Translate this Page
  • Currently 2.56/5

Rating: 2.6/5 (265 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Comentario biblico cartas de 1 Pedro cap.2
Comentario biblico cartas de 1 Pedro cap.2

 

SUBSIDIO PARA A ESCOLA DOMINICAL  LIÇÕES

MAURICIO BERWALD ESCRITOR PROFESSOR

1 Pedro cap.2 

INTRODUÇÃO

Este capítulo consiste em exortações, em geral, a uma vida santa; e, em particular, a obediência aos superiores. Começa com uma exortação a pôr de lado vários vícios, que eram pessoas regeneradas impróprias, 1 Pedro 2: 1 1 Pedro 2: 11 Pedro 2: 2 1 Pedro 2: 4 Isaías 28:16 1 Pedro 2: 6 1 Pedro 2: 9 1 Pedro 2:11 1 Pedro 2:13 1 Pedro 2:16 1 Pedro 2:17 1 Pedro 2:18 1 Pedro 2:19 1 Pedro 2:22 1 Pedro 2:24 1 Pedro 2:25 e, de acordo com seu caráter, como recém-nascidos, expressar um desejo segundo o Evangelho, que é recomendado por sua natureza, sendo comparável ao leite; e de sua qualidade, sendo razoável, sincero e não misturado; e do fim e utilidade disto, um crescimento espiritual; e o argumento que envolve esse desejo é a experiência que tiveram da graça de Cristo nele, 1 Pedro 2: 2 cuja excelência é declarada, sob a metáfora de uma pedra, dita viva, para ser escolhida por Deus e preciosa para ele, embora rejeitada pelos homens; para quem os santos são encorajados a vir, como pedras vivas construídas, uma casa espiritual, para o exercício do santo ofício do sacerdócio, oferecendo sacrifícios espirituais aceitáveis ​​a Deus por meio de Cristo, 1 Pedro 2: 4 e que Cristo é tal pedra preciosa, está provada em Isaías 28:16 e não somente para Deus, mas para todos os que crêem; embora para aqueles que não crêem, ele é a pedra da rejeição, do tropeço e da ofensa; tropeçar em qual, e a doutrina disto, por desobediência, eles eram de antigamente designados por Deus, 1 Pedro 2: 6 mas o caráter das pessoas para as quais o apóstolo escreve era muito diferente, muito pelo contrário, sendo escolhido e chamado, e manifestamente o povo de Deus, e compartilhando em sua graça e misericórdia, 1 Pedro 2: 9 e estes ele exorta, adequado para seu estado e condição, abster-se do pecado, como um inimigo de suas almas, e viver uma vida honesta e conversa entre os gentios, para que, em vez de falar mal deles, pudessem, por contemplar suas boas obras, glorificar a Deus, 1 Pedro 2:11. E particularmente ele os exorta à obediência aos magistrados civis, tanto superiores quanto inferiores; em parte do autor deles, sendo eles do Senhor; e em parte da utilidade deles para punir os maus e encorajar os homens bons; e também por ser a vontade de Deus, por tal obediência, silenciar as loucuras de homens tolos, 1 Pedro 2:13 . E considerando que pode ser objetado, que eles foram libertados por Cristo e, portanto, não devem ser os servos dos homens; é concedido que eles eram livres; mas então é negado que eles devem usar sua liberdade como um manto de maldade; e além disso, deve ser observado que eles eram os servos de Deus e, portanto, deveriam fazer o que ele lhes ordenava; e, entre outras coisas, obediência aos magistrados civis, 1 Pedro 2:16. E para este propósito são várias exortações em 1 Pedro 2:17 , e outro em particular é adicionado, que é para os servos, para estar sujeito aos seus mestres, e temê-los, sejam eles bons ou maus, 1 Pedro 2:18 e então ele conforta tais que tinham maus senhores, e os encoraja a suportar os ferimentos que receberam deles pacientemente; porque assim fazer era grato a Deus e aceitável à sua vista; e porque foram chamados por ele; e por causa do exemplo que Cristo lhes havia deixado em sofrimento por eles, 1 Pedro 2:19 . E isto é ainda mais urgente do caráter de Cristo, que estava sem pecado, e ainda sofreu, e de sua conduta, que, quando insultado, não retornou, mas deixou sua causa com Deus, 1 Pedro 2:22. que leva o apóstolo a tomar conhecimento da natureza dos sofrimentos de Cristo em seu corpo na cruz, e os seus fins, que eram a expiação do pecado, cura de doenças e santidade de vida, como conseqüência disso, 1 Pedro 2:24 anterior a qual conversão, que é ilustrada pelo estado anterior e condição homens estão em, sendo como ovelhas se desviando; e por seu presente, sendo retornado a Cristo, o Pastor e Bispo das almas, 1 Pedro 2:25 .

 

Verso 1

Portanto, deixando de lado toda a malícia , .... Desde que as pessoas para as quais o apóstolo escreve nasceram de novo, e portanto devem amar um ao outro, ele as exorta ao desuso de tais vícios que eram desagradáveis ​​ao seu caráter como homens regenerados, e amor fraternal contrário; ele dissuadi-los deles e aconselha a "colocá-los de lado", seja como pesos e fardos, o que não era adequado para bebês recém-nascidos carregarem; veja Hebreus 12: 1 Hebreus 12: 1 ou antes, como vestes gastas velhas, como trapos imundos, que deveriam ser adiadas, postas, e nunca usadas mais, sendo o que era muito inadequado ao seu caráter e profissão para usar: a metáfora é a mesma que em Efésios 4:22Efésios 4:22 e o primeiro que ele menciona é malícia; viver em que é uma marca de um homem não regenerado, e muito impróprio para aqueles que são nascidos de novo; e não é consistente com a relação de irmãos, e caráter de crianças, ou bebês recém-nascidos, que são sem malícia, e não a carregam e retêm: "tudo" disto deve ser posto de lado, para todas as pessoas qualquer, e em todas as formas e em todos os casos:

 

e toda a astúcia ; fraude ou engano, em palavras ou ações; e que não deve ser encontrado, e aparecer de qualquer forma, em Israel, de fato, em irmãos, nos filhos de Deus; que não devem mentir uns aos outros, ou defraudar um ao outro, nem expressar isso com seus lábios, o que eles não têm em seus corações; de que bebês são livres, assim como bebês em Cristo:

 

e hipocrisias ; tanto para Deus como para os homens: a hipocrisia para com Deus é, quando as pessoas professam aquilo que não têm, como amor a Deus, fé em Cristo, zelo pela religião, fervorosa devoção e sinceridade na adoração a Deus; e fazem tudo o que fazem para serem vistos pelos homens, e parecem exteriormente justos, e todavia são cheios de toda iniqüidade: hipocrisia para os homens é, fingimento de amizade, amor em palavra e em língua somente, falando pacificamente com a boca, mas em coração que espera; pecado a ser abominado e detestado por alguém que nasceu de cima; e é contrário a essa integridade, simplicidade e sinceridade de coração, que se tornam pessoas regeneradas, filhos de Deus e irmãos um do outro:

 

e inveja ; na felicidade e prosperidade de cada um, riquezas, honras, dons temporais ou espirituais; pois tais são obras da carne, mostram que os homens são carnais, são pessoas regeneradas impróprias, e contrárias ao exercício da caridade cristã, ou amor, que não inveja o bem-estar dos outros, seja respeitando o corpo, a alma ou a propriedade:

 

e todas as falas do mal ; backbitings, sussurros, detrações, ferir os personagens uns dos outros por insinuações, falsas acusações e más suposições; que não está agindo como homens que são feitos novas criaturas, e são participantes da natureza divina, nem como irmãos, ou como os pequeninos de Cristo, e que são de Deus, gerados novamente para ser uma espécie de primícias de suas criaturas.

 

Verso 2

Como bebês recém-nascidos.... A versão siríaca traduz: "Sede simples como crianças"; e como se fosse uma exortação distinta de si mesma e daquilo que se segue; embora pareça um pouco descritivo das pessoas faladas e um caráter delas, sob as quais o apóstolo se dirige a elas; que traz em si uma razão que fortalece a exortação depois de dada: ele toma como certo que eles foram novamente gerados, segundo a abundante misericórdia de Deus, e nascidos da semente incorruptível, pela palavra de Deus, e que eles eram justos, ou nascido recentemente; e que deve ser entendido de todos eles em geral, e não de jovens convertidos entre eles, que poderiam ser chamados de criancinhas em relação a outros que eram homens jovens ou pais; mas, comparativamente falando, aqueles que tinham a mais longa posição eram, por assim dizer, recém-nascidos, sendo no máximo alguns anos desde que foram chamados pela graça: e eles eram como "bebês", não por causa de sua falta de conhecimento, ou falta de habilidade na palavra de justiça; ou de não-proficiência no aprendizado das verdades divinas e sua grande fraqueza, atraso e imperfeição; ou por causa de sua incapacidade em absorver e digerir a carne forte e as doutrinas subliminares do Evangelho; ou por sua instabilidade e simplicidade, sendo facilmente enganados e iludidos; nem por sua fraqueza na fé, por não poder andar sozinhos e por sua insuficiência em defender-se ou sustentar-se; mas por causa de sua inocência e inocência, mansidão e humildade; e pela sinceridade de sua fé e amor, obediência e profissão. Os prosélitos à religião dos judeus são freqüentemente ditos ou de não-proficiência no aprendizado das verdades divinas e sua grande fraqueza, atraso e imperfeição; ou por causa de sua incapacidade em absorver e digerir a carne forte e as doutrinas subliminares do Evangelho; ou por sua instabilidade e simplicidade, sendo facilmente enganados e iludidos; nem por sua fraqueza na fé, por não poder andar sozinhos e por sua insuficiência em defender-se ou sustentar-se; mas por causa de sua inocência e inocência, mansidão e humildade; e pela sinceridade de sua fé e amor, obediência e profissão. Os prosélitos à religião dos judeus são freqüentemente ditos ou de não-proficiência no aprendizado das verdades divinas e sua grande fraqueza, atraso e imperfeição; ou por causa de sua incapacidade em absorver e digerir a carne forte e as doutrinas subliminares do Evangelho; ou por sua instabilidade e simplicidade, sendo facilmente enganados e iludidos; nem por sua fraqueza na fé, por não poder andar sozinhos e por sua insuficiência em defender-se ou sustentar-se; mas por causa de sua inocência e inocência, mansidão e humildade; e pela sinceridade de sua fé e amor, obediência e profissão. Os prosélitos à religião dos judeus são freqüentemente ditos sendo facilmente enganado e iludido; nem por sua fraqueza na fé, por não poder andar sozinhos e por sua insuficiência em defender-se ou sustentar-se; mas por causa de sua inocência e inocência, mansidão e humildade; e pela sinceridade de sua fé e amor, obediência e profissão. Os prosélitos à religião dos judeus são freqüentemente ditos sendo facilmente enganado e iludido; nem por sua fraqueza na fé, por não poder andar sozinhos e por sua insuficiência em defender-se ou sustentar-se; mas por causa de sua inocência e inocência, mansidão e humildade; e pela sinceridade de sua fé e amor, obediência e profissão. Os prosélitos à religião dos judeus são freqüentemente ditosF13ser כקטון שנולד דמי , "como uma criança recém nascida", ou um bebê recém-nascido; para o qual a alusão pode ser feita aqui:

 

desejo o leite sincero da palavra; isso não é uma declaração de que essas almas recém-nascidas o fizeram, embora isso possa ser verdade, mas uma exortação para que façam, como aconteceu com elas: por "o leite sincero da palavra" entende-se o Evangelho, mesmo o tudo isso e não, como em outros lugares, as verdades mais claras e fáceis; que é comparado ao leite por sua pureza em si mesmo, pois toda palavra de Deus é pura e por sua natureza purificadora, como usada pelo Espírito de Deus; e por sua doçura e bom gosto a um homem regenerado; e porque é fácil de digerir para um espiritual; e porque é nutritivo para ele, por ele é nutrido para a vida eterna; e porque, como o leite é de natureza refrescante, assim o Evangelho é um meio, nas mãos do Espírito de Deus, de aliviar essas inflamações e de acalmar aquela ira e ardente indignação, criado na consciência de um pecador pela lei; e porque, como o leite, usado medicinalmente, é um restaurador dos transtornos consuntivos, o Evangelho não é apenas o meio de ajudar uma pessoa em declínio, e quem é desperdiçado e consumido pelo pecado, mas até de vivificar os que estão mortos em pecado; é o sabor da vida para a vida. Os escritores judeus falam deחלב של תורה , "o leite da lei"F14, dos quais eles geralmente interpretamF15a passagem em Isaías 55: 1Isaías 55: 1 mas é muito melhor aplicado ao Evangelho, que é o leite da palavra, ou "leite racional": não que o Evangelho seja um esquema de acordo com a razão carnal dos homens; é contrário a isso e acima da razão sadia, embora não repugnante; mas é o que é calculado para a fé, a razão espiritual dos homens e para aqueles que exercem seus sentidos espirituais, para discernir entre o bem e o mal; é uma bebida espiritual e é feita de coisas espirituais e adequada ao homem espiritual; é leite, não em um sentido natural, mas em um sentido místico e espiritual: a versão siríaca traduz, "a palavra que é como leite, puro e espiritual": e é "sincera"; sem mistura, não adulterado com as invenções e doutrinas de homens, judeus ou hereges: ou "sem engano"; não sendo enganosamente manipulado pelos ministros fiéis, nem enganando, nem enganando aqueles que o recebem cordialmente. Agora, isso se torna pessoa regenerada, "desejo"; e veementemente muito depois, como um bebê recém-nascido faz depois do leite de sua mãe; porque o Evangelho é aquele que é nascido de novo, como o peito é para um bebê: o desejo depois dele supõe o conhecimento dele; e onde há um conhecimento experimental, haverá um valor e estima por ele, mesmo acima da comida necessária, e, às vezes, uma fome e sede depois disso, um desejo impaciente e desejo dele; quando tais almas trabalharem depois dela, e diligentemente observarem e comparecerem a todas as oportunidades de desfrutá-la, e pensarem por muito tempo antes que as estações de reunião com ela voltem; porque é comida adequada para eles, comida saborosa, como as suas almas amorosas,

 

que você pode crescer assim: as pessoas regeneradas não estão em pleno crescimento ao mesmo tempo; eles são os primeiros filhos, depois os jovens e depois os pais em Cristo; o Evangelho é designado como um meio de seu crescimento espiritual, e pela bênção de Deus torna-se assim, e que eles acham que é assim por boa experiência; e, portanto, este leite da palavra é desejável por causa disso, para o aumento da fé e o favorecimento da alegria dela; por seu crescimento na graça e no conhecimento de Jesus Cristo, e em uma experiência de força espiritual dele e para ele, como sua cabeça em todas as coisas; não apenas nas folhas de uma profissão, mas nos frutos da graça, justiça e santidade. A cópia alexandrina, e várias outras, e também as versões da Vulgata latina, siríaca e etíope, acrescentam "para a salvação": isto é,

 

Verso 3

Se é que provastes que o Senhor é gracioso. É feita referência ao Salmo 34: 8Salmo 34: 8"Prova e vê que o Senhor é bom"; e a versão siríaca aqui acrescenta: "se viste": pelo Senhor se entende, o Senhor Jesus Cristo, como mostram as seguintes palavras, que é gracioso e amável e amável em sua pessoa; que tem a plenitude da graça nele para o seu povo; demonstrou sua graça para com eles, comprometendo-se com eles como garantia, assumindo sua natureza, obedecendo, sofrendo e morrendo em seu lugar; ele é gracioso em sua palavra e promessas, verdades e ordenanças, e em todos os seus ofícios e relações; e as pessoas regeneradas provaram que ele é assim: um homem não regenerado não tem gosto espiritual; seu gosto é viciado pelo pecado, e não sendo mudado, o pecado é um pedaço doce em sua boca, e ele despreza tudo o que é espiritual; mas aquele que é nascido de novo saboreia as coisas do Espírito de Deus; o pecado é excessivamente pecaminoso para ele e Cristo é muito precioso; ele e seus frutos, suas promessas e bênçãos da graça, suas palavras e preceitos, são doces ao seu gosto: e o sabor que ele tem não é mero superficial, como os hipócritas podem ter da boa palavra de Deus, e os poderes do mundo por vir; mas tal sabor de Cristo, e da sua graça, como por uma fé verdadeira, comer a sua carne e beber o seu sangue, e assim ter vida eterna; tais têm um conhecimento salvador e experimental de Cristo, uma aplicação dele, e seus benefícios salvadores para eles, uma revelação dele neles, para que eles encontrem e sintam que ele habita neles, e eles nele; tais recebem da plenitude de Cristo, e graça por graça, e vivem pela fé sobre ele, e recebem alimento dele; e disto o apóstolo não fez nenhuma dúvida sobre essas pessoas, mas tomou como certo que eles tinham tido tais gostos de Cristo e, portanto, não podiam deixar de desejar o Evangelho, que é uma revelação de Cristo, e expõe a glória de sua pessoa, e as riquezas de sua graça; O que verdadeiramente provou de sua graça não pode senão desejar ter mais e novos gostos; onde deveriam tê-los, mas em suas palavras e ordenanças? e, portanto, cresceriam na graça, e conheceriam mais a Cristo, e provariam mais da sua bondade, é do interesse deles, como é da sua natureza espiritual, desejar o Evangelho, na pureza e sinceridade do mesmo. os que verdadeiramente provaram da sua graça não podem deixar de desejar mais e novos sabores; onde deveriam tê-los, mas em suas palavras e ordenanças? e, portanto, cresceriam na graça, e conheceriam mais a Cristo, e provariam mais da sua bondade, é do interesse deles, como é da sua natureza espiritual, desejar o Evangelho, na pureza e sinceridade do mesmo. os que verdadeiramente provaram da sua graça não podem deixar de desejar mais e novos sabores; onde deveriam tê-los, mas em suas palavras e ordenanças? e, portanto, cresceriam na graça, e conheceriam mais a Cristo, e provariam mais da sua bondade, é do interesse deles, como é da sua natureza espiritual, desejar o Evangelho, na pureza e sinceridade do mesmo.

 

Verso 4

A quem vem, como a uma pedra viva.... Cristo aqui, como muitas vezes em outros lugares, é comparado a uma "pedra"; e Pedro, pelo uso dessa metáfora, mostra que ele não é a rocha, mas Cristo é a rocha sobre a qual a igreja é construída, e ele é a pedra fundamental sobre a qual todo crente é colocado; e é principalmente no que diz respeito à utilidade de uma pedra na construção, que Cristo é comparado a um, que é o fundamento e a pedra angular, assim como a força e a duração; e ele é chamado de "vivo", porque tem vida em si mesmo, como Deus, como Mediador e como homem; e comunica a vida aos outros, como vida natural a todas as criaturas, e vida espiritual e eterna ao seu povo, cujo grande privilégio é vir a ele: e vir a ele significa crer nele; e não projeta o primeiro ato de fé em Cristo, ou a primeira vinda de uma alma a Cristo, mas um exercício posterior e continuado de fé sobre ele; e supõe que Cristo seja chegado, apesar de estar no céu e santos na terra, pois sua fé e esperança podem entrar e alcançá-lo dentro do véu e, apesar de suas muitas transgressões e desvios; supõe vida neles, ou eles não poderiam vir; e um senso de sua necessidade dele, de sua justiça para justificá-los, de seu sangue para perdoar e purificar, de sua plenitude para suprir sua falta de alimento, repouso, paz, conforto e salvação nele; e uma persuasão de sua capacidade e vontade de aliviá-los: e eles são encorajados a vir a ele sob as considerações acima, como uma pedra, uma pedra fundamental; acreditando que ele é colocado como um fundamento, e que ele é o único fundamento, e portanto eles colocam toda a tensão da sua salvação, e construa todas as suas esperanças de felicidade sobre ele; e como uma pedra viva, derivando graça, vida e força dele; exercendo fé sobre ele por todas as misericórdias, bênçãos e confortos de uma vida espiritual, e olhando para sua misericórdia para a vida eterna,

 

Não permitido de fato dos homens ; pelos construtores judeus, sumos sacerdotes, escribas e fariseus, e o corpo e a maior parte daquela nação; quem o rejeitou como o Messias, e pedra de Israel, recusou-o como pedra fundamental, e o deixou fora do edifício; e puseram outro fundamento, até mesmo suas próprias obras de justiça, em que fundação arenosa eles mesmos construíram, e orientaram outros a fazerem o mesmo; e não o deixaria, em nada, como uma pedra viva, não viria a ele para a vida, mas procuraria na lei, a carta de assassinato e entre as suas obras mortas; mas embora Cristo fosse assim desaprovado e desprezado pelos homens, ainda assim ele era altamente valorizado e estimado por Deus:

 

mas escolhido de Deus e precioso ; sua natureza humana foi "escolhida" dentre todos os outros indivíduos da humanidade; estar unido ao Filho de Deus; como Deus-homem e Mediador, ele foi escolhido para o alto cargo, para ser a cabeça da igreja e o Salvador do corpo; ser o alicerce no edifício espiritual e ser o autor e doador da vida espiritual e eterna para todos quantos lhe foram dados. Além disso, esta frase denota a excelência superior de Cristo aos anjos e homens na conta de Deus; sendo o esplendor da sua glória, a imagem expressa da sua pessoa, o Filho do seu amor, em quem ele sempre foi bem satisfeito, e em quem ele teve infinito deleite, considerado tanto como seu Filho, como a garantia do seu povo; e para quem ele era

 

precioso , e por ele altamente honrado, feito mais alto que os reis da terra, do que os anjos no céu, do que os próprios céus, estando assentado à destra de Deus, e um nome dado a ele acima de todo nome neste mundo, ou que vir; e quem é precioso também para os santos, mais do que para os rubis, pedras preciosas, qualquer coisa ou criatura; sua pessoa é preciosa, e assim são seu nome, seu sangue, sua retidão, suas verdades, suas ordenanças e seu povo.

 

Verso 5

Vós também, como pedras vivas... Os santos são comparados com pedras; eles estão na mesma pedreira, e são os mesmos por natureza que o resto da humanidade, até serem extraídos e separados de lá pela poderosa e eficaz graça de Deus, quando eles são lavrados, e feitos aptos para a construção espiritual; onde tanto pelo seu ornamento, beleza e força, que recebem de Cristo, eles são comparados a pedras, e são duradouros e duráveis, e nunca perecerão, nem serão removidos do edifício: e por causa daquela vida que eles derivam dele, e tem nele, eles são chamados "vivos", ou "pedras vivas"; o espírito de vida tendo entrado neles, um princípio de vida sendo implantado neles, e vindo a Cristo, a pedra viva, eles vivem sobre ele, e ele vive neles; e sua graça neles é um poço de água viva, surgindo na vida eterna. Era comum os poetas e filósofos chamarem pedras, enquanto elas estão na pedreira antes de serem tiradas dela, "vivas", então VirgílioF16, descrevendo os assentos das ninfas, diz: "intus aquae dulces vivoque sedília saxo, nympharum domus", & c. mas aqui o apóstolo chama tais pedras vivas, que foram tiradas dentre os demais: as pedras que Deucalião e Pirra lançaram sobre suas cabeças após o dilúvio são chamadasF17 ζωοθεντες λιθοι, "pedras aceleradas", elas se tornam homens, como diz a fábula. "São construídas uma casa espiritual"; essas pedras vivas sendo lançadas e cimentadas juntas, em um estado de igreja do Evangelho, tornam-se a casa de Deus em um sentido espiritual, em distinção da casa material do tabernáculo e templo antigo, para o qual a alusão é; e que é construído uma habitação para Deus, pelo Espírito, e é feito de homens espirituais; tais como ter o Espírito de Deus, e saborear as coisas do Espírito, e adorar a Deus em Espírito e em verdade; entre os quais se realizam serviços espirituais, como oração, louvor, pregação e ouvir a palavra, e administrar ordenanças. Alguns lêem estas palavras no imperativo, como uma exortação: "Sede edificados como pedras vivas, e sêis templos espirituais e santos sacerdotes", como a versão siríaca.בית רוחגי , "uma casa espiritual"F18; e assim é o terceiro templo que os judeus esperam nos tempos do Messias; dos quais um de seus escritoresF19 assim diz:

 

"é sabido dos antigos sábios que a futura redenção, com a qual será o terceiro santuário " espiritual ", é a obra de Deus, e não será como as primeiras redenções:" Eu encherei esta casa com glória "; isto é רוחני ", um "espiritual", pois mesmo os muros serão bursonos , "espirituais" - pois mesmo toda esta "casa" será "espiritual", para aquilo que foi então construído, que é o segundo será transformado em outro "espiritual":

 

e que já foi feito, e é o que o apóstolo quer dizer aqui, a igreja, sob a dispensação do Evangelho, ou o estado da igreja do Evangelho, em oposição ao santuário mundano e adoração carnal dos judeus,

 

Um sacerdócio santo ; em alusão aos sacerdotes sob a lei, que foram designados, e santificados para esse ofício; mas agora, sob o Evangelho, todos os santos são sacerdotes para Deus, e são todos designados e dirigidos

 

oferecer sacrifícios espirituais ; todo o seu ser, almas e corpos, como um sacrifício sagrado, vivo e aceitável; suas orações e louvores e todas as boas obras feitas com fé e amor, e para a glória de Deus; particularmente atos de bondade e beneficência para os pobres santos; estes são chamados espirituais, em distinção de sacrifícios legais, e porque oferecidos de maneira espiritual, sob a influência, e pela assistência do Espírito de Deus e com seus espíritos. Então os judeus falam de sacrifícios espirituais, distintos dos materiais:

 

"o sacrifício intelectual (eles dizemF20) é antes dos sacrifícios materiais, tanto no tempo como na excelência Caim trouxe uma oferta ao Senhor do fruto da terra, e eis que a atenção intelectual não concordou com isto, que é the רבן הרוחני , "o sacrifício espiritual" .

 

Agora esses são

 

aceitável a Deus por Jesus Cristo ; através de quem eles são oferecidos; porque é através dele que os santos têm acesso a Deus, apresentam-se a ele e aos seus serviços; e ambas as pessoas e serviços só são aceitos em Cristo, e por causa dele, e em virtude de seu sacrifício, que é sempre de um cheiro suave a Deus,

 

Verso 6

Por isso também está contido na Escritura , ... Isaías 28:16Isaías 28:16 . Isto é produzido como uma prova da excelência de Cristo, em comparação com uma pedra; e de sua utilidade no edifício espiritual; e de ser escolhido por Deus e precioso, embora rejeitado pelos homens; e da felicidade, conforto e segurança daqueles que acreditam nele. Que essa profecia pertence ao Messias, é o sentido de alguns dos escritores judeus: o Targum aplica-o a um poderoso rei; não menciona o rei Messias, como GalatinusF21cita isso; mas Jarchi o nomeia expressamente e interpreta isso dele:

 

eis que eu coloco em Sião uma pedra angular principal, eleita e preciosa ; Cristo é aqui chamado de pedra angular, como em Efésios 2:20Efésios 2:20 porque ele não apenas adorna e fortalece o edifício, mas une as partes, e as mantém unidas, mesmo todos os santos, judeus ou gentios, em todas as épocas e lugares, seja no céu ou na terra; e ele, como tal, é escolhido por Deus para esse propósito, e é precioso para Deus e para o homem, por causa disso; e é uma pedra, não da postura dos homens, mas da posição de Deus em seu conselho, pacto, promessas e profecias, na missão dele neste mundo e no ministério do Evangelho; o lugar onde ele está colocado está em Sion, a igreja do Evangelho, da qual ele é tanto o alicerce como a pedra angular: e este relato é introduzido com um "eis", sendo algo muito maravilhoso e digno de atenção: ao qual é adicionado,

 

aquele que nele crer não será confundido : ou "envergonhado"; da fundação e pedra angular de Cristo, nem da sua fé nele; e ele não será confundido por homens ou diabos, nem neste mundo, nem naquele que virá; ele terá confiança diante de Cristo e não se envergonhará de sua vinda; ele estará seguro agora, sendo colocado sobre esta pedra; nem será removido dele, nem intimidado por nenhum inimigo, para fugir dele; nem se apressará, como em Isaías 28:16Isaías 28:16, de estabelecer outro fundamento; e ele será achado sobre isto daqui em diante; de modo que sua pessoa e estado estarão seguros, embora muitas de suas obras possam ser queimadas,

 

Verso 7

Para você, portanto, que acredita.... E esses não são todos os que podem dizer seu credo ou dar seu consentimento aos artigos dele; nem todos que acreditam em uma revelação divina, e que as Escrituras são a palavra de Deus, e dão crédito a tudo o que está contido nos oráculos sagrados; ou quem acredita em todo o Evangelho e em todas as verdades dele; assim há um só Deus; que existem três pessoas na Divindade, Pai, Filho e Espírito; que Cristo é o Filho de Deus e verdadeiramente Deus; que ele é o mediador entre Deus e o homem; que ele é o Messias, se encarnou, obedeceu, sofreu e morreu pelos homens, e é o Salvador deles: que ele ressuscitou, subiu ao céu, está assentado à direita de Deus, intercede por seu povo. e virá uma segunda vez para julgar o mundo em retidão; juntamente com todas as outras verdades que surgem, dependem, e estão conectados com estes; nem todos que dizem acreditar ou professam fazê-lo; mas aqueles que se viram perdidos e desfeitos pelo pecado, sua necessidade de um Salvador e Cristo como o único; que viu o Filho, a beleza de sua pessoa, a plenitude de sua graça e a necessidade e adequação da salvação por ele; quem o viu como capaz de salvá-los, como todo meio adequado a eles e desejável por eles, pois a fé é uma visão de Cristo; que também vêm a ele sob os desenhos da graça eficaz, como perecendo os pecadores, encorajados por seus convites e declarações, e se aventurando nele; que também o possui como seu Salvador, e não terá outro; entreguem-se a ele e comprometam tudo em suas mãos; que confiam e se mantêm sobre ele, confiam nele com tudo que eles têm, e por tudo que eles querem, esperando graça e glória dele; que vivem nele, e andam nele, continuam crendo nele, até que recebam o fim de sua fé, a salvação de suas almas. Agora, para estes, na prova do que é afirmado na passagem acima de Isaías, Cristo é

 

precioso ; ele é assim em todos os seus nomes e títulos, como Emanuel, Deus conosco, e aquele grupo deles em Isaías 9: 6 Isaías 9: 6 e particularmente seu nome Jesus, um Salvador, que é como ungüento derramado, e atrai o amor dos crentes para ele; e assim ele está em ambas as naturezas, divina e humana; as perfeições da divindade nele, seu ser na forma de Deus e igual a ele, o brilho da glória de seu Pai e a imagem expressa de sua pessoa, tornam-no muito amável na visão dos crentes; que justamente concluir daí, que tudo o que ele fez, e faz, deve responder aos propósitos para os quais eles foram projetados; e ele tendo uma perfeita natureza humana, como a deles, exceto o pecado, no qual ele operou a salvação para eles na terra, e agora é glorificado no céu, faz dele um objeto encantador para eles: ele também é precioso para eles em todos os seus ofícios ; em seu ofício sacerdotal, seu sangue é precioso, como deve ser, porque por ele são comprados e redimidos; eles são justificados e santificados por ela; através dela eles têm o perdão do pecado, e ousadia para entrar no mais santo de todos: a sua justiça é preciosa para eles, sendo o melhor manto, o manto de bodas, linho fino, limpo e branco, todos os caminhos adequados a eles, e responde às exigências da lei; é puro, perfeito e eterno; aquilo pelo qual eles são justificados de todas as coisas, e que responderão por eles num tempo futuro, e os dará direito à vida eterna. Seu sacrifício é precioso, de sabor doce para eles, assim como para Deus; pelo qual seus pecados são totalmente expiados, colocados e tirados; satisfação plena sendo feita para eles, e eles mesmos aperfeiçoados para sempre. E assim ele está em seu ofício profético. Sua palavra é preciosa, e todas as verdades do evangelho, que são comparáveis ​​a ouro, prata, e pedras preciosas; as promessas dela são muito grandes e preciosas, sendo adequadas aos casos de todos os crentes; e ele também é precioso em seu ofício real; seus comandos não são graves; o seu jugo é suave e carrega a luz; os crentes amam os seus mandamentos acima do ouro, sim; acima do ouro fino, e estima os seus preceitos concernentes a todas as coisas, e deleite-se nos seus caminhos e preceitos; além disso, ele é precioso para eles em todas as suas relações, como ele é a cabeça de eminência e influência, seu marido amável e amoroso. seu pai eterno, seu irmão afetuoso e amigo fiel; toda a sua pessoa, em todo ponto de vista, é preciosa para os que crêem; a igreja de Cristo, os membros do seu corpo, os filhos de Sião, comparáveis ​​ao ouro fino, nestes é todo o deleite dos santos; tudo que está em Cristo, que é dele, ou pertence a ele, é precioso para tais almas: alguns lêem as palavras, "para você, portanto, que acreditam, ele é honra"; como a Vulgata versões latinas, árabes e etíopes; e então a palavra é traduzida emRomanos 13: 7 Romanos 13: 7 , ele é tanto uma honra para eles, que eles estão relacionados a ele; e ele é honrado por eles, crendo nele e obedecendo-o; e ele é a causa de toda a sua verdadeira honra, tanto neste como no outro mundo. A versão siríaca traduz, "portanto esta honra é dada"; ou seja, que tal pedra é colocada, e que eles foram construídos sobre ela, e não devem ser confundidos ou envergonhados, seja aqui ou no futuro; conectando as palavras com o precedente. A Septuaginta usa a palavra que o apóstolo aqui faz, em Isaías 11:10Isaías 11:10, onde é profetizado sobre o Messias, que seu descanso será glorioso; eles o tornam τιμη , "honra" ou "precioso". Os escritores judeus adotaram a palavra טימי em sua língua,F23; em que sentido é aplicável a Cristo, que é ganho para os crentes, tanto na vida como na morte; eles são abençoados com todas as bênçãos espirituais nele, e ele é tudo em tudo para eles: e também eles o usam, como denotando o preço intrínseco e valor de qualquer coisaF24e qual é o sentido correto da palavra; e para os crentes o preço da sabedoria, ou Cristo, está muito acima dos rubis e de todas as coisas que podem ser desejadas; para eles, ele é precioso como uma pedra, como um alicerce e uma pedra angular, e mais precioso do que as pedras ou coisas mais preciosas da natureza; isto é para aqueles que crêem: a seguir segue, neste e no outro versículo, o relato do que ele é para aqueles que não crêem:

 

mas aos desobedientes ; que não são persuasivos, incrédulos e são filhos da desobediência; quem não obedece a Deus e a sua lei justa, nem a Cristo e seu Evangelho:

 

a pedra que os construtores desaprovaram, o mesmo é feito a cabeça da esquina ; referência é manifestamente tinha a Salmos 118: 22 Salmo 118: 22, que é uma passagem que claramente pertence ao Messias, e que é sugerido pelo próprio Cristo; veja Gill em Mateus 21:42 Mateus 21:42 ; e é pelo nosso apóstolo, em Atos 4:11Atos 4:11 aplicado a ele: pelos construtores se entende os governantes dos judeus, tanto civis como eclesiásticos, e especialmente os últimos, os escribas, fariseus e principais sacerdotes; que montaram para os construtores da igreja de Deus, mas eram miseráveis; eles construíram a si mesmos e ensinaram outros a construir, com base na observância da lei cerimonial e nas tradições dos anciãos; em seus privilégios carnais e retidão moral; e estes desaprovaram de Cristo no edifício, rejeitaram-no como o Messias, recusaram-no como Salvador e Redentor, e desprezaram-no, desprezaram-no e consideraram-no como verme e não como homem; mas, para sua grande mortificação, ele não somente é posto e retido como o alicerce e a pedra angular, mas fez a cabeça do edifício e é exaltado à mão direita de Deus, acima de anjos e homens; ele é a cabeça do corpo a Igreja; ele é mais alto que os reis da terra, e os anjos estão sujeitos a ele,

 

Verso 8

E uma pedra de tropeço e uma rocha de ofensa , ... O apóstolo alude a Isaías 8:14 Isaías 8:14 e que é uma profecia do Messias; Veja Gill em Romanos 9:33Romanos 9:33 e teve sua realização nos judeus descrentes e desobedientes; que tropeçou em seu nascimento e parentesco; à maneira de seu nascimento, sendo nascido de uma virgem; com a mesquinhez de seus pais, seu suposto pai sendo um carpinteiro e sua mãe, Maria, uma pobre mulher, quando esperavam que o Messias tivesse surgido de alguma família rica e nobre; e no lugar de seu nascimento, que eles imaginavam ser a Galiléia, de sua educação e conversação ali; eles tropeçaram também em sua educação, e não podiam conceber como ele deveria saber cartas, e de onde ele deveria ter sua sabedoria, nunca tendo sido treinado em nenhuma de suas escolas e academias, ou aos pés de qualquer de seus médicos e rabinos. ; mas, por outro lado, foi criado e empregado no ofício de carpinteiro; eles tropeçaram em sua maldade e pobreza externas, quando esperavam que o Messias fosse um monarca rico, poderoso e glorioso; e assim, na obscuridade de seu reino, que não era deste mundo, e não veio com observação, quando eles sonharam com um terreno e temporal, que deveria ser estabelecido em grande esplendor e glória; e eles tropeçaram igualmente na companhia que ele mantinha, e na audiência que o atendia, sendo o tipo mais pobre do povo, e os mais analfabetos, e também aqueles que tinham sido muito profanos e perversos, como publicanos e prostitutas; além disso, eles tropeçaram em seu ministério, na doutrina que ele pregava, particularmente na doutrina de sua divindade, e de comunhão espiritual com ele, comendo sua carne e bebendo seu sangue, e nas doutrinas da graça distintiva; e assim em seus milagres, pelos quais ele confirmou sua missão e ministério, algumas delas sendo trabalhadas no dia de sábado, e outras imputadas à influência e assistência diabólicas, em uma palavra, tropeçaram em sua morte, tendo embebido a noção de que Cristo permanece para sempre, e especialmente à maneira dela, a morte. da cruz; portanto, a pregação de Cristo crucificado sempre foi, e ainda é, uma pedra de tropeço para eles:

 

até para aqueles que tropeçam na palavra; ou a Palavra essencial, Cristo Jesus, como antes; ou melhor, na doutrina do Evangelho, na parte que respeita uma trindade de pessoas na Divindade; porque sua razão carnal não poderia compreendê-lo, e eles se recusaram a se submeter à revelação e receber o testemunho de Deus, que é maior que o dos homens; e naquela parte dele que considera a divindade de Cristo, e que por esta razão, porque ele era um homem, e para inervar a eficácia de seu sangue, justiça e sacrifício, e temendo que muita honra deva ser dada a ele; e também naquela parte da palavra que diz respeito à graça distintiva de Deus, como eleição pessoal eterna, redenção particular e graça eficaz na conversão; contra a qual a mente carnal do homem está continuamente cavando e respondendo, e, ao fazê-lo, contra o próprio Deus, acusando-o de crueldade, injustiça e insinceridade; e particularmente naquela parte da palavra que sustenta a doutrina da justificação livre, pela justiça de Cristo; este foi o grande obstáculo dos judeus, que procuravam a justiça, não pela fé, mas, por assim dizer, pelas obras da lei, sendo ignorantes da justiça de Deus, e da espiritualidade da lei, e de eles mesmos, e sua própria justiça, da qual eles tinham uma opinião arrogante:

 

ser desobediente ; à revelação do Evangelho, e não querendo submeter sua razão carnal a isto; esta é a fonte e causa de seu tropeço em Cristo e seu Evangelho: vale a pena comparar isto com a paráfrase de Isaías 8:14Isaías 8:14, à qual a passagem é aqui referida; e a paráfrase dele corre assim,

 

"" se não obedecerdes ", a sua palavra será entre vós para vingança, e por uma ferida de pedra, e por uma rocha de ofensa para ambas as casas dos príncipes de Israel, e para a destruição e ofensa para aqueles que estão divididos sobre o casa de Judá, etc.

 

onde também eles foram nomeados; tanto para tropeçar na palavra do Evangelho, quanto em Cristo, a soma e substância disso, ele sendo colocado no conselho e propósito de Deus, como para o levantar de alguns, assim para o tropeço e queda de outros; e também àquela desobediência e infidelidade que foi a causa de seus tropeços; pois, como há alguns a quem Deus designou e preordenou para crer em Cristo, a quem ele determinou conceder-lhe a verdadeira fé e tê-la como um presente puro, em conseqüência de tal nomeação; assim há outros, a quem ele determinou deixar naquela desobediência e infidelidade em que a queda os trouxe e concluiu, através dos quais tropeçam em Cristo, e sua palavra e, em conseqüência disso, justamente perecem; mas este não é o caso de todos; há alguns que são objetos de graça e favor distintivo,

 

Versículo 9

Mas vós sois uma geração escolhida .... ou "parentesco"; a frase deve ser vista na Septuaginta, em Isaías 43:20Isaías 43:20, a qual, e o seguinte versículo, o apóstolo se refere aqui, e em outra parte deste texto. A alusão é para o povo de Israel em geral, que, de uma forma externa, era tudo o que é dito aqui; mas só era verdade em um sentido espiritual dos que foram escolhidos e chamados entre os judeus: e que eram uma "geração ou parentesco"; sendo regenerado, ou através da abundante misericórdia gerada, e de uma semente incorruptível nascida de novo; e eram semelhantes a Deus, ele sendo seu Pai, e eles seus filhos adotando graça, e que foi manifestada por seu novo nascimento; e também semelhante a Cristo, sendo ele cabeça, marido, pai e irmão, e eles seus membros, esposo, filhos e irmãos; e aos santos, sendo da mesma família e família no céu e na terra; tendo o mesmo Pai, Senhor, Espírito, fé, batismo, e todos eles irmãos: e eles eram uma geração ou povo "escolhido"; sendo famoso, e em alta estima com Deus, e considerado por ele por uma geração; ele os escolheu acima de todas as tribos, línguas, pessoas e nações, e isto desde toda a eternidade; e de sua soberana boa vontade e prazer; e não por causa de sua fé, santidade e boas obras; e para benefícios especiais, para a relação e parentesco em que estão, para adornar aqui e gloriar-se a seguir; à regeneração e santificação, e à salvação e vida eterna; assim como Israel, como nação, foi escolhido acima de todos os outros, por causa do amor de Deus a eles, e por nenhuma outra razão, a muitos privilégios e favores externos, que outros não desfrutaram: agora o apóstolo menciona esse caráter primeiro, porque deus

 

um sacerdócio real ; referindo-se a Êxodo 19: 6 Êxodo 19: 6 , onde os israelitas são chamados de "reino dos sacerdotes"; que a paráfrase dos caldeus representa, reis e sacerdotes; veja Apocalipse 1: 6Apocalipse 1: 6 um personagem que um dos comentaristas judeus dizF25retornará aos judeus לעתיד לבא"no tempo para vir"; e bem concorda com todas as pessoas de Cristo, sejam judeus ou gentios, que são todos eles reis, através de sua relação com Cristo; e no tempo presente tem um reino que não pode ser movido, ou tirado deles; sendo não só trazido para a dispensação do Evangelho, o reino do Messias, e tendo direito a todos os privilégios e imunidades do mesmo, mas também tem o reino da graça estabelecido dentro deles, ou graça, como um princípio reinante, implantado em eles; que não está em nada externo, mas em retidão e verdadeira santidade, em paz interior e alegria espiritual; e eles têm o poder dos reis sobre o pecado, Satanás e o mundo; e as riquezas dos reis, possuindo agora as riquezas da graça e tendo direito às riquezas da glória em outro mundo; eles vivem como reis, eles usam roupas reais, o manto da justiça de Cristo; eles se sentam à mesa do rei e se alimentam de iguarias reais; e são atendidos como reis, sendo os anjos seus guardas de vida e espíritos ministradores para eles; e daqui em diante eles reinarão com Cristo na terra, e isto pelo espaço de mil anos, e, depois disso, para sempre: sendo elevado de um estado baixo, para herdar a coroa de glória, para usar a coroa da vida e justiça, e possua o reino preparado para eles desde a fundação do mundo, do qual eles são agora herdeiros: e eles são "sacerdotes", bem como reis; sendo feito assim por Cristo, e através de seu ofício sacerdotal; são ungidos com o Espírito Santo, e santificados por sua graça, e autorizados a se aproximarem de Deus, e oferecer por Cristo seus sacrifícios espirituais de oração e louvor; e são capacitados e ajudados a oferecer o sacrifício de um coração quebrantado, e de seus corpos também, e até mesmo de suas vidas quando chamados a ele; a alusão é para o reino e o sacerdócio sendo anteriormente juntos, e que se encontraram em Cristo,Zacarias 6:13Zacarias 6:13 e em seu povo. Os judeus estavam acostumados a chamar a dignidade sacerdotal e escritório כתר כהנה , "a coroa do sacerdócio"F26:

 

uma nação santa ; referindo-se ao mesmo lugar em Êxodo 19: 6Êxodo 19: 6, onde os israelitas são assim chamados, separados por Deus de outras nações e legal e externamente santificados por ele; como todo o verdadeiro Israel de Deus é santificado, ou separado por Deus Pai, em eleição eterna, para real e perfeita santidade; e são santificados ou purificados do pecado, pelo sangue e sacrifício de Cristo; e são internamente santificados pelo Espírito de Deus; tem princípios de santidade neles, de onde eles vivem vidas santas e conversas:

 

um povo peculiar ; como os israelitas são chamados de um "tesouro peculiar", Êxodo 19: 5 Êxodo 19: 5, ao qual a referência é: os eleitos de Deus são um povo peculiar, a quem ele tem um amor peculiar; eles são escolhidos por ele para ser um povo especial, acima de todos os outros, e têm bênçãos peculiares concedidas a eles, e um cuidado peculiar é tomado deles; eles são do Senhor, סגלה , seu tesouro, suas jóias, sua porção e herança e, portanto, ele vai preservar e salvá-los; eles são um povo para aquisição, compra e posse, como as palavras podem ser traduzidas; a quem Deus obteve, adquiriu e comprou para si, com o precioso sangue de seu Filho; daí a versão siríaca os renderiza, כנשא פריקאAtos 20:28 Efésios 1:14 Tito 2:14 , "uma companhia redimida": o mesmo com a igreja que Deus comprou com seu sangue, Atos 20:28 e a possessão adquirida, Efésios 1:14 e que são remidos e purificados para ser, e parecem ser um povo peculiar, zelosos de boas obras, Tito 2:14 o fim de tudo que a graça lhes sendo concedida na eleição, redenção e regeneração é,

 

para que mostreis os louvores dele ; isto é, Deus, que os escolheu em parentesco e relação espiritual, fez deles reis e sacerdotes, santificou-os pelo seu Espírito e os redimiu pelo seu Filho, como povo peculiar; tudo o que os obrigava a mostrar com os lábios e, em suas vidas e conversas, suas "virtudes": lemos "louvores"; e assim a versão siríaca; isto é, o poder, a sabedoria, a bondade, o amor, a graça e a misericórdia de Deus, e as recomendações deles, exibidas nos exemplos acima: o apóstolo parece estar de olho em Isaías 43:21Isaías 43:21 , onde a Septuaginta usa o mesmo palavra para "louvor", como aqui: a seguir segue uma perífrase de Deus, e nela um argumento, ou razão para falar de suas virtudes, e mostrando seu louvor:

 

que te chamou das trevas para a sua maravilhosa luz; que deve ser entendido, não de um chamado externo somente pelo ministério da palavra; pois muitos são chamados nesse sentido, que não são escolhidos, redimidos e santificados; mas de um chamado interno, especial, poderoso, santo e celestial, pelo Espírito e graça de Deus: e isto é, "das trevas"; das trevas da lei, sob a antiga dispensação, que era como a noite, em comparação com o dia do Evangelho; e daquela escuridão em que os judeus estavam particularmente, na e acerca da vinda de Cristo, sendo ignorantes da justiça de Deus e da espiritualidade da lei; tendo perdido todas as noções corretas do Messias, e o verdadeiro sentido das Escrituras, e foram levadas com as tradições dos anciãos, e guiadas por guias cegos, os escribas e fariseus; fora desta escuridão, bem como o que é comum aos homens,

 

em sua maravilhosa luz: pelo qual eles viram a excessiva pecaminosidade do pecado, a insuficiência de sua justiça, sua necessidade de Cristo e salvação por ele; e era surpreendente para eles que os que nasceram cegos e fossem criados nas trevas, e fossem trevas, fossem iluminados no Senhor; e os objetos que eles viram eram incríveis para eles; tudo de maneira espiritual era maravilhoso aos olhos deles; especialmente o sol da justiça, a luz do mundo, e também as coisas maravilhosas da lei, ou doutrina de Cristo, o Evangelho, e o surpreendente amor e graça de Deus, no todo, e nas várias partes de suas salvação: estava com eles, como se uma criança, desde o momento de seu nascimento, estivesse calada em uma masmorra, onde não houvesse a menor fenda para deixar entrar o menor grau de luz, e deveria continuar aqui até anos de maturidade, e depois ser trazido imediatamente, ao meio-dia, o sol brilhando em toda a sua força e glória, quando isso particularmente, e todos os objetos ao seu redor, devem atingi-lo com admiração e surpresa. A versão siríaca traduz, "sua mais excelente luz"; o apóstolo parece referir-se à forma de louvor e ação de graças usada pelos judeus, no tempo da Páscoa; quem disseF1,

 

"somos obrigados a confessar, louvar, glorificar, & c. aquele que fez por nossos pais e por nós todas estas maravilhas; ele nos tirou da escravidão para a liberdade; da tristeza para a alegria, e do luto para o um bom dia, ומאפילה לאור גדול , "e das trevas para a grande luz", e da sujeição para a redenção.

 

Isso também fazia parte da oração da manhãF2,

 

"Confesso diante de ti, ó meu Deus, e do Deus de meus pais que me tiraste das trevas para a luz.

 

E deve-se observar que a terceira Sephira, ou número, na árvore cabalística judaica, que responde à terceira pessoa na Trindade, entre outros nomes, é chamada de "luz maravilhosa".F3,

 

Verso 10

Que com o tempo não eram um povo , .... Um "Loammi" sendo colocado sobre eles; veja Oséias 1: 9Oséias 1: 9 a qual o apóstolo se refere aqui: os eleitos de Deus, seja entre judeus ou gentios, foram, desde a eternidade, seu povo escolhido e seu povo da aliança; e, como tais, foram dados a Cristo, e eles se tornaram seu povo, e seu cuidado e encargo; e ele os salvou pela sua obediência, sofrimentos e morte, e os redimiu para si mesmo, um povo peculiar; mas antes, antes da conversão, eles não são um povo formado por Deus para si e para seu louvor; nem o povo disposto a Cristo, seja para ser salvo por ele ou para servi-lo; nem são, nem podem ser verdadeiramente conhecidos por si mesmos, ou por outros, como o povo de Deus: a versão siríaca dá o verdadeiro sentido da frase, tornando-a "aqueles que antes não eram""contado ou considerado um povo"; isto é, por outros:

 

mas agora são o povo de Deus ; sendo regenerado, chamado e santificado, eles são avocados por Deus para ser seu povo; eles têm o testemunho do Espírito para seus espíritos, que eles são o povo de Deus; eles podem então reivindicar sua relação com Deus e são conhecidos, reconhecidos e chamados de povo de Deus por outros:

 

que não obteve misericórdia, mas agora obteve misericórdia ; sendo chamado anteriormente, Loruhamah, Oséias 1: 6Oséias 1: 6 que passagens do apóstolo tem em vista: antes da conversão, há misericórdia no coração de Deus para com os seus eleitos, e assim há no pacto da graça, e que foi mostrado na provisão de seu Filho , como Salvador, na missão dele e redenção por ele; mas isto não lhes é manifesto, até que sejam novamente gerados, segundo a abundante misericórdia, e então obtenham misericórdia; tendo em sua regeneração uma demonstração evidente da misericórdia de Deus para com eles, e uma aplicação de sua graça e misericórdia perdoadoras, através do sangue de seu Filho, para eles.

 

Verso 11

Caro amado, suplico-lhe , ... O apóstolo, de caráter dos santos, e que expressa suas bênçãos e privilégios, com grande beleza, propriedade e pertinência, passa a exortações a deveres; ele se dirige aos santos sob esta apelação afetuosa, "amados", para expressar seu grande amor a eles, e para mostrar que o que ele estava prestes a exortá-los a ter um sincero e sincero afeto por eles, e estava com a intenção de muito bom; nem ele de maneira autoritária comanda, como ele poderia ter feito, como um apóstolo, mas, como um amigo, ele os suplica e suplica:

 

como estranhos e peregrinos; não em um sentido literal, embora estivessem em um país estrangeiro, em uma terra estranha e peregrinos ali, mas em um sentido espiritual e místico; eles eram "estranhos", não para Deus e para Cristo, e para o Espírito, para si mesmos, para os santos e para tudo que é bom, como antigamente eram, mas para o mundo, os homens dele e as coisas nisso; e, portanto, eles se separaram dele e não se conformaram a ele; abstendo-se de toda a aparência do mal, não tendo companheirismo com as obras infrutíferas das trevas, mas negando a impiedade e as concupiscências mundanas; e eles eram "peregrinos"; cujo hábito é Cristo e sua justiça; cuja comida é Cristo e sua plenitude; cuja equipe é Cristo e as promessas; cujo guia é o abençoado Espírito; o lugar para o qual eles estão ligados é o céu, o melhor país, onde está o seu pai. s casa, seus amigos e sua herança; este mundo não sendo o seu país, nem o seu lugar de descanso, tornou-os a ter a sua conversa no céu, e

 

abstenha-se das concupiscências carnais ; que brotam da carne e se preocupam com as coisas carnais, e são exercidas nos e pelos membros da carne, ou corpo; portanto, na versão siríaca, eles são chamados de "as luxúrias do corpo": estas devem ser abster-se; não que o apóstolo pensasse que eles poderiam estar sem eles; porque enquanto os santos estiverem no corpo, a carne ou a natureza corrupta estarão neles e as suas concupiscências; mas então estes não devem ser favorecidos, ou provisão a ser feita para eles, para satisfazê-los; eles não devem ser obedecidos e servidos ou vividos, mas devem ser negados e crucificados, sendo inadequados ao caráter de estranhos e peregrinos, e também por causa de sua natureza nociva e perniciosa:

 

qual guerra contra a alma ; veja Romanos 7:23Romanos 7:23 , estes são inimigos para a paz espiritual, conforto e bem-estar da alma; e sendo da casa de um homem, e em seu coração, são os piores inimigos que ele tem; e deve ser tratado como tal, ser evitado e evitado, vigiado e protegido contra; pois, embora não consigam destruir as almas dos verdadeiros crentes, podem trazer muita magreza sobre eles, e aflige-os grandemente, e mima-os de sua alegria interior e prazer espiritual.

 

Versículo 12

Tendo a sua conversa honesta entre os gentios , .... Para ter a conversa honesta, é proporcionar coisas honestas aos olhos dos homens; viver e andar honestamente diante de todos; para fazer as coisas certas e honestas aos olhos de Deus e entre os homens; ordenar a conversa corretamente, de acordo com a lei de Deus, que é uma regra de andar e conversar, e como se torna o Evangelho de Cristo; e qual era o mais, e um pouco para ser atendido, porque estes judeus convertidos estavam "entre os gentios", que não conheciam a Deus; idólatras e incrédulos, pecadores profanos, que esperavam a sua hesitação, e que podiam tirar vantagem contra eles, o Evangelho e a religião que professavam, de suas conversas:

 

que enquanto eles falam contra você como malfeitores : acusando-os de imoralidades grosseiras, como os pagãos fizeram os cristãos nas primeiras eras; que aparece evidentemente das desculpas de Tertuliano, Jnstin Mártir e outros; embora pareça que os convertidos judeus são aqui intencionados, que foram acusados ​​pelos gentios de princípios e práticas sediciosos, e de agir de forma contrária às leis do governo civil, recusando submeter sujeição a magistrados gentios, e obediência aos mestres pagãos; e, portanto, o apóstolo, em alguns versos seguintes, amplia esses deveres e a quem ele os exorta a atender, a fim de que eles possam silenciar a ignorância de tais acusadores tolos;

 

para que possam, por suas boas obras, contemplarem, glorificar a Deus no dia da visitação ; ou "julgamento", ou "exame", como a versão siríaca o processa; que pode ser entendido de visitação humana ou divina; se do primeiro, então o sentido é, que os santos atendam a todos os deveres da vida civil, que quando os magistrados pagãos visitam seus vários distritos, investigam e examinam a conduta dos homens e vêem e descobrem que os cristãos comportar-se bem e ordenadamente, em vez de persegui-los, eles abençoarão a Deus que eles são tão bons súditos; se da visitação divina, que parece mais provável, isto deve ou projetar uma visitação por meio de julgamento, ou de misericórdia; pois como os judeus dizemF4há פקידה, "uma visitação", para o bem, e uma visitação para o mal: Deus às vezes visita em um modo de punição pelo pecado, e às vezes em longe da graça, para o bem e bem-estar dos homens; e então o sentido é que, quando homens perversos notarem e observarem as boas obras dos santos, sua conversa civil, honesta e ordeira, eles glorificarão a Deus por causa disso, que lhes permitiu realizá-las; e reconhecer a bondade deles, e o julgamento errado que eles passaram sobre eles, e a má medida que eles mediram para eles; e isto será, ou quando Deus os visitar de um modo de ira, como no dia do julgamento, ou no tempo de alguma calamidade temporal antes, ou quando ele os visitar de maneira misericordiosa, os chama por sua graça, e efetivamente trabalha sobre eles pelo seu Espírito:Mateus 5:16Mateus 5:16 .

 

Versículo 13

Submeta-se a toda ordenação do homem , .... Ou "a toda criação humana" ou "criatura"; não para "todos os filhos dos homens", como a versão siríaca traduz; ou para todos os indivíduos da humanidade; pois há alguns que estão em tais estações e circunstâncias, que não devem ser submetidos, mas para serem governados e governados: assim os reis não devem se submeter aos seus súditos, nem os pais devem estar sujeitos aos seus filhos, nem maridos para suas esposas, nem mestres para seus servos, o que seria absurdo; mas a submissão é limitada e restringida a pessoas em tal lugar e situação: "a criatura humana", ou "criação", aqui projeta os gentios, que em outro lugar são chamados a criatura, toda a criação, toda criatura, e toda criatura debaixo do céu ,Romanos 8:19 e particularmente os magistrados pagãos, criações de estilo ou criatura: não como homens, pois todos os homens, como tais, são criaturas; mas como magistrados, sendo criados, constituídos e apontados como tais, e instalados em, e investidos com tal cargo: e "humanos"; não somente porque eram homens, e foram tirados dentre os homens que possuíam o ofício de magistrados, e governavam sobre os homens, e eram para o bem e a vantagem da humanidade, mas porque foram criados e colocados em tal posição pelos homens; embora o próprio governo seja de Deus, é uma instituição divina, ainda assim, essa e aquela forma particular de governo é do homem; e especialmente as formas de governo entre os gentios eram humanas; e são aqui chamados, em distinção da forma de governo entre os judeus, que era uma teocracia e era divina; portanto os judeus e assim estes convertidos, escrupulosos obedecendo aos magistrados pagãos; em que conta eles foram falados contra, como malfeitores; daí o apóstolo, em primeiro lugar, e como parte principal de sua conversa honesta entre os gentios, exorta-os a submissão aos magistrados civis, embora fossem criaturas de homens; e para todos eles, embora um gentio, um incrédulo e um ímpio: e isto ele insta,

 

pelo amor do Senhor; por amor de Cristo Jesus, o Senhor, por causa do seu mandamento, que ordenou dar a César o que é de César; e em imitação dele, que pagou tributo a quem o tributo era devido; e por causa de sua honra e glória, que era mal pensado e falado pelos gentios, por causa do desrespeito dos judeus convertidos aos seus magistrados; e que serviu para prejudicá-los contra Cristo e seu Evangelho: as versões latina, siríaca e etíope da Vulgata, lidas "pelo amor de Deus"; porque o governo civil é de Deus; a magistratura é de nomeação divina; os poderes que ele é ordenado por Deus, embora esta ou a outra forma seja da prescrição do homem: é a ordem de Deus que os magistrados devem ser obedecidos; e faz para a sua glória, bem como para o bem dos homens, quando eles são submetidos a coisas que não contradizem a vontade revelada de Deus; de outra forma, não o homem, mas Deus, deve ser obedecido:

 

seja para o rei ; para César, o imperador romano; e o então reinante parece ser Nero, que, embora fosse um homem perverso, deveria ser submetido a coisas civis e lícitas; e vale para qualquer outro rei que tenha o governo supremo de uma nação: a versão siríaca a lê no plural, "para reis"; e embora o nome do rei fosse odioso para os romanos, desde os tempos de Tarquin, nem eles chamavam seu principal governador, ou governadores, por esse nome, outras nações o faziam; veja João 19:15 João 19:15 e sujeição devia ser cedida a ele, "como supremo"; por causa disso, e em consideração de ele estar em uma posição tão alta e exaltada, tendo o supremo poder e governo do povo em suas mãos. A versão siríaca traduz, "por causa de seu poder"; e a versão árabe, "por causa de seu poder"; e a versão etíope, "porque todas as coisas são dele"; os imperadores romanos eram monarcas absolutos; veja Romanos 13: 1Romanos 13: 1 .

 

Verso 14

Ou para governadores , ... Magistrados inferiores, como estavam sob o imperador romano; como procônsules, procuradores, etc. como Pôncio Pilatos, Félix e Festo, que tinham sob o imperador o governo de nações, províncias e cidades particulares:

 

como para os que são enviados por ele ; ou pelo rei, o imperador romano, por quem eles foram enviados, de quem eles receberam a comissão deles / delas, e derivaram a autoridade deles / delas, debaixo de quem eles agiram, e para quem eles eram responsáveis; ou por Deus, por quem são ordenados, e cujos ministros eles são, e para os fins citados a seguir; de modo que isso contenha um argumento ou motivo pelo qual eles devem ser submetidos a:

 

pela punição dos malfeitores ; as quebras das leis de Deus e dos homens, a quem a punição deve ser infligida, pelos magistrados civis, pela violação deles, por linhas, penas, prisão e morte, de acordo com os crimes:

 

e para o louvor daqueles que se saem bem ; que se comportem de acordo com as leis de Deus e nações, e sejam obedientes aos magistrados, e sujeitos a todas as ordenanças; estes têm louvor dos homens, dos magistrados e são recompensados ​​por eles; protegendo suas pessoas, defendendo suas propriedades e preservando-as no gozo pacífico de suas propriedades e posses; veja Romanos 13: 3Romanos 13: 3 .

 

Versículo 15

Pois assim é a vontade de Deus , ... que não se refere tanto ao que acontece antes; embora seja verdade, que é a vontade de Deus que os homens sejam sujeitos aos magistrados, e que os magistrados encorajem a virtude, desencorajem os vícios, recompensem os obedientes e punam os delinqüentes; mas ao que segue:

 

isso com fazer bem ; fazendo boas obras e aquelas bem; vivendo sóbria, justamente e piedosamente; por ter a conversa honesta entre os gentios, de acordo com a lei de Deus, e como se torna o Evangelho de Cristo; particularmente, vivendo de acordo com as leis da sociedade civil, na medida em que seja consistente e não contrário aos mandamentos de Deus; e estando sujeito a todo magistrado civil e ordenança do homem:

 

ye pode colocar para silenciar a ignorância de homens tolosOu, como a versão siríaca a traduz, "para que detenham a boca daqueles homens tolos que não conhecem a Deus"; ou, como a versão etíope diz, "quem não conhece essas coisas"; que são ignorantes de Deus, de sua justiça, de sua lei, seu evangelho e ordenanças. Os gentios eram muito ignorantes dessas coisas e muito tolos em suas imaginações sobre assuntos religiosos; e disto sua ignorância e loucura surgiram calúnias, reflexões e censuras sobre o povo de Deus; eles nem conheciam a Deus, nem a eles, nem à religião verdadeira, e censuravam o que não entendiam, e por falta de conhecimento: agora o apóstolo significava que era a vontade declarada de Deus que seu povo se comportasse assim na vida civil, seus inimigos devem ser totalmente confundidos e silenciados, e nada têm a dizer contra eles; a palavra significa ser amordaçada, calar a boca, como um freio ou um freio; é usado emMateus 22:12Mateus 22:12 .

 

Versículo 16

Como livres , ... Esses judeus convertidos poderiam se valorizar em sua liberdade, em parte como descendentes de Abraão, e tão livres, e não serem escravizados a outras pessoas; e principalmente por causa de sua liberdade que tinham em e por judeus de Cristo. O apóstolo permite que eles fossem homens livres, que eles eram homens livres de Cristo, estavam livres do pecado, seu poder condenatório e dominador, e das maldições e condenação da lei, e tinham liberdade de acesso a Deus e direito a todos os privilégios. e imunidades da casa de Deus; mas então eles não estavam livres para pecar e viver no desprezo das leis de Deus e dos homens, de desprezar o governo, de falar mal das dignidades e de infringir as regras da sociedade civil:

 

e não usar sua liberdade como um manto de malícia ; sob uma pretensão de liberdade cristã, ferir as pessoas, propriedades e propriedades dos homens, sem se verem responsáveis ​​por sua conduta com seus superiores: alguns acham que o apóstolo alude ao antigo costume dos servos que, quando foram libertados , andou com um boné ou cobrindo as cabeças, em sinal disso: segue-se:

 

mas como servos de Deus ; porque os que são livres são servos de Deus e de Cristo, e demonstram ser assim, submetendo-se e obedecendo àqueles que estão debaixo deles e ordenados por eles; e que não é uma maneira inconsistente e contrária à sua liberdade cristã, que nunca foi projetada para impedir e subverter os princípios da religião natural, leis de natureza moral, ou as regras do governo civil; alguns exemplos são mencionados a seguir.

 

Versículo 17

Honre todos os homens , ... a quem a honra é devida, de acordo com o lugar, estação e circunstâncias em que se encontram, os dons da providência e da graça concedidos a eles, e a utilidade da qual eles são, sejam eles judeus ou Gentios, ricos ou pobres, crentes ou incrédulos: é um ditado de Ben ZomaF5,

 

"quem deve ser honrado, ou é digno de honra מכבד את הבריות , 'aquele que honra criaturas';

 

significando homens em geral, ou os gentios particularmente, que às vezes eram chamados pelos judeus; Veja Gill em Marcos 16:15Marcos 16:15 e pode ser entendido por "todos os homens" aqui:

 

ame a irmandade; ou "seus irmãos", como a versão siríaca o apresenta: toda a companhia dos irmãos em Cristo, que são nascidos de Deus, são membros de Cristo e do mesmo corpo e têm o mesmo espírito, pertencem à mesma família. e são da casa da fé, sejam eles de qualquer nação, ou em qualquer circunstância da vida. Os judeus não tinham essa boa opinião, nem aquela afeição pelos gentios, mas estavam prontos para tratá-los com indiferença, negligência e desprezo; e não somente aqueles que não conheciam a Deus, mas até mesmo crendo nos próprios gentios; e qual é a razão dessas exortações, para que não desprezem a ninguém, mas honrem a todos; e especialmente deve expressar o seu amor, tanto por palavras e ações, para aqueles que estavam na mesma relação espiritual com eles, e que, sem qualquer diferença,

 

teme a Deus ; não com um servil, mas com um medo filial, a nova aliança de graça do medo; que brota da bondade de Deus, tem isso por seu objetivo, e é aumentado pelas novas instâncias e descobertas dela; e que se mostra em uma afeição reverencial por Deus, uma estrita consideração à sua adoração e ordenanças, e um cuidado de ofendê-lo. Isso é colocado entre o que acontece antes e depois, para mostrar a influência que tem em cada um deles; pois onde está o temor de Deus, haverá respeito devido a todos os homens, mais ou menos, e um amor sincero e afetuoso a todos os santos, como irmãos, e uma devida consideração àqueles que estão colocados em lugares elevados de dignidade. e poder:

 

honre o rei ; César, o imperador romano, apesar de ser um ímpio, perseguindo Nero e, portanto, qualquer outro rei ou governador; que, na medida em que ele age como parte de um magistrado civil, preserva a paz, a propriedade e a liberdade de seus súditos, é um terror para as obras malignas, e um encorajador dos bons, e governa de acordo com as leis de Deus, e a sociedade civil, é merecedora de grande honra e estima dos homens; e qual deve ser mostrado falando bem dele; por uma alegre sujeição a ele; por uma observância das leis, e pelo pagamento de tributo, e fazendo tudo para torná-lo fácil, e honroso em seu governo: conselho muito parecido com isto é dado por IsócratesF6,

 

"temer a Deus, honrar os pais, reverenciar amigos e obedecer às leis.

 

Versículo 18

Servos, estejam sujeitos aos vossos mestres , .... Esta era outra noção dos judeus, que porque eles eram a semente de Abraão, eles não deveriam ser servos de nenhum; e particularmente aqueles em que os crentes em Cristo achavam que não deviam servir aos mestres incrédulos, nem os crentes, porque eram igualmente irmãos em Cristo com eles; daí o apóstolo Pedro, aqui, como o apóstolo Paulo freqüentemente em outros lugares, inculca este dever dos servos aos seus senhores; veja 1 Coríntios 7:20 1 Coríntios 7:20 2 Timóteo 2: 92 Timóteo 2: 9 a maneira pela qual eles devem estar sujeitos a eles é,

 

com todo medo ; com reverência a suas pessoas, estrito respeito a seus comandos, fidelidade em qualquer confiança depositada neles, diligência no cumprimento de seu dever e cuidado de ofendê-los: e tudo isso,

 

não só para o bem e gentil ; aqueles que são de boa índole, gentis, beneficentes e misericordiosos; que não os usam com rigor e severidade; são moderados em suas demandas de serviço; não precisa mais ser feito do que o razoável; permita-lhes uma dieta suficiente, dê-lhes bons salários e pague-os devidamente:

 

mas também para o perverso ; os mal-humorados, rabugentos e rigorosos; que exige mais trabalho do que o necessário; dê palavras duras e golpes mais duros; retenha a suficiência de comida deles, e retenha o aluguel do trabalho deles / delas.

 

Verso 19

Para isto é agradecível , .... Ou "graça"; este é um fruto e efeito da graça, um exemplo disso, em que se mostra: a versão siríaca acrescenta "com Deus"; e assim é lido em uma das cópias de Beza, na cópia alexandrina e em outras; isto é, isso é grato a Deus e aceitável com ele; como em 1 Pedro 2:201 Pedro 2:20 ,

 

se um homem por consciência para com Deus ; ou "por uma boa consciência", como lê a versão siríaca; por agir de acordo com sua consciência, em questões de religião, nas coisas de Deus; "para o conhecimento de Deus", como a versão em árabe faz; para o conhecimento de Deus em Cristo; para o Evangelho de Cristo, e uma profissão dele: ou ", para Deus", como a versão etíope; para a causa de Deus e da verdade, e para as coisas concernentes a Deus, e que contribuem para a sua glória:

 

suportar tristeza ; que ocasiões o pesar, como palavras severas, acusações amargas, duras censuras e golpes pesados; e isso com paciência, e sem murmuração, e com resignação à vontade de Deus:

 

sofrendo injustamente ; não havendo justa causa para uma má aparência, palavra ou golpe.

 

Versículo 20

Pois qual é a glória, se, quando fores fustigado por vossas faltas , (…) as que comestes e com quem cometes, e que são verdadeiramente tais:

 

vós tomareis isto pacientemente ? ficar em silêncio, e não murmurar quando espancado, dentro da medida, por faltas reais, não é uma grande honra, nem merece qualquer elogio; é o mínimo que pode ser feito:

 

mas se, quando fizeres bem ; ou a serviço do seu senhor, ou melhor, no negócio da religião e das coisas de Deus; como quando o que eles fazem é segundo a vontade de Deus, e por amor a ele, e em fé, e em nome e força de Cristo, e para a glória de Deus; sem tudo o que não há bem fazendo:

 

e sofrer por isso ; reprovação e perseguição, por palavras ou golpes, em pessoa ou propriedade:

 

vós tomai isto pacientemente ; sem lamentar e repicar, ou responder novamente, e fazer qualquer retorno:

 

isso é aceitável com Deus ; é agradavelmente à vontade dele, e grato a sua vista, com o que ele está bem satisfeito, é considerado graça com ele; e embora seja sua própria graça e de sua própria concessão, ele a recompensará com glória.

 

Versículo 21

Pois até mesmo vós fostes chamados , .... Tanto para fazer bem, dos quais ninguém, mas aqueles que são chamados com um chamado santo e eficaz são capazes; e para o qual eles estão preparados e estão obrigados a realizar, e a sofrer por isso, o que eles devem sempre esperar, e a paciência em sofrer por isso, que altamente os torna. Sendo este um fim do chamado eficaz dos santos, é usado como um argumento para envolvê-los no exercício da graça da paciência no sofrimento pelo bem-estar; e o outro segue:

 

porque Cristo também sofreu por nós ; em nosso lugar e lugar, para cumprir a lei, satisfazer a justiça de Deus e fazer a reconciliação pelo pecado; e não apenas para o nosso bem, ou apenas como um mártir, para confirmar a verdade de sua doutrina, ou apenas como um exemplo para nós, embora isso também seja verdade: a cópia alexandrina, e algumas outras, lêem "para você"; para os seus servos, assim como outros, e, portanto, devem sofrer com alegria e paciência por causa de Cristo e do seu Evangelho; e o melhor, porque ele sofreu,

 

nos deixando , ou "você", como as mesmas cópias, e a versão em latim da Vulgata dizia:

 

Um exemplo que você deve seguir seus passos : Cristo é um exemplo para seu povo no exercício da graça, como de fé, amor, zelo, mansidão e humildade; e no cumprimento do dever, em relação aos mandamentos da lei moral e às instituições positivas da religião; em sua constância na oração; em freqüência freqüente no culto público; em sua submissão à ordenança do batismo e sua celebração da ceia; e igualmente em seus sofrimentos; e em sua mansidão, paciência, coragem e resignação à vontade de Deus, que é o que é aqui pretendido, e na qual seu povo é para com o companheiro e imita-o.

 

Verso 22

Quem não fez pecado , ... Ele estava à semelhança da carne pecaminosa; Parecia um homem pecador, sendo nascido de uma mulher pecaminosa e fazendo companhia a homens pecadores, sendo ele próprio um homem de dores, aflito e finalmente morto. Ele foi traído como pecador por seus inimigos, e teve todos os pecados de seu povo sobre ele, que ele suportou e satisfez, e foi a razão de seus sofrimentos; mas ele não tinha pecado em sua natureza, nem cometeu nenhum em sua vida:

 

nem foi encontrado engano em sua boca ; embora tenha sido diligentemente procurado pelos escribas e fariseus; não havia enganação em seus lábios, nem falsidade em sua doutrina, mais do que imoralidade em sua conversa; ele era um israelita de fato em todas as contas, e no sentido mais completo dessa frase; É feita referência a Isaías 53: 9Isaías 53: 9 e isso é observado, em parte, para mostrar que Cristo sofreu não por si mesmo, ou por quaisquer pecados seus, mas pelos pecados de outros, pelos quais ele estava em boa forma, visto que não tinha nenhum de seus próprios; e em parte como um argumento para a paciência no sofrimento; porque desde que sofreu Cristo, que não tinha pecado, nem o havia, nem se achou nele, acusado e provado contra ele; e quais os sofrimentos que ele suportou com paciência; então, quanto deve tornar-se um homem pecador suportar pacientemente seus sofrimentos, embora eles não sejam criminosos com relação às coisas pelas quais eles sofrem, mas ainda assim são em outras coisas, ao passo que Cristo não era criminoso, nem culpado em nada?

 

Verso 23

Quem, quando foi injuriado, não denunciou novamente , quando foi reprovado como um comilão, um bebedor de vinho, um amigo de publicanos e pecadores, toda a resposta que ele fez foi que a Sabedoria é justificada por seus filhos; e quando foi acusado de expulsar demônios por Belzebu, o príncipe dos demônios, ele se defendeu, não com má linguagem, mas com fortes raciocínios; e quando se dizia que ele era um samaritano e tinha demônio, sua única resposta era que ele não tinha, que ele honrou seu pai e o desonraram; e quando ele foi insultado na cruz, pelos que passaram, pelos principais sacerdotes e escribas, e os ladrões que foram crucificados com ele, ele não retornou, não abriu a boca, e muito menos de maneira recriminadora. ,

 

Quando ele sofreu, ele ameaçou não; quando ele suportou bofetadas e açoites em seu corpo, quando os oficiais no palácio dos sumo sacerdotes cuspiram em seu rosto, o esbofetearam, feriram-no com as palmas das suas mãos, e pediram-lhe profetiza que o feriu, todos os quais muito provocador; no entanto, ele não disse uma palavra a eles, muito menos os ameaçou com o que faria a eles por tal uso em outro dia, quando os informaria, com vingança, quem foi que o feriu; não, ele levou tudo pacientemente deles, e de Pilatos, e os soldados romanos, quando açoitados por eles; Deu as costas aos feridos e suas bochechas para os que arrancavam os cabelos; e quando ele sofreu a crucificação, e foi colocado em tais angustiantes dores e agonias, ele não ameaçou seus crucificadores com um julgamento futuro, quando ele iria se vingar e executar sua ira sobre eles,

 

mas se entregou àquele que julga justamente ; ele recomendou seu Espírito, ou alma, a Deus, seu Pai, e comprometeu sua causa com ele, para reivindicá-lo de que maneira ele deveria pensar adequado, quem ele sabia que era o Juiz de toda a terra, que faria o certo; e assim a versão siríaca abastece-lo com דיניה"seu julgamento": que ele deixou com Deus, o justo Juiz, a quem pertence a vingança; e que é um exemplo, e uma instrução para os santos fazerem da mesma forma; não se render ao corrimão, ou buscar vingança, mas deixar sua causa com seu Deus, que, em seu próprio tempo, vingará os erros e ferimentos cometidos por eles. A versão em latim da Vulgata lê, ao contrário de todas as cópias gregas, e outras versões, "mas entregou-se a ele que julga injustamente"; o sentido do que é, que Cristo entregou-se nas mãos de Pilatos, que injustamente condenou-o à morte; mas não é a leitura nem o sentido do texto.

 

Verso 24

Quem mesmo desnudou nossos pecadosComo foi tipificado pelo sumo sacerdote levando os pecados das coisas sagradas do povo de Israel, quando ele foi para o lugar santíssimo, e pelo bode expiatório levando as iniqüidades de todo o povo a uma terra não habitado, e como foi predito pelo Profeta Isaías. O apóstolo explica aqui a natureza e o fim dos sofrimentos de Cristo, que deveriam fazer expiação pelos pecados, e que foi feito por suportá-los. O que Cristo carregou foram "pecados", mesmo todos os tipos de pecado, originais e reais, e todo ato de pecado de seu povo; e tudo o que está em pecado, tudo o que pertence a ele, surge dele, e é o demérito dele, tanto como sujeira, culpa e punição; e uma multidão de pecados ele levou, todas as iniqüidades de todos os eleitos; e uma carga prodigiosa e peso era; e do que nada poderia ser mais enjoativo e desagradável para ele, que ama a justiça e odeia a iniquidade; e estes pecados que ele levou não foram seus, nem os de anjos, mas de homens; e não de todos os homens, mas de muitos, tantos quantos foram ordenados para a vida eterna, por quem Cristo deu a vida em resgate, a quem ele justifica e traz à glória; nossos pecados, não somente os dos judeus, porque Pedro era judeu, e também aqueles a quem ele escreve, mas também dos gentios, mesmo dos de todo o seu povo, pois eles salvam de seus pecados, sendo feridos para eles. Seu "porte" era assim: tornando-se o fiador e substituto de seu povo, seus pecados eram postos sobre ele por seu Pai, isto é, eles eram imputados a ele, eles eram contados como seus e colocados em sua conta. ; e Cristo voluntariamente os tomou sobre si mesmo; ele os levou para si mesmo, como alguém pode aceitar a dívida de outro, e faça-se responsável por isso; ou, como homem, pega um fardo e o coloca sobre os ombros; então, Cristo tomou nossos pecados e os "carregou", como a palavra aqui usada significa, aludindo aos sacerdotes que levavam o sacrifício ao altar, e referindo-se ao levantar de Cristo na cruz; para onde levou os pecados do seu povo, e os tomou, e não se afundou sob o peso deles, sendo o Deus forte, e o homem da destra de Deus, fortalecido para si mesmo; e assim fizeram toda satisfação para eles, suportando a ira de Deus, a maldição da lei e todo aquele castigo que lhes era devido; e assim os tirou, tanto de seu povo, e fora da vista de Deus, como de sua justiça vingativa; e os removeu até o oriente do ocidente, e acabou com eles; e isso ele mesmo fez, e não outro, nem por outro, ou com a ajuda de outro; não por meio de um bode, como o sumo sacerdote, mas por si mesmo; embora ele tenha sido auxiliado a carregar sua cruz, ainda assim não teve ajuda em suportar nossos pecados; os anjos não podiam ajudá-lo; seu pai estava a uma distância dele; não havia ninguém para ajudar; seu próprio braço trouxe a salvação para ele; mas

 

ele próprio , que não conhecia nenhum pecado, nem fez nenhum, ele por si mesmo expurgou os nossos pecados, e fez a reconciliação por eles, carregando-os: e o que ele fez

 

em seu próprio corpo e não em outro; naquele corpo que seu pai preparou para ele, e que ele tomou da virgem, e estava livre do pecado; embora não para a exclusão de sua alma, que também foi feita uma oferta pelo pecado, e na qual ele suportou grandes dores e tristezas pelo pecado: e tudo isso

 

na árvore ; a árvore amaldiçoada, a cruz; que é expressivo tanto da vergonha quanto da dor de seus sofrimentos e morte. O final do qual foi,

 

que estamos mortos para pecar; "aos nossos pecados", como a cópia alexandrina e a versão etíope leram; como todos os eleitos são, suportando os seus pecados e sofrendo a morte por eles, assim como esse pecado não lhes será imputado; é como se nunca tivesse sido; está morto para eles, e eles a isso, quanto ao seu poder e influência condenáveis; de modo que eles são totalmente dispensados, e nunca podem entrar em condenação por causa disso, e nunca podem ser feridos, de modo a serem destruídos por ela; nem pela morte, seja corpórea ou eterna, desde que o aguilhão da morte, que é pecado, é tirado, e a força do pecado, que é a lei, está morta para eles, e eles para isso: em resumo, através da morte de Cristo eles estão tão mortos para o pecado, que não é apenas terminado, feito um fim e posto de lado, mas o corpo dele é destruído, para que não seja servido;

 

deve viver para a justiça ; viva, e não morra a segunda morte, e viva pela fé na justiça de Cristo, para justificação da vida, e sóbria, justa e piedosa neste mundo mau presente; que a graça de Deus ensina, eo amor de Cristo em suportar o pecado restringe, e a redenção pelo seu precioso sangue tem a obrigação de fazer; para aqueles cujos pecados Cristo carregou não são seus, mas sendo comprados com o preço de seu sangue, eles estão destinados a viver para aquele que tem uma propriedade neles, e um direito de reivindicar toda a obediência deles:

 

pelas suas feridas fostes sarados ; a passagem referida está em Isaías 53: 5Isaías 53: 5, que é uma profecia do Messias, como é reconhecido pelos judeusF7, quem disseF8,

 

"este é o Rei Messias, que estava na geração dos ímpios, como é dito, Isaías 53: 5Isaías 53: 5 " e com suas feridas somos curados "; e por isso Deus o salvou, para que ele pudesse salvar Israel, e regozije-se com eles na ressurreição dos mortos.

 

O pecado é uma doença, natural e hereditária, uma doença epidêmica que atinge todos os homens e todos os poderes e faculdades de suas almas e membros de seus corpos; e que é enjoativo e repugnante, e em si mesmo mortal e incurável; nem pode ser curado por qualquer criatura, ou qualquer coisa que uma criatura possa fazer. Cristo é o único médico, e seu sangue é o remédio bálsamo e soberano; isso purifica de todo pecado; através dela é a remissão do pecado, que se entende por cura; para curar doenças e perdoar a iniquidade é uma e a mesma coisa; veja Salmo 103: 3Salmo 103: 3 em que último texto um judeu eruditoF9 tem essa nota,

 

"estes intérpretes explicam לשון סליחה ," como expressivo de perdão ";

 

e os judeus dizem que não há cura de doenças, mas significa perdãoF11: é uma maneira incomum de curar pelas listras de outro. Alguns acham que o apóstolo alude às características que os servos recebem de seus senhores, a quem ele estava falando agora; e, a fim de encorajá-los a suportá-los pacientemente, observa que o próprio Cristo sofreu listras e que eles tinham cura para suas doenças e feridas, por meio de suas feridas, ou por ele ter sido ferido e ferido por eles,

 

Verso 25

Pois vós, como ovelhas, se desviaram , ... Esta é uma prova de que foram curados, isto é, sua conversão; em que uma aplicação do sangue de Cristo, e perdão, e assim curando por ele, foi feita às suas almas. O apóstolo ainda tem em vista a profecia de Isaías 53: 6Isaías 53: 6. Os eleitos de Deus são ovelhas antes da conversão; não que eles tenham as propriedades agradáveis ​​das ovelhas, sejam mansos, inofensivos, inocentes, limpos e lucrativos, pois são o reverso de tudo isso; nem podem ser ditas algumas coisas deles antes da conversão, como pode ser depois, quando ouvem a voz de Cristo e o seguem; nem são assim chamados, porque sem preconceitos e predispostos ao Evangelho, porque o contrário é verdadeiro para eles; mas eles são assim para eleger a graça, e foram assim considerados no dom do Pai deles para com Cristo, e quando os seus cuidados e encargos, e, portanto, eles são chamados as ovelhas da sua mão; e quando Cristo entregou sua vida e ressuscitou, o que ele fez pelas ovelhas e como o grande Pastor delas; e quando chamados pela graça, por serem ovelhas e ovelhas de Cristo pelo dom do Pai, e seu próprio propósito, é a razão pela qual ele os procura, os chama pelo nome e os devolve; mas eles ainda não são do seu rebanho; são ovelhas perdidas, perdidas em Adão e por sua queda e por suas próprias transgressões reais; eles são como ovelhas que se desviam do pastor e do rebanho, saindo do caminho certo e dos seus próprios caminhos; e são, como as ovelhas, estúpidas e insensíveis ao perigo delas; e como eles nunca retornam de si mesmos, até que sejam procurados e trazidos de volta: como ovelhas, estúpidas e insensíveis ao perigo delas; e como eles nunca retornam de si mesmos, até que sejam procurados e trazidos de volta: como ovelhas, estúpidas e insensíveis ao perigo delas; e como eles nunca retornam de si mesmos, até que sejam procurados e trazidos de volta:

 

mas agora são devolvidos ; não retornaram, mas foram devolvidos pela poderosa e eficaz graça: os santos são passivos, e não ativos na primeira conversão; eles são transformados não pelo poder de sua livre vontade, mas pelo poder da livre graça de Deus; eles são devolvidos sob as iluminações e vivificações do bendito Espírito, e através dos desenhos eficazes do amor do Pai, a Cristo:

 

ao pastor e bispo de suas almas; por quem Cristo é destinado, que sustenta o ofício de Pastor, e o realiza completamente alimentando suas ovelhas, proporcionando um bom rebanho e pasto para elas; reunindo os cordeiros em seus braços e conduzindo suavemente aqueles que estão com jovens; curando suas doenças e preservando-as das feras de rapina; por isso ele é chamado de bom, grande e chefe de pastor: e ele é o "Bispo" ou "Supervisor" das almas de seu povo, embora não com a exclusão de seus corpos: ele assumiu a supervisão deles voluntariamente, e olha bem para seu rebanho, inspeciona seus casos, e freqüentemente os visita, e nunca os abandona; nem os deixará até que recebam o fim de sua fé, a salvação de suas almas; que ele empreendeu e efetuou por sua obediência, sofrimentos e morte. Filo, o judeuF12 observa, que "ser um pastor é uma obra tão boa, que não é apenas um título dado a reis e sábios, e almas perfeitamente purificadas, mas a Deus o governador de todos - que, como pastor e rei , conduz de acordo com a justiça e a lei, colocando sobre eles seu Logos correto, "o primeiro Filho gerado", que cuidou desse rebanho sagrado, assim como o vice de um grande rei.

FONTE BIBLIOGRAFIA COMENT. JOÃO GIL /WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET