Translate this Page

Rating: 2.6/5 (279 votos)




ONLINE
4




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Comentario biblico carta de 2 Pedro cap.3
Comentario biblico carta de 2 Pedro cap.3

 

 

 

SUBSIDIO PARA A ESCOLA DOMINICAL  LIÇÕES

MAURICIO BERWALD ESCRITOR PROFESSOR

Comentario biblico carta de 2 Pedro cap.3

Versículos 1-21

Passos para um objetivo divino

 2 Pedro 1: 4

 

  1. Pedro nos lembra do fim a ser alcançado por essas garantias múltiplas às quais a fidelidade divina é prometida. "Para que através destes vós sejais participantes da natureza divina", que concepção profunda e original é esta que Deus expressamente deu ao Seu povo - promessas através das quais eles podem alcançar uma participação vital em Sua própria natureza sagrada e gloriosa. Em toda a sociedade humana existe uma tendência infeliz à exclusividade e à auto-absorção. Os homens querem economizar para si e para seus filhos o melhor fruto de seu pensamento e trabalho, estabelecer monopólios, isolar seus privilégios de uso comum. O fim da lei humana é impedir a dispersão dos benefícios que certos grupos de homens fizeram seus; enquanto o fim de toda a lei divina é difundir a alegria, a honra, e o poder que uma vez pertenceu a Deus somente. Que contraste sublime a nossa exclusividade mesquinha e relutante é apresentado na expansividade livre e ilimitada do amor de auto-comunicação de Deus. Ele deseja que nós não apenas amemos segundo o modelo de Seu amor, para colocar diante de nós mesmos os mesmos objetos e as mesmas atividades, ansiar com afeições como a Sua, para compartilhar da glória de Seus atos poderosos, mas para possuir uma vida interligada, para sentir Sua vitalidade unindo-se à nossa consciência central, para ser canais orgânicos que sustentam os movimentos de Sua natureza. assim como nos tecidos e vasos da criança, a vida real da casa a que ele pertence está surgindo. Ele deseja que nós não apenas amemos segundo o padrão de Seu amor, para colocar diante de nós mesmos os mesmos objetos e as mesmas atividades, para ansiar com afeições como a Sua, para compartilhar na glória de Seus atos poderosos; mas para possuir uma vida interligada, para sentir sua vitalidade unindo-se à nossa consciência central, para ser canais orgânicos que sustentam os movimentos de Sua natureza, assim como nos tecidos e vasos da criança, a vida real da casa à qual ele pertence é surgindo. Ele deseja que nós não apenas amemos segundo o padrão de Seu amor, para colocar diante de nós mesmos os mesmos objetos e as mesmas atividades, para ansiar com afeições como a Sua, para compartilhar na glória de Seus atos poderosos; mas para possuir uma vida interligada, para sentir sua vitalidade unindo-se à nossa consciência central, para ser canais orgânicos que sustentam os movimentos de Sua natureza, assim como nos tecidos e vasos da criança, a vida real da casa à qual ele pertence é surgindo.

 

  1. O apóstolo especifica uma condição que se encontra no limiar dessa grande ascensão. "Tendo escapado da corrupção que está no mundo pela luxúria." A participação em uma vida divina e o apego a um mundo mau não podem ser coincidentes, e o estado único necessariamente exclui o outro. Fugir da corrupção que está no mundo pela luxúria é a metade maior do problema que nos confronta em nosso progresso ascendente. Deus não pode nos revelar a glória de Sua amorosa paternidade, nem podemos provar a alta dignidade de nossa filiação, nas associações básicas e indignas que às vezes nos detêm. Nós não somos anjos à prova de pecado, e podemos nos permitir estar tão saturados nos temperamentos e tradições do mundo, que nossas capacidades mais sagradas serão profanadas, e as fontes da grandeza Divina em nós serão eclipsadas.

 

III São Pedro nos lembra do papel desempenhado por essas promessas inspiradas no caráter humano e destino edificante. As promessas são descritas como "grandes e preciosas", porque contemplam fins de surpreendente vastidão e trazem aos homens, através da fé de que são a garantia, a honra e bem-aventurança inestimáveis. Eles são preciosos como o sangue no qual a aliança redentora é fundada, preciosa como a fé inestimável que criam em corações mansos e contritos.

 

2 Pedro 1: 42 Pedro 1: 4

 

Quando Isaac Watts estava morrendo, e quase esgotado por suas enfermidades ", ele observou, em conversa com um amigo, que se lembrava de um idoso ministro costumava dizer que os cristãos mais cultos e sábios, quando chegam a morrer, têm apenas as mesmas promessas simples do Evangelho por seu apoio como o comum e o não-aprendido: "e Cantares de Salomão "ele disse: "Eu acho. São as promessas simples, que não requerem muito esforço e esforço para entendê-las, pois não posso fazer nada agora, a não ser olhar para a minha Bíblia, para alguma promessa de me apoiar e viver disso." Ele discursou muito de sua dependência do sacrifício expiatório de Cristo: e sua confiança em Deus, através do Mediador, permaneceu inabalável até o fim. "Eu ficaria feliz", disse ele, "de ler mais, mas não para ser confirmado mais na verdade da religião cristã ou na verdade de suas promessas, pois acredito nelas o suficiente para arriscar uma eternidade nelas. ""

 

2 Pedro 1: 42 Pedro 1: 4

 

Este texto está intimamente associado à história espiritual de John Wesley. Em 26 de maio de 1738, ele abriu seu testamento grego com essas palavras. Sua nota posterior mostra como ele os interpretou: "Ser renovado à imagem de Deus e ter comunhão com Ele, de modo a habitar em Deus e Deus em você". Na tarde do mesmo dia, ele ouviu o hino na Catedral de São Paulo: "Das profundezas chamei a Ti, ó Senhor".

 

Referências. - I: 4. - Spurgeon, Sermons, vol. xvi. No931 RF Horton, The Examiner, 6 de julho de 1906, pg. DL Ritchie, Christian World Pulpit, vol. lxxviii. p244. Expositor (4ª Série), vol. ii. p435; ibid. vol. iv. p119. A. Maclaren, Exposições da Sagrada Escritura - Pedro, p.

 

Fé e Virtude

 

2 Pedro 1: 52 Pedro 1: 5

 

Este verso familiar foi alterado consideravelmente na Versão Revisada, onde é dado na forma: "Em sua fé suprir a virtude, e em seu conhecimento de virtude, e em seu conhecimento de temperança", e assim por diante. Alguém disse que essa interpretação provava o pouco que os revisores conheciam da prosa inglesa; mas, no entanto, isso pode ser, em todos os casos, sua tradução nos dá uma pista para o significado real do escritor. A forma mais antiga tem a preposição "para" em todo - "adicionar à sua virtude da fé" e o resto; , conhecimento e temperança, foram feitos para aparecer como coisas separadas, separadas, cada uma das quais poderia ser amarrada ou presa às outras. "Na sua fé suprir a virtude" significa algo diferente. Significa que a fé é a raiz da qual a virtude Essas graças, em suma, Eles florescem juntos e decaem juntos; tão perto é a afinidade e simpatia entre eles. Um homem que não possuísse qualquer um deles não poderia ter participação real em nenhum outro; da mesma forma que uma corrente, cujo elo está quebrado, não terá peso algum, sejam os outros elos sempre tão fortes. Aquele que não tem paciência, nem temperança, nem amor fraternal, não é apenas um cristão imperfeito; ele não é cristão de forma alguma. Eles florescem juntos e decaem juntos; tão perto é a afinidade e simpatia entre eles. Um homem que não possuísse qualquer um deles não poderia ter participação real em nenhum outro; da mesma forma que uma corrente, cujo elo está quebrado, não terá peso algum, sejam os outros elos sempre tão fortes. Aquele que não tem paciência, nem temperança, nem amor fraternal, não é apenas um cristão imperfeito; ele não é cristão de forma alguma.

 

De modo que seria bem mais verdadeiro - embora, é claro, toda metáfora se desfaça em algum lugar - para dizer que as conexões recíprocas dessas graças são como aquelas entre as partes de uma árvore viva. O galho brota do galho, o galho desce até o tronco, e o tronco se ergue amplo sobre as raízes. Da mesma forma, esses versículos nos dão a árvore genealógica das graças cristãs. É muito provável que o escritor não tenha pensado na ordem do tempo em que aparecem; o tempo tem comparativamente pouco a ver com tais assuntos. Ele os coloca diante de nós na ordem de seu relacionamento natural. Cada um age sobre todos e todos começam simultaneamente. A bondade fraternal está próxima ao pé da lista, e a temperança está próxima do topo; ainda assim eles nasceram na mesma hora.

 

  1. Note, primeiro, que a fé é a raiz da qual as graças nascem. Pela fé, dificilmente não lembro, o escritor significa fé no Senhor Jesus Cristo. A apreensão confiável do dom inefável de Deus, da misericórdia que se elevou sobre o mundo como um amanhecer brilhante quando o Redentor veio - é o que ele pretende dizer com a palavra. Isso vale a pena mencionar, pois não é incomum falar de fé. abstratamente, como não mais do que um modo esperançoso, positivo e sério de encarar a vida, mas quando os escritores do Novo Testamento dizem "fé", eles querem dizer definitivamente, fé em contato com seu próprio objeto, Cristo, e se tornando apenas através desse contato. Uma coisa triunfante e forte: de vez em quando a religião é falada como se fosse apenas o alcance de uma mão vazia tateando e vacilando, como um inseto tímido, agitando os tentáculos indefesos no ar. Essa não é a nossa situação. É verdade que houve um tempo, um tempo de longo sofrimento e dor consumido no experimento e exploração; mas foi finalmente fechado; Fechado, também, não é tanto a metade pelo homem que encontra Deus como pela descoberta e redenção do homem de Deus. Em Jesus, o Pai veio entre nós, perto o suficiente para ser tocado, perto o suficiente para ser agarrado; e esse toque, essa compreensão, é fé.

 

Se não há fé para o Senhor Jesus Cristo, nem consentimento da vontade, nem saída do coração, nem entrega de toda a natureza, então o grande resultado não pode seguir. É inútil olhar para cima e cobiçar este belo aglomerado de graças se não estivermos dispostos a cumprir as condições e começar no início. Os dons de Cristo são nossos somente quando tomamos o próprio Cristo.

 

  1. Note que a fé é essencialmente prospectiva. A palavra grega traduzida como "oferta" é muito completa e sugestiva. É uma palavra com uma história. Isso nos leva de volta aos dias da velha Atenas quando se considerou uma grande honra de um cidadão ser convidado a custear as despesas de uma cerimônia pública. Traduza essa idéia para a linguagem da religião, e faça-a desanuviar, e isso significa que Deus não está disposto a nos lançar na vida divina e a nos sustentar nela, mas devemos ajudar a encontrar a idéia. custo? É claro que a vida cristã não pode ser vivida sem gastos; gastos de um tipo moral e espiritual, o que acontece o tempo todo. Você está disposto a participar disso? Deus nos dá a Cristo e toda a graça encerrada nesse querido nome; Ele nos dá a cruz; Ele dá a sepultura aberta da manhã de Páscoa; você se comprometerá a fornecer virtude, conhecimento, paciência? Certamente a religião é para nos custar algo. Não simplesmente em dinheiro, real como é sua reivindicação sobre dinheiro; mas em esforço, em oração, em vigilância, em renúncia. Estes representam as despesas do discipulado cristão, e todo seguidor do Filho de Deus deve enfrentá-los. É verdade que, para poder pagar, podemos ter que nos beliscar em outro lugar. Muito freqüentemente a religião é vista como um domínio no qual as regras do senso comum podem ser desrespeitadas com impunidade; mas aqui também as pessoas que tentam achar isso impossível. Se desperdiçarmos nosso amor e entusiasmo nas coisas inferiores, quão pouco resta para Deus e Cristo! Estes representam as despesas do discipulado cristão, e todo seguidor do Filho de Deus deve enfrentá-los. É verdade que, para poder pagar, podemos ter que nos beliscar em outro lugar. Muito freqüentemente a religião é vista como um domínio no qual as regras do senso comum podem ser desrespeitadas com impunidade; mas aqui também as pessoas que tentam achar isso impossível. Se desperdiçarmos nosso amor e entusiasmo nas coisas inferiores, quão pouco resta para Deus e Cristo! Estes representam as despesas do discipulado cristão, e todo seguidor do Filho de Deus deve enfrentá-los. É verdade que, para poder pagar, podemos ter que nos beliscar em outro lugar. Muito freqüentemente a religião é vista como um domínio no qual as regras do senso comum podem ser desrespeitadas com impunidade; mas aqui também as pessoas que tentam achar isso impossível. Se desperdiçarmos nosso amor e entusiasmo nas coisas inferiores, quão pouco resta para Deus e Cristo!

 

III Note, por fim, o que nos é pedido suprir - virtude. Claramente, a palavra "virtude" não pode conter nesta passagem seu significado mais amplo e geral. Isto é, não pode representar toda a turma, a rodada inteira, de excelências morais e espirituais. Caso contrário, se o seu alcance fosse realmente tão amplo como este, seria supérfluo dizer mais adiante, "para o seu conhecimento acrescente temperança e à sua temperança, paciência"; pois essas qualidades já teriam sido implícitas. Quando olhamos para a palavra mais de perto, portanto, e lembramos que a "virtude", em seu sentido antigo, denotava algo vigoroso, masculino, forte, podemos levá-la a um ponto, nomeando-a de coragem moral. Para sua fé, acrescente coragem moral - essa é a verdadeira mensagem do nosso texto.

 

- HR Mackintosh, Life on God 's Plan, p. 228.

 

2 Pedro 1: 52 Pedro 1: 5 f.

 

O progresso do qual São Pedro fala é um desenvolvimento de dentro. Não é a concessão a uma certa qualidade de uma coisa que não existe originalmente; é o desdobramento de uma coisa que está latentemente lá. É o florescimento da vida da flor que dorme já na raiz; a expansão na glória meridiana do sol adormecido no amanhecer. É uma exortação para expandir a vida do germe, para lembrar quais possibilidades são dobradas dentro do germe. Essa fé, em si mesma tão pequena, é declarada a semente de todas as outras coisas.

 

- George Matheson, Marcos da moralidade cristã, pp147, 148.

 

Referências. - I: 5. - E. Branco, Christian World Pulpit, vol. xlvi. p323. HR Heywood, sermões e endereços, p184. Basil Wilberforce, Santificação pela Verdade, pp129, 138. A. Maclaren, Exposições da Sagrada Escritura - Pedro, p. I: 6, 6.J. Keble, sermões aos domingos depois da Trindade, pt. Eu. p1. I: 5-7. - J. Iverach, Christian World Pulpit, vol. xlvi. p91. I: 6. - ABO Wilberforce, Christian World Pulpit, vol. xlv. p218. Basil Wilberforce, Santificação pela Verdade, pp150, 160, 170. I: 6, 7. J. Keble, Sermões para os Domingos Depois da Trindade, pt. Eu. p10. I: 7. Basil Basil Wilberforce, Santificação pela Verdade, p180.

 

O homem que não consegue enxergar longe o suficiente

 

2 Pedro 1: 92 Pedro 1: 9

 

"O homem de visão curta" é o nosso assunto, e o apóstolo o traz diante de nós de forma bastante impressionante. A palavra oculista usada para miopia física é "miopia". É um termo que significa o achatamento da lente do olho de tal maneira que a visão do distante é turva e escura. Agora, esta é exatamente a palavra grega que o apóstolo usa aqui quando diz desta oração de Manassés: "Ele não pode ver de longe". Em uma palavra, ele está sofrendo de miopia espiritual. Embora interessado em descobrir as coisas que estão perto, ele é espiritualmente incapaz de apreciar as coisas que estão longe.

 

Como no caso da prece de Manassés há muito esperada, também aqui esta falha de visão pode assumir duas formas. Pode ter em conta o passado ou o futuro. Pode ser uma cegueira na visão da memória ou na visão da antecipação. Um homem pode ficar cego pelo esquecimento ou pela negligência.

 

  1. É o primeiro destes o escritor desta epístola tem especialmente em sua mente. "Aquele que falta estas coisas", diz ele, falando das graças de uma vida santa, "é cego", na medida em que "ele se esqueceu de ter sido purgado dos seus antigos pecados".

 

Foi assim com o homem do nosso texto. Houve um tempo em sua vida quando seu coração pulsou com uma grande emoção, quando Cristo era uma realidade em sua alma, quando ele olhou em visão para a cruz, e sentiu como ele fez para que a culpa de seus pecados fosse removida, que ele foi "purgado de seus antigos pecados". Cristo crucificado morreu de sua vida. A fé no evangelho evangélico tornou-se fraca e distante. O amor ao Salvador se tornou frio. Ele "esqueceu que foi purificado de seus antigos pecados". Ele se tornou sombrio, míope em sua visão de um grande passado.

 

Qual é a cura para a miopia espiritual? Não é apenas a elevação dos olhos? O "homem com o muck-rake" nunca teria se recuperado na terra se seus olhos tivessem visto a coroa de ouro acima de sua cabeça. "Vou levantar os olhos para as colinas de onde vem o meu auxílio." As grandes colinas de Deus, com seus horizontes e elevações distantes, são necessárias para dar frescor e cura aos olhos contraídos com as coisas da Terra.

 

  1. Mas enquanto o nosso texto tem uma mensagem para aqueles que não podem ver de longe o seu passado, ele não tem menos insistência para aqueles que não podem olhar para as obscuras distâncias do futuro.

 

Deus não nos deixou sem um esboço do nosso futuro. "Eu te mostrarei o caminho da vida", diz ele à alma obediente; e embora possa haver muitas surpresas nesse caminho, sua direção geral é governada por grandes leis espirituais que nunca mudam.

 

Lembro-me de um homem que uma vez me contou sobre um momento terrível de sofrimento físico em sua vida. Preocupações de negócios e excesso de trabalho roubaram-lhe toda a sua resistência nervosa. O sono abandonou-o. A loucura o encarou no rosto. Ele deixou seu negócio e foi de um lugar para outro na cansada busca pela saúde. Mas durante todo esse tempo, uma determinação manteve-se firme em seu coração. Ele nunca usaria narcóticos de nenhum tipo para obter esquecimento de sua miséria ou o resto que a natureza negasse. Ele foi aconselhado a fazer isso de novo e de novo, mesmo por conselheiros habilidosos. Mas a todos ele disse: "Não! Eu prevejo qual será o fim disso. Eu me tornarei escravo de algum hábito terrível e morrerei a morte de um covarde". Deixe-me morrer, se morrer eu devo, lutando ". Então ele lutou e venceu. Quem é sempre espancado quando ele luta assim? Eu nunca conheci um. Ele voltou um homem mais forte tanto no corpo quanto na mente e na alma.

 

A clarividência também tem outro valor. Pode ser uma inspiração no desencorajamento, bem como um impedimento em perigo. Pode estimular o corredor, bem como alertar o imprudente. Como nos jogos gregos, o louro erguido encorajou o competidor, de modo que, no conflito da vida, a visão do prêmio distante incita o competidor e revive seu ardor.

 

-W. Macintosh Mackay, tipos bíblicos de homens modernos, p168.

 

Vizinhança religiosa

 

2 Pedro 1: 92 Pedro 1: 9

 

Para saber quais são essas deficiências que mutilam a vida religiosa de um homem, devemos voltar à categoria de qualidades que necessitam de cultivo, que Pedro nos dá. "Para a fé, acrescente a virtude." A virtude, ou força interna, conecta-se com a vontade. porque é através da vontade que funciona: "Para conhecer a virtude". É através de todos os canais da vida intelectual que o conhecimento é recebido e valorizado. "E para a temperança do conhecimento." Temperança está preocupada com o governo das paixões; Deus, na limpeza de um homem de suas poluições passadas, procura a sujeição das paixões bem-governadas ao Seu serviço. "para temperança paciência." paciência conecta-se com as sensibilidades, através do qual são feitas para sofrer. na limpeza a Oração de Manassés ,Deus procura a pós-harmonia de todas as suas sensibilidades com a vontade divina. "E para paciência piedade." Ao separar um homem do mal, Deus busca a resposta de todas as faculdades religiosas a suas operações. "E a piedade bondade fraternal e caridade." Essas qualidades ligam-se à esfera das afeições. O apóstolo descreve a falta dessas coisas, primeiro, sob a metáfora de um grave defeito em um dos principais sentidos físicos; e, segundo, sob a figura de um lapso no funcionamento das potências intelectuais.

 

  1. Aquele que está querendo em uma ou todas essas altas qualidades não possui o órgão primário da perfeita percepção espiritual. "Ele é cego." Quantos de nós temos visões inadequadas do que significa salvação! Algumas pessoas não vêem nada na salvação, mas livramento da ira e da tempestade e do fogo eterno. Uma visão miseravelmente defeituosa que é! Deus não nos salva para nos colocar em algum nível seguro de mediocridade moral e nos deixar aqui, mas para nos levar à comunhão com Ele mesmo. "Aquele que não tem essas coisas é cego." E agora Peter suaviza a expressão e substitui um termo um pouco mais suave. Na melhor das hipóteses, a cegueira é semi-cegueira. "Ele não pode ver de longe." Ele discerne o próximo, mas está completamente em falta quando ele trata do distante.

 

  1. Mais uma vez, São Pedro descreve a falta dessas excelências cristãs superiores sob a figura de um lapso intelectual. "Tendo esquecido a limpeza do seu antigo pecado." O valor de uma conversão pode ser perdido por lembrança imperfeita. As próprias bases de todo relacionamento elevado e santo com Deus, e de todas as nobres possibilidades espirituais, são perdidas quando um homem esquece que foi expurgado de seu antigo pecado e ilustra o esquecimento em negligência dessas altas excelências de caráter.

 

III Estas palavras implicam que a memória da graça passada será uma inspiração viva e eficaz para nós em cada passo sucessivo do nosso aperfeiçoamento. Uma lembrança ininterrupta e sempre grata do amor que Deus nos mostrou quando nos salvou pela primeira vez nos inspirará a satisfazer as exigências mais elevadas de nossa vida e obrigação cristãs. Toda imperfeição tem sua raiz na ingratidão e indiferença à graça passada.

 

Emancipação do passado

 

2 Pedro 1: 92 Pedro 1: 9

 

Vamos reconhecer de imediato a inevitável luta pela qual a emancipação do passado é alcançada, e ainda assim insistir na gloriosa possibilidade da redenção completa.

 

  1. A condenação do passado deve ser tratada. A solene verdade de que "Deus requer aquilo que é passado" está registrada em nossa consciência, e impelida por ela. Os negligentes consideram o perdão o mais simples, o mais fácil e o menos oneroso dos atos; e os antigos pecados caem no esquecimento indiferentemente com antigos almanaques. No entanto, despertando para a verdade das coisas, estamos ao mesmo tempo conscientes da extrema seriedade do orgulho, da vontade própria e da maldade que envenenaram os anos que se passaram. Pela primeira vez o pecado se torna uma realidade. A consciência não conhece nada da facilidade da absolvição. A ciência não encontra lugar para clemência. O governo não acha fácil perdoar. Quando chegamos a pensar profundamente e verdadeiramente, dar uma chance à consciência, raciocinar nossa ação como aos olhos de Deus, sabemos que nada menos do que um milagre pode purificar nossa culpa e nos libertar do passado iníquo e morto clamando por nosso sangue. Esse milagre foi operado em Cristo Toda a revelação testifica que Deus não achou fácil perdoar. O elaborado sistema de adoração e sacrifício do templo descrito no Antigo Testamento simbolizava a majestade da lei moral e a imensa dificuldade de mostrar misericórdia ao pecador. E esse é o tremendo problema que o Novo Testamento se propõe a resolver. Deixe a velha vida e os velhos pecados nas profundezas do amor de Deus, o mérito de Cristo, a graça do Espírito Santo. Então a nossa é a paz que excede o entendimento, e não seremos confundidos. Esse milagre foi operado em Cristo Toda a revelação testifica que Deus não achou fácil perdoar. O elaborado sistema de adoração e sacrifício do templo descrito no Antigo Testamento simbolizava a majestade da lei moral e a imensa dificuldade de mostrar misericórdia ao pecador. E esse é o tremendo problema que o Novo Testamento se propõe a resolver. Deixe a velha vida e os velhos pecados nas profundezas do amor de Deus, o mérito de Cristo, a graça do Espírito Santo. Então a nossa é a paz que excede o entendimento, e não seremos confundidos. Esse milagre foi operado em Cristo Toda a revelação testifica que Deus não achou fácil perdoar. O elaborado sistema de adoração e sacrifício do templo descrito no Antigo Testamento simbolizava a majestade da lei moral e a imensa dificuldade de mostrar misericórdia ao pecador. E esse é o tremendo problema que o Novo Testamento se propõe a resolver. Deixe a velha vida e os velhos pecados nas profundezas do amor de Deus, o mérito de Cristo, a graça do Espírito Santo. Então a nossa é a paz que excede o entendimento, e não seremos confundidos. E esse é o tremendo problema que o Novo Testamento se propõe a resolver. Deixe a velha vida e os velhos pecados nas profundezas do amor de Deus, o mérito de Cristo, a graça do Espírito Santo. Então a nossa é a paz que excede o entendimento, e não seremos confundidos. E esse é o tremendo problema que o Novo Testamento se propõe a resolver. Deixe a velha vida e os velhos pecados nas profundezas do amor de Deus, o mérito de Cristo, a graça do Espírito Santo. Então a nossa é a paz que excede o entendimento, e não seremos confundidos.

 

  1. A energia do mal interior é uma dificuldade portentosa para ser dominada. Tão logo desafiamos seriamente o mal da nossa natureza, ela adquire uma vitalidade e força que nos surpreendem e nos confundem. Mais uma vez chegamos a um milagre da graça. O cisma, a luta e a tristeza da natureza humana são curados na verdade e no amor de Cristo Jesus. O espírito de vida em Cristo Jesus nos torna livres da lei do pecado e da morte.

 

—WL Watkinson, A Suprema Conquista, p36.

 

A miopia espiritual

 

2 Pedro 1: 92 Pedro 1: 9

 

Essas pessoas de quem o apóstolo fala estavam em uma palavra pessoas de visão curta. Eles aceitaram o Evangelho quando foi pregado pela primeira vez, mas nunca levaram a religião a sério. Eles não tinham dado diligência para acrescentar virtude à fé, conhecimento à virtude e temperança ao conhecimento, e paciência à temperança, e piedade à paciência e amor à piedade. Não houve nenhum esforço sério depois da santificação. Eles não haviam feito nenhuma tentativa de arrancar, arrancar e expulsar os agradáveis ​​vícios da carne à qual haviam sido viciados. Eles nunca haviam feito um esforço na auto-negação diária, no manejo diário da cruz e na purificação diária.

 

  1. Primeiro, deixe-me falar de miopia e pecado. O pecado traz consigo uma gratificação imediata. A Bíblia reconhece isso francamente. Fala dos prazeres do pecado. Pecado no momento significa deleite; em última análise, significa morte. No momento, promete prazer; a longo prazo, significa o verme que não morre e o fogo que não se apaga. E os homens pecam porque se cegam para tudo o que parece distante e remoto, para arrependimento e remorso, vergonha e inferno que o pecado implica; e tenha olhos apenas para o que está mais próximo - a gratificação imediata. O cobiçoso vê seu crescente monte de ouro, e não sua alma magra e murcha. O bêbado vê satisfação por seu apetite, e não pelo túmulo do bêbado. O perdulário vê gratificação por sua luxúria em chamas, e não pelo inferno do devasso. A miopia é a mãe do pecado. Os homens pecam porque só veem o que está próximo.

 

  1. Em segundo lugar, deixe-me falar de miopia e mundanismo. Realmente o mundanismo é apenas uma forma de pecado, e no princípio de que quanto maior é o menos, tudo o que eu disse sobre o pecado se aplica também ao mundanismo.

 

A razão do pecado prevalente e universal do mundanismo é a miopia espiritual. Os prêmios que a terra oferece são palpáveis, tangíveis, imediatos. Eles absorvem a atenção dos homens, absorvem seus pensamentos, preenchem o horizonte de seus desejos. O céu e o sorriso de Cristo, e o bem-feito de Deus, parecem remotos, distantes, incertos. Dinheiro, prazer, fama, banimento. eles da mente, e para a aquisição dessas coisas os homens se dedicam, vendo apenas "o que está próximo".

 

Nossa segurança está no longo olhar. Que ninguém te persuadir de que o pensamento do céu é a marca do homem sonhador e impraticável. Charles Kingsley era um dos homens mais árduos e práticos, mas o céu nunca esteve ausente de seu pensamento. Dr. Dale foi o último homem no mundo contra quem uma sentença de sentimentalismo poderia ser trazida, mas quão grande o lugar ocupado pelo céu em sua vida. O pensamento pode ser reunido pelo espaço reservado aos hinos sobre o melhor país do livro que ele compilou. O pensamento do céu não é uma coisa pouco prática e sonhadora; é o meio pelo qual devemos nos emancipar da escravidão do transitório e do perecer.

 

III Em terceiro lugar, deixe-me dizer uma palavra sobre miopia e desespero. Às vezes caímos em desânimo e algo como desespero em nosso serviço cristão. Vem tempos para todos nós quando nos sentimos como Elias quando debaixo do zimbro, e dizemos como ele: "Senhor, deixa-me morrer, porque trabalhei em vão e em vão". Qual é a causa e origem do nosso desânimo? Miopia. Nós apenas olhamos para as coisas que estão próximas.

 

E o remédio para esse desespero e desespero é o longo olhar. "Levante os olhos para o alto", diz o antigo livro. Nós nos desesperamos quando vemos apenas as coisas que estão próximas - o pecado, o vício, a indiferença e a insensibilidade dos homens; mas ganhamos coragem e esperança quando vemos a Deus.

 

JD Jones, Elims of Life, p.

 

Esquecendo a limpeza

 

2 Pedro 1: 92 Pedro 1: 9

 

"Aquele que falta estas coisas." Que coisas? Os tesouros radiantes são nomeados em um verso anterior: fé, virtude, conhecimento, temperança, paciência, piedade, amor dos irmãos, amor. Vamos entender a ordem do pensamento do Apóstolo. "Tendo esquecido a limpeza." Essa não é a conseqüência final, é a causa primária. A "falta" e a "cegueira" não criam o esquecimento, elas são criadas. por isso.

 

  1. "Tendo esquecido." Esqueceu o que? "A limpeza". No Novo Testamento, há uma gradação reconhecida na importância dos deveres. Alguns dos mandamentos são descritos como "mínimo" e outros como "maior". Há uma gradação semelhante na importância das verdades. "Eu entreguei a você em primeiro lugar" as verdades relativas à "limpeza"; "primeiro de tudo", como de importação primária e indizível. "Cristo morreu pelos nossos pecados"; "antes de tudo", como radical e alfabético, em que tudo o que procura ser positivo e duradouro deve tomar sua raiz. "Ele foi entregue por nossas ofensas e ressuscitou para nossa justificação." Você conhece a eminência exaltada que essas verdades ocuparam nos ensinamentos do apóstolo Paulo. "Em primeiro lugar," proclamou o apóstolo Paulo: "Cristo morreu pelos nossos pecados". "Primeiro de tudo", repete o Apóstolo Pedro, "Cristo já sofreu pelos pecados, o justo pelos injustos, para nos levar a Deus". "Primeiro de tudo", grita o apóstoloJoão, "o sangue de Jesus Cristo, seu filho, nos purifica de todo pecado". Agora, o que eles reivindicam para o trabalho? Eles alegaram que a verdade era um evangelho de poder, "o poder de Deus para a salvação". Deixe as verdades primárias terem o primeiro lugar; sejam eles príncipes na vida consciente; e os príncipes da consciência aparecerão como princípios de conduta, enchendo a vida de paixão e entusiasmo moral e convertendo um trabalho relutante em uma liberdade exultante.

 

  1. Mas, agora, destrua a verdade energizante. O que então? A prática se tornará impraticável. Você não pode eliminar a teologia e reter a moralidade. Destrua a purificação e arrefeça a paixão pela perfeição; exalte a purificação e o entusiasmo moral se torna abundante. Temos uma confirmação abundante da seqüência na história dos séculos cristãos.

 

III Qual é a questão final? "Cegueira." O que deixamos de desejar, porque deixamos de ver. Quando a paixão moral esfria, os ideais morais se desvanecem ou vemos "apenas o que está próximo". A vida que perdeu seu plano de fundo perde seu primeiro plano. Essa é a ordem e a sucessão dessa degeneração apavorante - esquecimento da graça, frouxidão moral, ideal perdido. Volte a questão. Se quisermos ver claramente, se quisermos contemplar o celestial, apreciá-lo, sermos receptivos às seduções do ideal e do eterno, nossa vida moral deve ter entusiasmo apaixonado e, para um entusiasmo apaixonado, a consciência precisa ser possuído pelas grandes verdades energizantes da limpeza.

 

- JH Jowett, Otimismo Apostólico, p.

 

Referências. - I: 1-9. - JD Jones, Elims of Life, p. Expositor (6ª Série), vol. vi. p55.

 

2 Pedro 1:102 Pedro 1:10

 

Creio que todos somos chamados e eleitos para a vida eterna, mas que podemos frustrar o conselho de Deus, e que, portanto, somos exortados a tornar segura nossa vocação e eleição, a não nos certificarmos de que somos chamados e eleitos, mas para tornar nossa indiscutível chamada e eleição firme, sólida, como os schines disseram sobre a democracia. A democracia existia, mas poderia ser garantida, ou poderia ser minada pela oligarquia facciosa.

 

  1. Erskine, cartas, p.

 

Referências. - I: 10. - HW Webb-Peploe, The Record, vol. xxvii. p797. Dom Welldon, O Evangelho em uma grande cidade, p.

 

Diligência Sagrada e Ambição Sagrada

 

2 Pedro 1: 10-112 Pedro 1: 10-11

 

O que significam as palavras de Pedro: "Faça seu chamado e eleição certo" significa? Ele estava desconfiado das pessoas para quem ele estava escrevendo? Ele tinha alguma dúvida sobre sua eleição e seu chamado? Ambas suas Epístolas foram escritas precisamente para as mesmas pessoas. , pois em sua segunda epístola ele diz: "Esta segunda Epístola, amado, eu agora escrevo para você". Ele estava escrevendo "para os estrangeiros espalhados por Pontus, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia, eleitos de acordo com a presciência de Deus, "para que ele não tivesse nenhuma dúvida sobre sua eleição, e ele não parecia ter qualquer dúvida sobre seu chamado, pois ele disse:" você é uma geração escolhida, um sacerdócio real, uma nação santa, um povo peculiar: que você deve mostre os louvores dAquele que vos chamou ".Ele estava escrevendo para homens e mulheres que receberam o chamado eficaz do Espírito Santo.

 

  1. Como podemos ter certeza de nosso chamado? Descobrindo quais são as características do chamado de Deus. (1) O chamado de Deus é para a santidade, e se formos capazes de dizer que ansiamos pela santidade, podemos ter certeza de que recebemos o chamado de Deus. (2) É também um chamado que leva à glorificação do Senhor Jesus, e se em alguma medida humilde Jesus está sendo glorificado em nós, então nosso chamado foi feito certo.

 

  1. Existe sagrada ambição no texto. Deve haver a entrada abundante.

 

- GA Brown, The Baptist, vol. LXXI p420.

 

Referências. - I: 10, 11. - Spurgeon, Sermons, vol. iii. No123 RF Horton, Christian World Púlpito, vol. lix. p297. CD Bell, o nome acima de cada nome, p193. T. Binney, Kings Sermons da Capela da Casa dos Pesos, p. 138. I: 11. - Expositor (4ª Série), vol. I, pág.34: 11, 15. - A. Maclaren, Exposições da Sagrada Escritura - Pedro, p 206. I: 12, 17. - Ibid., (6ª Série), vol x 2. p285.I: 15. - H. Melvill, Penny Pulpit, No1597, p175, Expositor (5a Série), vol, vi, p270. I: 16. - Ibid., (6ª Série), vol. Vi, p.49; ibid., (7ª Série), vol. V. Pág. 505. D. Heagle, Essa Abençoada Esperança, pág.

 

Os três tabernáculos

 

2 Pedro 1:16 2 Pedro 1:16 ; 2 Pedro 1:182 Pedro 1:18

 

O corpo de Moisés, sobre o qual São Miguel Arcanjo lutou contra Satanás, o corpo que fora sepultado por Deus num vale contra Betpeor, que ninguém conhecia seu lugar de repouso, apareceu em glória. O corpo de Elias, que havia sido levado em uma carruagem de fogo e cavalos de fogo, retornou mais uma vez à terra. Aquele que dá a lei e o maior dos profetas, veio dar testemunho dEle que foi o Criador da Lei e o inspirador dos profetas. Agora foi cumprido o que foi escrito por Isaías - "Então a lua será confundida, e o sol se envergonhará, quando o Senhor dos Exércitos reinará no Monte Sião e em Jerusalém, e diante dos Seus anciões gloriosamente".

 

  1. E do que eles falam? "Eles apareceram em glória e falaram da sua morte." Para falar da morte no auge desta glória! Para falar de uma morte vergonhosa, uma morte de agonia, em meio a tal brilho como o mundo nunca antes tinha visto! Sim, mas o texto não termina assim. Eles "falaram da Sua morte que Ele deveria realizar". Que palavra maravilhosa! Quando falamos assim? Dizemos que um homem realiza a libertação da morte, mas para realizar a própria morte, quem assim falaria? E ainda mais, "falaram da sua morte, que ele deveria realizar em Jerusalém". Agora Jerusalém significa a visão da paz. Pois foi por Sua morte que reconciliou o homem com Deus. E isso de fato foi um assunto glorioso para uma temporada de glória. Esta era uma visão mais brilhante e melhor do que a de Moisés, quando ele o levou ao topo de Pisga, e contemplou toda a terra que Deus havia prometido a seu povo. Esta era uma perspectiva mais nobre do que Elias, quando a carruagem o levava acima das nuvens e seu manto caiu de cima dele.

 

  1. São Pedro falaria: "É bom para nós estarmos aqui, e façamos três tabernáculos. Não, bom Pedro. Isto não é o que queremos. Não queremos três tabernáculos senão uma mansão. Não queremos tabernáculos que possam ser derrubado e removido, queremos uma casa não feita com as mãos, que nunca pode ser abalada. E nós só queremos um. Há apenas um esconderijo do vento, um encoberto da tempestade, uma arca. Nosso Senhor Jesus Cristo é tudo isso e Ele é um.

 

—JM Neale, Sermões em Sackville College Chapel, vol. IV. p85.

 

O Evangelho da Certeza

 

2 Pedro 1: 16-212 Pedro 1: 16-21

 

Em nosso texto, Pedro expõe as linhas de evidência em favor do cristianismo. São três: Testemunho Oral, Escritura e Experiência Pessoal. "Um cordão tríplice não é quebrado rapidamente."

 

  1. Quanto ao Testemunho Oral. Ele diz: "Não seguimos fábulas engenhosamente inventadas, quando lhe fizemos conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, mas fomos testemunhas oculares de Sua Majestade". (1) Tal evidência tem peso válido. Estamos o tempo todo aceitando isso. Noventa e nove por cento do nosso conhecimento vem por boatos. Recebemos o testemunho de testemunhas oculares a menos que haja uma razão especial para rejeitá-lo. (2) Essa evidência, em favor do cristianismo, tem um enorme valor cumulativo para nós. Existem algumas centenas de milhões de pessoas vivendo hoje que estão preparadas para testemunhar sua experiência pessoal no poder salvador do evangelho. Afirma-se que um corpo tão grande de testemunho é de peso esmagador. A única questão é quanto ao caráter das testemunhas. Sua credibilidade pode ser impugnada? Pedro e seus companheiros apóstolos eram homens de origem humilde, mas honestidade inquestionável, que tinham tudo a perder e nada a ganhar com seu campeonato do nazareno crucificado; e com seu sangue eles selaram sua devoção a ele. E o que dizer daqueles que constituem a Igreja Universal de hoje? Que mil sejam escolhidos ao acaso de qualquer comunhão de crentes e mil de fora; e faça uma comparação justa entre eles. Nós vamos respeitar a questão. Foi por tal comparação que Alexander Pope, ele mesmo um incrédulo, foi levado a fazer essa definição histórica: "Um cristão é o estilo mais elevado do homem". e com seu sangue eles selaram sua devoção a ele. E o que dizer daqueles que constituem a Igreja Universal de hoje? Que mil sejam escolhidos ao acaso de qualquer comunhão de crentes e mil de fora; e faça uma comparação justa entre eles. Nós vamos respeitar a questão. Foi por tal comparação que Alexander Pope, ele mesmo um incrédulo, foi levado a fazer essa definição histórica: "Um cristão é o estilo mais elevado do homem". e com seu sangue eles selaram sua devoção a ele. E o que dizer daqueles que constituem a Igreja Universal de hoje? Que mil sejam escolhidos ao acaso de qualquer comunhão de crentes e mil de fora; e faça uma comparação justa entre eles. Nós vamos respeitar a questão. Foi por tal comparação que Alexander Pope, ele mesmo um incrédulo, foi levado a fazer essa definição histórica: "Um cristão é o estilo mais elevado do homem".

 

  1. A próxima linha de evidência é a Escritura; da qual Pedro diz: "Temos também uma palavra de profecia mais segura, à qual bem fazeis em prestar atenção, como a uma luz que brilha num lugar escuro". É óbvio que deve haver em algum lugar um critério final de verdade. Não se pode supor que o Pai Celestial deixasse Seus filhos à deriva sem um mapa para sua direção. Este é o fundamento e a razão das Escrituras. Eles foram destinados a ser a nossa regra de fé final e infalível. E eles são tão recebidos, apesar de toda controvérsia, pela Igreja Universal. (1) O apóstolo justifica sua confiança nas Escrituras, acrescentando que elas "não vêm pela vontade do homem; mas os homens santos falaram como foram movidos pelo Espírito Santo". (2) Além disso, o apóstolo diz que as Escrituras assim escritas não são " de qualquer interpretação particular ". A palavra traduzida como" privada "é literalmente" própria ". Isso significa que nenhum homem é seu próprio intérprete.

 

III Mais uma linha de evidência é nomeada por Pedro: a saber, Experiência Pessoal. A experiência pessoal adiciona confirmação final ao testemunho oral e às Escrituras. Todas as vozes, humanas e divinas, são ineficazes até que, por apropriação vital, tornemos o Evangelho um fato que resida em nós. A verdade é colocada além de toda perventura quando a estrela do dia surge em nossos corações. Uma coisa é melhor, e apenas uma - vê-lo no brilho de sua glória celestial.

 

DJ Burrell. O Evangelho da Certeza, p9.

 

Referências. - Expositor (6ª Série), vol. vi. p53. I 17-20. - Bispo Gore, Christian, World Pulpit, vol. liv. p88. Eu: 18. - CS Robinson, Simon Peter, p. Expositor (5ª Série), vol. viii. p467; ibid. (Sétima série), vol. v. p367. I: 19. - ETJ Marriner, Sermões Pregados em Lyme Regis, p. 19119-21. - Expositor (6ª Série), vol. vi. p54; ibid. vol. x. p286.

 

Água da fonte

 

2 Pedro 1:202 Pedro 1:20

 

A idéia da passagem é esta: é uma passagem muito difícil, mas esta é a essência e a essência dela: Nenhuma profecia é um sonho do profeta; de fato, o profeta tem pouco ou nada a ver com isso; ele é um mero instrumento através do qual a revelação vem, e quando ele está fora de seu estado profético, ele está consciente de que grandes presenças passaram antes de sua visão, que grandes questões foram declaradas e grandes visões foram vistas. Ele é um mero instrumento. O órgão não é a música; é apenas o instrumento através do qual a música é expressa.

 

  1. Agora veja o que flui desta interpretação do texto. Primeiro de tudo, a profecia não é literatura humana. É algo mais, é uma quantidade além. Isso me leva para longe, sobre campos e pastos, através de florestas e vinhedos, cada vez mais longe, até que eu perco por um momento no próprio céu. A Bíblia é um livro imensurável; começa, mas nunca acaba. Você está fazendo esse uso da Bíblia? Você diz: "É literatura e, sendo literatura, deve ser medida pelo dicionário e pela gramática?" O que eles podem medir? Eles são instrumentos ruins; eles podem ir apenas um pouco nas interpretações das visões e revelações Divinas. Saiba que a sua visão está correta quando leva você ao auto-esquecimento, auto-sacrifício e a própria paixão da devoção. Onde estão nossos homens apaixonados hoje, todos os homens fogo, todo o calor, toda seriedade? Se a Bíblia fosse apenas literatura, seria, naturalmente, medida pelo léxico e pela gramática; mas não é mera literatura, mas como eu já disse, literatura e algo mais, e o que mais é algo que o Espírito Santo deve nos ensinar.

 

  1. E depois, em segundo lugar, esta proposição de que a Bíblia não é mera literatura humana é provada por sua qualidade. Não há ninguém como isso; Eu nunca provei a água assim. Conheço este rio da Bíblia pela qualidade de suas águas e seu conteúdo geral. Algumas pessoas leem fora da Bíblia todo o seu significado, e elas provavelmente culparão a visão dos videntes que leram o que imaginam ser uma matéria estranha. Meus irmãos pregadores, devemos entrar no espírito, na poesia original e no pensamento da Bíblia, antes que possamos realmente entendê-la; e quando estou lá, estou nos lugares secretos das moradas do Altíssimo, e as águas da crítica, boas ou más, nunca chegam a esse nível tão poderoso e maravilhoso. Você luta pelo espírito e não precisa ter medo, e não terá medo de que a Bíblia tenha tido o seu dia. Salvação não é de gramática,

 

Não quero saber o que Davi disse, quero saber o que o Espírito quis dizer com a boca de Davi. Não devemos dizer que Davi não escreveu este Salmo, ou Davi não poderia ter escrito este Salmo; David estava morto quinhentos anos antes disso. Eu não estou contente com estas coisas, quero saber o que o Senhor, o Espírito Santo, quis dizer com estas palavras, quando Ele falou através da boca do Profeta, e nenhum homem pode me ajudar a menos que ele esteja no mesmo espírito.

 

  • Joseph Parker, City Temple Pulpit, vol. VI. p214.Referências. - I: 21. - M. Biggs, Sermões Práticos sobre Assuntos do Antigo Testamento, p. HDM Spence, Voices and Silences, págs. 49, 65. HE Ryle, Christian World Pulpit, vol. lv. p241. H. Melvill, Penny Pulpit, No1591, p123. JR Cohu, O Sermão da Montanha, p. II: 1. - Expositor (4ª Série), vol. v. p188; ibid. (5ª série), vol. ii. p236; ibid. (6ª série), vol. iii. p106; ibid. vol. x. p56; ibid. (Sétima série), vol. v. p171. A. Maclaren, Exposições da Sagrada Escritura - Pedro, p. II: 4. - GW Allen, Christian World Pulpit, vol. xliii. p70. Spurgeon, Sermons, vol. xxxi. No1820. Expositor (6ª Série), vol. vi. p70; ibid. vol. x. p286. II: 5. - Ibidem. (4ª série), vol. ii. p25a II: 6. - Ibidem. (5ª série), vol. vi. p380. II: 8. - Ibidem. p290. II: 9. - Ibidem. p213. Spurgeon, Sermons, vol. xli. No2441 II: 11. - Expositor (6ª Série), vol. vi. p221. II: 11-13. - Ibidem. vol. x. p289. II: 15, 16. - BJ Snell, Christian World Pulpit, vol. li. p153. II: 15-18. - Expositor (6ª Série), vol. x. p290. II: 17.-H. Bonner, Sermons and Lectures, p218. II: 21. — Expositor (5ª Série), vol. vi. p91; ibid. vol. viii. p470.
  • fonte bibliografia Dicionário do Expositor de Textos
  • /www.mauricioberwald.comunidades.net