Translate this Page

Rating: 2.7/5 (307 votos)




ONLINE
5




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


ESTEVÃO O PRIMEIRO MARTIR SUBSIDIO
ESTEVÃO O PRIMEIRO MARTIR SUBSIDIO

MAURICIO BERWALD PROFESSOR  SUBSIDIO PARA AS AULAS DOS PROFESSORES LIÇÃO ADULTOS

Comentário Matthew Henry

ESTEVÃO O PRIMEIRO MARTIR

Atos 6

Introdução

Neste capítulo temos, I. O descontentamento que estava entre os discípulos sobre a distribuição da caridade pública, At 6: 1 . II. A eleição e ordenação de sete homens, que devem cuidar desse assunto, e aliviar os apóstolos do fardo, Atos 6: 2-6 . III O aumento da igreja, pela adição de muitos a ela, Atos 6: 7 . IV. Um relato particular de Stephen, um dos sete. 1. Sua grande atividade para Cristo, Atos 6: 8 . 2. A oposição que ele encontrou dos inimigos do cristianismo, e suas disputas com eles, Atos 6: 9,10 . 3. A convocação dele antes do grande sinédrio e os crimes a seu cargo, Atos 6: 11-14. 4. Deus o possui em seu julgamento, Atos 6:15 .

 

Versos 1-7

A nomeação de diáconos.

1E naqueles dias, quando se multiplicou o número dos discípulos, houve uma murmuração dos gregos contra os hebreus, porque suas viúvas foram negligenciadas no ministério diário. 2Então os doze convocaram a multidão dos discípulos ,e disse: Não é razão que devemos deixar a palavra de Deus e servir às mesas. 3 Portanto, irmãos, vede entre vós sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e da sabedoria, a quem podemos designar para este negócio. 4 Mas nós nos entregaremos continuamente à oração e ao ministério da palavra. 5 E a declaração agradou a multidão: e escolheram Estêvão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, e Filipe, e Prócoro, e Nicanor, e Timão, e Parmenas, e Nicolas, prosélito de Antioquia; colocado diante dos apóstolos: e quando eles oraram, eles colocaram as mãos sobre eles. 7 E a palavra de Deus aumentou e o número dos discípulos se multiplicou em Jerusalém muito e grande grupo dos sacerdotes obedeceu à fé.

 

Tendo visto as lutas da igreja com seus inimigos e triunfado com ela em suas vitórias, agora chegamos a ter uma visão da administração de seus assuntos em casa e aqui temos,

 

  1. Um desagradável desacordo entre alguns membros da igreja, que poderia ter sido de má conseqüência, mas foi prudentemente acomodado e aceito no tempo ( Atos 6: 1Atos 6: 1 ): Quando o número dos discípulos (para que os cristãos fossem a princípio chamados, discípulos de Cristo) multiplicou-se a muitos milhares em Jerusalém, levantando-se um murmúrio.

 

  1. Nosso coração faz bem ao descobrir que o número dos discípulos é multiplicado, pois, sem dúvida, isso incomodava os sacerdotes e os saduceus ao coração ao vê-lo. A oposição com a qual a pregação do evangelho se reuniu, em vez de verificar seu progresso, contribuiu para o sucesso desta e da igreja cristã nascente, como a infante igreja judaica no Egito, quanto mais ela era afligida, mais ela se multiplicava. Os pregadores foram espancados, ameaçados e maltratados, e ainda assim o povo recebeu sua doutrina, convidada, sem dúvida, pela sua maravilhosa paciência e alegria sob suas provações, o que convenceu os homens de que eram levados por um espírito melhor do que seus próprios.

 

  1. No entanto, lança uma umidade sobre nós para descobrir que a multiplicação dos discípulos prova uma ocasião de discórdia. Até então eles estavam todos com um acordo. Isso tinha sido muitas vezes notado para a sua honra, mas agora que eles foram multiplicados, eles começaram a murmurar como no velho mundo, quando os homens começaram a se multiplicar, eles se corromperam. Tu multiplicaste a nação e não aumentaste a alegria deles, Isaías 9: 3Isaías 9: 3 . Quando Abraão e Ló aumentaram suas famílias, houve um conflito entre seus pastores, por isso foi aqui: surgiu um murmúrio, não um desabafo aberto, mas uma queimação secreta do coração.

 

(1) Os reclamantes eram os gregos, ou helenistas, contra os hebreus- os judeus que foram espalhados na Grécia, e outras partes, que normalmente falavam a língua grega, e leram o Antigo Testamento na versão grega, e não o hebraico original, muitos dos quais estando em Jerusalém na festa abraçaram a fé de Cristo, e foram adicionados à igreja, e assim continuou lá. Estes reclamaram contra os hebreus, os judeus nativos, que usavam o hebraico original do Antigo Testamento. Alguns de cada um deles se tornaram cristãos, e, ao que parece, a adoção conjunta da fé em Cristo não prevaleceu, como deveria ter feito, para extinguir os pequenos ciúmes que eles tinham antes de sua conversão, mas eles retiveram um pouco daquele velho fermento não compreendendo, ou não lembrando, que em Cristo Jesus não há grego nem judeu,nenhuma distinção de hebraico e helenista, mas todos são bem vindos a Cristo, e devem ser, para o bem dele, queridos uns aos outros.

 

(2) A queixa destes gregos foi que suas viúvas foram negligenciadas na administração diária, isto é, na distribuição da caridade pública, e as viúvas hebréias tiveram mais cuidado com elas. Observe, A primeira disputa na igreja cristã foi sobre uma questão de dinheiro, mas é uma pena que as pequenas coisas deste mundo devam ser feitas entre aqueles que professam estar envolvidos com as grandes coisas do outro mundo. Uma grande quantidade de dinheiro foi reunida para o alívio dos pobres, mas, como freqüentemente acontece em tais casos, era impossível agradar a todos os que os dispunham. Os apóstolos, aos pés de quem foi colocado,Fizeram o seu melhor para dispor dele, de modo a responder às intenções dos doadores, e, sem dúvida, projetado para fazê-lo com a maior imparcialidade, e estavam longe de respeitar os hebreus mais do que os gregos e ainda aqui eles são reclamados e tacitamente reclamou, que as viúvas gregas foram negligenciadasembora fossem como verdadeiros objetos de caridade, mas não lhes tinham permitido tanto, ou não a tantos, ou não tão devidamente pagos, como os hebreus. Agora, [1] Talvez essa queixa fosse infundada e injusta, e não havia motivo para isso, a não ser aqueles que, de qualquer forma, estão em desvantagem (como os judeus gregos fizeram, em comparação com aqueles que eram hebreus dos hebreus) são ciumentos de serem desprezados quando na verdade não são assim e é culpa comum das pessoas pobres que, em vez de serem gratas por aquilo que lhes é dado, sejam calamitosas e clamorosas, e aptas a acharem não lhes é dado, ou que mais é dado a outros do que a eles e há inveja e cobiça, essas raízes de amargura, a serem encontradas entre os pobres, bem como entre os ricos, não obstante as providências humilhantes, eles estão sob e devem se acomodar. Mas, [2.] Vamos supor que pode haver alguma ocasião para sua queixa. Primeiro, alguns sugerem que, embora seus outros pobres estivessem bem providos, ainda assim suas viúvas foram negligenciadas, porque os gerentes se governavam por uma antiga regra que os hebreus observavam, que uma viúva deveria ser mantida pelos filhos de seu marido. Veja 1 Timóteo 5: 4 1 Timóteo 5: 4 . Mas, segundo, eu entendo que as viúvas são colocadas aqui para todos os pobres, porque muitos dos que estavam no livro da igreja, e receberam esmolas, eram viúvas, que estavam bem providas pela indústria de seus maridos enquanto viviam, mas foram reduzidos a dificuldades quando se foram. Como aqueles que têm a administração da justiça pública devem, de uma maneira particular, proteger as viúvas das injúrias ( Isaías 1:17 ; Lucas 18: 3Isaías 1:17 Lucas 18: 3 1 Timóteo 5: 3Assim, aqueles que têm a administração da caridade pública devem, de uma maneira particular, prover às viúvas o que é necessário. Veja 1 Timóteo 5: 3. E observe, As viúvas aqui e os outros pobres, tiveram uma ministração diária, talvez eles quisessem previsão, e não pudessem poupar para o futuro, e portanto os administradores do fundo, em bondade para com eles, lhes davam dia a dia seu pão diário viveu de mão em boca. Agora, parece, as viúvas gregas foram, comparativamente, negligenciadas. Talvez os que dispunham do dinheiro considerassem que havia mais recursos financeiros para os hebreus do que os ricos, que não tinham propriedades para vender, como os hebreus tinham, e, portanto, os gregos pobres deveriam ter menos do fundo. isso, embora houvesse alguma razão tolerante para isso, eles achavam difícil e injusto. Nota: Na igreja mais bem ordenada do mundo haverá algo errado, alguma mal-administração ou outra, algumas queixas,

 

  1. O feliz acomodando este assunto, e o expediente lançado para a remoção da causa deste murmúrio. Os apóstolos tinham até agora o direcionamento do assunto. As solicitações foram feitas para eles e recursos em casos de queixas. Eles foram obrigados a empregar pessoas sob eles, que não tomaram todos os cuidados que poderiam ter tomado, nem foram tão bem fortificados como deveriam ter sido contra as tentações à parcialidade e, portanto, algumas pessoas devem ser escolhidas para administrar este assunto que têm mais lazer para atendê-lo do que os apóstolos tinham, e estavam mais qualificados para a confiança do que aqueles a quem os apóstolos empregavam. Agora observe

 

  1. Como o método foi proposto pelos apóstolos: Eles chamaram a multidão dos discípulos para eles, os chefes das congregações de cristãos em Jerusalém, os principais líderes dos homens. Os doze em si não determinariam qualquer coisa sem eles, pois na multidão de conselheiros há segurança e em um caso desta natureza, aqueles que são mais capazes de aconselhar são aqueles que estão mais familiarizados com os assuntos desta vida do que os apóstolos.

 

(1) Os apóstolos insistem que não poderiam de modo algum admitir tão grande desvio, como isto seria, a partir de seu grande trabalho ( Atos 6: 2 Atos 6: 2 ): Não é razoável que devemos deixar a palavra de Deus e servir as mesas. . O recebimento e pagamento de dinheiro estava servindo mesas, assim como as mesas dos cambistas do templo. Isso era estranho ao negócio para o qual os apóstolos foram chamados. Eles deveriam pregar a palavra de Deus e embora eles não tivessem tal ocasião para estudar pelo que eles pregaram como nós temos (sendo dada na mesma hora o que eles deveriam falar1 Timóteo 4:15 2 Timóteo 2: 4 Neemias 11:16No entanto, eles pensaram que era trabalho suficiente para um homem inteiro, e empregar todos os seus pensamentos e preocupações, e tempo, embora um deles fosse mais do que dez de nós, do que dez mil. Se eles servem mesas, eles devem, em alguma medida, deixar a palavra de Deus, eles não poderiam participar de sua pregação de forma tão próxima quanto deveriam. Pectora nostra duas não admitidas curas - Essas nossas mentes não admitem dois distintos empregos ansiosos.Embora essa porção de mesas fosse para usos piedosos e servisse à caridade de cristãos ricos e à necessidade de cristãos pobres, e em ambos servirem a Cristo, ainda assim os apóstolos não demorariam tanto tempo em suas pregações quanto isso fosse necessário. Eles não serão mais tirados de suas pregações pelo dinheiro depositado a seus pés, do que eles serão expelidos pelas listras colocadas em suas costas. Embora o número dos discípulos fosse pequeno, os apóstolos podiam administrar esse assunto sem causar uma interrupção considerável em seu negócio principal, mas, agora que o número deles aumentava, eles não conseguiam fazê-lo. Não é razão, ouk areston estin - não é adequado,ou louvável, que devemos negligenciar o negócio de alimentar as almas com o pão da vida, para atender ao negócio de aliviar os corpos dos pobres. Note que pregar o evangelho é o melhor trabalho, e o mais adequado e necessário que um ministro pode ser empregado, e aquilo que ele deve dar a si mesmo totalmente ( 1 Timóteo 4:15 ), o que ele pode fazer, ele não deve enredar-se nos assuntos desta vida ( 2 Timóteo 2: 4 ), não, não nos assuntos exteriores da casa de Deus, Neemias 11:16 .

 

(2) Eles desejam, portanto, que sete homens possam ser escolhidos, bem qualificados para o propósito, cujo negócio deveria ser servir mesas, diakonein trapezais - para ser diáconos nas mesas, Atos 6: 2 Atos 6: 2 . O negócio deve ser atento, deve ser melhor do que tinha sido, e do que os apóstolos poderiam se importar e, portanto, pessoas apropriadas devem ser ocasionalmente empregadas na palavra, e a oração, não eram tão inteiramente devotadas a ela quanto os apóstolos deve cuidar do estoque da igreja - deve rever, e pagar, e manter contas - deve comprar as coisas que eles tinham necessidade contra a festa ( João 13:29 ), e atender a todas as coisas que são necessáriasJoão 13:29em ordine ad spiritualia - a fim de exercícios espirituais, que tudo seja feito decentemente e em ordem, e nenhuma pessoa nem coisa seja negligenciada. Agora,

 

[1] As pessoas devem ser devidamente qualificadas. As pessoas devem escolher, e os apóstolos devem ordenar, mas o povo não tem autoridade para escolher, nem os apóstolos ordenam, homens totalmente impróprios para o ofício: olhem sete homens que muitos achavam que poderiam ser suficientes para o presente, mais poderia ser adicionado depois, se houvesse ocasião. Estes devem ser, Em primeiro lugar, de relato honesto, homens livres de escândalo, que foram vistos pelos seus vizinhos como homens íntegros, e homens fiéis, bem atestados, como homens em quem se pode confiar, não sob a culpa de qualquer vício, mas pelo contrário, bem falado por tudo que é virtuoso e louvável, martyroumenous - homens que podem produzir bons testemunhossobre a sua conversa. Note que aqueles que são empregados em qualquer ofício na igreja devem ser homens de honesto relato, de um irrepreensível, ou melhor, de caráter admirável, o qual é requerido não apenas para o crédito de seu ofício, mas para a devida descarga dele. . Em segundo lugar, eles devem estar cheios do Espírito Santo, devem ser preenchidos com aqueles dons e graças do Espírito Santo, que eram necessários para o manejo correto dessa confiança. Eles não devem ser apenas homens honestos, mas devem ser homens de capacidade e homens de coragem, tais como se fizessem juízes em Israel ( Êxodo 18:21 Êxodo 18:21 ), homens capazes, temendo a Deus homens de verdade, e odiando a cobiça e por este meio aparecendo. estar cheio do Espírito Santo. Em terceiro lugar,1 Coríntios 12: 8Eles devem estar cheios de sabedoria. Não era suficiente que fossem homens honestos e bons, mas deviam ser homens discretos e judiciosos, que não podiam ser impostos e que ordenariam as coisas da melhor maneira possível e com consideração: cheios do Espírito Santo e sabedoria, que é do Espírito Santo como um Espírito de sabedoria. Encontramos a palavra de sabedoria dada pelo Espírito, como forma distinta da palavra de conhecimento pelo mesmo Espírito, 1 Coríntios 12: 8 . Esses devem ser cheios de sabedoria a quem são confiados dinheiro público, para que possam ser eliminados, não só com fidelidade, mas com frugalidade.

 

[2] As pessoas devem nomear as pessoas: " Vejam vocês entre si sete homens consideram entre vós que são os mais aptos para tal confiança, e quem você pode com a maior satisfação confiar". Poder-se-ia presumir que eles sabiam melhor, ou pelo menos eram mais habilidosos para inquirir, que caráter os homens tinham, do que os apóstolos e, portanto, lhes é confiada a escolha.

 

[3]. Os apóstolos os ordenarão ao serviço, dar-lhes-ão o encargo, para que saibam o que devem fazer e façam a consciência de fazê-lo, e lhes dê sua autoridade, para que as pessoas envolvidas saibam quem são. para aplicar e submeter-se a assuntos dessa natureza: Homens, a quem podemos nomear. Em muitas edições de nossas Bíblias em inglês, houve um erro da imprensa aqui porque eles a leram, a quem vocês podem designar, como se o poder estivesse no povo enquanto que era certamente nos apóstolos: quem podemos designar sobre este negócio. , para cuidar disso, e para ver que não haja nem desperdício nem desejo.

 

(3) Os apóstolos se comprometem a se dedicar inteiramente ao seu trabalho como ministros, e mais de perto, se puderem deixar este cargo problemático ( Atos 6: 4Atos 6: 4 ): Nós nos entregaremos continuamente à oração e ao ministério da palavra. Veja aqui, [1.] Quais são as duas grandes ordenanças do evangelho - a palavra e a oração por essas duas comunhões entre Deus e seu povo são mantidas e mantidas pela palavra que ele lhes fala, e pela oração elas falam com ele? e estes têm uma referência mútua entre si. Por estes dois o reino de Cristo deve ser avançado, e acréscimos feitos a ele, devemos profetizar sobre os ossos secos, e então orar por um espírito de vida de Deuspara entrar neles.Pela palavra e oração outras ordenanças são santificadas para nós, e os sacramentos têm sua eficácia. [2.] Qual é o grande negócio dos ministros evangélicos - para se entregarem continuamente à oração, e para o ministério da palavra eles ainda devem estar adequados e se fornecer para esses serviços, ou empregar-se neles publicamente ou privadamente nos tempos indicados, ou fora deles. Eles devem ser a boca de Deus para o povo no ministério da palavra e a boca do povo para Deus em oração. A fim de convencer e converter os pecadores, e a edificação e consolação dos santos, devemos não apenas oferecer nossas orações por eles, mas devemos ministrar a palavra a eles, apoiando nossas orações com nossos esforços, no uso de pessoas designadas. significa. Nem devemos apenas ministrar a palavra a eles, mas devemos orar por eles, para que seja eficaz porque a graça de Deus pode fazer tudo sem a nossa pregação, mas a nossa pregação não pode fazer nada sem a graça de Deus. Os apóstolos eram dotados de dons extraordinários do Espírito Santo, línguas e milagres, e ainda assim aquilo que eles mesmos se dedicavam a pregar e orar, pelo qual eles podiam edificar a igreja; e esses ministros, sem dúvida, são os sucessores dos apóstolos. (não na plenitude do poder apostólico - aqueles ousadores usurpadores que pretendem isso, mas na melhor e mais excelente das obras apostólicas) que se entregam continuamente à oração, e ao ministério da palavra e tal Cristo esteja sempre com, mas nossa pregação não pode fazer nada sem a graça de Deus. Os apóstolos eram dotados de dons extraordinários do Espírito Santo, línguas e milagres, e ainda assim aquilo que eles mesmos se dedicavam a pregar e orar, pelo qual eles podiam edificar a igreja; e esses ministros, sem dúvida, são os sucessores dos apóstolos. (não na plenitude do poder apostólico - aqueles ousadores usurpadores que pretendem isso, mas na melhor e mais excelente das obras apostólicas) que se entregam continuamente à oração, e ao ministério da palavra e tal Cristo esteja sempre com, mas nossa pregação não pode fazer nada sem a graça de Deus. Os apóstolos eram dotados de dons extraordinários do Espírito Santo, línguas e milagres, e ainda assim aquilo que eles mesmos se dedicavam a pregar e orar, pelo qual eles podiam edificar a igreja; e esses ministros, sem dúvida, são os sucessores dos apóstolos. (não na plenitude do poder apostólico - aqueles ousadores usurpadores que pretendem isso, mas na melhor e mais excelente das obras apostólicas) que se entregam continuamente à oração, e ao ministério da palavra e tal Cristo esteja sempre com,até o fim do mundo.

 

  1. Como esta proposta foi acordada, e atualmente colocada em execução, pelos discípulos. Não lhes foi imposto por um poder absoluto, embora eles pudessem ter sido corajosos em Cristo para fazer isso ( Filemom 1: 8 Filemom 1: 8 ), mas propuseram, como aquilo que era altamente conveniente, e então o dito agradou a toda a multidão, Atos 6 : 5 . Agradava-lhes ver os apóstolos tão desejosos de dispensar-se de interferir nos assuntos seculares, e transmiti-los a outros que lhes agradava ouvir que se entregariam à palavra e oração e, portanto, não contestaram o assunto nem adiaram o assunto. execução do mesmo.Atos 6: 5

 

(1) Eles lançaram sobre as pessoas. Não é provável que todos olhem para os mesmos homens. Todos tinham seu amigo, a quem ele pensava bem. Mas a maioria dos votos recaía sobre as pessoas aqui nomeadas e o restante, tanto dos candidatos como dos eleitores, concordou, e não causou nenhum distúrbio, como os membros das sociedades em tais casos deveriam fazer. Um apóstolo, que era um oficial extraordinário, foi escolhido por sorteio, o que é mais imediatamente o ato de Deus, mas os superintendentes dos pobres foram escolhidos pelo sufrágio do povo, no qual ainda se deve considerar a providência do povo. Deus, que tem todos os corações e línguas dos homens em suas mãos. Nós temos uma lista das pessoas escolhidas. Alguns pensam que eles eram como eram antes dos setenta discípulos, mas isso não é provável, pois eles foram ordenados pelo próprio Cristo, há muito tempo, pregar o evangelho e não havia mais razão para que eles deixassem a palavra de Deus para servir as mesas do que os apóstolos deveriam. É, portanto, mais provável que eles fossem daqueles que foram convertidos desde o derramamento do Espírito, pois foi prometido a todos os que seriam batizados que eles deveriam receber o dom do Espírito Santo eo presente, de acordo com essa promessa, é aquela plenitude do Espírito Santo que era requerida naqueles que deveriam ser escolhidos para este serviço. Podemos ainda conjecturar, com respeito a estes sete, [1.] Que eles foram aqueles que venderam suas propriedades, e trouxeram o dinheiro para o estoque comum para cæteris paribus - outras coisas sendo iguais,os que estavam mais aptos a receber a distribuição daqueles que haviam sido mais generosos na contribuição para isso. [2] Que estes sete eram todos os judeus gregos ou helenistas, pois eles têm todos os nomes gregos, e isso seria mais provável para silenciar os murmúrios dos gregos (que ocasionaram esta instituição), para ter a confiança depositada naqueles que eram estrangeiros, como eles, que certamente não os negligenciariam. Nicolas, é claro, era um deles, pois ele era um prosélito de Antioquia e alguns acham que a maneira de expressar sugere que todos eles eram prosélitos de Jerusalém, como ele era de Antioquia. O primeiro nome é Stephen, a glória destesseptemviri, um homem cheio de fé e do Espírito Santo, ele tinha uma fé forte na doutrina de Cristo, e estava cheio dela acima da mais fidelidade, cheio de coragem (alguns), pois estava cheio do Espírito Santo. , de seus dons e graças. Ele era um homem extraordinário, e destacou-se em tudo que era bom seu nome significa uma coroa. Filipe é colocado em seguida, porque ele, tendo usado este ofício de diácono bem, obteve um bom grau, e depois foi ordenado ao ofício de evangelista, um companheiro e assistente dos apóstolos, pois assim ele é expressamente chamado, Atos 21: 8 Atos 21: 8 . Comparar Efésios 4:11 Efésios 4:11. E sua pregação e batismo (que lemos em Atos 8:12 Atos 8:12 ) certamente não eram como um diácono (pois é claro que aquele ofício estava servindo mesas, em oposição ao ministério da palavra ), mas como um evangelista e, quando ele era o preferido para esse cargo, temos razões para pensar que ele deixou este cargo, como incompatível com isso. Quanto a Estevão, nada do que achamos feito por ele prova que ele é um pregador do evangelho, pois ele apenas discute nas escolas, e implora por sua vida no bar, Atos 6: 9,7: 2 . O último nome é Nicolas, que, dizem alguns, depois degenerou (como o Judas entre estes sete) e foi o fundador da seita dos Nicolaítas.Atos 6: 9 , 7 : Apocalipse 2: 6 , 15que lemos sobre ( Apocalipse 2: 6,15 ), e que Cristo diz, uma vez e outra vez, era uma coisa que ele odiava. Mas alguns dos antigos o livraram dessa acusação, e nos disseram que, embora aquela vil seita impura se denominasse dele, ainda assim era injustamente, e porque ele só insistia muito para que aqueles que tivessem esposas fossem como se tivessem nenhum, daí inferiram perversamente que aqueles que tinham esposas deveriam tê-los em comum, o que , portanto, Tertuliano, quando ele fala da comunidade de bens, particularmente excede: Omnia indiscreta apud ns, præter uxores - Todas as coisas são comuns entre nós, exceto nossas esposas. --Pol. boné, 39.

 

(2) Os apóstolos os nomearam para este trabalho de servir as mesas para o presente, Atos 6: 6 Atos 6: 6 . O povo apresentou-os aos apóstolos, que aprovaram sua escolha e os ordenaram. [1] Eles oraram com eles, e por eles, para que Deus lhes desse mais e mais do Espírito Santo e da sabedoria - que ele os qualificasse para o serviço para o qual eles eram chamados, e os possuísse nele, e faça deles uma bênção para a igreja e particularmente para os pobres do rebanho. Todos os que estão empregados no serviço da igreja devem estar comprometidos com a conduta da graça divina pelas orações da igreja. [2] Eles colocaram as mãos neles, isto é, eles os abençoaram em nome do Senhor, pois imposição de mãos foi usada para abençoarHebreus 7: 7Jacó abençoou ambos os filhos de José e, sem controvérsia, quanto menos é abençoado pelo maior ( Hebreus 7: 7 ), os diáconos são abençoados pelos apóstolos e os superintendentes dos pobres pelos pastores da congregação. Tendo pela oração implorado uma bênção sobre eles, eles fizeram pela imposição de mãos assegurando-lhes que a bênção foi conferida em resposta à oração e isto lhes estava dando autoridade para executar aquele ofício, e impondo uma obrigação ao povo de ser atento. deles nisso.

 

III O avanço da igreja aqui. Quando as coisas foram assim colocadas em ordem na igreja (as queixas foram corrigidas e os descontentes silenciados), então a religião se firmou, Atos 6: 7 Atos 6: 7 . 1. A palavra de Deus aumentada. Agora que os apóstolos resolveram se aproximar mais do que nunca de suas pregações, isso espalhou o evangelho ainda mais e o trouxe para casa com mais poder. Os ministros, desembaraçando-se dos empregos seculares, e se dedicando inteiramente e vigorosamente ao seu trabalho, contribuirão muito, como meio, para o sucesso do evangelho. Diz-se que a palavra de Deus aumenta à medida que a semente semeada aumenta quando ela sobe trinta, sessenta, cem vezes. 2. Cristãos se tornaram numerosos:2 Coríntios 10: 4 , 5 Romanos 16:26 1 João 3:23O número dos discípulos se multiplicou em Jerusalém grandemente. Quando Cristo estava na terra, seu ministério teve menos sucesso em Jerusalém, mas agora essa cidade oferece a maioria dos convertidos. Deus tem seu remanescente mesmo nos piores lugares. 3. Uma grande companhia dos sacerdotes obedecia à fé. Então, a palavra e a graça de Deus são grandemente ampliadas quando são produzidas por aqueles que eram menos prováveis, como os sacerdotes daqui, que ou se opuseram a ela, ou pelo menos estavam ligados àqueles que a possuíam. Os sacerdotes, cujos preferidos surgiram da lei de Moisés, ainda estavam dispostos a deixá-los ir para o evangelho de Cristo e, ao que parece, eles vieram em um corpomuitos deles concordaram em conjunto, para manter o crédito uns dos outros, e o fortalecimento das mãos uns dos outros, para unir-se de uma só vez em dar seus nomes a Cristo: polis ochlos - uma grande multidão de sacerdotes era, pela graça de Deus ajudou em seus preconceitos e obedeceu à fé, então sua conversão é descrita. (1) Eles abraçaram a doutrina do evangelho que seus entendimentos foram cativados para o poder das verdades de Cristo, e todo pensamento opondo objeção trouxe em obediência a ele, 2 Coríntios 10: 4,5 . Dizem que o evangelho é conhecido pela obediência da fé, Romanos 16:26 . A fé é um ato de obediência, pois este é o mandamento de Deus que acreditamos, 1 João 3:23 . (2) Eles evidenciaram a sinceridade de crer no evangelho de Cristo por um cumprimento alegre de todas as regras e preceitos do evangelho. O desígnio do evangelho é aperfeiçoar e reformar nossos corações e vidas. A fé nos dá a lei e devemos ser obedientes a ela.

 

Versículos 8-15

O endereço de Stephen.

8 E Estevão, cheio de fé e poder, fez grandes maravilhas e milagres entre o povo. 9 Então se levantaram alguns que eram da sinagoga chamada dos libertinos, e dos cireneus e dos alexandrinos, e dos que eram da Cilícia e da Ásia, e disputavam com Estêvão. 10 E não puderam resistir à sabedoria e ao espírito com que ele falou. 11Então subornaram os homens, que disseram: Ouvimos ele falar palavras blasfemas contra Moisés e contra Deus. 12 E eles excitaram o povo, e os anciãos e os escribas, e veio sobre ele, segurou-o, e trouxe -o ao conselho, 13 e levantaram falsas testemunhas, que diziam: Este homem não cessa de blasfemar palavras contra este santo lugar, e a lei. 14 Porque o ouvimos dizer que este Jesus de Nazaré destruirá este lugar e mudará. os costumes que Moisés nos deu. 15 E todos os que estavam sentados no conselho, olhando fixamente para ele, viram o seu rosto como se fosse o rosto de um anjo.

 

Estêvão, sem dúvida, foi diligente e fiel no desempenho de seu ofício como distribuidor da caridade da igreja, e dispôs-se a colocar esse assunto em um bom método, o que ele fez para a satisfação universal e, apesar de aparecer aqui que ele era um homem de presentes incomuns, e equipado para uma estação mais alta, ainda, sendo chamado para esse cargo, ele não achava que abaixo dele cumprir o dever dele. E, sendo fiel em um pouco, ele foi encarregado de mais e, embora não o encontremos propagando o evangelho pregando e batizando, ainda assim o encontramos aqui chamado para serviços muito honrados, e possuía-se neles.

 

  1. Ele provou a verdade do evangelho, fazendo milagres em nome de Cristo, Atos 6: 8 Atos 6: 8 . 1. Ele estava cheio de fé e poder, isto é, de uma fé forte, pela qual ele estava habilitado a fazer grandes coisas. Aqueles que são cheios de fé estão cheios de poder, porque pela fé o poder de Deus está comprometido para nós. Sua fé o encheu de tal forma que não deixou espaço para a incredulidade e abriu espaço para as influências da graça divina, de modo que, como o profeta fala, ele estava cheio de poder pelo Espírito do Senhor dos Exércitos, Mq 3: 8 . Pela fé nos esvaziamos de nós mesmos e, portanto, estamos cheios de Cristo, que é a sabedoria de Deus e o poder de Deus. 2. Sendo assim ele fez grandes maravilhas e milagres entre o povo,Miquéias 3: 8 1 Coríntios 12:10 , 11 Marcos 16:17 abertamente, e à vista de todos pelos milagres de Cristo, não temia o escrutínio mais estrito. Não é estranho que Estêvão, apesar de não ser um pregador por ofício, tenha feito essas grandes maravilhas, pois descobrimos que esses eram dons distintos do Espírito e divididos separadamente, pois a um foi dada a operação de milagres e a outro profecia, 1 Coríntios 12: 10,11 . E estes sinais seguiam não somente aqueles que pregavam, mas aqueles que acreditavam. Marcos 16:17 .

 

  1. Ele defendeu a causa do cristianismo contra aqueles que se opunham a ela, e argumentou contra ela ( Atos 6: 9,10 ). Ele serviu aos interesses da religião como um disputador, nos altos escalões do campo, enquanto outros os serviam como lavradores e lavradores.Atos 6: 9 , 10

 

  1. Aqui nos é dito quem eram seus oponentes, Atos 6: 9 Atos 6: 9 . Eles eram judeus, mas judeus helenistas, judeus da dispersão, que parecem ter sido mais zelosos por sua religião do que os judeus nativos, foi com dificuldade que eles mantiveram a prática e a profissão dela no país onde viviam, onde estavam como pássaros salpicados, e não sem grande esforço e trabalho que mantiveram a sua presença em Jerusalém, e isso os tornou mais ativos para o judaísmo do que aqueles cuja profissão de religião era barata e fácil. Eles eram da sinagoga que é chamada de sinagoga dos Libertinos que os romanos chamavam de Liberti, ou Libertini,Atos 22:27 , 28 Isaías 41:21aqueles que, sendo estrangeiros, eram naturalizados, ou, sendo escravos de nascimento, eram alforriados, ou tornados livres. Alguns pensam que esses Libertinos eram dos judeus que obtiveram a liberdade romana, como Paulo tinha ( Atos 22.27,28).e é provável que ele tenha sido o homem mais adiantado desta sinagoga dos Libertinos em disputar com Estevão e envolver outros na disputa, pois o achamos ocupado no apedrejamento de Estevão e consentindo com sua morte. Havia outros que pertenciam à sinagoga dos cireneus e alexandrinos, de que falam os escritores judeus e outros que pertenciam à sinagoga que eram da Cilícia e da Ásia e se Paulo, como livre de Roma, não pertencia à sinagoga. dos Libertinos, ele pertencia a isso, como um nativo de Tarso, uma cidade da Cilícia: é provável que ele possa ser um membro de ambos. Os judeus que nasceram em outros países, e tinham preocupações neles, tiveram ocasiões frequentes, não apenas para recorrer, mas para residir em Jerusalém. Cada nação teve sua sinagoga, como em Londres há francês, e as igrejas holandesas e dinamarquesas: e aquelas sinagogas eram as escolas para as quais os judeus daquelas nações enviavam seus jovens para serem educados no aprendizado judaico. Agora aqueles que eram tutores e professores nessas sinagogas, vendo o evangelho crescer, e os governantes coniventes com o crescimento dele, e temendo o que seria a conseqüência disso para a religião judaica, pela qual eles estavam com ciúmes, confiando na A bondade de sua causa e sua própria suficiência para administrá-la, empreenderiam o cristianismo pela força do argumento. Era uma maneira justa e racional de lidar com isso, e o que a religião está sempre pronta para admitir. Agora aqueles que eram tutores e professores nessas sinagogas, vendo o evangelho crescer, e os governantes coniventes com o crescimento dele, e temendo o que seria a conseqüência disso para a religião judaica, pela qual eles estavam com ciúmes, confiando na A bondade de sua causa e sua própria suficiência para administrá-la, empreenderiam o cristianismo pela força do argumento. Era uma maneira justa e racional de lidar com isso, e o que a religião está sempre pronta para admitir. Agora aqueles que eram tutores e professores nessas sinagogas, vendo o evangelho crescer, e os governantes coniventes com o crescimento dele, e temendo o que seria a conseqüência disso para a religião judaica, pela qual eles estavam com ciúmes, confiando na A bondade de sua causa e sua própria suficiência para administrá-la, empreenderiam o cristianismo pela força do argumento. Era uma maneira justa e racional de lidar com isso, e o que a religião está sempre pronta para admitir.Produza sua causa, diz o Senhor, apresente suas fortes razões, Isaías 41:21 . Mas por que eles discutiram com Stephen? E por que não com os próprios apóstolos? (1) Alguns pensam porque desprezaram os apóstolos como homens indoutos e ignorantes,Com quem eles achavam que estava abaixo deles, mas Stephen foi criado como um erudito, e eles acharam que era uma honra interferir com o jogo deles. (2) Outros acham que foi porque ficaram admirados com os apóstolos, e não puderam ser tão livres e familiares com eles quanto poderiam estar com Estêvão, que estava em um ofício inferior. (3). Talvez, tendo dado um desafio público, Estevão foi escolhido e apontado pelos discípulos para ser seu defensor, pois não era certo que os apóstolos deveriam deixar a pregação da palavra de Deus para se envolver em controvérsias. Estevão, que era apenas um diácono na igreja, e um jovem muito perspicaz, de partes brilhantes, e mais qualificado para lidar com disputas disputantes do que os próprios apóstolos, foi designado para esse serviço. Alguns historiadores dizem que Estêvão foi criado aos pés de Gamaliel, e que Saul e o resto deles se depararam com ele como um desertor e com uma fúria particular fizeram dele sua marca. (4) É provável que eles tenham discutido com Estêvão porque ele era zeloso em argumentar com eles e convencê-los, e esse era o serviço ao qual Deus o havia chamado.

 

  1. Aqui nos é dito como ele carregou o ponto nesta disputa ( Atos 6:10 Atos 6:10 ): Eles não foram capazes de resistir à sabedoria e ao Espírito pelo qual ele falou. Eles não podiam apoiar seus próprios argumentos nem responder aos seus. Ele provou, com argumentos tão irresistíveis que Jesus é o Cristo, e entregou-se com tanta clareza e plenitude que eles não tiveram nada a objetar contra o que ele disse, embora não estivessem convencidos, mas estavam confusos. Não se diz, Eles não foram capazes de resistir a ele, mas Eles não foram capazes de resistir à sabedoria e ao Espírito pelo qual ele falou, aquele Espírito de sabedoria que falou por ele. Agora foi cumprida essa promessa,Lucas 21:15Eu te darei uma boca e sabedoria que todos os teus adversários não serão capazes de contradizer, nem resistir, Lucas 21:15 . Eles pensaram que só tinham disputado com Estevão, e poderiam fazer sua parte boa com ele, mas eles estavam disputando com o Espírito de Deus nele, para quem eles eram um jogo desigual.

 

III Por fim, ele selou com seu sangue, então vamos descobrir que ele fez no próximo capítulo, aqui temos alguns passos dados por seus inimigos em relação a isso. Quando eles não podiam responder seus argumentos como um litigante, eles o processaram como um criminoso, e subornaram testemunhas contra ele, para jurar blasfêmia contra ele. "Em tais termos (diz o Sr. Baxter aqui) nós disputamos com homens malignos. E é ao lado de um milagre da providência que nenhum maior número de pessoas religiosas tenha sido assassinado no mundo, por meio de perjúrio e fingimento de lei. quando tantos milhares os odeiam, que não fazem a consciência de falsos juramentos ". Eles subornaram os homens, isto é, instruíram-nos o que dizer e depois os contrataram para jurarem. Eles ficaram mais furiosos com ele porque ele provou que eles estavam errados,Por isso ele se tornou seu inimigo, porque ele disse a verdade e provou ser assim? Agora vamos observar aqui

 

  1. Como, com toda a arte e indústria possíveis, eles enfureceram tanto o governo quanto a turba contra ele, que, se não pudessem prevalecer por um, poderiam pelo outro ( Atos 6:12Atos 6:12 ): Eles incitaram o povo contra ele. que, se o sanhedrim ainda pensasse (de acordo com o conselho de Gamaliel) em deixá-lo em paz, ainda que eles pudessem acabar com uma ira e tumulto populares, eles também encontraram meios para incitar os anciões e escribas contra ele, que, se o povo deve aprovar e protegê-lo, eles podem prevalecer pela autoridade. Assim, eles duvidaram não, mas para ganhar seu ponto, quando então tinham duas cordas para seu arco.

 

  1. Como eles o levaram para o bar: Eles vieram sobre ele, quando ele pensou pouco, e o pegou e o levou ao conselho.Eles vieram sobre ele em um corpo e voaram sobre ele como um leão sobre sua presa, de modo que a palavra significa. Por seu tratamento rude e violento com ele, eles o representariam, tanto para o povo quanto para o governo, como um homem perigoso, que fugiria da justiça se não fosse vigiado, ou lutaria com ele se não fosse colocado sob uma força. Ao pegá-lo, eles o levaram triunfalmente ao conselho e, como deve parecer, tão apressadamente que ele não tinha nenhum de seus amigos com ele. Eles descobriram, quando reuniram muitos, que se encorajaram mutuamente e fortaleceram as mãos uns dos outros e, portanto, tentaram lidar com eles isoladamente.

 

  1. Como eles foram preparados com provas prontas para produzir contra ele. Eles estavam decididos de que não seriam executados como estavam quando trouxeram nosso Salvador após o julgamento, e depois tiveram que procurar por testemunhas. Estes foram preparados de antemão, e foram instruídos a fazer juramento de que eles o ouviram falar blasfêmia contra Moisés e contra Deus ( Atos 6:11 Atos 6:11 ) - contra este lugar sagrado e a lei ( Atos 6:13 ) porque eles o ouviram diga o que Jesus faria ao seu lugar e seus costumes, Atos 6:14 . É provável que ele tenha dito algo a esse propósito e, no entanto, aqueles que juraram contra ele são chamados de falsas testemunhas,Atos 6:13 Atos 6:14 porque, embora houvesse algo de verdade em seu testemunho, ainda assim eles colocaram uma construção errada e maliciosa sobre o que ele havia dito, e a perverteram. Observar,

 

(1.) Qual foi a acusação geral exibida contra ele - que ele falou palavras blasfemas e, para agravar a questão, "Ele deixa de falar palavras blasfemasé sua conversa comum, seu discurso em todas as empresas onde quer que ele venha, ele faz questão de incutir suas noções em tudo o que ele conversa. "Ele insinua também algo de contusão e desprezo de admoestação." Ele foi advertido contra isso, e, no entanto, deixa de falar nesse ritmo. "A blasfêmia é justamente considerada um crime hediondo (falar de forma desprezível e reprovadora de Deus nosso Criador) e, portanto, seria julgado que os perseguidores de Estêvão teriam uma profunda preocupação com a honra do nome de Deus. e para fazer isso em um ciúme por isso, como foi com os confessores e mártires do Antigo Testamento, assim foi com os do Novo - seus irmãos que os odiavam, e os expulsaram, disseram: Que o Senhor ser glorificadoe fingiu que o serviram nele. Dizem que ele falou palavras blasfemas contra Moisés e contra Deus. Até agora eles estavam certos, que aqueles que blasfemam de Moisés (se eles quiseram dizer os escritos de Moisés, que foram dados pela inspiração de Deus) blasfemam do próprio Deus. Aqueles que falam com reprovação das escrituras, e os ridicularizam, refletem sobre o próprio Deus, e fazem apesar dele. Sua grande intenção é magnificar a lei e torná-la honrosa, portanto, aqueles que vilipendiam a lei, e a tornassem desprezível, blasfemavam seu nome, pois ele engrandeceu sua palavra acima de todo o seu nome.Mas Estevão blasfemou Moisés? De maneira nenhuma, ele estava longe disso. Cristo, e os pregadores de seu evangelho, nunca disseram qualquer coisa que parecesse blasfemar Moisés, eles sempre citaram seus escritos com respeito, apelaram para eles, e não disseram outras coisas além do que Moisés disse que viria muito injustamente, portanto, é Estêvão acusado de blasfemar Moisés . Mas,

 

(2) Vejamos como esta acusação é apoiada e entendemos por que, verdadeiramente, quando a coisa estava para ser provada, tudo o que eles podem acusar é que ele tem pronunciado palavras blasfemas contra este santo lugar e a lei e isto deve ser considerado e tomado como uma blasfêmia contra Moisés e contra o próprio Deus. Assim, a carga diminui quando se trata da evidência. [1] Ele é acusado de blasfemar este lugar sagrado.Alguns entendem isso da cidade de Jerusalém, que era a cidade santa, e pela qual eles tinham um forte ciúme. Mas é um pouco significado do templo, aquela casa sagrada. Cristo foi condenado como blasfemo por palavras que, segundo se pensava, refletiam sobre o templo, que pareciam preocupadas com a honra, mesmo quando, por sua maldade, a profanaram. [2] Ele é acusado de blasfêmia contra a lei, da qual eles se orgulhavam, e em que eles colocaram sua confiança, quando através da quebra da lei eles desonraram a Deus, Romanos 2:23 Romanos 2:23 . Bem, mas como eles podem fazer isso? Ora, aqui a acusação diminui novamente porque tudo o que eles podem acusá-lo é que eles mesmos o ouviram dizer2 Crônicas 7:21(mas como isto veio, ou que explicação ele deu a se, eles pensam que não estão obrigados a prestar contas) que este Jesus de Nazaré, de quem tanto se falou, destruirá este lugar, e mudará os costumes que Moisés entregou a nos. Ele não poderia ser acusado de ter dito qualquer coisa para o menosprezo do templo ou da lei. Os próprios sacerdotes profanaram o templo, tornando-o não apenas uma casa de mercadorias, mas um covil de ladrões, embora fossem considerados zelosos pela honra dele, contra um que nunca dissera nada de errado, mas que havia participado. mais como uma casa de oração, de acordo com a verdadeira intenção dela, do que eles tinham. Nem ele nunca havia reprovado a lei como eles haviam feito. Mas, primeiro, ele disse:Jesus de Nazaré destruirá este lugar, destruirá o templo e destruirá Jerusalém. É provável que ele pudesse dizer isso e que blasfêmia era contra o lugar sagrado dizer que não deveria ser perpétuo mais do que Shiloh era, e que o Deus justo e santo não continuaria os privilégios de seu santuário para aqueles que abusassem eles? Os profetas não tinham dado a mesma advertência a seus pais sobre a destruição daquele lugar sagrado pelos caldeus? Não, quando o templo foi construído pela primeira vez, se Deus não tivesse dado o mesmo aviso: Esta casa, que é alta, será um espanto, 2 Crônicas 7:21. E ele é um blasfemo, então, que lhes diz que Jesus de Nazaré, se continuarem em oposição a ele, trará uma justa destruição sobre seu lugar e nação, e eles podem agradecer a si mesmos? Os perversamente abusam de sua profissão de religião que, sob a cor disso, chamam as repreensões, dadas a eles por suas conversas desagradáveis, reflexões blasfemas sobre sua religião. Em segundo lugar, Ele havia dito: Esse Jesus mudará os costumes que Moisés nos entregou. E era esperado que nos dias do Messias eles fossem mudados, e que as sombras deveriam ser eliminadas quando a substância chegasse, ainda assim, isto não era uma mudança essencial da lei, mas o aperfeiçoamento dela. Cristo veio para não destruirmas para cumprir, a lei e, se ele mudou alguns costumes que Moisés entregou, foi para introduzir e estabelecer aqueles que eram muito melhores e se a igreja judaica não tivesse obstinadamente recusado entrar neste novo estabelecimento, e aderido à lei cerimonial porque sei que o lugar deles não havia sido destruído, de modo que, para colocá-los em um certo caminho para impedir sua destruição, e para dar-lhes certa percepção de sua destruição, se não o fizessem, seria acusado de blasfemo.

 

  1. Aqui nos é dito como Deus o possuiu quando foi levado perante o conselho, e fez aparecer que ele estava ao lado dele ( Atos 6:15Atos 6:15 ): Todos os que estavam no conselho, os sacerdotes, os escribas e os anciãos, parecendo firmes sobre ele, sendo um estranho, e um que ainda não tinham antes, viu seu rosto como se fosse o rosto de um anjo. É comum que os juízes observem o rosto do prisioneiro, o que às vezes é uma indicação de culpa ou inocência. Agora Stephen apareceu no bar com o semblante de um anjo. 1. Talvez ele não insinue mais do que o fato de que ele tinha um semblante extraordinariamente agradável e alegre, e não havia nele o menor sinal de medo de si mesmo ou de raiva contra seus perseguidores. Ele parecia como se nunca tivesse ficado mais satisfeito em sua vida do que estava agora quando foi chamado para prestar seu testemunho ao evangelho de Cristo, assim publicamente, e permaneceu justo para a coroa do martírio. Tal serenidade imperturbada, coragem destemida, e tal mistura inexplicável de suavidade e majestade, havia em seu semblante, que cada um disse que ele parecia um anjo o suficiente para convencer os saduceus de que há anjos, quando viram antes seus olhos um anjo encarnado. 2. Antes, parece que havia um esplendor e brilho miraculosos em seu semblante, como o de nosso Salvador quando ele foi transfigurado - ou, pelo menos, o de Moisés quando ele desceu do monte - Deus projetando para colocar honra em sua fiel testemunha e confusão sobre seus perseguidores e juízes, cujo pecado seria altamente agravado, e seria de fato uma rebelião contra a luz, se, apesar disso, eles procedessem contra ele. Se ele mesmo sabia que a pele de seu rosto brilhava ou não, não somos informados, mas todos os que estavam sentados no concílio viram isso, e provavelmente notaram um ao outro, e uma grande vergonha foi que, quando viram, e não puderam deixar de ver através dele que ele era possuidor de Deus, eles não o chamaram de em pé no bar para sentar no assento principal no banco. Sabedoria e santidade fazem brilhar o rosto de um homem e, no entanto, não protegem os homens das maiores indignidades e não é de admirar, quando o brilho do rosto de Estêvão não poderia ser sua proteção, embora fosse fácil provar que ele era culpado de colocar qualquer desonra sobre Moisés Deus não teria colocado a honra de Moisés sobre ele.

         WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET