Translate this Page
  • Currently 2.55/5

Rating: 2.5/5 (262 votos)




ONLINE
3




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Os Livros Poéticos II
Os Livros Poéticos II

                                        Os Livros Poéticos II 

 

Comentários: INTRODUÇÃO

Os livros poéticos são assim classificados porque, em sua estrutura textual, a poesia é predominante. Mas também há neles narrativas e profecias. Tais poesias foram produzidas por inspiração divina para servirem como instrumento de comunhão do homem com Deus e na sua meditação nas coisas espirituais (Sl 119.97).

 

 

  1. A POESIA HEBRAICA
  2. A natureza da poesia.
  3. Paralelismo.
  4. Acróstico.

 

A Poesia hebraica caracteriza-se principalmente pela repetição de idéias, o que se denomina de PARALELISMO. Desta forma, uma idéia é abordada e, logo em seguida, é novamente afirmada com palavras diferentes, sendo que os conceitos das duas linhas são equivalentes. Os tipos de PARALELISMO foram classificados por Lowth, em 1753, em três categorias: sinonímico, antitético e sintético. Vejamos os porquês dessa classificação:

Sinonímico – quando a idéia é repetida de forma similar. Exemplos: Salmo 113.7: Ele ergue do pó o desvalido

E do monturo o necessitado.

Salmo 117.1: Louvai ao Senhor todos os gentios,

Louvai-o todos os povos.

Antitético – quando a idéia é afirmada por oposição. Exemplos:

Salmo 1.6: Pois o SENHOR conhece o caminho dos justos,

Mas o caminho dos ímpios perecerá.

Provérbios 10.1: O filho sábio alegra a seu pai,

Mas o filho insensato é a tristeza de sua mãe.

Sintético – ocorre quando a Segunda linha completa ou desenvolve o pensamento da primeira, ao invés de simplesmente repeti-la. Exemplo: Salmo 52.9: Dar-te-ei graças para sempre,

Porque assim o fizeste;

Na presença dos teus fiéis,

Esperarei no teu nome, porque é bom.

Um bom exercício é ler a Bíblia, especialmente os livros dos Salmos, Cantares de Salomão e Provérbios de Salomão, e procurar identificar esses tipos de PARALELISMO.

Outros tipos de PARALELISMO foram identificados e definidos, também com a mesma beleza formal e literária:

Paralelismo emblemático – ocorre quando o primeiro verso (a primeira linha) traz uma figura de linguagem e a linha seguinte apresenta a mesma idéia literalmente, explicando, assim, a figura de linguagem.

Exemplo: Provérbio 25. 4 e 5: Tira da prata a escória,

E sairá vaso para o ourives;

Tira o perverso da presença do rei,

E o seu trono se firmará na justiça.

Paralelismo de passo ou escada – dá-se quando o pensamento segue adiante, sendo que cada verso (ou linha) adiciona um elemento novo à idéia anterior.

Exemplo: Salmo 29. 5 e 6:

A voz do SENHOR quebra os cedros;

Sim, o SENHOR despedaça os cedros do Líbano.

Ele os faz saltar como um bezerro;

O Líbano e o Siriom, como bois selvagens.

 

  1. O SALTÉRIO DE ISRAEL

Salmos é o livro de hinos e de orações da bíblia. São 150 cânticos e poemas usados em cultos e devocionais da igreja de todas às épocas. Jesus cantou salmos e os citou várias vezes. Os salmos têm sido uma fonte de inspiração e devoção para os cristãos e para a igreja.

  1. Título.
  2. Conteúdo.
  3. Os Salmos messiânicos.

SALMOS

SÍNTESE

Os Salmos, metade dos quais é atribuída por suas inscrições a Davi, o suave cantor de Israel, em geral procedem da idade áurea de Israel, por volta do ano 1000 a.C. Sem a menor dúvida, alguns foram escritos mais tarde, na época do cativeiro (por exemplo, o Salmo 137). Os salmos expressam verdades profundas num estilo poético, com a intenção de penetrar os recônditos do coração. Devem ensinar-nos que o conhecimento intelectual não é suficiente; o coração deve ser alcançado pela graça redentora de Deus. A poesia hebraica não consiste no rítimo, mas principalmente na repetição de pensamentos apresentados em cláusulas paralelas, como, por exemplo: "Não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos retribuiu segundo as nossas iniquidades" (103:10). Se prestarmos atenção a este paralelismo, poderemos, às vezes, interpretar palavras obscuras mediante o paralelo mais claro. Outro recurso que se emprega com freqüência no artifício poético é a dramatização. Davi não escreve para si próprio. Escreve para outros. O salmista escreve para todos nós, e podemos apropriarmos de que aqui também Davi escreve às vezes na primeira pessoa do singular; não obstante isso, proporciona-nos pormenores vividos das experiências do Messias.

Cerca da metade dos salmos pode ser classificada como orações de fé proferidas em épocas de angústia. Salmos tão preciosos como os de número 23, 91, 121 e muitos outros, sustentam-nos nos momentos de necessidades mais urgentes. Seria bom que apredêssemos de cor estes salmos e os repetissemos com freqüência, a fim de fortalecer-nos com a Palavra quando a hora da provação nos apanha de surpresa. Mais ou menos 40 salmos são dedicados ao tema do louvor. A nota de louvor a Deus deve constituir-se em uma parte da respiração mesma do crente, e salmos tais como os de números 100 e 103 devem figurar com proeminência em nossas devoções.

É difícil fazer uma classificação minuciosa dos salmos, visto como são obras profundamente poéticas, e um salmo pode tratar de assuntos diferentes. Sugerimos, contudo, várias categorias: os salmos do homem justo são representados pelos de números 1, 15, 101. 112 e 133. Seis poderiam denominar-se salmos messiânicos: 2, 21, 45, 72, 110 e 132. Os salmos 32 e 51 são chamados, de modo geral, penitenciais, juntamente com partes dos salmos 38, 130 e 143. Os salmos imprecatórios pedem vingança sobre os inimigos de Deus; são eles: 69, 101, 137 e parte dos salmos 35, 55 e 58. Há, pelo menos, quatro salmos históricos: 78, 81, 105 e 106. Dois ressaltam a revelação: 19 e 119.

Os salmos messiânicos que se referem a Cristo, no Novo Testamento, são: 2, 8, 16, 22, 40, 41, 45, 68, 69, 89, 102, 109, 110 e 118. Alguns destes são tipicamente messiânicos, isto é, escritos a respeito de nossas experiências em geral, mas aplicados a Cristo. Outros são diretamente proféticos. Os salmos 2, 45 e 110 predizem o Rei messiânico. No salmo 45:6, o Messias é Deus; no 110, é ele o Sacerdote, Rei e Senhor de Davi; no salmo 2, é o Filho de Deus que deve ser adorado. Outros salmos fazem referência a seus sofrimentos (22), seu sacrifício (40), sua ressurreição (16:10, 11). No salmo 89, ele é quem completa a aliança davídica em cumprimento das esperanças de Israel. .

AUTOR

Segundo os títulos, Davi foi o autor de 73 salmos; Asafe, de 12. Os filhos de Coré, 11; Salomão, 2; Moisés e Etã um cada um. No caso de 50 salmos, não se menciona seu autor. A versão dos Setenta ou Septuaginta acrescenta Ageu e Zacarias como autores de 5 salmos.

O valor das inscrições tem sido posto em dúvida, mas é evidente que figuravam muito antes do ano 200 a.C., visto que a Versão dos Setenta, traduzida em torno dessa época, interpretou erroneamente várias das anotações musicais dos títulos. As composições poéticas que figuram nos livros históricos da época do pré-exílio assinalam o uso semelhante de inscrições (Habacuque 3:1; Isaias 38:9; II Samuel 1:17; 23:1). O salmo 18, atribuido a Davi por sua inscrição, também se diz em II Samuel 22:1 que foi escrito por ele. Esta reputação de Davi como músico é mencionada repetidamente (II Samuel 23:1; I Samuel 16:18; Amós 6:5). Os livros das Crônicas explicam com clareza que Davi organizou coros no templo e compôs salmos para eles (I Crônicas 16:4, 5; 25:1-5). As expressões musicais enigmáticas das inscrições acham-se freqüentemente relacionadas pelo livro das Crônicas com este trabalho de Davi (I Crônicas 15:20, 21; 16:4; compare os títulos dos salmos 12, 38, 46; e 105:1; 148:1 e outros). Finalmente, o Senhor Jesus Cristo fundamentou um importante argumento sobre a validez do título do salmo 110 (Marcos 12:36). Não parece existir prova positiva contra o ponto de vista tradicional de que a maior parte dos salmos foi escrita em torno do ano 1000 a.C., como afirmam as inscrições. As novas provas derivadas dos pergaminhos do mar Morto descartam a idéia de que a escritura de alguns salmos se estendeu até ao segundo século antes de Cristo conforme o sustentaram alguns exegetas no passado.

  1. Laird Harris

Doutor em Filosofia e Letras

 

III. ESTRUTURA DOS SALMOS

  1. A divisão dos Salmos.
  2. Na Septuaginta.
  3. Os versículos no cânon judaico.
  4. Cânticos dos Degraus.

Esboço

  1. Livro 1: Salmos 1—41
  2. Livro 2: Salmos 42—72

III. Livro 3: Salmos 73—89

  1. Livro 4: Salmos 90—106
  2. Livro 5: Salmos 107—150

Duas observações quanto ao esboço acima são dignas de nota: (1) Desde os tempos antigos, os 150 salmos são organizados em cinco livros, tendo cada um, na sua conclusão, uma enunciação de louvor e invocação dirigida a Deus, a saber: Livro 1 — 41.13; Livro 2 — 72.19; Livro 3 — 89.52; Livro 4 — 106.48; Livro 5 — 150.1-6. O salmo 150 não é apenas o último dos salmos; é também uma enunciação de louvor e invocação a Deus; ele é também uma doxologia para todo o saltério. (2) O gráfico a seguir enseja uma visão panorâmica da divisão dos Salmos em cinco livros.

 

S A L M O S

Livro I  1-41

 

Livro II   42-72

 

 Livro III  73-89

 

Livro IV   90-106

 

Livro V  107-150

 

Total de Salmos

 

41

31

17

17

44

Autoria

 

Maioria

de Davi

 

Maioria

de Davi e dos

filhos de Corá

 

Maioria

de Asafe

 

Maioria

Anônimos

 

Maioria de

Davi ou

Anônimos

 

Nome Divino

Predominante

 

Jeová

(o "SENHOR")

 

El/Elohim

("Deus")

 

El/Elohim

("Deus")

 

Jeová

(o "SENHOR")

 

Jeová

(o "SENHOR")

 

Temas

Freqüentes

 

O Ser

Humano

e a Criação

 

Livramento

e Redenção

 

Adoração e

o Santuário

 

O Deserto e

os Caminhos

de Deus

 

A Palavra de

Deus e o Seu

Louvor

 

Semelhança com o

Pentateuco

 

Gênesis

 

Êxodo

 

Levítico

 

Números

 

Deuteronômio

 

Autor:

 

Davi e outros

Tema: Oração e Louvor

Data: Quase todo foi escrito entre os séculos X a V a.C.

 

 

Considerações preliminares

O título hebraico dos Salmos é Tehillim, que significa “louvores”; o título na Septuaginta (tradução do AT para o grego, feita em c. 200 a.C.) é Psalmoi, que significa “cânticos para serem acompanhados por instrumentos de cordas”. O título em português, “Salmos”, deriva da Septuaginta.

A música desempenhava papel de importância no culto do antigo Israel (cf. Sl 149; 150; 1 Cr 15.16-22); os salmos eram os hinos do povo de Israel. Bem diferente de boa parte da poesia e do cântico do mundo ocidental, compostos com rima ou metrificação, a poesia e o cântico do AT tem por base o paralelismo de pensamento, em que a segunda linha (ou linhas sucessivas) da estrofe praticamente faz uma reiteração (paralelismo sinônimo), ou apresenta um contraste (paralelismo antitético), ou, de modo progressivo, completa (paralelismo sintético) a primeira linha. Todas as três formas de paralelismo caracterizam o Saltério. O salmo mais antigo conhecido vem de Moisés, no século XV a.C. (Sl 90); os mais recentes provêm dos séculos VI e V a.C. (e.g., Sl 137). A maioria dos salmos, no entanto, foi escrita no século X a.C., durante a era áurea da poesia em Israel. Os títulos descritivos que precedem a maioria dos salmos, embora não pertençam ao texto original, logo não inspirados, são muito antigos (anteriores à Septuaginta) e importantes. O conteúdo desses títulos varia, e forma diferentes grupos de salmos, como (1) o nome do autor (e.g., Sl 47, “Salmo... entre os filhos de Corá”); (2) o tipo de salmo (e.g., Sl 32, um “masquil”, que significa uma poesia para meditação ou ensino); (3) termos musicais (e.g., Sl 4, “Para o cantor-mor, sobre Neguinote [instrumentos de cordas]”); (4) notações litúrgicas (e.g., Sl 45, “Cântico de amor”, i.e., um cântico para casamento); e (5) breves notações históricas (e.g., Sl 3, “Salmo de Davi, quando fugiu... de Absalão, seu filho”). (N do E — Em quase todas as Bíblias atuais, dependendo da agência publicadora e da respectiva versão e edição, cada salmo traz, antes de tudo, uma epígrafe (ou título), elaborada por essas agências. É evidente que essas epígrafes (bem como as demais através de Bíblia) não são inspiradas. No tocante à autoria dos salmos, os títulos atribuem setenta e três deles a Davi, doze a Asafe (um levita com dons relacionados à música e à profecia, ver 1 Cr 15.16-19; 2 Cr 29.30), dez aos filhos de Corá (uma família talentosa na música), dois a Salomão, um a Hemã, um a Etã e um a Moisés. Com exceção de Moisés, Davi e Salomão, todos os outros autores mencionados eram sacerdotes

ou levitas com vocação musical e com responsabilidades no culto sagrado durante o reinado de Davi. Cinqüenta salmos são anônimos. As referências bíblicas e históricas sugerem que Davi (cf. 1 Cr 15.16-22), Ezequias (cf. 2 Cr 29.25-30; Pv 25.1) e Esdras (cf. Ne 10.39; 11.22; 12.27-36, 45-47) participaram, em suas respectivas épocas, da compilação dos salmos para o uso no culto público em Jerusalém. A compilação final do Saltério deu-se mais provavelmente nos dias de Esdras

e de Neemias (450-400 a.C.).

Propósito

Os salmos, como orações e louvores inspirados pelo Espírito, foram escritos para, de modo geral, expressarem as mais profundas emoções íntimas da alma em relação a Deus. (1) Muitos foram escritos como orações a Deus, como expressão de (a) confiança, amor, adoração, ação de graças, louvor e anelo por maior comunhão com Deus; (b) desânimo, intensa aflição, medo, ansiedade, humilhação e clamor por livramento, cura ou vindicação. (2) Outros foram escritos como cânticos de louvor, ação de graças e adoração, exaltando a Deus por seus atributos e pelas grandes coisas que Ele tem feito. (3) Certos salmos contêm importantes trechos messiânicos.

Visão Panorâmica

Saltério, uma antologia de 150 Salmos, abarca ampla gama de temas, inclusive revelações a respeito de Deus, da criação, da raça humana, do pecado e do mal, da justiça e da santidade, da adoração e do louvor, da oração e do juízo. Alude a Deus de modo ricamente variado: como fortaleza, rocha, escudo, pastor, guerreiro, criador, rei, juiz, redentor, sustentador, aquele que cura e vingador; Deus expressa amor, ira e compaixão; Ele é onipresente, onisciente e onipotente. O povo de Deus é também descrito de várias maneiras: como a menina dos olhos de Deus, ovelhas, santos, retos e justos que Ele livrou do lamaçal escorregadio do pecado e pôs seus pés na rocha, dando-lhes um cântico novo. Deus dirige os seus passos, satisfaz seus anseios espirituais, perdoa todos os seus pecados, cura todas as suas enfermidades e lhes provê uma habitação eterna. Um bom método para estudar o livro é fazê-lo pelas categorias classificatórias dos salmos (algumas

dessas categorias se sobrepõem parcialmente). (1) Cânticos de Aleluia ou de Louvor: engrandecem o nome, a majestade, a bondade, a grandeza e a salvação de Deus (e.g., Sl 8; 21; 33; 34; 103—106; 111; 113; 115; 117; 135; 145; 150). (2) Cânticos de Ação de Graças: reconhecem o socorro e livramento divinos, em muitas ocasiões, em favor do indivíduo ou de Israel como nação (e.g., Sl 18; 30; 34; 41; 66; 100; 106; 116; 126; 136; 138). (3) Salmos de Oração e Súplica: incluem lamentos e petições diante de Deus, sede de Deus e intercessão em favor do seu povo (e.g., Sl 3; 6; 13; 43; 54; 67; 69—70; 79; 80; 85—86; 88; 90; 102; 141; 143). (4) Salmos Penitenciais: enfocam o reconhecimento e confissão do pecado (e.g., Sl 32; 38; 51; 130). (5) Cânticos da História Bíblica: narram como Deus lidou com a nação de Israel (e.g., Sl 78; 105; 106; 108; 114;

126; 137). (6) Salmos da Majestade Divina: declaram convictamente que “o Senhor reina” (e.g., Sl 24; 47; 93; 96—99). (7) Cânticos Litúrgicos: compostos para cultos ou eventos festivos especiais (e.g., Sl 15; 24; 45; 68; 113—118; estes seis últimos eram cantados anualmente na Páscoa). (8) Salmos de Confiança e de Devoção: expressam (a) a confiança que o crente tem na integridade de Deus e no conforto da sua presença e (b) a devoção da alma a Deus (e.g., Sl 11; 16; 23; 27;

31—32; 40; 46; 56; 62—63; 91; 119; 130—131; 139). (9) Cânticos de Romagem: também chamados “Cânticos de Sião” ou “Cânticos dos Degraus”. Eram cantados pelos peregrinos, a caminho de Jerusalém para celebrarem as festas anuais da Páscoa, de Pentecoste e dos Tabernáculos (e.g., Sl 43; 46; 48; 76; 84; 87; 120—134). (10) Cânticos da Criação: reconhecem a

obra de Deus na criação dos céus e da terra (e.g., Sl 8; 19; 33; 65; 104). (11) Salmos Sapienciais e Didáticos (e.g., Sl 1; 34; 37; 73; 112; 119; 133). (12) Salmos Régios ou Messiânicos: descrevem certas experiências do rei Davi ou Salomão com significado profético, cujo cumprimento pleno terá lugar à vinda do Messias, Jesus Cristo (e.g., Sl 2; 8; 16; 22; 40; 41; 45; 68; 69; 72; 89; 102; 110; 118). (13) Salmos Imprecatórios: invocam a maldição ou condenação divina sobre os ímpios (e.g.,

Sl 7; 35; 55; 58; 59; 69; 109; 137; 139.19—22). Muitos crentes ficam perplexos quanto a estes salmos, porém, deve-se observar que eles foram escritos por zelo pelo nome de Deus, por sua justiça e sua retidão, e por intensa aversão à iniqüidade, e não por simples vingança. Em suma: clamam a Deus para Ele elevar os justos e abater os ímpios.

Características Especiais

Nove características principais assinalam o livro de Salmos. (1) É o maior livro da Bíblia, e contém o capítulo mais extenso (119.1-176), o capítulo mais curto (117.1,2) e o versículo central da Bíblia (118.8). (2) É o hinário e livro devocional dos hebreus, e a sua profundidade e largueza espirituais fazem com que este livro seja o mais lido e estimado do AT, pela maioria dos crentes. (3) “Aleluia” (traduzido por “louvai ao Senhor” em algumas Bíblias), um termo hebraico universalmente conhecido pelos cristãos. Ele ocorre vinte e oito vezes na Bíblia, sendo que vinte e quatro estão no

livro de Salmos. O Saltério chega ao seu auge no Sl 150, com uma manifestação de louvor completo, harmonioso e perfeito ao Senhor. (4) Nenhum outro livro da Bíblia expressa tão bem a gama inteira das emoções e necessidades humanas em relação a Deus e à vida humana. Suas expressões de louvor e devoção fluem dos picos mais altos, da comunhão com Deus, e seus brados de desespero ecoam dos vales mais profundos do sofrimento. (5) Cerca de metade dos salmos consiste de orações de fé em tempos de tribulação. (6) É o livro do AT mais citado no NT. (7) Contém muitos dos “capítulos prediletos” da Bíblia, como Sl 1; 23; 24; 34; 37; 84; 91; 103; 119; 121; 139; e 150. (8) O Sl 119 é único na Bíblia por: (a) seu tamanho (176 versículos), (b) seu grandioso amor à Palavra de Deus; e (c) sua estrutura literária que compreende vinte e duas estrofes de oito versículos cada, sendo que dentro de cada estrofe, cada versículo inicia com a mesma letra, segundo a ordem das 22 letras do alfabeto hebraico, formando um acróstico alfabético. (9) A característica literária principal do livro é um estilo poético chamado paralelismo, que utiliza mais o ritmo dos pensamentos do que o ritmo da rima ou da métrica. Esta característica possibilita a tradução da sua mensagem de um idioma para outro sem muita dificuldade.

O Livro de Salmos ante o NT

Há 186 citações dos salmos no NT, o que ultrapassa qualquer outro livro do AT. É fato claro que Jesus e os escritores do NT conheciam muito bem os salmos, e que o Espírito Santo usou muitas passagens do livro nos ensinos de Jesus, bem como em ocasiões em que Ele cumpriu as Escrituras como o Messias predito: por exemplo, o breve Salmo 110 (com sete versículos) é mais citado no NT do que qualquer outro capítulo do AT. Ele contém profecias sobre Jesus como o Messias,

como o Filho de Deus e como sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque. Outros salmos messiânicos referentes a Jesus no NT são: 2; 8; 16; 22; 40; 41; 45; 68; 69; 89; 102; 109 e 118. Referem-se a: (1) Jesus como profeta, sacerdote e rei; (2) sua primeira e sua segunda vinda; (3) sua qualidade de Filho de Deus e seu caráter; (4) seus sofrimentos e morte expiatória; e (5) sua ressurreição. Resumindo: os salmos contêm algumas das profecias mais minuciosas de todo o AT a respeito de Cristo e, a cada passo, vemo-las fartamente entretecidas na mensagem dos escritores do NT.

  1. O LIVRO DE CANTARES DE SALOMÃO
  2. Título e autoria.
  3. Conteúdo.
  4. Sua inclusão no cânon sagrado.

Esboço

Título (1.1)

  1. O Primeiro Poema: O Anelo da Noiva pelo Noivo (1.2—2.7)
  2. A Expressão do Anelo da Noiva (1.2-4a)
  3. O Apoio das Amigas da Noiva (1.4b)
  4. A Pergunta da Noiva (1.5-7)
  5. O Conselho das Amigas da Noiva (1.8)
  6. A Presença e a Fala do Noivo (1.9-11)
  7. O Amor Mútuo entre a Noiva e o Noivo (1.12—2.7)
  8. O Segundo Poema: A Busca e o Encontro dos Dois Amados (2.8—3.5)
  9. A Noiva Percebe a Vinda do Noivo (2.8,9)
  10. Os Pedidos do Noivo (2.10-15)
  11. O Amor Irrestrito da Noiva pelo Noivo (2.16,17)
  12. A Perda e o Achado do Noivo (3.1-5)

III. O Terceiro Poema: O Cortejo Nupcial (3.6—5.1)

  1. A Aproximação do Noivo (3.6-11)
  2. O Amor do Noivo pela Noiva (4.1-15)
  3. A Reunião dos Noivos (4.16—5.1)
  4. O Quarto Poema: A Noiva Teme Perder o Noivo (5.2—6.3)
  5. O Sonho da Noiva (5.2-7)
  6. A Noiva e Suas Amigas Conversam sobre o Noivo (5.8-16)
  7. O Lugar Onde Encontra-se o Noivo (6.1-3)
  8. O Quinto Poema: A Formosura da Noiva (6.4—8.4)
  9. A Descrição da Noiva pelo Noivo (6.4-9)
  10. O Noivo e Seus Amigos Conversam sobre a Noiva (6.10-13)
  11. Outras Descrições da Noiva (7.1-8)
  12. O Amor da Noiva pelo Noivo (7.9—8.4)
  13. O Sexto Poema: A Suprema Beleza do Amor (8.5-14)
  14. A Intensidade do Amor (8.5-7)
  15. O Desenvolvimento do Amor (8.8,9)
  16. O Contentamento do Amor (8.10-14)

Autor:  Salomão  -  Tema: O Amor Conjugal  -  Data:  Cerca de 960 a.C.

Considerações Preliminares

O título hebraico deste livro pode ser traduzido literalmente por “O Cântico dos Cânticos”, expressão esta que significa “O Maior Cântico” (assim como “Rei dos reis” significa “O Maior Rei”). É portanto, o maior cântico nupcial já escrito.

Salomão foi um escritor prolífico de 1005 cânticos (1 Rs 4.32). Seu nome consta no versículo inicial, que também fornece o título do livro (1.1), e em seis outros trechos do livro (1.5; 3.7,9,11; 8.11,12). O escritor também identifica-se com o noivo; é possível que o livro tenha sido originalmente uma série de poemas trocados entre ele e a noiva. Os oito capítulos do livro fazem referência a pelo menos quinze espécies diferentes de animais e vinte e uma espécies de plantas. Esses dois campos foram investigados e mencionados por Salomão em numerosos outros cânticos (1 Rs 4.33). Finalmente, há referências geográficas no livro de lugares de todas as partes da terra de Israel, o que sugere que o livro foi composto antes da divisão da nação em Reino do Norte e Reino do Sul. Salomão deve ter composto este livro no início do seu reinado, muito antes de sua execrável poligamia.

Liturgicamente, Cantares de Salomão veio a ser um dos cinco rolos da terceira parte da Bíblia hebraica, os Hagiographa (“Escritos Sagrados”). Cada um desses rolos era lido publicamente numa das festas anuais dos judeus. Este era lido na Festa da Páscoa.

Propósito

Este livro foi inspirado pelo Espírito Santo e inserido nas Escrituras para ressaltar a origem divina da alegria e dignidade do amor humano no casamento. O livro de Gênesis revela que a sexualidade humana e casamento existiam antes da queda de Adão e Eva no pecado (Gn 2.18-25). Embora o pecado tenha maculado essa área importante da experiência humana, Deus quer que saibamos que a dita área da vida pode ser pura, sadia e nobre. Cantares de Salomão, portanto, oferece um modelo correto entre dois extremos através da história: (1) o abandono do amor conjugal para a adoção da perversão sexual (i.e., conjunção carnal de homossexuais ou de lésbicas) e prática heterossexual fora do casamento e (2) uma abstinência sexual, tida (erroneamente) como o conceito cristão do sexo, que nega o valor positivo do amor físico e normal conjugal.

Visão Panorâmica

Não é fácil analisar o conteúdo de Cantares de Salomão. Ao invés de ele avançar de modo sistemático e lógico, do primeiro ao último capítulo, movimenta-se numa série de círculos interligados, que por sua vez giram em torno do tema central — o amor. Como cântico, tem seis estrofes ou poemas, cada uma das quais trata de determinado aspecto do amor de noivado, ou do amor conjugal entre Salomão e sua noiva (1.2—2.7; 2.8—3.5; 3.6—5.1; 5.2—6.3; 6.4—8.4; 8.5-14). O estado virgem da noiva é descrito pela expressão “jardim fechado” (4.12), e a consumação do casamento como entrar no jardim para colher seus frutos excelentes (4.16; 5.1). A maioria dos diálogos transcorrem entre três tipos de personagens: a noiva (uma donzela sulamita); o noivo, o rei Salomão; e um grupo de amigas da noiva e do noivo chamadas “filhas de Jerusalém”. Quando a noiva e o noivo estão juntos, sentem-se plenamente felizes; quando estão longe, anseiam pela presença um do outro. O apogeu literário de Cantares de Salomão acha-se em 8.6,7.

Características Especiais

Quatro características principais assinalam Cantares de Salomão. (1) É o único livro na Bíblia que trata exclusivamente do amor especificamente conjugal. (2) É uma obra-prima incomparável da literatura, repleta de linguagem imaginativa; discreta, mas realista; tomada principalmente do mundo da natureza. As várias metáforas e a linguagem descritiva retratam a emoção, poder e beleza do amor romântico e conjugal, que era puro e casto entre os judeus, o povo de Deus dos tempos bíblicos. (3) É um dos poucos livros do AT de que não se faz referência no NT. (4) Neste livro, consta apenas uma vez o nome de Deus, em 8.6, mas a inspiração divina permeia o livro, principalmente nos seus símbolos e figuras.

O Livro de Cantares ante o NT

(1) Cantares de Salomão prenuncia um tema do NT revelado ao escritor de Hebreus: “Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula” (Hb 13.4). O cristão pode e deve desfrutar do amor romântico e conjugal. (2) Muitos intérpretes do passado abordam este livro primordialmente como uma alegoria profética do amor entre Deus e Israel, ou entre Cristo e a igreja, sua noiva. O NT não se refere a Cantares de Salomão sobre este aspecto, nem faz referência a este livro. Por outro lado, vários trechos básicos do NT descrevem o amor de Cristo à igreja sob a figura do relacionamento marital (e.g., 2 Co 11.2; Ef 5.22,23; Ap 19.7-9; 21.1,2,9). Daí, pode-se considerar Cantares de Salomão uma ilustração da qualidade de amor existente entre Cristo e a sua noiva, a igreja. É um amor indiviso, devotado e estritamente pessoal, ao qual nenhum estranho tem acesso.

 

CONCLUSÃO

A poesia, no Antigo Testamento, abrange as narrativas e os discursos proféticos. No Novo Testamento a poesia é rara. Dificilmente alguém escreve poesia numa segunda língua; é mais corrente escrevê-la na língua pátria. Isso talvez justifique essa escassez, pois o grego, com exceção de Lucas, era a segunda língua dos escritores do Novo Testamento.

fonte pazdosenhor.org /mauricioberwald.comunidades.net