 , 63 : 2 Pedro 3: 4 Isaías 5:10 Amós 5:19 Mateus 24:48 Isaías 49:14 Isaías 40:27Pessoas más começarão a desafiá-lo e a dizer: Onde está a promessa de sua vinda? 2 Pedro 3: 4 . Eles o desafiarão a vir ( Isaías 5:10 ; Amós 5:19 ) e seu atraso os endurecerá em sua perversidade, Mateus 24:48 . Em segundo lugar, até mesmo seu próprio povo começará a se desesperar , e concluir que ele nunca virá, porque ele aprovou o ajuste de contas. O tempo de Deus para aparecer para o seu povo é quando as coisas são levadas ao último extremo, e quando Sião começa a dizer: O Senhor me abandonou. Veja Isaías 49:14 ; Isaías 40:27. Mas este é o nosso consolo, que, quando chegar o tempo indicado, parecerá que a incredulidade do homem não fez a promessa de Deus de nenhum efeito.

 

Versículos 9-14

O fariseu e o publicano.

9 E falou essa parábola a quem confiava em si mesmo que eles eram justos e desprezavam os outros: 10 Dois homens subiram ao templo para orar a um fariseu e o outro a um publicano. 11O fariseu levantou-se e orou assim consigo mesmo, graças a Deus, que não sou como os outros homens , roubadores, injustos, adúlteros, nem mesmo como este publicano. 12 Eu jejuo duas vezes na semana, dou o dízimo de tudo o que possuo. 13E o publicano, estando de longe, não levantava tanto quanto os seus olhos para o céu, mas batia no seu peito, dizendo: Deus seja misericordioso comigo, pecador. 14 Eu te digo, este homem desceu para a sua casa justificada em vezdo que o outro: todo aquele que se exalta será rebaixado e aquele que se humilha será exaltado.

 

O escopo desta parábola também é prefixado a ela, e nos é dito ( Lucas 18: 9Lucas 18: 9 ) quem eles foram a quem foi nivelada e para quem foi calculada. Ele o projetou para a convicção de alguns que confiavam em si mesmos que eram justos e desprezavam os outros. Eles eram como os que tinham, 1. Um grande conceito de si mesmos, e de sua própria bondade, eles se consideravam tão santos quanto precisavam ser, e mais santo do que todos os seus vizinhos, e aqueles que poderiam servir como exemplos para todos eles. Mas isso não era tudo 2. Eles tinham confiança em si mesmos diante de Deus, e não só tinham uma opinião elevada de sua própria justiça, mas dependiam do mérito dela, sempre que se dirigiam a Deus, como seu pedido: Eles confiavam em si mesmos como ser justoachavam que haviam feito de Deus seu devedor, e podiam exigir dele qualquer coisa e, 3. Eles desprezavam os outros e olhavam para eles com desprezo, como não sendo digno de ser comparado a eles. Agora, Cristo, por essa parábola, mostraria tanta loucura e, assim, eles se isolariam da aceitação de Deus. Isso é chamado de parábola, embora não haja nada de semelhante nela, mas é antes uma descrição do temperamento e linguagem diferentes daqueles que orgulhosamente se justificam, e daqueles que humildemente condenam a si mesmos e a sua posição diferente diante de Deus. É verdade todos os dias.

 

  1. Aqui estão ambos se dirigindo ao dever de orar no mesmo lugar e no mesmo tempo ( Lucas 18:10 Lc 18:10 ): Dois homens subiram ao templo (para o templo subir a colina) para orar. Não era a hora da oração pública, mas eles foram lá para oferecer suas devoções pessoais, como era comum com pessoas boas naquela época, quando o templo não era apenas o lugar, mas o meio de adoração, e Deus havia prometido, em resposta ao pedido de Salomão, que, qualquer que seja a oração feita de maneira correta em ou para aquela casa, deveria, portanto,Isaías 56: 7o bastante ser aceito. Cristo é o nosso templo, e para ele devemos ter um olho em todas as nossas abordagens a Deus. Os fariseus e o publicano foram ao templo para orar. Note, Entre os adoradores de Deus, na igreja visível, há uma mistura de bons e maus, de alguns que são aceitos por Deus, e alguns que não são e assim tem sido desde que Caim e Abel trouxeram sua oferta para o mesmo altar. O fariseu, orgulhoso como era, não conseguia se considerar acima da oração, nem poderia o publicano, humilde como ele era, se julgar excluído do benefício disso, mas temos motivos para pensar que isso acontecia com visões diferentes. 1. O fariseu foi ao templo para orar porque era um públicolugar, mais público que os cantos das ruas, e portanto ele deveria ter muitos olhos nele, que aplaudiria sua devoção, que talvez fosse mais do que se esperava. O caráter que Cristo deu dos fariseus, que todas as suas obras fizeram para ser visto pelos homens, nos dá ocasião para essa suspeita. Note que os hipócritas mantêm os desempenhos externos da religião apenas para economizar ou ganhar crédito. Há muitos que vemos todos os dias no templo, a quem, devemos temer, não veremos no grande dia à direita de Cristo. 2. O publicano foi ao templo porque foi designado para ser uma casa de oração para todas as pessoas, Isaías 56: 7 . O fariseu veio ao templo em umelogio, o publicano sobre o negócio fariseu para fazer sua aparição, o publicano para fazer o seu pedido. Agora, Deus vê com que disposição e desígnio chegamos a esperá-lo em santas ordenanças, e nos julgará de acordo.

 

  1. Aqui está o discurso do fariseu para Deus (para uma oração eu não posso chamá-lo): Ele se levantou e orou assim consigo mesmo ( Lucas 18: 11,12 ): em pé sozinho, ele orou assim, então alguns leram que ele estava totalmente atento ele mesmo não tinha nada em seus olhos além de si mesmo, seu próprio louvor, e não a glória de Deus ou, em algum lugar visível, onde ele se distinguia ou, estabelecendo-se com uma grande quantidade de estado e formalidade, ele orava assim. Agora, o que ele aqui deveria dizer é o que mostra,Lucas 18:11 , 12

 

  1. Que ele confiava em si mesmo que ele era justo. Um grande número de coisas boas que ele disse de si mesmo, que suporemos ser verdade. Ele estava livre de pecados grosseiros e escandalosos, ele não era um extorsor, não um usurário, não opressivo para os devedores ou inquilinos, mas justo e gentil com todos os que dependiam dele. Ele não era injusto em qualquer de seus negócios, ele não fez homem algum mal que pudesse dizer, como Samuel, De quem boi ou de quem eu tirei? Ele não era adúltero, mas possuía seu vaso em santificação e honra. No entanto, isso não foi tudo o que ele jejuou duas vezes na semana,como um ato em parte de temperatura, em parte de devoção. Os fariseus e seus discípulos jejuavam duas vezes por semana, segunda e quinta-feira. Assim glorificou a Deus com o seu corpo; todavia não foi isso o que deu os dízimos de tudo quanto possuía, de acordo com a lei, e assim glorificou a Deus com o seu estado mundano. Agora tudo isso foi muito bem e louvável. Miserável é a condição daqueles que ficam aquém da retidão deste fariseu: ainda assim ele não foi aceito e por que ele não foi? (1) Deus dando graças por isso, embora em si uma coisa boa, ainda parece ser uma mera formalidade. Ele não diz: Pela graça de Deus eu sou o que eu sou, como Paulo fez, mas desliga com um ligeiro, Deus, eu te agradeço,que se destina a não ser uma introdução plausível a uma orgulhosa ostentação vaidosa de si mesmo. (2) Ele se jacta disso e habita com prazer neste assunto, como se todos os seus negócios para o templo fossem contar a Deus Todo-Poderoso como ele era muito bom e ele está pronto para dizer, com aqueles hipócritas que lemos de ( Isaías 58: 3Isaías 58: 3 ), Por que jejuamos e não viste? (3) Ele confiou a isto como uma justiça, e não somente mencionou isto, mas alegou isto, como se neste caso ele tivesse merecido nas mãos de Deus, e fez dele seu devedor. (4) Aqui não está uma palavra de oração em tudo o que ele diz. Ele subiu ao templo para orar,mas esqueceu sua missão, estava tão cheio de si mesmo e de sua própria bondade que achou que não precisava de nada, não, não do favor e da graça de Deus, que, ao que parece, ele não achava que valesse a pena pedir.

 

  1. Que ele desprezava os outros. (1) Ele pensava mal de toda a humanidade, exceto de si mesmo: Eu te agradeço por não ser como os outros homens. Ele fala indefinidamente, como se fosse melhor que qualquer outro. Podemos ter motivos para agradecer a Deus por não sermos como alguns homens , que são notoriamente perversos e vis, mas falar ao acaso, como se só fôssemos bons, e todos além de nós fossem reprovados, é julgar por atacado. (2) Ele pensava que, em uma maneira particular desse publicano, a quem ele deixara para trás, é provável, na corte dos gentios, e em cuja companhia ele havia entrado quando chegou ao templo. Ele sabia que ele era um publicano e, portanto, muito incaracteremente concluiu que ele era um extorquidor, injusto,e tudo isso é nada. Suponha que fosse assim, e ele soubesse disso, que negócio tinha ele para tomar conhecimento disso? Não poderia ele dizer suas orações (e isso era tudo o que os fariseus faziam) sem censurar seus vizinhos? Ou isso era uma parte do seu Deus, eu te agradeço? E ele estava tão satisfeito com a maldade do publicano quanto com sua própria bondade? Não poderia haver uma evidência mais clara, não apenas da falta de humildade e caridade, mas de orgulho reinante e malícia, do que era.

 

III Aqui está o discurso do publicano para Deus, que era o reverso do fariseu, tão cheio de humildade e humilhação quanto era de orgulho e ostentação, tão cheio de arrependimento pelo pecado, e desejo para com Deus, como o dele era de confiança em si mesmo e em seu própria retidão e suficiência.

 

  1. Ele expressou seu arrependimento e humildade naquilo que fez e em seu gesto, quando se dirigiu a suas devoções, expressava grande seriedade e humildade, e a roupa apropriada de um coração quebrantado, penitente e obediente. (1.) Ele ficou de longe. O fariseu levantou-se, mas encheu-se o mais alto que pôde, até a extremidade superior da corte, que o publicano mantinha à distância, sentindo-se indigno de se aproximar de Deus, e talvez por medo de ofender o fariseu, a quem ele observava. olhar com desprezo para ele e perturbar suas devoções. Por este meio, ele possuía que Deus poderia justamente contemplá-lo de longe,e mandá-lo para um estado de distância eterna dele, e que foi um grande favor que Deus teve o prazer de admiti-lo assim perto. (2) Ele não levantaria tanto quanto seus olhos para o céu, muito menos suas mãos, como era habitual na oração. Ele elevou seu coração a Deus nos céus, em desejos santos, mas, por vergonha e humilhação prevalentes, ele não ergueu os olhos em confiança e coragem santas . As iniqüidades dele se foram sobre a cabeça dele, como um fardo pesado, de forma que ele não pode olhar para cima, Salmos 40:12 Salmo 40:12. O desprezo de sua aparência é uma indicação do abatimento de sua mente ao pensar no pecado. (3) Ele feriu em seu peito, em uma santa indignação por si mesmo pelo pecado: "Assim eu golpearei este meu iníquo coração, a fonte envenenada da qual fluem todas as correntes do pecado, se eu pudesse chegar lá. " O coração do pecador primeiro o feriu em uma repreensão penitente, 2 Samuel 24:10 . O coração de David o feriu. Pecador, o que fizeste? E então ele feriu seu coração com remorso penitente: Oh homem miserável que sou? Diz-se que Efraim golpeia sua coxa, Jeremias 31:19 . Grandes lamentadores são representados em seus seios, Naum 2: 7 .2 Samuel 24:10 Jeremias 31:19 Naum 2: 7

 

  1. Ele expressou isso no que ele disse. Sua oração foi curta. O medo e a vergonha impediram-no de dizer muito suspiros e gemidos engoliu suas palavras, mas o que ele disse foi para o propósito: Deus, seja misericordioso comigo pecador. E bendito seja Deus que tenhamos esta oração registrada como uma oração respondida, e que tenhamos certeza de que aquele que a orou foi justificado a sua casa e nós também, se orarmos, como ele fez, por meio de Jesus Cristo: " Deus, misericordioso para comigo, pecador, o Deus da infinita misericórdia seja misericordioso comigo, pois, se ele não o é, estou para sempre desfeito, para sempre miserável. Deus seja misericordioso comigo, pois fui cruel comigo mesmo. (1) Ele possui um pecador por natureza, pela prática, culpado diante de Deus.Eis que eu sou vil, que te responderei? O fariseu nega a si mesmo ser um pecador que nenhum de seus vizinhos pode acusá-lo, e ele não vê razão para se autodenominar, com qualquer coisa que esteja errada , ele é puro do pecado. Mas o publicano não se dá nenhum outro personagem além do de um pecador, um criminoso condenado no bar de Deus. (2) Ele não tem dependência senão da misericórdia de Deus, daquilo e daquilo que ele confia. O fariseu insistira no méritode seus jejuns e dízimos, mas o pobre publicano se exime de qualquer pensamento de mérito, e voa para a misericórdia como sua cidade de refúgio, e toma posse do chifre daquele altar. "Justiça me condena nada me salvará senão misericórdia, misericórdia." (3) Ele ora fervorosamente pelo benefício daquela misericórdia: " Ó Deus, seja misericordioso, seja propício, perdoe meus pecados, reconcilie-se comigo, aceite-me em seu favor, receba-me, graciosamente, ame-me livremente". Ele vem como um mendigo para uma esmola, quando ele está pronto para perecer pela fome. Provavelmente ele repetiu essa oração com afeições renovadas, e talvez tenha dito mais sobre o mesmo significado, fez uma confissão particular de seus pecados, mencionou as misericórdias particulares que desejava e esperou em Deus, mas ainda assim esse era o fardo da canção:Deus, seja misericordioso comigo pecador.

 

  1. Aqui está a aceitação do publicano com Deus. Vimos quão diferentes esses dois se dirigiram a Deus, vale a pena investigar como eles aceleraram. Havia aqueles que clamavam o fariseu, por quem ele iria para sua casa aplaudido, e quem olharia com desprezo para este publicano lamentando furtivo. Mas nosso Senhor Jesus, a quem todos os corações estão abertos, todos os desejos conhecidos e dos quais nenhum segredo está oculto, que está perfeitamente familiarizado com todos os procedimentos no tribunal do céu, assegura-nos que este publicano pobre, penitente e de coração partido foi para sua casa justificada, em vez de o outro. O fariseu pensava que, se um deles devia ser justificado, e não o outro, certamente deveria ser ele e não o publicano. "Não", diz Cristo "Digo-lhe, afirmo-o com a máxima certeza e declaro-o com a maior preocupação, digo-lhe, é o publicano e não o fariseu. "O fariseu orgulhoso se afasta, rejeitado por Deus, suas ações de graças até agora de ser aceito que eles são uma abominação, ele não é justificado, seus pecados não são perdoados, nem ele é liberto de condenação: ele não é aceito como justo aos olhos de Deus, porque ele é tão justo aos seus próprios olhos, mas o publicano, Este humilde discurso para o Céu, obtém a remissão dos seus pecados, e aquele a quem o fariseu não colocaria com os cães do seu rebanho Deus coloca com os filhos da sua família.A razão dada para isso é porque a glória de Deus é resistir aos orgulhosos e dar graça aos humildes. 1. Os homens orgulhosos, que se exaltam, são rivais de Deus e , portanto , certamente serão rebaixados. Deus, em seu discurso com Jó, apela a essa prova de que ele é Deus, que ele olha para todo aquele que é orgulhoso, e o traz para baixo, Trabalho 40:12Jó 40:12 . 2. Homens humildes, que se apascentam a si mesmos, estão sujeitos a Deus e serão exaltados. Deus tem preferência por aqueles que a aceitarem como favor, não por aqueles que a exigem como dívida. Ele será exaltadono amor de Deus e na comunhão com ele, será exaltado em satisfação em si mesmo e finalmente exaltado tão alto quanto o céu. Veja como o castigo responde ao pecado: Aquele que se exalta será humilhado. Veja como a recompensa responde ao dever: Aquele que se humilha será exaltado. Veja também o poder da graça de Deus em trazer o bem para fora do mal, o publicano tinha sido um grande pecador, e da grandeza de seu pecado foi trazido a grandeza de seu arrependimento do que comeu carne. Veja, pelo contrário, o poder da malícia de Satanás em trazer o mal do bem. Era bom que o fariseu não fosse extorsivo, nem injusto, mas o diabo o fazia orgulhoso disso, para sua ruína.

 

Versículos 15-17

A atenção de Cristo para as crianças

15 E trouxeram-lhe também crianças, para que ele as tocasse; mas quando os seus discípulos o viram , repreendiam-nas. 16 Jesus, pois, chamou-os para junto de si e disse: - Deixem que as criancinhas venham a mim e não proíbam que elas façam isso, pois o reino de Deus é destas. 17 Em verdade vos digo que qualquer que não receber o reino de Deus como criança, de modo algum entrará nele.

 

Esta passagem da história que tivemos em Mateus e Marcos segue muito bem aqui depois da história do publicano, como uma confirmação da verdade que seria ilustrada por essa parábola, que aqueles serão aceitos com Deus e honrados, que humilhem-se, e para eles, Cristo tem bênçãos reservadas, a melhor e a melhor das bênçãos. Observe aqui: 1. Aqueles que são abençoados em Cristo devem desejar ter seus filhos abençoados nele, e devem por meio deste testificar a verdadeira honra que eles têm por Cristo, fazendo uso deles, e o amor verdadeiro que eles têm por seus filhos. crianças, por sua preocupação com suas almas. Eles trouxeram para ele crianças,muito jovem, incapaz de ir, sugando crianças, como pensam alguns. Ninguém é pequeno demais, jovem demais para levar a Cristo, que sabe mostrar bondade para com os que não são capazes de prestar serviço a ele. 2. Um toque gracioso de Cristo fará com que nossos filhos sejam felizes. Eles trouxeram bebês para ele, para que ele pudesse tocá-los em sinal da aplicação de sua graça e Espírito a eles, pois isso sempre abre caminho para a sua bênção, que também eles esperavam: veja Isaías 44: 3 Isaías 44: 3 . Primeiro derramarei o meu Espírito sobre a tua semente e depois a minha bênção sobre a tua descendência.Cantares de Salomão 3: 3 , 5 : Lucas 18:17 3. Não é estranho para aqueles que fazem a sua aplicação a Jesus Cristo, para si ou para seus filhos, encontrar desânimo, mesmo daqueles que devem apoiá-los e encorajá-los: Quando os discípulos viram isto, eles pensaram, se isto foram admitidos, isso traria problemas intermináveis ​​ao seu Mestre, e por isso eles os repreendiam, e desaprovavam eles. A esposa reclamou dos vigias, Cântico dos Cânticos de Salomão 3: 3,5: 7 . 4. Muitos a quem os discípulos repreendem o Mestre convida: Jesus chamou-os até ele, quando, sob a verificação dos discípulos, eles estavam se retirando. Eles não apelaramdos discípulos para o Mestre, mas o Mestre tomou conhecimento de sua causa desprezada. 5. É a mente de Cristo que as criancinhas devem ser trazidas a ele, e apresentadas como sacrifícios vivos à sua honra: " Deixem as criancinhas virem a mim, e proíbam-nas de não deixar que nada seja feito para impedi-las, pois elas seja tão bem-vindo como qualquer outro ". A promessa é para nós e para a nossa sementee, portanto, aquele que tem o dispensar das bênçãos prometidas lhes dará as boas vindas a ele conosco. 6. Os filhos daqueles que pertencem ao reino de Deus pertencem igualmente àquele reino, assim como os filhos dos homens livres são homens livres. Se os pais forem membros da igreja visível, os filhos também o são, se a raiz for santa, os ramos são assim. 7. Então, bem-vindos são os filhos de Cristo que aquelas pessoas adultas são muito bem-vindas àquele que tem nelas a maior parte da disposição das crianças ( Lc 18:17 ): Qualquer que não receber o reino de Deus como uma criancinha,isto é, receba os benefícios dele com humildade e gratidão, não pretendendo merecê-los como o fariseu, mas alegremente se apropriando em dívida com a graça gratuita para eles, como o publicano fez, a menos que um homem seja trazido a essa estrutura abnegada ele de modo algum entrará nesse reino. Eles devem receber o reino de Deus como crianças, receber suas propriedades por descendência e herança, não por compra, e chamá-lo de presente de seu pai.

 

Versículos 18-30

Riquezas um impedimento espiritual.

18 E certo rei perguntou-lhe: Bom Mestre, que farei para herdar a vida eterna? 19 Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? nenhum é bom, exceto um, isto é,Deus. 20 Sabes os mandamentos: Não adulterarás, não matarás, não furtarás, não dirás falso testemunho, honra teu pai e tua mãe. 21E ele disse: Tudo isso eu mantive desde a minha juventude. 22 Ora, ouvindo Jesus isto, disse-lhe: Ainda te falta uma coisa; vende tudo quanto tens e reparte-o pelos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me. 23 E quando ele ouviu isto, ficou muito triste: porque era muito rico. 24 E quando Jesus viu que estava muito triste, disse: Quão dificilmente entrarão os que têm riquezas no reino de Deus! 25 Pois é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus. 26 E os que ouviram istodisse: Quem então pode ser salvo? 27 E ele disse: As coisas que são impossíveis aos homens são possíveis para com Deus. 28 Disse então Pedro: Eis que nós deixamos tudo e te seguimos. 29 E ele lhes disse: Em verdade vos digo que ninguém há que tenha deixado casa, ou pais, ou irmãos, ou mulher, ou filhos, por amor do Reino de Deus, 30 o qual não receberá mais muitas coisas neste mundo. tempo presente, e no mundo para vir a vida eterna.

 

Nestes versos temos,

 

  1. discurso de Cristo com um governante, que tinha uma boa mente para ser dirigido por ele no caminho para o céu. Em que podemos observar,

 

  1. É uma visão abençoada ver pessoas de distinção no mundo distinguirem-se de outras de sua categoria por sua preocupação com suas almas e com outra vida. Lucas percebe que ele era um governante. Poucos dos governantes tinham qualquer estima por Cristo, mas aqui estava um que tinha se uma igreja ou governante estatal não aparecia, mas ele era alguém em autoridade.

 

  1. A grande coisa que nos interessa a cada um de nós é o que faremos para chegar ao céu, o que faremos para herdar a vida eterna. Isto implica tal crença de uma vida eterna depois disso, como os ateus e infiéis não têm, tal preocupação para assegurar-se como um mundo descuidado e impensado não tem, e tal disposição para cumprir com quaisquer termos que possam ser assegurados como aqueles não tem quem seja decididamente dedicado ao mundo e à carne.

 

  1. Aqueles que iria herdar a vida eterna deve aplicar-se a Jesus Cristo como seu Mestre, seu ensinamento Mestre, por isso significa aqui ( didaskale ), e sua decisão Mestre, e assim eles certamente encontrá-lo. Não há como aprender o caminho para o céu, mas na escola de Cristo, por aqueles que entram nele e continuam nele.

 

  1. Aqueles que vêm a Cristo como seu Mestre devem acreditar que ele tenha não apenas uma missão divina, mas uma bondade divina. Cristo quer que este governante saiba que, se ele se entendeu direito em chamá-lo de bondoso, na verdade o chamou de Deus e, na verdade, assim foi ( Lucas 18:19Lucas 18:19 ): " Por que me chamas bom? Tu não sabes que ele é bom" mas um, isto é, Deus e tu então me levas para Deus? Se for assim, tu estás certo ".

 

  1. Nosso Mestre, o próprio Cristo, não alterou o caminho para o céu do que era antes de sua vinda, mas apenas o tornou mais claro, fácil, confortável e providenciou nosso alívio, no caso de darmos um passo em falso . Tu conheces os mandamentos. Cristo veio não para destruir a lei e os profetas, mas para estabelecê-los. Você herdaria a vida eterna? Governe-se pelos mandamentos.

 

  1. Os deveres da segunda mesa devem ser observados conscientemente, para nossa felicidade, e não devemos pensar que quaisquer atos de devoção, quão plausíveis sejam, compensarão a negligência deles. Tampouco é suficiente nos mantermos livres das graves violações desses mandamentos, mas precisamos conhecer esses mandamentos, como Cristo os explicou em seu sermão sobre o monte, em sua extensão e natureza espiritual, e assim os observamos.

 

  1. Os homens se julgam inocentes porque são ignorantes, assim como esse governante. Ele disse: Tudo isso eu mantive desde a minha juventude, Lucas 18:21 Lucas 18:21 . Ele não conhece mais mal de si mesmo do que o fariseu, Lucas 18:11Lucas 18:11 . Ele se vangloria de que ele começou cedo em um curso de virtude, que ele continuou nele até hoje, e que ele não havia transgredido em nenhum caso. Ele tinha sido familiarizado com a extensão ea natureza espiritual da lei divina, e com o funcionamento do seu próprio coração, - ele tinha sido, mas os discípulos de Cristo algum tempo, e aprendeu dele, ele teria dito exatamente o contrário: " Todos estes ter I quebrado desde a minha juventude, em pensamento, palavra e ação."

 

  1. As grandes coisas pelas quais devemos experimentar nosso estado espiritual são como somos afetados a Cristo e a nossos irmãos, a este mundo e ao outro por esses que este homem foi provado. Pois, (1) Se tivermos uma verdadeira afeição a Cristo, ele virá e o seguirá, atenderá a sua doutrina e se submeterá à sua disciplina, seja qual for o custo dela. Ninguém herdará a vida eterna que não esteja disposto a aceitar a sorte com o Senhor Jesus, a seguir o Cordeiro aonde quer que ele vá. (2) Se ele tem uma verdadeira afeição para com seus irmãos, ele irá, como há ocasião, distribuir aos pobres, que são os recebedores de Deus de suas dívidas de nossas propriedades. (3) Se ele pensa mal deste mundo,como ele deve, ele não vai continuar vendendo o que ele tem, se houver necessidade, para o alívio dos pobres de Deus. (4) Se ele pensar muito sobre o outro mundo, como ele deve, ele não desejará mais do que ter um tesouro no céu, e considerará que uma recompensa suficiente e abundante por tudo o que ele deixou, ou perdeu, ou expôs. para Deus neste mundo.

 

  1. Há muitos que têm muito sobre eles que é muito louvável, e ainda assim perecem pela falta de uma coisa, então este governante aqui rompeu com Cristo sobre isto, ele gostou de todos os seus termos muito bem, mas isto o qual parte entre ele e sua propriedade: "Nisso, peço-te, peça-me desculpa." Se esta for a barganha, não é uma barganha.

 

  1. Muitos que estão com vontade de deixar a Cristo, contudo, o deixam. Depois de uma longa luta entre suas convicções e suas corrupções, suas corrupções levam finalmente o dia em que lamentam muito que não possam servir a Deus e a Mamom, mas, se alguém deve ser deixado, será seu Deus, não seu ganho mundano.

 

  1. O discurso de Cristo com seus discípulos nesta ocasião, no qual podemos observar: 1. As riquezas são um grande obstáculo para muitos no caminho para o céu. Cristo notou a relutância e o arrependimento com que o rico se separou dele. Ele viu que estava muito triste e sentia muito por ele, mas dali ele infere: Quão dificilmente entrarão os que têm riquezas no reino de Deus! Lucas 18:24 Lucas 18:24. Se este governante tivesse tão pouco do mundo quanto Pedro, Tiago e João, com toda a probabilidade ele teria deixado, para seguir a Cristo, como eles o fizeram, mas, tendo uma grande propriedade, teve uma grande influência sobre ele. ele, e ele preferiu se despedir de Cristo do que se colocar sob a obrigação de dispor de seus bens em caridade. Cristo afirma enfaticamente a dificuldade da salvação dos ricos: é mais fácil passar um camelo pelo olho de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus, Lucas 18:25.Lucas 18:25 Lucas 18:26 Lucas 18:28 Lucas 18:29 , 30 . É uma expressão proverbial, que denota a coisa ser extremamente difícil. 2. Há nos corações de todas as pessoas uma afeição tão geral a este mundo, e às coisas dele, que, desde que Cristo exigiu que fosse necessário para a salvação que nos sentássemos livres para este mundo, é realmente muito difícil para nós. qualquer para chegar ao céu. Se temos que vender tudo, ou romper com Cristo, quem então pode ser salvo? Lucas 18:26. Eles não encontram defeitos naquilo que Cristo exigiu tão duramente e irracional. Não, é muito oportuno que aqueles que esperam uma felicidade eterna no outro mundo estejam dispostos a renunciar a tudo o que lhes é caro neste mundo, na expectativa dele. Mas eles sabem com que proximidade os corações da maioria dos homens se apegam a este mundo, e estão prontos para se desesperarem de serem levados a isso. 3. Existem tais dificuldades no caminho da nossa salvação: como nunca poderia ser superado, mas por pura onipotência, pela graça de Deus, que é onipotente, e à qual isso é possível, que excede todo o poder e sabedoria criados. As coisas que são impossíveis para os homens(e absolutamente impossível que os homens façam tal mudança em seus próprios espíritos, a ponto de convertê-los do mundo para Deus, é como dividir o mar e empurrar o Jordão de volta ), essas coisas são possíveis com Deus. Sua graça pode trabalhar sobre a alma, de modo a alterar a inclinação e o preconceito dela, e dar-lhe um lado contrário e é ele que trabalha em nós tanto para querer quanto para fazer. 4. Há uma aptidão em nós para falar muito do que temos deixado e perdemos, do que fizemos e sofremos, por Cristo. Isto aparece em Pedro: Eis que nós deixamos tudo e te seguimos Lucas 18:28 . Quando ele entrou em seu caminho, ele não podia deixar de ampliar a afeição de seus irmãos e de seus irmãos a Cristo,desistindo de tudo para segui-lo. Mas isso nós deveríamos estar tão longe de nos vangloriarmos, que devemos antes reconhecer que não vale a pena tomar conhecimento, e ter vergonha de nós mesmos de que deveria ter havido qualquer arrependimento e dificuldade em fazê-lo, e qualquer anseio por essas coisas depois . 5. O que quer que tenhamos deixado ou colocado para fora para Cristo, será abundantemente compensado para nós neste mundo e no futuro, apesar de nossas fraquezas e fraquezas ( Lucas 18: 29,30 ): Nenhum homem deixou o conforto de seus bens ou relações pelo reino do amor de Deus, ao invés de impedir seus serviços a esse reino ou a seus desfrutes, que não receberão mais neste tempo presente,nas graças e nos confortos do Espírito de Deus, nos prazeres da comunhão com Deus e da boa consciência, vantagens que, para aqueles que sabem valorizá-los e aperfeiçoá-los, irão contrabalançar em abundância todas as suas perdas. No entanto, isso não é tudo no mundo vindouro, eles receberão a vida eterna, que é a coisa sobre a qual o governante parecia ter seus olhos e seu coração.

 

Versículos 31-34

O Sofrimento de Cristo Predito.

31 Então, tomou a si os doze, e disse-lhes: Eis que subimos a Jerusalém, e todas as coisas escritas pelos profetas, concernentes ao Filho do homem, serão cumpridas. 32For ele será entregue aos gentios, e escarnecido, injuriado e cuspido, e cuspido: 33E eles açoitá -lo, e colocá-lo à morte; e ao terceiro dia ressuscitará. 34 E eles não entenderam nenhuma destas coisas; e esta afirmação lhes foi escondida, nem sabiam o que se dizia.

 

Aqui está, I. O aviso que Cristo deu aos seus discípulos de seus sofrimentos e morte se aproximando, e da questão gloriosa deles, que ele mesmo teve uma visão e pré-conhecimento perfeitos, e julgou necessário adverti-los, que pode ser a menor surpresa e terror para eles. Duas coisas aqui são as que não tivemos nos outros evangelistas: 1. Os sofrimentos de Cristo são aqui mencionados como o cumprimento das escrituras, com a qual Cristo se reconciliou com eles, e os reconciliaria: Todas as coisas que são escrito pelos profetas sobre o Filho do homem, especialmente as dificuldades que ele deve sofrer, deve ser realizado. Note, O Espírito de Cristo, nos profetas do Antigo Testamento,Testemunhou de antemão os seus sofrimentos e a glória que deve seguir, 1 Pedro 1:11 1 Pedro 1:11 . Isto prova que as escrituras são a palavra de Deus, pois eles tiveram a sua realização exata e completa e que Jesus Cristo foi enviado por Deus, pois eles tiveram seu cumprimento nEle era aquele que deveria vir, pois tudo o que foi predito a respeito do Messias era verificou nele e ele se submeteria a qualquer coisa para o cumprimento das escrituras, que nem um jota ou til daquilo deveria cair no chão. Isso faz cessar a ofensa da cruz e coloca uma honra sobre ela.Isaías 50: 6Assim foi escrito, e assim convinha que Cristo sofresse, assim se tornou ele. 2. A ignomínia e a desgraça feitas a Cristo em seus sofrimentos são aqui mais insistentes. Os outros evangelistas disseram que ele deveria ser ridicularizado, mas aqui é acrescentado, Ele será tratado com maus - tratos , hybristhesetai - ele deve ser carregado com escárnio e desprezo, terá toda a censura possível colocada sobre ele. Esta foi a parte de seus sofrimentos pelos quais, de maneira espiritual, ele satisfez a justiça de Deus pelo dano que havíamos feito em sua honra pelo pecado. Aqui está um caso particular de desgraça que ele lhe causou, que ele havia sido cuspido, o que havia sido particularmente previsto, Isaías 50: 6.. Mas aqui, como sempre, quando Cristo falou de seus sofrimentos e morte, ele predisse sua ressurreição como aquilo que tirou tanto o terror quanto o vitupério de seus sofrimentos: o terceiro dia ele ressuscitará.

 

  1. A confusão que os discípulos foram colocados aqui. Isso era tão contrário às noções que eles tinham do Messias e do seu reino, de tal forma que rejeitavam suas expectativas de seu Mestre, e tal quebra de todas as suas medidas, que eles não entendiam nenhuma dessas coisas, Lucas 18:34 Lucas 18:34 . Seus preconceitos eram tão fortes que eles não os entenderiam literalmente, e eles não poderiam entendê-los de outra forma, de modo que eles não os entendessem de forma alguma. Era um mistério, era um enigma para eles, deve ser assim, mas eles acham que é impossível se reconciliar com a glória e a honra do Messias, e o design de estabelecer seu reino. Este ditado estava escondido deles, kekrymmenon ap autonIsaías 30:10 era apócrifo para eles, eles não podiam recebê-lo: por suas partes, leram o Antigo Testamento muitas vezes, mas nunca puderam ver nada que fosse realizado na desgraça e morte deste Messias. Eles estavam tão preocupados com aquelas profecias que falavam de sua glória que eles negligenciavam aqueles que falavam de seus sofrimentos, que os escribas e doutores da lei deveriam ter mandado que eles notassem, e deveriam ter trazido para dentro de seus credos e catecismos, como bem como o outro, mas eles não se adequavam ao seu esquema e, portanto, foram postos de lado. Note, Portanto , é que as pessoas correm em erros, porque lêem suas Bíblias pelas metades, e são tão parciais nos profetas quanto sãona lei. Eles são apenas para as coisas suaves, Isaías 30:10 . Assim, agora estamos muito aptos, ao ler as profecias que ainda estão para ser cumpridas, a ter nossas expectativas levantadas sobre o estado glorioso da igreja nos últimos dias. Mas nós negligenciamos seu estado de pano de saco selvagem, e estamos dispostos a imaginar que acabou, e nada está reservado para nós, mas nos dias tranquilos e então, quando surgem tribulações e perseguições, nós não entendemos isto, nem sabemos nós as coisas que são feitas , embora nos seja dito da maneira mais clara possível que, através de muitas tribulações, devemos entrar no reino de Deus.

 

Versos 35-43

Visão restaurada para os cegos.

35 E sucedeu que, chegando ele a Jericó, um cego estava assentado à beira do caminho, mendigando. 36 E, ouvindo a multidão passar, perguntou o que isso significava. 37 E disseram-lhe que Jesus Nazaré passava. 38 E ele clamou, dizendo: Jesus, tu que és Filho de Davi, tem misericórdia de mim. 39 E os que foram antes o repreenderam para que ele se calasse; mas ele chorou tanto mais que tuFilho de Davi, tem piedade de mim. 40 E pôs-se Jesus em pé, e mandou que lhe trouxessem; e chegando-se ele, perguntou-lhe: 41Que queres tu que te faça? E ele disse: Senhor, para que eu possa receber a minha visão. 42 Disse-lhe Jesus: Vê, e a tua fé te salvou. 43E logo ele recebeu a sua visão, e seguiu-o, glorificando a Deus; e todo o povo, vendo isso, dava louvores a Deus.

 

Cristo veio não apenas para trazer luz a um mundo escuro , e assim apresentar a nós os objetos que devemos ter em vista, mas também para dar visão às almas cegas e ao curar o órgão para capacitá-los a ver esses objetos. Como prova disso, ele curou muitas de suas cegueiras corporais: agora temos um relato de alguém a quem ele deu visão perto de Jericó. Marcos nos dá um relato de um e o nomeia, a quem ele curou ao sair de Jericó, Marcos 10:46 Marcos 10:46 . Mateus fala de dois que ele curou quando partiram de Jericó, Mateus 20:30 . Luke diz que foiMateus 20:30pt para eggizein auton - quando ele estava perto de Jericho, o que pode ser quando ele estava saindo dele, bem como quando ele estava entrando nele. Observar,

 

  1. Este pobre cego sentou-se à beira do caminho, implorando, Lucas 18:35 Lucas 18:35 . Parece que ele não era apenas cego, mas pobre, não tinha nada para subsistir, nem quaisquer relações para mantê-lo o emblema mais apto do mundo da humanidade que Cristo veio curar e salvar, eles são miseráveis e miseráveis, pois ambos são pobre e cego, Apocalipse 3:17 . Ele ficou sentado implorando, porque era cego e não podia trabalhar para viver. Note, aqueles devem ser aliviados pela caridade a quem a providência de Deus desabilitou de alguma maneira para obter seu próprio pão. Tais objetos de caridade pelo lado do caminhoApocalipse 3:17 não deve ser negligenciado por nós. Cristo aqui lançou um olhar favorável a um mendigo comum e, embora existam fraudes entre eles, eles não devem, portanto, ser todos pensados ​​assim.

 

  1. Ouvindo o barulho de uma multidão que passava, ele perguntou o que isso significava, Lucas 18:36 Lucas 18:36 . Isso nós não tínhamos antes. Ensina-nos que é bom ser curioso e que aqueles que estão tão ou mais acham o benefício disso. Aqueles que querem a visão devem fazer tanto o melhor uso de sua audição, e, quando não podem ver com seus próprios olhos, devem, fazendo perguntas, fazer uso dos olhos de outras pessoas. Então, esse cego o fez, e com isso veio a entender que Jesus de Nazaré passou, Lucas 18:37 . É bom estar no caminho de Cristo e, quando temos a oportunidade de nos aplicar a ele, não deixá-lo escapar.Lucas 18:37

 

III Sua oração tem muita fé e fervor: Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim, Lucas 18:38Lucas 18:38 . Ele possui Cristo para ser o Filho de Davi, o Messias prometeu que ele acredita ser Jesus, um Salvador que ele acredita poder ajudar e socorrê-lo, e sinceramente pede seu favor: " Tem piedade de mim, perdoe meu pecado, piedade minha miséria ". Cristo é um rei misericordioso aqueles que se aplicam a ele como o Filho de Davi o acharão assim, e pedirão por si mesmos quando orarem, Tenham misericórdia de nós, pois a misericórdia de Cristo inclui tudo.

 

  1. Aqueles que estão realmente empenhados pelos favores e bênçãos de Cristo não serão colocados em sua perseguição, embora encontrem oposição e repreensão. Os que o acompanhavam o repreendiam como perturbador para o Mestre, barulhento e impertinente, e pediram-lhe que se calasse, mas ele prosseguiu com sua petição, ou melhor, o cheque dado a ele era apenas como uma represa para um riacho cheio, o que o fez inchar. tanto mais ele chorava mais alto, ó filho de Davi, tem misericórdia de mim. Aqueles que se apressam em oração devem ser importunos em oração. Essa história, no final do capítulo, sugere a mesma parábola no início do capítulo: os homens devem sempre orar e não desmaiar.

 

  1. Cristo encoraja os pobres mendigos, a quem os homens desaprovam, e os convida a vir a ele, e está pronto para entretê-los e convidá-los a receber: Ele ordenou que ele fosse trazido a ele. Note, Cristo tem mais ternura e compaixão por suplicantes afligidos do que qualquer um de seus seguidores. Embora Cristo estivesse em sua jornada, ele parou e se levantou, e ordenou que ele fosse trazido a ele. Aqueles que o haviam examinado devem agora emprestar-lhe as mãos para levá-lo a Cristo.

 

  1. Embora Cristo conheça todos os nossos desejos, ele os conhecerá de nós ( Lucas 18:41Lucas 18:41 ): O que queres que eu faça a ti? Ao espalhar nosso caso diante de Deus, com uma representação particular de nossos desejos e responsabilidades, nós nos ensinamos a valorizar a misericórdia que estamos buscando e é necessário que o façamos, senão não estamos em condições de recebê-lo. Este homem derramou sua alma diante de Cristo, quando ele disse: Senhor, para que eu possa receber a minha visão. Assim, deveríamos estar em oração, em ocasiões particulares.

 

VII. A oração da fé, guiado por promessas encorajadoras de Cristo, e fundamentada sobre eles, não deve estar em nay vão, ela não deve receber apenas uma resposta de paz, mas de honra ( Lucas 18:42Lucas 18:42 ) Cristo disse: Receba teus olhos, teu a fé te salvou. A verdadeira fé produzirá fervor na oração, e ambos juntos trarão abundantes frutos dos favores de Cristo e estarão então duplamente confortáveis ​​quando vierem dessa maneira, quando somos salvos pela fé.

 

VIII. A graça de Cristo deve ser gratamente reconhecida, para a glória de Deus, Lucas 18:43Lucas 18:43 . 1. O pobre mendigo, que teve sua visão restaurada, seguiu a Cristo, glorificando a Deus. Cristo fez o seu negócio para glorificar seu Pai e aqueles a quem ele curou o agradaram melhor quando louvaram a Deus, como aqueles que agradarão a Deus melhor que louvam a Cristo e honram a ele, confessando que ele é o Senhor, nós damos glória a Deus Pai. É para a glória de Deus se seguirmos a Cristo, como aqueles farão cujos olhosestão abertos. 2. O povo que o viu não podia deixar de louvar a Deus, que dera tal poder ao Filho do Homem, e por ele havia conferido tais favores aos filhos dos homens. Note, devemos louvar a Deus por suas misericórdias para com os outros, bem como pelas misericórdias para nós mesmos.

 

fonte Mattew Henri coment. / www.mauricioberwald.comunidades.net