Translate this Page

Rating: 2.7/5 (307 votos)




ONLINE
3




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


SUBSIDIO N.7 QUEDA DO SER HUMANO
SUBSIDIO N.7 QUEDA DO SER HUMANO

SUBSIDIO N.7 ADULTOS A QUEDA DO SER HUMANO

MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR 

A TENTAÇÃO NO PARAÍSO

 

O Éden era um lugar perfeito. A partir daí, a humanidade poderia multiplicar-se e espalhar-se por todo o planeta, ampliando, em amoroso trabalho, o jardim que Deus plantara. Infelizmente, nossos pais caíram na tentação do Diabo.

  1. O agente ativo da tentação. A fim de induzir a raça humana ao pecado, Satanás instrumenta um animal astuto e sagaz, a serpente (Gn 3.1). E, por seu intermédio, dialoga com Eva levando-a à apostasia. Não podemos travar diálogos com o nosso Inimigo, independente do meio que ele usar para nos convencer, pois pecaremos contra Deus.
  2. O agente passivo da tentação. Adão era o guardião do Éden. Todavia, não soube como resguardar a esposa, que acabou sendo seduzida pelo Diabo. Iludida, Eva pecou: “E, vendo a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento, tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela” (Gn 3.6). Adão e Eva deixaram-se levar pela concupiscência da carne, pela concupiscência dos olhos e pela soberba da vida (1Jo 3.16). Adão e Eva pecaram de forma voluntária e cônscia. Biblicamente, são os responsáveis pela introdução do pecado no mundo (Rm 5.12).A raça humana está ligada a Deus mediante a fé na sua palavra como a verdade absoluta. Satanás, porque sabia disso, procurou destruir a fé que Eva tinha no que Deus dissera, causando dúvidas contra a palavra divina. Satanás insinuou que Deus não estava falando sério no que dissera ao casal. Noutras palavras, a primeira mentira proposta por Satanás foi uma forma de antinominianismo, negando o castigo da morte pelo pecado e apostasia. Um dos pecados capitais da humanidade é a falta de fé na Palavra de Deus. É admitir que, de certo modo, Deus não fala sério sobre o que Ele diz da salvação, da justiça, do pecado, do julgamento e da morte. A mentira mais persistente de Satanás é que o pecado proposital e a rebelião contra Deus, sem arrependimento, não causarão, em absoluto, a separação de Deus e a condenação eterna.

 

Satanás, desde o princípio da raça humana, tenta os seres humanos a crer que podem ser semelhantes a Deus, inclusive decidindo por conta própria o que é bom e o que é mau. Os seres humanos, na sua tentativa de serem ‘como Deus’, abandonam o Deus onipotente e daí surgem os falsos deuses. O ser humano procura, hoje, obter conhecimento moral e discernimento ético partindo de sua própria mente e desejos, e não da Palavra de Deus. Porém, só Deus tem o direito de determinar aquilo que é bom ou mau” (Bíblia de Estudo Pentecostal. RJ: CPAD, 1996, p.36).

. O JUÍZO DE DEUS

 

Satanás enganou, mentiu e prometeu o que nem ele mesmo possuía. O juízo de Deus, portanto, não tardaria a vir sobre a serpente, sobre a mulher e sobre o homem.

  1. Sobre a serpente. Devido à sua natureza, a serpente é um tipo perfeito de Satanás: esperta, sagaz e oportunista (Ef 6.11). Agora, ela seria obrigada a comer pó (Gn 3.14). Mesmo no Milênio, quando a natureza dos animais for restaurada, ela não será redimida de sua degradação (Is 65.25).

Em seguida, Deus decreta a inimizade entre a serpente e a mulher, como também a promessa da redenção: “E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gn 3.15). Apesar da Queda, Eva seria auxiliar de Deus. Veja suas declarações ao dar à luz Caim e Sete (Gn 4.1,25). Séculos mais tarde, Maria haveria de enaltecer o Eterno de Israel por ter sido escolhida como a mãe do Salvador do mundo (Lc 1.46-56).

  1. Sobre a mulher. A fim de punir a desobediência de Eva, o Senhor torna-lhe a maternidade estressante e mui dolorosa. Não bastasse, sujeita a mulher ao governo do homem: “Multiplicarei grandemente a tua dor e a tua conceição; com dor terás filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará” (Gn 3.16; Ef 5.22,23).

Apesar da Queda, não são poucas as filhas de Eva elogiadas por sua incomum virtude e cooperação no Reino de Deus (Pv 31.10-30; 2Jo 1-13). Sara, Débora, Ester, Maria e Priscila são apenas alguns desses belos exemplos.

  1. Sobre o homem. Deus denuncia Adão como o responsável pela Queda da humanidade. Conforme escreve o apóstolo Paulo, o pecado entrou no mundo não por uma mulher, nem pelo Diabo, mas por intermédio de um homem (Rm 5.12). Por isso, o juízo divino recai com mais dureza sobre o nosso primeiro genitor. E, por causa dele, a Terra faz-se maldita. Por causa de sua desobediência a Deus, os dias de Adão e de seus descendentes seriam mais trabalhosos. Seu sustento seria obtido com um trabalho mais árduo, e teria de conviver com adversidades, e com o fim de sua própria existência: “No suor do teu rosto, comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado, porquanto és pó e em pó te tornarás” (Gn 3.19). Adão viu, a duras penas, o preço de se desobedecer a Deus e à sua Palavra.

“Os pecados estão refletidos nas punições, as quais foram aplicadas em partes. A serpente foi amaldiçoada. A serpente posou como supremamente sábia, mas sua maneira de se locomover sempre seria símbolo de tal humilhação. A frase ‘sobre o teu ventre’ não significa que a serpente tinha originalmente pernas e a perdeu no momento em que a maldição foi imposta, mas que seu modo habitual de locomoção tipificava seu castigo. A frase ‘pó comerás’ é idiomaticamente equivalente a ‘tu serás humilhado’ (cf. Sl 72.9; Is 49.23), onde a frase ‘lamberão o pó’ tem claramente este significado. O castigo envolveria inimizade, hostilidade entre as pessoas. A semente da serpente, que Jesus relaciona aos ímpios (Mt 13.38,39; Jo 8.44), e a semente da mulher, têm ambas sentido fortemente pessoal.

O castigo da mulher seria o oposto do ‘prazer’ que ela procurou no versículo 6. Ela conheceria a dor no parto, que é bem diferente do novo tipo de vida que ela tentou alcançar pela desobediência. Igualmente, a futura ligação do seu desejo ao seu marido era repreensão à sua decisão de buscar independência.Deus pôs uma maldição diretamente na terra em vez de colocá-la no homem. Adão foi comissionado a trabalhar com a terra, mas não seria por puro prazer” (Comentário Bíblico Beacon. Volume 1. 1ª Edição. RJ: CPAD, 2005, p.40).

Deus não foi apanhado de surpresa pela Queda de Adão, pois o Cordeiro, em sua presciência, já havia sido morto desde a fundação do mundo (Ap 13.8). Nossos primeiros pais, de fato, pecaram, mas Deus prometeu redimir toda a humanidade pelo sangue de Cristo, pois Jesus morreu por todos (Jo 1.29). Na genealogia de Jesus, registrada por Lucas, Adão é chamado de filho de Deus (Lc 3.38). Maravilhosa graça!Portanto, apesar da aparente vitória do pecado, o Senhor Jesus, o segundo Adão, veio para resgatar-nos das mãos de Satanás: “Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo” (1Co 15.22). Somente Jesus Cristo pode-nos resgatar do pecado.Em sua clássica obra “Conhecendo as Doutrinas da Bíblia”, o teólogo pentecostal Myer Pearlman destaca quatro pontos fundamentais que marcam a história espiritual do homem. Veja o esquema abaixo:Segundo Myer Pearlman, a Tentação, desde o início, destaca ao ser humano que o caminho de obediência a Deus não é fácil. Isso quer dizer que o ser humano terá escolhas a fazer nos termos de Deuteronômio 30.15: “Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida e o bem, a morte e o mal”. A Tentação está prevista na perspectiva da impossibilidade de conter a ansiedade de entrar em contato com o que foi proibido. Por isso, ela é sutil, pois, pela sua sutileza, a natureza humana será envolvida em seus desejos e vontades: nisto consiste a tentação.

Ao dizer “sim!” para a tentação e colocá-la em prática, se estabelece no ser humano o estado de Pecado. Em seguida, a culpa toma conta da sua consciência, ao ponto de o ser humano viver num estado de cauterização em sua consciência, de modo que ele não mais atende aos apelos do Espírito Santo: nisto consiste o estado da culpa.Uma vez praticado o pecado, por intermédio da tentação, e estabelecido o sentimento de culpa, instala-se, na realidade humana, o Juízo.No Éden, o Juízo se deu sobre a serpente (de formosa e honrada, a um animal degradado e maldito), sobre a mulher (multiplicação das dores de parto) e sobre o homem (comer com o suor do rosto), constituindo, porém, o maior de todos os juízos: a morte física e a morte eterna.Entretanto, a história da humanidade não seria para sempre condenada à terrível realidade de viver para sempre longe de Deus. O Pai, por intermédio do Seu Filho, proveria um escape para redimir a vida do ser humano: “Porque, se, pela ofensa de um só, a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça e do dom da justiça reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. Pois assim como por uma só ofensa veio o juízo sobre todos os homens para condenação, assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida. Porque, como, pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim, pela obediência de um, muitos serão feitos justos” (Rm 5.17-19).

 

 

.

 

COMENTARIO GENESIS 3.1-25

A queda

 

  1. נחשׁ nachash “serpente; relacionados: silvo ”, Gesenius; "Picada", Mey. ערוּם 'ārûm “sutil, astuto, usando arte para defesa.”
  2. תפר tāpar “costurar, costurar, unir.” חגורה chăgôrâh “cinto, não necessariamente avental”.

 

Este capítulo continua a peça iniciada em Gênesis 2: 4 . A mesma combinação de nomes divinos é encontrada aqui, exceto no diálogo entre a serpente e a mulher, onde somente Deus ( אלהים 'ĕlohı̂ym ) é usado. É natural que o tentador use apenas o nome mais distante e abstrato de Deus. Narra em termos simples a queda do homem.

 

Gênesis 3: 1

 

A serpente é aqui chamada de "animal do campo"; isto é, nem um animal domesticado nem um dos tipos menores. O Senhor Deus havia feito isso e, portanto, era uma criatura criada no mesmo dia com Adão. Não é a sabedoria, mas a astúcia da serpente que é notada aqui. Este animal é destituído de braços ou pernas para escapar do perigo. É, portanto, jogado de volta ao instinto, auxiliado por um olhar rápido e flagrante, e um rápido dardo e recuo, para fugir do golpe da violência, e observar e aproveitar o momento desprotegido por infligir a mordida mortal. Daí, o caráter astuto e insidioso de seu instinto, que é percebido como responsável pelo modo de ataque aqui escolhido e pelo estilo da conversa. O todo é tão profundamente projetado, que a origem e o progresso do mal no seio são o mais próximo possível do que poderia ter acontecido se não houvesse nenhum alerta. Nenhuma proposta surpreendente de desobediência é feita, nenhum conselho, nenhuma persuasão para participar da fruta é empregada. A sugestão ou afirmação apenas do falso é claramente oferecida; e a mente perplexa é deixada para desenhar suas próprias falsas inferências e seguir seu próprio caminho equivocado. O tentador se dirige à mulher como a mais suscetível e desprotegida das duas criaturas que ele trairia. Ele se arrisca com uma observação meio questionadora e meio insinuante: "Então é assim que Deus disse: Não comereis de todas as árvores do jardim". Isso parece ser um sinal de algum ponto fraco, onde a fidelidade da mulher ao seu Criador pode ser abalada. Isso sugere algo estranho, se não injusto ou cruel, da parte de Deus.

 

Gênesis 3: 2-3Gênesis 3: 2-3

 

A mulher dá a resposta natural e distinta da sinceridade não afetada a essa sugestão. Os desvios da letra estrita da lei nada mais são do que expressões livres e sinceras de seus sentimentos. A expressão "nem a tocareis" implica apenas que eles não deveriam se intrometer nela, como algo proibido.

 

Gênesis 3: 4-5Gênesis 3: 4-5

 

A serpente agora faz uma afirmação forte e ousada, negando a eficácia mortal da árvore, ou a conseqüência fatal de participá-la, e afirmando que Deus estava ciente de que, ao comer, seus olhos seriam abertos e eles seriam como ele mesmo em conhecer o bem e o mal.

 

Lembremos que essa foi a primeira falsidade que a mulher já ouviu. Sua mente também era infantil, no que se refere à experiência. A mente que abre é naturalmente inclinada a acreditar na verdade de toda afirmação, até que tenha aprendido por experiência a falsidade de algumas. Havia também nessa falsidade o que dá o poder de enganar, uma grande quantidade de verdade combinada com o elemento de mentira. A árvore não era fisicamente fatal para a vida, e a sua ingestão realmente se originou no conhecimento do bem e do mal. Não obstante, a participação do que foi proibido emitiu na privação legal e real da vida. E isso não os fez conhecer completamente o bem e o mal, como Deus sabe, mas em sentido experimental, como o diabo o conhece. No ponto de conhecimento, eles se tornaram como Deus; no ponto da moralidade, como o tentador.

 

Gênesis 3: 6Gênesis 3: 6

 

E a mulher viu. - Ela viu a árvore, sem dúvida, e que era provável que ela visse, com os olhos dos sentidos. Mas somente com o olhar de fantasia, muito excitada com as dicas do tentador, ela viu que era bom para a comida e que se desejava fazer com que alguém fosse sábio. Apetite, bom gosto e filosofia, ou o amor à sabedoria, são os grandes motivos no peito humano que a fantasia supõe que esta árvore irá satisfazer. Outras árvores agradam o paladar e a vista. Mas este tem o charme preeminente de administrar não apenas o sentido, mas também o motivo.

 

Seria precipitado supor que podemos analisar o processo relâmpago do pensamento instintivo que ocorreu na mente da mulher; e pior que precipitado, seria errado imaginar que podemos mostrar a lógica do que, em seu ponto fundamental, era uma violação da razão correta. Mas é evidente a partir deste versículo que ela atribuiu algum crédito à ousada afirmação da serpente, que a ingestão dos frutos seria acompanhada pelo extraordinário resultado de torná-los, como o próprio Deus, familiarizados com o bem e o mal, especialmente porque não contradiz nenhuma afirmação de Yahweh, Deus, e recebeu o nome de “a árvore do conhecimento do bem e do mal”. Era evidentemente um novo pensamento para ela que o conhecimento do bem e do mal deveria resultar do comendo disso. Que Deus soubesse disso, se um fato, era inegável. Novamente, conhecer o bem e o mal como o efeito de participá-lo, implicava que a consequência não era uma cessação da existência ou da consciência; pois, se sim, como poderia haver algum conhecimento? E, se a morte em sua concepção implicasse meramente exclusão do favor de Deus e da árvore da vida, ela poderia não imaginar que o novo conhecimento adquirido e a elevação a uma nova semelhança, ou mesmo igualdade com o próprio Deus a esse respeito, seriam Ser mais do que uma compensação por tais perdas; especialmente porque o desinteresse dos motivos divinos havia sido pelo menos questionado pela serpente? Aqui, sem dúvida, há uma fina teia de sofisma, tecida pela fantasia excitada em um instante de tempo. como poderia haver algum conhecimento? E, se a morte em sua concepção implicasse meramente exclusão do favor de Deus e da árvore da vida, ela poderia não imaginar que o novo conhecimento adquirido e a elevação a uma nova semelhança, ou mesmo igualdade com o próprio Deus a esse respeito, seriam Ser mais do que uma compensação por tais perdas; especialmente porque o desinteresse dos motivos divinos havia sido pelo menos questionado pela serpente? Aqui, sem dúvida, há uma fina teia de sofisma, tecida pela fantasia excitada em um instante de tempo. como poderia haver algum conhecimento? E, se a morte em sua concepção implicasse meramente exclusão do favor de Deus e da árvore da vida, ela poderia não imaginar que o novo conhecimento adquirido e a elevação a uma nova semelhança, ou mesmo igualdade com o próprio Deus a esse respeito, seriam Ser mais do que uma compensação por tais perdas; especialmente porque o desinteresse dos motivos divinos havia sido pelo menos questionado pela serpente? Aqui, sem dúvida, há uma fina teia de sofisma, tecida pela fantasia excitada em um instante de tempo. especialmente porque o desinteresse dos motivos divinos havia sido pelo menos questionado pela serpente? Aqui, sem dúvida, há uma fina teia de sofisma, tecida pela fantasia excitada em um instante de tempo. especialmente porque o desinteresse dos motivos divinos havia sido pelo menos questionado pela serpente? Aqui, sem dúvida, há uma fina teia de sofisma, tecida pela fantasia excitada em um instante de tempo.

 

É fácil dizer que o conhecimento do bem e do mal não foi um efeito físico de comer da fruta; que a obtenção desse conhecimento, participando dele, era um mal, e não um bem em si e em suas conseqüências, pois foi a origem de uma consciência do mal, que é em si um mal indizível, e assistida com a perda do poder. favor divino, e da árvore da vida, e com a perseverança de toda a miséria positiva que essa condição envolve; e que o mandamento de Deus foi fundado no direito mais claro - o da criação - ocasionado pela necessidade imediata de definir os direitos do homem, e motivado por benevolência desinteressada em relação a Suas criaturas inteligentes, a quem Ele estava enquadrando para tal perfeição intelectual e moral, como era por eles atingível. É fácil gritar: Quão irracional foi a conduta do par primitivo! Não esqueçamos que qualquer pecado é irracional, irresponsável, essencialmente misterioso. De fato, se fosse totalmente razoável, não seria mais pecado. Apenas um momento antes, a mulher havia declarado que Deus havia dito: “Do fruto da árvore no meio do jardim, não comereis”. No entanto, agora ela vê, e sua cabeça está tão cheia disso que pode não pense em mais nada, que a árvore é boa para comer e agradável aos olhos - como se não houvesse outras árvores boas e agradáveis ​​no jardim e, como ela imagina, desejável tornar alguém sábio, como Deus; como se não houvesse outro caminho para essa sabedoria senão uma ilegal, e nenhuma outra semelhança com Deus, a não ser uma semelhança roubada - e, portanto, tira o fruto e come, e dá ao marido e ele come! O presente desejo é, sem necessidade, gratificado por um ato que se sabe estar errado, correndo o risco de todas as consequências da desobediência! Tal é pecado.

 

Gênesis 3: 7Gênesis 3: 7

 

Os olhos deles foram abertos. - Certos efeitos imediatos do ato são aqui declarados. Isso não pode significar literalmente que eles estavam cegos até esse momento; pois Adão, sem dúvida, viu a árvore no jardim a respeito da qual recebeu uma ordem, os animais que ele nomeou e a mulher a quem ele reconheceu como osso de seus ossos e carne de sua carne. E da mulher afirma-se que ela viu que a árvore possuía certas qualidades, uma das quais pelo menos era visível aos olhos.

 

Deve, portanto, significar que um novo aspecto foi apresentado pelas coisas no cometimento da primeira infração. Assim que a transgressão realmente termina, o sentimento de injustiça do ato avança na mente. O descontentamento do grande Ser cujo comando foi desobedecido, a perda irrecuperável que se segue ao pecado, a vergonha de ser encarado pelos espectadores como algo culpado, se aglomeram. Toda a natureza, toda criatura, parece agora uma testemunha de sua culpa e vergonha, um juiz condenador, um agente da vingança divina. Tal é o conhecimento do bem e do mal que eles adquiriram ao cair da obediência - tal é a abertura do olho que requereu o que ele fez de errado. Que cena diferente havia se apresentado aos olhos da inocência! Todos foram amigáveis. Toda a natureza se curvara em obediência voluntária aos senhores da terra. Nem o sentido nem a realidade do perigo jamais perturbaram a tranquilidade de suas mentes puras.

 

Eles sabiam que estavam nus. - Este segundo efeito resulta imediatamente da consciência da culpa. Eles agora percebem que suas pessoas culpadas estão expostas à vista e encolhem à vista de todos os olhos condenadores. Eles imaginam que há uma testemunha de sua culpa em toda criatura e concebem a aversão que ela deve produzir no espectador. Em sua experiência infantil, esforçam-se por esconder suas pessoas, as quais se sentem impregnadas de vergonha.

 

Consequentemente, "eles costuraram as folhas do figo", que, podemos supor, enrolaram em volta deles e prenderam com os cintos que haviam formado para esse fim. As folhas da figueira não constituíam as cintas, mas as coberturas que foram presas com elas. Essas folhas visavam ocultar toda a sua pessoa da observação. Jó se descreve costurando pano de saco em sua pele, Jó 16:15 Jó 16:15 , e cravando em pano 1 Reis 20:32 de saco 1 Reis 20:32 ; Lamentações 2:10 Lamentações 2:10 ; Joel 1: 8Joel 1: 8 é uma frase familiar nas Escrituras. A costura primitiva era uma espécie de aderência, o que não é mais particularmente descrito. Toda operação desse tipo tem um começo rude. A palavra “cinto” חגורה chăgôrâh ) significa o que cinge o vestido.

 

Aqui nos torna fazer uma pausa por um momento para marcarmos qual era a natureza exata da primeira transgressão. Era claramente desobediência a um comando expresso e bem compreendido do Criador. Não importa qual era a natureza do comando, uma vez que não poderia ser outro que fosse certo e puro. Quanto mais simples e fácil a coisa ordenada, mais digno de culpa é o ato de desobediência. Mas qual era o comando? Simplesmente abster-se do fruto de uma árvore, que foi designada a árvore do conhecimento do bem e do mal, sob pena de morte. Já vimos que esse comando surgiu da necessidade de legislação imediata e tomou a sua forma como o único possível nas circunstâncias do caso. A atração especial, no entanto, que a árvore proibida apresentava, não era sua excelência pelo apetite ou prazer aos olhos,

 

Portanto, o motivo real e óbvio do transgressor era o desejo de conhecimento e semelhança com Deus. Quaisquer outras concupiscências, portanto, possam ter surgido posteriormente na natureza do homem caído, é claro que a concupiscência de semelhança com Deus no discernimento moral foi o que originou o pecado no homem. O desejo sexual não aparece aqui. O apetite é excitado por outras árvores, além disso. O desejo de conhecimento e a ambição de ser, em certo sentido, divino, são apenas especiais e predominantes como motivos. Portanto, parece que Deus provou nossos primeiros pais, não através de qualquer apetite animal, mas através das mais altas propensões de sua natureza intelectual e moral. Embora a ocasião, portanto, possa parecer à primeira vista trivial, ela se torna terrivelmente importante quando descobrimos que a retidão de Deus é impugnada, sua prerrogativa invadiu, seu comando foi desconsiderado, seu atributo de onisciência moral e todas as vantagens imagináveis ​​daí decorrentes, agarradas com uma mão ansiosa e voluntariosa. Desobedecer à ordem de Deus, imposta de acordo com os ditames da razão pura e com a autoridade de um Criador, do desejo vã de ser como ele, ou independente dele, em conhecimento, nunca pode ser outra coisa senão uma ofensa à corante mais profundo.

 

Além disso, somos obrigados a reconhecer e manter, da maneira mais explícita, a equidade do procedimento divino ao permitir a tentação do homem. A única coisa nova aqui é a intervenção do tentador. Pode-se imaginar que esse enganador deveria ter sido mantido afastado. Mas não devemos falar com pressa imprudente sobre um assunto de tal importância. Primeiro. Sabemos que Deus não usou meios forçados para impedir o surgimento do mal moral entre suas criaturas inteligentes. Não podemos, com razão, afirmar que ele deveria ter feito isso; porque colocar força em um ato voluntário e, no entanto, deixá-lo voluntário, parece raciocinar uma contradição em termos e, portanto, impossível; e, a menos que um ato seja voluntário, ele não pode ter nenhum caráter moral; e sem ação voluntária, não podemos ter um agente moral. Segundo. Sabemos que Deus não aniquila imediatamente o malfeitor. Também não podemos, com razão, que ele deveria ter feito isso; pois, impor uma penalidade adequada ao pecado e, em seguida, tirar o pecador da existência, para que essa penalidade nunca possa ser exigida, parece justificar uma inconsistência moral e, portanto, impossível em um ser de perfeição moral.

 

Terceiro. Sabemos que Deus não retira o malfeitor de todo contato com outros agentes morais. Aqui, novamente, a razão não nos obriga a declarar que é conveniente fazê-lo; pois os inocentes devem, e é natural que eles aprendam uma sagrada aversão ao pecado e um medo salutar de sua penalidade, com essas vacas da sociedade, em vez de seguir seu exemplo pernicioso. Os malfeitores não estão menos sob o controle de Deus do que se estivessem na masmorra mais impenetrável; enquanto eles são ao mesmo tempo sinais constantes para alertar os outros da transgressão. Ele os deixa preencher a medida de sua iniqüidade, enquanto o mundo inteligente tem consciência de sua culpa, para que reconheçam a justiça de seu castigo e compreendam a santidade infinita do juiz de toda a terra. Quarto. Sabemos que Deus tenta suas criaturas morais. Abraão, Jó e todos os seus santos precisam passar por seu julgamento.

 

Ele sofreu o Senhor Jesus Cristo, o segundo Adão, por ser tentado. E não devemos esperar que o primeiro Adão seja isento da provação comum. Só podemos ter certeza de que sua justiça não permitirá que suas criaturas morais estejam em desvantagem no julgamento. Por conseguinte, primeiro, o próprio Deus, em primeira instância, fala com Adão, e lhe dá um mandamento explícito, não arbitrário em sua concepção, mas decorrente da necessidade do caso. E é claro que Eva estava perfeitamente ciente de que ele próprio havia imposto essa proibição. Segundo. O tentador não pode aparecer em sua pessoa apropriada para nossos primeiros pais. A serpente só é vista ou ouvida por eles - uma criatura inferior a si mesma, e infinitamente abaixo do Deus que os criou, e condescendente em se comunicar com eles com a autoridade de um pai. Terceiro. A serpente não ameaça nem convence diretamente; muito menos ele tem permissão para usar qualquer meio de compulsão: ele simplesmente falsifica. Como o Deus da verdade havia falado com eles antes, a falsa insinuação os coloca em nenhuma desvantagem.

 

O homem chegou agora ao segundo passo na moral - a prática. Assim, ele chegou ao conhecimento do bem e do mal, não apenas como ideal, mas como algo real. Mas ele alcançou esse objetivo, não permanecendo, mas caindo de sua integridade. Se ele tivesse resistido ao teste dessa tentação, como poderia ter feito, teria chegado igualmente bem ao conhecimento do bem e do mal, mas com um resultado muito diferente. Como ele exibia a imagem de Deus em sua natureza superior, ele se assemelharia a ele, não apenas no conhecimento, assim adquirido de maneira honrosa por resistir à tentação, mas também no bem moral, realizado em seu próprio ato e vontade. Como é, ele adquiriu algum conhecimento de maneira ilegal e desastrosa; mas ele também absorveu esse mal moral, que é a imagem, não de Deus, mas do tentador, a quem ele cedeu.

 

Esse resultado é ainda mais lamentável quando lembramos que esses transgressores constituíam a raça humana em sua fonte primitiva. Neles, portanto, a corrida realmente cai. Em seus pecados, a raça se torna moralmente corrupta. Na sua culpa, a raça está envolvida na culpa. Seu caráter e desgraça descem à sua mais recente posteridade.

 

Ainda não notamos a circunstância da fala da serpente e, é claro, falando racionalmente. Parece que isso não despertou atenção nos tentados e, até onde vemos, não exerceu influência sobre sua conduta. Em sua inexperiência, é provável que eles ainda não soubessem o que era maravilhoso e o que não; ou, em termos mais precisos, o que era sobrenatural e o que era natural. Mas mesmo que eles soubessem o suficiente para se surpreenderem com a serpente falando, isso poderia ter dito de maneiras opostas às suas conclusões. Por um lado, Adão viu e nomeou a serpente, e encontrou nela apenas um animal mudo e irracional, totalmente inadequado para ser seu companheiro, e, portanto, ele poderia se surpreender ao ouvi-lo falar e, digamos, guiado suspeitar de um prompter. Mas por outro lado, não temos motivos para supor que Adão tivesse conhecimento ou suspeita de qualquer criatura, exceto aqueles que já haviam sido trazidos antes dele, entre os quais a serpente. Ele não poderia, portanto, ter nenhuma suposição de qualquer criatura superior que pudesse fazer uso da serpente para seus próprios propósitos. Questionamos se o pensamento poderia ter lhe ocorrido que a serpente havia participado do fruto proibido e, assim, atingido a maravilhosa elevação da brutalidade à razão e à fala. Mas, se tivesse, teria causado uma profunda impressão em sua mente da maravilhosa potência da árvore. Essas considerações se aplicam com força talvez ainda maior a Eva, que foi enganada pela primeira vez. não tenha nenhuma suposição de nenhuma criatura superior que possa fazer uso da serpente para seus próprios propósitos. Questionamos se o pensamento poderia ter lhe ocorrido que a serpente havia participado do fruto proibido e, assim, atingido a maravilhosa elevação da brutalidade à razão e à fala. Mas, se tivesse, teria causado uma profunda impressão em sua mente da maravilhosa potência da árvore. Essas considerações se aplicam com força talvez ainda maior a Eva, que foi enganada pela primeira vez. não tenha nenhuma suposição de nenhuma criatura superior que possa fazer uso da serpente para seus próprios propósitos. Questionamos se o pensamento poderia ter lhe ocorrido que a serpente havia participado do fruto proibido e, assim, atingido a maravilhosa elevação da brutalidade à razão e à fala. Mas, se tivesse, teria causado uma profunda impressão em sua mente da maravilhosa potência da árvore. Essas considerações se aplicam com força talvez ainda maior a Eva, que foi enganada pela primeira vez.

 

Mas para nós que temos uma experiência mais extensa do curso da natureza, o falar de uma serpente não pode ser considerado de outra maneira senão como uma ocorrência sobrenatural. Indica a presença de um poder acima da natureza da serpente, possuído também por um ser de natureza maligna e em inimizade com Deus e a verdade; um ser espiritual, capaz e autorizado a usar os órgãos da serpente de alguma maneira para fins de tentação. Mas, para um fim sábio e digno, esse alienígena do lar de Deus pode testar o caráter moral do homem, ele não pode aparecer ou mostrar qualquer sinal de sua própria presença no homem. A serpente sozinha está visivelmente presente; a tentação é conduzida apenas por palavras proferidas por órgãos corporais, e os tentados não mostram suspeitas de nenhum outro tentador. Portanto, ao dispor de uma providência justa, o homem entra em contato imediato apenas com uma criatura inferior e, portanto, tem um campo justo na época da provação. E se essa criatura é possuída por um ser de inteligência superior, isso é mostrado apenas de maneira a não exercer influência sobre o homem, mas o argumento sugestivo e a afirmação falsa.

 

Versículos 8-21

XVI. O julgamento

 

  1. ּףוּף shûp “ machucou , feriu.” Τηρεῖν (= τερεῖν ?) Tērein ἐκτρίβειν ektribein Jó 9:17 Jó 9:17 , versículo 8: Salmos 139: 11 , e 16:20 suntribein Romans .Salmos 139: 11 Romanos 16:20

 

16 . תשׁוּקה teshûqâh “desejo, inclinação.” Αποστροφή apostrofee ἐπιστροφή epistrophē Gênesis 3: 8-13 Genesis 3: 8-13 ; a sentença pronunciada sobre cada um, Gênesis 3: 14-19 Gênesis 3: 14-19 ; e certos detalhes a seguir, Gênesis 3: 20-21Gênesis 3: 20-21 .

 

Gênesis 3: 8-9Gênesis 3: 8-9

 

A voz, concebemos, é o trovão da aproximação de Deus e seu chamado a Adão. A ocultação é outro sinal da simplicidade infantil dos pais de nossa raça, sob a vergonha e o medo da culpa. A pergunta “Onde estás?” Implica que o Senhor estava ciente de seu esforço para se esconder dele.

 

Gênesis 3: 10-12Gênesis 3: 10-12

 

Adão confessa que tinha medo de Deus, porque estava nu. Há um esconderijo instintivo de seus pensamentos de Deus neste mesmo discurso. A nudez é mencionada, mas não a desobediência da qual surgiu o sentido dela. Para o interrogatório direto do Todo-Poderoso, ele confessa quem o familiarizou com sua nudez e o fato de ter comido o fruto proibido: "A mulher" me deu a árvore e "eu comi".

 

Gênesis 3:13Gênesis 3:13

 

A mulher faz uma confissão semelhante e uma indicação semelhante da fonte de sua tentação. Ela agora descobriu que a serpente "a enganou". O resultado não corresponde ao benefício que ela foi levada a antecipar.

 

Parece não haver nenhuma falsidade em ambos os casos. O pecado não toma posse plena da vontade de uma só vez. É um veneno lento. Tem um crescimento. Requer tempo e repetição frequente para afundar de um estado de pureza para um hábito de pecado inveterado. Embora esteja insensivelmente reunindo forças e subjugando a vontade, a integridade original da natureza moral manifesta uma vitalidade longa, porém enfraquecida. A mesma linha de coisas nem sempre ocupa a atenção. Quando a cadeia de eventos ligada ao ato do pecado não força a atenção da mente e restringe a vontade de agir como uma parte egoísta, outro conjunto de coisas vem à mente, encontra a vontade não afetada por considerações pessoais e, portanto, pronta para tomar sua direção da razão. Portanto, a consciência de uma alma caída tem seus intervalos lúcidos, em que a consciência dá um veredicto e guia a vontade. Mas esses intervalos se tornam menos frequentes e menos decisivos, à medida que os emaranhados de atos pecaminosos sempre multiplicadores enrolam a alma e agravam sua escravidão e cegueira.

 

Gênesis 3: 14-15Gênesis 3: 14-15

 

Aqui começa o julgamento. A sentença é pronunciada sobre a serpente na presença, sem dúvida, do homem e da mulher. A serpente não é examinada, primeiro, porque é um animal mudo e irracional por si só, e, portanto, incapaz de ser examinado judicialmente, e era a serpente apenas palpável aos sentidos de nossos primeiros pais na tentação; e, segundo, porque o verdadeiro tentador não era um novo, mas um velho ofensor.

 

Esta frase tem uma aplicação literal à serpente. A maldição ( Gênesis 9:25Gênesis 9:25, veja a nota) da serpente está em uma natureza mais sombria do que a dos outros animais terrestres. Isso aparece na barriga e no consumo de poeira. Outros animais têm pelo menos pés para elevá-los acima da poeira; a tribo da serpente não tem nem pés. Outros animais elevam a cabeça em sua posição natural acima do solo: a serpente deita sua cabeça naturalmente sobre a grama e, portanto, pode-se dizer que come o pó, enquanto o guerreiro ferido morde o pó na morte. A minhoca é provavelmente incluída na descrição aqui dada do grupo da serpente. Ele cai sobre a barriga e realmente come poeira. Comer o pó, como se alimentar de cinzas, é uma expressão de sinal de derrota em todos os objetivos. A inimizade, o modo de sua exibição e a questão também são singularmente característicos da serpente literal.

 

É costume da jurisprudência das Escrituras visitar animais brutais com certas conseqüências judiciais de ferimentos que eles foram fundamentais para o homem, especialmente se isso tiver surgido através do design ou negligência do proprietário ou de outro agente responsável Gênesis 9: 5 Gênesis 9: 5 ; Êxodo 21: 28-36Êxodo 21: 28-36. No presente caso, o dano causado era de natureza moral, não física. Portanto, a penalidade consiste em uma maldição; isto é, um estado de maior degradação abaixo do homem do que os outros animais terrestres. A serpente no evento extraordinário aqui registrado exerceu os poderes da fala e do raciocínio humanos. E é natural supor que essas exposições de inteligência foram acompanhadas de uma atitude e um gesto acima de sua posição natural na escala da criação. O efeito da sentença judicial seria restabelecê-la à sua condição rasteira original e dar origem àquela inimizade que terminaria em sua destruição pelo homem.

 

No entanto, como um espírito maligno deve ter empregado a serpente, já que o animal cujos órgãos e instintos estavam mais adaptados ao seu propósito e, consequentemente, derivou seu nome dele como apresentando o tipo de animal mais análogo à sua própria natureza espiritual, de modo que todo o desta sentença tem sua aplicação mais alta ao tentador real. “Sobre a tua barriga você irá.” Isto é expressivo do estágio mais baixo de degradação ao qual uma criatura espiritual pode ser afundada. “Poeira comerás”. Isso é indicativo de decepção em todos os objetivos do ser. "Vou colocar inimizade." Isso é ainda mais estritamente aplicável ao inimigo espiritual da humanidade. Ela sugere uma disputa hereditária entre suas respectivas raças, que deve terminar, após algum sofrimento temporário por parte da semente da mulher, na destruição do poder da serpente contra o homem. O agente espiritual na tentação do homem não pode ter literalmente nenhuma semente. Mas a semente da serpente é a parte da família humana que continua sendo sua descendência moral e segue a primeira transgressão sem arrependimento ou refúgio na misericórdia de Deus. A semente da mulher, por outro lado, deve denotar o remanescente que nasceu do alto e, portanto, passa das trevas para a luz, e do poder de Satanás para Deus.

 

Vamos agora marcar as lições transmitidas na sentença da serpente aos nossos primeiros pais, que estavam ouvindo e olhando. Primeiro. A serpente é chamada de mero animal bruto. Tudo, então, que parecia indicar a razão como inerente à sua natureza ou adquirida por algum evento estranho em sua história é, portanto, ao mesmo tempo contraditório. Segundo. É declarado mais baixo do que qualquer outro animal terrestre; como destituídos de quaisquer membros correspondentes a pés ou mãos. Terceiro. Não é interrogado como um ser racional e responsável, mas tratado como um mero bruto. Quarto. É degradado dos ares e atitudes que podem ter sido assumidos, quando possuído por um espírito maligno semelhante a uma serpente, e recua sem luta para o local de degradação no reino animal para o qual foi projetado. Quinto. Está fadado a ficar desapontado com seus objetivos de usurpação. Deve morder o pó. Sexto. está condenado à derrota final e total em seus ataques hostis à semente da mulher.

 

Tudo isso deve ter causado uma profunda impressão em nossos primeiros pais. Mas duas coisas devem ter atingido-os com força especial. Primeiro, agora era evidente o quão vãs e vazias eram suas pretensões à sabedoria superior, e quão miseravelmente iludidas estavam quando ouviram suas falsas insinuações. Se, de fato, tivessem maturidade de reflexão e tivessem tempo para aplicá-la, teriam ficado estranhamente confusos com toda a cena, agora que era passado. Como a serpente, do instinto bruto que exibiu a Adão quando nomeou os animais, subitamente subiu para o exercício temporário da razão e da fala e, como repentinamente recaiu em sua antiga bestialidade, é, para o mero observador da natureza, um fenômeno inexplicável . Mas para Adam, que ainda tinha uma experiência muito limitada para distinguir entre eventos naturais e sobrenaturais, e muito pouco desenvolvimento do poder reflexivo para detectar a inconsistência na aparência das coisas, o único objeto de atenção era a presunção descarada da serpente e a retribuição esmagadora que caíra sobre ela; e, conseqüentemente, a deplorável loucura e maldade de ter sido enganada por suas sugestões.

 

Uma segunda coisa, no entanto, foi ainda mais impressionante na mente do homem na sentença da serpente; a saber, a inimizade que deveria ser colocada entre a serpente e a mulher. Até certo ponto, houve concordância e aliança entre essas duas partes. Mas, na abertura da corte celestial, aprendemos que a conexão amigável havia sido quebrada. Pois a mulher disse: “A serpente me enganou, e eu comi.” Essa expressão indica que a mulher não estava mais em harmonia com a serpente. Ela agora sentia que sua parte não era a amizade, mas a astúcia e, portanto, a hostilidade mais profunda e mais sombria. Quando Deus, portanto, disse: “Colocarei inimizade entre ti e a mulher”, essa repulsa de sentimentos da parte dela, na qual Adão, sem dúvida, se uniu, foi reconhecida e aprovada. A inimizade com o inimigo de Deus indicava um retorno à amizade com Deus e pressupunha sentimentos incipientes de arrependimento em relação a ele e revivendo a confiança em sua palavra. A perpetuação dessa inimizade é aqui afirmada, não apenas em relação à mulher, mas também à sua semente. Essa perspectiva de semente e de semente divina, inimizade com o mal, tornou-se uma fonte de esperança para nossos primeiros pais e confirmou todo sentimento de reverência a Deus que começava a surgir em seu seio. A palavra ouvida da boca de Deus gera fé em seus corações, e descobriremos que essa fé não demorou a se manifestar em atos. Essa perspectiva de semente e de semente divina, inimizade com o mal, tornou-se uma fonte de esperança para nossos primeiros pais e confirmou todo sentimento de reverência a Deus que começava a surgir em seu seio. A palavra ouvida da boca de Deus gera fé em seus corações, e descobriremos que essa fé não demorou a se manifestar em atos. Essa perspectiva de semente e de semente divina, inimizade com o mal, tornou-se uma fonte de esperança para nossos primeiros pais e confirmou todo sentimento de reverência a Deus que começava a surgir em seu seio. A palavra ouvida da boca de Deus gera fé em seus corações, e descobriremos que essa fé não demorou a se manifestar em atos.

 

Não podemos deixar passar essa parte da sentença sem perceber a expressão "a semente da mulher". Isso não significa, em primeira instância, toda a raça humana? Essa raça não era inimiga da serpente? E, embora se possa dizer que apenas parte da semente da mulher que, eventualmente, compartilhou seus sentimentos presentes, é inimiga do espírito da serpente, ainda assim, se tudo tivesse corrido bem na família de Adão, toda a raça não seria inimiga. com o espírito de desobediência? A avenida para a misericórdia aqui não era tão ampla quanto a oferta de qualquer outra época? E não foi essa universalidade de convite em algum momento para ter uma resposta na família humana? A linguagem da passagem não nos constrange a esperar pelo tempo em que a grande massa, ou toda a raça humana então viva na terra, terá realmente virado o poder de Satanás para Deus? Isso não pôde ser visto por Adam. Mas não era a importação clara da linguagem que, a menos que houvesse uma nova revolta após a presente reconciliação, toda a raça estaria, mesmo a partir deste novo começo, em inimizade com o espírito do mal? Essa foi a terrível lição da experiência com a qual Adão agora entrou na carreira da vida, que era de se esperar que ele advertisse seus filhos contra se afastarem do Deus vivo, com uma clareza e sinceridade que seriam entendidas e sentidas. estar em inimizade com o espírito do mal? Essa foi a terrível lição da experiência com a qual Adão agora entrou na carreira da vida, que era de se esperar que ele advertisse seus filhos contra se afastarem do Deus vivo, com uma clareza e sinceridade que seriam entendidas e sentidas. estar em inimizade com o espírito do mal? Essa foi a terrível lição da experiência com a qual Adão agora entrou na carreira da vida, que era de se esperar que ele advertisse seus filhos contra se afastarem do Deus vivo, com uma clareza e sinceridade que seriam entendidas e sentidas.

 

Ainda mais, não passamos do geral para o particular na sentença: "Ele machucará sua cabeça, e você machucará seu calcanhar?" Não é a semente da mulher aqui individualizada e combinada em conflito mortal com o tentador individual? ? Essa fraseologia não aponta para algum descendente preeminente da mulher, que é, com a contusão de sua natureza inferior no encontro, obter um sinal e vitória final sobre o adversário do homem? Há alguma razão para acreditar na expressão: “Eu consegui um homem do Senhor” Gênesis 4: 1Gênesis 4: 1 , que Eva mesma teve um vislumbre desse significado, embora ela o tenha aplicado na parte errada. A Vulgata também, no que provavelmente era a leitura genuína, "ipse" (ele próprio) aponta para o mesmo significado. A leitura "ipsa"(ela mesma) é inconsistente com o gênero do verbo hebraico e com o do pronome correspondente na segunda cláusula (dele) e, portanto, é claramente um erro do transcritor.

 

Por fim, o caráter retributivo da administração divina é notavelmente ilustrado na frase. A serpente, num espírito astuto, mas covarde, faz do sexo mais fraco o objeto de seu ataque. É a semente da mulher, especialmente, que deve machucar sua cabeça. É singular descobrir que essa frase simples, que entra natural e incidentalmente em uma sentença proferida por quatro mil anos e escrita por pelo menos mil e quinhentos anos, antes da era cristã, descreve exatamente e literalmente Aquele que foi feito de mulher sem a intervenção de homem, para que ele destrua as obras do diabo. Esta cláusula na sentença do tentador é o primeiro alvorecer de esperança para a família humana após a queda. Não podemos dizer se devemos admirar mais a simplicidade de seus termos, a amplitude e a abrangência de seu significado,

 

A destruição aqui pronunciada sobre o tentador deve ser considerada especial e secundária. Refere-se ao ataque maligno ao homem e prediz qual será o problema dessa tentativa de espalhar o descontentamento entre a criação inteligente. E é pronunciado sem qualquer exame do ofensor ou investigação de seus motivos. Se essa tivesse sido a primeira ofensa contra a majestade do céu, imaginamos humildemente que um preconceito solene do caso teria ocorrido e uma penalidade seria julgada adequada à magnitude do crime e análoga à punição da morte no caso do homem. O ato primário de desafio e apostasia do Criador deve ter sido cometido sem tentador e, portanto, era incomparavelmente mais hediondo do que o ato secundário de ceder à tentação.

 

Gênesis 3:16Gênesis 3:16

 

A sentença da mulher Gênesis 3:16Gênesis 3:16 consiste em três partes: as duas primeiras a consideram mãe, e a última como esposa. A tristeza deve ser multiplicada durante a gravidez e também deve acompanhar o nascimento dos filhos. Essa tristeza parece se estender a todas as dores e ansiedades da mãe em relação à sua prole. Com que solicitude ela ansiava por uma manifestação de certo sentimento em relação ao Deus misericordioso em seus filhos, semelhante ao que ela experimentara em seu próprio seio! Que indizível amargura de espírito ela sentiria quando os frutos da desobediência se descobrissem nos seus pequeninos, e em alguns deles, talvez, ganhasse força de ano para ano!

 

A promessa das crianças é dada implicitamente nessas duas cláusulas. Também saiu incidentalmente na sentença da serpente. Que concepção maravilhosa é apresentada aqui às mentes dos pares primitivos! Até para nós mesmos hoje em dia o assunto da raça está envolvido em uma grande quantidade de mistério. Já notamos a unidade da corrida em sua cabeça. Mas a personalidade e a responsabilidade dos indivíduos envolvem grandes e desconcertantes dificuldades. A descida de uma alma de uma alma é um segredo profundo demais para nossa compreensão. O primeiro homem era potencialmente a corrida e, enquanto ele estiver sozinho, na verdade toda a corrida do tempo. Seus atos, então, são aqueles não apenas do indivíduo, mas da raça. Se um único anjo cair, ele cai sozinho. Se a última de uma corrida caísse, ele também não envolveria outra em sua descida. Mas se a primeira corrida cai, antes que ele tenha filhos, a corrida cai. A culpa, a depravação, a penalidade, todas pertencem à raça. Este é um grande mistério. Mas parece resultar inevitavelmente da constituição de uma raça, e tem claras evidências de sua verdade, tanto nos fatos quanto nas doutrinas da Bíblia.

 

Quando chegamos a ver o pecado de nossos primeiros pais sob essa luz, isso traz enormes consequências para todos os indivíduos da raça. A única transgressão envolveu a culpa, a depravação e a morte, não apenas de Adão, mas de toda a raça que estava nele, e assim mudou todo o caráter e condição da humanidade ao longo de todo o tempo.

 

Nas instruções anteriores e posteriores são encontrados os meios para treinar essas crianças para Deus. A mulher aprendeu que Deus não é apenas um juiz justo, mas um Pai tolerante e misericordioso. Isso foi o suficiente para ela no momento. Isso lhe permitiu entrar na jornada da vida com alguns vislumbres de esperança em meio às tristezas da família. E na experiência da vida, é impressionante o quanto uma grande parte do agradável se mistura aos problemas de nossa raça decaída. A tolerância e a bondade de Deus devem, em toda razão e consciência, levar-nos de volta a um sentimento melhor em relação a ele.

 

A terceira parte de sua sentença refere-se ao marido - “Teu desejo será para o teu marido, e ele te governará.” Isto é evidentemente um pedaço dessa justiça retributiva que nos encontra constantemente na administração de Deus. A mulher assumiu a liderança na transgressão. No estado decaído, ela deve estar sujeita à vontade de seu marido. "Desejo" não se refere ao desejo sexual em particular. Gênesis 4: 7Gênesis 4: 7. Significa, em geral, "virar", determinação da vontade. “A determinação da tua vontade será entregue ao teu marido e, por conseguinte, ele reinará sobre ti.” A segunda cláusula, de acordo com a estrutura paralela da sentença, é um clímax ou uma reiteração enfática da primeira e, portanto, serve para determinar o seu significado. Sob o homem caído, a mulher tem sido mais ou menos uma escrava. De fato, sob o domínio do egoísmo, o mais fraco deve servir ao mais forte. Somente uma ressurreição espiritual a restaurará em seu verdadeiro lugar, como o encontro de ajuda para o homem.

 

Gênesis 3: 17-19Gênesis 3: 17-19

 

A palavra-chave na frase do homem é "solo". A maldição ( Gênesis 9:25Gênesis 9:25, veja a nota) do solo é o desejo das árvores frutíferas com as quais o jardim foi plantado e do crescimento espontâneo que tornaria desnecessário o trabalho do homem. O crescente crescimento de espinhos e cardos também fazia parte da maldição que ocasionou ao homem quando caiu. Sua tristeza surgia do trabalho e do suor com os quais ele retirava do solo os meios de subsistência. Em vez dos frutos espontâneos do jardim, a erva do campo, que exigia cultivo diligente, passaria a constituir uma parte principal de seu apoio. E ele tinha a perspectiva sombria diante dele de retornar longamente ao chão de onde fora levado. Ele tinha um elemento de poeira nele, e essa estrutura orgânica acabaria por resolver sua própria deterioração, quando separada da árvore da vida.

 

Deve-se observar que aqui está a primeira alusão a essa morte, que era a parte essencial da sentença pronunciada na raça caída. As razões disso são óbvias. A sentença de morte daqueles que deviam comer do fruto proibido já havia sido pronunciada e era bem conhecida por nossos primeiros pais. A morte consistia na privação da vida que estava à luz do semblante divino, brilhando com amor aprovado em uma criança inocente e, portanto, foi iniciada no primeiro ato de desobediência, na vergonha e no medo de uma consciência culpada. Os poucos traços de desconforto terrestre que as frases divulgam são meramente os trabalhos da morte aqui mencionados no estágio atual de nossa existência. E a execução da sentença, que aparece na passagem seguinte,

 

Nesta narrativa, a linguagem é tão simples que não apresenta dificuldade crítica. E, ao revisar a passagem, a primeira coisa que devemos observar é que o evento aqui registrado é um ponto de virada de importância transcendente na história do homem. Não é menos que passar da confiança em Deus para a confiança em sua criatura ao contradizê-lo e, além disso, da obediência ao seu mandado expresso e bem lembrado, à obediência aos ditames do interesse próprio equivocado. É óbvio que, para o caráter moral da transação, não tem importância quem foi a terceira pessoa que ousou contradizer e difamar seu Criador. A culpa do homem consiste simplesmente em desobedecer ao único comando de seu beneficente Criador. A única circunstância atenuante é a sugestão do mal por uma parte externa.

 

Esse ato alterou fundamentalmente a posição e o caráter do homem. Assim, ele desceu da inocência à culpa no ponto da lei e, ao mesmo tempo, da santidade ao pecado no ponto de caráter. Tremenda foi a mudança e igualmente tremenda a conseqüência. A morte é, como a maioria dos termos das escrituras, uma palavra grávida, e aqui deve ser entendida na bússola completa de seu significado. É a privação, não a existência, como muitas vezes se confunde, mas a vida, em toda a sua plenitude de significado. Como a vida inclui todas as gratificações de que nossas suscetibilidades humanas são capazes, a morte é a privação de todas as fontes de prazer humano e, dentre elas, a própria vida física, enquanto o desejo por facilidade e a sensação de dor retêm toda a sua força. na parte espiritual de nossa natureza.

 

Este evento é real. A narrativa expressa em seus termos mais fortes sua realidade. O evento é uma das duas alternativas que devem seguir as afirmações anteriores sobre a árvore do conhecimento do bem e do mal, e fornece uma explicação de sua natureza. Não é menos essencial explicar o que se segue. O problema da história e da condição do homem só pode ser resolvido por esse fato primitivo. A consciência ainda permanece um monumento imperecível, por um lado, por ter sido formado segundo um modelo perfeito; e, por outro lado, por ter caído de sua propriedade. E todos os fatos de sua história levam sua queda até o alcance das tradições da memória humana.

 

E a narrativa aqui é um registro literal dos detalhes desse grande evento. No que diz respeito a Deus e ao homem, a literalidade nunca foi questionada por aqueles que reconhecem que o evento é real. Alguns, no entanto, consideraram a serpente não uma serpente literal, mas figurativa; não um animal, mas um ser espiritual. O grande dragão, de fato, é identificado com "a antiga serpente chamada diabo e Satanás". E, portanto, sabemos que um ser de natureza superior ao mero animal estava presente e ativo nesta ocasião. E esse ser espiritual era com grande propriedade chamado serpente, tanto por suas qualidades serpentinas quanto por escolher a serpente como a máscara mais adequada sob a qual tentar nossos primeiros pais. Mas não podemos inferir que uma serpente literal não foi empregada na tentação. Diz-se que a serpente é "mais sutil do que qualquer animal do campo". Primeiro. O significado óbvio disso é que ele próprio era um animal do campo.

 

Assim, José, a quem Israel amava “mais do que todos os seus filhos”, foi um de seus filhos Gênesis 37: 8 Gênesis 37: 8 . Aquele que era "mais alto do que qualquer pessoa" era ele próprio uma das pessoas 2 Samuel 9: 22 Samuel 9: 2. Segundo. Se a serpente estiver aqui figurativa e denotar um espírito, a afirmação de que era sutil acima de todas as bestas do campo é fraca e inadequada para a ocasião. Não é assim que o homem se distingue dos outros animais. Em uma linguagem muito mais forçada, a velha serpente deve ser distinguida do bruto irracional. Terceiro. Vimos uma satisfação em um ser de carne, e que não superior, nem mesmo igual ao homem, pode ser empregado como meio de tentação. O homem foi, assim, colocado em desvantagem. Seus sentidos não foram confundidos por uma manifestação supersensível. Sua presença de espírito não foi perturbada por uma aparência incomum. Quarto. As ações atribuídas ao tentador concordam com a serpente literal. Ferir o calcanhar, rastejar na barriga e morder o pó são adequados para um mero animal, e especialmente para a serpente. A única exceção é a fala e, o que está implícito nisso, o raciocínio. Estes, no entanto, não refutam a presença da serpente literal quando acompanhados de uma declaração clara de sua presença. Eles apenas indicam, e isso para observadores mais experientes que nossos primeiros pais, a presença de um espírito à espreita, expressando seus pensamentos pelos órgãos da serpente.

 

Pode-se pensar estranho que a presença desse ser superior não seja explicitamente percebida pelo escritor sagrado. Mas é a maneira da Escritura não distinguir e explicar todas as realidades que ela se relaciona, mas descrever os fenômenos óbvios quando eles se apresentam aos sentidos; especialmente quando o escopo da narrativa não exige mais, e uma revelação futura ou o exercício de uma experiência santificada trarão no devido tempo sua interpretação. Assim, os feitos dos mágicos no Egito não se distinguem dos de Moisés por nenhum epíteto depreciativo Êxodo 7: 10-12Êxodo 7: 10-12. Somente os de Moisés são maiores e indicam assim um poder superior. A bruxa de Endor é consultada e Samuel aparece; mas a narrativa não tem o cuidado de distinguir então e ali, seja por meio da bruxaria ou pelo próprio poder de Deus. Não era necessário que o treinamento moral de nossos primeiros pais naquele estágio inicial de sua existência soubesse quem era o verdadeiro tentador. Não teria alterado a natureza essencial da tentação, da sentença proferida em nenhuma das partes ou das esperanças dos que foram enganados.

 

Isso traz à vista um sistema de analogia e relação mútua que permeia toda a Escritura, bem como a natureza, segundo a qual a ordem inferior das coisas é um tipo natural das mais altas e mais próximas das mais remotas. Essa lei se mostra na história da criação, que, no trabalho criativo dos seis dias, figura em nossa mente e, por assim dizer, expõe à distância os outros processos antecedentes de poder criativo que intervêm desde o primeiro e criação absoluta; na natureza do homem, que apresenta na superfície o animal opera em maravilhosa harmonia com as funções espirituais de seu complexo ser; na história do homem, onde os mais próximos da história, na profecia, no espaço, no tempo, na qualidade, matéria, vida, vegetativa e animada, sombreiam os mais remotos. Todos esses exemplos do método escriturístico de permanecer em pé e começar de perto para longe são baseados no simples fato de que a natureza é um sistema racional de coisas, cada parte da qual tem sua contrapartida uma na outra. Portanto, a história de uma coisa é, de certa forma, a história de todas as coisas do mesmo tipo.

 

A serpente tem um instinto astuto e encontra, consequentemente, seu lugar legítimo no degrau mais baixo do sistema animal. Satanás busca a oportunidade de tentar Adão e, na adequação das coisas, se volta para a serpente como o meio pronto de seu ataque à integridade humana. Ele estava limitado a esse meio. Ele não tinha permissão para ter nenhum contato com o homem, exceto através dos sentidos e no modo de falar. Ele também foi obrigado a recorrer à serpente, como a única criatura adequada ao seu propósito.

 

O lugar da serpente na escama de animais estava de acordo com a distorção de seu instinto. Foi amaldiçoado acima de todo gado, pois era inferior a eles na falta daqueles membros que servem para levantar, mover e segurar; como pernas e braços. Esse significado de amaldiçoado é familiar às Escrituras. "Amaldiçoado é o terreno para a tua semente" Gênesis 3:17 Gênesis 3:17 . Precisava do trabalho do homem para reprimir espinhos e cardos, e cultivar plantas mais úteis e necessárias ao homem. “Este povo que não conhece a lei é amaldiçoado” João 7:49João 7:49 . Este é um uso relativo da palavra, pelo qual se diz que uma coisa é amaldiçoada por não ter servido a um fim específico. Portanto, a condição da serpente era um emblema adequado do castigo da serpente espiritual por suas más ações em relação ao homem.

 

Através da inescrutável sabedoria da Divina Providência, no entanto, não foi necessário, ou pode não ter sido necessário, mudar principalmente o estado da serpente natural ou da terra natural, a fim de cumprir os fins da justiça. O primeiro simbolizava de maneira muito impressionante o desamparo e a decepção do inimigo do homem. Este último exigia o trabalho do homem, que era a conseqüência justa de sua desobediência. Essa conseqüência teria sido evitada se ele continuasse a ter direito à árvore da vida, que sem dúvida poderia ter sido propagada além de seus limites originais. Mas uma mudança na relação moral do coração para com Deus traz consigo, nos modos insondáveis ​​da sabedoria divina, uma mudança tão grande na influência dos eventos do tempo sobre o destino do homem. Enquanto o coração está com Deus, todas as coisas funcionam juntas para o bem de nós. Quando o coração se afasta dele, todas as coisas inevitavelmente trabalham juntas para o mal, sem nenhuma alteração material no sistema da natureza.

 

Podemos até subir um passo mais alto nos mistérios da providência; pois um coração desobediente, que constitui o objeto imerecido da compaixão divina, pode ser por algum tempo o escravo inconsciente de uma série de circunstâncias, que está exercitando sua recuperação da maldição, bem como o poder do pecado através do ensino da Espírito Divino. A série de eventos pode ser a mesma em que outro está flutuando no fluxo da perdição. Mas para o primeiro, esses eventos são os pontos de virada de um maravilhoso treinamento moral, que deve terminar em reconciliação com Deus e restauração à sua semelhança.

 

Uma raça, da mesma maneira, que caiu da comunhão com Deus, pode ser objeto de um propósito de misericórdia, que realiza, na providência de Deus, o retorno de alguns ao seu lar e amor e a perambulação de outros. cada vez mais longe nas trevas e na miséria da inimizade com Deus.

 

E embora esse sistema de coisas seja simples e uniforme aos olhos do único Deus sábio, ainda assim, para a visão humana, partes dele aparecem apenas como arranjos e retribuições especiais, atendendo exatamente ao caso do homem e servindo para sua educação moral. Sem dúvida eles são assim. Mas eles também fazem parte de um curso constante da natureza, perseguido com regularidade ininterrupta, mas ordenado com uma sabedoria infalível que alcança ao mesmo tempo fins gerais e especiais. Portanto, sem nenhuma mudança essencial nos instintos naturais da serpente, ela serve para um impressionante monumento da derrota e destruição do diabo e de suas obras. O solo, sem nenhuma mudança em sua natureza inerente, mas apenas pela remoção, pode ser, da árvore da vida, é amaldiçoado ao homem, pois exige aquele trabalho que é a marca de uma raça caída.

 

A questão dos milagres, ou interposições especiais da vontade e poder divinos que atravessam as leis da natureza, não está agora diante de nós. Pela própria definição de milagres, eles transcendem as leis da natureza; isto é, daquele sistema de eventos que nos é conhecido pela observação. Mas não se segue que eles transcendam uma lei mais alta do plano divino, que pode, em parte por revelação e em parte até por um estudo mais profundo de nós mesmos e das coisas ao nosso redor, ser trazidos à luz. Pelas investigações da geologia, parecemos obrigados a reconhecer uma sucessão de criações em grandes intervalos de tempo, como uma lei do procedimento divino em nosso globo. Mas, milhares de anos antes da concepção da geologia, uma dessas criações, subseqüente ao grande ato primordial pelo qual o universo foi chamado à existência, nos tornou conhecidas pela revelação divina. E, além do milagre periódico, encontramos registrada no livro do Apocalipse uma série de milagres, realizados em busca do propósito divino da graça em relação à raça caída do homem. Estes certamente estão acima da natureza, de acordo com a maior visão que já existiu entre nossos filósofos. Mas não imaginemos, portanto, que eles estejam acima da razão ou graça - acima dos recursos e determinações da mente e vontade divinas relativas ao desenvolvimento do universo.

 

Gênesis 3:20Gênesis 3:20

 

Este versículo e o próximo registram dois atos muito significativos resultantes do julgamento: um da parte de Adão e outro da parte de Deus.

 

O homem aqui, sem dúvida, refere-se a duas expressões nas frases que ele ouviu pronunciadas sobre a serpente e a mulher. “Ele”, a semente da mulher, “machucará a cabeça”. Aqui é a mulher que deve dar a semente. E esta semente é para ferir a cabeça da serpente; isto é, de alguma forma, para desfazer o que foi feito pela morte do homem e, portanto, reinvesti-lo em vida. Portanto, esta vida estava por vir pela mulher. Mais uma vez, no discurso do juiz à mulher, ele ouvira as palavras: "Darás à luz filhos". Essas crianças são a semente, entre as quais deve ser a ferida na cabeça da serpente e a autora de "vida". E, em um sentido mais humilde e próximo, a mulher deve ser mãe de filhos, que são os vivos, e perpetua a vida da raça em meio aos estragos que a morte comete diariamente em seus membros individuais. Esses vislumbres de esperança para o futuro causam uma profunda impressão no pai da humanidade. Ele percebe e acredita que através da mulher, de alguma forma, virá a salvação para a raça. Ele dá expressão permanente à sua esperança no nome significativo que ele dá à sua esposa. Aqui vemos, para nossa satisfação indizível, o alvorecer da fé - uma fé indicando um novo começo de vida espiritual e exercendo uma influência salutar na vontade, iluminando fracamente o seio escuro de nosso primeiro pai. A mãe da humanidade também chegou a uma mente melhor. O Espírito Santo, elevado e misericordioso, retirou da mente de ambos a nuvem de conceitos errôneos, e a fé no Senhor e o arrependimento surgiram em suas almas recém-nascidas. Ele percebe e acredita que através da mulher, de alguma forma, virá a salvação para a raça. Ele dá expressão permanente à sua esperança no nome significativo que ele dá à sua esposa. Aqui vemos, para nossa satisfação indizível, o alvorecer da fé - uma fé indicando um novo começo de vida espiritual e exercendo uma influência salutar na vontade, iluminando fracamente o seio escuro de nosso primeiro pai. A mãe da humanidade também chegou a uma mente melhor. O Espírito Santo, elevado e misericordioso, retirou da mente de ambos a nuvem de conceitos errôneos, e a fé no Senhor e o arrependimento surgiram em suas almas recém-nascidas. Ele percebe e acredita que através da mulher, de alguma forma, virá a salvação para a raça. Ele dá expressão permanente à sua esperança no nome significativo que ele dá à sua esposa. Aqui vemos, para nossa satisfação indizível, o alvorecer da fé - uma fé indicando um novo começo de vida espiritual e exercendo uma influência salutar na vontade, iluminando fracamente o seio escuro de nosso primeiro pai. A mãe da humanidade também chegou a uma mente melhor. O Espírito Santo, elevado e misericordioso, retirou da mente de ambos a nuvem de conceitos errôneos, e a fé no Senhor e o arrependimento surgiram em suas almas recém-nascidas. Aqui vemos, para nossa satisfação indizível, o alvorecer da fé - uma fé indicando um novo começo de vida espiritual e exercendo uma influência salutar na vontade, iluminando fracamente o seio escuro de nosso primeiro pai. A mãe da humanidade também chegou a uma mente melhor. O Espírito Santo, elevado e misericordioso, retirou da mente de ambos a nuvem de conceitos errôneos, e a fé no Senhor e o arrependimento surgiram em suas almas recém-nascidas. Aqui vemos, para nossa satisfação indizível, o alvorecer da fé - uma fé indicando um novo começo de vida espiritual e exercendo uma influência salutar na vontade, iluminando fracamente o seio escuro de nosso primeiro pai. A mãe da humanidade também chegou a uma mente melhor. O Espírito Santo, elevado e misericordioso, retirou da mente de ambos a nuvem de conceitos errôneos, e a fé no Senhor e o arrependimento surgiram em suas almas recém-nascidas.

 

Gênesis 3:21Gênesis 3:21

 

Como Gênesis 3:20Gênesis 3:20registra um exemplo de fé humilde e apreensiva na palavra divina; portanto, aqui temos um manifesto ato de misericórdia da parte de Deus, indicando o perdão e a aceitação do homem confessador e crente, regozijando-se em antecipação à futura vitória sobre a serpente que deveria ser realizado pela semente da mulher. Esse ato também é adequado às atuais circunstâncias do homem e, ao mesmo tempo, notavelmente significativo das bênçãos mais altas relacionadas à restauração do favor divino. Ele havia descoberto sua nudez, e Deus lhe fornece uma cobertura adequada. Ele deveria ser exposto às variações do clima, e aqui havia uma proteção durável contra o clima. Mas muito mais que isso. Ele ficou moralmente nu, destituídos daquela paz de consciência que é um escudo impenetrável contra a vergonha de ser culpada e o medo de ser punida; e os casacos de pele eram um emblema fiel e uma garantia manifesta das vestes de justiça que seriam fornecidas a seguir para o penitente em falta da justiça original que ele havia perdido por transgressão. E, finalmente, há algo notável no material com o qual as camadas foram feitas. Provavelmente foram obtidos pela morte de animais; e como ainda não parecem ter sido mortos por comida, alguns foram levados à conjectura de que foram oferecidos em sacrifício - mortos em prefiguração do sacrifício subsequente que deveria tirar o pecado. É o caminho mais seguro, no entanto, deixar a origem do sacrifício em aberto. As escrituras não indicam que as peles foram obtidas em conseqüência do sacrifício; e, além da presunção derivada dessas peles, parece traçar a origem do sacrifício ao ato de Habel registrado no próximo capítulo.

 

Isso nos leva a uma lei, que frequentemente mostramos nas Sagradas Escrituras, de que alguns eventos são registrados sem nenhuma conexão ou significado aparente na superfície da narrativa, enquanto ao mesmo tempo eles demonstram uma quantidade maior de conhecimento espiritual do que nós. acostumados a atribuir a idade em que ocorreram. O fato simples que o escritor declara, sendo olhado com nossos olhos, pode não ter significado. Mas, como deve ser, aos olhos do narrador, consciente de tudo o que ele precisa registrar até o momento, fica grávida de um novo significado, que de outra forma não seria descoberto. Mesmo isso, no entanto, pode não esgotar a importância de uma passagem contida em uma escrita inspirada. Para chegar ao sentido pleno, pode ser necessário contemplá-lo com os olhos do Espírito Santo, consciente de tudo o que deve se tornar matéria de revelação até o fim dos tempos. Ele então se destacará em toda a abrangência de significado que sua relação com todo o corpo da verdade revelada confere e, sob o disfarce de uma questão cotidiana, transmitirá alguns dos aspectos mais sublimes da verdade divina. Portanto, a escritura subsequente, que é a linguagem do Espírito Santo, pode nos ajudar a penetrar no significado oculto de uma parte anterior da revelação.

 

Deus é o principal motor neste assunto. Somente a misericórdia de Deus é a fonte do perdão, do modo pelo qual ele pode perdoar e, no entanto, ser justo, e do poder pelo qual o pecador pode ser levado a aceitá-lo com penitência e gratidão. Na brevidade da narrativa, apenas os resultados são anotados; ou seja, a intimação e o penhor sincero do lado de Deus, e os sentimentos e atos de fé e arrependimento do lado dos pais da humanidade. Que indicações que Deus pode ter dado pela figura impressionante de sacrifício ou de outra forma a penalidade paga por outro pelo pecador, como condição necessária para o perdão, não estamos aqui informados, simplesmente porque aqueles para quem um registro escrito era necessário aprenderiam de maneira mais completa em um estágio subsequente da narrativa. Isso sugere duas observações importantes para a interpretação: primeiro.

 

Essa prática fala que Moisés não é o mero colecionador, mas o compositor dos documentos contidos em Gênesis, a partir de materiais preexistentes que possam ter surgido em sua mão ou em sua mente. Segundo. Não devemos importar para a narrativa uma doutrina ou instituição em todo o desenvolvimento que ela possa ter recebido no período mais recente da revelação. Isso seria contrário à maneira pela qual Deus estava acostumado a ensinar ao homem. Essa forma concreta de um grande princípio, que se comportou com o estado infantil da mente primitiva, é apresentada pela primeira vez. O germe plantado na mente aberta e fértil brota e cresce. As revelações e instituições de Deus crescem com ele em compasso e grandeza. O germe era verdade adequado para bebês; a árvore adulta é apenas a mesma verdade expandida no desenvolvimento progressivo de pessoas e coisas. Erram igualmente quem estica o passado à medida do presente e que julga o passado ou o futuro pelo padrão do presente. Críticos bem-intencionados, mas negligentes, chegaram aos dois extremos.

 

Versículos 22-24

XVII. A execução

 

  1. כרוּב kerûb ברך em aramaico: “esculpir, arar”; Persa: “agarre, agarre”. Esta palavra ocorre cerca de oitenta e sete vezes nas escrituras hebraicas; em sessenta dos quais se refere a figuras esculpidas ou bordadas; em vinte e dois para o ser vivo na visão de Ezequiel Ezequiel 28:14 Ezequiel 28:14 , Ezequiel 28:16 Ezequiel 28:16 ; em dois, para um ser em que o Senhor é descrito poeticamente como cavalgando 2 Samuel 22:11 2 Samuel 22:11 ; Salmo 18:11Salmo 18:11 ; e na presente passagem, inequivocamente, para seres reais e conhecidos. Caso contrário, a raiz não existe no hebraico propriamente dito. Porém, da classe de ações a que se refere e de uma revisão das declarações das Escrituras sobre essas criaturas, somos levados às seguintes conclusões:

 

Primeiro. Os querubins são criaturas reais, e não meros símbolos. Na narrativa do outono, eles são introduzidos como reais nas cenas da realidade. Sua existência é assumida como conhecida; Dizem que Deus coloca ou estaciona os querubins no leste do jardim do Éden. A representação de um querubim também na visão, como parte de uma figura simbólica, implica uma realidade correspondente Ezequiel 10:14Ezequiel 10:14 . Um símbolo em si aponta para uma realidade.

 

Segundo. Eles são posteriormente descritos como "criaturas vivas", especialmente nas visões de Ezequiel Ezequiel 1:10 Ezequiel 1:10 . Isso parece surgir, não da posição deles na fase mais alta da vida, que o termo não denota, mas dos membros dos vários animais, que entram na figura descrita de várias maneiras. Entre estes, aparecem os rostos do homem, o leão, o boi e a águia, dos quais uma forma querubica tinha um, dois ou quatro Êxodo 25:20 Êxodo 25:20 ; Ezequiel 41:18 Ezequiel 41:18 ; Ezequiel 1:16 Ezequiel 1:16 . Além disso, tinham asas no número dois ou quatro Êxodo 25:20 Êxodo 25:20 ; 1 Reis 6:27 1 Reis 6:27 ; Ezequiel 1: 6 Ezequiel 1: 6 . E eles tinham as mãos de um homem debaixo das asas nos quatro lados Ezequiel 1: 8 Ezequiel 1: 8; Ezequiel 10: 8 Ezequiel 10: 8 . Ezequiel também descreve os pés como retos e com a sola como a de um bezerro. Às vezes, também aparecem com seus corpos, mãos, asas e até rodas de acompanhamento cheias de olhos Ezequiel 1:18 Ezequiel 1:18 ; Ezequiel 10:12Ezequiel 10:12. A variedade na figura dos querubins é devida à variedade de aspectos em que eles se situam, e dos escritórios ou serviços que eles devem executar na postura variável dos assuntos. Essa figura é evidentemente simbólica. Pois o ser real não possui um número ou ordem variável de suas partes constituintes no mesmo estágio de sua existência, embora possa ser prontamente representado por uma diversidade de símbolos, de acordo com a diversidade das circunstâncias em que aparece e das operações. tem que executar. A figuração se destina apenas a ocultar sua natureza e cargo de formas sensíveis àqueles que não entraram no mundo espiritual.

 

Terceiro. Os querubins são seres inteligentes. Isso é indicado por sua forma, movimento e conduta. Em sua aparência visível, a forma humana predomina: "Eles tinham a semelhança de um homem" Ezequiel 1: 5Ezequiel 1: 5 . O rosto humano está na frente e, portanto, tem o lugar principal. As "mãos de um homem" determinam a postura ereta e, portanto, a forma humana do corpo. As partes de outras formas animais são apenas acessórios e servem para marcar a posse de qualidades que não são proeminentes no homem. O leão indica os poderes ativos e destrutivos; o boi, o paciente e produtivo; a águia denota movimento rápido, com o qual as asas coincidem, e visão rápida com a qual muitos olhos concordam; e o homem significa razão, que racionaliza todas essas qualidades físicas.

 

As quatro faces indicam poderes de observação que varrem todo o horizonte. Os pés retos, com solas como as de um bezerro, marcam uma elasticidade de passo pertencente apenas a seres não afetados pela força da gravitação. O movimento deles, “direto”, combinado com as quatro faces, e a roda dentro de uma roda seguindo seus quadrantes, aponta para a capacidade de se mover em qualquer direção sem girar pelo mero impulso da vontade. A inteligência de sua conduta surgirá da natureza dos deveres que eles devem cumprir.

 

Quarto. Seu escritório especial parece ser "intelectual e potencial", e não moral. Eles têm mais a ver com o aspecto físico do que com o moral. Portanto, eles estão relacionados, por um lado, com Deus, como אלהים 'ĕlohı̂ym “o eterno, o Deus da onipotência”; e, por outro, com o universo das coisas criadas, em seus departamentos material, animal e intelectual e à administração geral da vontade divina nesta esfera abrangente. Os significados radicais dos termos “esculpir, arar, apreender” apontam para o potencial. A mão simboliza uma agência inteligente. A multiplicidade de olhos denota inteligência multifacetada. O número quatro é evidentemente normal e característico. Marca sua relação com o cosmos - universo do sistema de coisas criadas.

 

Quinto. Seu lugar de ministério é sobre o trono, e na presença do Todo-Poderoso. Assim, onde ele se manifesta em um lugar declarado e com toda a solenidade de um tribunal, geralmente eles aparecem.

 

Sexto. Suas funções especiais correspondem a essas indicações de natureza e lugar. Eles estão estacionados no leste do jardim do Éden, onde Deus condescendera em andar com o homem antes de sua queda, e onde ele ainda permanece na terra para manter comunhão com o homem, com o propósito de misericórdia, e o objetivo deles é manter caminho da árvore da vida. Eles são figurados no lugar mais sagrado, que foi apropriado à presença divina, e construído de acordo com o padrão visto no monte. Eles estão no propiciatório, onde Deus se senta para governar o seu povo, e olham com admiração inteligente os mistérios da redenção. Na visão da semelhança da glória de Deus concedida a Ezequiel, eles aparecem sob a extensão em que repousa o trono de Deus, e ao lado das rodas que se movem à medida que se movem.Salmos 18:11Salmo 18:11 . Todos esses movimentos são mistérios para nós, enquanto estamos em um mundo de sentido. Não podemos compreender a relação do espiritual e do físico. Mas disso podemos ter certeza de que as coisas materiais estão no centro das forças multiformes, ou fontes fixas de poder, às quais o Potentado Eterno deu uma morada e um nome locais e, portanto, conhecem os seres espirituais de poder livre, e consequentemente gerenciável por eles.

 

Sétimo. Os querubins parecem ser oficialmente distintos dos anjos ou mensageiros que fazem recados especiais a uma distância da câmara de presença do Todo-Poderoso. É possível que eles também sejam distinguidos em função dos serafins e dos seres vivos do Apocalipse, que como eles aparecem entre os assistentes na corte do céu.

 

Aqui entramos no registro dos passos dados para efetivar a perda da vida pelo homem, conseqüente à sua transgressão voluntária do mandamento divino.

 

Gênesis 3:22Gênesis 3:22

 

Como um de nós. - Essa é outra indicação da pluralidade na unidade, evidentemente inerente ao Espírito Eterno. É ainda mais significativo do que a expressão de concerto na criação do homem, pois não pode ser explicado por nada menos que uma distinção pessoal.

 

Eis que o homem se tornou como um de nós para conhecer o bem e o mal. -Agora estamos preparados para entender a natureza das duas árvores que estavam no meio do jardim. A árvore do conhecimento do bem e do mal efetuou uma mudança, não na constituição física do homem, mas em sua experiência mental - em seu conhecimento do bem e do mal. Parece não ter havido sementes da morte - nenhum poder venenoso ou maligno na árvore. “A mulher viu que a árvore era boa para comer e provavelmente para os olhos”, assim como uma árvore que se deseja fazer com que alguém se torne sábio. Também não parece que a virtude de tornar sábio o ponto particular das distinções morais esteja na digestão de seus frutos quando recebidos no estômago. O efeito natural da comida está no corpo, não no entendimento. O efeito moral residia antes na conduta do homem em relação à árvore, como algo proibido. O resultado de sua conduta, seja no caminho da obediência ou desobediência ao mandamento divino, seria o conhecimento do bem e do mal. Se o homem tivesse obedecido, ele teria chegado a esse conhecimento de maneira legítima. Pois ele teria percebido que a desconfiança de Deus e a desobediência à sua vontade, como eram apresentadas externamente à sua opinião nas sugestões do tentador, eram más; e que a confiança e a obediência, experimentadas internamente em si mesmo, desafiando essas sugestões, eram boas. E esse era o germe do conhecimento do bem e do mal. Mas, desconsiderando a injunção expressa de seu Criador em relação a essa árvore, ele alcançou o conhecimento do bem e do mal de maneira ilegal e fatal. Ele soube imediatamente que ele próprio era o culpado, enquanto que antes ele estava livre da culpa; e assim tornou-se consciente,

 

Essa visão da árvore está de acordo com todas as sugestões das Escrituras. Primeiro. Os termos em que é proibido são: “Da árvore do conhecimento do bem e do mal não comerás; pois no dia em que comeres, certamente morrerás. ”Aqui é importante marcar a consequência que é apontada como fluindo do consumo dela. Não é: conhecerás o bem e o mal por qualquer virtude física da árvore, um processo pelo qual o conhecimento não chega; mas, “Certamente morrerás”. Agora, este não é nenhum resultado físico do fruto recebido no sistema, já que o homem não morreu por séculos depois, mas um resultado penal, de fato, a terrível sanção desse mandamento divino pelo qual a provação do homem deveria ser cumprida. Segundo. Os pontos destacados pela serpente têm o mesmo efeito.

 

Havia alguma reserva. Essa reserva é uma lesão ao homem, que ele nega que a morte seja a conseqüência de comer a árvore reservada e afirma que benefícios especiais, como a abertura dos olhos, e ser Deus em conhecer o bem e o mal, seguiria. Em ambas as afirmações, há equívocos. A morte não é de fato o natural, mas é a conseqüência legal da desobediência. Os olhos de ambos foram abertos, e eles se tornaram como Deus em conhecer o bem e o mal; mas, em ambos os casos, para sua própria vergonha e confusão, em vez de sua glória e honra. Eles viram que estavam "nus" e "envergonhados" e "com medo". Eles conheciam o bem e o mal; mas eles sabiam que o mal estava presente com eles e que o bem lhes havia partido. Terceiro. A entrevista de Deus com os culpados também está de acordo com a mesma opinião. A pergunta para o homem é: “Quem te disse que você estava nu? Comeste da árvore da qual eu te ordenei que não coma? ”Marque o teor desta pergunta. Não é, você já comeu da árvore do conhecimento do bem e do mal? mas “do qual eu te ordenei que não coma”, pelo qual é indicado que, não o caráter físico da árvore, mas o caráter moral da ação, é o objetivo do interrogatório.

 

A árvore, então, foi a ocasião ordenada para o homem se tornar Deus em conhecer o bem e o mal. Ele havia atingido a segunda lição experimental de moral. Quando Deus lhe deu a lição teórica do mandamento, ele esperava que a prática fosse seguida. Ele agora diz: “Eis que o homem se tornou como um de nós, para conhecer o bem e o mal.” No estilo de sua palavra, ele observa o resultado, sem marcar a desobediência do homem como meio. Isso é entendido pelas circunstâncias. O homem é, portanto, culpado, e a lei deve ser justificada.

 

Por isso, acrescenta-se: “Para que ele não estenda a mão e tome também a árvore da vida, coma e viva para sempre.” Esta frase é completada por um ato, não uma palavra, como veremos no próximo versículo. Medidas devem ser tomadas para impedir seu acesso a essa árvore, agora que ele sofreu a pena de morte.

 

A partir dessa frase, conclui-se que a árvore da vida deve ter tido alguma virtude pela qual a estrutura humana deveria ser mantida livre da decrepitude da idade ou da deterioração que termina na morte. Seu nome, a árvore da vida, concorda com essa conclusão. Somente nessa base a exclusão poderia ser punida com a desobediência e a ocasião da morte. Assim, também podemos encontrar e responder a todas as dificuldades que a fisiologia apresenta à imortalidade do homem não caído. Temos registrado que havia uma virtude à base de plantas no paraíso capaz de neutralizar os efeitos do desgaste da estrutura animal. Isso confirma nossa explicação da árvore do conhecimento do bem e do mal. A morte, que deve ser lembrada, é para um ser moral e responsável, em um sentido abrangente, exclusão das bênçãos da existência consciente, e preeminentemente do da complacência divina, não foi o efeito físico de seu fruto ser comido, mas a conseqüência penal de um ato proibido. E essa conseqüência é provocada por um processo judicial especial, registrado no próximo versículo:

 

As duas árvores se relacionam de uma maneira que toca o centro do ser moral do homem. "Faça isso e viva" é o ditado fundamental da lei moral. Sua contrapartida implícita é: "Se não o fizer, morrerá". O ato de desobediência é evidentemente decisivo para toda a conduta, caráter e relação com Deus. Portanto, necessariamente perde a vida que consiste no favor de Deus e em todas as conseqüentes bênçãos. As duas árvores correspondem à condição e ao benefício desse pacto essencial da lei. O primeiro é o teste da obediência ou desobediência do homem; o outro, o benefício que é retido pela obediência e perdido pela desobediência. O homem falha na obediência e perde a bênção. Portanto, a parte legal e a parte benéfica da aliança devem vir de uma fonte superior para todos os que são salvos. Cristo concede um e outro por sua obediência e por seu Espírito. Na forma antiga da aliança da graça, a Páscoa tipifica uma e circuncisa a outra; no novo, a Ceia do Senhor e o batismo têm uma importância semelhante. Tudo isso, do primeiro ao último, indicou as duas partes essenciais da salvação, redenção e regeneração. Este é um exemplo claro da unidade e constância que prevalecem nas obras de Deus.

 

É evidente que a idéia de imortalidade é familiar aos primeiros capítulos de Gênesis. O próprio comando primitivo implica isso. Mortalidade, além disso, aplica-se ao נפשׁ NEFESH a vida orgânica corpo; não para as partículas de matéria desse corpo, nem para o חיים נשׁמת nı̂shmat chayı̂ym"Sopro da vida" que veio de Deus. Significa não aniquilação, mas dissolução. Além disso, a primeira parte da morte é a exclusão da árvore da vida, que ocorre no mesmo dia da desobediência. Isso indica sua natureza. Não é a aniquilação da essência espiritual, que de fato não ocorre, mas a retirada dela das bênçãos e prazeres em comunhão com Deus de que é capaz. E, finalmente, todo o teor da narrativa é que a morte é uma penalidade por transgressão; considerando que a aniquilação não é uma penalidade, mas uma libertação da destruição da perdição. Conseqüentemente, o tentador não é aniquilado, mas deixado para suportar sua destruição; e assim a existência do homem é perpetuada sob privação parcial - o emblema e a penhor da morte que consiste na privação total da vida. A morte é, sem dúvida, em seu significado primário, a dissolução do corpo vivo. Mas mesmo na execução da sentença primitiva, ela começa a se expandir para aquela bússola de significado que todas as grandes primitivas da linguagem das escrituras expressam mais cedo ou mais tarde. Terra, céu, bem, mal, vida e morte são exemplos impressionantes dessa elasticidade de significação. Por isso, percebemos que os germes da doutrina da imortalidade da alma residem mesmo nesses documentos primitivos. E mais que não poderíamos esperar, a menos que concentrássemos toda a plenitude da revelação sobre esse assunto em suas páginas de abertura. e a morte são exemplos impressionantes dessa elasticidade da significação. Por isso, percebemos que os germes da doutrina da imortalidade da alma residem mesmo nesses documentos primitivos. E mais que não poderíamos esperar, a menos que concentrássemos toda a plenitude da revelação sobre esse assunto em suas páginas de abertura. e a morte são exemplos impressionantes dessa elasticidade da significação. Por isso, percebemos que os germes da doutrina da imortalidade da alma residem mesmo nesses documentos primitivos. E mais que não poderíamos esperar, a menos que concentrássemos toda a plenitude da revelação sobre esse assunto em suas páginas de abertura.

 

Gênesis 3:23Gênesis 3:23

 

Em conseqüência da desobediência do homem, a árvore da vida é retirada do alcance do homem como um benefício perdido, e a dissolução da vida atual é permitida de acordo com as leis da natureza, permanecendo ainda em vigor em relação a outros seres animados; auxiliado, de fato, e acelerado em sua operação, pelo abuso pecaminoso das paixões humanas. E assim a expressão "no dia em que você comer, morrerá" recebe sua aplicação simples. É uma sentença condicional, pronunciada anteriormente como um aviso à parte responsável. No mesmo dia da transgressão, torna-se legalmente válido contra ele, e é dado o primeiro passo em direção à sua execução regular no curso normal das coisas. Este passo é sua exclusão da árvore da vida. Isso é feito enviando o homem para fora do jardim para o comum,

 

Gênesis 3:24Gênesis 3:24

 

Então ele expulsou o homem. -Isso expressa o banimento do homem do jardim como um ato judicial. Enquanto ele é deixado para os frutos de seu trabalho pelos meios de subsistência até seu retorno ao pó, seu acesso à fonte de vida e vigor perpétuos é efetivamente barrado por um guarda estacionado a leste do jardim, onde sem dúvida era o único entrada, consistindo nos querubins e na chama de uma espada balançando em todas as direções. A espada flamejante é a forma visível da espada da justiça, repelindo os transgressores da sede e fonte de felicidade e vida. Os querubins, aqui mencionados como objetos conhecidos, cuja figura não requer descrição, são os ministros da presença e do julgamento divinos - de sua presença que não foi totalmente retirada do homem; e de seu julgamento, pelo qual ele foi excluído do jardim do prazer.

 

Há misericórdia indescritível aqui em todos os aspectos pela raça que erra. Esta vida atual na carne estava agora manchada pelo pecado e impregnada com as sementes da maldição, prestes a brotar em um terrível crescimento do mal moral e físico. Não vale a pena preservar para si mesmo. Não é de forma alguma desejável que uma confusão tão sombria de vida e morte em uma natureza seja perpetuada. Portanto, há misericórdia e julgamento na exclusão do homem daquela árvore que só poderia ter continuado o estado carnal, terreno, sensual e até diabólico de seu ser. Deixe-o permanecer por um tempo, até que se veja se a semente da vida espiritual nascerá e crescerá, e então deixe a morte chegar e pôr um fim final ao velho.

 

Ainda mais, Deus não aniquila o jardim ou sua árvore da vida. Aniquilação não parece ser o seu caminho. Não é o caminho daquele Onisciente que vê o fim desde o princípio, daquela Sabedoria infinita que pode conceber e criar um universo de coisas e eventos que se auto-ajusta e se ajusta. Por outro lado, ele põe seus querubins para manter o caminho da árvore da vida. Este paraíso, então, e sua árvore da vida estão em guarda. Eles estão reservados para aqueles que terão direito a eles após um período intermediário de provação e vitória, e reaparecerão em toda a sua glória imaculada e em toda a sua bela adaptação à perfeição nascida e nascida do homem. O desprezo daquela natureza serpente que foi infundida no homem cairá, pelo menos do número escolhido que se refugia na misericórdia de Deus;

 

Passamos agora ao prelúdio da história do homem. Consiste em três eventos distintos: a criação absoluta dos céus e da terra, contida em um versículo; a última criação, na qual o próprio homem surgiu, abraçando o restante do primeiro capítulo; e a história do primeiro par até o outono, registrada no segundo e terceiro capítulos. Os dois primeiros caem em um e revelam o invisível eterno Elohim que sai das profundezas de sua eterna inescrutável, e se manifesta ao homem no novo caráter de Yahweh, autor e perpetuador de um universo de ser, e preeminentemente do homem, um tipo e espécime da ordem racional dos seres. Sempre que agentes morais passam a existir, e onde quer que entrem em contato, deve haver lei, convênio ou compacto. Conseqüentemente, a ordem é imposta ao homem como pré-requisito essencial para sua conduta moral; e Yahweh aparece ainda mais como o vindicador da lei, o guardião da aliança, o executor da promessa.

 

O homem, sendo instruído por ele no princípio fundamental de toda lei, a saber, o direito do Criador sobre a criatura, e a independência de cada criatura em relação à outra, dá o primeiro passo na conduta moral. Mas é falso, violando essa primeira lei da natureza e de Deus em ambas as partes. “Assim, por um homem o pecado entrou no mundo e a morte pelo pecado.” Portanto, a perspectiva da história futura do homem é obscurecida, e não pode ser mais sombria do que depois se revela. Mas ainda é tingido, mesmo no início da madrugada, com alguns raios de esperança celestial. O Senhor Deus deu sinais de misericórdia ao par tentado e caído. A mulher e o homem não demoraram a reconhecer isso e a mostrar sintomas de retornar fé e arrependimento. E apesar de terem sido excluídos do jardim,

 

Observe-se que estamos aqui no amplo terreno de nossa humanidade comum. Dessa ampla circunferência, as Escrituras nunca retrocedem. Mesmo quando relata a sorte de um único indivíduo, família ou nação, seus olhos e interesses se estendem a toda a raça; e apenas habita o círculo mais estreito de homens e coisas como a fonte potencial de nascentes, crescentes e eternas vidas e bênçãos para toda a raça. Esforcemo-nos por fazer justiça a esse registro antigo, na calma e constante grandeza e catolicidade de suas revelações sobre os caminhos de Deus com o homem.

)NOTAS ALBERT BARNES)WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET