Translate this Page

Rating: 2.7/5 (307 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


SUBSIDIO N.5 UNIDADE DA RAÇA HUMANA
SUBSIDIO N.5 UNIDADE DA RAÇA HUMANA

SUBSIDIO ADULTOS N.5 A UNIDADE DA RAÇA HUMANA

MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR 

Verso 22 COMENTARIO ATOS 17.22-28

 

Então Paulo - Isso inicia a explicação de Paulo sobre as doutrinas que ele havia declarado. É evidente que Lucas registrou apenas um mero resumo ou esboço do discurso; mas é tal que nos permite ver claramente seu curso de pensamento e a maneira pela qual ele conheceu as duas principais seitas de seus filósofos.

 

No meio da colina de Marte - grego: Areópago. Isso deveria ter sido retido na tradução.

 

Vocês, homens de Atenas - Esta linguagem era perfeitamente respeitosa, apesar de seu coração ter sido profundamente afetado pela idolatria deles. Tudo nesse discurso é calmo, sério, frio, argumentativo. Paulo entendeu o caráter de seus auditores e não iniciou seu discurso denunciando-os, nem supôs que eles seriam convencidos por mera afirmação dogmática. Não se pode encontrar nenhuma instância mais feliz de argumentação legal e coletada do que a apresentada neste discurso.

 

Eu percebo - Ele percebeu isso por suas observações de suas formas de adoração ao passar por sua cidade, Atos 17:23 .

 

Em todas as coisas - Em relação a todos os eventos.

 

Vocês são supersticiosos demais - δεισιδαιμονεστέρους deisidaimonesterousThis é uma tradução muito infeliz. Usamos a palavra “supersticioso” sempre em mau sentido, para denotar ser “excessivamente escrupuloso e rígido em observâncias religiosas, particularmente em assuntos menores, ou uma devoção zelosa a ritos e observâncias que não são ordenadas”. Mas a palavra aqui é projetado para transmitir essa idéia. Significa propriamente "reverência pelos deuses". É usado nos escritores clássicos, em um bom sentido, para denotar "piedade pelos deuses, ou medo e reverência adequados por eles"; e também em um sentido ruim, denotar "medo impróprio ou medo excessivo de sua raiva"; e, nesse sentido, está de acordo com a nossa palavra "supersticiosa". Mas é totalmente improvável que Paulo a tivesse usado no mau sentido. Para:

 

(1) Não era costume dele desnecessariamente culpar ou ofender seus auditores.

 

(2) não é provável que ele inicie seu discurso de uma maneira que apenas excite preconceito e oposição.

 

(3) na coisa em que ele especifica Atos 17:23 como prova sobre o assunto, ele não a apresenta como uma questão de culpa, mas como uma prova de sua devoção à causa da religião e de seu respeito por Deus.

 

(4) todo o discurso é calmo, digno e argumentativo - como se tornou um lugar, um orador e uma audiência. O significado da expressão é, portanto: “Percebo que você é muito dedicado à reverência pela religião; que é uma característica do povo honrar os deuses, criar altares para eles e reconhecer o arbítrio divino em tempos de provação. ”A prova disso era o altar erguido ao Deus desconhecido; sua influência em seu propósito era que esse estado de sentimento público devesse ser favorável a uma investigação sobre a verdade do que ele estava prestes a declarar.

 

Verso 23

Pois enquanto eu passava - grego: “Porque eu, passando e vendo, etc.”

 

E contemplado - diligentemente contemplado; Atentamente considerado ἀναθεωρῶν anatheōrōn A adoração de um povo idólatra será um objeto de intenso e doloroso interesse para um cristão.

 

Suas devoções - τὰ σεβάσματα ta sebasmataNossas palavras devoções se referem ao “ato de adoração” - a orações, louvores etc. A palavra grega usada aqui significa adequadamente qualquer coisa sagrada; qualquer objeto que seja adorado ou que esteja conectado ao local ou ritos de adoração. Assim, é aplicada aos próprios deuses ou aos templos, altares, santuários, sacrifícios, estátuas etc., relacionados com a adoração dos deuses. Este é o seu significado aqui. Não indica que Paulo os viu envolvidos no ato de adoração, mas que ele foi atingido pelos numerosos templos, altares, estátuas etc., que foram criados para os deuses e que indicavam o estado do povo. Siríaco, “o templo dos seus deuses”. Vulgata, “suas imagens”. Margem: “deuses que vocês adoram”.

 

Encontrei um altar - um altar geralmente indica "um lugar para sacrifício". Aqui, no entanto, não parece que nenhum sacrifício tenha sido oferecido; mas provavelmente era um monumento de pedra, criado para comemorar um determinado evento e dedicado ao Deus desconhecido.

 

Para o Deus desconhecido - ῷγνώστῳ Θεῷ agnōstō TheOnde este altar foi erguido, ou em que ocasião, tem sido objeto de muito debate com os expositores. O fato de haver um altar em Atenas, embora não tenha sido mencionado especificamente pelos escritores gregos, é provável pelas seguintes circunstâncias:

 

(1) Era costume criar tais altares. Minutius Felix diz dos romanos: "Eles constroem altares para divindades desconhecidas".

 

(2) o termo "Deus desconhecido" foi usado em relação à adoração dos atenienses. Lucian, em seu Philopatris, usa esta forma de juramento: "Juro pelo Deus desconhecido em Atenas", a própria expressão usada pelo apóstolo. E novamente ele diz (capítulo xxix. 180): “Descobrimos o Deus desconhecido em Atenas e o adoramos com as mãos estendidas para o céu, etc.”

 

(3) havia altares em Atenas inscritos aos deuses desconhecidos. Philostratus diz (em Vita Apol., Romanos 6: 3 ): “E isso em Atenas, onde existem altares para os deuses desconhecidos.” Assim, Pausanius (no Attic., Capítulo i.) Diz que “em Atenas, há são altares de deuses que são chamados de desconhecidos. ”Jerônimo, em seu comentário Tito 1:12 , diz que toda a inscrição era:“ Aos deuses da Ásia, Europa e África; aos deuses desconhecidos e estranhos. ”

 

(4) havia um altar notável erguido em Atenas em um período de pestilência, em homenagem ao deus desconhecido que lhes havia concedido libertação. Diógenes Laércio diz que Epimenides contido peste da seguinte maneira: “Tomando ovelha branca e preta, ele os levou ao Areópago, e não lhes permitiu ir para onde eles iriam, comandando aqueles que os seguiram a sacrificar τῶ προσήχοντι θεῷ tō prosēkontio deus a quem essas coisas pertenciam ou que tinham o poder de evitar a praga, quem quer que ele fosse, sem acrescentar o nome e assim acalmar a pestilência. Disso surgiu que, atualmente, pelas aldeias dos atenienses, altares são encontrados sem nome ”(Diog. Laert., Livro i, seção 10). Isso aconteceu cerca de 600 anos antes de Cristo, e não é improvável que um ou mais desses altares permanecessem até a época de Paulo. Deve-se acrescentar que a inscrição natural nesses altares seria: “Para o Deus desconhecido”. Nenhum dos deuses a quem eles geralmente sacrificavam poderiam libertá-los da peste. Portanto, eles os levaram a um Ser desconhecido que tinha o poder de libertá-los da praga.

 

Quem, portanto - O verdadeiro Deus, que realmente os libertara da praga.

 

Vós ignorantemente adorais - Ou adoramos sem saber o nome dele. Você expressou sua homenagem por ele criando um altar para ele.

 

Ele declara eu para você - Faço-lhe saber seu nome, atributos, etc. Há um tato notável na apreensão de Paulo nessa circunstância; e, no entanto, era perfeitamente justo e honesto. Somente o verdadeiro Deus poderia libertar no tempo da pestilência. Este altar, portanto, foi realmente criado para ele, embora seu nome fosse desconhecido. O mesmo Ser que havia se interposto naquele tempo, e cuja interposição foi registrada pela construção deste altar, foi Ele que fez os céus; quem governou sobre todos; e quem Paulo estava prestes a dar a conhecer a eles. Há outra característica de habilidade na alusão a esse altar. Em outras circunstâncias, pode parecer presunçoso para um judeu desconhecido tentar instruir os sábios de Atenas. Mas aqui eles confessaram e proclamaram sua ignorância. Ao elevar este altar, eles reconheceram sua necessidade de instrução. O caminho era, portanto,

 

Verso 24

Deus que criou o mundo - O principal objetivo deste discurso de Paulo é convencê-los da loucura da idolatria Atos 17:29 e, assim, levá-los ao arrependimento. Para esse propósito, ele começa com uma declaração da verdadeira doutrina que respeita a Deus como o Criador de todas as coisas. Podemos observar aqui:

 

(1) Que ele fala aqui de Deus como o Criador do mundo, opondo-se indiretamente às suas opiniões de que havia muitos deuses.

 

(2) ele fala dele como o Criador do mundo e, portanto, se opõe à opinião de que a matéria era eterna; que todas as coisas eram controladas pelo destino; e que Deus poderia estar confinado aos templos. Os epicuristas sustentavam que a matéria era eterna e que o mundo era formado por um concurso fortuito de átomos. A essa opinião, Paulo se opôs à doutrina de que todas as coisas foram feitas por um Deus. Compare Atos 14:15 .

 

Vendo que ... - Grego: “Ele é o Senhor do céu e da terra.”

 

Senhor do céu e da terra - proprietário e governante do céu e da terra. É altamente absurdo, portanto, supor que aquele que está presente no céu e na terra ao mesmo tempo e que domina tudo deve estar confinado ao templo de uma estrutura terrestre ou dependente do homem para qualquer coisa.

 

Não habita ... - Veja as notas em Atos 7:48 .

 

Verso 25

Tampouco é adorado pelas mãos dos homens - A palavra aqui traduzida como “adorada” ( θεραπέυεται therapeuetai) denota “servir”; esperar; e depois prestar serviço religioso ou homenagem. Refere-se aqui, sem dúvida, a uma noção predominante entre os pagãos, de que os deuses foram alimentados ou nutridos pelas ofertas feitas a eles. A idéia é predominante entre os hindus de que os sacrifícios que são feitos e oferecidos nos templos são consumidos pelos próprios deuses. Talvez, também, Paulo tivesse se referido ao fato de que tantas pessoas estavam empregadas em seus templos para servi-las com as mãos; isto é, na preparação de sacrifícios e festas em sua homenagem. Paulo afirma que o grande Criador de todas as coisas não pode ser assim dependente de suas criaturas para a felicidade e, consequentemente, que esse modo de adoração deve ser altamente absurdo. A mesma idéia ocorre no Salmo 50: 10-12 ;

 

Pois todo animal da floresta é meu;

 

E o gado em mil colinas.

 

Eu conheço todas as aves da montanha;

 

E os animais selvagens do campo são meus.

 

Se estivesse com fome, não te diria;

 

Pois o mundo é meu e a sua plenitude.

 

Vendo que ele dá - grego: ele deu a todos, etc.

 

Vida - Ele é a fonte da vida e, portanto, ele não pode depender da vida que ele próprio transmitiu.

 

E respiração - O poder da respiração, pelo qual a vida é sustentada. Ele não apenas deu vida originalmente, mas a deu a cada momento; ele dá o poder de inspirar cada respiração pela qual a vida é sustentada. É possível que a frase “vida e respiração” possa ser a figura hendyades, pela qual uma coisa é expressa por duas palavras. É altamente provável que Paulo tenha aqui referência a Gênesis 2: 7 ; “E o Senhor Deus soprou em suas narinas o sopro da vida.” A mesma idéia ocorre em Jó 12:10 ;

 

Em cuja mão está a vida (margem) de todo ser vivo;

 

E o fôlego de toda a humanidade.

 

E todas as coisas - todas as coisas necessárias para sustentar a vida. Podemos ver aqui como o homem dependente de Deus. Não pode haver dependência mais absoluta do que aquela para cada respiração. Quão fácil seria para Deus suspender nossa respiração! Quão incessante é o cuidado, quão incessante é a providência, pela qual, se dormimos ou acordamos - se lembramos ou esquecemos dele, ele aperta nosso peito, enche nossos pulmões, restaura a vitalidade do nosso sangue e infunde vigor em nosso corpo! Compare as notas em Romanos 11:36 .

 

Verso 26

E fez de um sangue - Todas as famílias da humanidade são descendentes de uma origem ou estoque. Por mais diferentes que sejam a aparência, os recursos ou a linguagem, eles são derivados de um pai comum. A palavra sangue é freqüentemente usada para denotar “raça, estoque, parentes”. Esta passagem afirma que toda a família humana é descendente do mesmo ancestral; e que, conseqüentemente, toda a variedade de tez, etc., deve ser atribuída a alguma outra causa além da criação original de raças diferentes. Ver Malaquias 2:10. O desígnio do apóstolo nessa afirmação provavelmente era convencer os gregos de que ele os considerava todos irmãos; que, embora fosse judeu, ainda assim não era escravizado a nenhuma noção ou preconceito estreito em referência a outras pessoas. Segue-se da verdade aqui declarada que nenhuma nação, nem indivíduo, pode reivindicar qualquer preeminência sobre outras em virtude de nascimento ou sangue. Todos são iguais nesse aspecto; e toda a família humana, por mais diferentes que sejam em termos de aparência, costumes e leis, deve ser considerada e tratada como irmãos. Segue-se, também, que nenhuma parte da raça tem o direito de escravizar ou oprimir qualquer outra parte, devido à diferença de aparência. Ninguém tem direito porque:

 

Ele considera seu companheiro culpado de uma pele

 

Não colorido como o seu; e ter poder

 

Impor o errado, por uma causa tão digna de

 

Doom e dedique-o como sua presa legal.

 

Para habitar ... - Cultivar e até a terra. Este foi o comando original Gênesis 1:28 ; e Deus, por sua providência, ordenou que os descendentes de uma família encontrassem o caminho para todas as terras e se adaptassem ao clima em que as colocou.

 

E determinou - grego: ὁρίσας horisasTer fixado ou marcado um limite. Veja as notas em Romanos 1: 4 . A palavra geralmente é aplicada a um campo. Significa aqui que Deus "marcou" ou "designou em seu propósito", o futuro deles permanece.

 

Os tempos antes apontados - Isto evidentemente se refere à dispersão e migração das nações. E isso significa que Deus, em seu plano, fixou os tempos em que cada país deveria ser estabelecido, e a ascensão, a prosperidade e a queda de cada nação. Os diferentes continentes e ilhas não foram, portanto, estabelecidos por acaso, mas por uma regra sábia e de acordo com o arranjo e o desígnio de Deus.

 

E os limites de sua habitação - Seus limites e fronteiras como povo. Pelos costumes, leis, inclinações e hábitos, ele fixou os limites de suas habitações e os dispôs a morar lá. Podemos aprender:

 

(1) Que as revoluções e mudanças das nações estão sob a direção da infinita sabedoria;

 

(2) Que as pessoas não devem ficar inquietas e insatisfeitas com o lugar onde Deus as localizou;

 

(3) Que Deus deu limites suficientes a todos, para que não seja necessário invadir os outros; e,

 

(4) Que guerras de conquista são más.

 

Deus deu às pessoas seus lugares de residência, e não temos o direito de perturbá-las ou de tentar substituí-las de maneira violenta. Essa linha de observação do apóstolo também se opunha a todas as noções dos filósofos epicuristas, e, no entanto, tão obviamente verdadeiras e justas que eles não podiam contradizer ou resistir a ela.

 

Verso 27

Que eles deveriam buscar o Senhor - grego: buscar o Senhor. O objetivo de colocá-los assim na terra - de agrupá-los como habitação entre suas obras - era que eles contemplassem sua sabedoria em suas obras e, assim, chegassem a um conhecimento de sua existência e caráter. Todas as nações, embora morem em diferentes regiões e climas, têm, portanto, a oportunidade de se familiarizar com Deus, Romanos 1: 19-20.. O fato de as nações não aprenderem o caráter do verdadeiro Deus mostra sua grande estupidez e maldade. O desígnio de Paulo nisso foi, sem dúvida, reprovar a idolatria dos atenienses. O argumento é o seguinte: “Deus deu a cada nação sua oportunidade apropriada para aprender seu caráter. A idolatria, portanto, é loucura e maldade, pois é possível descobrir a existência do Deus único a partir de suas obras. ”

 

Se haply - εἰ ἄρα γε ei ara geIf, talvez - implica que era possível encontrar Deus, embora isso possa ser acompanhado com alguma dificuldade. Deus nos colocou aqui para que possamos fazer a prova e, assim, tornou possível encontrá-lo.

 

Eles podem sentir-se atrás dele - A palavra usada aqui ψηλαφήσειαν psēlaphēseian significa apropriadamente “tocar, manusear” Lucas 24:39 ; Hebreus 12:18 , e depois verificar as qualidades de um objeto pelo sentido do tato. E como o sentido do tato é considerado como uma certa maneira de determinar a existência e as qualidades de um objeto, a palavra significa "procurar diligentemente, para que possamos conhecer distintamente e com certeza". A palavra tem esse sentido aqui. Significa "procurar diligentemente e com precisão por Deus, aprender sua existência e perfeições". O siríaco declara: "Para que procurem por Deus e o encontrem de suas criaturas".

 

E encontre-o - Encontre as provas de sua existência. Familiarize-se com suas perfeições e leis.

 

Embora ele não esteja longe ... - Isso parece ser afirmado pelo apóstolo para mostrar que era possível encontrá-lo; e que mesmo aqueles que estavam sem revelação não precisam se desesperar em se familiarizar com sua existência e perfeições. Ele está perto de nós:

 

(1) Porque as provas de sua existência e poder estão ao nosso redor em todos os lugares, Salmo 19: 1-6 .

 

(2) porque ele preenche todas as coisas no céu e na terra por sua presença essencial, Salmo 139: 7-10 ; Jeremias 23: 23-24 ; Amós 9: 2-4 ; 1 Reis 8:27 . Devemos aprender então:

 

(1) Ter medo do pecado. Deus está presente conosco e vê tudo.

 

(2) ele pode proteger os justos. Ele está sempre com eles.

 

(3) ele pode detectar e punir os iníquos. Ele vê todos os seus planos e pensamentos e registra todos os seus feitos.

 

(4) devemos procurá-lo continuamente. É o design para o qual ele nos criou; e ele nos deu oportunidades abundantes para aprender sua existência e perfeições.

 

Verso 28

Pois nele vivemos - A expressão "nele" significa evidentemente por ele; por ele originalmente nos formar e nos sustentar continuamente. Nenhuma palavra pode expressar melhor nossa constante dependência de Deus. Ele é a fonte original da vida e nos sustenta a cada momento. Um sentimento semelhante é encontrado em Plautus (5,4,14): “Ó Júpiter, que aprecia e nutre a raça humana; por quem vivemos e com quem está a esperança da vida de todos os homens ”(Kuinoel). Não parece, no entanto, que Paulo tenha projetado isso como uma citação; no entanto, ele sem dúvida pretendia declarar um sentimento com o qual eles estavam familiarizados e com os quais concordariam.

 

E move - κινούμεθα kinoumethaDoddridge traduz isso: “E são movidos”. No entanto, ele pode estar na voz do meio e ser renderizado corretamente como em nossa versão. Isso significa que obtemos força para nos afastarmos dele; uma expressão que denota “dependência constante e absoluta”. Não há idéia de dependência mais impressionante do que devemos a ele a capacidade de executar o menor movimento.

 

E tenha nosso ser - καὶ ἐσμέν kai esmen Isso denota que nossa "existência continuada" é devida a Ele. Que vivamos é o presente dele; que temos poder para nos mover é seu presente; e nossa existência continuada e prolongada é seu dom também. Assim, Paulo traça nossa dependência dele desde a mais baixa pulsação da vida até os mais altos poderes de ação e de existência contínua. Seria impossível expressar em linguagem mais enfática toda a nossa dependência de Deus.

 

Tão certo também - Como alguns. O sentimento que ele cita foi encontrado substancialmente em vários poetas gregos.

 

Dos seus próprios poetas - Ele não se refere particularmente aqui aos poetas de Atenas, mas aos poetas gregos que escreveram em seu idioma.

 

Pois também somos sua descendência - Essa expressão precisa é encontrada em Aratus (“Phaenom.”, V. 5) e em Cleanthus em um hino a Júpiter. Substancialmente o mesmo sentimento é encontrado em vários outros poetas gregos. Aratus era um poeta grego da Cilícia, o lugar de origem de Paulo, e floresceu cerca de 277 anos antes de Cristo. Como Paulo era natural do mesmo país, é altamente provável que ele conhecesse seus escritos. Aratus passou boa parte do tempo na corte de Antigonus Gonatas, rei da Macedônia. Seu trabalho principal foi o "Fenômeno", que é citado aqui, e era tão estimado na Grécia que muitos estudiosos escreveram comentários sobre ele. O sentimento aqui citado estava diretamente em desacordo com as opiniões dos epicuristas; e é a prova do discurso e da habilidade de Paulo, bem como seu conhecimento de seus auditores e dos poetas gregos, que ele foi capaz de expressar um sentimento tão diretamente correto e que teve o testemunho simultâneo de muitos dos próprios gregos. É um exemplo entre milhares de pessoas em que um conhecimento profano pode ser útil a um ministro do evangelho.WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET