Translate this Page

Rating: 2.6/5 (285 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Lição adolescentes 4 trim 2019 biblia livro atual
Lição adolescentes 4 trim 2019 biblia livro atual

                                                        

 

ADOLESCENTES 

Lição 1- A origem da Bíblia

Lição 2- A Bíblia é a inspirada Palavra de Deus

Lição 3- Aprendendo sobre os dois testamentos

Lição 4- O que são os Evangelhos

Lição 5- O que são as Epístolas

Lição 6- A atualidade da mensagem Bíblica

Lição 7- A Bíblia e a Ciência

Lição 8- A Bíblia ensina a cuidar da terra

Lição 9- A Bíblia ensina a amar o ser humano

Lição 10- A Bíblia ensina a honrar os pais

Lição 11- A bíblia ensina a respeitar os idosos

Lição 12- A Bíblia ensina a respeitar as autoridades

Lição 13- Um convite para semear a palavra de Deus

TODAS LIÇÕES AQUI 

Lição 1- A Origem da Bíblia

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017 – Lição do Aluno

TEXTO BÍBLICO

2 Timóteo 3.16,17; 2 Pedro 1.20,21

Destaque

"Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver" (2 Timóteo 3.16).

 

Trocando ideias

Capa preta, camuflada, de pelúcia cor de rosa, de papel, no tablet ou no smartphone, não importa. Todo mundo na igreja tem uma Bíblia. Afinal, ela é a Palavra de Deus que nos revela o que devemos fazer para ganhar a vida eterna: reconhecer Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador. Como Sagradas Escrituras, a Bíblia tem transformado a vida de milhões de pessoas através dos séculos. Mas, vem cá: você sabe como ela foi escrita e chegou até nós? Não? Então, vire a página e descubra!

ESTUDANDO A BÍBLIA

Você já deve ter visto a cena: seu pai comprou algum equipamento elétrico ou eletrônico, a família fica na expectativa quando ele o tira da caixa, em meio a isopores e plástico-bolha. Ele monta o equipamento, coloca sobre a mesa, conecta na tornada e... nada. O aparelho não liga. Ele coça a cabeça, olha para o painel, aperta um botão, dois, todos. Então ele olha para os lados, vê a caixa e lá de dentro tira um livretinho branco com letras pequenas e misteriosas: o manual do fabricante.

Não tem jeito. Pode ser um celular ou um carro 0 km. Temos a mania de achar que já sabemos tudo e só lemos o manual dos aparelhos quando algo dá errado. Mas você sabia que fazemos isso com um "equipamento" muito mais valioso e complexo: nós mesmos?

Fomos criados por Deus e Ele preparou o mais maravilhoso e completo "manual do usuário" para nos orientar como termos uma vida plena, santa e realizada: a Bíblia. Mas como o aparelho da nossa história, muita gente só lê o manual quando algo dá errado. Alguns nem assim! Mas qual a história por trás deste manual de fé e de prática chamado Bíblia?

 

COMO SURGIU O MANUAL DO FABRICANTE?

Talvez você já tenha ouvido falar que a Bíblia é composta de 66 livros escritos por 40 autores diferentes, certo? Bom, isto é verdade, mas não é toda a verdade. Ao ler a Bíblia, percebemos que há uma unidade nela, uma lógica, que só seria possível se ela tivesse sido escrita pela mesma pessoa ao longo dos mais de 1600 de anos que levaram para ela estar completa. Mas como isso é possível? Cada escritor dos livros da Bíblia foi inspirado por uma mesma pessoa a escrever seu livro. Um autor maior, eterno. Sim, você sabe de quem eu estou falando: Deus (Is 30.8). A Bíblia é o livro de Deus, escrito por homens para todos os homens (Ex 24.4).

 

Deus criou um mundo perfeito, mas o pecado do homem corrompeu a criação. Então Ele elaborou um plano para consertar as coisas e o revelou desde o início lá no jardim do Éden (Gn 3.15). Um plano de redenção e de salvação que foi executado por Jesus e se completará com a sua volta e o resgate da Igreja, no final dos tempos. Um plano com começo meio e fim-de Gênesis a Apocalipse. A Bíblia é o registro deste plano, para que todos saibam o tamanho do amor de Deus (Jo 3.16). Por tudo isso é que podemos afirmar que a Bíblia é a Palavra de Deus.

 

COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS?

Talvez você não saiba, mas a Bíblia nem sempre foi um livro de capa preta com livros divididos em capítulos e versículos. Na verdade, no início ela nem era de papel!

Você já leu o livro de Gênesis? Nele você aprende, entre outras coisas, sobre o início da humanidade e dos primeiros povos, uma época onde nem alfabeto havia. E sem ele, não há escrita.

 

Peraí. Se não tinha alfabeto, não tinha escrita. Senão tinha escrita, não tinha livro. Se não tinha livro, como a gente sabe da história de Adão, Noé e Abraão?

Boa pergunta. Da mesma forma que você sabe das histórias sobre a infância e juventude de seus pais e avós: ouvindo os mais velhos. No início as histórias eram contadas de pai para filho, de geração a geração, até que a escrita foi inventada. E a Bíblia conta isso: "Pois falarei com vocês por meio de provérbios e explicarei os segredos do passado. São coisas que ouvimos e aprendemos, coisas que os nossos antepassados nos contaram" (SI 78.2,3).

 

Mas a escrita foi inventada e aí, as histórias da Bíblia, que antes eram apenas contadas, puderam ser registradas e lidas por todos -todos que sabiam ler, obviamente. Mas ainda era muito diferente da Bíblia que temos hoje.

 

 

*Dúvida! Em que língua a Bíblia foi escrita?

O Antigo Testamento foi escrito quase todo ele em hebraico, a língua falada em Israel. Sua escrita é muito diferente da nossa: no hebraico, as palavras não têm vogais, as frases não têm sinais e são lidas da direita para esquerda, ao contrário do que fazemos em português.

 

Alguns poucos trechos foram escritos em aramaico, uma língua aparentada ao hebraico e que muitos estudiosos afirmam que era a língua falada em Israel na época de Jesus.

 

Já o Novo Testamento foi escrito em grego, uma língua universalmente conhecida no mundo antigo na época do Império Romano, assim como o inglês é hoje.

Mas durante muito tempo ela não existiu no formato como vemos hoje: um único volume contendo os 66 livros.

 

Os livros eram escritos separados uns dos outros e, com isso nem todas as igrejas cristãs tinham todos os livros que compõe a nossa Bíblia. Além disso, demorava muito para se ter um único livro da Bíblia, pois tinham de ser copiados manualmente um a um.

 

Mas quando Gutemberg inventou a imprensa no séc. XVI, ele fez uma revolução tecnológica. O primeiro livro a ser produzido e reproduzido foi justamente a Bíblia. A Palavra de Deus passou a ser distribuída em uma quantidade e velocidade infinitamente maiores do que na época em que era copiada manualmente. Agora, muito mais pessoas poderiam ler a Bíblia e serem abençoados por ela! Mas ainda havia uma barreira: a língua. Naquela época a Bíblia só era escrita em latim, uma língua que poucos tinham acesso.

 

Mas pouco tempo depois, outra revolução aconteceu. Desta vez uma revolução religiosa: a Reforma Protestante. Conforme as igrejas protestantes iam pregando o Evangelho pelo mundo, a Bíblia foi sendo traduzida para diversas línguas: alemão, francês, inglês, holandês e, finalmente, o português.

 

A BÍBLIA NOS DIAS ATUAIS

Hoje a Bíblia é o livro mais lido do mundo, traduzida para centenas de línguas, abençoando e transformando vidas. Mas algumas pessoas têm dificuldade de entender a Bíblia e até mesmo preguiça de lê-la. Outras simplesmente não acreditam nos milagres que ela registra. Mas tudo isso são desculpas e não argumentos convincentes.

Veja só:

  1. Linguagem difícil: é verdade que a Bíblia foi traduzida para o português no distante século XVI e que a nossa língua mudou muito de lá para cá. Mas existem hoje diversas traduções da Bíblia em português: Revista e Corrigida (ARC), Revista e Atualizada (ARA), Nova Versão Internacional (NVl), Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH), etc. Basta escolher qual a tradução se adapta melhor a sua leitura.

 

  1. Escrita em outra época e cultura: Isto também é verdade, mas se você não matou as aulas de história, vai entender tudo. Além disto, existem Bíblias de estudo que possuem notas e comentários que nos ajudam a entender cada passagem da Bíblia, explicando seu contexto histórico e os costumes da época.

Dica: Uma Bíblia muito interessante é a Bíblia do Adolescente Aplicação Pessoal, com notas e estudos escritos especialmente para você, mostrando como a Palavra de Deus pode ajudá-lo em cada momento desta fase de sua vida.

 

  1. Fatos maravilhosos: isto é uma questão de fé. Ou a pessoa crê que existe um Deus que pode fazer o que quiser, inclusive abrir o Mar Vermelho ou fazer descer fogo do céu sobre o altar do profeta ou não crê. Muitas dessas pessoas preferem não crer em Deus e em sua Palavra porque isto significa ter que reconhecer que não vivem segundo a vontade dEle, pois não estão dispostas a mudar de vida para seguir a Deus. Então, estas pessoas preferem afirmar que a Bíblia possui erros, contradições ou lendas, mesmo sem ter lido uma única página do Livro Sagrado.

 

Conclusão

Como acabamos de ver, a Bíblia, é o manual que Deus pessoalmente preparou não apenas para que vivêssemos de acordo com a sua vontade, mas para que pudéssemos alcançar o céu e viver para sempre com Ele, por meio da salvação em Cristo Jesus. Também já vimos que tal qual o manual de um equipamento eletrônico, não devemos esperar termos algum problema na vida para procurarmos a solução na Palavra de Deus, temos de ler a Bíblia sempre, para usarmos o equipamento - nossa própria vida - de forma correta e também para quando ocorrer algum imprevisto (um acidente, uma perseguição, uma tentação, qualquer coisa!), sabermos como agir na hora.

 

Recapitulando

Fomos criados por Deus e Ele preparou o mais maravilhoso e completo "manual do usuário" para nos orientar como termos uma vida plena, santa e realizada: a Bíblia. Ela é a Palavra de Deus que nos ensina como viver. Mais que isso, ela nos revela o que devemos fazer para ganhar a vida eterna: seguir a Jesus Cristo e reconhecê-lo como nosso Senhor e Salvador.

 

Ao ler a Bíblia, percebemos que há uma unidade nela, uma lógica, que só seria possível se ela tivesse sido escrita pela mesma pessoa. Cada autor dos livros da Bíblia foi inspirado por Deus a escrever seu livro (Êx 17.14, Ez 1.3).

Ela é o registro do plano de salvação que foi executado por Jesus e se completará com a sua volta e o resgate da Igreja, no final dos tempos, para que todos saibam o tamanho do amor de Deus.

Enquanto o Antigo Testamento foi escrito quase todo ele em hebraico, e algumas partes em aramaico, o Novo Testamento foi escrito em grego.

 

Hoje a Bíblia é o livro mais lido do mundo, traduzida para centenas de línguas, abençoando e transformando vidas. Apesar de existirem hoje diversas traduções em português, há algumas pessoas que têm dificuldade de entender e até mesmo preguiça de lê-la.

 

As Sagradas Escrituras são o manual que Deus pessoalmente preparou para que vivêssemos de acordo com a sua vontade e para que pudéssemos alcançar o céu e viver para sempre com Ele, por meio da salvação em Cristo Jesus.

 

Refletindo

  1. Como você imaginava que a Bíblia havia sido formada?
  2. Você sabe qual povo fala o hebraico hoje?
  3. O que você pode fazer para ler a Bíblia com menos dificuldade?

 

 

Lição 2- A Bíblia é a Inspirada Palavra de Deus

TEXTO BÍBLICO

Salmos 119.1-12

Destaque

"Como pode um jovem conservar pura a sua vida? É só obedecer aos teus mandamentos" (Salmos 119.9).

Trocando ideias

Bem, se você veio na aula passada, já sabe que a Bíblia levou 1600 anos ser concluída, é composta de 66 livros, foi escrita por quarenta pessoas diferentes, mas que, no fundo, possui um único autor: o próprio Deus.

#muitacalmanessahora! Aperte a tecla pause aí: quarenta escritores, mas um só autor? Como isso funciona? Deus foi ditando e as pessoas iam escrevendo? E qual a importância de saber isso? Muita, muitíssima! É este é o nosso desafio de hoje!

ESTUDANDO A BÍBLIA

Fez a redação que eu mandei?

- Não deu, não, professor.

- Por quê?

- Sabe como é, eu tava sem inspiração...

- Entendo. Mas eu posso te ajudar. Você tem até o final da aula para achar inspiração, senão eu te dou um zero, ok?

- Opa! Eu acho que a inspiração já está chegando, mestre!

Inspiração. Essa é uma daquelas palavrinhas que todo mundo sabe mais ou menos o que é, mas ninguém sabe explicar direito o que significa.

 

Ela é usada para descrever situações quando alguém faz algo acima do normal. Quando isso acontece, dizemos que aquela pessoa "estava inspirada". Mas ela também é usada de outra forma. Quando alguma coisa chama a nossa atenção e serve de esta/o para uma ideia que acabamos de ter, dizemos que "tivemos uma inspiração". É muito comum ouvirmos falar de pintores e escultores que buscam uma inspiração para fazerem suas obras de arte. No passado, poetas tinham suas "musas inspiradoras": moças pelas quais eram apaixonados e para quem dedicavam suas poesias. Por tudo isso, é muito comum associarmos a inspiração com questões ligadas a cultura, a arte e até mesmo aos esportes. Mas você sabia que ela está muito associada à Bíblia, a Palavra de Deus?

 

 

O QUE É A INSPIRAÇÃO PLENA DA BÍBLIA?

A Bíblia afirma ser "a Palavra de Deus", isto é, o que está escrito nela foi Deus que determinou que assim fosse registrado ao inspirar seus escritores. O próprio Jesus chamou assim as Escrituras do Antigo Testamento desta forma (Mt 15.6). Mas o que isto importa para nós? Em primeiro lugar, sabemos que Deus é santo, perfeito, imutável e eterno. Se a Bíblia foi inspirada por Deus, isto é, é fruto do pensamento de Deus, então ela é também santa, perfeita, imutável e eterna (1Pe 1.23). E isto é muito bom, pois nos dá segurança de que ao lermos a Bíblia encontramos ensinamento seguro para nossas vidas, que vem diretamente do coração de Deus para nós. Porém, há pessoas que alegam que nem tudo o que está na Bíblia foi inspirado por Deus, pois ela foi escrita por homens falíveis como eu e você. E agora?

 

É verdade que a Bíblia foi escrita por homens, mas é a própria Bíblia que afirma ser ela plenamente inspirada por Deus e não só algumas partes (2 Tm 3.16). Portanto, quando falamos que a inspiração plena de Deus se estende a toda a Bíblia, é toda mesmo:

  1. a) As mensagens - 2 Pe 1.20,21;
  2. b) As palavras - Mt 22.43;
  3. c) Os tempos verbais - Gl 3.16;
  4. d) Até mesmo os sinais-Mt 5.17,18.

 

HOMENS QUE ELABORARAM O MANUAL DO FABRICANTE (o Lado Humano)

Bom, já vimos que a Bíblia foi inspirada por Deus, mas para escrevê-la, Ele contou com colaboradores humanos.

Dúvida. Mas como funcionou esta inspiração? Deus ditou e as pessoas escreviam? Bom, não há uma única resposta para essa pergunta. Há algumas passagens na Bíblia que são realmente assim, Deus dizendo o que queria que fosse escrito, especialmente nos livros proféticos (Jr 36.1,2; Os 1.1; Zc 8.1-4). Mas esse não era o único jeito. Os Salmos, por exemplo, são orações em forma de poesia na qual seus escritores expunham seus sentimentos, angústias e também a sua fé e seu amor a Deus (SI 9.1,2; 61.1,3).

Provavelmente nenhum deles podia imaginar que seriam lidas milhares de anos depois em certo país da América do Sul!

 

Muitos desses homens tinham consciência que estavam sendo inspirados por Deus para revelar a sua vontade. Paulo deixou isso claro quando afirmou que "quando falamos, nós usamos palavras ensinadas pelo Espírito de Deus e não palavras ensinadas pela sabedoria humana. Assim explicamos as verdades espirituais aos que são espirituais" (1Co 2.13).

 

TaCerto. Mas quem foram os homens que escreveram a Bíblia?

Foi um monte de gente, mas não sabemos o nome de todos, pois alguns livros da Bíblia não informam quem os escreveu.

Sabemos que os 5 primeiros livros da Bíblia - Gênesis, Êxodo, Números, Levítico e Deuteronômio-tenham sido escritos por Moisés. Ainda no Antigo Testamento encontramos outros escritores como Josué, Davi, Salomão, Daniel, Jeremias, Isaías, etc. Já o Novo Testamento possui livros escritos por Mateus, João, Pedro e Judas, discípulos de Jesus, e também pelo apóstolo Paulo, Marcos, Lucas e Tiago, irmão de Jesus.

No total, foram cerca de 40 escritores da Bíblia, muito diferentes entre si: Moisés foi educado no Egíto; Davi foi pastor de ovelhas. Salomão foi rei; Mateus era cobrador de impostos enquanto Pedro e João eram pescadores. Isto mostra que Deus usa quem quer e do jeito que quiser, pois a obra é dEle e o critério de escolha não é o talento ou a cultura que a pessoa tem, mas sim a sua fé e comunhão com o Senhor: "O Deus, o meu sacrifício é um espírito humilde; tu não rejeitarás um coração humilde e arrependido" (SI 51.17).

 

Como já vimos, nem todos os escritores da Bíblia sabiam que o que escreviam para ser lido pelas pessoas de sua época se tornaria uma Escritura Sagrada. Muito menos que iria ser lido através dos séculos! Afinal, nem sempre Deus revela para nós seus propósitos nem como a missão que Ele nos confiou se encaixará em seu plano de salvação.

 

O Espírito Santo inspirou esses homens (O Lado Divino)

A Bíblia é um verdadeiro milagre: inspirada por Deus, mas escrita por diversas pessoas ao longo de mais de 1500 anos, ela possui tanta unidade, tanta coerência em sua mensagem que só encontramos uma explicação: de Gênesis a Apocalipse, a Bíblia é a Palavra de Deus revelada aos homens. Vemos a mão dos homens que a escreveram na diferença de estilo de escrever de cada livro, mas vemos também a mão de Deus nas verdades espirituais contidas nestes mesmos livros. Inspirada por Deus, mas escrita por homens.

 

*TôConfuso! Mas quem me garante que a Bíblia foi inspirada por Deus?

Ela mesma. Veja só o que está escrito em 2 Pedro 1.20,21: "Acima de tudo, porém, lembrem disto: ninguém pode explicar, por si mesmo, uma profecia das Escrituras Sagradas. Pois nenhuma mensagem profética veio da vontade humana, mas as pessoas eram guiadas pelo Espírito Santo quando anunciavam a mensagem que vinha de Deus." Davi também tinha consciência de que foi usado por Deus: "O Espírito do SENHOR fala por meio de mim, e a sua mensagem está nos meus lábios" (2 Sm 23.2). Quer mais? Vamos então com o apóstolo Paulo: "Mas foi a nós que Deus, por meio do Espírito, revelou o seu segredo. O Espírito Santo examina tudo, até mesmo os planos mais profundos e escondidos de Deus" (1Co 2.10).

 

*ExplicaMais. E Jesus? O que Ele disse sobre isso?

Boa pergunta. Aliás, boa não, ótima. Jesus Cristo, o unigénito Filho de Deus, a todo o instante citava passagens da Bíblia e lhe dava valor de Palavra de Deus. Veja só:

"Jesus respondeu: — As Escrituras Sagradas afirmam: 'O ser humano não vive só de pão, mas vive de tudo o que Deus diz'" (Mt 4.4).

"Jesus respondeu: — E por que é que vocês desobedecem ao mandamento de Deus e seguem os seus próprios ensinamentos?" (Mt 15.3).

E Jesus também disse: "Que eles sejam teus por meio da verdade; a tua mensagem é a verdade" (Jo 17.17).

 

 

Conclusão

Disso tudo que vimos hoje, que lição podemos tirar para nossa vida? Deus, o Criador do universo, o Todo-Poderoso, decidiu contar com pessoas comuns como o pastor Davi, o pescador Pedro, e eu e você para fazer- e escrever - coisas extraordinárias. Quando Deus te inspirar a fazer algo, faça! Permita--se ser usado por Deus. Você pode nem ver o resultado final de seu esforço. Mas saiba que estará contribuindo com mais uma peça no maravilhoso quebra-cabeça preparado por Deus chamado Plano da Salvação.

 

Recapitulando

A Bíblia afirma ser "a Palavra de Deus", isto é, o que está escrito nela foi Deus que determinou que assim fosse registrado ao inspirar seus escritores.

É verdade que a Bíblia foi escrita por homens, mas é a própria Bíblia que afirma ser ela plenamente inspirada por Deus e não só algumas partes (2 Tm 3. 16). Portanto, a inspiração plena de Deus se estende a toda a Bíblia.

 

No total, foram cerca de 40 escritores da Bíblia. Eles eram homens das mais variadas profissões. Isto mostra que Deus usa quem quer, do jeito que quiser, pois a obra é dEle e o critério de escolha não é o talento natural ou a cultura que a pessoa tem, mais sim o de sua fé e comunhão com o Senhor.

 

De Gênesis a Apocalipse, a Bíblia é a Palavra de Deus revelada aos homens. Vemos a mão dos homens que escreveram na diferença de estilo de escrever de cada livro, mas vemos também a mão de Deus nas verdades espirituais contidas nestes mesmos livros.

 

A própria Bíblia, através de diversas passagens, garante que foi inspirada por Deus. Jesus Cristo, o unigênito Filho de Deus, a todo o instante citava passagens da Bíblia e lhe dava valor de Palavra de Deus.

 

O Altíssimo poderia ter feito tudo sozinho, mas decidiu contar com pessoas comuns para fazer coisas extraordinárias. Deixe Deus te usar.

 

REFLETINDO

  1. O que significa para você, a Bíblia AFIRMAR ser "a Palavra de Deus"?
  2. Mencione algumas características humanas na Bíblia.
  3. Mencione algumas característicos divinas na Bíblia.

 

Lição 3 - Aprendendo Sobre os dois Testamentos

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

Josué 1.1-12; Oseias 6.1-6

Destaque

"Fale sempre do que está escrito no Livro da Lei. Estude esse livro dia e noite e se esforce para viver de acordo com tudo o que está escrito nele. Se fizer isso, tudo lhe correrá bem, e você terá sucesso" (Josué 1.8).

Trocando ideias

Nos encontramos de novo! Você já viu como e por quem a Bíblia foi escrita e como Deus inspirou seus escritores a registrarem a sua mensagem em cada um de seus 66 livros.

 

 

 

Hoje vamos ver como e porque a Bíblia está dividida em dois grandes blocos: Antigo e Novo Testamento. O que será que eles têm de diferente, de exclusivo entre si, e de complementar?

 

Ao final desta aula, você descobrirá uma pessoa muito especial ao longo de toda a Bíblia: Jesus Cristo.

ESTUDANDO A BÍBLIA

Meus irmãos, abram a Bíblia em Amos capítulo 3, versículo 3. Para quem não sabe, Amos fica depois de Joel e antes de Obadias.

- Já achou?

- Eu não! Fica no Novo Testamento?

- O pastor falou que fica entre Joel e Obadias,

- Ok, essa parte eu entendi. Mas onde é que ficam Joel e Obadias?

Não tem jeito. Tem certos livros da Bíblia que a gente tem uma dificuldade enorme de achar, especialmente alguns profetas menores do Antigo Testamento. Aliás, você sabe qual a origem da palavra Bíblia? E Testamento?

 

A palavra Bíblia veio para o português através do latim, mas a sua origem é o grego, onde significa "livros". A própria Bíblia chama a si própria de "os escritos" ou as "as Escrituras" (Mt 21. 42 e 2 Tm 3. 15).

 

As duas partes da Bíblia são chamadas de Antigo e Novo Testamento. A palavra "testamento", geralmente na Bíblia grega, é traduzida por "concerto".

 

Portanto, quando falamos de testamento na Bíblia, estamos nos referindo às alianças ou pactos que Deus firmou com a criação, com seu povo e, por fim, com todos nós por meio de Jesus Cristo.

 

A Bíblia toda é a Palavra de Deus, então, é muito importante lermos, e entendermos toda a Bíblia. Mas saiba que nem tudo do Antigo Testamento se aplica a nós, cristãos, pois muitas regras, normas e preceitos foram determinados por Deus exclusivamente para o povo de Israel. Mesmo assim, apontam para Jesus.

 

O Antigo Testamento, a Palavra antiga de Deus

Dos 66 livros que compõem as Bíblias lidas pelas igrejas evangélicas (a Bíblia católica tem alguns livros a mais e a Torá judaica não tem o Novo Testamento) 39 estão no Antigo Testamento.

Dúvida! Se a história de Jesus está no Novo testamento, para quê ler o Antigo?

Muitos não dão a devida atenção a ele, mas o Antigo Testamento é muito importante, pois é por intermédio dele que sabemos que:

1) Existe um Deus Todo-Poderoso Criador de todo o universo;

2) Que Ele fez o mundo perfeito;

3) Que o pecado do homem nos separou da comunhão com Deus;

4) Que Deus é justo, puro, santo e misericordioso;

5) Que Deus elaborou um plano para salvar o homem;

6) Que Deus escolheu um homem para dele criar um povo especial;

7) E que a este povo especial Ele daria os seus mandamentos;

8) E, por fim, deste povo, nasceria o Messias, o Salvador prometido.

 

Percebeu quanta coisa importante há no Antigo Testamento? Na prática ele é uma introdução que mostra todo o plano de Deus para a vida terrena de Jesus. Mas não é só isso. O Antigo Testamento era toda a Palavra de Deus que Jesus e os discípulos tinham para ler, pois o Novo Testamento ainda não havia sido escrito. O novo escrito estava acontecendo! O próprio Jesus leu o livro de Isaías na sinagoga de Nazaré (Lc 4.16-27), lembra? Citou os Salmos, e diversas passagens do Antigo Testamento. Como Ele mesmo disse: "Não pensem que eu vim para acabar com a Lei de Moisés ou com os ensinamentos dos Profetas. Não vim para acabar com eles, mas para dar o seu sentido completo" (Mt 5.17).

Ok Entendi! Mas quais são os livros do Antigo Testamento? Bom, o Antigo Testamento está dividido da seguinte forma:

SEÇÕES

LIVROS

 

 

Pentateuco

Gênesis

Êxodo

Números

Levítico

Deuteronômio

 

 

 

Livros Históricos

Josué

Juízes

Rute

I Samuel

II Samuel

I Reis

II Reis

I Crônicas

II Crónicas

Esdras

Neemias

Ester   

 

Livros de Sabedoria

Salmos

Provérbios

Eclesiastes

Cantares

 

Profetas Maiores

Isaías

Jeremias

Lamentações

Ezequiel

Daniel

 

 

Profetas Menores

Oseias

Joel

Amos

Obadias

Jonas

Miqueias

Naum

Habacuque

Sofonias

Ageu

Zacarias

Malaquias

 

Outra Dúvida!

Por que tem "Profetas maiores" e "Profetas menores" uns são mais importantes que os outros?

Não, nada a ver. Esta divisão é apenas por causa do tamanho dos livros. Os profetas maiores são aqueles que escreveram mais, só isso. Afinal, Toda a Palavra de Deus é igualmente importante.

 

O Novo Testamento, uma novidade para vida!

 

 

Já sabemos que a Bíblia tem no total 66 livros e que o Antigo testamento tem 39. Isto quer dizer que o Novo Testamento tem, tem... Adivinha! O Novo Testamento é formado por 27 livros. Mas que livros são esses, como se dividem?

SEÇÕES

LIVROS

Evangelhos

Mateus, Marcos, Lucas e João

História

Atos dos Apóstolos

 

 

 

 

Epístolas Paulinas

Romanos

I Coríntios

II Coríntios

Galátas

Efésios

Filipenses

Colossenses

l Tessalonicenses

lI Tessalonicenses

l Timóteo

lI Timóteo

Tito

Filemon

 

 

Epístolas Gerais

Hebreus

Tiago

I Pedro

II Pedro

I João

II João

III João

Judas

Profético

Apocalipse

 

*MeDáUmHelp.

Mas são tantos livros, por onde devo começar a ler?

Olha, a minha dica é que comece pelos Evangelhos, sabe por quê? E lá que você encontrará as palavras e os ensinamentos que o próprio Jesus disse.

 

*Não Entendi!

Qual a importância disso?

Nos Evangelhos, você verá a conclusão do plano da Salvação que Deus prenunciou lá em Génesis 3.15 passo a passo na vida de Jesus. Mais ainda: lembre-se: Jesus é o Filho de Deus, a segunda pessoa da Trindade, o próprio Deus habitando entre os seres humanos. Você não acha que, de tudo o que Ele disse ao longo destes 1500 anos em que a Bíblia foi escrita, Ele não escolheu o que era de mais importante para dizer pessoalmente?

 

Depois dos Evangelhos, vem o livro de Atos dos Apóstolos, que é a continuação do Evangelho de Lucas. Ele nos conta como a Igreja começou a se desenvolver e a se espalhar após a ascensão de Jesus aos céus e a descida do Espírito Santo.

 

Já nas Epístolas, nós vemos os ensinamentos de Jesus sendo aprofundados e discutidos: a doutrina da salvação, a prática do amor ao próximo, a vida em comunidade nas igrejas, etc.

 

*Show! Mas o que são epístolas?

São cartas. Naquela época não havia telefone, e-mail ou rede social. A única forma de comunicação à distância era por meio de cartas. O apóstolo Paulo fundou diversas igrejas e, mesmo depois de sair de lá para fundar uma nova comunidade cristã ele procurava se manter informado do que estava acontecendo e aconselhava os irmãos por meio destas epístolas. Eram cartas endereçadas, que ele escrevia especialmente para a igreja de Corinto, de Tessalônica, para seu filho na fé Timóteo, etc. Já as epístolas escritas pelos outros não deixaram claro para quem estavam escrevendo, então são as epístolas gerais.

Mas, na prática, todas elas são tão úteis para nós hoje, como foram para a igreja cristã do século I.

 

*TôEntendendo. E o livro de Apocalipse?

Este é o livro que fecha perfeitamente toda a Bíblia. Se o Génesis nos revela como foi o início de tudo, o livro de Apocalipse nos revela como o plano de Deus se encerrará, com o resgate da Igreja e o castigo dos maus. Mas o livro de Apocalipse é um livro muito complexo, cheio de simbolismos e, por isso mesmo, difícil de se entender.

 

 

 

Conclusão

Deu para perceber a importância de toda a Bíblia? De Génesis a Apocalipse, são 66 livros contando uma história de amor: o amor de Deus por sua Criação, a ponto de traçar um plano desde o princípio, que alcança seu ponto alto com Jesus e a sua conclusão no arrebatamento da Igreja, ainda por acontecer. Mas que pode ser resumido em um único versículo: "Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna" (Jo. 3.16).

Vale a pena ou não conhecer esta história em detalhes? Então, mãos à obra, vamos ler a Bíblia!

ATIVIDADE

Correlacione as colunas:

1) Livro do Pentateuco          (  ) Lucas

2) Livro Histórico                   (  ) Daniel

3) Livro de sabedoria            (  )Tiago

4) Profeta maior                    (  ) Apocalipse

5) Profeta menor                   (  ) Números

6) Evangelho                         (  ) II Crônicas

7) Epístola Paulina                (  ) Naum

8) Epístola geral                    (  ) Provérbios

9) Profético                            (  ) Filemon

 

Recapitulando

A palavra Bíblia veio para o português através do latim, mas a sua origem é o grego, onde significa "livros". A própria Bíblia chama a si própria de "os escritos" ou as "as Escrituras" (Mt 21.42 e 2 Tm 3.15).

As duas partes da Bíblia são chamadas de Antigo e Novo Testamento. A palavra "testamento", geralmente na Bíblia grega, é traduzida por "concerto". Portanto, quando falamos de testamento na Bíblia, estamos nos referindo as alianças ou cactos que Deus firmou com a criação, com seu povo e, por fim, com todos nós por meio de Jesus Cristo.

A Bíblia toda é a Palavra de Deus, então, é muito importante lermos, e entendermos a Bíblia toda.

Dos 66 livros que compõem as Bíblias lidas pelas igrejas evangélicas, 39 estão no Antigo Testamento e 27 do Novo Testamento.

O Antigo Testamento está dividido em Pentateuco, livros históricos, livros de sabedoria, profetas maiores e profetas menores. Na prática ele é uma introdução que mostra todo o plano de Deus para a vida de Jesus.

O Novo Testamento está dividido em evangelhos, livro histórico, epístolas paulinas, epístolas gerais e livro profético.

De Gênesis a Apocalipse, a Bíblia conta a história do amor de Deus por sua Criação, a ponto de traçar um plano desde o princípio, que alcança seu ponto alto com Jesus e a sua conclusão no arrebatamento da Igreja.

 

Refletindo

  1. Quantos livros a Bíblia tem?
  2. Quantos livros há no Antigo Testamento e no Novo Testamento?
  3. O que a Bíblia representa para a sua vida?

 

 

 

Lição 4- O Que são os Evangelhos

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

 

TEXTO BÍBLICO

Marcos 1.1-8

Destaque

"A boa notícia que fala a respeito de Jesus Cristo, Filho de Deus, começou a ser dada" (Marcos 1.1).

 

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Mateus 2.1-6

Ter. Marcos 1.15

Qua. Lucas 1.1-3

Qui. João 1.14 e 15

Sex. Atos 10.42

Sáb. Romanos 1.16

Dom. Gálatas 1.18

 

Clique e acesse

Objetivos

  1. Destacar a singularidade dos Evangelhos;
  2. Apontara a historicidade dos Evangelhos;
  3. Explicar a importância de se ler e praticar os Evangelhos.

 

MATERIAL DIDÁTICO

TV e aparelho de DVD para passar um filme bíblico.   

Quebrando a Rotina

Vamos exemplificar a importância de se ter quatro evangelhos. Mostre uma cena breve de um filme. Se não houver condições de mostrar o filme, faça uma pequena-encenação com os alunos. Escolha quatro alunos para escreverem, com suas palavras a história que acabaram de ver. Explique para eles para escreverem não apenas o que for falado, mas também o, que estão vendo (cenários, acontecimentos, etc.). Ao final, peça para cada um deles ler os textos que escreveram. Se tudo der certo, teremos quatro textos diferentes contando a mesma história. Um descreverá melhor o cenário, outro melhor as pessoas e, todos descreverão bem o que foi dito. Ao final, explique à turma que, assim são os Evangelhos, quatro visões de pessoas diferentes, mas verdadeiras sobre o mesmo fato: a vida de Jesus.

ESTUDANDO A BÍBLIA

Para ensinar o Novo Testamento, é preciso primeiro entendê-lo:

Os quatro primeiros livros do cânon do Novo Testamento são chamados de Evangelhos porque são os registros escritos das primeiras pregações das boas novas a respeito de Cristo, fies constituem um tipo distinto de literatura. Não são biografias completas, pois não tentam narrar todos os fatos da carreira de Jesus; nem são apenas histórias; nem são sermões, embora incluam pregações e discursos; também não são apenas relatos de notícias. Todos esses elementos aparecem neles, combinados em uma forma de organização que aparece apenas nos escritos cristãos. Estes escritos tinham a finalidade de expressar a mensagem básica dos primeiros pregadores cristãos que foi escrita para instruir os crentes na certeza de sua fé" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de janeiro: CPAD, 2006, p. 712 ).

 

Você conhece aquele versículo: "Melhor que dares o peixe é ensinares a pescar"? E aquele: "A dois mil chegarás, de dois mil não passarás"? Sabe quem disse eles? Se você respondeu Jesus, parabéns! Você errou. Aliás, se você respondeu Moisés, Davi, Isaías ou qualquer outro autor da Bíblia, você errou do mesmo Jeito. Estes "versículos" (e muitos outros) não são versículos de verdade, pois nunca estiveram na Bíblia, muito menos nos Evangelhos.

Se liga! Não basta colocar um "tu" ou um "vós" em uma frase para ela virar versículo da Bíblia, que falha...

E o que Jesus disse de verdade, você sabe? Se você não sabe o que Ele mandou fazermos como poderá obedecê-lo? Se não sabe o que Ele ensinou, como poderá anunciá-lo? Se você não conhecer de verdade -o que Jesus disse e fez, como poderá ser de verdade-um cristão?

 

Esse é o seu e o meu desafio diário-ser a cada dia um seguidor de Jesus e não apenas um frequentador de igreja. Vai por mim, a diferença entre essas duas coisas é grande!

 

Mas para conhecer a Jesus você tem de mergulhar fundo nos quatro Evangelhos da Bíblia, entender como e por quê cada um deles foi escrito e nossa jornada começa agora!

 

 

 

Quem escreveu os quatro Evangelhos

O primeiro Evangelho não diz quem o escreveu, mas desde a época da Igreja Primitiva ele é atribuído a Mateus, um dos doze discípulos de Jesus. Mas quem era Mateus? O próprio Evangelho de Mateus (Mt 9.9) diz que ele era um publicano, isto é, um funcionário público que coletava impostos para o Império Romano. E bem provável que Mateus, assim como seu colega de profissão Zaqueu, fosse bastante odiado pelos judeus. Mas isso foi antes de conhecer a Jesus. Aí ele deixou tudo e tornou-se seu discípulo. Ou seja, Mateus viu quase tudo o que escreveu sobre Jesus, pois estava lá com Ele.

 

E quem seria o Marcos que escreveu o Segundo Evangelho? A Igreja Primitiva afirmava que foi João Marcos que o escreveu. Marcos (At 12.12) era parente de Barnabé (Cl 4.10) que participou com ele da primeira viagem missionária de Paulo (At 13.4,5,13). João Marcos, como vemos, não era um dos discípulos de Jesus, mas conviveu com eles, o que lhe deu condições de escrever um Evangelho preciso e carreto baseado nas informações das pessoas que andaram com Jesus.

 

O Terceiro Evangelho foi escrito por Lucas, um médico (Cl 4.14), que também foi companheiro de Paulo em suas viagens missionárias de pregação do Evangelho (2 Tm 4.11). Um detalhe interessante de Lucas é que ele escreveu seu Evangelho para uma pessoa, um tal Teófilo, para que este conhecesse a história de Jesus. £ ao abençoar uma pessoa, Lucas acabou abençoando a todos nós com seu Evangelho. Mais tarde ele escreveu também para Teófilo os Atos dos Apóstolos.

 

E o que dizer de João? Embora o Próprio Evangelho não diga quem o escreveu, dá pistas. Por exemplo, ele nunca chama o discípulo João pelo nome (1.37-40 e 18.15-17). Em outras passagens chama João de "o discípulo a quem Jesus amava". Já os demais discípulos são citados sem problema. Este fato parece indicar que o próprio discípulo João, o pescador irmão de Tiago e filho de Zebedeu, escreveu este Evangelho, mas não quis citar a si próprio por humildade.

AUXÍLIO DIDÁTICO

Um funcionário público, um missionário, um médico e um pescador. Profissões tão diferentes entre si não impediram Mateus, Marcos, Lucas e João escrevessem quatro relatos historicamente carretos e doutrinariamente sólidos e complementares entre si.

Mostre a seus alunos que não importa a origem deles, sua idade ou suas capacidades: Deus pode fazer maravilhas por meio deles.

De que falam os Evangelhos

 

Dúvida! Porque 4 evangelhos contando a mesma história? Não bastava um só?

Boa pergunta! Se duas pessoas diferentes foram escrever sobre uma mesma coisa que viram, um acidente de trânsito, por exemplo, darão detalhes diferentes sobre o fato, pois não prestaram atenção nas mesmas coisas: um reparou no sinal de trânsito, outra no barulho da freada e assim por diante.

Com os Evangelhos são a mesma coisa: são quatro relatos parecidos - mas não iguais -sobre o ministério dejesus, poisforam escritos por pessoas diferentes para serem lidos por outras pessoas também diferentes. Veja só:

 

  1. a) Evangelho de Mateus.

Foi escrito por um judeu para os judeus. Ele enfatiza quem Jesus é, por que veio e mostra que Ele era o Messias tão aguardado por Israel para instaurar seu Reino. Por isso ele começa com uma genealogia- importante para mostrar que Jesus era o filho de Davi - (Mt 1.1-17), porque nasceu em Belém - como a profecia dizia - (Mt 1.18-25) e a todo instante cita profecias do Antigo Testamento para provar que Jesus era o Messias que havia de vir.

 

  1. b) Evangelho de Marcos.

É um evangelho curto, com muita ação. Provavelmente escrito para os romanos, pois ele explica muitas tradições judaicas, o que só faz sentido se você está escrevendo para quem não as conhece. Neste Evangelho é dada ênfase a Jesus como Cristo (Mc 8.29) e Filho de Deus (Mc 15.39).

 

  1. c) Evangelho de Lucas.

Para entendermos o Evangelho de Lucas temos de ligá-lo ao livro de Atos, pois o médico também escreveu para a mesma pessoa, Teófilo. Lucas nos mostra que as Boas Novas de salvação que ele começa a contar com o nascimento de João Batista (Lc 1.5-25) são para todos os homens -judeus e gentios - e, por isso, narra também a expansão da mensagem do Evangelho através do trabalho missionário de Paulo que alcança os gentios. Apesar de não tervisto Jesus pessoalmente, foi bastante cuidadoso em pesquisar e consultar as testemunhas oculares do homem que mudou a história do mundo (Lc 1.1-4).

 

  1. d) Evangelho de João.

Os Evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas são bem parecidos entre si (e, por isso, são chamados de Evangelhos Sinóticos), mas o Evangelho de João é diferente. João mostra desde o início que Jesus não é apenas o Rei dos judeus ou um Mestre ou mesmo o Messias. Ele é o próprio Deus criador do mundo (Jo 1.1-18). Uau! Que mensagem!

Ele não se preocupa em contar toda a história de Jesus, mas apenas aquelas que confirmam seu versículo-chave: João 3.16.

 

 

 

AUXÍLIO DIDÁTICO

Caro professor, de acordo com as suas possibilidades, reproduza o quadro abaixo e distribua para a classe. Ele trata da comparação dos quatro Evangelhos. Será válida a sua utilização em classe.

 

A boa notícia da Salvação

*Outra Dúvida! Mas qual é a tal Boa Notícia dos Evangelhos?

A resposta está aí no título: a salvação de nossas almas. Lembre-se daquilo que estudamos lá na primeira lição: Deus criou um mundo perfeito, mas o pecado do homem corrompeu a criação. Então Ele elaborou um plano para consertar as coisas e o revelou desde o início lá no jardim do Éden (Gn 3.15). Um plano de redenção, de salvação, que foi executado por Jesus. Essa é a história que os Evangelhos nos contam.

 

Por meio dos Evangelhos escritos por Mateus, Marcos, Lucas ç. João sabemos que Deus cumpriu sua promessa feita no Génesis e enviou seu filho unigénito, Jesus – a "semente da mulher" - para nascer e viver entre nós, pregando que o Reino de Deus havia chegado, "o tempo em que o Senhor salvará o seu povo" (Lc 4.15-21), e que por intermédio do arrependimento e do sacrifício do Cordeiro de Deus, os nossos pecados seriam perdoados e seríamos reconciliados com Deus e adotados como filhos e, assim, herdaríamos o céu (Jo 1.29).

 

Mas esta reconciliação não seria fácil nem de graça. Havia uma grave e enorme dívida a ser paga com Deus: Toda a história de pecados que os homens cometeram e ainda cometem deveria ser castigada (Mt 12.36). A justiça de Deus deveria ser cumprida. Eela foi cumprida em Jesus, morrendo na cruz do calvário em nosso lugar (Jo 19.30). Fomos salvos pelo amor de Deus que enviou o seu Filho para nos salvar (Jo 3.16). Como Ele mesmo disse, Jesus é "o caminho, a verdade e a vida" (Jo 14.6). Ninguém irá até o Pai sem Ele. £ nós somente sabemos de tudo isso -e muito mais - se lermos os Evangelhos.

 

AUXILIO TEOLÓGICO

"Todos os Evangelhos [..] foram escritos com o objetivo expresso de apresentar os fatos a respeito de Cristo de uma maneira que os homens possam crer nEle, e, tendo dado o passo inicial, possam continuar com uma fé inteligente" (TENNEY, Merrill C. Tempos do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p.24).

 

Conclusão

Percebeu a importância de se ler os Evangelhos? Mas não é só para ler, é para viver os Evangelhos. Aprender com cada ensinamento de Jesus, se inspirarem suas atitudes, em seu amor. Se fizer isto, você estará sendo um verdadeiro discípulo de Jesus. E isto o que Jesus espera de você, de todos nós. Que sejamos seus seguidores. Que as pessoas possam ver Jesus em nós, em nossas atitudes e palavras. £ isto somente será possível se mergulharmos no Evangelho, nas Boas Novas de Salvação. Quando isto acontecer, você poderá falar como disse o apóstolo Paulo: "Eu não me envergonho do evangelho, pois ele é o poder de Deus para salvar todos os que creem, primeiro os judeus e também os não judeus" (Rm 1.16).

 

Recapitulando

Se você não sabe o que Jesus mandou fazermos como poderá obedecê-Lo? Para conhecê-Lo de verdade, você precisa ler os Evangelhos. Você tem de mergulhar fundo nos quatro Evangelhos da Bíblia — Mateus, Marcos, Lucas e João — entender como e por quê cada um deles foi escrito.

O primeiro Evangelho é atribuído a Mateus, um dos doze discípulos de Jesus. Mateus, antes de se tornar um discípulo de Jesus era um publicano, isto é, um funcionário público que coletava impostos para o Império Romano. Ele escreveu seu Evangelho aos judeus. Por isso, Mateus enfatiza que Jesus era o Messias tão aguardado por Israel.

 

O segundo Evangelho é atribuído a Marcos, parente de Barnabé e que participou com ele da primeira viagem missionária de Paulo. Ele escreveu um evangelho curto, muito dinâmico, provavelmente escrito para os romanos. Acredita-se que o Evangelho de Marcos foi o primeiro a ser escrito.

 

Lucas escreveu o Terceiro Evangelho que nos mostra que as Boas Novas de Salvação são para todos os homens —judeus ou gentios. Apesar de não ter visto Jesus pessoalmente, foi bastante cuidadoso em pesquisar e consultar as testemunhas oculares que viram e ouviram o homem que mudou a História da humanidade.

 

O Quarto Evangelho foi escrito pelo discípulo João. Ele mostra que Jesus não é apenas o Rei dos Judeus ou um Mestre ou mesmo o Messias esperado. Ele é o próprio Deus criador do mundo que encarnou e habitou entre nós para nos salvar.

 

Lição 5- O que são as Epístolas

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

1Coríntios 1.1-9

Destaque

"Eu, Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, escrevo esta carta a vocês que, por causa da bondade do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo, receberam uma fé tão preciosa como a nossa" (2 Pedro 1.1).

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Romanos 1.1

Ter. Romanos 1.7

Qua. Romanos 1.8-15

Qui. 2Timóteo 4.5

Sex. Colossenses 3.11

Sáb. 1Pedro 4.21-14

Dom. 1Tessalonecenses 2.17

 

Objetivos

- Apresentar o propósito das epístolas;

- Despertar nos alunos o interesse em lerem as epístolas;

- Conscientizá-los de que as epístolas são úteis para orientá-los no dia a dia.

Material Didático

Mapa das viagens missionárias de Paulo.

Quebrando a Rotina

Mostre para os seus alunos a importância das epístolas para as igrejas cristãs da época. Pegue um mapa das viagens missionárias de Paulo e peça para eles marcarem no mapa cada cidade onde havia uma igreja ou pessoa para quem foi escrita uma epístola: Roma, Corinto, Colossos, Éfeso, Tessalônica, Filipos, Galácia, Timóteo (em Éfeso), Tito (em Creta), Pedro (Ponto, Galácia, Capadócia e Bitínia). Desta forma, f içara visualmente mais fácil para eles perceberem como o progresso' da obra missionária da igreja foi acompanhado posteriormente de um suporte bíblico e doutrinário para estas novas igrejas.

 

 

 

 

ESTUDANDO A BÍBLIA

Nenhum teólogo em sã consciência negará a importância das epístolas do Novo Testamento para a fundamentação doutrinária da igreja cristã. Soteriologia, Escatologia, Eclesiologia, está tudo lá, em simples cartas enviadas pelos apóstolos as suas igrejas. O difícil é fazer os adolescentes perceberem - e entenderem - toda esta riqueza espiritual. E é aí que você entra.

 

De Gênesis a Apocalipse, a Bíblia permanece atual. Mas junto com os Evangelhos, as Epístolas são os livros da Bíblia onde os adolescentes mais poderão encontrar diversos conselhos e orientações para a sua vida: a importância da fé, do amor, da prática de boas obras, do refrear a língua, está tudo lá. Se eles souberem garimpar nas páginas das epístolas, encontrarão verdadeiros tesouros para a sua vida cristã. E isto sem falar no conhecimento das principais doutrinas da fé cristã. E você, professor, deve ajudá-los a ler este mapa!

 

Naquela época a Igreja estava nascendo, crescendo e se espalhando. Então, os apóstolos tinham uma difícil escolha a fazer: ficar e orientar as igrejas que fundavam ou continuar andando pelo mundo pregando o Evangelho? De certa forma, fizeram as duas coisas. Continuaram em frente levando as Boas Novas a outros povos e terras. Mas mantinham contato com as igrejas que fundavam por meio de cartas e mensageiros para saber o que estava acontecendo e passar novas orientações a fim de que não se desviassem do bom caminho. A palavra Epístola vem do grego e significa correspondência escrita, isto é, cartas. O Novo Testamento contém 21 Epístolas. Até aí, tudo bem, você já sabia disso. Mas você sabia que elas são muito diferentes entre si? Por exemplo, algumas foram endereçadas às pessoas, outras às igrejas e outras até aos grupos de igrejas. Algumas foram escritas por Paulo, outras por outros discípulos e há uma epístola que não sabemos quem a

escreveu! Mas por meio dessas cartas, nós temos uma visão clara da vida, da fé, das dúvidas dos primeiros cristãos e também dos problemas que eles enfrentaram.

 

Mais ainda: muitas vezes essas cartas revelam os erros que eles cometeram, mas sempre vinha também a correção dos apóstolos para orientá-los a viverem suas vidas em harmonia com o Evangelho de Jesus. As Epístolas foram escritas há quase dois mil anos e, por incrível que pareça, continuam superatuais e muitíssimas úteis para nos orientar hoje tão bem quanto naquela época e tirar as dúvidas que possamos ter sobre o Reino de Deus.

 

 

 

 

As Epístolas de Paulo

O apóstolo Paulo foi o maior divulgador do Evangelho, tendo realizado três viagens missionárias. Por isso, não é de se estranhar que ele tenha escrito o maior número de epístolas também (13 no total).

 

Se você reparar bem, verá que as epístolas de Paulo são parecidas com as cartas de hoje. Veja a de Romanos: tem o remetente (Rm 1.1); tem o destinatário (Rm 1.7); tem uma saudação (Rm 1.8-15), tem o assunto da carta (Rm 1.16—15.33) e, finalmente, tem as despedidas (Rm 16).

*Dúvida! Então Paulo escreveu só para igrejas onde havia passado?

Só, não. Paulo escreveu cartas para igrejas que tinha fundado, a igrejas que ainda não havia visitado e cartas para pessoas para quem queria deixar orientações especiais. Até quando estava preso Paulo escreveu cartas. Escrever era com ele mesmo!

Veja só:

 

 

 

AUXÍLIO BIBLIOLOGICO

Caro professor, segundo os estudiosos do Novo Testamento, as epístolas do apóstolo Paulo podem ser classificadas em:

"Cartas Missionárias: Gálatas, 1 e 2 Tessalonisenses, 1 e 2 Coríntios e Romanos. Paulo escreveu essas epístolas por ser pastor fundador e estar preocupado com o bem-estar das igrejas plantadas por meio de seu ministério. Em geral, havia assuntos específicos com os quais ele se sentia impelido a lidar. As vezes, como em 1 Coríntios, ele responde perguntas específicas da igreja. Ele, com frequência, atacava as falsas doutrinas ou as condutas impróprias que ameaçavam a estabilidade da comunidade cristã.

Cartas da prisão: Efésios, Colossenses, Filemon e Filipenses. [Quando escreveu essas epístolas, o apóstolo estava preso no cárcere] Incerto do próprio destino quando escreveu essas epístolas, Paulo transmite fé na soberania de Deus e a certeza do triunfo, independentemente do que possa acontecer a ele nesta vida.

Cartas Pastorais: 1 e 2 Timóteo e Tito Embora nenhuma dessas epístolas use o termo "pastor", elas tratam de questões importantes enfrentadas pelos que são chamados a posições de liderança pastoral na igreja" (ZUCK, Roy B. Teologia do Novo Testamento. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, pp. 271, 332).

 

As Epístolas Gerais

Mais uma Dúvida! E as outras epístolas?

Boa pergunta. Embora Paulo tenha escrito a maioria das epístolas do Novo Testamento, oito delas foram escritas por outras pessoas: Tiago, Pedro, João e Judas. E há até uma epístola que não se sabe ao certo quem escreveu: a Epístola aos Hebreus. Não se sabe quem a escreveu, mas, como o próprio nome dela diz, foi escrita para os judeus convertidos. Tiago, irmão de Jesus, escreveu sua Epístola também para cristãos judeus que tinham se espalhado pelo império romano.

 

Já Pedro escreveu sua primeira epístola também para os cristãos de origem judaica que começavam a serem perseguidos por sua fé em Jesus, mas a segunda foi para todos os cristãos.

 

João, que havia escrito também um Evangelho e o livro de Apocalipse, escreveu duas cartas às igrejas cristãs gentílicas e a última para um irmão chamado Gaio. E também há a Epístola de Judas. Choque! Judas escreveu uma epístola? Calma aí! Esse Judas não é o traidor, é irmão de Jesus, como Tiago. Ele escreveu para alertar as igrejas do perigo das heresias. Mas vou montar um esquema para ficar mais fácil de entender, ok?

 

 

 

AUXILIO TEOLÓGICO

Epístolas Gerais

Sete cartas no NT-Tiago; 1 e 2 Pedro; 1, 2 e 3 João e Judas - são assim chamadas porque não contem destinatários específicos (note o contraste com as epístolas paulinas). A descrição 'sete epístolas universais' (isto é, com destino indefinido e abrangente) foi dada pela primeira vez por um patriarca da igreja, Eusébio (História Eclesiástica, CPAD). No entanto, uma leitura superficial das cartas mostra que elas não são, todas, verdadeiramente 'gerais' - 1 Pedro foi destinada a províncias específicas na Ásia Menor; 3 João foi enviada a um certo Gaio; e 3 João a uma igreja local ou a um indivíduo" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de janeiro: CPAD, 2006, p.653).

 

 

 

AUXILIO TEOLÓGICO

Professor, as epístolas não foram escritas por uma vontade pessoal de seus escritores de quererem discorrer sobre um tema doutrinário. A maioria das epístolas do Novo Testamento foi escrita em resposta a cartas ou mensagens pessoais relativas a necessidades reais das igrejas que exigiam um posicionamento oficial de um apóstolo ou de alguém com autoridade apostólica. Lembrando que na época dos apóstolos, a Igreja de Cristo não contava com a grande maioria da população.

 

Frente às outras religiões, principalmente a principal da Palestina, o Judaísmo, a fé cristã era "pequena" em número e em organização. Por isso, as instruções por intermédio das epístolas foram de fundamental importância para formar e educar gerações e gerações de crentes que entregavam suas vidas à fé em Cristo Jesus, o nosso Senhor.

 

Conclusão

Essas cartas foram escritas para pessoas que não nasceram no Evangelho - estamos falando da primeira ou no máximo a segunda geração de cristãos no mundo.

 

São judeus e gentios que abandonaram suas crenças e costumes e se converteram a Cristo (Cl 3.11). E em muitos lugares eles podiam até serem presos e mortos por causa disto (1PE 4.14-19)!

 

Mais ainda: Eles não tinham uma Bíblia completinha como eu e você para ler e tirar as suas dúvidas, simplesmente porque o Novo Testamento não existia ainda, ele estava sendo escrito! Você aguentaria esta pressão e manteria a sua f é nessa situação?

 

Nossos irmãos do passado aguentaram e, por isso, temos hoje a Palavra de Deus disponível para a sua Igreja. Portanto, valorize as Escrituras Sagradas e as leia.

 

Recapitulando

Paulo, Pedro, João e outros homens de Deus escreveram cartas - as Epístolas - para orientar as igrejas enquanto eles estavam fora, pregando o Evangelho.

 

A palavra Epístola vem do grego e significa correspondência escrita, isto é, cartas. O Novo Testamento contém 21 epístolas.

Elas foram escritas há quase dois mil anos e, por incrível que pareça, continuam superatuais e muitíssimo úteis para nos orientar hoje em dia tão bem quanto naquela época.

 

O apóstolo Paulo foi o maior divulgador do Evangelho, tendo realizado três viagens missionárias. Por isso, não é de se estranhar que ele tenha escrito o maior número de epístolas também (13 no total).

 

Paulo escreveu cartas para igrejas que tinha fundado, igrejas que ainda não havia visitado e cartas para pessoas para quem queria deixar orientações especiais. Até quando estava preso Paulo escreveu cartas.

 

Embora Paulo tenha escrito a maioria das Epístolas do Novo Testamento, oito delas foram escritas por outras pessoas: Tiago, Pedro, João e Judas. E há até uma epístola que não se sabe ao certo quem escreveu.

 

As epístolas foram escritas para cristãos corno eu e você que precisavam de conforto, de orientação ministerial, de conhecimento doutrinário, de aconselhamento e até mesmo de uma repreensão.

Refletindo

  1. Você já leu as Epístolas do Novo Testamento? Resposta pessoal.
  2. Sabe diferençar as Epístolas Paulinas das Gerais? As epistolas paulinas foram escritas para um público específico ou pessoas específicas, as gerais não.
  3. Que tal fazer um planejamento de leitura? Assim que você terminar de ler os quatro Evangelhos, emende nas Epístolas. Resposta pessoal.

 

 

Lição 6- A Atualidade da Mensagem Bíblica

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

Hebreus 1.1; 1Pedro 1.22 - 25

Destaque

"Agora que vocês já se purificaram pela obediência à verdade e agora que já têm um amor sincero pelos irmãos na fé, amem uns aos outros com todas as forças e com um coração puro" (1Pedro 1.22).

 

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. 2Tm 3.16

Ter. Hb 1.1

Qua. 2Pe 1.20,21

Qui. Gn 12.1-3

Sex. Is 7.14

Sáb. Jo 1.11,12

Dom. Mc 13.31

 

 

 

Objetivos

- Apontar para a atualidade da Bíblia;

- Mostrar que Deus sempre buscou falar de diversas maneiras-com o ser , humano;       

- Conscientizá-los da importância de ler e meditar fia Bíblia.

Quebrando a Rotina

Desenhe, em uma cartolina, um triângulo "e o divida em três partes: uma pequena no topo, uma média no meio e a maior na base. Escreva um título para o cartaz: a Revelação progressiva: Deus fala. Dentro da primeira-parte escreva: aos pais. Dentro da parte do meio, escreva: aos profetas e na base, escreva: ao Mundo.

Ao lado de cada parte do triângulo peça para a turma citar o nome de cada pessoa.com quem o:u por meio de quem Deus f alou:, aos pais: Adão, Eva, Noé, etc. Aos profetas: Moisés, Daniel, Isaías, Amos, etc! Ao mundo: Jesus.

Desta forma ficará visualmente fácil da turma; perceber como Deus foi se revelando progressivamente para um grupo cada vez maior de pessoas.

 

ESTUDANDO A BÍBLIA

Vivemos em uma época de profundo ceticismo e relativismo moral. Pessoas cultas e influentes afirmam que os ensinamentos e mandamentos da Bíblia foram escritos para outra época. É um discurso conveniente: se coloco em dúvida o livro sagrado que condena o pecado, então o pecado se torna não apenas permitido como até mesmo incentivado. Sexo fora do casamento, liberação das drogas, aborto e muitas outras coisas terríveis são travestidas de "liberdade individual". Será uma questão de tempo até que seus alunos também ouçam estas afirmações perniciosas, seja na escola, na rua ou mesmo nas redes sociais. A questão é: eles terão condições de não terem as suas convicções abaladas como também darem seu testemunho público de fé no Deus da Bíblia?

Nossa missão com esta lição é mostrar que Deus falou aos homens de diversas formas, mas a mensagem era sempre a mesma: sede santos porque Eu sou Santo.

 

Deus é uma pessoa. Isto você já sabe. Mas talvez não tenha percebido o que isto significa. Pessoas se relacionam com outras pessoas. Falam, ouvem, compartilham experiências, momentos e sentimentos. Pessoas mais experientes e maduras procuram orientar as mais jovens. Porém, muitas vezes, estas não querem ouvir, muito menos obedecer. Aí vem o conflito, o choque. Tem sido mais ou menos assim o nosso relacionamento com Deus. Assim como nós, Ele é uma pessoa. Mas é uma pessoa diferente, afinal, Ele é Deus! Um ser que é onipresente, onisciente e onipotente, mas que também é o criador de todo o universo e nosso Senhor. Mas, em seu infinito amor, Ele se importa conosco e quer se relacionar com agente. Nos ajudara vivermos uma vida boa, santa e próxima dEle. Mas quem disse que a gente quer isso? O pecado nos afastou tanto que rejeitamos o seu amor e a sua Lei. Mas Deus não desistiu de nós! Ao longo da história da humanidade, Ele tem falado conosco, para nos ajudar e nos mostrar que traçou um plano para nos reconciliar com Ele. E é isso que vamos estudar hoje: como Deus tem conversado diretamente com algumas pessoas, por meio dos profetas, e com o mundo todo por intermédio de seu filho Jesus. E a mensagem continua tão atual e necessária hoje como quando foi dita lá no passado, assim como os alertas de sua mãe. A propósito, você não ficou acordado até tarde ontem, ficou?

Deus falou aos primeiros homens

 

 

 

Desde o início, Deus falou diretamente conosco.

 

Quer ver?

Com Adão e Eva: Gn 2.16,17; Gn 3.9-13;

Com Caim: Gn 4.6,7;

Com Noé: Gn 6.13-21;

Com Abraão: Gn 12.1-3;

Com Moisés: Ex 3.4,5;

Vemos Deus ordenando (Gn 1.16,17 e Gn 12.1-3), perguntando (Gn 3.9-13), orientando (Gn 4.6,7) e alertando (Gn 6.13-21 e Êx 3.4,5). Isto nos mostra um Deus que é Senhor e cheio de autoridade, mas também que se importa e quer ajudar a sua criação.

*Dúvida! Então Deus falava com todas as pessoas?

Não, Deus falava com algumas pessoas e somente quando era necessário. Muitas vezes Deus escolhia pessoas específicas para uma determinada missão e as convocava pessoalmente, como fez com Noé, Abraão e Moisés. Ele falou com Noé, mas a Bíblia não registra que tenha falado com os filhos dele. Deu sonhos a José e também o dom de interpretá-los, mas nunca falou diretamente com ele. Outras vezes, Deus enviava um mensageiro, um anjo para revelar a sua vontade a alguém (Dn 10.4-7,11-13; Lc 1.26-33).

Mas havia vezes em que Deus tinha uma mensagem específica para alguém ou para uma nação inteira. Aí o método era outro.

 

AUXILIO BIBLIOLOGICO

"A história da transmissão e tradução da Bíblia é impressionante e confirma nossa confiança na Escritura. O povo de Israel, desde o princípio, considerava os primeiros livros da Bíblia como palavra inspirada de Deus, e foi cuidadoso em preservá-los. Escribas esforçavam-se em copiar o texto corretamente, mesmo contando as letras em cada linha, em cada página e em cada livro para se certificarem de que a letra do meio fosse a mesma do no original.

Assim a preservação do texto da Bíblia confirma nossa convicção de que a Escritura é a Palavra de Deus. O Senhor não apenas nos deu a sua Palavra, mas a tem conservado para que hoje também possamos ler a Bíblia e ouvir a voz de Deus" (RICHARDS, LAWRENCE 0. Guia do Leitor da Bíblia. Rio de janeiro: CPAD, 2005, p. 13).

 

Deus falou aos homens por meio dos profetas

Havia ocasiões em que Deus se utilizava de intermediários para falar com as pessoas, às vezes com a nação inteira. Estes intermediários são os profetas.

Entendi! São esses homens que previam o futuro, certo?

Não é bem por aí. A Bíblia diz que a profecia tem a função de edificar, exortar e consolar as pessoas (1 Co 14.3). Para cumprir esta função, muitas vezes Deus revelava o futuro. Já outras vezes, Deus alertava o povo que se não mudasse o seu mau comportamento, as consequências seriam muito ruins para eles.

 

Resumindo, os profetas do Antigo Testamento eram a voz de Deus falando corajosamente a uma geração (que muitas vezes não queria ouvir o que eles tinham para dizer), não apenas para predizer o futuro, mas principalmente, para corrigir os pecados e exigir do povo que vivesse de uma forma justa e santa.

 

Outra Dúvida! Por que o povo não queria ouvir os profetas?

Você tem um irmão ou uma irmã mais velha? Lembra daquela vez que seus pais saíram e você quis aproveitar para ficar na internet ou no videogame? Seu irmão ou irmã falaram: "Aí, é melhor você largar isso e arrumar seu quarto que o papai e a mamãe já vão chegar! To te avisando!" Você arrumou o quarto?

 

- Claro que não! Não é meu pai para mandar em mim!

Não é, mas estava dando o recado do que seus pais queriam que você fizesse. Com os profetas era a mesma coisa. O povo estava distante de Deus e os profetas lembravam ao povo o que Deus queria que fosse feito: justiça, Bondade, fidelidade, adoração. Mas o povo queria continuar na sua vidinha vazia e egoísta.

 

Na Bíblia temos diversos exemplos de profetas: profetas oradores como Nata, Elias e Eliseu que pregavam a mensagem profética, e profetas escritores, como Isaías, Jeremias, Ezequiel e Daniel que a escreviam.

Mas chegou o tempo em que Deus não falaria mais por profetas, mas sim pessoalmente.

 

AUXÍLIO TEOLÓGICO

"Profetas eram homens e mulheres, retirados de todos os caminhos da vida, a quem foi dada uma palavra especial de Deus para anunciar às suas próprias gerações (2Sm 24.11; 1Cr 17.3; 1Rs 12.22). Diferentes dos sacerdotes e reis, seu ofício não era hereditário. E, enquanto muitos foram chamados para ministrar como profetas pela vida (Is 6; Jr 1), outros serviram pouco tempo, cumpriram uma comissão específica e, então, voltaram a viver uma vida comum (Am 7.14-15). Cada um, entretanto, foi conduzido pela convicção de que havia sido comissionado por Deus para proclamar uma mensagem que era, de certo modo, a Palavra do Senhor' (Am 7.16)" (RICHARDS, Lawrence O. Guia do Leitor da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p.405).

 

 

 

Atualmente o Senhor tem falado por intermédio do seu Filho

Deus enviou o seu Filho, Jesus, não apenas para nascer e morrer por nós na cruz, mas também, para falar conosco, nos ensinar o seu Evangelho, anunciar a chegada do Reino de Deus. Este foi o maior acontecimento da História da humanidade: Deus no meio de nós!

*Show! Agora as pessoas iriam ouvir!

Bem, mais ou menos. Lembra o que está escrito lá no Evangelho de João? "Aquele que é a Palavra veio para o seu próprio país, mas o seu povo não o recebeu" (Jo 1.11).

Mas isso não foi o fim, ao contrário! Continue lendo: "Porém alguns creram nele e o receberam, e a estes ele deu o direito de se tornarem filhos de Deus (Jo 1.12)". Foi aí que nós, os gentios, ou seja, pessoas que não eram judeus de nascimento, nos tornamos filhos de Deus porque cremos nas palavras e na pessoa de Jesus como o unigénito Filho de Deus.

 

E Jesus continua a falar hoje para nós. Sua palavra não envelheceu, ao contrário, continua tão atual e necessária quanto no passado. Ele mesmo disse: "O céu e a terra desaparecerão, mas as minhas palavras ficarão para sempre" (Mc 13.31).

 

Como eu disse lá na lição 3, Jesus é o Filho de Deus, Ele é o Emanuel, o próprio Deus no meio de seu povo (Is 7.14). Você não acha que de tudo o que Deus disse, seja a algumas pessoas no passado ou por meio dos profetas, Ele não escolheu o que era de mais importante para dizer pessoalmente, em carne e osso?

Vai por mim, leia, medite e pratique cada ensinamento de Jesus registrado nos Evangelhos. Leia e medite também no que os primeiros cristãos entenderam destes ensinamentos e de como eles se harmonizavam com o que havia sido escrito antes na Lei e ntis Profetas.

  1. Onde eu encontro isso?

Ora, nas epístolas! Lá você vai encontrar as cartas de Paulo, Pedro, João e outros, orientando e tirando as dúvidas dos primeiros cristãos sobre como viver segundo os ensinamentos de nosso. Mestre e Senhor Jesus Cristo. E contigo mesmo!

 

AUXÍLIO TEOLÓGICO

"Nos dias do Antigo Testamento, Deus usou muitas abordagens para enviar suas mensagens ao povo. Ele falou com Isaías em visões (Isaías 6), com Jacó em um sonho (Gn 28.10-22), e com Abraão e Moisés pessoalmente (Gn 18; Ex 31.18). Os Judeus familiarizados com estas histórias não teriam considerado difícil acreditar que Deus ainda estava revelando sua vontade, mas para eles era surpreendente pensar que Deus revelou a si mesmo falando através de seu Filho, Jesus Cristo. Jesus é o cumprimento e a culminação da revelação de Deus através dos séculos. Quando o conhecemos, temos tudo o que precisamos para ser salvos dos nossos pecados e ter um relacionamento perfeito com Deus" (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2008. p.1730).

 

Conclusão

Vivemos em uma época bem complicada. Pessoas cultas e influentes (e outras nem tanto) dizem por aí na TV, na internet e até nas salas de aula que os ensinamentos e mandamentos da Bíblia foram escritos para outra época. Falam isso porque nosso Livro Sagrado condena o pecado que nossa sociedade ama praticá-lo. Você está preparado para dar seu testemunho público de fé no Deus da Bíblia?

O objetivo desta lição é mostrar para você que Deus falou aos homens de diversas formas, diretamente a algumas pessoas, por sonhos, por visões, por profecias e por fim, por seu próprio Filho, Jesus. Mas a mensagem era sempre a mesma: "sede santos porque Eu sou.

 

 

Lição 7 - A Bíblia e a Ciência

...

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

João 1.1-5

Destaque

"Desde que Deus criou o mundo, as suas qualidades invisíveis, isto é, o seu poder eterno e a sua natureza divina, têm sido vistas claramente. Os seres humanos podem ver tudo isso nas coisas que Deus tem feito e, portanto, eles não têm desculpa nenhuma" (Romanos 1.20).

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Jo 1.1-5

Ter. Gn 1.1

Qua. Rm 1.20

Qui. Jó 26.7

Sex. Is 40.22

Sáb. 1Co 5.7

Dom. Ef 2.8,9

 

Objetivos

Conscientizar os alunos de que a Bíblia é a Palavra de Deus;

Mostrar que não há incompatibilidade entre fé e ciência;

Explicar a importância de se manter a fé em uma época de tantos

questionamentos.

Clique e acesse

Material Didático

Folhas de papel A4 ou Ofício, caneta, tesoura e um saco plástico ou de pano.

 

Quebrando a Rotina

Vamos mostrar de uma forma simples que o universo foi criado intencionalmente por Deus e não é o resultado de fatos aleatórios. Corte folhas de papel em pedaços quadrados e escreva neles todas as letras da frase "Quem criou o universo?".. Coloque todos os papéis em um saco e peça para alguns alunos, cada um à sua vez, sacudirem bem o saco e despejarem os papéis no chão. Peça para eles lerem a frase que se formou. Eles dirão que não tem frase nenhuma rio chão, só de letras soltas. Diga que, eles não balançaram direito, para eles fazerem de novo. Por fim, pegue as letras e monte no chão a frase e peça para eles lerem. Explique que é impossível que aleatoriamente uma simples frase-seja formada, que dirá o universo inteiro, com suas leis, lógica e complexidade. Só pode ser fruto de uma mente criadora e intencional. Fruto da mente - e do poder - de Deus.

ESTUDANDO A BÍBLIA

Prezado professor, esta aula é muito importante, pois será justamente nesta área que seus alunos mais serão questionados na sociedade: o aparente conflito entre a Bíblia e a Ciência.

 

Tenha em mente que a Bíblia não é nem nunca teve a intenção de ser um livro científico, muito menos uma enciclopédia do conhecimento humano. Ela é a Palavra de Deus, a revelação de que há um Deus, além da nossa compreensão, que criou o universo e nos ama tanto que enviou o seu Filho para morrer por nós na cruz. Se tentarmos provara Bíblia cientificamente, correremos o risco de fracassarmos tanto quanto um cientista que tenta encontrar alguma espiritualidade em um livro de química.

 

Seus alunos precisam compreender que fé e ciência são áreas distintas do conhecimento, mas não são inimigas. Se tentarmos confrontar os diversos ramos da ciência sem o devido conhecimento, aí sim, nossos alunos poderiam ficar expostos a crises de fé.

 

É comum as pessoas associarem a ciência à tecnologia, mas sua

área de atuação é muito maior. A palavra ciência vem do latim e significa "conhecimento". Conhecimento sobre qualquer coisa: biologia, química, matemática, psicologia, astronomia, paleontologia, educação, nutrição, tudo isto e muito mais, são ramos do conhecimento científico.

Sua área de atuação é o mundo físico à nossa volta, o que inclui o universo inteiro, os seres vivos e nós seres humanos e nossa forma de viver. No estudo científico, só vale o que pode ser provado, isto é, enquanto uma hipótese não puder ser comprovada em laboratório ou verificada na natureza, ela continuará sendo uma teoria científica e não uma lei ou um fato comprovado. Na ciência não há espaço para fé nem para a revelação. Ou seja, a ciência não pode crer na Bíblia como Palavra de Deus como nós cremos. A ciência não pode nem mesmo crer que Deus existe. E como não se pode provar que Deus existe, começa aí o conflito com a fé.

 

 

 

A Bíblia revela o Criador

Como vimos na lição anterior, Deus se revelou aos homens, primeiro por meio dos patriarcas, depois pelos profetas e por fim por meio de Jesus Cristo. Esta revelação está escrita e preservada na Bíblia, nossa regra de fé e prática.

 

Logo no primeiro versículo da Bíblia, Deus se apresenta como o Supremo Criador: "No começo Deus criou os céus e a terra" (Gn 1.1). Neste pequeno versículo, está bem claro que um Ser chamado Deus criou o universo inteiro ("céus e a terra"). Dá para imaginar o poder e a inteligência de um Ser capaz de criar o universo? Não dá. Bem para nós, nem para os cientistas. Nós, pela fé, aceitamos esta afirmação como verdade.

 

Pergunta. Se a ciência não crê na Bíblia, como explica o universo?

Os cientistas tentam descobrir por meio de seus estudos e recursos tecnológicos como o Universo veio a existir. Não é um trabalho fácil, afinal o universo é tão, mas tão grande, que até hoje não sabem qual o seu tamanho. Alguns cientistas chegam até mesmo a achar que é infinito! Também há cientistas que acham que o Universo surgiu a bilhões de anos atrás por meio de uma explosão (o "Big Bang") enquanto outros acham que ele sempre existiu. Tudo isto são apenas hipóteses, pois os cientistas ainda não conseguiram provas definitivas para nenhuma delas. Mas nós, que cremos na revelação, já temos a resposta.

 

A Bíblia nos ensina a olharmos para a própria natureza, para a sua ordem, a sua lógica, a sua perfeição. Ao contemplarmos a natureza, vemos a ação de um ser inteligente que não apenas fez, mas planejou tudo. Ao olharmos para a criação, vemos a ação do Criador, como está escrito:

"Desde que Deus criou o mundo, as suas qualidades invisíveis, isto é, o seu poder eterno e a sua natureza divina, têm sido vistas claramente. Os seres humanos podem ver tudo isso nas coisas que Deus tem feito e, portanto, eles não têm desculpa nenhuma" (Rm 1.20).

ATIVIDADE

Marque C para ciência e F para fé:

(  ) Precisa de provas.

(  ) Acredita na Bíblia.

(  ) Elabora hipóteses e teorias.

(  ) Vê a Criação na natureza.

(  ) Revela a Lei de Deus.

(  ) Tenta descobrir com seus estudos como o Universo surgiu.

(  ) Afirma que existe um Deus Criador de tudo e de todos.

 

 

 

Agora, pensa comigo: Se existe um Ser com tamanho poder e sabedoria para criar e manter o universo inteiro, desde a galáxia mais distante ao menor dos átomos, não deveríamos, honrá-lo, adorá-lo e obedecê-lo como Deus e Senhor de nossas vidas? E o que a Bíblia nos convida a fazer. E diz mais: que este Ser, onipotente, onipresente e onisciente escolheu nos amar e relacionar-se conosco. Que privilégio!

 

AUXÍLIO DIDÀTICO

Caro professor, introduza esta lição propondo as seguintes questões em relação à Ciência: "O que é o amor? Como constituímos o critério para a beleza ou a feiura de algum objeto? O que é o pensamento e de onde ele vem: da mente, da alma? A Ciência tem resposta para estas questões?"

 

Provoque os seus alunos a pensarem. Em seguida, afirme que "só a Bíblia explica porque existe beleza e feiúra; vida e morte; saúde e doença; amor e ódio. Só a Bíblia fornece relato verdadeiro e confiável da origem de todas as entidades básicas da vida e de todo o universo.

E o relato histórico da Bíblia foi confirmado vezes sem-fim pela arqueologia, pela biologia e pela astronomia. Nenhuma contradição ou informação errónea foi encontrada nas páginas da Bíblia, embora tenha sido escrita ao longo de centenas de anos por muitos autores diferentes, cada um deles inspirado pelo Espírito Santo" (HAM, Ken. Criacionismo, verdade ou mito? Rio de Janeiro: CPAD, 2011, p.28).

 

A Ciência destaca a Criação

Como vimos, as ferramentas da ciência são limitadas para se estudar o universo. Afinal, estamos falando de pessoas que por mais inteligentes que sejam, estão em um planetinha na periferia da Via Láctea que é apenas uma galáxia entre milhares, talvez milhões, cada uma com milhões de outras estrelas. Não é um ponto de observação muito bom, né?

Dúvida! Então a ciência não tem como provar que Deus existe e que criou o universo?

Não, não tem. A Bíblia declara que os homens só podem se chegar a Deus por meio da fé, jamais por seus próprios méritos (Ef 2.8,9). Assim, por meio de seus esforços intelectuais, o cientista não pode encontrar a Deus. Mas Deus deixou algumas pistas para eles.

Como Assim?

A ciência descobriu a existência de diversas leis que controlam o universo. Leis químicas, leis da física, as leis da matemática, as leis da lógica e da Natureza. Como reconhecer a existência de tantas leis universais que se conectam umas com as outras para que não apenas o universo, mas a vida na Terra fosse possível, sem reconhecer que exista um Legislador Universal que as tenha criado?

 

Além disso, há diversos pontos de convergência entre o que a Bíblia afirma e algumas teorias científicas. Por exemplo, a própria teoria do Big Bang aponta para um início, não apenas do universo, mas do próprio tempo. Para desgosto de alguns ateus, isto se harmoniza com o primeiro versículo do Gênesis: "No começo Deus criou os céus e a terra". Ou seja, a Criação foi o começo de tudo, inclusive do tempo. Então Deus está fora do tempo? Sim! A Bíblia diz que Deus "habita na eternidade" (Is 57.15).

 

Mas há outras convergências:

- o ciclo hidrológico: Jó.36.27,28 e Ec 1.7

- A Terra flutua no espaço: Jó 26.7

- O ar tem peso: Jó 28.25

- A Terra é uma esfera: Is 40.22

- Existência de correntes nos oceanos: Is 43.16

Detalhe: em todos estes casos, entre outros, a Bíblia já fazia estas afirmações há séculos - e até milênios - muito antes de a ciência os confirmar.

 

AUXÍLIO APOLOGÉTICO

Preste atenção nestes dados:

- Em sua vida, um coração bate 2,5 bilhões de vezes, sem parar para descansar.

- Em sua vida, aproximadamente 227 milhões de litros de sangue são bombeados por todo nosso corpo. Um glóbulo vermelho percorre o nosso corpo 200 mil vezes em 120 dias, somente para ser destruído no baço, na volta de número 200.001.

- Seu corpo tem 96 mil metros de vasos sanguíneos — o equivalente a duas voltas e meia ao redor da terra.

 

- O número de glóbulos vermelhos no seu corpo, se dispostos sequencialmente, circundaria a terra quatro vezes.

 

- Bilhões de glóbulos brancos morrem cada vez que você tem uma febre, para que possa continuar vivendo. O olho pode distinguir milhões de tonalidade de cores. O ouvido tem um milhão de partes móveis.

- O seu nariz consegue determinar dez mil cheiros diferentes.

- O cérebro faz aproximadamente mil trilhões de cálculos por segundo.

 

Tudo o que vimos acima e muito, muito mais — diz respeito simplesmente a uma minúscula molécula de DNA que, de alguma maneira, 'sabia' exatamente como construir e o que fazer para uma pessoa em particular. O nosso corpo é muito mais complexo do que todas as instalações fabris de todo o mundo juntas.

 

A ideia de que a imensa complexidade microbiológica do corpo possa ter evoluído de uma simples bactéria é inaceitável. De onde teria vindo toda a informação?

 

Quanto mais aprendemos a respeito da biologia molecular, desde a complexidade da estrutura celular até a vasta complexidade dos nossos próprios corpos humanos, fica mais óbvio que todos os seres vivos são projetados. No entanto, a compreensão básica da biologia molecular somente define o cenário para uma análise mais rigorosa da origem da vida. E com a origem da vida, podemos determinar que a única alternativa é o projeto inteligente da própria vida - ou Deus" (MUNCASTER, Ralfh O. Examine as Evidências. Rio de janeiro: CPAD, 2007. p.90).

 

 

 

 

A Bíblia não é um livro científico, mas de fé

*Show!  Então podemos usar a Bíblia para estudarmos para a prova de Biologia ou História?

 

Opa, opa, opa! Muita calma nessa hora! Embora a Bíblia possua eventualmente algumas informações históricas ou científicas ela não é, nunca foi, nem nunca se propôs a ser um livro científico. A Bíblia é unicamente a Palavra de Deus, revelando verdades espirituais aos homens. E isso já é muita coisa!

 

A Bíblia é um livro da fé, não da razão científica. Por exemplo, a Bíblia relata no livro de Êxodo como o povo hebreu foi escravizado no Egito e como Deus usou a Moisés para libertá-lo miraculosamente e levá-lo à Terra Prometida. Portanto, não dependemos da História e da Arqueologia para comprovar o Êxodo de Israel. Cremos porque está escrito: "Porque vivemos pela fé e não pelo que vemos" (2 Co 5.7). Afinal, uma fé que precisa de provas para crer não é fé, concorda?

 

Para deixar ainda mais claro: a Bíblia não é enciclopédia, não precisa ter ás respostas para os enigmas da humanidade, tais como o que matou os dinossauros, se Atlântida existiu ou se o famoso monstro do Lago Ness é real ou não. A Bíblia não tem que ter resposta para curiosidades inúteis. Ela é algo muito mais importante: a Palavra de Deus.

A missão da Bíblia é nos revelar que:

1) Existe um Deus Criador e Senhor de tudo e de todos;

2) Ele fez o homem perfeito e puro, mas o homem pecou, afastando-se de Deus;

3) Deus elaborou um plano para salvar o homem;

4) Deus constituiu um povo especial para lhe dar a sua Lei e dEle nascer o Salvador;

5) Jesus, o Filho de Deus, é esse Salvador, um homem perfeito, sem pecado, para morrer por nossos pecados;

6) Jesus ressuscitou ao terceiro dia, constituiu a sua Igreja e prometeu voltar para nos resgatar;

7) Enquanto Jesus não voltar, nós, a sua Igreja, devemos pregar o seu Evangelho;

8) Quando Ele voltar, resgatará sua igreja e fará novos Céus e nova Terra.

 

Toda a Bíblia se resume nisso. Tudo o que está escrito nela, aponta para isso. Qualquer informação, mesmo científica, que não colabore com esta revelação, não faz parte da Bíblia, entendeu?

 

AUXÍLIO BIBLIOLOGICO

Bíblia é um livro rico e complexo.

Ela reflete a personalidade dos autores e o estilo literário da época em que eles viveram. Contém narrativa histórica, poesia, filosofia, provérbios vigorosos, censura profética, instrução e ensino, sermões e exortações, predições com respeito ao futuro, e grandes visões apocalípticas. Ela relata intervenções importantes na História, apresenta-nos a santos e pecadores, e providencia instruções necessárias para termos um viver piedoso.

 

A Bíblia explica a origem do universo, afirma a singularidade da humanidade, explica o porquê da presença do mal e do sofrimento no mundo, revela o futuro e, na sua exaltada revelação de Deus, chama-nos à fé. Na Escritura, somos confrontados com as nossas próprias imperfeições, nossos pecados e a transitória natureza dos nossos dias na terra. Entretanto, por meio das Escrituras, entramos em contato com um Deus de poder e sabedoria, de amor e justiça. Através das Escrituras, sentimos sua irresistível compaixão pelo perdido. Seu impressionante e caro compromisso para com a nossa salvação, e a maravilha do seu convite para tornarmo-nos seus filhos pela fé em Jesus Cristo. É o mais maravilhoso e mais importante volume já produzido. Não admira querermos ler a Bíblia com entendimento. E natural querermos conhecer a mensagem de cada capítulo da maravilhosa Palavra de Deus (RICHARDS, Lawrence O. Guiado Leitor da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, p.10).

 

Conclusão

A Bíblia e a ciência não são inimigas entre si, nem compete uma com a outra. À Ciência cabe responder Como e Quando as coisas aconteceram. À Fé cabe responder Quem e Por quê fez as coisas acontecerem.

 

Quando questionarem sua fé, dizendo que só acreditam no que pode ser comprovado pela ciência, peça para olharem para o céu azul. Perguntem se o acham bonito. Provavelmente dirão que sim. Pergunte por quê, afinal, o azul do céu não passa do acúmulo de oxigénio na atmosfera. Então diga que a Ciência é, de fato, muito útil para coisas racionais, mas não percebe aquilo que só a sensibilidade pode ver. Quando vemos o céu, o mar, o vento e as estrelas, mais do que coisas, vemos a presença de um Criador que ama a beleza tal qual um pintor. Não perceber a mão de Deus na Criação, é como ver um quadro e somente ver manchas de tinta em uma tela. Não está errado, mas está incompleto.

 

Recapitulando

A palavra ciência vem do latim e significa "conhecimento". Biologia, química, matemática, psicologia, astronomia, paleontologia, educação, nutrição, tudo isto e muito mais, são ramos do conhecimento científico.

No estudo científico, só vale o que pode ser provado. Não há espaço para fé nem para a revelação.

No primeiro versículo da Bíblia, Gênesis 1.1, Deus se apresenta como o Supremo Criador. Neste versículo, está bem claro que um Ser, chamado Deus criou o universo inteiro.

Nós, pela fé, aceitamos esta afirmação como verdade. Ao olharmos para a criação, vemos a ação do Criador, já os cientistas tentam descobrir por meio de seus estudos e recursos tecnológicos como o Universo veio a existir.

A Bíblia declara que os homens só podem se chegar a Deus por intermédio da fé, jamais por seus próprios méritos (Ef 2.8,9). Assim, por meio de seus esforços intelectuais, o cientista não pode encontrar a Deus.

A ciência descobriu a existência de diversas Leis universais. Como reconhecer a existência de tantas leis e não que exista um Legislador? Além disso, há diversos pontos de convergência entre o que a Bíblia afirma e algumas teorias científicas.

Embora a Bíblia possua algumas informações históricas ou científicas, ela não é um livro científico, mas unicamente a Palavra de Deus, revelando verdades espirituais aos homens.

 

Refletindo

  1. O seu professor costuma afrontar a sua fé?

Se sim, oriente o seu aluno a não assumir uma postura de confronto, nem de vergonha ou timidez. Ele deve se portar como um estudante normal que esta disposto a apreender.

 

  1. Como você se sente nas aulas de ciências (biologia, física, química)?

Resposta livre. Se for o caso, amplie a resposta acima.

 

  1. Compreendeu o que queremos dizer com "a Bíblia não ser um livro científico, mas de fé"?

A Bíblia quando foi escrita teve um propósito muito concreto: Revelar Deus e a pessoa bendita de Jesus Cristo para a humanidade.

 

 

Lição 8 - A Bíblia Ensina a Cuidar da Terra

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

Gênesis 3.20 – 23; Mateus 6.25-29

Destaque

"Então o SENHOR Deus pôs o homem no jardim do Éden, para cuidar dele e nele fazer plantações" (Gênesis 2.15).

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Gn 1.27-31

Ter. Gn 2.15

Qua. Gn 3.20-23

Qui. Sl 24.1

Sex. Sl 115.16

Sáb. Rm 8.18-22

Dom. Mt 6.26-29

CLIQUE E LEIA TAMBÉM:

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE ADULTOS

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE JOVENS

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE JUVENIS

ESTUDOS PARA PROFESSORES DA EBD

Objetivos

Mostrar biblicamente aos alunos que temos responsabilidades com

a Criação;

Conscientizá-los de que quem ama a Deus não pode ficar indiferente à natureza;

Estimulá-los a criarem estratégias para conscientização de outras pessoas.

Material Didático

Revistas, jornais ou matéria na internet sobre agressões a natureza, quanto ao desperdício de recursos naturais, como água, energia elétrica, etc.

 

 

 

Quebrando a Rotina

Faça uma mesa redonda. Disponha as carteiras da sala de aula em círculo e mostre para a turma reportagens e fotos tanto de agressões a natureza quanto de desperdício de recursos naturais, como água, energia elétrica, etc. Converse como a turma, que tipo de ações eles gostariam de fazer para despertar o interesse da igreja, de seus familiares e amigos para a importância da preservação dos recursos naturais. Cartazes, vídeos na internet, peças de teatro? A imaginação vai correr, solta e boas ideias podem surgir.

 

ESTUDANDO A BÍBLIA

Do nada Ele criou o céu e a Terra. Da Terra, Ele criou o homem. E ao homem, deu a Terra para morar e o Céu para sonhar.

Nenhum artista jamais se comparou a Ele.

Que escultura se comparará ao Monte Fuji ou ao Grand Canyon?

Que música será mais bela do que o canto dos pássaros ou o som das ondas do mar?

Que pintor poderia ter escolhido melhores cores para o pôr-do-sol?

Que cenógrafo faria um cenário mais belo do que a lagoa Rodrigo de Freitas ladeada pelo Pão de Açúcar e o Corcovado?

Como todo artista, Ele quer aplausos reconhecendo o seu talento criador.

Ainda mais porque esta obra prima, a Terra, nos foi dada de presente, uma prova de amor.

Mas Ele amou tanto o seu público, que também a sua criação o adotou como Pai.

Por isso que seu filho legítimo, Jesus, ao nos ensinar a orar, disse: "Pai nosso..."

E hoje, o seu maior desejo é nos receber em sua morada celestial por toda a eternidade.

Mas enquanto este dia não chega, cuidemos de nossa morada terrestre.

 

A TERRA É A CRIAÇÃO DE DEUS

Pegue sua Bíblia: abre lá em Gênesis. No primeiro capítulo, vemos que Deus criou cada elemento que há na natureza: solo, oceano, plantas, animais e, por fim, o homem. E no final de cada dia, Ele conferia o que fizera e chegava a uma conclusão: "[...] e viu Deus que era bom". Mas quando chegou ao sexto dia, o final da Criação, Deus analisou o conjunto da obra e a conclusão foi ainda melhor: "[...] e eis que era MUITO bom". Deus estava realmente muito satisfeito com o universo que havia criado e, em particular, com a Terra, em todo o seu esplendor de vida. Deus fez tudo em equilíbrio: dias, estações, ventos, marés, o ciclo da vida das plantas e animais, enfim, tudo perfeito, para a sua glória.

 

 

 

Por fim, no capítulo 2 versículo 15, ao relatar a criação do homem, a Bíblia nos diz que Deus deu ao primeiro ser humano (e, por consequência a nós, sua descendência) a responsabilidade de cuidar do Jardim do Éden. Ou seja, um trabalho não de exploração, mas de administração do património que seria sua habitação, proteção e fonte de alimento. Como você sabe, apareceu a Serpente, o fruto proibido, a tentação, e aí deu tudo errado.

 

Na prática, o que Deus fez não é muito diferente do caso de pessoas que alugam uma casa ou apartamento e assumem a responsabilidade de manter aquele imóvel em bom estado de conservação. A Bíblia nos diz que "Os céus pertencem somente ao SENHOR, mas a terra ele deu aos seres humanos" (SI 115.16). Entenda que este ato de dar não é de doação, mas de empréstimo, pois toda a Criação pertence a Deus, quer conferir? "Ao SENHOR Deus pertencem o mundo e tudo o que nele existe; a terra e todos os seres vivos que nela vivem são dele" (SI 24.1).

 

Explicando melhor: nós, seres humanos, não somos donos do mundo, mas sim seus mordomos. Não estamos aqui para sugar os recursos naturais da Terra até se esgotarem, mas para os utilizarmos de uma forma produtiva, inteligente e renovável.

Bom, essa era a ideia...

 

AUXILIO BIBLIOLOGICO

A Bíblia ensina que toda a humanidade tem natureza e origem comum.

Fomos criados como seres inteligentes e reconhecidos como a cabeça de todas as coisas vivas. A humanidade, como tal, deve governar a terra e usar os recursos disponíveis na natureza de forma responsável.

 

Graças à posição ocupada pela humanidade na criação, Deus nos criou como seres físicos, completamente envolvidos em seu mundo. A humanidade, no entanto, não é meramente física. Também temos uma dimensão espiritual - podemos ter plena consciência de Deus e de tudo o que Ele exige. Essas duas dimensões, física e espiritual, tornam-nos um ser íntegro" (RICHARDS, LAWRENCE O., Guia do Leitor da Bíblia: CPAD, 2005, p.458).

 

A Criação sofre pela ação má do ser humano (Hm 8.18-22)

Desenvolvendo um pouco mais o assunto, vamos chegar a algumas conclusões interessantes.

 

  1. Somos filhos de Deus por meio do sacrifício de Cristo na cruz.
  2. Se somos filhos de Deus e o amamos, deveríamos nos interessar pela Criação de Deus.
  3. Deveríamos também nos indignar pela forma como os homens têm tratado a Criação.
  4. Se não nos importamos com a destruição da natureza, então, há alguma coisa errada com nosso amor a Deus.

 

Peraí!

Você não acha que está exagerando um pouco ?

Será mesmo? Imagine que seu pai, depois de gastar um dia inteiro pintando o muro de sua casa, no dia seguinte o encontra todo pichado. Como você se sentiria vendo o seu pai triste ao ver a casa onde moram, maculada com esta violência visual que é uma pichação?

E mais ou menos assim que deveríamos nos sentir ao ver parte do trabalho de Deus sendo depredado. A falta de interesse neste assunto pode ser um indício de que nosso relacionamento com Deus não está tão íntimo quanto poderia (e deveria) estar.

 

O ser humano tem consumido de forma predatória todos os recursos naturais da terra: árvores, água, animais, levando ao esgotamento do solo, extinção de espécies e poluição do meio ambiente. Sempre foi assim, mas com a revolução industrial no final do séc. XIX, esta exploração se acentuou muito. Fábricas e veículos movidos a combustíveis fósseis (gasolina e diesel) poluem o ar, dejetos industriais e esgotos não tratados poluem os rios, pesca predatória tem colocado em risco de extinção peixes e baleias.

 

A derrubada de florestas para a indústria madeireira e agropecuária tem destruído o habitat natural de diversos animais. Araras Azuis, micos leões-dourados, baleias, peixes-boi e até o pau-brasil, árvore que deu nome ao nosso país continuam em risco de extinção. As cores da natureza de Deus têm sido substituídas pelo cinza do concreto do homem (Rm 8.18-22).

 

AUXÍLIO BIBLIOLÓGICO

"Gênesis 1 também afirma que a humanidade foi criada para 'sujeitar' a terra e 'dominar' sobre ela e as criaturas vivas do mar, da terra e do ar. Alguns estudiosos, à luz das palavras de 1.26, sugerem que é exatamente o domínio exercido sobre a humanidade que constitui a imagem de Deus (embora essa relação aponte mais uma consequência que uma definição).

 

Mas o que significa sujeitar e dominar? O último verbo, utilizado 24 vezes no Antigo Testamento, geralmente se refere a relacionamentos humanos: um amo e seu escravo (Lv 25.43); os chefes e os trabalhadores (1Rs 5.16); um rei e seus súditos (SI 72.8); o soberano de um país e uma outra nação (Lv 26.17). Diversas dessas passagens (por exemplo, Lv 25.43 e Ez 34.4) sugerem que esse domínio deve ser exercido com cuidado e e responsabilidade. Não é permitido nada destrutivo e explorador. Presumivelmente, temos a mesma nuança presente em Génesis 1.28" (HAMILTON, Victor P. Manual do Penta-teuco: CPAD, 2006, p.27).

 

"Adão/ser humano. 'Adão' é uma palavra hebraica, o nome do primeiro homem, mas também é o termo bíblico para a humanidade. O homem sozinho foi

(1) direta e pessoalmente formado pelo Senhor, que lhe deu o fôlego de vida (2.7);

(2) criado à imagem e semelhança de Deus (1.26,27);

(3) dado a ele o direito de governar a criação como representante de Deus (2.16,17); e

(5) dado uma natureza que requer intimidade, relacionamento com Deus e as pessoas. Desse modo, elas têm infinito mérito e valor" (RICHARDS, LAWRÊNCE O. Guia do Leitor da Bíblia: CPAD, 2005, p.26).

 

Nós devemos cuidar da Terra

O mais irónico disto é que o primeiro ecologista do mundo foi um servo de Deus chamado Noé, lembra? Deus enviou um Dilúvio para castigar a humanidade pelos seus pecados, mas decidiu salvar das águas não apenas uma família de seres humanos, mas toda a criação animal (só não mandou para arca os peixes, por motivos óbvios). Ou seja, Deus se importa sim, com a natureza que Ele mesmo criou. Estranho seria se não se importasse. Noé e sua arca deveriam ser os símbolos mundiais da consciência ecológica, mas não são porque nós, a igreja, não damos a devida atenção a este assunto e a parte ecológica da história de Noé caiu no esquecimento, justamente na época em que o mundo se preocupa de verdade com a preservação do meio ambiente.

 

O resultado disso é que, para a opinião pública, os esotéricos é que têm uma visão socialmente responsável quanto ao meio ambiente e os crentes são vistos como uma panelinha fechada e fanática que só pensam em si próprios. Sabemos que isso não é verdade, mas não temos nos esforçado para desfazer esta visão distorcida a nosso respeito.

 

*TáCerto. Você até tem razão, mas a função da igreja é pregar o Evangelho.

Você está certo! Nossa missão primária é pregar o Evangelho, o Ano Aceitável do Senhor. Mas tem uma coisa. E depois? E, depois. Pregamos a Palavra de Deus, a pessoa se converte e aí, acabou a nossa missão? Claro que não, aí se inicia o discipulado. A salvação não é um fim em si mesmo, mas o início de uma longa e constante caminhada na busca diária de se aperfeiçoar "até chegar a estatura de varão perfeito" (Ef 4.13). O Evangelho de Jesus não é uma simples religião, mas uma ótica particular de ver e entendera mundo. A ótica de Deus! Se Jesus mudou meu viver, então Ele mudou também meu modo de pensar e ver o mundo à minha volta. E, com certeza, em algum momento, seremos cobrados quanto à nossa opinião sobre os mais variados temas. Qual aposição da Palavra de Deus a respeito da violência? E da miséria? E da corrupção? E da preservação da natureza?

 

AUXÍLIO APOLOGÉTICO

"Assim, os princípios bíblicos que podemos estabelecer são que, depois do Dilúvio, Deus quis a reconstrução ecológica do mundo, incluindo suas espécies vulneráveis de animais, e estes se espalharam a partir de uma região montanhosa chamada Ararate" (HAM, Ken. Criacionismo, verdade ou mito? CPAD, 2011, p.151).

 

Conclusão

Por tudo o que vimos não podemos renegar nossa responsabilidade, como embaixadores do Reino de Deus na terra, de denunciarmos o pecado cometido a Criação. Devemos buscar formas criativas e inteligentes de conscientizar as pessoas-inclusive em nossas próprias igrejas - da importância de se preservar a natureza.

 

 

RECAPITULANDO

No primeiro capítulo de Génesis, vemos que Deus criou cada elemento que há na natureza: solo, oceano, plantas, animais e, por fim, o homem.

 

Deus deu ao primeiro ser humano (e, por consequência a nós, sua descendência) a responsabilidade de cuidar do Jardim do Éden. Ou seja, um trabalho, não de exploração, mas de administração do património que seria sua habitação, proteção e fonte de alimento.

 

O ser humano tem consumido de forma predatória todos os recursos naturais da terra: árvores, água, animais, levando ao esgotamento do solo, extinção de espécies e poluição do meio ambiente.

 

Deus enviou um Dilúvio para castigar a humanidade pelos seus pecados, mas decidiu salvar das águas não apenas uma família de seres humanos, mas toda a criação animal. Ou seja, Deus se importa sim, com a natureza que Ele mesmo criou.

 

O Evangelho de Jesus não é uma simples religião, mas uma ótica particular de ver e entender o mundo. A ótica de Deus! Se Jesus mudou meu viver, então Ele mudou também meu modo de pensar e ver o mundo à minha volta, inclusive sobre a questão ambiental.

 

Não podemos renegar nossa responsabilidade como embaixadores do Reino de Deus na terra, de denunciarmos o pecado cometido na Criação.

 

Refletindo

  1. Após essa lição, o que mudou sobre o seu pensamento em relação ao Meio Ambiente?

Reposta pessoal.

 

  1. Você é capaz de fundamentar biblicamente a nossa responsabilidade com o Meio Ambiente?

 

Espera-se que o aluno cite o Gênesis, compreendendo perfeitamente a questão da expressão "dominar" a terra e a referência de Noé.

 

  1. Que tal reunir os colegas para pensar numa ação ambiental? Ação livre.

 

Lição 9 - A Bíblia ensina a Amar o ser Humano

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

Gênesis 1.26,27; Marcos 12.31

Destaque

"E o segundo mais importante é este: 'Ame os outros como você ama a você mesmo.' Não existe outro mandamento mais importante do que esses dois" (Marcos 12.31).

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Gn 1.26,27

Ter. Dt 6.5

Qua. Lv 19.18

Qui. Mc 12.31

Sex. Jo 13.34,35

Sáb. 1Jo 4.20

Dom. Mt 25.31-46

CLIQUE E LEIA TAMBÉM:

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE ADULTOS

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE JOVENS

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE JUVENIS

ESTUDOS PARA PROFESSORES DA EBD

Objetivos

Fazer os alunos compreenderem o que é o amor;

Conscientizá-los de que amar ao próximo não é uma opção, mas um mandamento;

Refletir sobre de que forma podem demonstrar seu amor pelo próximo.

MATERIAL DIDÁTICO

Papel e lápis para os alunos.

 

 

 

 

 

Quebrando a Rotina

Distribua folhas de papel para a turma e peça para escrever nelas a reposta a uma única pergunta: "eu me sinto amado quando?" Deixe claro que você não se refere a amor romântico, como o de namorados. Recolha as folhas e vá até o quadro negro é escreva: Quem ama... E, embaixo, escrevas as respostas dos alunos. Não precisa escrever as respostas repetidas.

 

No final, peça para a turma ler em voz alta o que está escrito no quadro. E explique que se tudo aquilo que escreveram é como eles gostariam de ser tratados por quem os ama, então que façam o mesmo pelas outras pessoas, pois foi isto que Jesus Cristo nos ensinou: afazer pelo nosso próximo aquilo que gostaríamos que fizessem por nós.

 

ESTUDANDO A BÍBLIA

Prezado professor, esta é uma lição muito especial, talvez a mais importante deste trimestre. Nela estudaremos a essência da mensagem da Bíblia que é a prática do amor. Nossos alunos são adolescentes, ainda não alcançaram a maturidade emocional nem viveram muitas experiências para poderem compreender plenamente o que significa amar. Geralmente, um bom ponto de partida para falar do amor são os laços familiares. Procure conhecer sua turma. Pode ser que alguns não se sintam à vontade, pois provém de famílias problemáticas ou pouco afetuosas. Procure deixar claro que nenhuma família é perfeita, mas isso não é um problema, pois amamos as pessoas como elas são, com suas qualidades e defeitos. Mas agora, todos fazemos parte de uma família maior que é a igreja, a família de Deus, ligada, não por laços de parentesco, mas pelo ato de amor de Jesus que se entregou portados nós na cruz do Calvário.

 

Amor é uma daquelas coisas da vida que todo mundo sabe mais ou menos o que é, mas não sabe explicar direito. Muita gente confunde amor com romantismo, com paixão, mas amor é mais profundo. É diferente de estar a fim de uma pessoa porque a achamos bonitinha. Veja os pais que vão ganhar um bebé, por exemplo. Ele ainda nem nasceu, seus pais não sabem como ele será, muita vezes não sabem nem o sexo, mas já o amam. A mãe acaricia a barriga onde ele cresce e lhe diz palavras doces. Ela o ama sem que ele tenha feito nada para merecer este amor. Ela o ama simplesmente porque ele existe, mesmo deixando-a barriguda, com os pés inchados e com dores nas costas. Amor é uma escolha. Dentro de cada coração há um trono. Geralmente quem está sentado lá é o nosso ego, o nosso eu. Somos pessoas egoístas. Mas quando decidimos amar alguém, retiramos o "nosso eu" do trono e permitimos a pessoa amada entrar em nosso coração.

 

Quando isto acontece, queremos o bem desta pessoa, a sua felicidade, o seu bem-estar. Nos preocupamos com ela, sofremos por ela. Isto é amor. E é isto que Deus nos mandou fazer: amar o ser humano.

 

O Ser Humano é a Imagem e a Semelhança de Deus

Quando lemos a história da Criação, uma coisa nos chama a atenção: Deus criou o universo inteiro: estrelas, planetas, oceanos, árvores, animais gigantes como as baleias e minúsculos como a formiga, mas somente o ser humano foi criado à sua imagem e semelhança (Gn 1.26).

 

*Dúvida! O que a Bíblia quer dizer com "imagem e semelhança"? Deus tem corpo?

 

Eita que pergunta complicada! Bom, Deus não tem corpo; a Bíblia diz que Ele é Espírito (Jo 4.24). Portanto, esta imagem e semelhança não é algo físico. Na verdade, há diversas explicações para o que a Bíblia quis dizer. Vamos ficar com as semelhanças listadas por Eurico Bergstén em seu livro Teologia Sistemática (CPAD), ok?

 

1) Deus pôs a eternidade no coração do homem - Gn 2.7 e Ec 3.1;

2) Deus criou o homem com alma e espírito - Jo 4.24;

3) Deus é trino (Pai, Filho e Espírito Santo) e fez o homem tríplice (Corpo, alma e espírito)- 1Ts 5.23;

4) Deus é perfeito e fez o homem perfeito - Ec7.29;

5) O homem é um ser moral - Rm 2.15;

6) Deus criou o homem inteligente - Gn 2.19;

7) Deus criou o homem com livre-arbítrio - Dt 30.19;

8)O homem tem poder de domínio – Gn 1.58.

Tudo isto ajuda a explicar porque o homem é diferente do restante da Criação, construindo monumentos como a Torre Eiffel, compondo sinfonias como a 9a de Beethoven ou projetando naves espaciais que o levou até a Lua. Também explica porque o homem é o único ser da Criação que sabe que existe um Criador e uma vida eterna além da vida física.

Resumindo: o ser humano é único e o topo de toda a Criação, mas isso não é nenhuma vantagem nossa: foi Deus, em seu infinito amor, que nos fez assim.

 

 

 

AUXÍLIO BIBLIOLOGICO

Os homens são todos membros de uma só raça, a raça humana. Os homens, como criaturas, divididas ao menos em duas partes, jamais serão inteiramente completos sem algum "Tabernáculo" físico para abrigar a alma. Assim, a ressurreição torna-se um fato muito importante para o homem (2 Co 5.1). Sendo uma combinação de corpo e alma, o homem está sujeito a problemas que surgem do pecado. A alma está sujeita aos chamados problemas psicossomáticos (onde os problemas da mente causam enfermidades no corpo), e problemas somático-psíquicos (onde uma doença do corpo torna-se tamanha obsessão para a mente que se torna a causa de uma doença mental). Como ao homem foi designado ter um corpo, ele deve, exceto no caso da criação de Adão e Eva, vir a existir por geração física e ser um membro da raça humana.

 

No que diz respeito à sua alma ou ao seu espírito, o homem foi feito por Deus de acordo com a sua imagem, à sua semelhança (Gn 1.26-28). De que consiste essa imagem?

 

O homem, como Deus, é uma pessoa; ambos, ele e Deus, têm as características da personalidade: intelecto, vontade, emoção, autoconsciência e uma natureza moral. Os animais, ao contrário, embora possam mostrar alguma quantidade das três primeiras, não têm autoconsciência nem natureza moral. O homem desfruta, em um grau finito, dos atributos comunicáveis de Deus: sabedoria, poder, santidade, bondade, amor, justiça e verdade. Mas ele é inteiramente distinguível de Deus, por não possuir o infinito, a eternidade e a imutabilidade de Deus, nem a sua onisciência, onipotênica e onipresença (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.148).

 

Devemos amar o ser humano porque ele é a imagem de Deus

Bom, já vimos que Deus criou o ser humano com características especiais que o diferenciam do restante da Criação. Somos seres dotados de espírito, com uma alma imortal, somos seres morais, mas, além disso tudo, há outra característica muito importante: nós somos capazes de amar.

 

TôSabendo. Mas isto não é tão especial assim. Os animais também se gostam, vivem juntos, alguns para vida toda...

 

Mas eu não estou falando de instinto. Amar é mais profundo que isso. Como eu já expliquei, amare uma escolha e esta escolha não fica restrita a pessoas. Tem gente que ama o seu país, outros amam uma ideologia e há muitos também que amam um time de futebol mais do que qualquer outra coisa. E muito comum este tipo de amor acabar se transformando em idolatria, o que é um pecado muito grave. Mas, além disso, a maioria das pessoas não ama a quem Deus mandou que amássemos.

 

Dúvida. Quem? Meus pais?

 

Amar nossos pais é tão óbvio que Deus nem precisou mandar, já faz parte do "pacote". Aos nossos pais Ele mandou que honrássemos, lembra? Mas isso é assunto para outra aula. Deus mandou que amássemos ao nosso próximo, ou seja, toda pessoa à nossa volta, seja ela quem fosse (Mc 12.31).

 

A Bíblia nos ensina que "Deus amou o mundo" (Jo 3.16). Por "mundo" entenda não o planeta, mas as pessoas. Deus se importa conosco, pois Ele nos criou de uma forma especial, à sua imagem e semelhança. Se o Espírito Santo está em nós, devemos nos importar com o nosso próximo da mesma forma como Deus se importa conosco, afinal, Deus é amor (1Jo 4.8).

 

Resumindo: ame as pessoas à sua volta. Preste atenção nelas. Você vai perceber pessoas que precisam de sua mão estendida, de seu ombro amigo, de uma palavra de orientação ou simplesmente de suas orações. Mas ame indistintamente, sem preferências ou escolhas. Amar quem gosta da gente é fácil, mas não é esse o espírito da coisa: "Se vocês amam somente aqueles que os amam, por que esperam que Deus lhes dê alguma recompensa? Até os cobradores de impostos amam as pessoas que os amam! Se vocês falam somente com os seus amigos, o que é que estão fazendo de mais? Até os pagãos fazem isso!" (Mt 5.46,47).

 

AUXÍLIO TEOLÓGICO

Na época de Jesus, os judeus haviam acumulado centenas de leis, 613, de acordo com um historiador. Alguns líderes religiosos tentavam estabelecer uma diferença entre as leis mais importantes e as menos importantes, enquanto outros ensinavam que todas eram igualmente obrigatórias e que era perigoso fazer qualquer distinção. Essa questão apresentada pelo escriba poderia ter provocado alguma controvérsia entre esses dois grupos, mas a reposta de Jesus resumiu todas as leis de Deus.

 

As leis de Deus não são difíceis de serem cumpridas; podem ser resumidas em dois princípios muito simples: amar a Deus e ao próximo. Estes mandamentos estão no AT (Dt 6.5; Lv 19.18). Quando você ama a Deus completamente e cuida do próximo como de si mesmo, está cumprindo os Dez Mandamentos e outras leis do AT. De acordo com Jesus, esses dois mandamentos resumem todas as leis de Deus. Deixe que elas governem seus pensamentos, suas decisões e ações. Quando não tiver certeza do que deve fazer, pergunte a si mesmo o que demonstrará melhor seu amor por Deus e pelo próximo (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2008, p.1320).

 

Amando o outro ser humano como a nós mesmos

Jesus disse que o segundo mandamento era semelhante ao primeiro "ame ao seu próximo como a ti mesmo". Jesus não estava inventando aquele mandamento na hora. Ele já estava escrito na Lei. Você sabe onde? Dá uma olhada lá em Levítico, no capítulo 19 e no versículo 18. Achou? Agora, dá uma olhadinha nos versículos anteriores, por exemplo, do 10 ao 18. Leu?

 

Choque! Mas quantas proibições! Não isso, não aquilo...

Pois é, para quem olha de forma desatenta, Deus até parece um ser que só sabe proibir. Mas preste mais atenção o quê Ele está proibindo: zombaria, fofoca, injustiças... Jesus resumiu todos esses "nãos" de forma maravilhosa quando confirmou o que já estava escrito na Lei, que deveríamos amar a Deus de todo o nosso coração e o próximo como a nós mesmos. Quando guardamos estes dois mandamentos de Jesus, guardamos toda a Lei, mas não mais como uma coleção de regras a serem decoradas, mas naturalmente, pois quem ama não faz o mal, apenas o bem.

 

Quem ama cuida, se importa, ajuda, alerta, mesmo que ninguém tenha pedido. Lembra da história do Bom Samaritano (Lc 10.30-37)?

 

E isto o que jesus espera de sua Igreja: que ela viva na prática do amor ao próximo. Mais ainda, é por meio da prática do amor que Jesus vai diferenciar quem é cristão de verdade de quem é apenas frequentador de igreja. Veja lá em Mateus 25.31-46. Leu? Entendeu?

 

Mas tem outro detalhe importante. A Lei dizia: Amarás o teu próximo como a ti mesmo, certo? E uma boa regra, afinal, como todo mundo gosta de si mesmo, se tratar da mesma forma o seu próximo não vai fazer mal a ninguém. Só que Jesus outorgou uma nova lei: "Eu lhes dou este novo mandamento: amem uns aos outros. Assim como eu os amei, amem também uns aos outros" (Jo 13.34).

 

Eita, que agora complicou tudo.

Dúvida. Complicou o quê?

 

Não percebeu, não? Antes o padrão era o nosso amor por nós mesmos. Agora o nível está mais elevado: o padrão agora é o amor de Jesus por nós! Um amor tão intenso, tão puro, tão perfeito, que Ele deu a sua vida por nós. É esse amor que Jesus quer que tenhamos uns pelos outros. Um amor que não é só de palavras, mas de atitudes. Algo bem mais difícil do que escrever "l love You" em uma carta...

 

Mais ainda: a única forma que você tem de demonstrar seu amor a Deus é amando o seu próximo, sabia? "Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê" (l Jo 4.20 - ARA).

 

 

 

 

AUXILIO BIBLIOLOGICO

"Esse amor, que deve ser diferenciado da afeição erótica e romântica, é a contra parte lógica do amor Divino em relação ao homem (1Jo 4.11), e sem ele a reivindicação de amar a Deus é vista como inconsistente (1Jo 4.20,21). Ele também é visto como efeito do Espírito Santo derramado em nossos corações (Rm 5.5; Gl 5.22). Ele é uma imitação consciente do amor de Deus, até mesmo por aqueles que fazem o mal (Mt 5.43-45; Jo 13.34; 15.12; Rm 15.7). O dever do cristão de retribuirá mal com o bem ao invés de retaliar (Rm 12.17-21) deve provavelmente ser considerado uma cooperação com o plano de Deus para levara homem ao arrependimento (Rm 2.4; 12.20,21). Este conceito de amor (ágape) criativo é tão central que pode ser considerado uma ética cristã distinta.

 

A maior definição de amor (ágape) nos relacionamentos humanos já descrita é a do apóstolo Paulo no hino de 1Coríntios 13. Resumindo, o amor é a comunhão entre pessoas, baseado em atos de autos sacrifício. Tal amor é a bondade voluntária e deliberada, estendendo-se até mesmo aos inimigos por quem não se tem qualquer afeto pessoal (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.94).

 

Conclusão

Deu para perceber que para Deus esse assunto é sério, né? Quer demonstrar seu amor a Deus? Não será indo aos ensaios do coral ou do grupo de louvor. Tampouco indo a todos os cultos ou chegando cedo na Escola Dominical. Nem mesmo dando tudo o que você tem para ajudar os necessitados. Se em tudo isso não houver amor, não terá sido de nenhum valor para Deus. O mandamento continua sendo o mesmo: Ame. Ame a Deus, ame o seu próximo. Deixe Deus usar você. Amem-se uns aos outros como Cristo nos amou e revolucionem o mundo!

 

Recapitulando

Muita gente confunde amor com romantismo, com paixão, mas amoré mais profundo. Amor é uma escolha. £ é isto que Deus nos mandou fazer: amaro ser humano.

 

Deus criou o universo inteiro: estrelas, planetas, oceanos, árvores, animais gigantes como as baleias e minúsculos como a formiga, mas somente o ser humano foi criado à sua imagem e semelhança (Gn 1.26). O ser humano é único e o topo de toda a Criação, mas isso não é nenhuma vantagem nossa: foi Deus, em seu infinito amor, que nos fez assim.

Deus mandou que amássemos ao nosso próximo, ou seja, toda pessoa à nossa volta, seja ela quem fosse (Mc 12.31).

 

A Bíblia nos ensina que "Deus amou o mundo" (Jo 3.16). Ele se importa conosco, pois Ele nos criou de uma forma especial, à sua imagem e semelhança.

 

Ame as pessoas à sua volta. Preste atenção nelas. Você vai perceber pessoas que precisam de sua mão estendida, de seu ombro amigo, de uma palavra de orientação ou simplesmente de suas orações. Mas ame indistintamente, sem preferências ou escolhas.

 

Jesus confirmou o que já estava escrito na Lei, que deveríamos amar a Deus de todo o nosso coração e o próximo como a nós mesmos. Quem ama não faz o mal, apenas o bem.

Quem ama cuida, se importa, ajuda, alerta, mesmo que ninguém tenha pedido. Mais ainda: a única forma que você tem de demonstrar seu amor a Deus é amando o seu próximo.

 

Refletindo

  1. Após estudar a lição, o que é o amor para você?

Reposta pessoal.

  1. Você deseja amar como Jesus amou?

Reposta pessoal.

  1. Qual foi o último ato de amo

 

 

Lição 10 - A Bíblia Ensina a Honrar os Pais

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

Rev. Do Professor

TEXTO BÍBLICO

Êxodo 20.12; Efésios 6.1-3

Destaque

"Respeite o seu pai e a sua mãe, para que você viva muito tempo na terra que estou lhe dando" (Êxodo 20.12).

 

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Êx 20.12

Ter. Gn 2.24

Qua. Ef 6.1-3

Qui. Pv 23.22

Sex. Ef 1.5

Sáb. Rm 8.23

Dom. Gl 4.5

CLIQUE E LEIA TAMBÉM:

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE ADULTOS

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE JOVENS

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE JUVENIS

ESTUDOS PARA PROFESSORES DA EBD

Objetivos

  v Esclarecer que honrar e amar aos pais são coisas diferentes; porém, necessárias;

  v Conscientizá-los de que nem todas as famílias são ideais, mas os pais devem ser honrados;   

  v Traçar um paralelo entre a adoção de filhos e a nossa adoção por Deus.

 

Material Didático

Revistas, jornais ou matéria na internet sobre o que assusta os pais: drogas entre jovens, morte no transito, violência nas ruas, etc.

Quebrando a Rotina

Faça um "teatrinho" na sala de aula. Escolha três alunos da turma: um casal para serem o "pai e a "mãe" e o terceiro para ser o filho adolescente. A história será simples: o filho pede para sair à noite com os amigos para uma festa que vai acabar bem tarde e os pais não querem deixar. Pais e filho tentarão expor seus argumentos para convencerem um ao outro. No finai faça um rápido debate com a turma do por quê os pais acharem que há motivos parodies se preocuparem. Mostre a eles dados estatísticos que mostram que os jovens são o grupo que mais morre de causas violentas: brigas em festas, acidentes de carro à noite, assaltos, etc. Portanto, há razão para os pais se preocuparem com segurança deles, pois, por mais que os filhos sejam obediente volta deles é muito perigoso. E quem ama, cuida.

 

 

 

ESTUDANDO A BÍBLIA

O relacionamento entre pais e filhos, embora seja intenso e profundo, nem sempre é perfeito ou tranquilo. Especialmente quando os filhos entram na adolescência e querem fazer os coisas do seu jeito. É natural, embora não seja agradável. Os filhos quando são crianças costumam ver seus pais como super heróis que resolvem qualquer problema. São suas referências, seus     modelos a imitar. Mas quando crescem um pouco mais, precisam construir sua própria personalidade para começarem a aprender a voar para fora do ninho. Eles testam os seus limites, e os pais, sabendo dos perigos, seguram o ímpeto deles, afinal, deixaram de ser crianças, mas ainda não são adultos responsáveis. Então vem o conflito e, muitas vezes, a rebeldia. Pior ainda se os pais não são cristãos ou não dão um bom testemunho. Cabe a você. professor, lembrá-los do mandamento: "honra teu pai e tua mãe".

 

O relacionamento entre pais e filhos, embora seja intenso e profundo, nem sempre é perfeito ou tranquilo. Especialmente quando entramos na adolescência e queremos fazer as coisas do nosso jeito. Por exemplo: Vai que você quer fazer alguma coisa diferente, como grafitar todo o seu quarto com spray, ou pior, pintar seu cabelo de verde. O que é que seus pais dizem? "Que é isso, meu filho? Você não é mais nenhuma criança!" Ou então, quando você pede a chave do carro do paizão emprestado o que é que ele diz? "Que é isso, meu filho? Você é muito novo!"

Complicado né? Bem-vindo à adolescência!

Mas lembre-se que seus pais são seus melhores amigos. Sabe, não há no mundo melhores amigos do que eles. Não importa se seus país são legais ou chatos, ricos ou pobres, educados ou grossos ou mesmo se são convertidos ou não. São seus pais. Te deram a vida, um lar, cuidado, proteção, alimento e, acima de tudo, amor. Do jeito deles, mas ainda assim, amor.

 

Mas neste trimestre estamos estudando a Bíblia, certo? O que será que ela tem a dizer sobre nosso relacionamento com nossos pais?

 

ATIVIDADE

Escreva o que você acha que poderia fazer para honrar seus pais, mas que, infelizmente ainda não faz:

Resposta pessoal.

 

 

 

A Família começa com um pai e uma mãe

Vamos lá, então. Pegue sua Bíblia e abra mais uma vez lá em Gênesis: "E por isso que o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua mulher, e os dois se tornam uma só pessoa" (Gn 2.24). E assim que tudo começa. A regra instituída por Deus é essa: um homem se casa com uma mulher e tem filhos. E eles, quando crescerem, também se unirão com os filhos de outras famílias e terão seus próprios filhos. Esta é a história de como surgem as famílias. Mas você e eu sabemos que há exceções à regra pai + mãe = filhos. Há casos em que o pai ou a mãe não está presente na criação dos filhos por uma série de razões: ou porque não houve um casamento e cada um foi para o seu lado, ou porque teve de trabalhar longe da família ou mesmo, infelizmente, porque morreu cedo. Este não era o plano de Deus, mas o pecado que corrompeu a humanidade, também afetou a constituição das famílias. Mas o fato é que não existem famílias perfeitas porque famílias são feitas de pessoas e pessoas são imperfeitas. £ Deus instituiu uma regra de ouro para que as famílias funcionem direito: "Respeite o seu pai e a sua mãe, para que você viva muito tempo na terra que estou lhe dando" (Êx 20.12).

 

AUXÍLIO TEOLÓGICO

"Deus presenteou Adão e Eva com o matrimónio. Eles foram criados perfeitos um para o outro. O casamento não foi uma conveniência, tampouco foi criado por qualquer cultura. Ele foi instituído por Deus e possui três aspectos básicos:

(1) o homem deixa seus pais e, em ato público, promete-se a si mesmo à sua esposa;

(2) o homem e a mulher são unidos, assumindo responsabilidades pelo bem-estar mútuo e amando um ao outro antes das outras pessoas;

(3) ambos tornam-se um na intimidade e no comprometimento de união sexual que são reservados para o casamento. Casamentos sólidos incluem estes três aspectos" (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de janeiro: CPAD, 2008, p. 8).

 

"O casamento faz parte da própria ordem da criação. Deus revelou ao homem que ele precisava de uma esposa (Gn 2.18) e que a esposa precisava de um marido (Gn 3.16). Desde o começo, Ele criou a mulher (Gn 1.26,27). Desde o início o homem entendeu que era vontade de Deus que ele tivesse uma esposa. Osso dos meus ossos e carne da minha carne' (Gn 2.23) e que deveria amá-la e cuidar dela como de si próprio. Paulo escreveu 'Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo. Porque nunca ninguém aborreceu a sua própria carne; antes, a alimenta e sustenta, como também o Senhor à igreja' (Ef 5.28,29).

 

[...] No casamento, assim como na união sexual em particular, o homem e a mulher sentem prazer e fazem dele a demonstração exterior daquilo que é uma graça interior. Sacramentado por Deus (1Tm 4.3) ele representa a mais elevada expressão de afeto mútuo e a mais profunda comunhão humana, e por isso o próprio Deus usou o casamento para expressar a incalculável profundidade de seu amor por nós" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de janeiro: CPAD, 2006, p. 386).

 

Respeitando os pais tantos casados quantos separados

O que Deus quer dizer com honrar pai e mãe? Bom, eu acredito que seja reconhecer o valor deles, os sacrifícios que fizeram para fazer de você uma pessoa de caráter, educada e instruída, com um futuro encaminhado. Trate-os com todo o respeito e amor que merecem. Respeite a opinião deles, mesmo que não concorde com elas.

Peraí. Respeitar mesmo quando se separam e um deles me deixa e vai embora?

 

Sim. A vida é complicada e nem sempre as coisas saem como a gente quer. Mas lembra da oração que Jesus nos ensinou, o Pai Nosso? "Perdoa as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores". O fato de pais se separarem não significa que não amem seus filhos. E um problema de relacionamento entre eles. Mas, com certeza, te amam, mesmo que não saibam bem como demonstrar.

 

Por isso, não perca tempo na vida ficando “de mal” com seu pai ou com a sua mãe porque um deles é chato, fica no seu pé, reclama de tudo, ou então por serem omissos, ou irresponsáveis, sabe lá Deus o quê mais. Eles são seus pais e você os ama. Não deixe passar a oportunidade de dizer isso a eles, de perdoar e ser perdoado. Também não perca a oportunidade de prestar um pouco mais de atenção no que eles lhe diz, afinal, eles têm décadas de experiência à sua frente.

 

 

 

 

AUXÍLIO DIDÁTICO

Caro professor, é possível que você tenha em sua classe alunos oriundos de lares destruídos. Ou que, talvez, vivem o dia a dia dessa união desgastada. São brigas frequentes que eles assistem diariamente, desentendimentos ou traições de uma parte contra outra. Não são poucos os casos em que o adolescente encontra-se praticamente indefeso sem saber o que fazer. Se, porventura, você identificar um caso desses, procure aconselhar e acompanhar esse adolescente. Ajude-o a passar por essa fase sem que ele desenvolva um sentimento de rancor contra os seus pais, mas que perceba que o Senhor pode fazer coisas maravilhosas em sua vida. "A verdade é que Deus com frequência chama jovens de lares e famílias desfeitos. Se você pensa que precisa ter uma vida familiar perfeita para realizar algo grandioso e nobre, então não leu sobre muitos dos grandes heróis de Deus, como José, Samuel, Josias, Rute, Ester e outros. Cada um deles seguia a Deus, apesar das dificuldades familiares.

 

Talvez seu pais sejam divorciados. Ou talvez eles tenham outros problemas. Talvez não frequentem a igreja. Mesmo assim, Deus pode trazer à sua vida pessoas que podem ajudá-lo a crescer para se tornar o homem ou a mulher que Ele deseja" (DARLING, Daniel. Os Adolescentes da Bíblia. Rio de Janeiro: CPAD, 2012, p. 105).

 

Respeitando os pais adotivos

Todo mundo espera que os pais amem seus filhos, afinal, são, como se diz: "sangue do seu sangue". Eles se reconhecem nos traços físicos. O nariz da mãe, os olhos do pai, assim por diante. E não apenas fisicamente. Reconhecem também, traços dos temperamento de um ou de outro. E comum a gente ouvir: "essa aí puxou a mãe. Teimosa que nem ela".

 

Mas existem famílias especiais, onde os filhos não se parecem fisicamente com os pais, nem puxaram o temperamento. São filhos de pais adotivos.

Chato isso...

Chato por quê? Ser um filho adotivo é um grande privilégio. Pensa comigo. Amar um filho natural é algo esperado, pois, como já dissemos, os pais se reconhecem nele. Já um filho adotado, ah, esse é especial! Ele foi escolhido. Um casal decidiu escolher amar uma criança com a qual não tem nenhum grau de parentesco como se fosse um filho natural. E mais ainda: é esse o amor que Deus tem por nós.

 

*Dúvida. Como assim?

A Bíblia nos diz que somos filhos adotivos de Deus. Veja só: "Deus já havia resolvido que nos tornaria seus filhos, por meio de Jesus Cristo, pois este era o seu prazer e a sua vontade" (Ef 1.5).

 

O relacionamento entre filhos adotivos e seus pais é tão intenso que é até comum que acabem ficando parecidos no comportamento, pois os filhos se inspiram nos seus pais, pouco importa se são naturais ou adotados.

 

E neste relacionamento, é fundamental que haja o respeito aos pais da mesma forma como tem de haver com filhos naturais.

 

AUXILIO DIDÁTICO

Professor, a história da Salvação tem uma bela lição sobre o assunto da adoção. "A Bíblia diz que éramos 'desgarrados como ovelhas prestes a ir ao matadouro'. Não tínhamos esperança de salvação. Embora criados e formados por Deus, o pecado fez com que parecêssemos pessoas sem filiação, longe daquEle que nos fez à sua imagem conforme a sua semelhança. Mas por intermédio de Jesus Cristo, o seu amado e precioso Filho, passamos de 'bastardos' para 'filhos legítimos'. De maneira que o divino Espírito Santo confirma conosco que somos 'Filhos de Deus'. Sim, fomos adotados por Deus, assumidos por Ele em amor e graça divina. O primeiro privilégio de um filho adotado, portanto, é chamar a Deus de Pai. Pela presença interior de Cristo e pela obra do seu Espírito, a nossa filiação se torna uma experiência abençoada de comunhão com Deus. O segundo privilégio do filho adotado é que ele se torna um herdeiro da riqueza do seu Pai adotivo" (Comentário Bíblico Beacon vol. 8. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.122).

 

Conclusão

Quando chegarem os anos de canseira para eles, esteja por perto para dar aquela mãozinha. Afinal, é bom retribuir um pouquinho do caminhão de cuidados que os pais sempre tiveram e sempre terão por nós. Mas, principalmente, honre o esforço de seus pais sendo uma pessoa honesta, de caráter, responsável, confiável e fiel a Deus. Lembra dessa promessa: "Filhos, o dever cristão de vocês é obedecer ao seu pai e à sua mãe, pois isso é certo. Como dizem as Escrituras: 'Respeite o seu pai e a sua mãe.' E esse é o primeiro mandamento que tem uma promessa, a qual é: 'Faça isso a fim de que tudo corra bem para você, e você viva muito tempo na terra'" (Ef 6.1-3).

 

RECAPITULANDO

O relacionamento entre pais e filhos, embora seja intenso e profundo, nem sempre é perfeito ou tranquilo. Mas lembre-se de que seus pais são os seus melhores amigos.

 

Sabe, não ha no mundo melhores amigos do que eles, nem mais interessados no seu bem.

 

Não existem famílias perfeitas porque famílias são feitas de pessoas e pessoas são imperfeitas. £ Deus instituiu uma regra de ouro para que as famílias funcionem direito: "Respeite o seu pai e a sua mãe, para que você viva muito tempo na terra que estou lhe dando" (Êx 20.12).

 

Honrar pai e mãe é reconhecer o valor deles, os sacrifícios que fizeram para fazer de você uma pessoa de caráter, educada e instruída, com um futuro encaminhado. Trate-os com todo respeito e amor, respeitando a opinião deles, mesmo que não concorde com elas.

 

O fato de pais se separarem não significa que não amem seus filhos. É um problema de relacionamento entre eles. Com certeza amam seus filhos, mesmo que não saibam bem como demonstrar.

Ser um filho adotivo é um grande privilégio. Um casal decidiu escolher amar uma criança com a qual não tem nenhum grau de parentesco como se fosse um filho natural. E mais ainda: é esse o amor que Deus tem por nós.

 

Refletindo

  1. Você prestou atenção nas qualidades dos seus pais conforme a segunda atividade? Resposta pessoal.
  2. Por que não focar mais para as qualidades que para os defeitos? Resposta pessoal.
  3. Você decidiu hoje honrar os seus pais? Resposta pessoal.

 

 

 

Lição 11- A Bíblia Ensina a Respeitar os Idosos

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

Levítico 19.32; 1Timóteo 5.1,2

Destaque

"Fiquem de pé na presença das pessoas idosas e as tratem com todo o respeito; e honrem a mim, o Deus de vocês. Eu sou o SENHOR" (Levítico 19.32).

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Lv 19.32

Ter. 1Tm 5.1,2

Qua. 1Sm 3.11-18

Qui. Dt 32.7

Sex. Êx 3.18

Sáb. Jó 12.12

Dom. 1Pe 5.5

 

Objetivos

- Esclarecer importância dos idosos nas sociedades antigas e atuais;

- Conscientizá-los de que respeitar os idosos é bíblico;

- Estimulá-los a se relacionarem mais com os seus avós.

Material Didático

Quadro de giz ou lousa e piloto

 

 

 

Quebrando a Rotina

Escreva na lousa diversos eventos históricos com suas respectivas, datas em que ocorreram ao lado. Por exemplo, fundação de Brasília (1960), o- Regime Militar iniciado em 1964 é a chegada do homem à lua (1969). Um avô mais novo, nascido em 1957, pode ter acompanhado a seleção brasileira ser tricampeã na Copa do Mundo (1970), o movimento das Diretas já (1983), a Queda do Muro de Berlim (1989), a morte de Ayrtqn Senna (1994) etc. Pergunte aos alunos qual a idade de seus avós. Pela idade, saberemos quando eles nasceram e, assim, podemos deduzir que eventos importantes eles puderam acompanhar ou mesmo participar. Por exemplo, um avô nascido em 1947 pode ter acompanhado a fundação de Brasília, pois tinha 13 anos na época. Mostre aos seus alunos que seus avós são uma rica fonte de informação sobre vários assuntos dentro de suas próprias casas.

 

ESTUDANDO A BÍBLIA

Esta lição é especialmente desafiadora. Os adolescentes de hoje estão imersos em uma cultura que os supervaloriza na mesma medida em que despreza as pessoas idosas. Isto ocorre porque em nossa sociedade capitalista, descobriu-se que a fase da adolescência pode ser muito lucrativa, pois a imaturidade emocional dos adolescentes, somada à necessidade que tem de se autoafirmar, os tornam consumidores vorazes. Roupas, músicas, jogos, revistas, filmes, tecnologia, enfim, uma infinidade de produtos feitos sob medida para essa geração. Enquanto isso, pessoas mais velhas como os pais, os avós e os pastores tentam conter seu consumismo e rebeldia, mas ao fazê-lo são vistos como "antiquados" e "repressores". Além disso, muitos deles já estão cansados de ouvirem em suas casas que "devem respeitar os mais velhos". Nossa missão hoje é provar biblicamente que essa é a vontade de Deus e que eles só têm a ganhar se o fizerem.

 

Durante boa parte da história vivemos em sociedades patriarcais, onde o homem era o chefe da família e cabia a ele tomar todas as decisões, até mesmo com quem seus filhos e netos iriam se casar. Nestas famílias, o indivíduo mais velho era o que tinha mais autoridade. Nas famílias ricas, todos moravam juntos o que aumentava ainda mais a autoridade e o respeito pela figura do avô. Ele não tinha mais força física nem agilidade, mas tinha muita experiência e autoridade moral. Afinal, em uma época onde se morria cedo, ele não apenas continuava vivo e lúcido como manteve unida e próspera a sua família.

 

Mas os tempos mudaram, e a sociedade patriarcal foi substituída pela sociedade do consumo: uma explosão de produtos, tecnologias e costumes diferentes tornaram a figura do patriarca obsoleta. As pessoas moram em casas menores, mais distantes umas das outras, estudam mais, se informam mais e, de uma hora para outra, os avôs e avós não eram mais consultados para nada. Mas qual o papel que Deus reservou para eles?

 

 

 

Quem são os Idosos

O nosso corpo está em constante transformação. Quando crianças, éramos mais fofinhos e cabeçudos e só queríamos saber de correr e brincar. Quando entramos na adolescência o nosso corpo dá uma espichada, nossos músculos se desenvolvem mais e até a nossa voz muda. Nesta fase começamos a nos interessar em praticar esportes, em gastar energia em atividades físicas e estudamos matérias mais complexas na escola. Quando entramos na fase adulta, nosso corpo chega ao ápice da forma física: estamos prontos para trabalhar e para o casamento. Legal. O problema é que depois disso, vem a descida do morro: nosso corpo começa a perder vigor, força e agilidade: estamos envelhecendo.

Mas o que a gente perde em vigor, ganha em experiência.

 

Peraí. Não me parece uma boa troca.

Eu sei, para muita gente também não parece. Mas com a experiência, a gente adquire sabedoria. Aprendemos com a vida a avaliar melhor as pessoas, a nos prepararmos melhor para diferentes situações que acontecem e assim, deixamos de ser meros executores para nos tornarmos mestres. Grandes nomes da história como Albert Einstein (física) e Oscar Niemeyer (arquitetura) fizeram grandes coisas na terceira idade. Veja o exemplo de Moisés: só foi convocado por Deus para libertar seu povo do Egito quando já tinha 80 anos de idade!

 

Além disso, com o avanço da medicina e da economia em nosso país, as pessoas estão vivendo mais e melhor. Em muitas cidades vemos pessoas idosas praticando ginástica nas praças, participando de redes sociais na internet e viajando em excursões. Muitos até estão voltando ao mercado de trabalho porque possuem algo que as empresas não encontram nas novas gerações: experiência (óbvio) e educação.

Se você pensa que ser idoso é ser chato e improdutivo, quem está pen- sando de forma velha é você. Está na hora de dar um upgrade em seus conceitos!

 

AUXÍLIO BIBLIOLOGICO

ANCIÃO.

Refere-se aos sábios de Israel que eram a fonte e os comunicadores das palavras de sabedoria tradicionais. No Antigo Testamento hebraico, zaqen, lit., 'aquele que tem barba', era um termo utilizado para designar um homem de certo grau e posição entre seus irmãos. Entre os israelitas havia dois tipos de anciãos: os "anciãos de Israel" que eram os chefes de família ou de clãs nas várias tribos, e os "anciãos" das cidades construídas e habitadas depois da Conquista. [...] O termo hebraico é, assim, equivalente ao termo Homérico gerontes, ao espartano presbys, ao romano senatus e ao árabe sheikh.

 

A autoridade dos anciãos era, em princípio, maior do que a do próprio rei (2 Reis 23.1). Foi este grupo que exigiu que Samuel designasse um rei (1Sm 8.4-6), e foram partidários da aliança real que estabeleceu Davi como rei (2 Sm 5.3). Na Babilónia, os anciãos eram o ponto central da comunidade judaica que estava no exílio (Jr 29.1; Ez 8.1; 14.1; 20.1-5), e, após o retorno a Jerusalém, ainda permaneciam ativos (Ed 5.5,9; 6.7,8,14; 10.8,14).

 

ANCIÃOS. Refere-se aos sábios de Israel que eram a fonte e os comunicadores das palavras de sabedoria tradicionais. É usado na RSVem inglês somente em l Samuel 24.13, mas outros versículos podem referir-se a eles de uma maneira velada, como, por exemplo, em Jó 12.12 e Isaías 3.2. A expressão os 'mais velhos de Israel' provavelmente também se refira a estes ensinadores respeitáveis" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006).

 

Professor, pelos nomes acima citados e as informações apresentadas, podemos perceber a importância dos anciãos na história de Israel como nação, pois eles foram quem deram origem às instituições que existem até os dias de hoje, como o presbitério (presbys) da Igreja e o senado (senatus) nas repúblicas.

 

O carinho com os avós: são os pais dos nossos pais

Quando somos crianças, temos muito carinho por nossos avós, mas quando entramos na adolescência muitos têm a tendência a se afastar deles como quem descarta um equipamento que ficou obsoleto e não serve mais. Tremendo engano.

 

Seus avós são a sua origem, seu DNA, seu sobrenome, sua qualidade de vida; até seu conforto, em última análise, vem deles. Afinal, tudo o que seus pais fizeram por você, seus avós fizeram por eles. Só por isso, eles já merecem toda a sua atenção, carinho e respeito. O nome que se dá a isso é gratidão. Mas tem mais: eles podem ser uma importante fonte de conhecimento para você.

 

Por tudo isso, quem for esperto, vai colar em uma pessoa mais experiente como os idosos, pois diferente dos adultos, eles têm tempo e muito interesse em ouvir e falar com você. E tem muita experiência de vida para te passar!

 

 

 

AUXÍLIO BIBLIOLÓGICO

Caro professor, a Bíblia fala que devemos honrar os pais e os mais velhos, mas o que é honra? Você poderia se perguntar.

 

"A honra é o alto respeito ou estima mostrada a uma outra pessoa ou recebida dela, ou ainda uma demonstração de tal respeito. O conceito é expresso figurativamente no AT por palavras que também são traduzidas como beleza, majestade, talento, preciosidade, valor e glória. Os paralelos são significativos: glória e honra (1Cr 16.27; SI 8.5); glória e majestade (SI 21.5; 96.6; 104.1); honra e distinção (Et 6.3); dádivas, prémios e grandes honras (Dn 2.6); riquezas e glória (1Rs 3.13). Dessa forma, o conceito insere-se na adoração, que é o reconhecimento do valor. O próprio Deus merece toda a honra: o reconhecimento daquilo que Ele é, e a atribuição do louvor que lhe é devido. Deus também pode fazer com que os homens se­jam reconhecidos pelos outros: Ele ordenou que fosse mostrado respeito pelos pais (Ex 20.12) e aos mais velhos (Lv 19.32).

 

A honra, como subproduto da sabedoria e da piedade, é associada à vida no sentido de que só poderia encontrar seu cumprimento em uma imortalidade abençoada (Pv 3.16; 8.18; 21.21; 22.4; cf. Rm 2.7,10)" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p. 936).

 

Respeitemos as pessoas mais velhas!

A Bíblia leva muito a sério o respeito aos mais velhos. Veja só o que está escrito em Levítico 19.32: "Fiquem de pé na presença das pessoas idosas e as tratem com todo o respeito; e honrem a mim, o Deus de vocês. Eu sou o SENHOR." Viu? Para Deus, o nosso Senhor, esse assunto é sério.

Isto não quer dizer que todas as pessoas mais velhas são legais ou simpáticas. Muitas são ranzinzas, até mesmo antipáticas. Mas todas merecem o nosso respeito.

 

AUXILIO TEOLÓGICO

[Em Levítico 19.] "A santidade envolve o relacionamento com os pais (v. 3), as crian­ças (v. 29), Deus (w. 4-8, 26-28, 30,31), os pobres e estrangeiros (w. 9, 10, 15, 33-34), as mulheres (w. 20-22), o próximo e paren­tela (vv. 11-18, 35, 36), os mais velhos (v. 32), os animais (v. 19), aterra (vv. 19,23-25) e os deficientes (v. 14).

 

Cada seção indica uma reação diferente por parte de quem vive em santidade: obe­diência aos pais e a Deus; respeito pelos mais idosos; atenção às ne­cessidades físicas dos mais pobres; dizer a verdade; estar acima das tentações da injustiça (HAMILTON, Victor P. Manual do Pentateuco. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.333).

 

Conclusão

Vou te contar um segredinho: Dá uma olhadinha em seus avós, olhou? Eles são vocês amanhã. E isso aí. Um dia vocês vão envelhe­cer e terão a idade deles. E, provavelmente, terão netos iguais a vocês. Se isto é algo bom ou ruim, só vocês poderão dizer. Mas de uma coisa eu sei: tratem seus avós como vocês gostariam de ser tratados (Mt 7.12).

 

Seus avós não são eternos. Por isso, não dê motivo para se arrepender de um abraço não dado, uma presença mais frequente, um "eu te amo", "me desculpe", ou mesmo "obrigado por tudo" não dito.

 

Aproveite esta oportunidade preciosa que você tem de conviver com seus avós. Você não vai se arrepender.

Recapitulando

Nas famílias patriarcais, o indivíduo mais velho era o que tinha mais autoridade. Mas os tempos mudaram, e a sociedade patriarcal foi substi­tuída pela sociedade do consumo: uma explosão de produtos, tecnologias e costumes diferentes tornaram a figura do patriarca obsoleta.

 

O nosso corpo está em constante transformação. Quando entramos na terceira idade, nosso corpo começa a perder vigor, força e agilidade: estamos envelhecendo. Mas o que a gente perde em vigor, ganha em ex­periência. Além disso, com o avanço da medicina e da economia em nosso país, as pessoas estão vivendo mais e melhor.

 

Seus avós são a sua origem, seu DNA, seu sobrenome, sua qualidade de vida; até seu conforto, em última análise, vem deles. Afinal, tudo o que seus pais fizeram por você, seus avós fizeram por eles. Só por isso, eles já merecem toda a sua atenção, carinho e respeito.

 

A Bíblia - ou seja, o próprio Deus, já que a Bíblia é a sua Palavra - leva muito a sério o respeito aos mais velhos.

 

Um dia vocês vão envelhecer e terão a idade deles. É, provavelmente, terão netos iguais a vocês. Por isso, tratem seus avós como vocês gos­tariam de ser tratados: "Façam aos outros o que querem que eles façam a vocês; pois isso é o que querem dizer a Lei de Moisés e os ensinamentos dos Profetas" (Mt 7.12).

 

Refletindo

  1. Qual foi a última vez que você esteve com os seus avós? Resposta pessoal.
  2. Há pouco ou muito tempo?

Resposta pessoal.

  1. Que tal fazer uma visitinha surpresa a eles e dizer o quanto você os ama?

Resposta pessoal.

 

Lição 12- A Bíblia Ensina a Respeitar as Autoridades

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

Romanos 13.1-7; Hebreus 13.17-19

Destaque

"Obedeçam às autoridades, todos vocês. Pois nenhuma autoridade existe sem a permissão de Deus, e as que existem foram colocadas nos seus lugares por ele" (Romanos 13.1).

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Rm 13.1-7

Ter. Jo 19.11

Qua. Tt

Qui. Hb 13.17-19

Sex. Jo 10.11

Sáb. Hb 13.7

Dom. 2Tm 4.2-5

Objetivos

Esclarecer que as autoridades, tanto as espirituais quanto ás seculares, foram instituídas por Deus;

Conscientizá-los de que mesmo autoridades seculares impopulares devem ser respeitadas;

Mostrar que Deus exige respeito a todas as autoridades.

 

 

Material Didático

Cartolina, tesoura, fita adesiva ou cola, imagens baixadas no site da CPAD.

Quebrando a Rotina

Vamos montar um quebra-cabeças? Vá em http://www.editoracpad.com.br/escoladominical/ na página do subsídio da semana; Imprima duas cópias da imagem do quebra-cabeça e recorte uma delas seguindo o pontilhado para termos as peças. Coloque as peças do quebra-cabeças sobre a mesa. Escolha um dos alunos para ser o líder. Dê a ele a segunda imagem do quebra-cabeça (a que não foi cortada), pois servirá para ele de gabarito, para a montagem. Cada aluno irá pegar ama pecado quebra cabeças eira até o líder que, por meio da comparação com o gabarito, dirá aonde ele terá de colar a peça (pode serem uma cartolina sobre a mesa ou na parede). Ao final, teremos o quebra-cabeça completo.

 

Explique que é por isso que devemos seguir a orientação dos líderes, mesmo quando não entendemos o por quê de suas ordens. Eles têm uma visão global do resultado que querem atingir.

 

ESTUDANDO A BÍBLIA

Se no infância, nossos pais e mestres são nossos heróis e referências para a vida, na adolescência, começamos a questionar "o mundo dos adultos". Do questionamento para a rebeldia é um pulo. Ainda mais quando o mundo inteiro os bombardeia com estímulos visuais e sonoros para curtirem o momento, sem se preocuparem com o futuro nem com as consequências de seus atos. Neste mundo fechado, onde adultos não entram, toda e qualquer tentativa de refrear, orientar ou questionar seu comportamento vindo de uma autoridade adulta é vista como repressão, caretice e incompreensão.

 

Pior ainda se esta autoridade for representante de uma instituição com a qual eles não possuem afinidade ou tenham até mesmo aversão, como a política, por exemplo.

 

Mas as autoridades foram instituídas por Deus para o bem deles e nosso também. Não será uma tarefa fácil, mas é extremamente necessária.

 

 

 

 

Segundo os dicionários, autoridade é o direito ou poder de fazer obedecer, dar ordens, tomar decisões, agir com influência ou prestigio. Também é quem possui muito conhecimento em um determinado assunto.

 

Entenda uma coisa: todo grupo possui uma liderança. Pode ser um time de futebol, pode ser uma sala de aula, uma igreja ou mesmo a sua família. A sociedade humana, criada por Deus, precisa de pessoas que coordenem, administrem, distribuam tarefas e responsabilidades, corrijam, controlem, enfim, que lideram.

 

Isto acontece em sua própria casa. Seus pais têm autoridade sobre você, afinal, você não apenas saiu deles, você vive na casa deles, e se você ainda não trabalha tudo o que você tem foi comprado com o dinheiro deles. Ou seja, você vive pelas regras deles. E, vai por mim, isso é bom. Mais ainda: é a vontade de Deus. Lembra da aula sobre respeitar o pai e a mãe?

 

Quem são as autoridades instituídas no Brasil

Você sabia que a Bíblia nos ordena a obedecermos às autoridades civis (Rm 13.1-7)? Mais ainda, Deus deixou bem claro que as autoridades foram instituídas por Ele.

 

Foto. Alas naquela época não tinha os políticos que têm hoje...

Ao contrário, naquela época era até pior! Lembre-se: Paulo escreveu esta epístola para os romanos e, naquela época, o governo romano era bem corrupto. Mesmo assim, Paulo escreveu que os cristãos romanos deveriam respeitá-lo. Ou seja, o princípio da hierarquia e da autoridade vem de Deus para a boa convivência entre as pessoas, mas o pecado distorceu isto, gerando distorções como o autoritarismo, a injustiça e a corrupção. O próprio Jesus reconheceu a origem divina da autoridade, mesmo quando exercida por pessoas ímpias. Lembra do que Ele disse para Pilotos? Está lá em João 19.11: "Jesus respondeu: — O senhor só tem autoridade sobre mim porque ela lhe foi dada por Deus. Por isso aquele que me entregou ao senhor é culpado de um pecado maior".

 

AUXILIO BIBLIOLOGICO

"AUTORIDADE. O termo gr. exousia é a principal palavra traduzida como 'autoridade' no NT. Ela significava originalmente o poder e a liberdade de escolha (por exemplo, 1Co 7.37). Os testamentos antigos expressavam o 'direito' do testador de dispor de sua propriedade como desejasse. No NT, exousia é usado no sentido de direito de uma pessoa. Paulo falou de seus direitos como um apóstolo (1Co 9.1-14). Aqueles que lavam as suas vestiduras têm o direito à árvore da vida (Ap 22.14), assim como Cristo dá, àqueles que o recebem, o direito de se tornarem filhos de Deus (Jo 1.12).

 

Então exousia veio a significar o poder de direito de agir, possuir ou controlar, como no caso do procedimento de venda da propriedade de Ananias e Safira (At 5.4). Enquanto o termo dynamis primeiramente denota força física ou habilidade, exousia geralmente significa a autorização ou o poder que é de certo modo legal (por exemplo, At 9.14; 26.10,12). O ensino uniforme da Bíblia Sagrada é que o único poder de direito no universo criado é o do Criador. A autoridade absoluta só pertence a Deus, sendo qualquer outra autoridade subordinada e derivativa.

 

Os homens só têm autoridade quando Deus lha confere (Jo 19.11). Isto é verdadeiro tanto dentro da igreja como no âmbito do governo civil, onde oficiais (por exemplo, os romanos) seculares são chamados de "autoridades", ministros de Deus para punir os malfeitores (Rm 13.1-7). O cristão deve honrar e se submeter a esses reais e governadores (l Pé 2.13-17; Tt3.1; cf. Mt22.2l), a menos que isto exija uma desobediência direta a Deus (At 4.19; 5.29)" (Dicionário Bíblico Wycliffe. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.239,40).

 

Respeitando os nossos professores (Professores seculares e da Escola Dominical)

Um importante exemplo de autoridade que você tem bem perto de você: seus professores. *Dúvida! Ué, professor é autoridade de quê? Não é político, não usa farda, nem nada disso!

 

Leia de novo a definição de autoridade. Veja a segunda definição: "quem possui muito conhecimento em um determinado assunto". Ele tem o poder de ensinara você coisas novas de áreas do conhecimento que ele domina e você não, como, por exemplo, química, álgebra, língua portuguesa, biologia e... Bíblia! Professores são autoridades nas matérias que eles ensinam e, como autoridades, eles avaliam o seu aprendizado por meio de notas e determinam se você está aprovado ou reprovado para seguir para a próxima classe. Eles têm autoridade inclusive para tirar da sala ou mesmo aplicar suspensão em alunos que não se comportam de forma adequada.

 

*Só Que Não. Lá na escola ninguém respeita o professor.

E você acha isso certo? Não existe nada mais valioso neste mundo do que o conhecimento, mas nossa sociedade pecaminosa não consegue perceber isso, pois só quer viver o momento e esquece que no amanhã muitas portas podem se fechar para quem não tem educação e cultura. Professores têm de ser honrados e respeitados, pois eles têm a chave do futuro em suas mentes e corações. Aliás, Deus leva o ensino tão a sério que enviou o seu Filho, Jesus, não apenas para morrer por nós, mas para nos ensinar. Esqueceu que Jesus foi um mestre, isto é, um professor?

 

AUXÍLIO PEDAGÓGICO

 

Uma das maneiras e princípios pelos quais a escola prepara os jovens para o "mundo real" é em seu desenvolvimento do respeito pela autoridade. Em uma sociedade onde as crianças são bombardeadas pela mídia e, muito frequentemente em casa, com imagens de inépcia de adultos, você tem a oportunidade de ser um modelo bastante raro: uma figura de autoridade digna de respeito e honra.

 

O que mais importa é que você estabeleça um ambiente de aprendizado, construído sobre a ideia de que Deus coloca em seus lugares aqueles que estão no comando, não para intimidar, mas para dirigir com sabedoria" (BUNYAN John; CHRISTENSON, Evelyn; MAXWELL, John C. (et al.) Graça Diária para Professores. Rio de Janeiro: CPAD, 2007, p.9).

 

Respeitando os nossos pastores e líderes espirituais

 

Outro tipo de autoridade muito importante é a espiritual: Homens e mulheres como referências de fé, de conduta moral e de conhecimento acerca da Palavra de Deus e que, por tudo isto, são referências para nós. Pessoas como essas, a Bíblia nos orienta a imitar a fé, sabia? (Hb 13.7)

 

A Bíblia compara os líderes espirituais a pastores de ovelhas, pessoas cuja missão é cuidar e proteger o rebanho para que nenhuma se perca nem fique fraca ou doente, guiando-as por caminhos seguros a pastos verdejantes e águas tranquilas. Também é missão do pastor impedir que lobos tentem devorá-las. Não foi à toa que Jesus disse de si mesmo: "Eu sou o bom pastor, o bom pastor dá a vida por suas ovelhas" (Jo 10.11).

 

E importante entendermos que pastores não são donos das ovelhas, são empregados do dono do rebanho. Isaque, por exemplo, tinha pastores a seu serviço que cuidavam de suas ovelhas (Gn 26.20). Da mesma forma, os pastores têm a grande responsabilidade dada pelo Senhor de guiar o povo de Deus a fontes de águas cristalinas, isto é, a Jesus (Jo 7.37,38), Não é uma tarefa fácil! Leia o conselho que o apóstolo Paulo deu ao jovem pastor Timóteo em 2 Timóteo 4.2-5.

 

Vida de pastor não é fácil, não! Isto não quer dizer que sejam perfeitos. São pessoas comuns, com qualidades e defeitos, como eu e você, mas foram elas que Deus escolheu para este importante ministério. Por isso, nunca se esqueça de orar por seus pastores e líderes espirituais. Eles precisam muito deste suporte, pois pode até não parecer, mas a tarefa deles é árdua e, muitas vezes, incompreendida (Hb 13.17).

 

AUXÍLIO BIBLIOLOGICO

Pregar e ensinar são atividades intimamente relacionadas. Pregar é proclamar a Palavra de Deus e confrontar os ouvintes com a verdade das Escrituras. Ensinar é explicar a verdade contida nas Escrituras, ajudando os estudantes a entender as passagens difíceis e aplicar a Palavra de Deus à sua vida cotidiana. Paulo diz que estes presbíteros são merecedores de duplicada honra. Infelizmente, porém, com frequência os subestimamos, não suprindo adequadamente as suas necessidades ou sujeitando-os a pesadas críticas. Pense sobre como você pode honrar seus pastores e mestres.

 

[...] Os líderes da igreja não são isentos de pecado, de falhas e erros. Mas são frequentemente criticados por razões erradas — imperfeições menores, fracasso por não atuarem de acordo com as expectativas de algumas pessoas, conflitos de personalidade. Deste modo, Paulo diz que as acusações não devem sequer ouvidas, a menos que haja duas ou três testemunhas confirmando-as. O apóstolo diz também que aqueles líderes da igreja que vivessem em pecado deveriam ser confrontados em relação ao seu comportamento, e repreendidos. Mas toda repreensão deve ser feita com justiça e amor, visando a restauração" (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal, Rio de Janeiro: CPAD, 2008, p. 1708).

 

Conclusão

Acho que já deu para perceber que, para Deus, o respeito às autoridades é coisa séria, né? Se não deu, aí vai um versículo para deixar mais claro: "Assim quem se revolta contra as autoridades está se revoltando contra o que Deus ordenou, e os que agem desse modo serão condenados" (Rm 13.2).

 

Muitas vezes, as autoridades - todas elas: líderes, professores, pastores e nossos pais - têm a dura missão de não nos deixar fazermos aquilo que queremos e nos obrigam afazermos aquilo que precisamos. Eu sei que não é agradável, mas é necessário. E será exatamente isso que você fará um dia quando chegar a sua vez de exercer autoridade.

 

Recapitulando

Autoridade é o direito ou poder de fazer obedecer, dar ordens, tomar decisões, agir, influenciar ou ter prestigio. Também é quem possui muito conhecimento em um determinado assunto. Sua função é coordenar, administrar, distribuir tarefas e responsabilidades, corrigir, controlar; enfim, liderar.

 

A Bíblia nos ordena obedecermos as autoridades civis (Rm 13.1-7), pois Deus deixou bem claro que elas foram instituídas por Ele.

 

O nosso país é constituído de diversas autoridades em três níveis: federal, estadual e municipal, distribuídas nos três poderes: executivo, legislativo e judiciário. Governadores, presidentes, juízes são exemplos de autoridades mais conhecidas. Mas policiais, fiscais, diretores e até pilotos de aviões também são.

 

Professores são autoridades nas matérias que eles ensinam e avaliam o seu aprendizado por meio de notas, determinando se você está aprova­do ou reprovado para seguir para a próxima classe. Eles têm autoridade inclusive para tirar da sala ou mesmo aplicar suspensão em alunos que não se comportam bem.

 

Há também a autoridade espiritual. Homens e mulheres que são refe­rências de fé, conduta moral e conhecimento da Palavra de Deus. Pessoas como essas, a Bíblia nos orienta a imitar a fé (Hb 13.7).

Nunca se esqueça de orar por seus pastores e líderes espirituais. Eles precisam muito deste suporte, pois a tarefa deles é árdua e, muitas vezes, incompreendida.

 

Refletindo

  1. O que é autoridade?

Capacidade de se colocar no lugar do outro.

  1. Você respeita os seus professores?

Resposta livre.

  1. Você tem orado pelo seu pastor e por todas as autoridades ins­tituídas?

 

Lição 13- Um Convite para Semear a Palavra de Deus

Lição Bíblica de Adolescentes

Trimestre: 4° de 2017

TEXTO BÍBLICO

Marcos 4.1-9,13-20

Destaque

"E existem aquelas pessoas que são como as sementes que foram semeadas em terra boa. Elas ouvem, e aceitam a mensagem, e produzem uma grande colheita: umas, trinta; outras, sessenta; e ainda outras, cem vezes mais do que foi semeado" (Marcos 4.20).

LEITURA DEVOCIONAL

Seg. Mc 4.1-9

Ter. Mc 4.13-20

Qua. Mc 16.15

Qui. 1Co 3.6,7

Sex. Jo 14.26

Sáb. Jo 15.16

Dom. Mt 28.19,20

CLIQUE E LEIA TAMBÉM:

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE ADULTOS

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE JOVENS

LIÇÕES BÍBLICAS CLASSE DE JUVENIS

ESTUDOS PARA PROFESSORES DA EBD

Objetivos

Apontar para a convergência de todas as lições anteriores para esta última lição;

Conscientizá-los da importância de pregar o Evangelho;

Instá-los a darem um bom testemunho pessoal, baseado na Palavra de Deus.

Material Didático

Cartolina, régua, canetas hidrográficas.

ESTUDANDO A BÍBLIA

Chegamos finalmente a última Lição! Se tudo deu certo, seus alunos aprenderam que a Bíblia, a Palavra de Deus, é o manual do fabricante para nossas vidas. Como tal, - ela é perfeita, completa, confiável e, acima de tudo, o mapa que nos mostra como chegarmos a Cristo, nosso Senhor e Salvador. Agora falta a última lição que coroa todo este trabalho: mostrar que a sua mensagem tem de ser levada adiante. Eles devem compreender que nem sempre serão bem-sucedidos, mas que isto não deve desanimá-los, nem tampouco se envergonharem da preciosa mensagem que foi confiada a eles. A base para isso será a parábola do semeador. Estude a lição, busque conhecimento adicional em livros como comentários bíblicos, sobre agricultura e até sobre matemática, afinal, a parábola também é um gráfico que pode ser utilizado para ilustrar o seu significado literário: um desvio para se chegar a um determinado ponto.

 

Clique e acesse

Você se lembra do que Jesus disse em Marcos 16.15? "Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a todas as pessoas."

O objetivo dEle não era que sua mensagem fosse ouvida apenas pelas pessoas da Palestina naquela época. Ele escolheu discípulos, os treinou, os ensinou e os capacitou para continuarem seu ministério, pregando o Evangelho para todos, tanto judeus como estrangeiros. Foi o que eles fizeram e, através de gerações e gerações de cristãos comprometidos com a pregação do Evangelho, a Igreja se espalhou portado o mundo e chegou até você. Agora, cabe a você continuar a cumprir este mandamento de Jesus. Claro que nem todos estão com o coração aberto para receber a boa nova de salvação, mas Jesus nos alertou que seria assim quando contou a parábola do semeador. Aliás, você sabe o que é parábola?

O que é uma parábola

Gênero literário que evoca, por comparação, outras realidades de ordem superior.

Por exemplo: O rico e a ovelha do pobre (2 Sm 12.1-10); O bom samaritano (Lc 10.25-37); o juiz iníquo (Lc 18.1-8); o semeador (Mt 13.1-23).

 

Pausa Aí. Desculpa, mas não entendi nadinha...

Foi mal. Deixa eu explicar melhor: uma parábola é uma história terrena com um significado espiritual. E uma comparação.

 

Assim, as parábolas de Jesus usavam elementos do cotidiano de seus ouvintes. Portanto, o fundo histórico e cultural da Palestina na época de Cristo são importantes para entendermos suas parábolas. Não é à toa que Ele contava histórias citando plantações, assaltos à beira da estrada, pastoreio de ovelhas, etc. Era a realidade do povo da Galileia e da Judeia. E Ele usava estes elementos que as pessoas conheciam muito bem para falar de coisas que eles não conheciam, como o plano da Salvação, a misericórdia de Deus, a prática do amor ao próximo, etc.

 

Resumindo: ao invés de Jesus explicar diretamente estes conceitos espirituais, pois seria complicado demais para as pessoas, ele contava uma história para explicar por meio de comparações. Assim, Jesus é o bom pastor, Deus é o semeador, e assim por diante.

 

 

 

Só que o significado espiritual das histórias que Jesus contava não era assim, fácil de perceber na parábola. Muitas vezes era necessário que Jesus explicasse o que Ele estava querendo ensinar acerca do Reino de Deus com aquela parábola.

 

VEJA TAMBÉM – CLIQUE:

- Lições de Jesus sobre o fim na parábola do Trigo e do Joio

- Parábola do Castigo e Exílio de Judá

 

AUXILIO TEOLÓGICO

Jesus ensinava às pessoas contando-lhes histórias em forma de parábolas; usou cenas conhecidas [o lavrador no cuidado do campo, o pastor no trato das ovelhas, etc.] para explicar importantes verdades espirituais. Esse método de ensino obriga o ouvinte a pensar. Oculta a verdade àqueles que são demasiadamente rebeldes ou preconceituosos para ouvir o que está sendo ensinado. A maioria das parábolas tem uma especificidade teológica, portanto devemos ter cuidado para não ir além do que Jesus pretendia ensinar.

 

[...] Escutamos com nossos ouvidos, porém existe uma forma mais profunda de ouvir: com a mente e o coração. Isso é importantíssimo para compreendermos espiritualmente as palavras de Jesus. Algumas pessoas da multidão procuravam provas contra Jesus, mas outras estavam verdadeiramente desejosas de aprender e crescer. As palavras de Jesus eram dirigidas àqueles que estavam sinceramente interessados.

Algumas pessoas não compreendem a verdade de Deus, porque não estão prontas para recebê-la. Ele revela a verdade às pessoas que agirão de acordo com ela e a tornarão visível em sua vida. Quando você falar com as pessoas a respeito de Deus, esteja certo de que só compreenderão se estiverem prontas para isso. Seja paciente, aproveite todas as oportunidades para contar-lhes mais detalhes sobre Deus e ore para que o Espírito Santo abra a mente e o coração de cada uma, a fim de que recebam a Palavra (a revelação da verdade) e ajam de acordo com ela (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2008, p. 1297).

 

Explicando a Parábola do Semeador

 

Antes de contar a sua parábola, Jesus exigiu atenção das pessoas: "Escutem!" — Ele falou (Mc 4.3). As pessoas logo perceberam que Eletinha algo importante para falar. Então, Ele contou a parábola do Semeador. Leia Marcos 4.3-9. Nela, Jesus conta a história de um homem que saiu a semear, lançando sementes a esmo. A Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal explica porquê: "As sementes eram plantadas manualmente. A medida que o lavrador caminhava pelo campo, jogava sobre o solo punhados de semente, as plantas não cresciam em fileiras harmoniosas como atualmente, quando a semeadura é feita com o auxílio de máquinas semeadoras. Não importa o quanto o lavrador fosse habilidoso, ele nunca conseguia evitar que algumas sementes caíssem pelo caminho, sobre rochas e espinhos ou fossem carregadas pelo vento. Assim, o lavrador lançava a semente com liberalidade, a fim de que um número suficiente caísse em solo fértil e a colheita fosse assegurada". Tanto no Evangelho de Marcos quanto no de Mateus, esta foi a primeira parábola de Jesus que foi registrada, o que leva a crer que foi a primeira parábola que Ele contou.

 

*Dúvida! Qual a moral da história da parábola do Semeador?

 

Boa pergunta. As pessoas que a ouviram quando Jesus a contou também não sabiam. Só que aí começa o problema: muitos não ficaram para ouvir a explicação (v. 10). Somente aqueles que tinham interesse sincero em aprender com Jesus permaneceram e perguntaram o que ela queria dizer. Então, em Marcos 4.13-20, Ele explicou. Esta parábola esclarece porque nem todas as pessoas que ouvem a mensagem do Evangelho se convertem e, daquelas que o recebem, nem todas o seguem até o fim. A semente é a Palavra. A semente é boa, o problema são os solos. Eles simbolizam pessoas com quatro tipos de vidas diferentes: pessoas duras (caminho), pessoas superficiais (pedras), pessoas atribuladas (espinhos) e pessoas receptivas (boa terra). Pessoas com o coração endurecido não são receptivas ao Evangelho e o descartam logo. Já pessoas superficiais recebem a mensagem com alegria, mas não tem maturidade e suficiente comunhão com Deus para suportarem os dias maus. E os dias maus sempre vêm, afinal, a vida cristã não é um mar de rosas. Também há pessoas que são atribuladas, mas o problema delas não é a perseguição, mas sim o egoísmo, colocando a si mesmas e suas prioridades acima do Evangelho. Por fim, há pessoas com o coração aberto que recebem a mensagem do Evangelho de forma profunda, desprendida e dedicada. Essas pessoas frutificarão e muito! Que tipo de pessoa você quer ser?

 

AUXÍLIO TEOLÓGICO

As multidões tinham partido e Jesus estava só, exceto por aqueles que estavam junto dele com os doze (v. 18). Estes eram seguidores solidários que estouram entre o público maior, e interrogaram-no acerca da parábola.

Esta pergunta ilustra o objetivo e eficiência das suas parábolas: levarem as pessoas a pensar, afim de que a mensagem pudesse penetrar em seus e corações através dos seus ouvidos (Lc 9.44).

 

Semeando a boa notícia do Evangelho

O que Jesus quis nos ensinar com esta parábola? Bom, em primeiro lugar, que devemos cumprir o mandamento de pregar o Evangelho, mas sem a neura de converter ou ganhar alguém para Jesus". Nem todas as sementes que lançamos em solo fértil. E não cabe a nós julgarmos os outros para sabermos quem é "solo fértil" e quem não é. Jesus disse para anunciarmos o Evangelho "a todas as pessoas" (Mc 16.15). Até porque quem convence não é você ou eu, mas o Espírito Santo. Paulo deixou isso ainda mais claro em 1Corintios 3.7: " De modo que não importa nem o que planta nem o que rega, mas sim Deus, que dá o crescimento".

 

Repetindo: isto não é um concurso ou uma competição: é um mandamento, do qual muitas vezes nem sabemos quantas pessoas foram tocadas pelo Espírito Santo por meio de nosso testemunho pessoal ou por uma palavra dita no momento exato. E, quer saber? E até bom a gente não saber, para não dar chance para a vaidade crescer em nosso coração e a gente começar a achar que é alguma coisa importante. A obra é dEle, então toda a honra, toda a glória sejam dadas somente à Ele, o nosso Deus. Disse Jesus: "Portanto, vão a todos os povos do mundo e façam com que sejam meus seguidores, batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-os a obedecer a tudo o que tenho ordenado a vocês. E lembrem disto: eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos" (Mt 28.19,20).

 

AUXILIO BIBLIOLOGICO

"A obra de Deus envolve muitos indivíduos diferentes com uma variedade de dons e habilidades. Não existem "estrelas" nessa tarefa, somente membros da equipe executando suas funções específicas. Podemos nos tornar membros úteis da equipe de Deus, colocando de lado nosso desejo de receber a glória pelo que fazemos. Não busque o elogio que vem das pessoas-este é comparativamente desprezível. Antes busque a aprovação de Deus" (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, Rio de Janeiro: 2008, p.1730).

 

 

 

Conclusão

Vimos muita coisa neste trimestre acerca do nosso "Manual do Fabricante", mas este é só o começo. Imagine que esta lição foi seu treinamento para sua jornada pessoal para dentro da Palavra de Deus. E, quanto mais você explorá-la, mais tesouros espirituais descobrirá. Mas há uma regra: o que aprendemos de Deus, compartilhamos com os outros. Passe adiante a mensagem do Evangelho: Deus é amor e provou isso enviando seu filho, Jesus, para nos ensinar e nos salvar, morrendo por nós na cruz.

Mas é muito importante você entender que suas atitudes falam mais alto do que suas palavras. As pessoas à sua volta, vão avaliar o Evangelho de Jesus por meio de seu testemunho de cristão. Que responsabilidade, hein?

 

Portanto, mergulhe fundo na Palavra, deixe que ela faça parte de sua vida. Melhor: deixe que ela direcione a sua vida. Aprenda, por meio da leitura da Palavra de Deus, o que o Deus da Palavra quer para a sua vida. E o que Ele quer é que você tenha vida, e vida em abundância.

 

O Evangelho tem de ser vivido, pregado, curtido e compartilhado. Jesus disse que o Espírito Santo nos lembraria de todas as coisas (Jo 14.26). Detalhe: Ele disse que "lembraria", não que daria cola.  Ele só poderá te lembrar daquilo que você leu antes. Por isso, é muito importante que você leia o seu "Manual do Fabricante", pois onde quer que você vá, o que quer que você faça, o nome de Jesus estará junto, colado em você. Então seja um bom representante de Cristo. Para muitas pessoas sua vida é a única Bíblia que tem para ler.

 

Recapitulando

Jesus disse: "Vão pelo mundo inteiro e anunciem o evangelho a todas as pessoas" (Mc 16.15). O objetivo dEle não era que sua mensagem fosse ouvida apenas pelas pessoas da Palestina naquela época, mas que atravessasse gerações. Ele escolheu discípulos, os treinou, os ensinou e os capacitou para continuarem seu ministério, pregando o Evangelho para todos, tanto judeus como estrangeiros. Agora, cabe a você continuar a cumprir este mandamento de Jesus.

 

Uma parábola é uma história terrena com um significado espiritual. É uma comparação.

 

Assim, as parábolas de Jesus usavam elementos do cotidiano de seus ouvintes. Ao invés de Jesus explicar diretamente estes conceitos espirituais, pois seria complicado demais para as pessoas, Ele contava uma história para explicar por meio de comparações. Assim, Jesus é o bom pastor, Deus é o semeador, e assim por diante.

 

O significado espiritual das histórias que Jesus contava não era fácil de se perceber. Muitas vezes era necessário que Jesus explicasse o que Ele estava querendo ensinar acerca do Reino de Deus com aquela parábola.

 

O que Jesus quis nos ensinar com esta parábola é que pregar o Evangelho é um mandamento, do qual muitas vezes nem sabemos quantas pessoas foram tocadas peio Espírito Santo por meio de nosso testemunho pessoal ou por uma palavra dita no momento exato.

 

O Evangelho tem de ser vivido, pregado, curtido e compartilhado. Por isso, é muito importante que você leia o seu "Manual do Fabricante".

 

Refletindo

  1. O que é uma parábola?

GÊnero literário que evoca, por comparação, outras realidades de ordem superior.

  1. Qual o significado da Parábola do Semeador?

Esta parábola esclarece porque nem todas as pessoas que ouvem a mensagem do Evangelho se convertem e, daquelas que o recebem, nem todas o seguem até o fim. A semente é a Palavra. A semente é boa, o problema são os solos.

  1. Você deseja semear a boa notícia, o Evangelho?

Resposta pessoal.