Translate this Page

Rating: 2.7/5 (307 votos)




ONLINE
4




Partilhe esta Pgina



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


SUBSIDIO N.8 INICIO DA CIVILIZA플O
SUBSIDIO N.8 INICIO DA CIVILIZA플O

SUBSIDIO N.8 ADULTOS O INICIO DA CIVILIZAÇÃO

MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR

COMENTARIO GENESIS 4.1-16

Versículos 1-16

 A família de Adão

 

- Caim é Abel

 

  1. קין Qayin Qain (Cain), “lança-eixo”, e קנה qanah “configurar, estabelecer, ganho, compra,” conter o biliteral raiz קן QAN “set up, ereto, ganho.” As relações de palavras raiz são não confinado às regras estreitas de nossa etimologia comum, mas realmente se estendendo a usos instintivos que o orador não-rotulado inventará ou empregará. Um exame completo da língua hebraica leva à conclusão de que uma raiz biliteral está na base de muitos desses triliterales que consistem em duas consoantes firmes e uma terceira mais fraca, que varia em si e em sua posição. Assim, יטב yāṭab e טיב ṭôb So קין qayı̂n eקנה qanah crescer a partir de uma raiz.

 

  1. הבל hebel Habel (Abel), "respiração, vapor".

 

  1. mה mı̂nchâh “presente, oferta, tributo”. Em contraste com זבח zebach , significa uma “oferta sem sangue”.

 

  1. ṭאת chaṭā't “pecado, penalidade pelo pecado, oferta pelo pecado”. רבץ rābats “mente, senta- se como um animal”.

 

  1. דוד nôd Nod, “fuga, exílio; relacionados: fugir. ”

 

Este capítulo é uma continuação do segundo documento. No entanto, ele se distingue da parte anterior pelo uso do nome Yahweh sozinho e, em um exemplo, אלהים 'ĕlohı̂ym sozinho, para designar o Ser Supremo. Isso é suficiente para mostrar que peças de composição distintas estão incluídas nesses documentos. Na semana da criação e no julgamento, Deus provou ser um criador do ser e um guardador de sua palavra, e, portanto, o nome pessoal significativo Yahweh está pronto nos lábios de Eva e na caneta do escritor. A história do homem caído agora prossegue. A primeira família está sob nosso conhecimento.

 

Gênesis 4: 1

 

Neste versículo, o primeiro marido e mulher se tornam pai e mãe. Essa nova relação deve ser profundamente interessante para ambos, mas a princípio especialmente para a mãe. Agora começava o cumprimento de todas as sugestões que recebera sobre sua semente. Ela deveria ter concepção e tristeza multiplicadas. Mas ela deveria ser a mãe de todos os vivos. E sua semente era para ferir a cabeça da serpente. Todas essas lembranças acrescentaram muito ao interesse intrínseco de se tornar mãe. Seus sentimentos se manifestam no nome dado ao filho e no motivo atribuído a ele. Ela “desencaminhou Caim e disse: Eu ganhei um homem de Javé”. Caim ocorre apenas uma vez como um substantivo comum e é traduzido pela Septuaginta δόρυ doru“Eixo de lança”. O significado primitivo da raiz é estabelecer ou erguer, como bengala, uma palavra que vem da raiz; então significa criar, criar a própria pessoa e é aplicada ao Criador Gênesis 14:19 ou ao pai Deuteronômio 32: 6 . Portanto, a palavra aqui parece denotar algo ganho ou alcançado, uma expressão figurativa para uma criança nascida. A conquista ou o nascimento da criança é, portanto, evidentemente o pensamento proeminente na mente de Eva, pois ela tira o nome da criança. Isso serve para explicar a frase que atribui o motivo do nome. Se o significado tivesse sido: "Eu ganhei um homem, ou seja, Javé", a criança seria chamada de Javé. Se Jeová tivesse sido a palavra enfática, o nome teria sido um composto do Senhor, e אישׁ 'ıysh ‘homem’, ou קנה qınâh ‘qain’, como Issijá ou Conias. Mas o nome Caim prova קניתי qānı̂ytı̂y “eu ganhei” como sendo a palavra enfática e, portanto, a frase deve ser traduzida como “eu ganhei (levei) um homem (com a assistência) de Javé”.

 

A palavra "homem" provavelmente sugere que Eva esperava que seu filho crescesse até a estatura e maturidade de seu marido. Se ela tivesse filhas antes e as visse amadurecendo, isso explicaria sua expectativa e, ao mesmo tempo, daria um novo significado e ênfase à sua exclamação: "Eu ganhei um homem (até agora apenas mulheres) do Senhor." Isso aumentaria ainda mais seu êxtase se ela esperasse que essa fosse a própria semente que machucaria a cabeça da serpente.

 

Eva está sob a influência de sentimentos piedosos. Ela tem fé em Deus e reconhece que ele é o autor do presente precioso que recebeu. Instigada por sua emoção agradecida, ela confessa sua fé. Ela também emprega um nome novo e próximo para designar seu criador. No diálogo com o tentador, ela usara a palavra Deus אלהים 'hlohı̂ym Mas agora ela adota o Senhor. Nesta palavra, ela esconde um tesouro de conforto. “Ele é fiel à sua promessa. Ele não me esqueceu. Ele está comigo agora novamente. Ele nunca me deixará nem me abandonará. Ele me dará a vitória. ”E quem pode culpá-la se ela realmente espera que este seja o libertador prometido que deve machucar a cabeça da serpente?

 

Gênesis 4: 2Gênesis 4: 2

 

O irmão dele, Habel. - Habel significa "respiração, vaidade". Um sentimento de vaidade das coisas terrenas cresce na mente de nossos primeiros pais? A mãe encontrou sua tristeza multiplicada? Ela teve muitas filhas entre esses filhos? Existe algo delicado e frágil na aparência de Habel? Caim decepcionou as esperanças de uma mãe? Alguns de todos esses pensamentos podem ter solicitado o nome. Há algo de notável na frase "seu irmão Habel". Evidentemente, aponta com simplicidade comovente a indignação que viria a destruir a paz e a pureza do primeiro lar.

 

Os dois empregos primitivos dos homens eram o agrícola e o pastoral. Aqui está a segunda alusão a algum uso que foi feito aos animais logo após a queda. Casacos de pele foram fornecidos para o primeiro par; e agora temos Habel criando ovelhas. No jardim do Éden, onde a árvore da vida era acessível, uma dieta exclusivamente vegetal foi projetada para o homem. Se isso continuou após a queda, não somos informados. É certo que o homem tinha domínio sobre todo o reino animal. Dificilmente se pode duvidar que as coberturas externas dos animais tenham sido usadas para roupas. Atualmente, os animais devem ser empregados para sacrifício. Não está além dos limites da probabilidade que o alimento animal possa ter sido usado antes do dilúvio, como uma compensação parcial pelo desejo da árvore da vida,

 

O homem em seu estado primitivo, então, não era um mero coletor de bolotas, um caçador ou um nômade. Ele começou com a horticultura, a forma mais alta de vida rural. Após a queda, ele desceu à cultura do campo e à criação de gado; mas ele ainda tinha um lar e um modo de vida estabelecido. É apenas por um terceiro passo que ele degenera para o estado errante e bárbaro da existência. E somente pela predominância do poder sobre a direita, a luxúria egoísta do poder e as combinações inteligentes de ambição desenfreada, vem aquela forma de sociedade em que o mais alto estado da civilização bárbara e a menor profundidade da escravidão e da miséria se encontram.

 

Gênesis 4: 3Gênesis 4: 3

 

No final dos dias. - Isso pode indicar o final da semana, do ano ou de um período mais longo. A estação do ano foi provavelmente a reunião, quando chegariam os frutos da terra e os primogênitos do rebanho, e quando não era natural para a primeira família celebrar com uma gratidão moderada o aniversário de sua criação. E a ocasião atual parece ter sido a época em que Caim e Habel chegaram aos anos de discrição e auto-dependência e apresentaram solenemente suas primeiras ofertas voluntárias ao Senhor. Até agora, eles podem ter ficado sob os pais, que eram os verdadeiros oferentes. Agora eles vêm por conta própria.

 

Aqui, consequentemente, ascendemos do secular ao eterno. Nós encontramos uma igreja na família primitiva. Se Caim e Habel oferecerem a Deus, podemos imaginar que era o hábito de seus pais, e desceu a eles com toda a sanção do exemplo dos pais. Mas não podemos ousar afirmar isso em toda a sua extensão. Exemplo dos pais, sem dúvida, em alguns aspectos; mas se Adão e Eva ainda haviam ascendido tão longe do vale do arrependimento e humilhação a ponto de ousarem oferecer algo ao Senhor, admite-se a pergunta. O sentimento correto nos primeiros ofensores tornaria a confiança da fé muito lenta no crescimento. É ainda mais natural para seus filhos, sendo um afastamento dos transgressores reais, fazer o primeiro ensaio para abordar Deus com uma oferta.

 

Caim traz os frutos do solo. Não podemos dizer que esse foi o mero enunciado da natureza, agradecendo ao Criador por seus benefícios e reconhecendo que tudo vem dele e tudo é devido a ele. História, instrução dos pais e, possivelmente, exemplo, também estavam aqui para dar significado ao ato. A oferta também é feita a Javé, o autor da natureza, da revelação e, agora, no estado decaído do homem, da graça. Não há indicação neste versículo do estado dos sentimentos de Caim em relação a Deus. E há apenas uma sugestão possível, nos “casacos de pele”, em relação à forma externa de oferta que seria aceitável. Não devemos antecipar o resultado.

 

Gênesis 4: 4-5Gênesis 4: 4-5

 

E Habel trouxe. - A oferta de Habel difere da oferta de seu irmão na forma externa. Consiste nos primogênitos de seu rebanho. Estes foram mortos; por sua gordura é oferecida. Portanto, sangue foi derramado e a vida tirada. Para nós, acostumados a comer alimentos de origem animal, pode não parecer nada estranho aqui. Podemos supor que cada irmão tenha oferecido o que foi distribuído com os produtos de sua própria indústria. Mas vamos ascender àquele tempo primordial em que apenas a árvore frutífera e a erva que gerava sementes foram designadas ao homem como alimento, e devemos sentir que há algo novo aqui. Ainda vamos esperar pelo resultado.

 

E o Senhor teve respeito por Habel e sua oferta, mas não por Caim. Agora temos os fatos simples diante de nós. Vamos ouvir o comentário inspirado: “ Πίστελ pistei ‹ pela fé 'Abel ofereceu a Deus πλείονα Θυσίαν pleiona sois ‹um sacrifício mais excelente' que Caim” Hebreus 11: 4Hebreus 11: 4. Havia, então, claramente uma distinção moral interna na intenção ou disposição dos ofertantes. Habel tinha fé - aquela confiança em Deus que não é nua e fria, mas é acompanhada de confissão de pecados e um sentimento de gratidão por sua misericórdia, e seguida por obediência à sua vontade. Caim não tinha essa fé. Ele pode ter tido fé na existência, poder e generosidade de Deus; mas queria aquele penitente retornando a Deus, essa humilde aceitação de sua misericórdia e submissão à sua vontade, que constituem a verdadeira fé. Deve-se admitir que a fé do ofertante é essencial para a aceitabilidade da oferta, mesmo que outras coisas sejam iguais.

 

No entanto, neste caso, há uma diferença nas coisas oferecidas. Uma é uma oferta vegetal, a outra um animal; um é uma apresentação das coisas sem vida, o outro é um sacrifício da vida. Portanto, o último é chamado πλείων θυσία pleiōn Thusiahá "mais nele" do que no primeiro. As duas ofertas são, portanto, expressivas dos diferentes tipos de fé nos que oferecem. Eles são a excogitação e exibição no símbolo externo da fé de cada um. O fruto do solo oferecido a Deus é um reconhecimento de que os meios desta vida terrena são devidos a ele. Isso expressa a fé estéril de Caim, mas não a fé viva de Habel. Este último entrou profundamente no pensamento de que a própria vida é perdida para Deus por transgressão, e que somente por um ato de misericórdia o Autor da vida pode restaurá-la ao coração penitente, confiante, submisso e amoroso. Ele ponderou sobre as sugestões de ceder a misericórdia e o amor que vieram do Senhor para a raça caída e se lançou sobre eles sem reservas. Ele mata o animal do qual é o legítimo proprietário, como vítima, reconhecendo assim que sua vida é devido ao pecado; ele oferece a vida do animal, não como se tivesse o mesmo valor que o seu, mas como prova de que outra vida, equivalente à sua, é devida à justiça, se ele quiser se libertar da misericórdia ainda inescrutável de Deus .

 

Um pensamento como esse é bastante dedutível dos fatos na superfície de nosso registro. Parece necessário, a fim de explicar a primeira matança de um animal em uma economia em que somente a dieta vegetal era permitida. Podemos ir além. É difícil supor que a matança de um animal seja aceitável, se não previamente permitida. Os casacos de pele parecem envolver uma permissão prática para matar animais para certos fins. Assim, chegamos à conclusão de que havia mais no animal do que na oferta de vegetais, e isso é mais essencial para a plena expressão de uma fé correta na misericórdia de Deus, sem emprestar a luz da revelação futura. Portanto, a natureza do sacrifício de Habel era o índice da genuinidade de sua fé. E o Senhor teve respeito por ele e sua oferta; sugerindo assim que seu coração estava certo, e sua oferta adequada à expressão de seus sentimentos. Essa descoberta também está de acordo com o modo das Escrituras, que toma o ato externo como o expoente simples e espontâneo do sentimento interior. O modo de testemunhar seu respeito por Habel era consumir sua oferta com fogo, ou de alguma outra maneira igualmente aberta à observação.

 

E Caim ficou muito irado, e seu semblante caiu. - Um sentimento de ressentimento e um sentimento de desgraça e condenação tomam posse do seio de Caim. Não há espírito de investigação, auto-exame, oração a Deus por luz ou perdão. Isso mostra que Caim estava longe de estar no estado de espírito certo.

