Translate this Page

Rating: 2.6/5 (285 votos)




ONLINE
5




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


A VULGATA LATINA
A VULGATA LATINA

 

 

 

 

                                 

 

   A VULGATA LATINA

 

É a designação popular e conveniente da versão latina comum da Bíblia, geralmente atribuída a Jerônimo. A sua grande importância na história da Igreja Cristã justifica um grau incomum de plenitude no seu tratamento. (Veja Vernons ).

 

 

  1. Origem e História do Nome. –

 

  1. O nome "Vulgata", o que é equivalente a Vulgata Editio (o atual texto da Sagrada Escritura), necessariamente, tem sido utilizado de forma diferente em diferentes idades da Igreja. Não pode haver dúvida de que a frase originalmente respondeu ao κοινὴ ἔκδοσις das Escrituras Gregas. Nesse sentido, ele é usado constantemente por Jerome em seus comentários, e sua linguagem suficientemente explica a origem do termo: "Hoc juxta LXX interpretes diximus, quorum editio tofo orbe vulcgta est " (Hieron. Comm em. Isaías 65:20Isaías 65:20 ) . "Multum in hoc loco LXX editio Hebraicumque discordantes. Primum ergo de Yulgata editione tractabimus et postea sequemur ordinem veritatis "( ibid. Isaías 30:22Isaías 30:22 ). Em alguns lugares, Jerome distintamente cita o texto grego: "Porro em editione Vulgata dupliciter legimus; Quidam enim códices habent δῆλοί εἰσιν , hoc est Manifesti sunt : alii δειλαῖοί εἰσιν , hoe est meticulosi sive miseri sunt " ( Comm em Oséias. 07:13 ; 8-11 comp etc.). Mas, geralmente, ele se refere à Antiga Latina, que foi proferida a partir do de setembro, como substancialmente idêntica a ela, e, portanto, introduz citações latinas sob o nome do setembro ou Vulgata, editio: "Miror quomodo vulgata editio interpretatione alia testimonium... subverterit: Congregabor et glorificabor coram Domino Illud Autem quod na LXX legitur.:.. Congregabor et glorificabor coram Domino "... (Comm em. Isaías 49: 5Isaías 49: 5 ). Então mais uma vez: "... Philistheos alienigenas Vulgata scribit editio "( ibid 14. : 29). "Palsestinis Quos indifferenter LXX alienigenas vocant" (Comm., Em Ezequiel 16:27Ezequiel 16:27 ). Desta forma, a transferência do nome do atual texto grego para o latim texto atual tornou-se fácil e natural; mas não parece haver qualquer instância na idade de Jerome da aplicação do termo para a versão, latina do Antigo Test. sem levar em conta sua derivação do setembro, ou ao do novo teste.

 

  1. Ainda mais, como, frase κοινὴ ἔκδοσις , passou a significar um texto sem correção (e tão corrupto), o mesmo significado secundário foi anexado a editio vulgata. Assim, em alguns lugares, a editio vulgata contrasta com o verdadeiro texto Hexaplaric de a setembro Uma passagem vai colocar isso na luz mais clara: "Breviter admoneo aliam ESSE editionem quam Origenes et Caesariensis Eusébio, omnesque Grecise Translatores κοινήν , id est, communem, recorrente, atque vulgatam, et nunc uma plerisque Λουκιανός dicitur; aliam LXX interpretum Que, em ἑξαπλοῖς codicibus reperitur, et a nobis ip Latinum sermonem fideliter versa est Κοινή Autem ista, hoc est, Communis editio, ipsa est Qume et LXX, sed hoc interesse entre Utramque; quod κοινή pro locis et temporibus et pro voluntate scriptorum Vetus Corrupta editio est; ea Autem quae habetur em ἑξαπλοῖς et quam Nos vertimus, ipsa quae est em eruditorum libris incorrupta et Imaculada LXX interpretum translatio reservatur "( Ep. 106, ad dom et Feret. § 2).

 

 

 

  1. Este uso da frase Vulgata Editio para descrever a setembro (ea versão latina do último) foi continuada aos tempos posteriores. É apoiado pela autoridade de Agostinho, Ado de Vienne. (AD 860), R. Bacon, etc .; e B1ellarmine reconhece claramente a aplicação da telha do termo, de modo a que Van Ess é justificado em dizer que o Concílio de Trento errou em um ponto da história, quando eles descreveram versão de Jerônimo como "Vetus et vulgata editio, quae Longo tot seculorum usu em ipsa ecclesia probata est "( Gesch. p. 34). Como regra geral, os padres latinos falam da versão de Jerônimo como a "nossa" versão. ( nostra editio, códices nostri ); mas não era natural que os pais tridentinas (como muitos estudiosos posteriores) deve ser enganados pelas associações de seu próprio tempo, e se adaptar às novas circunstâncias termos que haviam crescido obsoleto em seu sentido original. Quando a diferença do (grego) Vulgata da Igreja primitiva eo (Latin) Vulgata da moderna Igreja de Roma uma vez foi preso, nenhuma outra dificuldade precisa surgir a partir da identidade de nome (comp. Agostinho, ed. Bento. [Paris , 1836], 5, 33; Sabatier, 1, 792;.. Van Ess, Gesch p 24-42, que dá referências muito completos e conclusivos, embora ele não consegue perceber que o velho latim estava praticamente identificado com o de setembro) .

 

 

  1. das versões Old latim. -

 

. 1 Origem. - A história da mais antiga versão latina da Bíblia está perdido em completa obscuridade. Tudo o que se pode afirmar com certeza é que foi feito na África. Durante os dois primeiros séculos, a Igreja de Roma, para que nós naturalmente olhar para a fonte de, a versão agora identificado com ele, era essencialmente grega. Os bispos romanos têm nomes gregos; a mais antiga liturgia romana era grego; os poucos restos da literatura cristã de Roma são gregos. A mesma observação vale para a Gália (comp Westcott,. Hist da Canon do NT. p 269, 270, e ref..); mas a Igreja do Norte da África parece ter sido Latina falando do primeiro. Em que data esta Igreja foi fundada é incerto. A passagem de Agostinho (.. Cont. Donat Ep 27) parece implicar que a África foi convertido tarde; mas se assim o Evangelho se espalhou lá com notável rapidez. No final do 2 º século, os cristãos foram encontradas em todas as classes e em todos os lugares; eo mestre-espírito de Tertuliano, o primeiro dos Padres latinos, foi, então, levantou-se para dar expressão aos pensamentos apaixonados de sua Igreja de origem. Este pai Igreja reconhece claramente a moeda geral de uma versão latina do novo teste., Embora não necessariamente de todos os livros atualmente incluídos no cânon, que mesmo em seu tempo tinha sido capaz de moldar a linguagem popular (Adv. Prax. 5 "Em usu est nostrorum por simplicitatem interpretationis." De Honog. 11 "avião Sociamus não sic esse in Grseco authentico quomodo em usum Exiit por duarum syllabarum aut callidam aut simplicem eversionem"). Esta foi caracterizada por uma "grosseria" e "simplicidade" que parecem apontar para a natureza da sua origem. Nas palavras de Agostinho (De Doctr. Cristo. 2, 16 [11]), "qualquer um nos primeiros séculos do cristianismo, que ganhou a posse de um MS grego., Anti imaginou que mentira tinha um bom conhecimento de grego e latim, aventurou-se, traduzi-lo "(" Qui scripturas ex Hebraea língua em Graecam verterunt numerari possunt, Latini antem interpretes Nullo, modo, Ut enim cuivii primis fidei temporibus em manus venit codex Grecus et aliquantulum facultatis sibi utriusque linguve Habers videbatur, aunsus est interpretari " ). Assim, a versão do novo teste. parece ter surgido a partir de esforços individuais e sucessivas; mas isso não significa, de forma alguma, que as numerosas versões foram circulados simultaneamente, ou que as várias partes da versão foram feitos de forma independente. Mesmo que tivesse sido assim, as exigências do serviço público deve em breve ter dado definitividade e unidade substancial para os trabalhos fragmentários dos indivíduos. O trabalho de mãos privadas seria necessariamente sujeita a revisão para uso eclesiástico. Os livros separados, seriam unidos em um volume, e, portanto, um texto padrão de toda a coleção seria estabelecido. No que diz respeito ao teste velho., O caso é menos claro. É provável que os judeus que se estabeleceram no norte da África foram confinados às cidades gregas; caso contrário, pode-se supor que a versão latina do Antigo Test. é, em parte, anterior à era cristã, e que (como no caso do grego) uma preparação para um dialeto cristão Latina já foi feita quando o Evangelho foi introduzido na África. No entanto, esta pode ter sido a grande semelhança dos diferentes partes do Antigo e do Novo teste. estabelece uma conexão real entre eles, e justifica a crença de que havia uma versão popular latina da Bíblia atual na África no último quartel do século 2. Muitas palavras que são ou grego (machlera, sophia, Perizoma, Poderis, agonizo, etc) ou traduções literais de formas gregas (vivifico, justifico, etc) são abundantes em ambos, e explicar o que Tertullini, quando falava da "simplicidade "da tradução.

. 2 . Personagem –

A literalidade exata da antiga versão não se limita à observância mais minuto do fim eo reflexo exato das palavras do original; em muitos casos, as próprias formas de construção grega foram retidos em violação do uso do latim. Alguns exemplos dessas anomalias singulares vai transmitir, uma idéia melhor de certeza absoluta com a qual, o latim comumente indica o texto que o tradutor tinha diante de si do que quaisquer afirmações gerais:

Mateus 4:13Mateus 04:13 , "habitavit em Capharnlanm mdaritimnam ". 4:15, "terra Neptalim vianss maris." 25, "ab Jerosolymis ... et tranns Jordanem." Mateus 5:22Mateus 5:22 , "erit reus em gehennam iagis. " Mateus 6:19Mateus 6:19 , "ubi timnea et comtestura exterminat. " Marcos 12:31Marcos 12:31 , "majus hortum praeceptorum, aliud non est. " Lucas 10:19Lucas 10:19 , "nihil vos nocebit. " Atos 19:26Atos 19:26 , "não solnm Eplhesi sed pmane totius Awe." Romanos 2:15Romanos 2:15 , "inter se cagitatioint accusantium veletiam defendentim. " 1 Coríntios 07:321 Coríntios 07:32 , "sollhaitus est quae sunt Domini". É óbvio que houve uma tendência constante para alterar expressões como estas, e na primeira era da versão não é improvável que o Grecism contínuo que marca os textos latinos de DI ( Cod. Bezae ) e E2 ( Cod. Laud. ) teve uma moeda mais ampla do que poderia manter depois.

 

 

 

  1. Canon. –

 

 . No que diz respeito ao cânone Africano do novo teste, a versão antiga oferece evidências importantes, de considerações de estilo e linguagem, parece certo que a Epístola aos Hebreus, Tiago e 2 Pedro não fazia parte da versão Africano original, uma conclusão que se enquadra com o que é derivado do testemunho histórico (comp. The Hist. da Canon do NT p. 282 sq.). . No Antigo Test, por outro lado, o velho latim errou por excesso e não por defeito; pois, como a versão foi feita a partir das cópias atuais do setembro, incluiu os livros apócrifos que são comumente contidos neles, e para estes 2 Esdras foi adicionado cedo.

 

. 4 Revisão.

 - Após a tradução recebeu uma vez uma forma definida na África, o que não poderia ter sido muito depois da metade do século 2, não foi revisto publicamente. O texto antigo era zelosamente guardada pelo uso eclesiástico, e foi mantido lá no momento em que a versão de Jerônimo foi em outros lugares quase universalmente recebido. A conhecida história da perturbação causada pela tentativa de um bispo Africano para introduzir cucurbita de Jerome para o velho Hedera na história de Jonas (agosto E. 104, ap. Hieron. Epp. Citado por Tregelles, Introdução, p. 242 ) mostra o cuidado com as mudanças intencionais foram evitadas. Mas, ao mesmo tempo, o texto sofrido pelos corruptions naturais de transcrição, especialmente por interpolações, um tipo de erro, para que os evangelhos foram particularmente expostas. No Antigo Test. a versão foi feita a partir da edição da unrevised setembro, e, portanto, a partir da primeira incluiu muitas leituras falsas, das quais muitas vezes Jerome avisos casos (por exemplo, Esp. 104, ad dom et Fret.).

 

O tradutor latino de Irineu foi provavelmente contemporâneo, com Tertuliano, e suas representações das citações das Escrituras confirmam as conclusões que já foram tiradas quanto à moeda de (praticamente) uma versão latina. Não parece que ele tinha um MS Latina. antes dele durante a execução de seu trabalho, mas ele estava tão familiarizado com a tradução comum que ele reproduz frases continuamente característicos que ele não pode ser suposto ter derivado de qualquer outra fonte (Lachmann, NT 1, p. 10:11). Cipriano (morto em 257 dC) realiza na cadeia de testemunho muito ao longo do século seguinte; e ele é seguido por Lactâncio, Juvencus, J. Firmicus Maternus, Hilary o Deacon (Ambrosiaster), Hilaryvof Poitiers (falecido AD 449), e Lúcifer de Cagliari (falecido AD 370). Ambrósio e Agostinho apresentar uma recensão peculiar do mesmo texto, e Jerome oferece alguns traços dele. A partir desta data MSS. de partes do texto Africano foram preservados e não é necessário traçar a história da sua transmissão para um momento posterior.

 

Mas, enquanto a primeira versão latina foi preservado geralmente inalterada no Norte da África, que saíram de forma diferente na Itália. Há a grosseria provincial da versão era necessariamente mais ofensivo, ea familiaridade comparativa dos principais bispos com os textos gregos fizeram uma revisão de uma só vez mais viável e menos, assustando a suas congregações. Assim, no século 4, uma recensão eclesiástica definitiva (dos evangelhos, pelo menos) parece ter sido feito no norte da Itália em função do grego, que foi distinguido com o nome de Itala. Esta Agostinho recomenda no chão de sua estreita precisão e sua perspicácia (De Doctmr Cristo. 15, "Em IPSIs interpretationibus Itala cueteris preferatur, nam est verborum tenacior cum perspicuitate sententiae"), eo texto dos evangelhos que ele segue é marcado por esta última característica, quando comparado com o Africano. Nos outros livros a diferença não pode ser rastreado com precisão; e ele ainda não foi determinado com exactidão se outra nação - todos recensões não podem ter existido (como parece certo a partir da evidência que os estudiosos têm recente), na Irlanda (Grã-Bretanha), Gália e na Espanha.

O Itala parece ter sido feito em algum grau com a autoridade; outras revisões foram feitas para uso privado, em que tais mudanças foram introduzidas como adequado o gosto do escriba ou crítico. A próxima, fase na deterioração do texto foi a miscigenação dessas várias revisões; de modo que no final do século 4 evangelhos estavam em um estado como a pedir que recension final, que foi feita por Jerome.

 

. 5 Remains. –

 Vê-se que, para a parte principal do Antigo Test. e para as partes consideráveis ​​do novo teste. (Por exemplo, Apoc. Atos), o texto antigo repousa sobre citações iniciais (principalmente Tertuliano, Cipriano, Lúcifer de Cagliari para o texto Africano, Ambrósio e Agostinho para o itálico). Estes foram coletados por Sabatier com grande diligência até a data de seu trabalho; mas as descobertas mais recentes (por exemplo, do Speculum romano) têm fornecido uma grande loja de materiais novos que ainda não foram totalmente utilizados. (A grande obra de Sabatier, já muitas vezes referida, ainda é o padrão de trabalho nas versões latinas Sua grande falha é sua negligência para distinguir os diferentes tipos de texto. - africanos, itálico, britânicos, gaulesas uma tarefa que ainda continua a ser feito. Os primeiros trabalhos sobre o assunto foi por Flamínio Nobilius. Vetus teste. Sec. LXX Latine Redditum, etc [Rom., 1588]. Os novos agrupamentos feitos por Tischendorf, Maiai Miinter, Ceriani, foram notados em separado.) ( Ver versão em itálico ).

 

 

 

III. Trabalhos de JERONIMO

 

  1. ocasião.

- Tem-se visto que no final do século 4o os textos latinos da atual Bíblia na Igreja Ocidental tinha caído na maior corrupção. O mal foi ainda maior na perspectiva do que na época; para a separação do Oriente e do Ocidente, política e eclesiasticamente, foi crescendo iminente, eo medo da perpetuação de cópias falsas e conflitantes latino proporcionalmente maiores. Mas na crise de perigo, o grande estudioso foi levantado que, provavelmente, só para 1500 anos, possuía as qualificações necessárias para a produção de uma versão original das Escrituras para o uso das igrejas latinas. Jerome-Eusébio Hieronymus nasceu em 329 dC em Stridon, na Dalmácia, e morreu .at Belém, AD 420 De sua juventude ele era um estudante vigoroso e idade removido nada de seu zelo. Ele também tem sido chamado de Western Orígenes (Hody, p 350.); e se ele queria que a largueza de coração e simpatias generosas de Alexandrino grande, ele tinha habilidade crítica mais castigado e concentração mais perto do poder. Após longos estudos e abnegados do Oriente e do Ocidente, Jerome foi para Roma (AD 382), provavelmente a pedido de Dâmaso o papa, para assistir em um sínodo importante (Ep. 108, 6), em que ele parece ter foi imediatamente ligado ao serviço do papa (ibid 123;. 10). Seus trabalhos bíblicos ativos datam dessa época, e neste exame será conveniente seguir a ordem do tempo.

 

  1. revisão da antiga versão latina do NT Jerome não tinha sido por muito tempo em Roma (AD 383), quando Dâmaso consultou-o em pontos de crítica bíblica ( Ep. 19 "dilectionis tusar est ut Ardenti illo strenuitatis ingenio ... vivo sensu scribas ") . As respostas que ele recebeu ( . Ep 20 : 21) pode muito bem tê-lo incentivado a buscar mais serviços; e, aparentemente, no mesmo ano, ele se candidatou a Jerônimo de revisão da atual versão latina do Novo teste. com a ajuda do original grego. Jerome foi totalmente sensível dos preconceitos que tal obra seria excitam entre aqueles "que pensaram que a ignorância era santidade" ( Ef anúncio Marc.. 27); mas a necessidade de que era urgente. "Havia", diz ele, "quase tantas formas de texto como cópias" ("tot sunt exemplaria paene quot códices" [Pré ; no Ev.] ) . erros tinham sido introduzidas "por falsa transcrição, por correções desajeitados, e por interpolações descuidados "( ibid. ); e, na confusão que se seguiu a um remédio era voltar aos lidos ("veritas graeca, graeca Origo") originais. Os evangelhos tinham naturalmente mais sofreu. Escribas impensadas inseridas informações adicionais na narrativa dos paralelos, e mudou as formas de expressão para aqueles com os quais eles foram originalmente familiarizados (ibid.). Portanto, Jerome aplicou-se a estes primeiros ("Praesens hec praefatiuncula pollicetur quatuor Evangelia tantum"). Mas seu objetivo era rever o velho latim, e não para fazer uma nova versão. Quando Agostinho exprimiu-lhe a sua gratidão pela "sua tradução do Evangelho" (Ep. 104, 6, "Non Parvas Deo gratias agimus de opere tuo quo Evangelitim ex Greco interpretatus es"), ele tacitamente o corrigiu, substituindo a frase " a correção do novo teste. " (Ibid. 112, 20, "Si me, dicis ut, em suscipis emendationaze ​​NT .... Para o efeito, agrupadas no início grego MSS., E preservou a renderização atual onde o sentido não foi ferido por ele (" Evangelia ... codicum Grsecorum emendata collatione sed veterum Qum ne nmultum um lectionis.. - Latina, discreparent consuetudille, ita Calamo temperavimus [. tudo imperavimus] ut sua tantum Quse sensum videbantur mutare, correctis, reliqua manere pateremur ut fuerant ". [. anúncio Praef Dan]) . Contudo, embora ele propôs a si esse objeto limitado, as diversas formas de corrupção que tinham sido introduzidas foram, como ele descreve, tão numerosos que a diferença do Antigo e Revisado (Hieronymian) texto é todo claro e marcante. Assim, em Mateus 5 temos as seguintes variações:

Dessas variações, aqueles em Lucas 6:17Lucas 06:17 ; Lucas 6:44Lucas 06:44 só são parcialmente suportados pelos antigos exemplares, mas ilustram o caráter das interpolações a partir do qual o texto sofreu. Em João, como seria de esperar, as variações são menos freqüentes. O sexto capítulo contém as seguintes:

Algumas das mudanças que introduziu Jerome foram, como será visto, feito puramente por razões linguísticas, mas é impossível saber em que princípio ele passou a esse respeito. Outros envolvidos questões de interpretação ( Mateus 6:11Mateus 6:11 , supersubstantials para ἐπιού σιος ) . Mas o maior número consistiu na remoção das interpolações por que os Evangelhos Sinópticos especialmente foram desfigurados. Estas interpolações, a menos que sua descrição é muito exagerado, deve ter sido muito mais numerosos do que são encontrados em cópias existentes; mas os exemplos continuam a ocorrer, que mostram o importante serviço que prestou à Igreja, verificando a perpetuação da apócrifo glosses: Mateus 3: 3Mateus 3: 3 ; Mateus 3:15Mateus 3:15 (5:12); (9:21); 20:28; (24:36) .; Mark 1: 3Mark 1: 3 ; Mark 1: 7-8Mark 1: 7-8 ; Marcos 4:19Marcos 4:19 ; Marcos 16: 4Marcos 16: 4 ; Lucas ( Lucas 5:10Lucas 5:10 ); 08:48; 09:43, 50; 11:36; 12:38; 23:48; João 6:56João 6:56 . Como uma verificação após nova interpolação, ele inseriu em seu texto a: a notação dos Cônegos Eusebian (Veja NOVO TESTAMENTO ); mas é digno de nota que ele incluiu em sua revisão da famosa perícope, João 7:53João 07:53 ; João 8:11João 8:11 , que não está incluído nessa análise.

O prefácio Dâmaso fala apenas de uma revisão dos evangelhos, e uma questão foi levantada se Jerome realmente revisto os livros restantes do Novo teste. Agostinho (AD 403) fala apenas de "o Evangelho" (Ep. 104, 6, citado acima), e não há nenhum prefácio de quaisquer outros livros, como é em outros lugares encontrado antes versões ou edições tudo de Jerome. Mas a omissão é provavelmente devido ao estado relativamente puro, no qual o texto do resto do novo teste. foi preservada. Dâmaso tinha pedido (Preaf anúncio Dam..) A revisão do todo; e quando Jerome havia enfrentado a parte mais desagradável e difícil de seu trabalho, não há nenhuma razão para pensar que ele iria encolher a partir da conclusão do mesmo. De acordo com este ponto de vista, ele enumera. (AD 398), entre as suas obras "a restauração da (versão latina do) New Test. À harmonia com o original grego." . (Ad Ep Lucin 71, 5: ". NT Grecam reddidi auctoritati, ut enim Veterum Librorum fides de Hebreis voluminibus examinanda est, ita novorum Grecae sermonis NORMAM desiderat [?]." De Vir 111 135 "NT Grecae fidei reddidi. . Vetus juxta Hebraicam traistuli. ") é ainda mais diretamente conclusivas quanto ao fato de que esta revisão, por escrito, Marcella (CIR. 385 dC) sobre as acusações que foram feitas contra ele por" introduzir mudanças nos evangelhos, " ele cita três passagens das epístolas em que afirma a superioridade da leitura atual Vulgata ao de gravata Old Latina ( Romanos 12:11Romanos 12:11 , "servientes Domino ", para "tempori servientes; ". 1 aro 5, 19, adicionar. "sub nisi duobus.aut tribus testibus;" 1, 15, "fidelis sermo", pois "humanus sermo"). Um exame do texto Vulgata, com as cotações dos pais ante-Hieronymian ea evidência imperfeita de MSS., É por si só suficiente para estabelecer a realidade eo caráter da revisão. Este será visível a partir de um agrupamento de alguns capítulos retiradas de vários dos livros do Novo Teste .; mas ele também vai ser óbvio que a revisão foi apressada e imperfeita; e nos últimos tempos, a linha entre a Velha Latina e os textos Hieronymian ficou muito indistinta. Leituras do Antigo aparecer em MSS. da Vulgata, e, por outro lado, não MS. é um texto Africano puro dos Atos e epístolas. -

 

  1. Revisão do Teste Velha. do setembro –

 

. Sobre o mesmo tempo (. cir AD 383) em que ele estava envolvido na revisão do novo teste, Jerome comprometeu-se igualmente a primeira revisão do Saltério. " Isso ele fez com a ajuda do grego, mas o trabalho não foi muito completo ou cuidado, e as palavras que ele descreve pode, talvez, ser estendido sem injustiça para a revisão dos livros do Novo Teste .: "Psalterium Romae emendaram et julxta LXX interpretes, cursin licet magna illad ex parte correxeram "( PRAF na Lib. Salmo ) . Esta revisão obtido o nome do Roman Saltério, provavelmente porque foi feito de abeto o uso da Igreja Romana, a pedido de Dâmaso, onde foi mantido até o pontificado de Pio V (AD 1566), que introduziu o galego Saltério em geral, embora o Saltério Romano ainda foi mantido em três igrejas italianas (Hody, p. 383, "ecclesia nin una Roma Vaticana, et extraurbem em Mediolanensi et in Ecclesia S. Marci, Venetils "). Em um curto espaço de tempo "o erro de idade prevaleceu sobre a nova correção", e, a pedido urgente de Paula e Eustochius, Jerome começou uma nova e mais completa revisão (galicano Saltério). A data exata em que isso foi feito não é conhecida, mas pode ser corrigido com grande probabilidade muito pouco depois de AD 387, quando se aposentou a Belém, e certamente antes de 391, quando ele começou suas novas traduções do hebraico. Na nova revisão Jerome tentou representar, na medida do possível, com a ajuda das versões gregas, a leitura real do hebraico. Com essa visão, ele adotou a notação de Orígenes (Veja SEPTUAGINTA ); comp. Pref. em Gênesis, etc ]., e, portanto, indicado todas as adições e omissões do texto setembro reproduzido em latim. As adições foram marcados por um obelis ( † ); as omissões, que ele fornecidos, por um asterisco (*). As passagens omitidos ele fornecida por uma versão do grego Theodotion, e não diretamente do hebraico ("unusquisque.. Ubicunque viderit irgulam praecedentem [ † ] ab anúncio ea usque duo puncta ["] quae impressimus, sciat na LXX interpretibus mais haberi .. Ubi Autem stellae [*] ad similitudinem perspexerit, de Hebraeis voluminibus additum noverit, meque usque ad duo pulicta, juxta Theodotionis dumtaxat editionem, qui sinmplicitate sernmonis a LXX interpretibus não DISR cordat "[Salmo Praef;. comp. Praef em Jó, Paralip., Libr. Solomu., juxta LXX Int., Ep. 106, ad dom et Fret.]). Esta nova edição em breve obteve uma grande popularidade. Gregório de Tours diz-se que a introduziu a partir de Roma para os serviços públicos na França, e deste obteve o nome do Saltério galicano A comparação de uma ou duas passagens vai mostrar a extensão de toda a natureza das correcções que Jerome introduzidos este segundo trabalho, em comparação com o Saltério Romano.:

Inúmeros manuscritos permanecem, que contêm o Saltério Latina em duas ou mais formas. Assim Bibl. Bodl. Laud. 35 (? Século 10) contém uma tripla Saltério - galicano, Roman e hebraico; Coll. CC Oxon. 12 (do século 15), galicano. Roman, hebraico; ibid; 10 (do século 14), galicano, hebraico, texto hebraico com interlinear Latina; Brit. Mus. Harl. 643, um duplo. Saltério, galicano e hebraico; ibid. Arund. 155 (século 11), um Saltério Romano com correções Galicanos; Coll. SS. Trin, Cambr. R. 17, 1, um Saltério triplo, hebraico, galicano, Roman (século 12); ibid. R. 8, 6, um Saltério triplo, o texto hebraico com uma versão latina interlinear peculiar, de Jerome hebraico, galicano. Um exemplo da Latin unrevised, o que, de fato, não é muito satisfatória distinto do Romano, encontra-se com uma versão interlinear anglo-saxão, Univ. Libr. Cambr. Pe 1, 23 (do século 11). H. Stephens publicou um Quincuplex Psalterium, Gallicum, Romaicum, Hebraicum, Vteus, Conciliatum (Paris, 1513), mas não menciona os manuscritos de que derivou seus textos. A partir da segunda (galicano) revisão dos Salmos Jerome parece ter procedido a uma revisão dos outros livros do Antigo. Teste., Restaurando tudo, com a ajuda do grego, a um acordo geral com o hebraico. No prefácio à revisão de Jó, ele percebe a oposição que ele havia se encontrado com, e contrasta com indignação seu próprio trabalho com as ocupações mais mecânicas dos monges que não censuras (animado "Si aut fiscellam junco texeremr aut palmarumi folia complicarem ... Nullus morderet, nemo reprehenderet. Nunc auntem ... corrector vitiorum falsarius vocor "). Queixas semelhantes, mas menos fortemente expressa, ocorrem no prefácio ao livro de Crônicas, no qual ele recorreu ao hebraico, bem como para os gregos, em ordem, para corrigir os inúmeros erros nos nomes pelos quais ambos os textos foram deformadas . No prefácio de três livros de Salomão (Provérbios, Eclesiastes, Cântico dos Cânticos), ele percebe nenhum ataque, mas se desculpa por negligenciar a rever Eclesiástico e Sabedoria, alegando que "ele só queria alterar as Escrituras canônicas" ("tantummodo canonicas Scripturas vobis emendare desiderans "). Não há outros prefácios permanecem, e os textos revisados ​​do Saltério e Jó foram preservados sozinho; mas não há nenhuma razão para duvidar de que Jerome realizado, .out seu projeto de revisão todas as "Escrituras canônicas" (comp. Ep. 112, ad agosto., [cir. AD 404], "Quod Autem em Allis quseris.epistolis cur mea prévia em libris canonicis interpretatio Asteriscos habeat et virgulas prsenotatas ").

Ele fala do trabalho como um todo em vários plaes (por exemplo Adv Ruf 2, 24, Egone contra LXX interpreta aliquid locutus soma, Quos ante; annos.:.?.. Plurimos diligentissime emendatos mese linguae studiosis dedi "comp ibid 3, 25 ;.. p 71, ad Lucin, "Septuaginta interprettim editionem et te habere não dnbito, et ante annos plurimos [ele está escrevendo AD 398] diligentissime Emendatam studiosis tradidi"), e distintamente representa como uma versão latina do texto Hexaplar de Orígenes ( Ep. 106, ad dom et Fret., Ea Autem quae habetur em Εξαπλοῖς et quam não vertimus), se, de fato, a referência não deve ser confinada ao Saltério, que foi objecto imediato da discussão. Mas embora Parece certo que a revisão foi feita, há grande dificuldade em traçar a sua história, e é notável que nenhuma alusão à revisão ocorre no prefácio à nova tradução do Pentateuco, Josué (7 Juízes, Rute), Reis os profetas, em que, Jerome toca mais ou menos claramente sobre as dificuldades, de sua tarefa, enquanto ele se refere aos seus antigos trabalhos sobre Jó, o Saltério, e os livros de Salomão nos prefácios paralelas aos livros, e também em Apologia contra Runfinus (2:27, 29-31). Ela, na verdade, sido suposto (Vallarsi, Praef. Em Lier. 10) que esses seis livros só foram publicados pelo próprio Jerônimo. O restante pode ter sido colocado em circulação sub-repticiamente. Mas esta suposição não é sem difficullties. Agostinho, escrevendo para Jerome (CIR. AD 405), sinceramente implora por uma cópia da revisão do setembro, da publicação da qual era então apenas recentemente ciente (Ep. 106, 34, "mittas Nobis Deinde, obsecro, interpretationem tuam de Septuaginta, quam te edidisse nesciebam;. "comp § 34). Ela não aparece se o pedido foi atendido ou não, mas em um período muito mais tarde (CIR. AD 416) Jerome diz que ele não pode entregar-lhe "uma cópia do setembro [ou seja, a versão latina do it] equipados com asteriscos e obeli, como ele tinha perdido a parte principal de seu antigo trabalho por traição de alguma pessoa "(ibid. 134," Pleraque priori laboris franle cujusdam amisimus "). No entanto, este pode ter sido, Jerome não poderia ter passado mais de quatro (ou cinco) anos na obra, e que também em meio a outros trabalhos, pois em 491 ele já estava envolvido nas versões a partir do hebraico, que constituem a sua grande reclamar sobre a eterna gratidão da Igreja.

 

 

 

  1. Tradução do Antigo Test. do hebraico. Jerome iniciou o estudo do hebraico, quando ele já estava avançado na meia-idade (CIR. AD 374), pensando que as dificuldades da língua, como ele curiosamente pinta eles, serviria para subjugar as tentações da paixão para que ele foi exposto (Ep 125, 12;. comp. Praef em Daniel.). A partir deste momento, ele continuou o estudo com zelo inabalável, e valeu-se de toda a ajuda para-aperfeiçoar seu conhecimento da língua. Seu primeiro professor foi um judeu convertido, mas depois ele não hesitar em procurar a instrução dos judeus, cujos serviços ele garantiu com grande dificuldade e despesa.

Este excesso de zelo (como parece) expôs as deturpações de seus inimigos, e Rufino se entrega a um trocadilho bobo no nome de um de seus professores, com a intenção de mostrar que o seu trabalho não foi "apoiada pela autoridade do Igreja, mas apenas de um segundo Barrabás "(Ruf Apol 2, 12 Hieron Apol 1, 13;..... comp. Ep 84, 3;.. Praef em Paral). Jerônimo, no entanto, não foi dissuadido pela oposição de perseguir seu objetivo, e se fosse apenas para ser desejado que ele havia superado seus críticos tanto em generosa cortesia, como fez em trabalho honesto. Ele logo se transformou seu conhecimento de hebraico para usar. Em algumas de suas cartas críticas primeiras ele analisa a força das palavras hebraicas (EPP 18 20:. AD 381, 383); e em 384 ele havia sido contratado por algum tempo em comparação a versão de Áquila com o hebraico MSS. (Ibid 32: 1.) (. Ibid 36: 1), que um judeu tivesse conseguido obter para ele a partir da sinagoga. Após aposentar-se para Belém, ele parece ter se dedicado com renovado ardor ao estudo do hebraico, e publicou vários trabalhos sobre o assunto, cir. AD 389 (Quest. Hebr., Em Gênesis, etc).

Esses ensaios serviram como um prelúdio para a sua nova versão, que agora começou. Esta versão não foi realizado com qualquer sanção eclesiástica, como a revisão dos evangelhos era, mas a pedido urgente de amigos particulares, ou de seu próprio sentido da imperiosa necessidade da obra. Sua história é contada no principal nos prefácios às várias prestações, que foram publicados sucessivamente. Os livros de Samuel e Reis foram emitidos pela primeira vez, e para isso ele prefixado o famoso Prologus Galeatus, dirigida a Paula e Eustochius, em que ele dá conta do cânon hebraico. É impossível determinar por que ele escolheu esses livros para a sua experiência, pois não parece que ele foi solicitado por qualquer um a fazê-lo. O trabalho em si foi executado com o maior cuidado. Jerome fala da tradução como resultado da revisão constante (Praol Gálatas, em Lege ergo primum Samuel et Malachim meum;. Meum, inquam, meuim .; Quidquid enim crebrius vertendo et emnendando sollicitius et didicimus et tenemus nostrum est ") no. momento em que este foi publicado (. cir AD 391, 392) outros livros parecem ter já sido traduzido (ibid, omnibus libris Quos de Hebraeo vertimus ".); e em 393- os profetas dezesseis estavam em circtulation e Jó recentemente tinha sido posto nas mãos de seu mais íntimo, amigos (p. 49, ad Pammach.). Com efeito, afigura-se que já em 392 teve, em algum sentido concluída uma versão do Antigo Test. (De Vim Ill 135, "Vetus juxta Hebraicum transtuli:".. Este tratado foi escrito no mesmo ano); mas muitos livros não foram concluídos e publicados até alguns anos depois. Os próximos livros que ele colocou em circulação, mas com a condição de que eles devem ser confinados a amigos (Praef. Em Esdras.), Estavam Esdras e Neemias, que traduziu a pedido de Dominica e Rogatianus, que o tinha incitado a tarefa por três anos. Este foi, provavelmente, no ano de 394 (Vit Hieron 21.:. 4), no prefácio mentira faz alusão a sua intenção de discussão uma questão que ele trata em Ep. 57, escrito em 395 (De Optimo Genesis Interpret.).

No prefácio de As Crônicas (dirigidas a Cromácio), ele alude à mesma epístola como "ultimamente escrito", e esses livros podem, portanto, ser estabelecido para esse ano. Os três livros de Salomão seguida em 398,:. Ter sido "o trabalho de três dias", quando ele tinha acabado de se recuperar de uma doença grave, que sofreu naquele ano (Pref ", Itaquê longa segrotatione fractus tridui opus nomini Vestro [Chromatio et Heliodoro] consecravi;. "comp Ep 73, 10).. O Octateuch agora ficou só (ibid. 71, 5), ou seja, Pentateuco, Josué, Juízes, Rute e Ester (Praef., Em Jos.). Desse Pentateuco (inscrito para Desiderius) foi publicado pela primeira vez, mas não é certo em que ano. O prefácio, no entanto, não é citado na Apologia contra Rufino (AD 400), como os de todos os outros livros que foram então publicados, e pode, portanto, ser estabelecido para uma data posterior (Hody, p. 357). Os demais livros foram concluídas a pedido de Eustochius, logo após a morte de Paula, em 404 (Praef. Em Jos.). Assim, a tradução inteiro foi repartido por um período de cerca de 14 anos, a partir do sexagésimo ao septuagésimo sexto ano de vida de Jerônimo. Mas, ainda assim partes dele foram terminadas às pressas (por exemplo, os livros de Salomão). Um dia foi suficiente para a tradução de Tobit (Praef. Em Tob.), E "um esforço curto" (lucubratiuncula una) para a tradução de Judith. Assim, há erros no trabalho que a revisão mais cuidadosa pode ter removido; eo próprio Jerome em muitos lugares dá renderings que ele prefere as que ele havia adotado, e admite de vez em quando que ele havia caído em erro (Hody, p. 362). No entanto, tais defeitos são insignificantes quando comparadas com o que ele realizou "com sucesso. A obra permaneceu durante oito séculos, o baluarte do cristianismo ocidental, e, como um monumento do poder linguística antiga, a tradução do Antigo Test. permanece sem rival e único. " Foi, pelo menos, uma prestação direta do original, e não a versão de uma versão.

 

 

 

. IV História da Tradução de Jerônimo para a invenção da imprensa. -

  1. Aceitação precoce.

 - Os trabalhos críticos de Jerome foram recebidos, uma vez que tais trabalhos sempre são recebidos pela multidão, com um alto clamor de reprovação. Ele foi acusado de perturbar o repouso da Igreja e sacudindo os fundamentos da fé. Erros reconhecidos, como ele reclama, eram vistos como santificado por uso antigo ( Praef. em Jó 2 ), e poucos tiveram a sabedoria ou a sinceridade de reconhecer a importância de buscar o mais puro possível texto da Sagrada Escritura. Mesmo Agostinho foi levado pelo preconceito popular, e esforçou-se para desencorajar Jerome da tarefa de uma nova tradução ( Ep. 104), o que lhe parecia ser perigoso e quase profano. Jerome, de fato, fez pouco para suavizar o caminho para a recepção de sua obra. A violência ea amargura de sua linguagem é mais parecida com a dos estudiosos rivais do século 16 do que de um pai cristão, e há poucos casos mais tocantes de humildade do que a do jovem Agostinho dobra-se na apresentação inteira antes; a reprovação desdenhoso e impaciente do estudioso veterano (Ep. 112, sf).

Mas mesmo Agostinho não conseguiu superar a força do hábito precoce. Para o último, ele se manteve fiel ao texto em itálico, que ele havia usado pela primeira vez; e quando ele percebe em seu Ratiactato em várias leituras erradas que ele tinha anteriormente abraçaram, ele não mostra nenhuma tendência para substituir geralmente a versão Novo para o Velho. Nesses casos, tempo é o grande reformador. Clamor baseada na ignorância logo morre, ea tradução New gradualmente passou a ser usado também com o Velho, e finalmente suplantado. No século 5, foi adotado na Gália por Eucherius de Lyon; Vicente de Lerins, Sedulius e Claudianus Mamertus (Hody, p. 398), mas a Velha Latina ainda estava retido na África e na Grã-Bretanha (ibid.). No século 6, o uso da versão de Jerônimo era universal entre os estudiosos, exceto na África, onde a outra ainda persistia (Junilius); e no final do mesmo, Gregório Magno, ao comentar a versão de Jerônimo, reconheceu que foi admitido igualmente com o Velho pela Sé Apostólica (Praef. em Jó, ad Leandrum Novam translationem dissero, sed ut comprobatipnis Causa exigit, nunc Não -vam, nunc Veterem, por testimnonia assumo; ut quia Sedes Apostolica [cui aulctore Deo presideo] utraque utitur mei trabalho quoque studii ex utraque fulciatur "), mas a versão antiga não foi autoritariamente deslocadas, embora o costume da Igreja de Roma também prevaleceu. nas outras igrejas do Ocidente. Assim.

 

Isidoro de Sevilha (De Ofic. Eclesiastes 1, 12), depois de afirmar a inspiração do setembro, passa a recomendar a versão de Jerônimo, "o que", diz ele, "é usada universalmente como sendo mais verdadeiro em substância e mais perspícua na linguagem "(Hody, p. 402). No século 7 os traços da antiga versão crescer raro. Julian de Toledo (AD 676), afirma com um propósito polêmico especial a autoridade do setembro, e assim do Antigo Latina; mas ainda que ele próprio segue Jerome quando não influenciadas pelas exigências da controvérsia (ibid. p. 405, 406). No século 8, Bede fala da versão de Jerônimo como na nossa edição (ibid p 408.).; ea partir deste momento é desnecessário traçar a sua história, embora a Velha Latina não foi totalmente esquecida. No entanto, por toda parte, a nova versão fez o seu caminho sem qualquer autoridade eclesiástica direta. Foi adotado em diferentes igrejas de forma gradual, ou pelo menos sem qualquer comando formal (ver ibid. P. 411 sq. Das cotações detalhadas).

Mas a Bíblia latina, que assim passou gradualmente para uso sob o nome de Jerome foi um trabalho estranhamente composta. . Os livros do Antigo Test, com uma exceção, foram certamente levado de sua versão do hebraico; mas esta não tinha apenas sido diversamente corrompido, mas foi-se em muitos particulares (especialmente no Pentateuco) em variações com seu julgamento mais tarde. O uso a longo, no entanto, tornou impossível para substituir seu Saltério do hebraico para o (galicano Saltério, e assim este livro foi mantido da versão antiga, como Jerome tinha corrigido a partir do setembro dos livros apócrifos, Jerome apressadamente revisto ou traduzido apenas dois, Judith e Tobit O restante foi retido a partir da versão antiga contra o seu julgamento;. e as adições apócrifas a Daniel e Ester, que ele havia cuidadosamente marcados como apócrifo em sua própria versão, foram tratados como partes integrantes dos livros. Alguns MSS. da Bíblia fielmente preservado o "cânon hebraico", mas a grande massa, de acordo com o costume geral de copistas para omitir nada, incluído tudo o que tinha ocupado um lugar no Antigo Latina, o novo teste. a única Além importante que foi freqüentemente interpolada foi a epístola apócrifa ao;. Laodicéia O texto dos evangelhos estava em edição revista principal de Jerônimo; que os livros restantes sua revisão muito incompleta do Antigo Latina; Assim, o presente Vulgata contém elementos que pertencem para cada período e forma da versão latina -

 

(1) unrevised Old Latina .: Sabedoria, Eclesiástico, 1 e 2 Macc, Baruch,(2) Old Latina revisto a partir de setembro o Saltério.(3) a tradução de Jerônimo livre do texto original : Judith, Tobit.(4) a tradução de Jerônimo a partir do original : Antigo Test. exceto Saltério.(5) Old Latina revisado de MSS gregos. Evangelhos.(6) Antiga Latina superficialmente revisto : o restante do Novo teste.

 

. Duas edições de Alcuíno.

 

 - Enquanto isso, o texto das diferentes partes da Bíblia Latina foi se deteriorando rapidamente. O uso simultâneo das versões antigas e novas, necessariamente, levou a grandes corrupções de ambos os textos. Textos mistos foram formados de acordo com o gosto ou julgamento de escribas, ea confusão aumentou ainda mais com as mudanças, que às vezes eram introduzidas por aqueles que tinham algum conhecimento de grego. Deste causa quase não anglo-saxão Vulgata MS. do século 8 ou 9, com toda a probabilidade, é totalmente livre de uma mistura de leituras antigas. Vários exemplos notáveis ​​são notados abaixo; e, em casos raros, é difícil decidir se o texto não é mais uma revista Vetoms que um corrompido Vulgata nova (por exemplo, Brit Mus.. Reg. 1, E, 6; . Adlit 5463). Já no século 6, Cassiodoro tentou uma revisão parcial do texto (Salmos, Profetas, Epístolas) por um agrupamento de antigos MSS. Mas o trabalho privado foi incapaz de verificar a corrupção crescente, e no século 8 este tinha chegado a uma altura tal que atraiu a atenção de Carlos Magno. Carlos Magno ao mesmo tempo procurou um remédio, e confiado a Alcuíno (CIR. AD 802) a tarefa de rever o texto latino para o uso público. Este Alcuíno parece ter feito simplesmente pelo uso de MSS. da Vulgata, e não por referência aos textos originais (Porson, Carta de 6 a Travis, p. 145). As passagens que são invocados pelo Hody para provar a sua familiaridade com o hebraico são, na verdade, apenas citações de Jerome, e ele certamente deixou o texto inalterado, pelo menos em um lugar onde Jerome aponta sua imprecisão ( Gênesis 25: 8Gênesis 25: 8 ). O patrocínio de Carlos Magno deu uma moeda grande para a revisão de Alcuíno, e vários MSS. permanecer que pretendem data imediatamente de seu tempo. De acordo com uma declaração muito notável, Carlos Magno era mais do que um patrono das críticas sagrado, e se dedicou o último ano de sua vida para a correção dos evangelhos ", com a ajuda de gregos e sírios" (Van Ess, p. 159, citando Theganus, Script. Hist. Franco. 2, 277).

No entanto, este pode ser, é provável que a revisão de Alcuíno contribuiu muito para preservar um bom texto Vulgata. A melhor MSS. de sua recensão não diferem muito do texto Hieronymian puro, e sua autoridade deve ter feito muito mais para verificar a propagação das interpolações que reaparecem depois, e que foram derivadas do intermixture do Antigo e novas versões. Exemplos de leituras que parecem ser devido a ele ocorrer: Deuteronômio 1, 9, acrescentam. solitudilem; venissemus, para ETIS; Deuteronômio 1, 9: 4, ascendimus, para acemdemus; 2, 24, innatua, pois em Tuas Mantus; 04:33, vidisti, para vixisti; 6, 13, ipsi, adicione. soli; 15: 9, oculos, om. UST; 17:20, filius, para Flii; 21: 6, adicionar venient; 26:16, em, por et. Mas a nova revisão foi gradualmente deformado, embora posteriores tentativas de correção foram feitas por Lanfranco de Canterbury (AD 1089, Hody, 416 p.), Card. Nicolaus (1150 dC), eo abade cisterciense Stephanus (cir.AD 1150). No século 13 Correctoria foram elaborados, especialmente na França, em que foram discutidas as variedades de leitura; e Roger Bacon reclama em voz alta da confusão que foi introduzido no "comum, isto é, o parisiense, cópia;" e cita uma falsa leitura de Marcos 8:38Marcos 8:38 , onde os corretores tinham substituído confessus para confusus (Hody, p. 419 sq.). Pouco mais foi feito para o texto da Vulgata, até a invenção da imprensa; eo nome de Lourenço Valla (CIR. 1.450) por si só merece menção, como de alguém que dedicou os poderes mais altos, à crítica da Sagrada Escritura, num momento em que esses estudos eram pequenos estima.

 

  1. História do texto impresso. -

. 1 . primeiras edições Era um nobre presságio para o futuro progresso da impressão que o primeiro livro que publicou na imprensa era a Bíblia; e os esplêndidos: páginas da Vulgata Mazarin (Mainz-Gutenberg e Fust) ficar ainda insuperável pelos últimos esforços da tipografia. Este trabalho é referido sobre o ano de 1455, e apresenta o texto comum do século 15. Outras edições seguidas, em rápida sucessão (o primeiro com uma data, Mainz, 1462, Fust e Schaeffer), mas eles não oferecem nada de interesse crítico. A primeira coleção de várias leituras aparece em uma edição de Paris de 1504, e outros seguiram em Veneza e Lyons em 1511, 1513; Mas o cardeal Ximenes (1502-1517) foi o primeiro que revista a sério o texto em latim ("contuli mus cum quamplurimis exemplaribus venerandne vetustatis; sed seu maxime, Que em publica Complutensis nostrse Universitatis Bibliotheca reconduntur, quae supra octingentesimum abhinc ano Litteris Gothicis con, scripta , ea sunt sinceritate ut nec apicis lapsus possit ini eis deprehendi "[Praef]), ao qual ele atribuiu o lugar meio da honra em sua Poliglota entre o texto hebraico e grego. O texto Complutense é dito ser mais correto do que aqueles que o precederam, mas ainda está muito longe de ser puro. Seguiu-1 1528 (2a ed. 1.532) por uma edição de R. Stephens, que havia concedido um grande esforço na obra, consultoria de três MSS. de caráter elevado e as edições anteriores; mas como ainda os melhores materiais não estavam abertos para o uso. Sobre o mesmo tempo várias tentativas foram feitas para corrigir o latim dos textos originais (Erasmus, 1516; Pagminus, 1518-1528;. Cartão Caetano; Stenchius, 1529; Clarius, 1542), ou mesmo para fazer uma nova versão latina (Jo . Campensis, 1533).

A edição mais importante de 1.

 

 Stephens seguido em 1540, no qual ele fez uso de vinte MSS. e introduziu alterações consideráveis ​​em seu antigo texto. Em 1541, mais uma edição foi publicada pela Jo Benedictus em Paris, que foi baseado na gola ção de MSS. e edições, e foi muitas vezes reimpresso depois. Vercellone fala muito mais altamente do Biblia Ordinária, com glosas, etc, publicados em Lyons, 1545, como dar leituras de acordo com empate MSS mais antigos., Embora as fontes de que derivam, não são dadas (Vlarice Lect. 99) . O curso de controvérsia no século 16 exagerada a importância das diferenças, no texto e na interpretação da Vulgata, ea confusão chamou por algum remédio. Uma edição autorizado tornou-se uma necessidade para a Igreja de Roma, e, no entanto gravemente mais tarde teólogos podem ter, errou na explicação da política ou intenções dos pais tridentinas sobre este ponto, não pode haver dúvida de que (pondo de lado todas as referências aos textos originais ) o princípio da sua decisão - a preferência, ou seja, do mais antigo texto em latim para qualquer versão latina mais tarde - foi substancialmente direita.

 

  1. Os Sistina e Clementine Vulgates.

 

- A primeira sessão do Concílio de Trento foi realizada no dia 13 de dezembro de 1545 Depois de alguns arranjos preliminares, o Credo de Nicéia foi formalmente promulgado como o fundamento da fé cristã em 04 de fevereiro de 1546 e, em seguida, o Conselho procedeu-se à questão da autoridade, texto e interpretação da Sagrada Escritura. Uma comissão foi nomeada para apresentar um relatório sobre o assunto, que realizou reuniões privadas de 20 de fevereiro a 17 de março variedades consideráveis ​​de opinião existia quanto ao valor relativo dos textos originais e latino, eo decreto final foi destinado a servir como um compromisso .Isto foi feito em 08 de abril de 1546, e constou de duas partes - a primeira das quais contém a lista dos livros canônicos, com o anátema habitual sobre aqueles que se recusam a recebê-la; enquanto o segundo, "na edição e utilização dos livros sagrados" não contém nenhum anátema, para que seu conteúdo não são artigos de fé. O texto do próprio decreto contém várias marcas da controvérsia da qual se originou e admite de uma construção muito mais liberal do que glosses posteriores apuseram a ele. Ao afirmar a autoridade do "Old Vulgata," não contém qualquer estimativa do valor dos textos originais. A questão é simplesmente decidiu os méritos relativos das versões latinas atuais ("si ex. Omnibus Latinis versionibus Quse circumferuntur"), e isso só em referência a exercícios públicos. O objeto contemplado é a vantagem (uitilitas) da Igreja, e não algo essencial para sua constituição. Além disso, foi promulgada, como um cheque para o licenciamento de impressoras, que "a Sagrada Escritura, mas, sobretudo o velho e comum [Vulgata] edição [evidentemente sem excluir os textos originais], deverá ser impresso o mais correctamente possível." Apesar, porém, da cautela comparativa do decreto, ea interpretação que foi aposta a ele pelas mais altas autoridades, ele foi recebido com pouco favor, ea falta de um texto padrão da Vulgata praticamente deixou a questão como inquieto como antes. O decreto em si foi feita por homens pouco equipadas para antecipar as dificuldades da crítica textual, mas depois eles foram encontrados para ser tão grande, que há algum tempo parecia que nenhuma edição autorizada iria aparecer. O teólogo é da Bélgica fez alguma coisa para satisfazer a falta. Em 1547 a primeira edição do Hentenius apareceu em Louvain, que teve influência considerável sobre as cópias posteriores. Baseava-se o agrupamento de latim MSS. e a edição Stephanic de 1540.

 

No Poliglota de Antuérpia de 1568-1572 a A Vulgata foi emprestado do Complutense (Vercellone, Var Lect 101..); mas na edição de Antuérpia da Vulgata de 1573-1574 o texto da Hentenius foi adotado, com adições generosas de leituras por Lucas Brugensis. Este último foi concebido como a preparação e substituto temporário para a edição papal; Na verdade, pode-se questionar se não foi apresentada como a "edição correta exigida pelo decreto Tridentile" (comp. Lucas Brug. ap. Vercellone, 102), mas um conselho papal já foi contratado, no entanto enfastiadamente, sobre o trabalho de revisão.

Os primeiros vestígios de uma tentativa de perceber as recomendações do conselho é encontrado 15 anos depois que ele foi feito. Em 1561 Paulus Manuttius (filho de Aldus Manutis) foi convidado a Roma para supervisionar a impressão de latim e grego Bíblias (Vercellone, Var. Lect. Etc, 1, prol. 19, nota). Durante esse ano e os próximos vários estudiosos (com Sirletus em sua cabeça) estavam envolvidos; na revisão do texto. No pontificado de Pio V o trabalho foi continuado, e Sirletus ainda levou uma parte principal do mesmo (1569-1570) (ibid. Loc. Cit. Prol. 20, nota), mas atualmente estava relatou que as dificuldades de publicar um edição autorizada eram insuperáveis. Nada mais foi feito para a revisão da Vulgata sob Gregório XIII, mas os preparativos foram feitos para uma edição do setembro Isto apareceu em 1587, no segundo ano do pontificado de Sisto V, que tinha sido um dos principais promotores da o trabalho. Após a publicação do setembro, Sisto imediatamente dedicou-se à produção de uma edição da Vulgata. Ele mesmo era um erudito, e seu gênio imperioso o levou a enfrentar uma tarefa a partir do qual os outros tinha encolhido. " ' Ele tinha sentido ", diz ele," a partir de sua primeira ascensão ao trono papal (1585), grande dor, ou até mesmo indignação (ferentes indigne), que o decreto tridentino ainda estava insatisfeito "; e uma placa foi nomeado, sob a presidência do cardeal Carafa, para organizar os materiais e oferecer sugestões para uma edição. Se Sisto revisou o texto, rejeitar ou confirmar as sugestões do conselho por seu julgamento absoluto; e quando a obra foi impressa, examinou os lençóis com o maior cuidado, e corrigiu os erros com a própria mão.

A edição foi publicada em 1590, com a famosa constituição E'ternus ille (datada de 1 de março de 0,1589) prefixados, em que ' Sisto afirmou com decisão característica a autoridade plenária da edição de todos os tempos futuros. "Com a plenitude do poder apostólico" (como são as suas palavras) ", decretamos e declaramos que esta edição .... aprovado pela autoridade que nos foi entregue pelo Senhor, deve ser recebido e tido como verdadeiro, legítimo, autêntico e inquestionável, em todos os públicos "discussão e privado, a leitura, pregação e explicação." Ele ainda proibiu expressamente a publicação de várias leituras em cópias da Vulgata, e pronuncia-se de que todas as leituras em outras edições e MSS. que variam de aqueles do texto revisto "são para não ter nenhum crédito ou autoridade para o futuro?" ("EA no IIS quae Huic nostree editioni não consenserint, nullam em posterun fidem, nullamque auctoritatem habitura ESSE decernim nós"). Também foi promulgada que o novo revisão deve ser introduzido em todos os missais e um serviço de livros, e quanto maior a excomunhão foi ameaçado contra todos os que de alguma forma violado a Constituição.

 

Tinha a vida de Sisto foi prolongada, não há dúvida de que a sua vontade de ferro teria forçado as mudanças que ele, portanto, peremptoriamente proclamados; mas ele morreu em agosto; 1590, e aqueles a quem ele havia alarmado ou ofendido tomou medidas imediatas para impedir a execução de seus projetos. E isso não foi sem uma boa razão. Ele tinha mudado as leituras dos que ele tinha empregado para relatar sobre o texto com a mão mais arbitrária e inábeis; e foi quase um exagero dizer que o seu precipitado "auto-suficiência trouxe a Igreja para o perigo mais grave." Durante o breve pontificado de Urbano VII nada poderia ser feito, mas a reação não foi demorada. Sobre a adesão de Gregório XIV, alguns foram tão longe a ponto de propor que a edição de Sisto deve ser absolutamente proibido, mas Belarmino sugeriu um meio termo. Ele propôs que as alterações equivocadas do texto que tinha sido feito nele ("quie mmale mutata erant") "deve ser corrigido o mais depressa possível, ea Bíblia reeditado sob o nome de Sisto, com uma nota preambular para o efeito que erros (erratas aliqua) surgiu na edição anterior pelo carelessness- das impressoras. " Esta fraude piedosa, ou falsidade bastante ousada para ele pode ser chamado por nenhum outro favor encontrou-nome com quem está no poder.

 

Uma comissão foi nomeada para rever o texto Sixtine, sob a presidência do cardeal Colonna (Columna), A princípio, os comissários fizeram mas o progresso lento, e parecia provável que um ano seria passar antes que a revisão foi concluída (Ungarelli, em Vercellone, Proleg. 58). O modo de acção foi, portanto, mudou, e mudou-se para a comissão Zagarolo, o assento de país de Colonna; e, se podemos acreditar que a inscrição que ainda comemora o evento, bem como o relatório atual do tempo, o trabalho foi concluído em 19 dias. Mas, mesmo se puder ser demonstrado que o trabalho prolongado ao longo de seis meses, é evidente que não houve tempo para a análise das novas autoridades, mas apenas para fazer uma revisão rápida, com a ajuda dos materiais já colhidos. A tarefa foi quase terminado quando Gregory morreu (outubro de 1591), a areia da publicação do texto revisado foi novamente adiada. Seu sucessor, Inocêncio IX, morreu no mesmo ano, e no início de 1592 Clemente VIII foi elevado ao papado. Clement confiada a revisão final do texto a Cletus, eo todo foi impresso pela Aldus Malnutius (o neto) antes do final de 1592.

O prefácio, que é moldada em cima que de Sisto, foi escrito por Belarmino, e é favorável a distingue da de Sisto pela sua moderação e modéstia. O texto, diz-se, tinha sido preparado com o maior cuidado, e, embora não seja absolutamente perfeito, era pelo menos (o que não é ostentação ociosa), mais correto do que a de qualquer edição anterior. Algumas leituras, de fato, é permitido, havia, embora errado, foi deixada inalterada para evitar ofensa populares; mas ainda mesmo aqui Belarmino não teve escrúpulos em repetir empate ficção da intenção de Sisto lembrar dele: edição ainda: envergonha frente .do Vulgata Roman por um pedido de desculpas não menos do que desnecessário falso. Outra edição seguida em 1593, e um terceiro em 1598, com uma lista tríplice de errata, uma para cada uma das três edições. Outras edições foram posteriormente publicados em Roma (comp. Vercellone, 104), mas com essas correções a história do texto autorizado conclui corretamente.

Os respectivos méritos das edições Sistina e Clementine têm sido freqüentemente debatido. No ponto de precisão mecânica, o Sixtine parece ser claramente superior (Van Ess, Gesch 365 sq..); mas Van Ess se permitiu ser enganado na estimativa de que ele dá do valor crítico das leituras Sistina. As coleções recentemente publicados pela Vercellone lugar na mais clara luz do modo estranho e acrítica em que Sisto tratadas com as provas e os resultados apresentados a ele. As recomendações dos corretores Sistina são marcados pela sabedoria singular e tato crítica; e em quase todos os casos onde Sisto afasta-los, ele está em erro. Isso será evidente a partir de um agrupamento das leituras, em alguns capítulos, como dado por Vercellone. Assim, nos quatro primeiros capítulos do Gênesis os corretores Sistina são direitos contra Sisto: Gênesis 1: 2Gênesis 1: 2 ; Gênesis 1:27Gênesis 1:27 ; Gênesis 1:31Gênesis 1:31 ; Gênesis 2:18Gênesis 2:18 ; Gênesis 2:20Gênesis 02:20 ; Gênesis 3: 1Gênesis 3: 1 ; Gênesis 3: 11-12Gênesis 3:11 -12 ; Gênesis 3:17Gênesis 3:17 ; Gênesis 3: 21-22Gênesis 3: 21-22 ; Gênesis 4: 1Gênesis 4: 1 ; Gênesis 4: 5Gênesis 4: 5 ; Gênesis 4: 7-9Gênesis 4: 7-9 ; Gênesis 4: 15-16Gênesis 4: 15-16 ; Gênesis 4:19Gênesis 04:19 ; e, por outro lado, Sisto é direita contra os correctores em Gênesis 1:15Gn 1:15 . Os corretores gregoriano, portanto, (cujos resultados são apresentados na edição Clementine), nos principais leituras simplesmente restaurados aprovado pelo Conselho de Sixtine e rejeitado por Sisto. No livro de Deuteronômio a edição Clementine segue os corretores Sistina, onde ela difere da edição Sixtine: Gênesis 1: 4Gênesis 1: 4 ; Gênesis 1:19Gênesis 01:19 ; Gênesis 1:31Gênesis 1:31 ; Gênesis 2:21Gênesis 02:21; Gênesis 4: 6 , 22 , 28 , 30 , 33 , 39 ; Gênesis 4: 6, 22, 28, 30, 33, 39; Gênesis 5:24Gênesis 5:24 ; Gênesis 6: 4Gênesis 6: 4 ; Gênesis 8: 1Gênesis 8: 1 ; Gênesis 9: 9Gênesis 9: 9 ; Gênesis 10: 3Gênesis 10: 3 ; Gênesis 11: 3Gênesis 11: 3 ; Gênesis 12: 11-12Gênesis 12: 11- 12 ; Gênesis 0:15Gênesis 0:15 , etc .; e cada mudança (exceto, provavelmente, 6: 4; 00:11, 12), é certo; enquanto, por outro lado, nos mesmos capítulos há, aparentemente, apenas dois casos de variação, sem a autoridade dos corretores Sistina ( Gênesis 11:10Gênesis 11:10 ; Gênesis 11:32Gênesis 11:32 ). Mas na verdade a edição Clementine erra por excesso de cautela. Dentro dos mesmos limites que segue Sisto contra os corretores de forma errada em 2:33; 3:10, 12, 13, 16, 19, 20; 04:10, 11:28, 42; 6: 3; 11:28; e em todo o livro admite nas seguintes passagens mudanças arbitrárias de Sisto: 4: 10; 5: 24; 6:13; 12:15, 32; 18:10, 11; 29:23. . No novo teste, como o relatório dos corretores Sixtine ainda não foi publicada, é impossível dizer o quão longe a mesma lei é válida; mas a seguinte comparação das variações das duas edições, em passagens contínuas dos evangelhos e epístolas mostrará que a Clementine, embora não seja um texto puro, é muito longe ainda mais puro do que o Sixtine, que muitas vezes dá leituras latino-velhos, e às vezes parece depender somente da autoridade patrística (ou seja, 11 pp.):

 

Sixtine

CLEMENTINA

 

  1. edições posteriores.

 

- Enquanto a edição Clementine ainda era recente, alguns pensamentos parecem ter sido entretido de revisão. Lucas Brugensis fez importantes coleções para o efeito; mas as dificuldades práticas foram encontrados para ser muito grande, eo estudo de várias leituras foi reservada para os estudiosos (Bellarmin. anúncio Lucam Brug. 1.606). No uso da próxima geração e controvérsia deu uma santidade ao texto autorizado. Muitos especialmente na Espanha, pronunciou-se ter um valor superior aos originais, e se inspirar em todos os detalhes (comp Van Ess.. Gesch. p 401, 402;. Hody, III, 2, 15); mas é inútil para me debruçar sobre a história de tais extravagâncias, a partir do qual os jesuítas, no mínimo, após o seu grande campeão Belarmino, sabiamente manteve distante. Era uma questão mais séria que a aceitação universal do texto papal verificou o estudo crítico dos materiais em que se baseia professa. Por fim, no entanto, em 1706, Martianay publicou um novo, e, em geral, melhor, texto, principalmente a partir de originais MSS., Em sua edição de Jerome. Vallarsi adicionado agrupamentos frescas em sua edição revista da obra de Martianay; mas em ambos os casos, os agrupamentos são imperfeitos, e é impossível determinar com precisão em que MS. autoridade do texto, que é dado depende. Sabatier, embora professando apenas para lidar com a Velha Latina, publicado primas importantes para a crítica da versão de Jerônimo, e deu no comprimento das leituras de Lucas Brugensis (1743). Mais de um século decorrido antes de mais nada de importância foi feito para o texto da versão latina do Antigo Test., Quando finalmente a feliz descoberta da revisão original dos corretores Sixtine novamente a atenção de estudiosos romanos ao seu texto autorizado . Os primeiros frutos do seu trabalho são dadas no volume de Vercellone, já muitas vezes citada, que tem jogado mais luz sobre a história e crítica da Vulg. do que qualquer trabalho anterior. Existem alguns defeitos no arranjo dos materiais, e é lamentável que o editor não tem tanto o texto autorizado ou corrigido; mas ainda assim o trabalho é tal que todos os alunos do texto latino deve ser profundamente interessado nela.

 

A negligência do texto latino do Antigo Test. é apenas uma conseqüência da negligência geral das críticas do texto hebraico. No novo teste. muito mais tem sido feito para a correção do Vulg., embora mesmo aqui há edição crítica ainda não foi publicado. Numerosos colações de MSS., Mais ou menos perfeita, têm sido feitas. Neste, como em muitos outros pontos, Bentley apontou o caminho verdadeiro que outros se seguiram. Sua própria colação de MSS Latina. foi extensa e importante (comp. Ellis, Bentleii Critica Sacra, 35 sq.). Griesbach adicionados novos agrupamentos, e organizou as que os outros fizeram. Lachmann impressa do texto latino em sua edição maior, tendo agrupado o Codex Fuldensis para o efeito. Tischendorf trabalhou entre os latino-MSS., Só que com menos zelo do que entre os gregos. Tregelles deu em sua edição do novo teste. o texto do Cod. Amiatinus do seu próprio agrupamento com as variações da edição Clementina. Mas em todos estes casos o estudo do latim era meramente acessória à do texto grego. Provavelmente, a partir da grande antiguidade ea pureza da Codd. Amiatinus e Fuldensis, há relativamente pouco espaço para críticas na revisão da versão de Jerônimo; mas não pode ser um trabalho inútil para examinar mais detalhadamente do que ainda não foi feito várias fases pelas quais passou, e as causas que levaram à sua corrupção gradual.

Um relato completo das edições do Vulg. é dada por Masch (De Long) Bibliotheca Sacra (1778-1790). As variações entre as edições Sistina e Clementina foram coligidos por T. James, Bellum Papales. Concordia Discors (Lond. 1.600), e de forma mais completa, com um agrupamento das edições Clementine, por H. de Bukentop, Lux de Luce, 3, 315 sq. Yercellone, corrigindo os críticos anteriores, estima que o número total de variações entre as duas revisões é de cerca de três mil (Proleg. 48, nota).

  1. Cod. Amiatinus, de meados do século 6, o mais antigo e melhor existente; na Biblioteca Laurentina, em Florença; ele contém o Antigo Test., exceto Baruch, ea New Test .; o último foi editado a partir dele por Tischendorf (Leips. 1.850, 4to). (Veja AMATINE MANUSCRITO ).2. Biblia Gothica Toletance Ecclesice, do século 8, contendo todos os livros exceto Baruch (Vercellone, Var. Lect. 1, 84).3. Cod. Cavensis, do século 8, se não antes; contém o Antigo eo Novo Teste .; pertence ao mosteiro de La Cava, perto de Salerno; examinado por Tischendorf.4. Cod. Paullinus, do século 9, quer Baruch; em Roma (Vercellone, loc. cit.).5. Cod. Statianus . hod Vallicellanus, do século 9; em Roma (Vercellone, 1 c.).6. Cod. Ottobonianus, do século 8, contém a Octateuch; no Vaticano (Vercellone, 1 c.).7. Biblia Carolina, do século 9; quer Baruch, e as duas últimas folhas são, de um lado posterior; na biblioteca cantonal em Zurique.8. Biblia Bamburgensia, do século 9, quer do Apocalipse; tem de Jerônimo Epístola a Paulino prefixado em grandes unciais, o resto dos MS. é minuscular; neste MS. 1 João 5, 7 aparece (Kopp, Bilder u. der Schriften Vorzeit, 1, 184).9. Cod. Alcuini, do século 9, contendo o Velho eo Novo teste. (Exceto Baruch); suposto ser que ofereceu a Carlos Magno em sua coroação; anteriormente na posse dos reclusos em Moutier de Grandval, agora no Museu Britânico (Adit., 10, 546).10. Uma MS. em pergaminho muito limpo, provavelmente do século 13; anteriormente em Altdorf, agora em Erlangen (Niederer, Nachrichten zur Cozinha-Gelehrten und Bucher-Geschichte, 10 : 125).11. Uma MS. do século 13, descrito na de Eichhorn Repertorium, 17: 183 sq.12. Cod. Fuldensis, do século 6, contém o novo teste, com os evangelhos, na forma de uma harmonia.; usado por Lachmann em sua edição do Latin subjoined para seu grego New Test .; um espécime foi publicado por Ranke (Marm. 1.860, 4to).13. Cod. Forojuliensis; contém os quatro Evangelhos; editada junto com fragmentos do Evangelho de Marcos de Praga MS. (Anteriormente editado por Dobrowski, Fragmentum Pragense Ev. S. Marci, etc [Prag. 1.778, 4to]), e outros restos do mesmo evangelho de-MSS. preservada em Veneza, por Bianchini, de acréscimo. ad Evangel. Quadrupl.14. Cod. Sangellensis ; a MS ​​greco-latina. do século 9; contém os quatro evangelhos em grego, com uma tradução interlineary; editado em fac-símile por Rettig (Turim, 1836, 4to). Há uma outra Cod. Sangallensis contendo fragmentos dos evangelhos, do século 6, descrito por Tischendorf no christl fur Deutsche Zeitscrift. Wissenschaff de 1857, n º 7, e estimado por ele de grande valor para o texto da Vulgata (Tischendorf, Proleg. P. 249 sq.). (Veja GALL (ST). MANUSCRITO ).Além destes, muitos códices existem tanto em bibliotecas britânicas e continentais. (Veja MANUSCRITOS, BÍBLICO ).

 

VII. Valor Crítico das versões latinas. -

 

  1. No Antigo Test.

- . versão latina, em suas várias formas, contribui, como já foi visto, os materiais mais ou menos importantes para a crítica dos textos originais do Antigo e novos testes, e do comum e textos Hexaplaric do setembro o rolamento da Vulg. sobre a setembro não vai ser notado aqui, como os pontos envolvidos no inquérito, mais propriamente pertencem à história do setembro Little, de novo, precisa ser dito sobre o valor da tradução de Jerônimo para a crítica textual do Antigo Test . Como um todo, o seu trabalho é um notável monumento da identidade substancial do texto hebraico do século 4 com o presente texto Massorético; ea falta de materiais confiáveis ​​para a determinação exata do texto latino em si tem feito toda investigação detalhada de suas leituras impossível ou insatisfatória. As passagens que foram citados nas controvérsias prematura do séculos 16 e 17, para provar a corrupção do texto hebraico ou latim, são geralmente de pouca importância medida em que o texto está em causa. Será o suficiente para notar aqueles que só são citados por Whitaker, o antagonista digno de Belarmino (Disputa da Escritura [ed. Park. Soc.], P. 163 sq.).

 

 

 

Gênesis 1:30Gênesis 1:30 , om. todas as ervas verdes (em Vet L..): 03:15, ipsa conteret caput tnuln. Não parece uma boa razão para acreditar que a leitura original era ipse. Comp. Vercellone, . ad loc Veja também ( Gênesis 4:16Gênesis 04:16 ; Gênesis 3:17Gênesis 3:17 , em opere no. בעבוד para בעבור . ִ 4:16, om. Nod, que é especialmente notado em Jerônimo Quaest. Hebreus 6: 6Hebreus 6: 6 , adicionar. ET. praecavens em futurum As palavras são um brilho, e não uma parte do texto Vnlgare 8:. 4, vicesimo septimofor septimo decimo. Então, 08 de setembro: 7, egrediebatur et non revertebatt A. não está querendo nos melhores manuscritos de a Vulgata, e foi introduzido a partir do setembro 11:13, tribus trecentis para quadringentis tribus Então 09 de setembro:. 1, fundetur sanguis illins Om "pelo homem" 37.:. 2, sedecim para septemdecim Provavelmente um erro transcriptural. .. 39: 6, om "Por isso ele deixou-Joseph." 40, 5, om "o mordomo-prisão". 49:10 Comp Vercellone, ad loc 49, 33, om Em 24:..... 6. ; 27: 5; 34:29, a variação é provavelmente apenas a prestação As demais passagens, 2: 8; 3:. 6, 4: 6, 13, 26, 6: 3, 14, 3; 17:16; 19:18, 21: 9 24:22; 25:34.: 27:33; 31:32, 38: 5, 23; 49:22, contêm diferenças de interpretação, e em 36:24, 41, 45, o Vulgata parece ter preservado importantes representações tradicionais.

 

  1. O NOVO TESTAMENTO

- Os exemplos que foram dados mostram os limites relativamente estreitos em que a Vulgata podem ser usados ​​para a crítica do texto hebraico. A versão foi feita num momento em que a presente revisão já foi estabelecido; ea liberdade que Jerome permitiu-se por traduzir o sentido do original, muitas vezes deixa duvidoso que, na realidade, uma vária leitura é representado pela forma peculiar que ele dá a uma passagem particular. No novo teste. o caso é bem diferente. Neste a evidência crítica da Latina é separado em dois elementos distintos, a evidência da Velha Latina e que a revisão Hieronymian. Este último, em que difere do anterior, representa o texto grego recebeu do século 4, e até agora reivindica uma relação (falando aproximadamente) igual ao que, devido a uma de primeira classe MS gregos .; e que podem ser razoavelmente concluir que qualquer leitura oposição ao testemunho combinado do MSS mais antigo grego. eo verdadeiro texto Vulgata ou surgiu depois do século 4, ou se foi previamente confinados dentro de uma faixa muito estreita. As correções de Jerome não levar-nos de volta para além da idade de MSS gregos. Existente, mas, ao mesmo tempo, complementam o testemunho original do MSS. por uma testemunha independente. A substância da Vulgata, e as cópias da Antiga Latina, tem uma autoridade mais venerável. A origem das datas versão latina, como se viu, desde a mais tenra idade da Igreja Cristã. A tradução, como um todo, foi praticamente fixo e circulante de mais de um século antes da transcrição das mais antigas MS gregos. Por isso, é testemunha de um texto mais antigo, e, portanto, caeteris paribus, mais valioso, que é representado por qualquer outra autoridade, a menos que o Peshito na sua forma actual ser exceção. Este texto primitivo não era, tanto quanto pode ser determinado, livre de corrupções graves (pelo menos nos evangelhos sinóticos) desde o início, e foi diversas vezes corrompido depois. Mas as corrupções passou em uma direção diferente e por uma lei diferente das dos MSS gregos., E, consequentemente, as duas autoridades mutuamente correto o outro. Qual é a natureza dessas corrupções, e que o caráter eo valor da revisão de Jerônimo e do latim antigo, será visto a partir de alguns exemplos a ser dado em detalhe.

Antes de dar estes, no entanto, uma observação preliminar deve ser feita. Na estimativa do valor crítico do trabalho de Jerônimo, é necessário fazer uma distinção entre os diferentes trabalhos. Seu modo de proceder não era de forma uniforme; ea importância de seu julgamento varia de acordo com o objeto que tanto almejava. As três versões do Saltério representam completamente os três métodos diferentes que se seguiram. No começo, ele estava contente com a revisão populares do texto atual (o Saltério Romano); em seguida, ele instituiu uma comparação precisa entre o texto atual eo original (o galicano Saltério); e no lugar seguinte ele traduziu de forma independente, dando uma versão direta do original (do hebraico Saltério). Estes três métodos se sucedem em ordem cronológica, e responder às visões mais amplas que Jerome ganhou gradualmente das funções de um estudioso da Bíblia. A revisão do novo teste. pertence, infelizmente, para o primeiro período. Quando ele foi feito, Jerome era ainda utilizada para a tarefa, e ele estava ansioso para não despertar o preconceito popular. Seu objetivo era pouco mais do que para remover interpolações óbvias e desacertos; e ao fazer isso ele mesmo modo introduziu algumas alterações de expressão que suavizaram a rugosidade da versão antiga, e alguns que, parecia ser necessário para a verdadeira expressão do sentido (por exemplo, Mateus 6:11Mateus 6:11 , supersubstantialem para quotidianum). Mas, enquanto ele realizou muito, ele não conseguiu tonelada realizar ainda este propósito limitado com integridade minuciosa. Uma rendição que ele comumente alterados ainda era sofrido para permanecer em alguns lugares, sem qualquer razão óbvia (por exemplo μυστήριον , δοξάζω , ἀφανίζω ); e as emendas textuais que introduziu (além da remoção de glosas) parecem ter sido feitas depois de apenas um exame parcial de cópias gregas, e aqueles provavelmente em menor número. O resultado foi, como se poderia esperar. Os maiores corrupções do velho latim, quer por adição ou emissão, geralmente são corrigidos na Vulgata. Às vezes, também, Jerome dá a verdadeira leitura em detalhes o que havia sido perdido no velho latim: Mateus 1:25Mateus 1:25 , cognoscebat ; Mateus 2:23Mateus 02:23 , prophetas ; Mateus 5:22Mateus 5:22 , . om εἰκῆ; Mateus 9:15 Mateus 09:15 , lugere ; João 3: 8João 3: 8 ; Lucas 2:33Lucas 2:33 , ¼ πατήρ; Lucas 4:12Lucas 04:12 . Mas não raramente deixa uma falsa leitura não corrigida ( Mateus 9:28Mateus 09:28 , vobis ; Mateus 10:42Mateus 10:42 ), ou adota uma falsa leitura, onde o verdadeiro também era atual: Mateus 16: 6Mateus 16: 6 ; Mateus 18:29Mateus 18:29 ; Mateus 19: 4Mateus 19: 4 ; João 1: 3João 1: 3 ; João 1:16João 1:16 ; João 6:64João 6:64 . Mesmo em variações mais graves que ele não está isento de erro. A famosa, perícope, João 7:53João 07:53 ; João 8:11João 8:11 , que ganhou apenas uma entrada parcial para o latim antigo, é, certamente, estabelecida na Vulgata. As adições em Mateus 27:35Mateus 27:35 ; Lucas 4:19Lucas 04:19 ; João 5: 4João 5: 4 ; 1 Pedro 3:221 Pedro 3:22 , já estavam em geral ou amplamente recebido nas cópias latinas, e Jerome deixou-os sem perturbação. O mesmo pode ser dito de Marcos 16: 9-20Marcos 16: 9-20 ; mas o "testemunho celestial" ( 1 João 5: 71 João 5: 7 ), que é encontrado nas edições da Vulgata, é, sem sombra de dúvida, uma interpolação posterior, devido a um gloss Africano; e não há razão para acreditar que as interpolações em Atos 8:37Atos 8:37 ; Atos 9: 5Atos 9: 5 , foram realmente apagadas por Jerome, ainda que mantido o seu lugar na massa de cópias latinas.

Revisão de Jerônimo dos evangelhos era muito mais completa do que a das restantes peças do novo teste. É, de fato, impossível, exceto nos Evangelhos, para determinar qualquer diferença substancial nos textos gregos que são representados pelas versões antigas e Hieronymian. Em outra parte das diferenças, na medida em que pode ser estabelecido de forma satisfatória, existem diferenças de expressão, e não de texto; e não há motivos suficientes para crer que as leituras que existem no melhor Vulgata MSS., quando eles estão em desacordo com outras autoridades latino, se baseia no julgamento deliberado de Jerome. Pelo contrário, seus comentários mostram que ele usou cópias divergentes amplamente a partir da recensão que passa sob o seu nome, e mesmo expressamente condenados como defeituoso no texto ou fazendo com que muitas passagens que são, sem dúvida, parte da Vulgata. Assim, em seu comentário sobre o Gálatas ele condena as adições, Gálatas 3: 1Gálatas 3: 1 , veritati não obedire; Gálatas 5:21Gálatas 5:21 , homicidia; e as traduções, Gálatas 1:16Gálatas 1:16 , não acquievi cani et sanguini (para não contuli cum carne et sangüíneos); Gálatas 5: 9Gálatas 5: 9 , mínimo fermentum totam massam corrumpit (para modicumfenrmentum totam conspersionem fermentat); Gálatas 5:11Gálatas 5:11 , evacuatum est ( para cessavit); Gálatas 6: 3Gálatas 6: 3 , se ipsum (seipse) seducit (para mentem suam decipit). No texto da epístola que ele dá, há mais de cinqüenta leituras diferentes do melhor texto Vulgata, dos quais cerca de melhorias tenare ( Gálatas 4:21Gálatas 4:21 ; Gálatas 5:13Gálatas 5:13 ; Gálatas 5:23Gálatas 5:23 ; Gálatas 6:13Gálatas 6:13 ; Gálatas 6: 15-16Gálatas 6: 15-16 , etc), as leituras de outros tantos inferiores ( Gálatas 4:17Gálatas 4:17 ; Gálatas 4:26Gálatas 4:26 ; Gálatas 4:30Gálatas 4:30 , etc), e as diferenças restantes de expressão: malo para nequam, incedunt recto Pede para recte rursum ambulante para iterum. As mesmas diferenças são encontradas em seus comentários sobre as outras epístolas: ad Efésios 1: 6Efésios 1: 6 ; Efésios 3:14Efésios 3:14 ; Efésios 4:19Efésios 4:19 ; Efésios 5:22Efésios 5:22 ; Efésios 5:31Efésios 5:31 ; ad Tito 3:15Tito 3:15 . A partir disso, será evidente que o texto Vulgata dos Atos e as epístolas não representa a opinião crítica de Jerome, até mesmo no sentido restrito em que isto é verdade para o texto dos evangelhos. Mas ainda existem algumas leituras que podem ser com probabilidade a que se refere à sua revisão: Atos 13:18Atos 13:18 , moies eorum sustinuit para nutriit ( aluit ) eos ; Romanos 12:11Romanos 12:11 , Domino para tempori; Efésios 4:19Efésios 4:19 , illuminabit te Christus para continges Christuns ; Gálatas 2: 5Gálatas 2: 5 , neque. ad cessimnus horame para anúncio Horam cessimus ; 1 Timóteo 5:191 Timóteo 5:19 , adicione. nisi sub duobus aut tribus testibus.

 

. 3 A Vetus Latina.

 

- Os principais corrupções do latim antigo consistem na introdução de glosas. Estes, como os acréscimos correspondentes no Codex Bezce (D), são, por vezes indícios da antiguidade venerável da fonte da qual derivou, e parecem nos levar de volta ao tempo em que a tradição evangélica ainda não tinha sido totalmente substituída por os evangelhos escritos. Tais são as interpolações em Mateus 3:15Mateus 3:15 ; Mateus 20:28Mateus 20:28 ; Lucas 3:22Lucas 3:22 (comp também. Lucas 1:46Luke 01:46 ; Lucas 0:38Lucas 12:38 ); mas mais freqüentemente eles são derivados de passagens paralelas, seja por transferência direta das palavras de outro evangelista ou pela reprodução da substância deles. Estas interpolações são freqüentes nos evangelhos sinóticos: Mateus 3: 3Mateus 3: 3 ; Marcos 16: 4Marcos 16: 4 ; Lucas 1:29Lucas 01:29 ; Lucas 6:10Lucas 06:10 ; Lucas 9:43Lucas 9:43 ; Lucas 9:50Lucas 09:50 ; Lucas 9:54Lucas 9:54 ; Lucas 11: 2Lucas 11: 2 ; e ocorrem também em João 6:56João 6:56 , etc Mas em João Velho Latina mais comumente peca por defeito do que por excesso. Assim, ele omite cláusulas com certeza ou provavelmente verdadeira: João 3:31João 3:31 ; João 4: 9João 4: 9 ; João 5:36João 5:36 ; João 6:23João 06:23 ; João 8:58João 8:58 , etc Às vezes, mais uma vez, as representações do texto grego são livres: Lucas 1:29Lucas 01:29 ; Lucas 2:15Lucas 02:15 ; Lucas 6:21Lucas 06:21 . Essas variações, no entanto, raramente são susceptíveis de induzir em erro. Caso contrário, o texto latim antigo dos evangelhos é do mais alto valor. Há casos em que alguns MSS Latina. combinam-se com uma ou duas outras das testemunhas mais antigos para promover uma leitura que tem sido obliterada na massa das autoridades: Lucas 6: 1Lucas 6: 1 ; Marcos 5: 3Marcos 5: 3 ; Marcos 16: 9Marcos 16: 9 sq .; e, não raro, ele preserva o texto verdadeiro que se perde na Vulgata: Lucas 13:19Lucas 13:19 ; Lucas 14: 5Lucas 14: 5 ; Lucas 15:28Lucas 15:28 .

 

Mas os lugares onde a Velha Latina e da Vulgata têm preservado separadamente a verdadeira leitura são raras, quando comparadas com aquelas em que se combinam com outras testemunhas antigos contra a grande massa de autoridades. Cada capítulo dos evangelhos fornecerá instâncias desse acordo, que é muitas vezes o mais impressionante porque ele só existe no texto original da Vulgata, enquanto as cópias posteriores foram corrompidos, da mesma forma como o grego posterior MSS. Mark 02:16Mark 2: 16 ; Marcos 3:25Marcos 3:25 ; (?) Mark 08:13Mark 8:13 , etc .; Romanos 6: 8Romanos 6: 8 ; Romanos 16:24Romanos 16:24 , etc Nos primeiros capítulos de Mateus, o seguinte pode ser notado: Mateus 1:18Mateus 1:18 ( bis ); Mateus 2:18Mateus 02:18 ; Mateus 3:10Mateus 03:10 ; Mateus 5: 4-5Mateus 5: 4-5 ; Mateus 5:11Mateus 05:11 ; Mateus 5:30Mateus 05:30 ; Mateus 5:44Mateus 5:44 ; Mateus 5:47Mateus 05:47 ; Mateus 6: 5Mateus 6: 5 ; Mateus 6:13Mateus 6:13 ; Mateus 7:10Mateus 07:10 ; Mateus 7:14Mateus 7:14 ; Mateus 7:29Mateus 07:29 ; Mateus 8:32Mateus 8:32 ( Mateus 10: 8Mateus 10: 8 ), etc É inútil multiplicar os exemplos que ocorrem igualmente em todas as partes do novo teste .; Lucas 2:14Lucas 2:14 ; Lucas 2:40Lucas 2:40 ; Lucas 4: 2Lucas 4: 2, Etc .; John 1:52 , etc .; João 01:52; João 4:42João 4:42 ; João 4:51João 04:51 ; João 5:16João 5:16 ; João 8:59João 08:59 ; João 14:17João 14:17 , etc .; Atos 2: 30-31Atos 2: 30-31 ; Atos 2:37Atos 2:37 , etc .; 1 Coríntios 1: 11 Coríntios 1: 1 ; 1 Coríntios 01:151 Coríntios 01:15 ; 1 Coríntios 01:221 Coríntios 01:22 ; 1 Coríntios 01:271 Coríntios 1:27 , etc

 

 

 

Por outro lado, há passagens em que as autoridades latino combinam para dar uma falsa leitura: Mateus 6:15Mateus 06:15 ; Mateus 7:10Mateus 07:10 ; Mateus 8:28Mateus 8:28 , etc .; (?) Lucas 4:17Lucas 04:17 ; Lucas 13:23Lucas 13:23 ; Lucas 13:27Lucas 13:27 ; Lucas 13:31Lucas 13:31 , etc .; Atos 2:20Atos 02:20 , etc .; 1 Timóteo 3:161 Timóteo 3:16 , etc Mas estes são relativamente poucas, e comumente marcado pela ausência de todas as evidências comprobatórias Oriental. Pode ser impossível estabelecer leis definidas para a separação de leituras que são devidos a prestação livre, ou descuido, ou glosses; mas, na prática, há pouca dificuldade em distinguir as variações que são devido à idiossincrasia (por assim dizer) da versão das que contêm traços reais do texto original. Ao todo foram feitas provisões para a grosseria do original em latim ea pressa de revisão de Jerônimo, que dificilmente pode ser negado que a Vulgata não é apenas o mais venerável, mas também o mais precioso, monumento do cristianismo latino. Durante dez séculos, preservado na Europa Ocidental um texto da Sagrada Escritura muito mais puro do que o que era corrente na Igreja Bizantina, e ao renascimento do saber grego guiado o caminho para uma revisão do texto grego tarde, em que os melhores críticos bíblicos ter seguido os passos de Bentley com cada vez mais profunda convicção da importância suprema da coincidência das autoridades gregas e latinas mais antigas.

 

  1. Dos interpretativa valor da pouca necessidade Vulgata ser dito.

 

Não pode haver dúvida de que, ao lidar com o novo teste., Pelo menos, estamos agora na posse dos meios infinitamente mais variadas e mais adequados para a elucidação direita do texto do que poderia ter sido apreciado pelos tradutores africanos originais. É uma falsa humildade para avaliar como nada da herança de séculos. Se a investigação das leis da linguagem, a percepção clara dos princípios da gramática, a investigação precisa das palavras, a comparação minuto de textos antigos, o grande estudo da antiguidade, as longas lições da experiência, não contribuíram em nada para uma compreensão mais completa da Sagrada Escritura, toda a confiança na Divina Providência está desaparecido. Se não formos a esse respeito muito antes de o camponês simples ou estudioso metade treinado do Norte de África, ou mesmo do aluno trabalhoso de Belém, temos provado falso a seu exemplo, e desonrá-los por nossa indolência. Seria uma tarefa ingrata para citar casos em que a versão latina presta o grego incorretamente. Tais falhas surgem mais comumente a partir de uma adesão servil às palavras exatas do original, e, portanto, o que é um erro na prestação de prova uma nova evidência do escrupuloso cuidado com que o tradutor geralmente seguido o texto antes dele. Mas, enquanto o intérprete do novo teste. será plenamente justificado em pôr de lado, sem escrúpulo a autoridade primeiras versões, às vezes há passagens ambíguas em que uma versão pode preservar o sentido tradicional ( João 1: 3João 1: 3 ; João 1: 9João 1: 9 ; João 8:25John 8:25 , etc) ou indicar uma diferença de início de tradução, e depois a sua prova pode ser do mais alto valor. Mas mesmo aqui o julgamento deve ser livre. Versões fornecer autoridade para o texto e opinião apenas para a renderização.

 

VIII. Personagem linguística e Influência das versões latinas.

  1. Características de Christian latinidade foram mais inexplicavelmente negligenciada pelos lexicógrafos e gramáticos. É, na verdade, apenas recentemente que a importância total de dialetos provinciais na história das línguas tem sido plenamente reconhecida, e pode-se esperar que os escritos de Tertuliano, Arnóbio, e os pais africanos geralmente agora, finalmente receber a atenção que eles justamente reivindicar. Mas é necessário voltar um passo adiante, e procurar nos restos da Bíblia Latina Velho a mais antiga e os traços mais puro das expressões populares Latina Africano. É fácil identificar nos escritos patrísticos a poderosa influência desta versão venerável; e, por outro lado, a própria versão apresenta inúmeras particularidades que evidentemente foram tomados a partir da corrente dialeto. Geralmente é necessário distinguir dois elementos distintos, tanto na versão latina e em escritos posteriores (1) provincianismos e (2) Graecisms. Os primeiros são principalmente de interesse para ilustrar a história da língua latina; este último como marcação, em algum grau, o seu poder de expansão. Apenas algumas observações sobre cada um desses chefes, o que pode ajudar a orientar o inquérito, pode ser oferecido aqui; mas a leitura atenta de alguns capítulos da versão antiga (por exemplo, Salmos, Ecclus., Wisd., na Vulgata moderno) irá fornecer inúmeras ilustrações.

 

  • Um dos fatos mais interessantes no que diz respeito à linguagem da versão latina é o reaparecimento nele de formas primitivas, que são encontrados em Plauto ou notáveis ​​como arcaísmos por gramá Estes estabelecem de forma sinal da vitalidade do popular como distinta da linguagem literária, e, a partir da grande escassez de memoriais dos dialetos italianos, possuem um valor peculiar. Exemplos de palavras, formas e construções vai mostrar até que ponto prevalece este fenômeno.

 

(A). Palavras. Stultiloquiuim, multiloquinum, vaniloquus (Plauto); stabilimentum (id.); datus (sulbst. dejero (Plauto); exentero (id.); scius (. Pac); mino ( dirigir, Festus).(B). Formas. depoentes como passivo: consolor, hortor, promereor ( Hebreus 13:16Hebreus 13:16 ); ministror. inflexões irregulares: partibor absconsus ; inversamente: Exies, etc .; tapetia (Plantuş), haec (fem plur..). Formas incomuns: Pascua (fem.); murmtur (masc.); sal ; (neut.) Retia (cantar.); certor, odio, Cornum, placer (subst.), dulcor.

 

 

 

(C). Construções. - Emtigro com ace. ( Salmos 61: 7Salmos 61: 7 , emigrabit te de Tabernaculo); Dominor com gennoceo com adc. ; sui, Suus para ejus, etc .; não para ne proibitivo; Capit impers.Além destes, existem muitas outras peculiaridades que evidentemente pertencem ao dialeto Africano (comum ou), e não apenas para a forma cristã dela.Tais são as palavras minorare, ninoratio, improperium, framea (a espada), ablactatio, annualis, alleviar e, pectusculutem, Antemurale, panifica, pwratura, tortura, tribulare, (satisfeita.), Tributlatio, valefacere, veredariu-, viare, victualia , virectum (viretum), vitulamen, volatilia (subst.), quatérnio, reelinatoriunr, scrutiniunr, sponsare, stratoria (subst.), sufferentia, si.fficientia, superabundantia, sustinentia, cartalleus, cassidile, collactatnents, condulcare, gernirmen, grossitudo, refectio ( κατάλυμα ) , exterminitumac, defunctio (falecimento), substanltia (. abs), . incolatus Novos verbos são formados a partir de adjetivos: pessimare, proxiainre, approximare, assiduare, pigritari, salvare (Salvator, salvatio), obviare, jucundare e, especialmente, uma classe larire na fico: mortifico, vivifico, sanctifico, glorifico, clarifico, beatifico, castifico, gratifico, fructiftio.Outros verbos dignos de nota são: adequado, appretiare, tenebrescere, indulcare, implanare (pliinusn), manicare.

 

Nesta classe pode ser contada também muitos -

(1) Os novos substantivos derivados de audjectives: possibilitas, praeclaritas, paternitas, praescientia, religiositas, Nativitas, supervacuitas, mam Nalia.Novos verbos formado de maneira semelhante: requietio, respectio, creatura, subitatio, extollentia.

(2) Novos verbals: accensibilis, acceptabilis, docibilis, productilis, passibilis, receptibilis, reprehensibilis, suadibilis subjectibilis, arreptitius ; e formas participiais: Judoratus, angustiats, timoratus, sensatus, disciplinatuis, magnatem, linguatuns,

(3) Os novos adjetivos: animaequmu, temporaneun, unigenitus, querulosus ; e advérbios: terribiliter ; unanimiiter, spiritualiter, cognoscibiliter, fiducialiter.A série de compostos negativos é particularmente digno de nota: immemoratio, increditio, inhonorare inconsummatio; inauxiliatus, indeficiens, inconfusibilis, importabills.

Entre as características da fase tardia da língua que deve contada a frequência excessiva de compostos, especialmente aqueles que são formados com os preposição. Estes são particularmente abundantes na versão latina; mas, em muitos casos, é difícil determinar se eles não são traduções diretas das formas setembro atrasados, e formas não independentes: por exemplo addecimare, adinvenire ntio, adincrescere, pereffluere, permundare, propurgare, superexaltare, superinvalescere, supererogare, reinvifare, rnemetLoratio , repropitiari, subinferre. Destes muitos são os representantes diretos de palavras gregas: superadulta ( 1 Coríntios 07:361 Coríntios 7:36 ), superseminare ( Mateus 13:25Mateus 13:25 ), comnpartiipes, concaptivus, complantatus, etc (Supersubstantialis, 6:11); e outros são formados para expressar idéias distintas; subcinericius, subnervare, etc

 

(2.) . Graecisms - A "simplicidade" da antiga versão, necessariamente, levou à introdução de muito numerosos Septuaginta ou New Test. formas, muitas das quais já se passaram para o uso comum. A este respeito, seria fácil apontar a diferença que existe entre o próprio trabalho de Jerome ea tradução original ou sua revisão do mesmo.Exemplos de palavras gregas são: zelare, Perizoma, python, pythonissa, proselytmus, prophetes tisa tizare tara, Poderis, pompatice, thesaurizare, anathematizare, agonizare, agonia, aromatizare, CCIs Angelus, peribolus, pisticus, Probatica, papyrio, pastophoria, telonizun, eucharis, acharis, romphcea, braviurn, dithalassus, doma (thronus), thymiatorium, tristega, scandalunm, sitarcia, basphemnare, etc, além de termos Patriarcha puramente técnico, Parasceve, Pascha, Paracletus. Outras palavras com base no grego são: aporior, angario, apostata, um apostolatus, acedior ( ἀκηδία ) . Algumas interpretações estreitas são interessantes: Amodo ( ἀπὸ τού του ) , propitiatorium ( ἱλαστήριον ) , inidipsum ( ἐπὶ τὸ αύτό ), rationaie ( λογεῖον , Êxodo 28:15Êxodo 28:15 , etc), scenofactorius ( Atos 18: 3Atos 18: 3 ), seminiverbius ( Atos 18: 17-18Atos 18: 17-18 ), subintroductus ( Gálatas 2: 4Gálatas 2: 4 ), supercertari ( Juízes 1: 3Juízes 1: 3 ), civilitas ( Atos 22:28Atos 22:28 ), intentator malorum ( Tiago 1:13Tiago 1:13 ). Para esta cabeça também deve ser encaminhado tais construções como zelare com acumuladores. o uso da inf. expressar um ponto final ( Atos 07:43 , ἐποιήσατε προσκυνεῖν ) ou um resultado ( Lucas 01:25 , ἐπεῖδεν ἀφελειν , aniferre respecit) a introdução da qui para ὅτι no sentido de que ( Lucas 01:58 ; .. audierunt . quia ) ou para ὅτι recitativm, em ( Mateus 7:23 , Confitebor Illis quia ); o dat. com assequi ( Lc 1, 3 , παρακολουθεῖν Vet L..); o uso do gen. com o comparativo ( João 1:50 , horumn majora ); e tais Hebraisms como vir mortis ( 1 Reis 02:26 ). Atos 7:43 Lucas 1:25 Lucas 1:58 Mateus 7:23Lucas 1: 3João 1:501 Reis 02:26

Geralmente, pode ser observado que o Vulg. Latin contém vestígios de uma influência tríplice derivado do texto original; e as modificações de forma que são capazes de ser levado de volta a esta fonte de ocorrer ainda mais em grande parte, nas línguas modernas, se, neste caso, eles devem ser encaminhados para a alimentação de plástico do Vulg. no dialeto popular, ou, como é mais provável, devemos supor que o Vulg. preservou um registro distinto dos poderes que foram amplamente trabalham nos tempos do Império no Latin comum. Estes são

(1) uma extensão do uso de preposições para casos simples; por exemplo, nas prestações de ἐν ( Colossenses 3:17Colossenses 3:17 ), facere em verbo, etc .;(2) uma assimilação dos pronomes para o significado do artigo grego; por exemplo, 1 João 1: 21 João 1: 2 , ipsa vita; Lucas 24: 9Lucas 24: 9 , Illis undecim, etc .; e(3) um trabalho constante do genitivo definitivo e epithetic, onde o uso da clássica teria exigido um adjetivo; por exemplo, Colossenses 1:13Colossenses 1:13 , filius caritatis suce ; Colossenses 3:12Colossenses 3:12 , vísceras mnisericordiae.

As particularidades que foram enumerados são encontrados em maior ou menor frequência em toda a Vulg. É natural que eles devem ser mais abundante e marcante nas partes que foram preservados menos mudou desde o Antigo latino-os apócrifos, os Atos, Epístolas e Apocalipse. Jerônimo, que, como ele sempre diz, passou muitos anos nas escolas dos gramáticos e retóricos, não poderia deixar de suavizar as muitas das asperezas da versão anterior, quer através de variações já em uso parcial, ou corrigindo expressões defeituosos si mesmo como ele revisou o texto. Um exame de alguns capítulos nas versões antigas e novas dos evangelhos irá mostrar o caráter ea extensão das mudanças que ele se aventurou a apresentar:

Lucas 1:60Lucas 1:60 , οὐχί , não, Vet. L., nequaguam, Vulg. Lucas 1:65Lucas 1:65 , ἐν ὅλῃ τῇ ὀρεινῃ , em omni montana, Vet. L., montna super omnia ", Vulg ;. 2, 1, profiteretur, profis, Vet. L., describeretur, descriptio, Vulg .; Lucas 1:13Lucas 01:13 , eoerciti.us emlestis, Vet. L., Celestis milícia, Vulg .; Lucas 1:34Lucas 1:34 , quod contradicetur, Vet. L eui contr. Vulg .; Lucas 1:49Lucas 01:49 , na propria Patris REEI, Vet. L., em sua quae sunt patric mei, Vulg. Algumas palavras, ele parece ter mudado constantemente, embora não universalmente: eg obauditio, obaudio (obedientia, obedio); mertsurare (metiri); dilectio (caritas); sacramenlitim (mysteliulli), etc Muitas das formas mais notáveis ​​estão confinados a livros que ele não rever: elucidare, inaltare (jucundari); fumigabundtus, illawnentatuts, indisciplinatus, insuaspicaobilis; exaecramwentum (exterrmininum), gaudimotniumnu; extollenti, honorificentia; horripilatio, inhonoratio.

 

. 2 Geralmente pode-se dizer que as expressões bíblicas da nossa língua comum vieram até nós principalmente através do latim; e em uma visão mais ampla do Vulg. é o elo de ligação entre as línguas clássicas e modernas. Contém elementos que pertencem à fase mais precoce do latim e exposições (se muitas vezes de uma forma rude) a flexibilidade do dialeto popular. Por outro lado, forneceu a fonte e o modelo de uma grande porção de derivados latino actuais. Mesmo um exame superficial das palavras características que foram dadas irá mostrar quantos deles, e quantos formulários correspondentes, passaram para as línguas vivas. Para acompanhar esta questão em detalhe estaria fora de lugar aqui; mas seria fornecer um capítulo na história da linguagem, fecundo em resultados e até agora não escrita. Dentro de um leque mais limitado a autoridade das versões latinas é inegável, embora sua extensão é raramente realizado. A grande poder que eles tiveram para determinar os termos teológicos da cristandade ocidental dificilmente pode ser superestimada. De longe, a maior parte da terminologia doutrinária atual é baseado no Vulg., E, tanto quanto pode ser determinado, teve origem na versão latina.

Predestinação, justificação, supererrogação (supererogo), santificação, salvação, netdiaton, a regeneração, a revelação, a visitação (satisfeita.), Propiciação, aparecem pela primeira vez no Antigo Vulg. Graça, redenção, eleição, reconciliação, satisfação, inspiração, escritura, foram dedicados lá para um uso novo e santo. Sacramento ( μυστήριον ) e comunhão são da mesma fonte; e, embora o batismo é grega, vem a nós do latim. Seria fácil para estender a lista pela adição de ordens, penitência, Congregação, padre. Mas isso pode ser visto a partir das formas já transitados que as versões latinas deixaram sua marca tanto sobre a nossa língua e em nossos pensamentos; e se o método correto de controvérsia é baseada em uma percepção histórica clara da força das palavras, é evidente que o estudo da Vulg., porém muito negligenciada, nunca pode ser negligenciado impunemente. " Era a versão que só eles sabia que proferiu aos reformadores dos ricos depósitos de sabedoria medieval; a versão com a qual o maior dos reformadores foram mais familiar, e de onde tinham tirado seus primeiros conhecimentos da verdade divina.

Em seus aspectos mais importantes, da mesma forma, a influência que os latino versões da Bíblia têm exercido sobre o cristianismo ocidental é pouco menos do que o setembro sobre as igrejas gregas. Mas tanto o grego eo Vulgates Latina têm sido negligenciados. O renascimento das letras, trazendo com ela o estudo dos textos originais da Sagrada Escritura, marcada por um tempo o estudo destes dois grandes baluartes do grego e igrejas para os latino-a setembro, de fato, pertence sim para a história da cristianismo do que a história do judaísmo e, apesar de trabalhos recentes, a sua importância é ainda hoje quase não reconheci. No caso da Vulgata, controvérsias eclesiásticas ainda ter impedido mais de todos os esforços da crítica liberal. O romanista (até recentemente) considerado o texto Clementine como fixo além recurso; protestante encolheu de examinar um assunto que parecia pertencer peculiarmente ao romanista. No entanto, para além de todas as questões polêmicas, a Vulgata deve ter um profundo interesse por todas as igrejas ocidentais.Por muitos séculos, foi a única Bíblia normalmente usado; e, direta ou indiretamente, é o pai verdadeiro de todas as versões vernaculares da Europa Ocidental. A versão gótica de sozinho Ulphilas é independente dele, para o eslavo e modernas versões em russo, necessariamente, não são levados em conta. Com a Inglaterra tem uma ligação particularmente estreita. As primeiras traduções feitas a partir dele foram os (Lost) livros de Bede, e as glosas sobre os Salmos e Evangelhos do séculos 8 e 9 (ed. Thorpe, 1835 Lond., 1842). No século 10 Elfric traduzido porções consideráveis ​​do Antigo Test. (Ileptateuchus, etc, ed. Thwaites, Oxford, 1698). Mas o mais importante monumento de sua influência é a grande versão em Inglês Wycliffe (1324-1384, ed. Forshall e Madden, Oxford, 1850), que é uma tradução literal do texto Vulgata atual. Na era da Reforma da Vulgata era bastante o guia do que a fonte das versões populares.

 

As traduções romanistas em alemão (Michaelis, ed. Marsh, 2, 107), francês, italiano e espanhol foram naturalmente derivada da Vulgata (Simon, Hist. Crit. 100, 28, 29, 40, 41). De outro, a de Lutero (New Test., Em 1523) foi o mais importante, e neste Vulgata teve grande peso, apesar de ter sido feito com esse uso dos originais como era possível. De Lutero a influência do latim passou para o nosso próprio AV Tyndale havia passado algum tempo no exterior, e estava familiarizado com Luther antes: publicou sua versão do novo teste. em 1526 a versão de Tyndale do Antigo Test, que ficou inacabado em.; o tempo do seu martírio (1536), foi preenchido por Coverdale, e nesta a influência das traduções latinas e alemãs foi predominante. A prova disso permanece no Saltério da Oração-book, que foi feita a partir do "Grande Inglês Bible" (1539, 1540), e isso era apenas uma nova edição desse chamado Mateus, que se foi feita a partir de Tyndale e Coverdale . Esta versão dos Salmos segue o galicano Saltério, uma revisão do velho latim feita por Jerônimo e depois introduzidos em sua nova tradução, e difere em muitos aspectos do texto hebraico (por exemplo, Salmos 14). Seria fora do lugar para acompanhar esta questão em detalhes aqui. Basta lembrar que os primeiros tradutores da nossa Bíblia tinha sido familiarizado com a Vulgata desde a sua mocidade, e não poderia ter arrematar a influência da associação precoce. Mas as reivindicações da Vulgata para a atenção dos estudiosos descansar por razões mais amplas. Não é apenas a fonte de corrente nossa terminologia teológicas, mas é, de uma forma ou de outra, o mais importante testemunha cedo para o texto e interpretação de todo o bíblicos. Os materiais disponíveis para o estudo acurado de que são, infelizmente, neste momento tão escasso como aqueles que ainda não examinada são ricas e variadas.

 

  1. versões modernas da Vulgata.

 

 - As versões utilizadas na Igreja de Roma foram todas feitas a partir da Vulgata, de que a primeira tradução alemã foi impressa em 1466, o espanhol em 1478, eo italiano em 1471. nossos limites vontade permitem-nos apenas referir-se a que, em uso em Inglês, do qual o Antigo Test. foi impresso em Douai em 1609, eo Novo, em Reims em 1582 Isto é muito inferior em força e elegância de expressão para a AV de 1611, mas é altamente recomendável por sua precisão e fidelidade escrupulosa, que não pode ser dito de todas as traduções de Vulgata para outras línguas. Foi alterado e modernizado pelo bispo Challoner em 1749, quando o texto foi conformado ao da edição Clementine. Desde então, tem sofrido várias alterações sob os cuidados da hierarquia católica irlandesa, e tem sido, em alguns aspectos conformes à AV, mesmo em passagens que controversialists de uma época passada tinha estigmatizados como herético. Mas isso foi feito sem qualquer desvio em relação ao texto. Os tradutores originais, no entanto, aderiu tão servilmente a isso como empregar tais palavras bárbaras e frases como sindom ( Marcos 15:46Marcos 15:46 ), zealators ( Atos 20:20Atos 20:20 ), praefinition ( Efésios 3:11Efésios 3:11 ), contristate ( Efésios 4:30Efésios 4:30 ), agnition ( Filemom 1:16Filemom 1:16 ), repropitiate ( Hebreus 2:17Hebreus 2:17 ), com tais anfitriões Deus está promerited ( Hebreus 2:13Hebreus 2:13 ; Hebreus 2:16Hebreus 2:16 ), etc "No entanto, na justiça, deve-se observar que não caso de perversão intencional da Escritura já foi levada para casa para os tradutores Rhemish "(Scrivener, Suplemento para a Versão Autorizada ) . Sr. Scrivener acrescenta que "os teólogos Rhemish [que eram evidentemente homens de aprendizagem e capacidade] pode, ocasionalmente, fazer-nos um bom serviço, fornecendo alguma frase ou forma de expressão que havia escapado a diligência de seus antecessores mais conceituadas feliz" ( ibid. ) .

Os tradutores observar em seu prefácio que religiosamente manter a palavra frases de palavra ", por medo de perder ou restringindo o sentido do Espírito Santo para o fantasie"; na prova de que eles se referem a frases como τί ἐμοὶ καὶ σοί , γύναι , ( João 2: 4João 2: 4 ) "O que para mim e ti, mulher", que eles prestam explicá-lo na nota com a frase "Que tens tu a ver comigo?" .Mas Em algumas das edições modernas da versão Rhernish esta regra foi partiram eo texto alterado para "O que é que a mim ou a ti? " (Ed Dublin. 1791, 1824), ou "O que é para mim e para ti?" (Ibid 1820.); uma leitura inconsistente com a tradução das mesmas palavras em Lucas 8:28Lucas 8:28 . A interpolação foi removido na edição de Dr. Murray de 1825 Na nova versão dos quatro Evangelhos, por um católico (Dr. Lingard), as palavras são prestados, "Que tens tu a ver comigo?" A passagem inteira é assim prestados e comentado por Tittmalnn ( Meletemata Sacra ): " Missum me fac, o mea, Deixe isso para os meus cuidados, boa mãe. " Não é a linguagem de reprovação ou rejeição, mas sim de consolação e promessa. Isto se depreende das palavras que se seguem, a minha hora ainda não chegou ". Pois estas palavras, ele promete à mãe que no momento adequado ele vai satisfazer o seu desejo ... Mas nosso Senhor propositadamente atrasou sua assistência, que a grandeza do milagre pode ser o mais conhecido de todos. A denominação γύναι , que foi empregado por nosso Senhor em outras ocasiões também ( João 19:26João 19:26 ; João 20:15João 20:15 ), era muito honroso entre os gregos, que estavam acostumados a chamar suas rainhas por este título, e pode ser processado ' meu amado. '

Prof Moisés Stuart (Comentário sobre o Apocalipse, 1, 119) concebe que "na tradução de μετανο εῖτε por agite panitentiam ( Mateus 3: 2Mateus 3: 2 ), o mesmo espírito foi operacional que levou uma parte da Igreja nos tempos modernos para traduzir μετανοεῖτε por fazer penitência. " Mas a frase em latim Li Agere poenitentiam ", que também é encontrado no antigo Itálico, é, evidentemente, sinônimo de μετανοεῖν , "arrepender-se". "poenitentiam agité", diz Campbell, "foi .not originalmente um erro de tradução do grego μετανοεῖτε . " Dr. Lingard ( ut sup, ) torna "arrepender-se."

Referimo-nos a uma passagem, mais, muitas vezes opôs-se como uma prova de que a Vulgata foi alterado para servir a um propósito. Em Hebreus 11:21Hebreus 11:21 , a Vulgata lê, como a tradução de προσεκύνησεν ἐπὶ τὸ ἄκρον τῆς άβδου αὐτοῦ : adoravit fastigium virgse ejus ". adorou o topo de sua haste de [Joseph]" Se o presente apontamento do hebraico מַּטָּה ( Gênesis 47:31Gênesis 47:31 ) estar correta, dos Setenta, que o leu מִטֶּה , "uma equipe" ou "cetro", deve ter sido por engano, em que foram seguidos pela siríaco. Tholuck (Comentário sobre Heb.) É de opinião que os tradutores latinos não (como alguns supõem) negligenciar ἐπί , "em cima", e ele considera que esta preposição com o acusativo pode facilmente levar à aceitação em que é tomada pelo Vulgata, que é também adoptado por Crisóstomo e Teodoreto, que explicam a passagem como se Jacob tinha previsto a soberania de José, e deu uma prova de sua crença em que pelo ato de adoração na direção de seu cetro. Esta é, na opinião de Tholuck, posteriormente confirmado pela geralmente distribuídos lendo αὐτοῦ (a), não αὑτοῦ (sua própria); e duvida se o escritor inspirado da epístola não se então compreender a passagem do setembro como sendo o mais significativo. Mas deve-se admitir, com Tholuck, que "os polemistas protestantes, designaram muito injustamente esta passagem da Vulgata como um dos mais palpável de seus erros", deve-se ter em mente que Onkelos, Jonathan, Symmachus e Aquila seguir a leitura atual; para que Jerome também dá uma preferência decidida, observando-se (em Gênesis 47:31Gênesis 47:31 ), "Nesta passagem alguns vão afirmar que Jacob adorava o topo do cetro de José,... no hebraico a leitura é bastante diferente Israel adorava a. a cabeceira da cama (adoravit Israel anúncio caput lectuli).

fonte "Cyclopedia of Biblical, Theological e Literatura Eclesiástica 1870 /mauricioberwald.comunidades.net