Translate this Page

Rating: 2.6/5 (266 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


O NOVO TESTAMENTO ATRAVEZ DOS SECULOS
O NOVO TESTAMENTO ATRAVEZ DOS SECULOS

                               O NOVO TESTAMENTO ATRAVEZ DOS SECULOS

MAURICIO BERWALD

 

Novo Testamento é o nome que se dá ao conjunto de vinte e sete livros cristãos que fazem parte da Bíblia Sagrada. O adjetivo “novo” contrasta esta coleção de escritos cristãos com os trinta e nove livros da Bíblia Hebraica, que os cristãos chamam de “Antigo Testamento”. 

A palavra “testamento” quer dizer “aliança”. Deus havia feito uma aliança com o seu povo escolhido, o povo de Israel: eles seriam o seu povo, e ele seria o Deus deles (Gn 15.17-20; 17.1-14,21; 28.10-15). Por meio do profeta Jeremias, Deus prometeu  fazer uma nova aliança com o seu povo (Jr 31.31-34), e a sua promessa se cumpriu por meio de Jesus Cristo (Lc 22.20; Hb 9.15). Fazem parte do povo da Nova Aliança todos aqueles que aceitam e proclamam Jesus Cristo como o seu Salvador e Senhor.

 

Os primeiros seguidores de Jesus eram os judeus, a exemplo do próprio Jesus. E todos eles tinham as Escrituras do Antigo Testamento como a sua Bíblia. Os escritores dos livros do Novo Testamento (“Nova Aliança”) usavam o Antigo Testamento para mostrar que, por meio de Jesus Cristo, Deus havia cumprido as promessas que ele havia feito ao seu povo. O próprio Jesus fez isso, como se vê claramente em Lucas 24.25-37, 44-47.

 

Todos os Livros do Novo Testamento foram escritos em grego, o grego coinê (“comum”), que era falado em todo o Império Romano. E, quando os autores citavam  o Antigo Testamento, eles se valiam da Septuaginta, a tradução das Escrituras Hebraicas pra o grego que tinha sido feita no terceiro século antes de Cristo. Em vários lugares a Septuaginta diverge do texto hebraico, como mostra, por exemplo, a citação do Sl 40.6 em Hb 10.5.

 

Os títulos “Antigo Testamento” e “Novo Testamento” só começaram a ser usados pelos cristãos no fim do segundo século depois de Cristo.

 

 onteúdo do Novo Testamento

 

Os livros do NT se dividem em quatro grupos:

 

1- Evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João.

 

2- Histórico: Atos dos Apóstolos.

 

3- Cartas (21): 

 

  1. a) Treze cartas de Paulo: Rm; 1 e 2Co; Gl; Ef; Fp; Cl; 1 e 2Ts; 1 e 2Tm; Tt e Fm.

 

  1. b) A carta aos Hebreus 

 

  1. c) Sete cartas gerais: Tg; 1 e 2Pe; 1,2 e 3Jo; Jd. 

 

4- O Apocalipse 

 

O texto do Novo Testamento 

 

 

Todos os vinte e sete livros do NT foram escritos em grego, durante a segunda metade do primeiro século da era cristã. O primeiro a ser escrito foi, ao que parece, a Primeira Carta de Paulo aos Tessalonicenses, lá pelo ano 50 dC. Acredita-se que o último a ser escrito foi o Evangelho de João, perto do fim do primeiro século dC.Todos os documentos originais (chamados de “autógrafos”, que quer dizer “escrito pelo autor”) se perderam. O que temos são cópias de cópias, feitas à mão. As cópias mais antigas são do segundo século da era cristã. Ao todo, existem mais de cinco mil manuscritos gregos preservados, embora somente uns duzentos sejam cópias completas do NT. Mesmo assim, temos mais e melhores manuscritos do NT do que qualquer outro livro da antiguidade. Isso quer dizer que, no que diz respeito ao texto original, estamos certos em pelo menos 99% do NT.

 

Para se editar um NT grego, trabalha-se com todos os manuscritos gregos disponíveis. Também se leva em conta as traduções mais antigas feitas para o latim, o siríaco, o copta, o etíope, o armênio e outras línguas. Essas traduções são importantes na medida que refletem o original grego a partir do qual foram feitas. Além disso, há milhares de citações do NT feitas por autores cristãos durante os primeiros três ou quatro séculos da era cristã. 

 

 

Cânon do Novo Testamento 

 

“Cânon” vem da palavra grega “kanon”, que quer dizer “regra”, “medida”, “norma”. Os vinte e sete livros do NT foram escritos num período de mais ou menos cinqüenta anos, mas demorou bastante tempo até que houvesse um acordo geral sobre quais livros mereciam a confiança e seriam a norma para a fé e a conduta dos seguidores de Cristo.

Pouco a pouco, os livros foram sendo aprovados. Já no segundo século, havia clareza quanto aos quatro Evangelhos e algumas Cartas do apostolo Paulo. No fim do terceiro século, havia um consenso geral quanto ao número dos livros, mas somente no quarto século é que houve unanimidade completa: eram vinte e sete livros, nem mais nem menos, para mostrar o que os cristãos precisam crer e como devem viver.

 

  O mundo do Novo Testamento 

 

Situação Política:

 

Quando Jesus nasceu, a terra de Israel fazia parte do Império Romano e era governada pelo rei Herodes, o Grande (47-4 aC). Depois da morte de Herodes (Mt 2.19-21), o reino foi dividido entre os seus filhos: Arquelau, tetrarca da Judéia e Samaria (Mt 2.22); Herodes Antipas, tetrarca da Galiléia e Peréia (Lc 3.1), e Filipe, tetrarca da Ituréia, Traconites e outras regiões orientais do norte (Lc 3.1).

No ano 6 dC, Arquelau foi deposto pelo Imperador Augusto, e dali em diante a Judéia foi governada por Procuradores romanos. Um deles, Pôncio Pilatos, governou de 26 a 36 dC.

 

Embora as autoridades romanas procurassem fazer um governo justo, para muitos judeus era intolerável que o povo de Deus fosse dominado por pagãos. Os membros do partido de Herodes (Mt 22.16; Mc 3.6; 12.13) queriam que um dos descendentes do rei Herodes governasse, em vez do Governador romano. E os nacionalistas (Lc 6.15; At 1.13) – também conhecidos como “zelotes” – queriam levar os judeus a se revoltarem contra Roma. Finalmente, em 66 dC, estourou a revolta, que durou até o ano 70, quando os romanos destruíram Jerusalém e o Templo.Diante disso, muitos judeus deixaram a Palestina e passaram a viver no mundo gentio, aumentando assim o número de judeus que faziam parte da “Dispersão” (a Diáspora). Em vez do Templo, as Sinagogas se tornaram o centro principal do Judaísmo, e, antes do fim do primeiro século dC, o cânon da Bíblia Hebraica (AT) foi fixado.Para os cristãos daquele tempo, o poder de Roma foi um beneficio. As excelentes estradas facilitavam as viagens dos missionários cristãos que saíram a levar o evangelho a todos os povos. As autoridades romanas tinham classificado o Judaísmo como uma “religião lícita” e, por extensão, fizeram a mesma coisa com a religião cristã. Não era contra a lei romana ser um cristão. 

Mas, no fim do primeiro século, Roma começou a exigir que todos os cidadãos do Império confessassem que o imperador era divino. Isso os seguidores de Jesus não podiam fazer e, por isso, eles foram perseguidos e mortos. Foi nesse tempo que o último livro do NT, o Apocalipse, foi escrito.

 

 Situação Religiosa:

 

No primeiro século da era cristã, Jerusalém era a cidade de Deus, e o Templo era onde ele se fazia presente entre o seu povo. Ali, os judeus ofereciam os seus sacrifícios. Jerusalém era o palco das grandes festas religiosas, com destaque para a Páscoa, a Festa da Colheita e a Festa das Barracas. Nessas ocasiões, todos os homens judeus deviam ir a Jerusalém e participar dessas festas (Dt 16.16,17).O Sumo Sacerdote ocupava o mais alto cargo na hierarquia religiosa dos judeus. Ele era o presidente do Conselho Superior, integrado por setenta e um membros, inclusive o presidente. Uma vez ao ano, no Dia do Perdão, ele entrava no Lugar Santíssimo do Templo e ali oferecia sacrifícios para conseguir o perdão dos seus próprios pecados e dos pecados do povo de Israel.

 

Na época de Jesus, o Sumo Sacerdote era Caifás (de 18-36 dC), genro de Anãs, que tinha sido o Sumo Sacerdote antes dele (Lc 3.2).Outros membros do Conselho Superior eram os “chefes dos sacerdotes”, membros de famílias sacerdotais importantes.Os sacerdotes eram descendentes de Arão, bisneto de Levi, filho de Jacó. Eles ofereciam os sacrifícios no Templo de Jerusalém. Os levitas, auxiliares dos sacerdotes, eram descendentes de Levi, mas não de Arão. Além de ajudarem os sacerdotes a oferecer os sacrifícios, eles formavam a guarda do Templo, para manter a ordem e defender o Templo contra qualquer ataque. 

 

Partidos Religiosos e Políticos 

 

Fariseus:

 

Um dos principais grupos religiosos dos judeus. Eles seguiam rigorosamente a Lei de Moisés, as tradições e os costumes dos antepassados (Mt 9.11,14; 12.1,2; 19.3; Lc 18.11,12; At 15.5). Eles foram contra Jesus (Mt 9.34; 12.14; 16.1-12; Jo 9.17; 11.47,48,57), mas alguns deles o trataram com respeito e cordialidade (Lc 7.36-50; 11.37; Jo 3.1; 7.50,51; 19.39,40). O apostolo Paulo foi criado fariseu (At 23.6; 26.5; Fp 3.5,6) e aluno do renomado mestre fariseu Gamaliel, de Jerusalém (At 22.3).

 

Mestres da Lei: 

Judeus eruditos que eram mestres das Escrituras hebraicas, especialmente dos livros da Lei de Moisés, os primeiros cinco livros da Bíblia. Estes homens esclareciam dúvidas sobre o que as Escrituras Hebraicas querem dizer, citando opiniões dos famosos mestres judeus do passado. Eram chamados de “Rabi” (ou “Rabôni”), que quer dizer “Meu Mestre” (Mt 2.14; 5.20; 7.29; 15.1,2; 22.25; Mc 1.22; Lc 7.30; 10.25; 11.45,46,52; At 5.34).

 

 

Nacionalistas: 

Partido de judeus que lutavam contra o domínio romano (pagão) na terra de Israel (Lc 6.15 e At 1.13).

 

Nicolaítas:

 

Seguidores de uma seita herética que perturbavam as igrejas em Éfeso e de Pérgamo (Ap 2.6,15)

 

 Partido de Herodes:

 

Judeus que preferiam ser governados por um descendente do rei Herodes, o Grande,em vez de um governador romano, como Pôncio Pilatos (Mt 22.16; Mc 3.6; 12.13).

  

Saduceus:

 

Um pequeno mas poderoso grupo religioso dos judeus. Faziam partes desse partido os sacerdotes e as pessoas ricas e de influência de Jerusalém (At 5.17). Eles baseavam seus ensinamentos principalmente nos primeiros cinco livros do Antigo Testamento. Não acreditavam na ressurreição, no juízo final ou na existência de anjos (Mt 22.23-33). Os saduceus não se davam bem com os fariseus (Mt 22.23-32; At 23.6-9), mas às vezes se juntaram com eles contra Jesus (Mt 16.1-4).

 

 Samaritanos:

 

Pessoas nascidas em Samaria, região que ficava entre a Judéia e a Galiléia. Os judeus e os samaritanos n ao se davam por causa de diferenças de raça, religião e costumes (Mt 10.5; Lc 9.52,53; 17.15-18; Jo 4.7-9,20; 8.48).

 

Fonte:

 

Bíblia de Estudo NTLH

 

O novo testamento foi escrito dentro de um período de 56 anos,vários seculos depois que o antigo testamento foi completado.Ambas as partes dessa declaração seriam questionadas por críticos modernizados,que aumentariam o intervalo de tempo para a completação de ambos os testamentos.Entretanto,o escritor deste ensaio está seguro de sua autenticidade aos fatos históricos.Além disso,o método usado para a canonização está solidamente baseado naquela dupla premissa.Em relação ao tempo,o antigo testamento está tão distante de nós que sua formação como escriturístico poderia ser considerada longiqua demais para a atestação de seu conteudo.Tal é o caso.Em certo sentido,temos atestações muito maiores para o canon do antigo testamento do que para o canon do novo testamento.O Canon do (A.T),para uma explicação precisa.Referimos-nos ao fato do própio imprimátur de nosso Senhor,pela maneira como fez uso das e Escrituras hebraicas como a Palavra autoritaria de Deus.(notas,Milton Fisher,a origem da biblia,pp,85)

 

Não obstante,há um sentido no qual Jesus realmente oficializou o conteudo ou canon do novo testamento:O canon do novo testamento continuação:pela via da antecipação.Foi Eele quem fez estas promessas:o “consolador,o Espirito Santo,que o Pai enviará em meu nome,vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo quanto  vos tenho dito “”e “ele vos guiará em toda verdade”JO 14.26,16.13).A partir disto podemos inferir,ao mesmo tempo,o principio básico da canocidade para o novo testamento.É idêntico ao do antigo testamento,visto que se restringe á questão da inspiração divina.Quer penssemos nos profetas dos tempos do (AT),ou nos apóstolos e seus companheiros dados por Deus nos dias do (NT),o reconhecimento na própia época de seus escritos-de que eram autênticos porta-vozes de Deus-é o que determina a canocidade intrínseca de seus registros.É inteiramente a Palavra de Deus,somente se for respirada por Deus.

 

Podemos estar certos de que os livros em questão foram recebidos pela igreja dos tempos apostólicos,precisamente no momento em que foram atestados por um apóstolo como sendo dessa maneira inspirados.A variação evidente relativa á área geográfica,no reconhecimento de algumas cartas do novo testamento,pode muito bem ser o reflexo do simples fato de que,em princípios,essa atestação era por sua própia natureza localizada.De maneira inversa,o fato de cada um dos 27 livros do novo testamento hoje universalmente aceitos ter recebido aprovação definitiva é prova de que a atestação apropiada era dada somente depois de rigorosa investigaão.(notas,IBID,pp86).

 

 Tertuliano,notável escritor cristão das primeiras duas das décadas do século 3°,foi um dos primeiros a chamar as Escrituras cristãs de “novo testamento”.Esse titulo havia aparecidado antes(190 d.c0em uma composição feita contra o montanismo,de autor desconhecido.Esse fato é significativo.Seu uso colocou as Escrituras do novo testamento em um nível de inspiração e autoridade igual ao antigo testamento.Partindo de informações disponíveis,o processo gradual que conduziu ao completo e formal reconhecimento público de um Canon estabelecido em 27 livros,formando o (N.T) ,lava-nos ao século 4° de nossa era.Isso não significa necessariamente que antes desse período estivesse faltando reconhecimento para a integridade destas Escrituras,mas que a necessidade de uma definição oficial do Canon não foi premente até então.Ánalogo a isso seria o modo como certas doutrinas teológicas foram enunciadas em determinados períodos da histeria da igreja,como por exemplo as formulaçãoes da justificação pela fé na época da reforma.

 

 O fato de Tertuliano ser acreditado por alguns como o primeiro a definir  a Trindade,evidentemente não significa que a doutrina do Deus trino tenha vindo á existência naquele ponto da história ou que a bíblia não contenha essa verdade.Da mesma forma,o novo testamento,que foi realmente completado com a redação de sua porção final(o que necessariamente não é o livro de apocalipse),não constitui Escritura por declarações de homens,quer falando individualmente quer coletivamente.(notas IBID,pp87) 

Ainda que o novo testamento seja em grande parte o correlativo e o complemento da revelação do antigo testamento,sua estrutura formal é um tanto quanto diferente.O principio organizacional do Canon do antigo testamento é,em essência,similar a um documento do concerto.O Pentateuco,em particular,compartilha do padrão estabelecido em outros tratados e acordos escritos no antigo Oriente,foi obviamente levado para o novo testamento.Embora um período de tempo muito mais curto esteja envolvido nos escritos do novo testamento,o alcance geográfico de sua origem é muito mais amplo.Essa circunstancia jê é sufuciente para justificar a falta de reconhecimento espontâneo ou simultâneo da extenção precisa do Canon do novo testamento.Por causa do isolamento geográfico dos vários destinatários das porções do novo testamento,houve espaço para atraso e incerteza de uma região para a outra no reconhecimento de alguns livros.(notas,IBID,pp87)

 

A fim de apreciarmos exatamente o que aconteceu,de fato,no processo de canonização dos livros do novo testamento,devemos rever os fatos que nos estão disponíveis.Isso nos capacitará analizar como e por que nossos antepassados cristãos nos deixaram como legado os 27 livros em nosso novo testamento.O processo histórico foi gradual e continuo,mas teremos facilidade em entende-lo se subdividirmos esse ciclo de quase três séculos e meio em períudos de tempo mais curtos.Alguns falam em três estágios principais para canonização.Isso implica,sem o menor fundamento,que há etapas facilmente discerníveis ao longo do precesso.Outros simplesmente apresentam uma longa liste de nomes de pessoas e documentos.Mas tal lista torna absolutamente difícil perceber alguma mudança de posição.Neste ensaio,faremos uma divisão um tanto quanto arbitaria em 5 periodos,com o lembrete  de que a expanção do conhecimento da literatura sagrada e o veemente consenso em relação a sua autenticidade como Escritura inspirada continuam ininter-ruptamente.Os períodos são:

 

 

1°.Século 1°                 2°Primeira Metade do Século

 

3.Primeira e   Segunda Metade do Século 3°             4°Século 

 

Mais uma vez,sem querer fazer supor que essas sejam etapas claramente delineadas,será útil notas as principais tendências observáveis em cada um dos períodos supracitados.No promeiro período,naturalmente ,muitos livros foram escritos,mas também jê começaram a ser copiados e divulgados pelas igrejas.No segundo ,á medida que iam se tornando cada vez mais conhecidos  e apreciados pelo que continham,passaram a ser citados como fonte de autoridade.Pelo fim do terceiro período,já detinham um lugar reconhecido ao lado do antigo testamento como”escritura”,quando então passaram a ser traduzidos.Durante o século 3°,nosso quarto período,a compilação de livros em um “novo testamento”,completo estava em andamento,juntamente com um processo de seleção que os ia distinguindo das outras literaturas cristãos.O canon do novo testamento continuação.

 

 Para a finalidade desse artigo adotamos as conclusões gerais do conhecimento conservador do NT em relação á origem individual de cada livro.Se alguém penssasse que a antiga opinião liberal do Evangelho  de João é uma produção do final do século 2°,descartaria naturalmente a sua autoria apostólica.Felizmente,essa opinião  tem sido convenientemente desaprovada e nosso estudo poderá ser baseado na conclusão de que o evangelho de joão ,assim ,como os Sinóticos,pertencem ao seculo 1°.O caso é que a introdução geral que analisa o cânon também deve estar parcialmente baseada em uma introdução especial que considerada,em detalhes,a data e a autoria de cada livro.Quanto a detalhes,podem ser feitas referencias a artigos existentes nos própios livros.(notas dic,Wycliff). 

Existem consideraveis evidencias disponiveis para o estudo do uso e aceitação primitivas dos livros do NT .O primeiro testemunho  vem dos dias em que João,o ultimo apóstolo que restara,ainda estava vivo.Uma extensa carta foi escrita por Clemente de Roma,em aproximadamente,95 d.c.Sa cartas Ignacio  e de Policarpo apareceram poucos anos depois.Provavelmente,esses homens haviam conversado com um ou mais apóstolos.Eles ficaram conhecendo em primeira mão,alguns de seus escritos originais.(ibid,dic,Wycllif).

 

                                      Testemunho antigo dos pais da igreja

 

Por causa da natureza perecivel de material de escrita e por se tratar de um periodo de perseguição durante o qual os escritos cristãos,e poucos coincididos que parcialmente com a vida dos apóstolos sobreviveram até nós.Mas,embora sejam poucos numerosos,oferecem testemunho inabalavel da existencia,nos dias deles,de um grupo de escritos autorizados que os cristãos ou referencia a Escrituras,ou por declarações diretas,ou,mais frequentemente,por meio de citação ou referencia a escritos, a escritos especificos como "Escrituras".Tais escritos posteriormente tornam-se parte do canon oficial do NT.Por exemplo.(notas, manual  biblico Halley,pp.844) 

 

                             Periodo primeiro: Seculo 1°

 

O propio que determina o reconhecimento da autoridade dos escritos canônicos do NT foi estabelecido dentro do própio conteúdo desses escritos.Há repetidas exortações para leitura pública das menssagens apostólicas.No fim da primeira carta aos Tessalonissensses,possivelmente o primeiro livro do NT a ser escrito(1°TESS5.27).Três  capitulos antes,na mesma carta,Paulo os recomenda a aceitarem sem detença suas palavras faladas como"Palavra de Deus"(1°tess2.13).e,em 1°cor 14.37,o apóstolo fala do modo semelhante acerca de seus"escritos",insistindo que sua menssagem deveria ser reconhecida como mandamento do Senhor(col 4.16 ap 1.3).Em 2 pedro 3.15,16,as cartas de Paulo são concluidas com"as outras Escrituras".Considerando que Pedro é uma carta geral,é inferido desse modo um amplo e difundido conhecimento das cartas de Paulo.É  também grandemente sugestivo a pratica de Paulo em 1°TM5.18.O apostolo dá  seguimento á formula "diz a Escritura"com uma citação combinada com "não atarás a boca ao boi"(DT25.4)e"digno é o obreiro de seu salário"(LC10.7).Assim,é implicada uma equivalencia entre a Escritura do antigo testamento e um evangelho do novo testamento.(notas ,a origem da biblia,Mylton Fisher,pp.89).

 

                                              Primordios ano 50 d.c 

 

Na época do Concilio de Jerusalém,ou seja,por volta do ano 50,não havia ainda sido escrito nenhum dos livros do novo testamento.A igreja,para conhecimento da vida e dos ensinos do Salvador,dispunha tão somente das memórias dos primeiros discipulos.Entretanto,antes do final desse periodo,ano 68,grande parte dos livros  do NT já estava circulando,até mesmos os evangelhos de Mateus,Marcos, e Lucas e as cartas de Paulo,Tiago,1°Pedro e,talvez,2°Pedro,embora questões tenham sido levantadas quanto á autoria dessa ultima.Deve-se lembrar que é ´possivel que a carta aos Hebreus tenha sido escrita depois da morte de Paulo  não sendo,de sua autoria.(notas história da igreja, Jesse Lyman Hurlbut,pp.46,1970). 

 

                                                   Primórdios 80-85 d.c 

 

O material das cartas do NT também possui,desde o principio,certa reinvidicações se não de inspiração  pelos menos de ser um ensino autoritativo e adequado sobre questões de doutrina e conduta,não obstante,é igualmente claro que nenhuma carta  foi escrita para outros recipientes que não os especificados e dentro de especificas situações históricas.A coleção de um conjunto de cartas evidentemente só foi feita depois do falecimento de Paulo:o o conjunto paulino é textualmente homogêneo,e há evidencias bastante convenientes em favor da sugestão que foi mais completamente desenvolvida por I.J.Goodspeed,de que sua coleção foi um ato unico  numa data especifica(provavelmnte 80-85 d.c),em contraste com o ponto de vista  mais antigo,de Harnak,de que tal conjunto cresceu lentamente .Tal conjunto desde o inicio certamente  desfrutou de alto  conceito como corpo  de literatura cristã autoritativa.Seu impacto sobre a igreja,no fim do primeiro século ou no inicio do segundo  de nossa e,torna-se claro pela doutrina,linguagem  e forma de literatura desse periodo .(notas,nov.dic,da biblia,pp.203).

 

Não existe evidencia correspondente  em prol  de qualquer conjunto  semelhante  de escritos não- paulinos  em date tão recuada,e nem parece  que o livro de atos tenha  sido produzido  primariamente para servir  de documento de ensino.O apocalipse de João,pelo contrario,apresenta a mais clara  reinvidicação de inspiração  divina dentre todos  os documentos do NT,e na literatura neotestamentaria é o unico exemplo das asseverações e visões dos profetas do NT.Assim é que temos no própio NT,diversas instancias claras de material cristãos,mesmo no seu estagio oral,considerando como autoritativo e em algum sentido sagrado:no entanto em nenhum caso qualquer  escrito reinvidica ,implicantemente que só ele preserva a tradição certa.Nesse estagio nenhum sentido escrituristico,uma lista fechada a qual não  possam ser feitas  adições.Isso parece dever-se  a dois fatores :a existencia de uma tradição ora,e a presença de apóstolo,discipulos,e profetas que eram a fonte e os interpretes das tradições sobre o Senhor Jesus.( notas,ibid,dic,vida nova,pp.203).

 Em 95 d.c ,Clemente de Roma escreveu aos cristãos em Corinto usando uma tradução livre do material de Mateus e Lucas.Parece que foi fortemete influenciado pelo livro de Corinto.Há também reflexões de 1°Timótio,tito,1°Pedro e Efésios.

 

 

 

                               Periodo segundo:inicio do segundo seculo        

 

1.Clemente,na sua carta aos corintios(95 d.c),cita Mateus,Lucas,Romanos,corintios,Hebreus,1°Timótio,1°Pedro ou se refere a ele.      

 

 2.Policarpo,na sua carta aos Filipensses(110 d.c),cita Filipensses e produz frases de nove outras cartas de Paulo e de 1°Pedro.

 

 3.Inacio,nas suas sete cartas,escritas por volta de 110 d.c ,durante sua viagem de Antioquia a Roma para ser martirizado,cita Mateus,1° Pedro e 1° João e nove das cartas de Paulo,suas cartas também revelam o efeito dos outros três evangelhos. 

 4.Papias(70-155 d.c),aluno do apóstolo João,escreveu uma explicação dos discursos do Senhor,na qual cita João e registra tradições a respeito da origem dos evangelhos segundo Mateus e Marcos.

   5.O didaquê,escrito entre 80 e 120 d.c,contêm 22 citações de Mateus,tem referencias a Lucas,João,Atos,Romanos,Tessalonissensses e 1°Pedro e fala do"evangelho'como um documento escrito.

 6.A carta de Barnabé,escrita entre 90 e 120 d.c,cita Mateus,João,Atos,e 2°Pedro e emprega a expressãp"esta escrito",fórmula usualmente aplicada somente ás Escrituras.Existem muitos outros exemplos semelhantes.Ao todo,abrangem todos os livros do NT,embora vários deles tivessem sido colocados"em dúvida' em algumas regiões até ao século 4°,quando,então,o imperador Constantino promulgou seu Edito de Tolerancia.(notas,Manual Biblico Halley,pp.845).                                                       

 7.O herético Marcião,com seu ato de definir um canon limitado para o uso própio(140 d.c),na realidade instigou os crentes ortodoxos a se manifestarem sobre o assunto.

8.Justino,perto do fim desse periodo,do 1°seculo,Justino Martir,ao descrever cultos de adoração da igreja Primitiva,pôs os escritos apostólicos no mesmo nivel que os escritos proféticos do AT.

  

                                   Periodo três:segunda metade do século 2° 

 

1.Irineu foi privilegiado ao começar seu treinamento sob orientação de Policarpo,discipulo dos apóstolos.Irineu fez citações de quase a totalidade do NT como base de autoridade e asseverou que os apostolos tinham recebido poder do alto.(notas,a origem da biblia,Mylton Fischer,pp.93).

 2.Taciano,discipulos de Justino Martir,fez uma harmonia dos evangelhos,conhecida como"diatessaron",atestando o mesmo status que os quatro livros mantinham na igreja por volta de 170 d.c.Por este tempo,outros "evangelhos" tinham começado a surgir,mas esse disciplulo reconheceu apenas quatro.(notas,ibid,pp93)

 3.Canon muratório,também datado  cerca de 170,uma cópia desse documento,datada do seculo 8°,foi descoberto e publicado em 1740 por um bibliotecario chamado L.A.Muratori.O fragmento começa Lucas e João,cita Atos,as 13 cartas paulinas,Judas,1° e 2°João e Apocalipse. 

4.Versões traduzidas já existiam nesse periodo.Na forma de traduções siricas e em latim antigo,asseguramos,por volta de 170 d.c,atestação adequada proveniente de ramificações da igreja do Extremo Oriente e do Ocidente,assim como podemos contar com outras evidencias em mãos.Desse modo,o canon do novo testamento apresenta-se sem edições e com a omissão de apenas um livro 2° Pedro.(ibid,pp.93). 

 

                                                  Periodo quarto;século 3°

 

1.Origenes (185-254 d.c),fpoi promoroso erudito e exegeta,fez estudos críticos do texto do NT(em comparação com sua obra sobre a  Hexala) e escreveu comentarios e homilias sobre a maioria dos livros do novo testamento,enfatizando sua inspiração divina.(notas,ibid,pp.93,4)                        

 

2.Dionisio de Alexandria,discipulo de Origenes,menciona que,enquanto a igreja ocidental desde o inicio aceitava o livro de Apocalipse,sua situação na igreja oriental era variavel.No caso da carta aos Hebreus,as circunstancias eram reversas.Revelou ter uma posição mais insegura no Ocidente do que no oriente.Quando chega a vez dos outros livros disputados,entre  as assim chamadas"cartas católicas",Dionisio aprova Tiago e 2° e 3°,mas não 2° Pedro ou Judas(note ,incidentemente,que todos nessa categoria t~em a última posição em nossas biblias atuais-de Hebreus a Apocalipse).Em outras,mesmo ao final do século 3°,havia a mesma falta de finalidade com relação ao canon como em seu inicio.(notas,ibid,pp.95) 

  

                                            Periodo cinco;seculo 4° 

 

 Já no inicio desse periodo,o quadro começa a ficar claro.

 

1.Eusébio de Cesaréia(264-340),era bispo da Cesaréia.Foi o primeiro grande historiador da igreja,e devemos a ele boa parte de nosso conhecimento acerca do que acontece durante os primeiros séculos da igreja cristã.Eusébio viveu a perseguição dos cristãos por Diocleciano e foi preso nesse periodo,que foi o derradeiro esforço de Roma para apagar o cristianismo do mapa.Um dos objetivos especiais de Diocleciano era a destruição de todas as Escrituras cristãs.No periodo de 10 anos,os agentes de Roma buscavam biblias para serem queimadas nas praças públicas.Para os cristãos,não era questão secundaria saber exatamente quais os livros compunham suas Escrituras.(notas,manual biblico Halley,pp.845).

 

A vida de Eusébio continuou no reinado do imperador Constantino,que aceitou o cristianismo,Eusébio passou a ser um dos principais conselheiros evangelicos de Constantino.Um dos primeiros atos de Constantino como imperador foi  foi encomendar 50 biblias para as igrejas de Constantinopla,e serem preparadas por copistas peritos,sob orientação de Eusébio,no pergaminho mais fino.As biblias seriam levadas de Cesaréia para Constantinopla em carruagens reais.De quais livros se constituia lo NT de Eusébio?Exatamente os mesmos que agora  temos em nosso NT,Eusébio,por meio de pesquisas extensivas,informou-se a respeito  de quais livros  que eram geralmente aceitos pelas igrejas.Na obra "história eclesiastica",escreve a respeito de 4 classes de livros:

 

1.Os livros universal aceitos.

 

2.Os livros"disputa":Tiago,2°Pedro,2 e 3 João,os quais embora estivessem incluidos nas biblias que ele mesmo mandara copiar,tinha sido colocados em duvida por alguns. 

3.Os livros"espurios',entre os quais menciona atos de Paulo o pastor de Hermas,o apocalipse de Pedro,a carta de Barnabé,e o didaque. 

4.As 'falsificações dos hereges",o evangelho de pedro,o evangelho de tomé,o evangelho de marcião,atos de Andre e atos de João.                                                         

 

 

  2.Atanasio de Alexandria,é na ultima metade do seculo 4° que encontamos plena e completa declaração sobre o canon do novo NT.Em sua Carta festiva,para pascoa de 367 d.c,o bispo Atansio incluiu informações designadas a eliminar,de uma vez por todas,o uso de certos livros apócrifos.Essa carta-que contém a advertencias:"que ninguém acrescente nenhum a estes,que nenhum seja tirado"-é o mais antigo documento existente que especifica individualmente e sem qualquer restrição os nossos 27 livros.

 

3.Concilio de Cartago(397 d.c),o concilio de Cartago estabeleceu formalmente o canon do NT ao ratificar os 27 livros do NT conforme conhecemos expressou o que já fora decidido pelo julgamento unânime das igrejas e aceitou o livro que estava destinado a se tornar a herança mais preciosa da raça humana.        4.Edito de Milão,o subito avanço do Cristianismo no periodo de Constantino(edito de Milão,313 d.c) teve muito a ver a recepção no Oriente de todos os livros do novo testamento.Quando o imperador incumbiu Eusébio com a tarefa de preparar,50 exemplares das Escrituras Divinas",o historiador,plenamente a par de quais eram os livros sagrados,pelos quais muitos crentes estavam prontos a sacrificar a própia vida,na verdade estabeleceu o padrão que deu reconhecimento a todos os livros que antes eram disputados.No oriente,Jeronimo e Agostinho foram lideres que exerceram uma influencia decisiva.A publicação dos 27 livros na versão Vulgata virtualmente pôs fim o cas.(notas,Mylton Fischer,a origem da biblia,pp.95).

  

                                     Principios e fatores que determinam o Canon 

 

 

Por sua própia natureza,Escritura Sagrado,quer do AT ,quer o NT,é uma produção de Deus-não é obra da criação humana.A chave para a canocidade é a inspiração divina.O método de determinação não há outros candidatos),mas o do recebimento de material autêntico e seu consequênte reconhecimento por um grupo de pessoas sempre crescente,á medida que os fatos de sua origem vão se tornando conhecidos.Em certo sentido,o movimento de Montano,que foi declarado herético pela igreja de seus dias(meados do século 2°,serviu de impulso para o reconhecimento de um canon concluso da Palavra de Deus.

 

A reforma Protestante:quando na reforma Protestante todas as coisas foram reexaminadas,alguns dos reformadores buscaram meios que lhe reafirmassem,bem como a seus seguidores,o canon das Escrituras. 

 

                                                    NOVO TESTAMENTO

                                                                                                   Tessalonicenses................................................. 51 d.C.-2 Tessalonicenses.................................................        52 d.C.-1 Coríntios............................................................         56d.C.-2 Coríntios............................................................         57d.C.-Gálatas.................................................................      57d.C.-Romanos...............................................................     58 d.C.-Mateus..................................................................      60 d.C.- Efésios..................................................................      61 d.C.-Tiago.....................................................................     61 d.C.- Filipenses..............................................................     62 d.C.-Colossenses...........................................................    62 d.C.- Filemom...............................................................       62 d.C.-Lucas....................................................................      63 d.C.- Hebreus................................................................      63 d.C.-Atos dos apóstolos............................................... 63 d.C.- 1 Timóteo.............................................................         64 d.C.- 1 Pedro.................................................................         64 d.C.- Tito.......................................................................      65 d.C.- Marcos..................................................................      65 d.C.-2 Pedro..............................................................            64/5 d.C.-2 Timóteo.............................................................         67d.C.-Judas....................................................................      70 d.C.-João (Evangelho).................................................      85 d.C.-1 João...................................................................         90d.C.-2 João...................................................................         90 d.C.-3 João...................................................................         90 d.C.-Apocalipse............................................................      96d.C.2.  Patriarcas

 

 

.  Os principais já foram mencionados nos períodos estu­dados. Os cabeças das 12 tribos estão entre os patriarcas (At 7.9). José morreu no Egito. Não houve tribo com esse nome. Seus dois filhos Efraim e Manasses deram nomes a duas tribos e ocuparam os territórios que seriam de Levi (que não teve território, mas, cidades) e José.3.  SacerdotesVer a lista em 1 Crônicas 6.1-15 e Neemias 12.11,22.4.  ReisOs três principais reis de Israel já foram mencionados. O reino do Sul (Judá), teve 19 reis. O primeiro foi Roboão (933-911 a.C), e o último Zedequias (597-586 a.C).5.  Profetas  Devemos banir do nosso pensamento a idéia popular de que o principal serviço do profeta era predizer. No original, profeta não significa "aquele que prediz", mas "aquele que fala em lugar de outro, por outro". Infelizmente, a ordem dos profetas em nossas Bíblias, não é a cronológica em que eles ministraram, o que origina não pouca confusão, mas, por certo, isto também tem sua vantagem.Profetas literários em ordem cronológica, quanto ao ca­tiveiro e pós-cativeiro dos judeus.

 

 (Profetas literários são os que escreveram suas profecias.)Profetas antes do cativeiroReino de Israel- Jonas (enviado à Assíria)- Oséias- Amos (natural de Judá) Reino de Judá- Miquéias (natural de Judá)- Joel- Isaías- Miquéias (ministrou aos dois reinos)- Sofonias- Naum (profetizou contra a Assíria)- Jeremias (parte do seu ministério)- Habacuque- Obadias (profetizou contra Edom) Profetas durante o cativeiro de Judá- Jeremias, na Palestina, entre o remanescente deixa­do.- Ezequiel, em Babilônia, entre os cativos, no campo.- Daniel, em Babilônia, no palácio real. Profetas do pós-catiueiro- Ageu- Zacarias- Malaquias.(NOTAS,A BIBLIA ATRAVEZ DOS SECULOS,Antonio Gilberto,cpad) 

  

                           LISTA DE MANUSCRITOS DO ANTIGO E NOVO TESTAMENTO 

 

 

m  Um manuscrito bíblico é qualquer cópia escrita à mão de uma porção do texto da Bíblia. O termo Bíblia vem do grego biblion(livro); manuscrito vem do latim manu (mão) e scriptum (escrito). Os manuscritos bíblicos variam em tamanho desde pequenos rolos com alguns versos do Velho Testamento (os Tefilin) até codices disponíveis em vários idiomas, contendo o Velho Testamento (Tanakh) quanto o Novo Testamento, bem como escritos extra-canônicos.

 

O estudo destes manuscritos é importante pois cópias feitas a mão possuem erros. E é tarefa da crítica textual reconstruir o texto original, principalmente aqueles anteriores à invenção da imprensa.

 

Manuscritos do Velho Testamento

 

Os manuscritos hebraicos completos mais antigos são o Codex Aleppo (cerca de 920) e o Codex Leningrado (cerca de 1008). Em 1947, com a descoberta em Qumran dos manuscritos do Mar Morto, a história dos manuscritos da Tanakh foi movida um milênio antes destes códices. Dos 800 manuscritos encontrados em Qumran, 220 eram da Tanakh. Todo o livro da Tanakh é representado nestes manuscritos, exceto o livro de Ester, contudo a maioria só possui fragmentos. Notavelmente há dois manuscritos do livro de Isaías, um completo, e outro com cerca de 75% do seu conteúdo completo. Estes manuscritos são datados geralmente entre 150AC a 75DC [1].

 

Antigos escribas hebraicos desenvolveram várias práticas para proteger suas Escrituras de erros. Os resultados obtidos por eles são impressionantes. Variações significativas de texto aparecem a uma média de uma uma consoante a cada 1500 [2].

 

Manuscritos do Novo Testamento

 

O Novo Testamento preservou mais manuscritos do que qualquer outro livro antigo, tendo mais que 5400 manuscritos completos ou fragmentários em grego, 10000 manuscritos em latim e 9300 manuscritos em outros idiomas, como siríaco, eslavo, gótico, cóptico e armênio. As datas dos manuscritos vão do segundo século até a invenção da imprensa no século 15. A grande maioria destes manuscritos são posteriores ao décimo século. Estes manuscritos estão divididos em papiros, unciais e minusculos.

 Os papiros são os mais antigos manuscritos e considerados as melhores testemunhas do texto original do Novo Testamento[3]. Seu agrupamento foi introduzido por Caspar René Gregory, que atribuiu aos textos dos papiros a letra P seguida por um número sobrescrito. Até 1900 somente 9 papiros eram conhecidos, e somente um foi citado em um aparato crítico (P11 por Constantin von Tischendorf), mas atualmente cerca de 100 papiros são conhecidos. Destes primeiros 9 papiros, todos eram apenas fragmentos, excetos o P15, que consistia de uma folha[4]. No século 20 foram descobertos os fragmentos de manuscritos mais antigos[5], inclusive manuscritos completos, o que permitiu eruditos analisarem melhor o caráter textual destes manuscritos mais antigos.

Nem todos os papiros são simples textos do Novo Testamento: P59, P60, P63, P80 são textos com comentários, P2, P3, e P44 são lecionários[6], P50, P55, P78 são talismãs, P42; P10, P12, P42, P43, P62, P99 pertencem a outros tipos de textos, como anotações, glossários ou músicas[7].

 

Lista de todos os papiros registrados do Novo Testamento 

 

Os papiros listados abaixo são dados segundo o padrão de Gregory-Aland. Datas são estimadas aos próximos múltiplos de 50. O conteúdo é dado a respeito dos capítulos, versículos não são informados. Assim, muitos destes manuscritos são fragmentos, não capítulos inteiros. Por exemplo, P52 possui 8 versículos dos 40 versículos de João 18.9FONTE A BIBLIA ATRAVES DOS SECULOS ANTONIO GILBERTO CPAD /1998