 

Gênesis 4: 6-7Gênesis 4: 6-7

 

Por que te indignas? e por que caiu seu semblante? - O Senhor ainda não desiste de Caim. Com grande misericórdia, ele expõe com ele. Ele coloca uma pergunta que implica que não há justa causa para seus sentimentos presentes. Nem a raiva de seu irmão, porque sua oferta foi aceita, nem a irritação em si mesmo, porque a sua própria não foi, é um sentimento correto na presença do Deus justo e misericordioso, que busca o coração. A submissão, o auto-exame e a alteração do que está errado em sua abordagem a Deus, por si só, beneficiam o ocaso. Para isso, portanto, o Senhor direciona sua atenção na próxima frase.

 

Se fizeres bem, não serás aceito? -Fazer o bem é refazer seus passos, considerar seus caminhos e descobrir onde ele estava errado, e alterar sua oferta e sua intenção de acordo. Ele não considerou devidamente a relação em que se apresenta a Deus como um pecador culpado, cuja vida é perdida e a quem a mão da misericórdia é estendida; e, consequentemente, ele não sentiu isso ao oferecer, nem lhe deu expressão na natureza de sua oferta. No entanto, o Senhor não o rejeita imediatamente, mas com paciência há muito tempo direciona sua atenção para isso, para que possa ser alterado. E ao fazer tal emenda, ele mantém para ele a esperança clara e certa de aceitação ainda. Mas ele faz mais do que isso. Como Caim parece ter uma disposição particularmente difícil e desatenta, ele completa sua exposição e aprofunda sua terrível solenidade, afirmando a outra alternativa:

 

E se você não estiver bem, à porta está o pecado mentindo. -O passado do pecado, em sua culpa não correspondida e não reconhecida; pecado presente, em sua paixão e desespero sombrios e obstinados; mas, acima de tudo, o futuro do pecado, como o hábito crescente de uma alma que persiste em um mau temperamento e, portanto, deve acrescentar iniqüidade à iniqüidade, está esperando por você na porta, como um escravo agachado às ordens de seu mestre. À medida que uma mentira empresta um trem sem fim de outras pessoas para manter uma aparência vã de consistência, um pecado, se não se arrepende e se abandona, envolve a terrível necessidade de mergulhar cada vez mais fundo no abismo da depravação e retribuição. Esse pavoroso aviso a Caim, expresso nos termos mais brandos e claros, é uma lição permanente escrita para o aprendizado de toda a humanidade. Quem está errado retraia-se imediatamente e volte a Deus com humilde reconhecimento de sua própria culpa. e submissão sem reservas à misericórdia de seu Criador; pois para quem persevera no pecado não pode haver esperança ou ajuda. Outra frase é adicionada para dar intensidade ao aviso.

 

E para ti será o seu desejo, e tu dominarás sobre ele. - Esta frase tem toda a concreção e familiaridade de um provérbio. Já foi empregado antes, para descrever parte da tribulação que a mulher provocou por desobediência, a saber, a sujeição forçada de sua vontade à de seu marido, no estado decaído da humanidade Gênesis 3:16Gênesis 3:16. É, portanto, expressivo da condição de um escravo sob a escravidão dura e o capricho arbitrário de um mestre e um tirano. Caim é evidentemente o mestre. A questão é: quem é o escravo? A quem os pronomes "dele" e "ele" se referem? Manifestamente, seja para pecar ou para Habel. Se pecar, então o significado da sentença é: o desejo, toda a submissão e serviço do pecado será entregue a você, e você de fato se tornará o dono dela. Teu caso não será mais uma ignorância negligente e conseqüente abandono do dever, mas uma dominação deliberada de tudo o que advém do pecado, e uma inevitável passagem de pecado em pecado, de pecado interno para exterior ou, em termos específicos, de ira ao assassinato, e do desapontamento ao desafio, e assim da injustiça à impiedade. Esta é uma imagem terrível de seu fim fatal, se ele não recuar instantaneamente. Mas é necessário lidar claramente com esse espírito obstinado e vingativo, se por qualquer meio ele puder ser trazido à mente certa.

 

Se os pronomes forem referidos a Habel, o significado chegará à mesma coisa. O desejo, o cumprimento forçado de teu irmão será entregue a ti, e tu dominarás sobre ele com rigor e violência que terminarão em seu assassinato. Ao violar a imagem de Deus derramando o sangue de teu irmão, você estará desafiando o seu Criador e correndo ferozmente para a sua própria perdição. Assim, em ambos os casos, a desgraça sombria do pecado despercebida e não remetida paira assustadoramente à distância.

 

A referência geral ao pecado, no entanto, parece ser a forma mais suave e mais suave de exposição. A referência especial a Habel pode exasperar. Além disso, parece exagero, pois não há alusão a seu irmão na parte anterior do endereço. A ousadia da figura pela qual Caim é representado como se tornando mestre do pecado, quando ele com mão imprudente agarra tudo o que vem pelo pecado, não é familiar às Escrituras. Assim, o que pratica a iniquidade é descrito como o mestre em Eclesiastes 8: 8Eclesiastes 8: 8 . Por esses motivos, preferimos a referência ao pecado e a interpretação fundamentada nele.

 

Existem duas outras exposições dessa frase difícil que merecem ser notadas. Primeiro. “E quanto a teu irmão, a ti será o seu desejo, e tu dominarás sobre ele com todo o direito do primogênito.” Mas (1) a referência a seu irmão é remota; (2) os direitos de primogenitura talvez ainda não estejam estabelecidos; (3) as palavras não expressam um direito, mas um exercício de poder contra o direito que surge em um estado decaído Gênesis 3:16 Gênesis 3:16; (4) o juiz de toda a terra não está acostumado a garantir as prerrogativas de nascimento a quem está em rebelião positiva contra ele, mas, por outro lado, ele os retira dos indignos para conferi-los a quem quiser. Por essas razões, concebemos que essa exposição deve ser rejeitada. Segundo. “E a ti será o desejo do pecado; mas tu o vencerás. ”Mas (1) aqui o negligenciamento do paralelismo entre os dois membros da frase; (2) um significado diferente é atribuído às palavras aqui e em Gênesis 3:16Gênesis 3:16 ,, (3) a conexão entre a sentença assim explicada e o que antecede não é clara; (4) a lição ensinada não é óbvia; e (5) a garantia dada não for cumprida. Por esses motivos, não podemos adotar essa explicação.

 

O discurso acima do Senhor a Caim, expresso aqui, talvez apenas em sua substância, está repleto dos motivos mais poderosos que podem ter na mente do homem. É uma aceitação do malfeitor, se ele vier com o coração partido e a correspondente expressão de arrependimento diante de Deus, na plena fé de que ele pode e garantirá os fins da justiça, para que tenha misericórdia do penitente. . Ao mesmo tempo, destaca, com toda a clareza e fidelidade a uma alma ainda não praticada nas profundezas da iniqüidade, a natureza insidiosa do pecado, a propensão de um coração egoísta a pecar com mão alta, a tendência de um temperamento pecaminoso, se persistir, engendrar um hábito crescente de crime agravado que termina na destruição eterna da alma. Nada mais do que isso pode ser feito por argumento ou razão para o aviso de um malfeitor.

 

Gênesis 4: 8Gênesis 4: 8

 

E Caim conversou com Abel, seu irmão. -Caim não agiu segundo o conselho divino. Ele não alterou sua oferta a Deus, nem no ponto de sentimento interno nem na forma externa. Embora alguém lhe fale do céu, ele não ouvirá. Ele conversou com Habel, seu irmão. O tópico não está indicado. A Septuaginta fornece as palavras: "Vamos para o campo". Se, caminhando lado a lado com seu irmão, ele tocou na comunicação divina, a conferência não resultou em melhores resultados. Se a exposição divina falhou, muito mais o humano. Talvez isso apenas aumentasse sua irritação. Quando eles estavam no campo e, portanto, fora de vista, ele se levantou contra seu irmão e o matou. A ação é feita e não pode ser recuperada. Os motivos para isso eram vários. O egoísmo, o orgulho ferido, o ciúme e a consciência culpada estavam todos em ação 1 João 3:121 João 3:12. Aqui, então, o pecado segue o pecado, provando a verdade da advertência dada na misericordiosa tolerância de Deus.

 

Gênesis 4: 9Gênesis 4: 9

 

Onde está Habel, teu irmão? -O interrogatório aqui nos lembra a pergunta feita ao oculto Adão: “Onde estás?” Está calculado para atingir a consciência. A resposta é diferente da de Adam. O pecado agora passou de uma entrega precipitada e incauta ao tentador, para uma desobediência reiterada e deliberada. Tal pecador deve ter um terreno diferente. Caim, portanto, tenta desviar a questão, aparentemente na vã suposição de que nenhum olho, nem mesmo o que tudo vê, estava presente para testemunhar a ação. "Eu não sei." Na loucura de sua confusão, ele vai mais longe. Ele contesta o direito do Todo-Poderoso de fazer a demanda. “Eu sou o guardião do meu irmão?” Há, como sempre, um átomo de verdade misturado com a incrível falsidade dessa resposta grosseira. Nenhum homem é o guardião absoluto de seu irmão, de modo a ser responsável por sua segurança quando ele não está presente. É isso que Caim pretende insinuar. Mas todo homem é o guardião de seu irmão até agora, que não é ele mesmo quem impõe a mão da violência, nem que outro o faça se puder impedi-la. Esse tipo de manutenção do Todo-Poderoso tem o direito de exigir de cada um - a primeira parte dela com base na mera justiça, a segunda com a do amor. Mas a resposta de Caim revela um recurso desesperado à falsidade, um total afastamento dos sentimentos, um apagamento do amor fraterno, uma predominância do egoísmo que congela o afeto e acende o ódio. Este é o caminho de Caim Esse tipo de manutenção do Todo-Poderoso tem o direito de exigir de cada um - a primeira parte dela com base na mera justiça, a segunda com a do amor. Mas a resposta de Caim revela um recurso desesperado à falsidade, um total afastamento dos sentimentos, um apagamento do amor fraterno, uma predominância do egoísmo que congela o afeto e acende o ódio. Este é o caminho de Caim Esse tipo de manutenção do Todo-Poderoso tem o direito de exigir de cada um - a primeira parte dela com base na mera justiça, a segunda com a do amor. Mas a resposta de Caim revela um recurso desesperado à falsidade, um total afastamento dos sentimentos, um apagamento do amor fraterno, uma predominância do egoísmo que congela o afeto e acende o ódio. Este é o caminho de CaimJudas 1:11Judas 1:11 .

 

Gênesis 4:10Gênesis 4:10

 

O que você fez? - O Senhor agora o acusa de sua culpa: “A voz do sangue de teu irmão me clama da terra.” Na providência de Deus, o sangue tem uma voz clamando a ele, à qual ele não pode deixar de prestar atenção. É inútil, então, tentar ocultar.

 

Gênesis 4: 11-12Gênesis 4: 11-12

 

A maldição ( Gênesis 9:25Gênesis 9:25 , nota) que agora caía sobre Caim era, em certo sentido, retributiva, pois brotava do solo que havia recebido o sangue de seu irmão. Os detalhes disso são a retirada de toda a força ou fecundidade do solo, e a degradação do estado de um morador estabelecido na presença de Deus para o de um vagabundo na terra. Ele deveria ser banido para uma parte menos produtiva da terra, removido da presença de Deus e da sociedade de seu pai e mãe e abandonado a uma vida de peregrinação e incerteza. A sentença de morte já havia sido pronunciada sobre o homem.

 

Gênesis 4: 13-14Gênesis 4: 13-14

 

Minha iniqüidade é mais do que posso suportar. -Ter iniqüidade é, na frase hebraica, sofrer o castigo. E a perspectiva disso, como se apresenta aos olhos de Caim, é tão assustadora que ele se retrai como intolerável. Ser expulso da face do solo, habitado pelos outros membros sobreviventes da família humana, para uma região desconhecida e, portanto, terrível; ocultar-se da face de Deus, que se manifestou ainda à raça de Adão em sua morada atual; ser um vagabundo e um fugitivo na terra, longe da terra de seu nascimento; e ser susceptível de ser morto em vingança por qualquer um que o encontre - esse é o destino difícil que ele vê diante dele. Já é bastante escuro e, sem dúvida, ainda mais sombrio no exagero que uma consciência acusadora evoca à sua imaginação. A frase "todo mundo me encontrando, ”Implica que a família de Adão se tornara numerosa. Não apenas filhos e filhas, mas seus filhos e netos podem ter crescido quando Caim foi enviado para o exílio. Mas, em seu terror atual, até uma fantasia excitada sugeria um inimigo a todo momento.

 

Gênesis 4:15Gênesis 4:15

 

A resposta do Senhor é adequada para sufocar o peito perturbado de Caim. “Portanto.” Porque teus medos do que tu mereces vão além do que é meu propósito permitir, eu te dou garantia de liberdade da violência pessoal. "Ser vingado sete vezes" é ser vingado completamente. Caim, sem dúvida, receberá justiça imparcial do Todo-Poderoso. A garantia dada a Caim é um sinal, cuja natureza não é mais especificada.

 

Essa passagem nos revela um modo de lidar com o primeiro assassino que, à primeira vista, é um pouco difícil de entender. Mas devemos ter em mente que a sentença de morte já havia sido pronunciada sobre o homem e, portanto, pairava sobre Adão e toda sua posteridade, Caim entre os demais. Portanto, pronunciar a mesma sentença sobre um novo crime teria sido fraco e sem sentido. Além disso, o grande crime dos crimes foi a desobediência à vontade divina; e qualquer forma particular de crime adicionada a isso era comparativamente sem importância. O mal cometido a uma criatura, mesmo do corante mais profundo, não deve ser comparado em ponto de culpa com o mal praticado ao Criador. O elemento grave na criminalidade de todo erro social é seu desrespeito prático à autoridade do Altíssimo. Além disso, todo outro pecado até o fim dos tempos é apenas o desenvolvimento desse primeiro ato de desobediência ao mandato do céu pelo qual o homem caiu; e, portanto, toda pena é resumida naquela morte, que é a conseqüência judicial do primeiro ato de rebelião contra o céu.

 

Também devemos ter em mente que Deus ainda segurava a espada da justiça em suas próprias mãos imediatas e não havia delegado sua autoridade a nenhum tribunal humano. Portanto, ninguém estava vestido com nenhum direito do céu para chamar Caim para prestar contas do crime que cometera. Cair sobre ele com a mão alta em um ato voluntário de vingança particular, seria tomar a lei nas próprias mãos e, portanto, uma contravenção contra a majestade do céu, que o Juiz de todos não podia deixar passar impune. É claro que ninguém tem o direito inerente de infligir a sanção de uma lei violada ao transgressor. Esse direito pertence originalmente ao Criador e, derivativamente, apenas àqueles a quem ele confiou a dispensação do governo civil de acordo com as leis estabelecidas.

 

As ofensas de Caim foram grandes e agravadas. Mas não os exageremos. Antes de tudo, ele era defeituoso no caráter de sua fé e na forma de seu sacrifício. Sua mente carnal se manifestou ainda mais na ira e na irritação que sentiu quando sua oferta defeituosa não foi aceita. Embora o Todo-Poderoso condescenda agora em suplicar a ele e avisá-lo contra a persistência em silêncio impenitente e descontentamento, para que ele não se envolva mais profundamente no pecado, não recua, mas, pelo contrário, prossegue matando seu irmão, ataque de ciúmes; e, por fim, nega de maneira grosseira e falsa todo seu conhecimento e toda obrigação de ser seu protetor. Não obstante tudo isso, ainda é preciso lembrar que a sentença de morte do céu já pairava sobre ele. Isso estava na ordem misericordiosa das coisas, relativamente lenta de execução em toda sua extensão, mas ao mesmo tempo absolutamente certa no final. O agravamento do primeiro crime do homem pelos pecados de obstinação, inveja, inveja, fratricídio e falsidade desafiadora, foi apenas o fruto natural desse começo de desobediência. É, portanto, visitado por sinais adicionais do desagrado divino, que se manifestam nesta vida, e são misericordiosamente calculados para avisar Caim ainda mais a se arrepender.

 

A culpa de Caim parece agora ter sido trazida de volta para sua consciência. e ele não apenas fica horrorizado com a sentença de banimento da presença divina, mas instintivamente treme, para que, sob o princípio da justiça retributiva, quem quer que o encontre possa feri-lo até a morte, como ele havia feito com seu irmão. A longanimidade de Deus, no entanto, interfere para evitar uma catástrofe desse tipo e até toma medidas para aliviar o culpado trêmulo da apreensão de uma morte violenta. Isso nos leva a entender que Deus, tendo formado um propósito de misericórdia para com a família humana, estava sedudamente empenhado em exercitá-lo mesmo em relação ao assassino de um irmão. Portanto, ele não pune seus crimes repetidos por “morte imediata”, o que teria derrotado seu objetivo de lhe dar um longo dia de graça e oportunidade de refletir, se arrepender, retornar a Deus, e ainda assim oferece com fé uma expiação típica do sangue por seu pecado. Assim, a proibição de matá-lo é sancionada em sete vezes, ou seja, uma vingança ampla e completa e um sinal de proteção misericordiosamente concedido a ele. Todo o trato do Todo-Poderoso foi calculado para ter um efeito suavizador, despertador da consciência e inspirador de esperança no coração do assassino.

 

Gênesis 4:16Gênesis 4:16

 

A presença do Senhor - parece ter estado na entrada do jardim onde os querubins estavam estacionados. Lá, provavelmente, os filhos dos homens ainda permaneciam na fé e na esperança diante do Senhor, a quem ainda consideravam seu Criador e Salvador misericordioso. Eles reconheceram sua bondade imerecida na forma de sacrifício. A retirada de Caim da cena da afeição dos pais, das associações domésticas e da manifestação divina deve ter sido acompanhada de muitas e profundas dores de remorso e remorso. Mas ele transgrediu profunda e repetidamente, e deve suportar a consequência. Tal é pecado. Muitos atos semelhantes de crueldade e derramamento de sangue podem ter sido registrados pelo escritor sagrado na história posterior do homem. Mas é o modo das Escrituras notar o primeiro exemplo e depois passar em silêncio suas repetições subsequentes,

 

Versículos 17-24

XIX. A linha de Caim

 

  1. חניך chenôk Chanok, “iniciação, instrução”.

 

  1. adירד ‛ı̂yrād ‹ Irad, “frota como jumento selvagem, cidadão”. מחוּיאל mechûya'el Mechujael, “ferido de El, ou vida de El”. מתוּשׁאל metûshā'ēl Methushael, “homem de El, ou perguntou o homem. ” למך lāmek Lemek,“ homem de oração, juventude. ”

 

  1. עדה 'Ada <Ada, ‘beleza’. צלה tsılâh Tsillah, ‘sombra ou que retine.’

 

  1. יבל yābāl Jabal, “córrego, líder de gado, produz, andador ou viajante”. אהל 'ohel plural: אהלים ' ohālı̂ym para אהלים 'ăhālı̂ym “tenda, toldo, cobertura” de pêlos de cabras sobre os postes ou madeiras que constituiu o estande original ”, סכה sŭkâh יוּבל yûbāl Jubal,“ tocador de instrumento ”?

 

  1. תוּבל־קין tûbal - qayı̂n Tubal-qain, “ferreiro de bronze?” O descendente ou filho da lança. ‛ה na‛ămâh Na'amah, “agradável, amável”.

 

A humanidade agora está formalmente dividida em dois ramos - aqueles que ainda permanecem na presença de Deus e aqueles que fugiram para longe dele. Em breve nomes distintos serão dados a eles de acordo com sua profissão e prática externa Gênesis 6: 1Gênesis 6: 1 . A terrível distinção de acordo com o estado interior dos sentimentos já foi dada nos termos, a semente da mulher e a semente da serpente.

 

Gênesis 4:17Gênesis 4:17

 

Caim não é desacompanhado em seu banimento. Uma esposa, pelo menos, é a parceira de seu exílio. E logo um filho nasce para ele. Ele estava construindo uma cidade na época deste nascimento. A cidade é uma fortaleza ou forte, cercada por um muro para a defesa de todos os que nela habitam. O edifício da cidade é a construção deste muro ou barricada. Aqui encontramos o motivo do medo e da autodefesa ainda governando Caim. Sua mão foi impressa no sangue de um irmão, e ele espera que a mão de todo homem esteja contra ele.

 

Ele chama seu filho Henok (Enoque) e sua cidade após o nome de seu filho. A mesma palavra é empregada como um nome nas linhas de Seth Gênesis 5:18 Gênesis 5:18 , de Midian Gênesis 25: 4 Gênesis 25: 4 e de Rúben Gênesis 46: 9Gênesis 46: 9. Significa dedicação ou iniciação e, no presente caso, parece indicar um novo começo de existência social, ou uma consciência de iniciativa ou poder inventivo, cuja necessidade e autoconfiança suscitaram particularmente em si e em sua família. Parece, pelos rebanhos mantidos por Habel, o medo de pessoas encontrando e matando o assassino, o casamento e a família de Caim e o início de uma cidade, que um tempo considerável havia passado desde o outono. A esposa de Caim era necessariamente sua irmã, embora isso fosse proibido depois de tempos, por razões sábias e santas, quando a necessidade não existia mais.

 

Gênesis 4:18Gênesis 4:18

 

Os nomes neste versículo parecem indicar, respectivamente, frota como um jumento selvagem, atingido por Deus, homem de oração e juventude. Eles indicam uma mistura de pensamentos e motivos na mente dos homens, na qual a palavra אל 'el “poderoso” como nome de Deus ocorre. Este nome é um substantivo comum, significando herói ou potentado, e também poder ou poder, e é transferido para Deus como "o Potentado" ou "Todo-Poderoso". É distinto de אלהים 'ĕlohı̂ym "Deus", uma vez que são colocados em aposição Josué 22:22Josué 22:22; e parece ser propriamente um epíteto aplicado a Deus por meio de preeminência. A denominação, "atingida pelos poderosos", é um reconhecimento do poder divino. "O homem de oração", ou "pedir", também pode ter referência a um ato de adoração. Entre esses pensamentos mais elevados, também encontramos um valor colocado sobre a juventude e a superioridade física, como a rapidez do asno selvagem. É tudo o que podemos aprender com esses nomes imperfeitamente entendidos.

 

Gênesis 4:19Gênesis 4:19

 

Este é o primeiro registro e provavelmente a primeira instância de poligamia. Os nomes das duas esposas, Adah, "beleza", e Zillah, "sombra ou brilho", parecem se referir aos encantos que atraíram Lamek. A superabundância de riqueza e poder talvez levou Lamek a multiplicar esposas.

 

Gênesis 4:20Gênesis 4:20 é o primeiro aviso da tenda e do gado. A tenda era a fina tela de pêlo de cabra, brilhante e sombreada, colocada sobre os postes ou madeiras que constituíam o estande original. Com o tempo, suplantaria os galhos e a folhagem do estande como uma cobertura do sol ou do vento. O gado é designado por uma palavra que denota propriedade, como sendo bens pessoais e consistindo principalmente de ovelhas e bois. A ideia de propriedade já havia sido praticamente concretizada. Os Cainitas eram agora prósperos e numerosos, e, portanto, liberados daquele medo suspeito que originou a fortaleza fortificada de seu progenitor. Os filhos de Jabal percorrem o comum com suas tendas e gado, sem distrair com terrores imaginários.

 

Gênesis 4:21Gênesis 4:21

 

Aqui está a invenção de instrumentos musicais em suas duas principais variedades, a harpa e o cachimbo. Isso implica o gosto anterior por música e música. Não parece improvável que Zillah, mãe de Jubal, fosse filha de uma canção. As artes plásticas seguem o trem do útil. Tudo isso indica as circunstâncias fáceis em que os cainitas agora se encontravam.

 

Gênesis 4:22Gênesis 4:22

 

Os três nomes Jabal, Jubal, Tubal são formados a partir significante raiz para “fluir, correr, ir adiante,” talvez “golpe”, de onde vem יובל Yobela "explosão" ou nota de trombeta de alegria e libertação. Consequentemente, todos os tipos de atividades adequadas à vida de um nômade parecem ter distinguido essa família. A adição de Caim ao nome de Tubal pode ter sido um memorial de seu ancestral, ou uma indicação de sua busca. Tubal da lança ou lança pode ter sido sua designação familiar. A fabricação de tendas implica alguma habilidade em carpintaria, e também em fiação e tecelagem. O trabalho em latão e ferro fornece instrumentos para guerra, caça ou criação. A construção de instrumentos musicais mostra um refinamento considerável na escultura e na moldagem de madeira. Naamah, a adorável, parece ser mencionada por conta de seus encantos pessoais.

 

Gênesis 4: 23-24Gênesis 4: 23-24

 

Nesse fragmento de música antiga, temos Lamek, sob a forte excitação de ter matado um homem em legítima defesa, recitando às mulheres o ato e, ao mesmo tempo, confortando-os e a si mesmo com a certeza de que, se Caim, o assassino, ser avenegado sete vezes, ele o homicida em autodefesa seria vingado setenta e sete vezes. Esta ode curta tem todas as características da poesia hebraica mais perfeita. Cada par de linhas é uma amostra do paralelismo hebraico ou ritmo de sentimentos e estilos. Todos eles pertencem ao paralelo sintético, sinônimo ou cognato, o segundo membro reiterando com ênfase o primeiro. Aqui observamos que Lamek era um poeta; uma de suas esposas provavelmente era uma cantora e a outra gostava de ornamentos. Uma filha era a adorável, e três filhos foram os inventores da maioria das artes que sustentam e embelezam a vida. Isso completa o quadro dessa família notável.

 

Foi observado que os poderes inventivos foram mais amplamente desenvolvidos na linha de Caim do que na de Sheth. E foi sugerido que o caráter mundano dos cainitas é responsável por isso. Os sheteus contemplaram as coisas mais elevadas de Deus e, portanto, prestaram menos atenção às artes práticas da vida. Os cainitas, por outro lado, não tinham Deus em seus pensamentos e, portanto, davam mais atenção aos requisitos e confortos da vida atual.

 

Além disso, os cainitas, penetrando nos setores desconhecidos desse vasto comum, foram compelidos pelas circunstâncias a direcionar seus pensamentos para a invenção das artes pelas quais as dificuldades de sua condição poderiam ser reduzidas. E assim que venceram as principais dificuldades de sua nova situação, os hábitos da indústria e da atividade mental que adquiriram se voltaram para os enfeites da vida.

 

Contudo, não temos motivos para concluir que os descendentes de Caim eram ainda total e exclusivamente ímpios, por um lado, ou por outro lado que os descendentes de Sheth eram totalmente destituídos de gênio inventivo ou desatentos ao seu cultivo. Com exceção do ataque que parecia ter provocado o ato homicida de Lamek e a bigamia do próprio Lamek, não encontramos muito o que condenar na conduta registrada da raça de Caim; e nos nomes de alguns deles descobrimos a lembrança e o reconhecimento de Deus. Habel tinha um criador de gado diante de Jabal. Os Cainitas também eram uma raça mais antiga que os Sheteus. E quando Noé foi contratado para construir a arca, não temos motivos para duvidar que ele tenha sido qualificado em alguma medida pela habilidade natural e treinamento prévio para essa tarefa.

 

A linhagem de Caim não é mais do que a sétima geração de Adão. Não podemos dizer se havia mais nessa linha antes do dilúvio. O objetivo de rastreá-lo até agora é apontar a origem das artes da vida e os primeiros casos de bigamia e homicídio em legítima defesa.

 

Verso 25-26

  1. Sheth

 

  1. שׁת shēt Sheth, “colocado, colocado”.

 

  1. אנישׁ 'enôsh Enosh , “homem doente.” בשׁם קרא qero' beshēm significa, primeiro, chamar um objeto pelo nome Isaías 40:26 Isaías 40:26 ; Isaías 43: 1 Isaías 43: 1 ; Isaías 45: 3-4 Isaías 45: 3-4 ; segundo, chamar um objeto pelo nome de outro, que é o pai, líder, marido, proprietário Números 32:42 Números 32:42 ; Juízes 18:29 Juízes 18:29 ; Salmo 49:12 Salmo 49:12 ; Isaías 43: 7 Isaías 43: 7 ; Isaías 44: 5 Isaías 44: 5 ; Isaías 48: 1 Isaías 48: 1 ; Isaías 65: 1 Isaías 65: 1 ; terceiro, proclamar o nome de Êxodo 33:19 Êxodo 33:19 ; Êxodo 35: 5 -6Êxodo 35: 5-6; quarto, invocar o nome de Deus, dirigir-se a ele pelo seu nome próprio com uma voz audível na forma de oração. Este é o significado mais comum da frase. Nesse sentido, é seguido por Javé como o nome próprio do verdadeiro Deus entre os hebreus. Não se deve esquecer que os nomes ainda eram significativos nesse período inicial.

 

Esta passagem completa o relato da família de Adão. A partir de então, geralmente nos encontramos com duas linhas paralelas de narrativa, pois a família humana é dividida em dois grandes ramos, com interesses e tendências opostas. A linha principal refere-se aos remanescentes da raça que estão em termos de reconciliação aberta com Deus; enquanto uma linha colateral observa, na medida do necessário, o estado daqueles que se afastaram do conhecimento e amor do Deus verdadeiro.

 

Gênesis 4:25Gênesis 4:25

 

A narrativa aqui reverte para um ponto subsequente à morte de Habel, quando outro filho nasce de Adão, a quem sua mãe Eva considera um substituto de Habel, e nomeia Sheth em alusão a essa circunstância. Ela está mais triste e humilde do que quando deu o nome de primogênito e, portanto, não emprega o nome pessoal do Senhor. No entanto, seu coração não está tão abatido como quando chamou seu segundo filho de fôlego. Sua fé em Deus é calma e pensativa, e, portanto, ela usa o termo mais distante e geral אלהים 'ĕlohı̂ym Deus.

 

No entanto, há um significado especial na forma de expressão que ela emprega. "Para Deus" me deu outra semente em vez de Habel. Ele deve ser em vez de Habel, e temente a Deus como Habel. Muito acima dessa consideração, Deus o deu. Este filho é de Deus. Ela o considera filho de Deus. Ela recebe esse presente de Deus e, na fé, espera que ele seja a semente de Deus, o pai de uma raça divina. Sua fé não estava decepcionada. Seus descendentes ganham o nome dos filhos de Deus. Como os ímpios são chamados a semente da serpente, porque são do seu espírito, os piedosos são designados a semente de Deus, porque são do Espírito de Deus. O Espírito de Deus luta e governa neles, e assim eles são, na linguagem gráfica das Escrituras, os filhos de Deus Gênesis 6: 1Gênesis 6: 1 .

 

Gênesis 4:26Gênesis 4:26

 

Nasce também um filho de Sheth, a quem chama Enos. Nesse nome, provavelmente existe uma alusão ao significado de doença e dependência que pertence à raiz. Essas qualidades foram agora consideradas características do homem em seu estado atual.

 

A sentença final indica um evento notável, que ocorreu no nascimento de Enós, cerca de duzentos e quarenta anos após a criação de Adão. “Então começou a invocar o nome do Senhor.” A invocação solene de Deus por seu nome próprio em oração e louvor audíveis e sociais é o significado mais usual da frase agora diante de nós e deve ser adotada a menos que exista. seja algo no contexto ou nas circunstâncias exigindo outro significado. Isso envolve também o primeiro dos significados dados acima, como chamamos Deus por seu nome na adoração oral. Inclui o terceiro em uma de suas formas, pois, em louvor, proclamamos o nome de nosso Deus. E isso leva ao segundo, como aqueles que invocam o nome do Senhor são chamados de filhos de Deus.

 

Alguma mudança está aqui sugerida no modo de se aproximar de Deus na adoração. A essência da frase, no entanto, não se encontra no nome "Javé". Pois esse termo não era novo em si, pois foi usado por Eva no nascimento de Caim; nem era novo nesse aspecto, como a frase agora aparece pela primeira vez, e Yahweh é o termo comum empregado nela para designar o verdadeiro Deus. Como nome próprio, Javé é a palavra adequada e habitual para entrar em uma invocação solene. É, como vimos, altamente significativo. Fala do Auto-existente, o Autor de todas as coisas existentes, e em particular do homem; o auto-manifesto, que se mostrou misericordioso e gracioso com o penitente que voltava, e com ele mantém promessa e convênio. Portanto, é costume em si invocar o nome de Yahweh, dirigir-se a Deus por seu nome próprio,

 

À primeira vista, com nossos hábitos e associações, parece uma coisa muito estranha que invocar o nome do Senhor só comece duzentos e quarenta anos após a criação do homem. Mas vamos nos esforçar para nos desfazer dessas limitações e aumentar a simplicidade primitiva dos pensamentos do homem em relação a Deus. Lemos sobre Deus falando ao homem no paraíso, mas não sobre o homem falando com Deus. No exame que precedeu a sentença proferida aos transgressores, ouvimos Adão e Eva respondendo às perguntas de Deus, mas não nos aventurando a iniciar uma conversa com o Altíssimo. Se o sentimento de reverência e reverência solene não permitisse tal liberdade antes da queda, muito mais o sentimento de culpa acrescentado após esse evento impediria o homem de fazer quaisquer avanços em direção ao Ser infinitamente santo a quem ele tanto ofendera. O exame de reprovação, a sentença judicial e a necessária execução dessa sentença em sua forma preliminar foram tão proeminentes e impressionantes que lançaram em segundo plano quaisquer sugestões da misericórdia divina com a qual foram acompanhadas. Estes últimos, no entanto, não foram despercebidos ou sem efeito salutar no par primitivo. Adão creu nas indicações de misericórdia, seja em palavras ou ações, que Deus lhe deu. A fé era imediata e natural naquele estágio inicial de proximidade comparativa com Deus, com sua presença manifesta e suas maravilhas conspícuas de poder criativo. Era também uma tendência nativa do seio humano, e seria tão quieto se não nos tornássemos tão sofisticados pela educação que a dúvida se tornou a atitude de destaque de nossas mentes. Essa fé do primeiro par levou à confissão; não diretamente, no entanto, a Deus, mas indiretamente, nos nomes que Adão deu à esposa e Eva, seu filho primogênito. Aqui a fé humilde, distante e autocondensadora soliloquiza, ou, no máximo, o par penitente conversa com humilde esperança sobre a misericórdia do Altíssimo.

 

A oferta de uma oferta a Deus foi um passo à frente dessa fé penitente, humilde, submissa e auto-acusadora. Era a contraparte exata e a representação por um símbolo bem planejado da natureza da fé do ofertante. Foi, portanto, uma confissão de fé e certos sentimentos que o acompanham em relação a Deus por um ato simbólico. Era bastante natural que esse sinal mudo preceda o endereço real. As conseqüências, no entanto, da abordagem de Caim e Habel foram calculadas para aprofundar novamente o sentimento de pavor e atingir o espectador mudo na presença do Alto e Santo. Ainda assim seria nesse estado infantil do homem, quando um pensamento tomaria posse total da alma, até que outro fosse clara e diretamente levado à atenção. Nesse estado simples e não sofisticado do penitente, podemos concebê-lo a resignar-se passivamente à vontade misericordiosa daquele Criador a quem ele ofendeu gravemente, sem se aventurar a respirar um desejo ou mesmo a levantar uma nota de agradecimento. Tal silenciosa aquiescência na vontade divina por duzentos e quarenta anos serviu bem aos humildes penitentes daquela era infantil, permanecendo em reverência solene sob um senso de seu próprio demérito e da infinita santidade da Majestade nas alturas. Havia até mesmo um sentimento e poder eloqüentes nessa reverência tácita, adequada para mover o coração do Espírito onisciente por mais de dez mil vozes menos profundamente penetradas pelo sentimento da culpa do pecado e pela beleza da santidade. Tal silenciosa aquiescência na vontade divina por duzentos e quarenta anos serviu bem aos humildes penitentes daquela era infantil, permanecendo em reverência solene sob um senso de seu próprio demérito e da infinita santidade da Majestade nas alturas. Havia até mesmo um sentimento e poder eloqüentes nessa reverência tácita, adequada para mover o coração do Espírito onisciente por mais de dez mil vozes menos profundamente penetradas pelo sentimento da culpa do pecado e pela beleza da santidade. Tal silenciosa aquiescência na vontade divina por duzentos e quarenta anos serviu bem aos humildes penitentes daquela era infantil, permanecendo em reverência solene sob um senso de seu próprio demérito e da infinita santidade da Majestade nas alturas. Havia até mesmo um sentimento e poder eloqüentes nessa reverência tácita, adequada para mover o coração do Espírito onisciente por mais de dez mil vozes menos profundamente penetradas pelo sentimento da culpa do pecado e pela beleza da santidade.

 

Finalmente, Sheth foi dado a Eva, e aceito por ela como um substituto para Habel. Enos, o filho da tristeza, nasceu para ele. A garantia dessa linha de descendência, e de todas as ansiedades e desejos envolvidos, foi o crescimento de uma classe de homens que eram do espírito de Caim, e se afastaram cada vez mais de Deus. Nessas circunstâncias, de crescente iniqüidade, por um lado, e crescente fé, por outro, a razão crente passa a conceber a importação total da misericórdia de Deus, aceita livre e plenamente o perdão e realiza a paz e o privilégio que ela confere. O homem em crescimento agora compreende tudo o que está implícito no nome próprio de Deus, יהוה yehovâh“Jeová”, o autor de ser, de promessa e de desempenho. Ele encontra uma língua e se aventura a expressar os desejos e sentimentos que há muito se prendem em seu peito, e agora estão cheios de palavras. Essas petições e confissões são feitas agora com uma voz audível e com uma santa urgência e coragem elevando-se acima do sentimento deprimente de auto-humilhação à confiança da paz e da gratidão. Essas adorações também são apresentadas em uma capacidade social e, assim, adquirem uma notoriedade pública. O pai, o mais velho da casa, é o mestre das palavras, e ele se torna o porta-voz da irmandade nesse novo relacionamento em que entraram espontaneamente com o Pai no céu. O espírito de adoção levou os termos confidenciais e carinhosos, "Abba, Pai", e agora as palavras aladas ascendem ao céu, transmitindo as adorações e aspirações dos santos reunidos. A nova forma de adoração atrai a atenção do mundo primitivo, e o registro é feito: "Então começaram a invocar o nome do Senhor", que guarda convênio e misericórdia.

 

Aqui percebemos que a raça sagrada passou além de sua infância. Aprendeu a falar com Deus na linguagem da fé, da aceitação consciente, da liberdade, da esperança, do amor. Essa é uma conquista muito mais nobre do que a invenção de todas as artes da vida. É o retorno daquele pavor repulsivo com que o pecador consciente se retraiu da santidade sentida de Deus. É o desenho da misericórdia e do amor divinos que entram na alma penitente, pela qual ela chegou a si mesma, e tiveram coragem de retornar ao misericordioso Senhor e falar-lhe a linguagem da penitência, da confissão, da gratidão. Esses penitentes crentes, principalmente, devem ser supostos na linha de Sheth, da qual este parágrafo fala, começaram a ser distinguidos como seguidores do Senhor; considerando que outros ao mesmo tempo esqueceram o Senhor, e renunciou até a forma de reverência por ele. A semente da mulher agora se distinguia da semente da serpente. Os últimos estão em um sentido espiritual chamado "a semente da serpente", porque se apegam aos princípios do tentador; e o primeiro pode, no mesmo sentido, ser designado "a semente ou filhos de Deus", porque eles o seguem como o Deus da misericórdia e da verdade. Assim, o fato lamentável se intromete em nossa visão de que uma parte da família humana persistiu na apostasia primitiva e não está mais associada a seus companheiros em reconhecer seu Criador comum. e o primeiro pode, no mesmo sentido, ser designado "a semente ou filhos de Deus", porque eles o seguem como o Deus da misericórdia e da verdade. Assim, o fato lamentável se intromete em nossa visão de que uma parte da família humana persistiu na apostasia primitiva e não está mais associada a seus companheiros em reconhecer seu Criador comum. e o primeiro pode, no mesmo sentido, ser designado "a semente ou filhos de Deus", porque eles o seguem como o Deus da misericórdia e da verdade. Assim, o fato lamentável se intromete em nossa visão de que uma parte da família humana persistiu na apostasia primitiva e não está mais associada a seus companheiros em reconhecer seu Criador comum.

 

O progresso do mal moral no mundo antediluviano se manifestou em fratricídio, saindo da presença do Senhor, em violência pessoal e em poligamia. O primeiro é o caráter normal de todo assassinato; o segundo deu margem para o terceiro, a violência ousada e presunçosa dos fortes; e o quarto finalmente levou a uma corrupção quase total de maneiras. É curioso observar que a impiedade, na forma de desobediência e afastamento de Deus e, portanto, da violação prática do primeiro mandamento, e injustiça na forma de assassinato, o crime de paixão e violência magistrais, que é a transgressão da O primeiro mandamento a respeito do próximo é o ponto de partida do pecado no mundo. Ainda não parecem ter atingido a idolatria e o adultério.

 

Os capítulos anteriores, se escritos em substância por Adão, formaram a Bíblia primitiva da humanidade. Mas, escritos naquela época ou não, eles contêm os principais fatos que ocorreram no início da história do homem em relação ao seu Criador. Esses fatos eram bem conhecidos do mundo antediluviano e formaram a regra pela qual ele deveria ser guiado ao se aproximar de Deus, apresentando-lhe uma oferta aceitável, invocando seu nome e, assim, andando com ele em paz e amor. Aqui temos todos os germes necessários de um evangelho para a raça infantil. Se perguntarmos por que eles não foram eficazes, a resposta está à mão. Eles foram eficazes com alguns e, assim, provaram ser suficientes para recuperar o homem do pecado e justificar a misericórdia de Deus. Mas o Ser Onisciente, que fez do homem um agente moral, deve guardar completamente sua liberdade, mesmo nas relações de misericórdia. E na loucura e loucura de sua vontade própria, alguns se revoltam cada vez mais. A história foi escrita para o nosso aprendizado. Que suas lições sejam ponderadas. Que a experiência acumulada de peregrinações passadas registradas no Livro de Deus seja nossa advertência, voltando longamente com todo o coração ao Pai misericordioso.(NOTAS ALBERT BARNES) WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET