Translate this Page

Rating: 2.6/5 (288 votos)




ONLINE
4




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Comentario biblico carta de 2 Pedro cap.2
Comentario biblico carta de 2 Pedro cap.2

 

SUBSIDIO PARA A ESCOLA DOMINICAL  LIÇÕES

MAURICIO BERWALD ESCRITOR PROFESSOR

Comentario biblico carta de 2 Pedro cap.2

2 Pedro 2

 

Introdução

O assunto geral deste capítulo é mencionado no primeiro verso e abrange esses pontos:

 

(1) que se poderia esperar que houvesse falsos mestres entre os cristãos, como havia falsos profetas nos tempos antigos;

 

(2) que eles introduziriam erros destrutivos, levando muitos a se desviarem; e,

 

(3) que eles seriam certamente punidos. O design do capítulo é ilustrar e defender esses pontos.

 

  1. Que haveria tais falsos mestres, o apóstolo expressamente declara em 2 Pedro 2: 12 Pedro 2: 1 ; e incidentalmente nesse verso, e em outras partes do capítulo, ele percebe algumas de suas características, ou algumas das doutrinas que eles sustentariam.

 

(a) Eles negam o Senhor que os comprou, 2 Pedro 2: 12 Pedro 2: 1 . Veja as notas nesse verso.

 

(b) Eles seriam influenciados pela cobiça, e seu objetivo, ao tentarem seduzir os outros a partir da fé, e induzi-los a se tornarem seguidores de si mesmos, seria ganhar dinheiro, 2 Pedro 2: 32 Pedro 2: 3 .

 

(c) Eles seriam corruptos, bestiais e licenciosos em sua conduta; e seria um dos seus ensinamentos mostrar que a condescendência das paixões grosseiras não era inconsistente com a religião; 2 Pedro 2:10 2 Pedro 2:10 , “que andam segundo a carne, na concupiscência da impureza”; 2 Pedro 2:12 2 Pedro 2:12 , “como bestas naturais”, “perecerá na sua própria corrupção”; 2 Pedro 2:14 2 Pedro 2:14 , “tendo olhos cheios de adultério e que não podem deixar de pecar; ” 2 Pedro 2:222 Pedro 2:22 ,“ o cão voltou ao seu próprio vômito novamente ”.

 

(d) Eles seriam orgulhosos, arrogantes e obstinados; homens que desprezariam todo governo apropriado e que seriam radicalmente radicais em suas visões; 2 Pedro 2:10 2 Pedro 2:10 , “e desprezam o governo; presunçosos são eles e obstinados; não têm medo de falar mal das dignidades; ” 2 Pedro 2:182 Pedro 2:18 ,“ falam grandes palavras de vaidade ”.

 

(e) Eles eram pessoas que tinham sido anteriormente de vidas corruptas, mas que se tornaram cristãos professos. Isso está implícito em 2 Pedro 2: 20-222 Pedro 2: 20-22 . Eles são mencionados como tendo “escapado das contaminações do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo”, como “tendo conhecido os caminhos da justiça”, mas como tendo se voltado novamente para suas antigas práticas corruptas e luxúria; “Aconteceu com eles de acordo com o verdadeiro provérbio”, etc. Havia várias classes de pessoas nos tempos primitivos, sob a denominação geral do termo “gnóstico”, a quem essa descrição se aplicaria, e é provável que elas tinha começado a abordar suas doutrinas nos tempos dos apóstolos. Entre essas pessoas estavam os ebionitas, coríntios, nicolaítas, etc.

 

  1. Esses falsos mestres obteriam seguidores, e seus ensinamentos provavelmente atrairiam muitos. Isto é insinuado mais de uma vez no capítulo: 2 Pedro 2: 2 2 Pedro 2: 2 , “e muitos seguirão seus caminhos perniciosos”; 2 Pedro 2: 3 2 Pedro 2: 3 , “e por meio de cobiça os que com palavras falsas fizerem a mercadoria de ti;” 2 Pedro 2:14 2 Pedro 2 : 14 , "sedutoras almas instáveis". Compare 2 Pedro 2:182 Pedro 2:18 .

 

III Eles certamente seriam punidos. Uma grande parte do capítulo é abordada para provar esse ponto e, especialmente, para mostrar, a partir dos exemplos de outros que erraram de maneira semelhante, que não poderiam escapar da destruição. Ao fazer isso, o apóstolo se refere aos seguintes fatos e ilustrações:

 

(1) O caso dos anjos que pecaram e que foram lançados ao inferno, 2 Pedro 2: 42 Pedro 2: 4 . Se Deus trouxesse uma punição tão terrível àqueles que um dia foram antes de seu trono, homens iníquos não poderiam ter esperança de escapar.

 

(2) o caso dos ímpios no tempo de Noé, que foram cortados pelo dilúvio, 2 Pedro 2: 52 Pedro 2: 5 .

 

(3) o caso de Sodoma e Gomorra, 2 Pedro 2: 62 Pedro 2: 6 .

 

(4) o “caráter” das pessoas referidas era tal que elas não podiam ter esperança de fuga.

 

(a) Eles eram corruptos, sensuais, presunçosos e obstinados, e eram ainda piores do que os anjos rebeldes haviam sido - homens que pareciam ser feitos para serem tomados e destruídos, 2 Pedro 2: 10-122 Pedro 2: 10-12 .

 

(b) Eles eram manchas e defeitos, sensuais e adúlteros, imitando o exemplo de Balaão, que foi repreendido por um asno mudo pela sua iniqüidade, 2 Pedro 2: 13-162 Pedro 2: 13-16 .

 

(c) Eles atraíram outros a pecarem sob a promissora promessa de liberdade, enquanto eles mesmos eram escravos de apetites depravados e paixões grosseiras e sensuais, 2 Pedro 2: 17-192 Pedro 2: 17-19 .

 

De toda a descrição deste capítulo, fica claro que as pessoas mencionadas, embora outrora professores de religião, haviam se tornado eminentemente abandonadas e corruptas. Pode não ser, de fato, fácil identificá-los com qualquer seita ou classe particular então existente e agora conhecida na história, embora não poucas das seitas da igreja cristã primitiva tivessem uma forte semelhança com essa descrição; mas houve aqueles em todas as épocas que se assemelham a essas pessoas; e este capítulo, portanto, possui grande valor como contendo advertências importantes contra as artes dos falsos mestres, e o perigo de ser seduzido por eles da verdade. Compare a introdução à Epístola de Judas, Seções 3 e 4.

 

Verso 1

Mas havia falsos profetas também entre o povo - No capítulo anterior, 2 Pedro 2: 19-212 Pedro 2: 19-21 , Pedro tinha apelado às profecias como contendo provas incontestáveis ​​da verdade da religião cristã. Ele diz, no entanto, que não pretendia dizer que todos os que afirmavam ser profetas eram verdadeiros mensageiros de Deus. Havia muitos que fingiam ser tais, que apenas levavam o povo ao erro. É desnecessário dizer que tais homens abundaram em todas as eras onde houve verdadeiros profetas.

 

Mesmo que haja falsos mestres entre vocês - O fato de que falsos mestres surgiriam na igreja é freqüentemente advertido no Novo Testamento. Compare Mateus 24: 5 Mateus 24: 5 , Mateus 24:24 Mateus 24:24 ; Atos 20: 29-30Atos 20: 29-30 .

 

Quem secretamente - Isto é, de maneira secreta, ou sob artes e pretensões plausíveis. Eles não fariam inicialmente uma declaração aberta de suas doutrinas, mas, de fato, enquanto seus ensinamentos pareciam estar de acordo com a verdade, secretamente mantêm opiniões que minariam os próprios fundamentos da religião. A palavra grega aqui usada, e que é traduzida por “quem em particular introduzirá” ( παρεισάγω pareisagōmeans corretamente “para liderar ao lado dos outros; para liderar junto com os outros ”. Nada poderia expressar melhor a maneira usual em que o erro é introduzido. É "ao lado" ou "junto", outras doutrinas que são verdadeiras; isto é, enquanto a mente está voltada principalmente para outros assuntos, e está fora de sua guarda, gentil e silenciosamente para estabelecer algum princípio, o qual, sendo admitido, levaria ao erro, ou do qual o erro se seguiria como conseqüência natural. . Aqueles que inculcam o erro raramente o fazem abertamente. Se eles, ao mesmo tempo ousadamente, “negassem o Senhor que os comprou”, seria fácil enfrentá-los, e a massa de professos cristãos não estaria em perigo de abraçar o erro. Mas quando são estabelecidos princípios que podem levar a isso; quando são sugeridas dúvidas sobre pontos remotos que podem envolvê-lo; ou quando se busca um longo caminho de raciocínio que pode secretamente tender a isso; há muito mais probabilidade de que a mente seja corrompida da verdade.

 

Heresias desgraçadas - αἱρέσεις ἀπωλείας haireseis apōleias “Heresias da destruição”, ou seja, heresias que serão seguidas de destruição. A palavra grega que é traduzida como "condenável" é a mesma que no final do versículo é traduzida como "destruição". É assim traduzida também em Mateus 7:13 Mateus 7:13 ; Romanos 9:22 Romanos 9:22 ; Filemom 3:19 Filemom 3:19 ; 2 Pedro 3:16 2 Pedro 3:16 - em todos os lugares que se refere à perda futura da alma A mesma palavra também é traduzida “perdição” em João 17:12 João 17:12 ; Filemom 1:28 Filemom 1:28 ; 1 Timóteo 6: 9 1 Timóteo 6: 9 ; Hebreus 10:39 Hebreus 10:39 ; 2 Pedro 3: 7 2 Pedro 3: 7 ; Apocalipse 17: 8 Apocalipse 17: 8, Apocalipse 17:11 Apocalipse 17:11 - em todos o que o coloca tem a mesma referência. Sobre o significado da palavra traduzida por "heresias", veja a nota de Atos 24: 14 Atos 24:14 ; 1 Coríntios 11:191 Coríntios 11:19 nota. A ideia de “seita” ou “partido” é aquela que é transmitida por essa palavra, em vez de erros doutrinários; mas é evidente que neste caso a formação da seita ou partido, como é o fato na maioria dos casos, seria fundada no erro da doutrina.

 

A coisa que estes falsos mestres tentariam seriam divisões, alienações ou partidos na igreja, mas estes seriam baseados nas doutrinas errôneas que eles promulgariam. O que seria a doutrina particular neste caso é imediatamente especificada, a saber, que eles “negariam o Senhor que os comprou”. A idéia então é que esses falsos mestres formariam seitas ou partes na igreja, de uma forma destrutiva ou natureza ruinosa, fundada em uma negação do Senhor que os comprou. Tal formação de seitas seria ruinosa para a piedade, para a boa moral e para a alma. Os autores dessas seitas, mantendo os pontos de vista que eles fizeram, e influenciados pelos motivos que eles seriam, e praticando a moral que eles praticariam, como crescentes de seus princípios, trariam sobre si mesmos destruição rápida e certa. Não é possível agora determinar a que classe de erros em particular o apóstolo se referiu aqui, mas geralmente se supõe que foi para alguma forma de crença gnóstica. Havia muitas seitas antigas dos chamados "hereges", a quem o que ele diz seria aplicável.

 

Mesmo negando o Senhor que os comprouIsso deve significar que eles possuíam doutrinas que eram na verdade uma negação do Senhor, ou a tendência de que seria uma negação do Senhor, pois não se pode supor que, enquanto eles professavam ser cristãos, eles abertamente e confessadamente negam ele. “Negar o Senhor” pode ser negar sua existência, suas reivindicações ou seus atributos; é reter dele, em nossa crença e profissão, qualquer coisa que seja essencial para uma concepção adequada dele. A coisa particular, no entanto, que é mencionada aqui como entrar nessa auto-negação, é algo conectado com o fato de que ele os “comprou”. Foi tal negação do Senhor "como tendo comprado", como sendo de fato uma renúncia à singularidade da religião cristã. Tem havido muita diferença de opinião quanto ao significado da palavra “Senhor” neste lugar - se refere a Deus o Pai. ou ao Senhor Jesus Cristo. A palavra grega éΔεσπότης DespotēsMuitos expositores sustentam que se refere ao Pai, e que quando se diz que ele os “comprou”, isso significa, em um sentido geral, que ele era o Autor do plano de redenção, e fez com que eles fossem comprados. ou redimidos. Michaelis supõe que os gnósticos são referidos como negando o Pai afirmando que ele não era o Criador do universo, sustentando que foi criado por um ser inferior - Introdução ao Novo Testamento , iv. 360. Whitby, Benson, Slade e muitos outros sustentam que isso se refere ao Pai como tendo originado o plano pelo qual os homens são redimidos; e a mesma opinião é mantida, necessariamente, por aqueles que negam a doutrina da expiação geral. Os únicos argumentos para mostrar que se refere a Deus o Pai seriam,

 

(1) que a palavra usada aqui Δεσπότην Despotēnis não o termo usual ( κύριος kurios) pelo qual o Senhor Jesus é designado no Novo Testamento; e,

 

(2) que a admissão que se refere ao Senhor Jesus levaria inevitavelmente à conclusão de que alguns perecerão por quem Cristo morreu.

 

Isso, no entanto, se refere ao Senhor Jesus, parece-me ser claro a partir das seguintes considerações:

 

(1) É a interpretação óbvia; aquilo que seria dado pela grande massa de cristãos, e sobre o qual nunca poderia haver hesitação se não fosse suposto que isso levaria à doutrina da expiação geral. Quanto ao alegado fato de que a palavra usada, Δεσπότης Despotēsis não é aquela que é comumente aplicada ao Senhor Jesus, que pode ser admitida como verdadeira, mas ainda assim a palavra aqui pode ser entendida como aplicada a ele. Significa propriamente “um mestre” em oposição a um servo; então é usado como denotando autoridade suprema, e é assim aplicado a Deus, e pode ser nesse sentido para o Senhor Jesus Cristo, como cabeça sobre todas as coisas, ou como tendo autoridade suprema sobre a igreja. Ocorre no Novo Testamento somente nos seguintes lugares: 1 Timóteo 6: 1-2 1 Timóteo 6: 1-2Tito 2: 9 1 Pedro 2:18 Lucas 2:29 Atos 4:24 Apocalipse 6:10 Judas 1: 4 ; Tito 2: 9 ; 1 Pedro 2:18 , onde é traduzido “mestres”; Lucas 2:29 ; Atos 4:24 ; Apocalipse 6:10 , onde é traduzido como “Senhor” e aplicado a Deus; e em Judas 1: 4 , e na passagem diante de nós, em ambos os lugares onde é traduzido como “Senhor”, e provavelmente deve ser considerado como aplicado ao Senhor Jesus. Não há nada na devida significação da palavra que proibiria isso.

 

(2) a frase é aquela que é apropriadamente aplicável ao Senhor Jesus como tendo nos “comprado” com seu sangue. A palavra grega é agγοράζω agorazō - uma palavra que significa apropriadamente “comercializar, comprar, comprar”, e então resgatar, ou adquirir para si mesmo por um preço pago, ou por um resgate. É traduzido como “compre” ou “comprei” nos seguintes lugares no Novo Testamento: Mateus 13:44 Mateus 13:44Mateus 13:46 Mateus 14:15 Mateus 21:12 Mateus 25: 9-10 Mateus 27: 7 Marcos 6: 36-37 Marcos 11:15 Marcos 15:46 Marcos 16: 1 Lucas 9:13 Lucas 14 : 18-19 Lucas 17:28 Lucas 19:45 Lucas 22:36 João 4: 8 João 6: 5 João 13:29 1 Coríntios 7:30 Apocalipse 3:18 Apocalipse 13:17 Apocalipse 18:11 1 Coríntios 6:20 1 Coríntios 7:23 Apocalipse 5: 9 Apocalipse 14: 3-4 , Mateus 13:46 ; Mateus 14:15 ; Mateus 21:12 ; Mateus 25: 9-10 ; Mateus 27: 7 ; Marcos 6: 36-37 ; Marcos 11:15 ; Marcos 15:46 ; Marcos 16: 1 ; Lucas 9:13; Lucas 14: 18-19 ; Lucas 17:28 ; Lucas 19:45 ; Lucas 22:36 ; João 4: 8 ; João 6: 5 ; João 13:29 ; 1 Coríntios 7:30 ; Apocalipse 3:18 ; Apocalipse 13:17 ; Apocalipse 18:11 - em todos os lugares é aplicável a transações ordinárias de “compra”. Nos seguintes lugares também é traduzida como “comprada”, conforme aplicável aos remidos, como sendo comprada ou comprada pelo Senhor Jesus: 1 Coríntios 6:20 ; 1 Coríntios 7:23“Vocês são comprados com um preço” e nos seguintes lugares é “redimidos”, Apocalipse 5: 9 ; Apocalipse 14: 3-4 . Não ocorre em outro lugar no Novo Testamento. É verdade que, em um sentido amplo, essa palavra pode ser aplicada ao Pai como tendo feito com que seu povo fosse redimido, ou como sendo o Autor do plano de redenção; mas também é verdade que a palavra é mais apropriadamente aplicável ao Senhor Jesus, e que, quando usada com referência à redenção, é uniformemente dada a ele no Novo Testamento. Compare as passagens referidas acima.

 

É estritamente e propriamente verdade apenas do Filho de Deus que ele nos “comprou”. O Pai, na verdade, é representado como fazendo o arranjo, como dar seu Filho para morrer, e como a grande Fonte de todas as bênçãos asseguradas pela redenção; mas a “compra” foi realmente feita pelo Filho de Deus pelo seu sacrifício na cruz. O que quer que houvesse da natureza de “preço” era pago por ele; e quaisquer que sejam as obrigações que surjam do fato de que somos comprados ou resgatados, devemos particularmente a ele; 2 Coríntios 5:152 Coríntios 5:15. Estas considerações me parecem deixar claro que Pedro se referiu aqui ao Senhor Jesus Cristo, e que ele quis dizer que os falsos mestres mencionados possuíam doutrinas que eram na verdade uma “negação” daquele Salvador. Ele não especifica particularmente o que constituiu tal negação; mas é claro que qualquer doutrina que o representasse, sua pessoa ou seu trabalho, essencialmente diferente do que era a verdade, equivaleria a tal negação.

 

Se ele fosse Divino, e esse fato fosse negado, tornando-o inteiramente diferente; se ele realmente fez um sacrifício expiatório por sua morte, e esse fato foi negado, e ele foi considerado um mero professor religioso, mudando essencialmente o caráter do trabalho que ele veio realizar; se ele, em algum sentido próprio, "os comprasse" com seu sangue, e esse fato fosse negado de tal maneira que, de acordo com seus pontos de vista, não era estritamente apropriado falar dele como tendo comprado a todos, o que seria o Por exemplo, se ele fosse um mero profeta ou professor religioso, então fica claro que tal representação seria de fato uma negação de sua verdadeira natureza e obra. Que algumas dessas visões entraram em sua negação a ele é clara, pois foi com referência ao fato de que ele as comprou, ou as redimiu, que elas o negaram.

 

E traga para si uma rápida destruição - A destruição aqui referida pode ser apenas aquela que ocorrerá no mundo futuro, pois não pode haver evidência de que Pedro quis dizer que isso destruiria sua saúde, sua propriedade ou suas vidas. A palavra grega ( ἀπώλειαν apōleian) é a mesma que é usada na primeira parte do verso, na frase “heresias condenáveis”. Veja as notas. Em relação a esta importante passagem, podemos observar:

 

(1) que o apóstolo evidentemente acreditava que alguns pereceriam por quem Cristo morreu.

 

(2) se for assim, então a mesma verdade pode ser expressa dizendo que ele morreu por outros além daqueles que serão salvos, isto é, que a expiação não foi confinada meramente aos eleitos. Esta passagem, portanto, demonstra a doutrina da expiação geral. Essa conclusão seria extraída pela grande massa de leitores, e pode-se presumir, portanto, que essa é a interpretação justa da passagem.

 

(Veja o suplemento 2 Coríntios 5:14 2 Coríntios 5:14 note; Hebreus 2: 9Hebreus 2: 9Observe para uma visão geral da questão sobre a extensão da expiação. Nesse texto, Scott observou bem: “Sem dúvida, Cristo pretendia resgatar aqueles, e somente aqueles que ele previa, que seriam eventualmente salvos pela fé nele; seu resgate, porém, era de suficiência infinita, e as pessoas são continuamente tratadas de acordo com sua profissão ”. De fato, Cristo estabeleceu um preço tal que toda a família humana pode reivindicar e encontrar salvação nele. Uma infeliz ambiguidade de termos tornou essa controvérsia uma guerra de palavras. Quando o autor aqui diz: "Cristo morreu por outros além daqueles que serão salvos", ele não usa as palavras no senso comum de um projeto real, da parte de Cristo para salvar a todos. O leitor verá, consultando as notas acima mencionadas,

 

(3) segue-se que as pessoas podem se destruir pela negação das grandes e vitais “doutrinas” da religião. Não pode ser uma coisa inofensiva, então, manter opiniões errôneas; nem podem os homens ser seguros que negam as doutrinas fundamentais do cristianismo. É verdade, não erro, que salva a alma; e uma opinião errônea sobre qualquer assunto pode ser tão perigosa para a paz, felicidade e prosperidade finais de um homem, quanto um curso errado da vida. Quantos homens foram arruinados em suas perspectivas mundanas, sua saúde e suas vidas, mantendo falsos sentimentos sobre o assunto da moral, ou em relação ao tratamento médico! Quem consideraria inofensivo que um filho negasse a respeito de seu pai que ele era um homem de verdade, probidade e honestidade? ou deveria atribuir-lhe um caráter que não lhe pertence - um personagem que é apenas o reverso da verdade? Pode a mesma coisa ser inocente em relação a Deus, nosso Salvador?

 

(4) as pessoas trazem destruição “sobre si mesmas”. Ninguém as compele a negar o Senhor que as comprou; ninguém os força a aceitar qualquer erro perigoso. Se as pessoas perecem, elas perecem por sua própria culpa, por:

 

(a) uma ampla provisão foi feita para sua salvação, assim como para outros;

 

(b) eles foram convidados livremente para serem salvos;

 

(c) era, em si, tão fácil para eles abraçar a verdade como era para os outros; e,

 

(d) era tão fácil abraçar a verdade quanto abraçar o erro.

 

Verso 2

E muitos seguirão as suas dissoluções - margin: “lasciva” Um grande número de manuscritos e versões ler “lasciva” aqui - ἀσελγείαις aselgeiais- em vez de “perniciosa” - ἀπωλείαις apōleiais (veja Wetstein), e esta leitura é adotada no edições do Testamento grego por Tittman, Griesbach e Hahn, e parece provável que esta seja a leitura correta. Isto concordará bem com o relato dado a esses mestres, de que suas doutrinas tendiam à licenciosidade, 2 Pedro 2:10 2 Pedro 2:10 , 2 Pedro 2:14 2 Pedro 2:14 , 2 Pedro 2: 18-192 Pedro 2: 18-19. É uma circunstância muito notável que aqueles que negaram as doutrinas essenciais do evangelho tenham sido tão freqüentemente licenciosos em sua própria conduta, e inculcaram opiniões que tendiam à licenciosidade. Muitas das formas de erro religioso de alguma forma tiveram uma conexão com esse vício. As pessoas que são corruptas no coração muitas vezes procuram obter a sanção da religião por suas corrupções.

 

Por causa de quem o caminho da verdade será mal falado -

 

(1) porque eram professores de religião, e a religião parece ser considerada responsável por sua conduta; e,

 

(2) porque eram professos professos de religião e, por muitos, seriam entendidos como expondo as verdadeiras doutrinas do evangelho.

 

Verso 3

E através da cobiça - Isto mostra de que uma das coisas era pelo qual eles foram influenciados - uma coisa que, como a licenciosidade, geralmente exerce uma influência poderosa sobre os professores do erro. O princípio religioso é o mais forte que é implantado no seio humano: e os homens que não conseguem outro meio de vida, ou que são sem princípios ou indolentes demais para trabalhar por uma vida honesta, freqüentemente se tornam professores públicos de religião e adotam o tipo de doutrina que provavelmente lhes dará o maior poder sobre as bolsas dos outros. A verdadeira religião, de fato, exige de seus amigos que dediquem tudo o que têm ao serviço de Deus e à promoção de sua causa; mas é muito fácil perverter esse requisito, de modo que o professor do erro aproveite-o para seu próprio engrandecimento.

 

Devem eles com palavras fingidas - grego formado, formado; então aqueles que são formados para a ocasião - fingidos, falsos, enganosos. A idéia é que as doutrinas que eles defendiam não eram sustentadas por argumentos sólidos e substanciais, mas que usariam o raciocínio plausível criado para a ocasião.

 

Faça sua mercadoria - Trate você não como seres racionais, mas como um fardo de mercadorias ou qualquer outro artigo de tráfego. Isto é, eles se empenharam em ganhar dinheiro com eles e considerá-los apenas adequados para promover esse objeto.

 

Cujo julgamento - Cuja condenação.

 

Agora de muito tempo não demora - grego, "de idade; A ideia parece ser que a justiça esteve muito atenta aos seus movimentos e estava a caminho de sua destruição. Não era uma coisa nova - isto é, não havia nenhum princípio novo envolvido em sua destruição; mas era um princípio que sempre estivera em vigor, e que certamente lhes seria aplicável, e, por muito tempo, a justiça estava impaciente para fazer o trabalho que estava acostumado a fazer. O que aconteceu com os anjos que pecaram, 2 Pedro 2: 4 2 Pedro 2: 4 para o velho mundo, 2 Pedro 2: 5 2 Pedro 2: 5 e para Sodoma e Gomorra, 2 Pedro 2: 6 2 Pedro 2: 6lhes ocorreria; e a mesma justiça que os derrotara poderia ser considerada como a caminho de efetuar sua destruição. Compare as notas em Isaías 18: 4Isaías 18: 4 .

 

E sua condenação não adormece - Sua condenação, (Notas, 1 Coríntios 11:291 Coríntios 11:29) ainda aqui referindo-se a punição futura. "Sr. Blackwell observa que esta é uma figura muito bonita, representando a vingança que destruirá os pecadores incorrigíveis como um anjo de julgamento perseguindo-os nas asas, aproximando-se cada vez mais perto e, enquanto isso, mantendo um olhar vigilante sobre eles, que ele pode, por fim, descarregar um golpe infalível ”- Doddridge. Não é incomum falar de “justiça sem sono”; e a idéia aqui é que, por mais que a justiça parecesse estar adormecida ou perdida, não era realmente assim, mas que ela tinha um olhar sempre vigilante e estava em seu caminho. maneira de fazer o que era certo em relação a eles. Um pecador nunca deve esquecer que há um olho de vigilante que não a incomoda sempre sobre ele, e que tudo o que ele faz é testemunhado por alguém que ainda fará justiça exata a todos os homens. Nenhuma pessoa,

 

Verso 4

Pois se Deus não poupou os anjos que pecaram - o apóstolo agora procede à prova da proposição de que essas pessoas seriam punidas. É para ser lembrado que eles haviam sido, ou eram mesmo cristãos professos, embora eles tivessem realmente, se não em forma, apostatado da fé 2 Pedro 2: 20-22 2 Pedro 2: 20-22 , e uma parte das provas, portanto, são derivado dos casos daqueles que apostataram do serviço de Deus. Ele apela, portanto, ao caso dos anjos que se revoltaram. Nem sua posição anterior, sua dignidade nem sua santidade os salvaram de serem lançados ao inferno; e se Deus os castigasse tão severamente, então os falsos mestres não poderiam esperar escapar. O apóstolo, pelos "anjos" aqui, refere-se, sem dúvida, a uma revolta no céu - um evento referido no Judas 1: 6Judas 1: 6 e em todos os lugares implícito nas Escrituras. Quando isso ocorreu, no entanto - por que eles se revoltaram, ou qual era o número dos apóstatas - não temos a menor informação, e nesses pontos a conjetura seria inútil. Na suposição de que ocorreu, não há improbabilidade; pois não há nada mais absurdo na crença de que os anjos se revoltaram do que os homens; e se há anjos maus, como não há mais razão para duvidar do que há homens maus, é moralmente certo que eles devem ter caído em algum período de um estado de santidade, pois não se pode acreditar que Deus os fez perversos. .

 

Mas lançá-los ao inferno - grego ταρταρώσας tartarōsas- "empurrando-os para o Tártaro". A palavra aqui usada não ocorre em nenhum outro lugar no Novo Testamento, embora seja comum nos escritores Clássicos. É um verbo formado a partir de Tάρταρος Tártaro Tártaro , que na mitologia grega era a parte inferior, ou abismo de Hades, ēδης Se houvesse as sombras dos ímpios presos e atormentados, e correspondia à palavra judaica Γεέννα Geenna - “Geena. Era considerado, comumente, abaixo da terra; como entrou pela sepultura; como escuro, sombrio, sombrio; e como um local de punição. Compare o Jó 10: 21-22 trabalho 10: 21-22 notas, e Mateus 5:22Mateus 5:22Nota. A palavra aqui é aquela que se refere corretamente a um lugar de punição, uma vez que todo o argumento se relaciona a isso, e uma vez que não pode ser pretendido que os “anjos que pecaram” foram removidos para um lugar de felicidade por conta de sua transgressão. Deve também referir-se à punição em algum outro mundo que não seja este, pois não há evidência de que este mundo seja feito um lugar de punição para os anjos caídos.

 

E os entregou em cadeias de trevas “Onde a escuridão se encontra como correntes sobre eles” - Robinson, Lexicon. O significado parece ser que eles estão confinados naquela prisão escura como se fossem cadeias. Não devemos supor que os espíritos estão literalmente ligados; mas era comum amarrar ou amarrar prisioneiros que estavam nas masmorras, e a representação aqui é tirada desse fato. Essa representação de que a massa de anjos caídos está confinada no “Tártaro”, ou no inferno, não é inconsistente com as representações que ocorrem em outros lugares que seu líder é permitido vagar pela terra, e que até mesmo muitos desses espíritos podem tentar os homens . Pode ainda ser verdade que a massa esteja confinada dentro dos limites de sua morada escura; e pode até mesmo ser verdade também que Satanás e aqueles que tinham permissão para vagar pela terra estão sob escravidão, e são permitidos para variar somente dentro de certos limites,

 

Para ser reservado para julgamento - Judas 1: 6 Judas 1: 6 , “para o julgamento do grande dia”. Eles então, com os habitantes revoltados deste mundo, serão levados a julgamento por seus crimes. Que os anjos caídos serão punidos após o julgamento ser revelado em Apocalipse 20:10Apocalipse 20:10 . O argumento nesse versículo é que, se Deus puniu os anjos que se revoltaram contra Ele, é uma inferência justa que Ele punirá pessoas perversas, embora já tenham sido professoras de religião.

 

Verso 5

E não poupou o velho mundo - O mundo antes do dilúvio. O argumento aqui é que ele cortou a raça perversa e mostrou que puniria os culpados. Por esse terrível ato de varrer os habitantes de um mundo, ele mostrou que as pessoas não podiam pecar com impunidade e que os incorrigivelmente perversos deviam perecer.

 

Mas salvou Noé, a oitava pessoa - Esta referência a Noé, como a referência a Ló em 2 Pedro 2: 72 Pedro 2: 7 , parece ter sido lançada no progresso do argumento como uma observação incidental, para mostrar que os justos, ainda que poucos em número, seria salvo quando os ímpios fossem cortados. A frase “Noé o oitavo” significa Noé, um dos oito; isto é, Noé e sete outros. Este idioma é encontrado, diz o Dr. Bloomfield, nos melhores escritores - de Heródoto e Tucídides para baixo. Veja exemplos em Wetstein. O significado neste lugar é que oito pessoas, e apenas oito dessa raça, foram salvas; mostrando assim que, enquanto os ímpios seriam punidos, por mais numerosos que fossem, os justos, por mais poucos que fossem, seriam salvos.

 

Um pregador da justiça - Em Gênesis 6: 9 Gênesis 6: 9 , é dito de Noé que ele era “um homem justo e perfeito em suas gerações, e Noé andava com Deus”; e pode-se presumir que durante sua longa vida ele foi fiel em reprovando a maldade de sua idade, e advertiu o mundo do julgamento que estava se preparando para isso. Compare as notas em Hebreus 11: 7Hebreus 11: 7 .

 

Trazendo o dilúvio sobre o mundo dos ímpios - Sobre todo o mundo além daquela família piedosa. O argumento aqui é que, se Deus cortasse uma raça ímpia dessa maneira, o princípio está estabelecido de que os ímpios não escaparão.

 

Verso 6

E transformando as cidades de Sodoma e Gomorra em cinzas - Gênesis 19: 24-25 Gênesis 19: 24-25 . Este é um terceiro exemplo para demonstrar que Deus punirá os ímpios. Compare as notas em Judas 1: 7Judas 1: 7 . A palavra aqui traduzida “transformando-se em cinzas” τεφρωσας tephrōsas ocorre em nenhum outro lugar no Novo Testamento. É a partir τέφρα TEFRA cinzas, e os meios para reduzir a cinzas, e depois de consumir ou destruir.

 

Condenou-os com uma derrubada - Pelo fato de serem derrubados, ele mostrou que eles deveriam ser condenados, ou que ele desaprovava sua conduta. Sua calamidade veio expressamente por conta de seus enormes pecados; como é freqüentemente o caso agora que os terríveis juízos que advêm sobre o licencioso e o intemperante, são uma prova tão simples da desaprovação divina quanto as calamidades que vieram sobre Sodoma e Gomorra.

 

Tornando-os um exemplo… - Isto é, eles foram uma demonstração de que Deus desaprovou os crimes pelos quais foram punidos, e desaprovaria os mesmos crimes em todas as épocas e em todas as terras. A punição de um homem perverso ou de pessoas sempre se torna um aviso para todos os outros.

 

Verso 7

E entregue apenas Lot - Gênesis 19:16 Gênesis 19:16 . Este caso é incidentalmente referido, para mostrar que Deus faz uma distinção entre o justo e o ímpio; e enquanto o último será destruído, o primeiro será salvo. Veja 2 Pedro 2: 92 Pedro 2: 9 . Ló é chamado de “justo”, porque ele se preservou não contaminado em meio à maldade circundante. Enquanto viveu em Sodoma, ele manteve o caráter de um homem reto e santo.

 

Aborrecido com a conversa imunda dos ímpios - Pela conduta corrupta e licenciosa dos perversos ao seu redor. Na palavra “conversa”, veja as notas em Filemon 1:27Filemom 1:27 . A frase original, que é traduzida como “imunda”, faz referência à licenciosidade. A corrupção de Sodoma foi aberta e sem vergonha; e como Lot foi obrigado a ver muito disso, seu coração ficou magoado. A palavra aqui traduzida como "envergonhada" significa que ele estava cansado ou sobrecarregado. Os crimes daqueles ao seu redor, ele achou difícil suportar.

 

Verso 8

Para aquele homem justo que habita entre eles - A Vulgata latina torna isso: “Pois, vendo e ouvindo, ele era justo”, significando que ele manteve sua retidão, ou que não se contaminou com os vícios de Sodoma. Muitos expositores supõem que esta é a renderização correta; mas a explicação mais natural e mais comum é a encontrada em nossa versão. De acordo com isso, o significado é que, enquanto ele vivia, enquanto vivia entre eles, para ver e ouvir o que estava acontecendo, sua alma estava constantemente perturbada.

 

Em ver e ouvir - Vendo seus atos abertos de depravação e ouvindo sua conversa vil. O efeito que isso teve na mente de Ló não é mencionado em Gênesis, mas nada é mais provável do que a declaração feita aqui por Pedro. Se esta afirmação foi fundada na tradição, ou se é uma sugestão de inspiração para a mente de Pedro, não pode ser determinada. As palavras traduzidas “vendo” e “ouvindo” podem se referir ao ATO de ver, ou ao objeto visto. Wetstein e Robinson supõem que eles se referem aqui ao último, e que o sentido é que ele estava preocupado com o que viu e ouviu. O significado não é materialmente diferente. Aqueles que vivem entre os ímpios são compelidos a ver e ouvir muito o que aflige seus corações, e é bom que eles não se tornem indiferentes a ele ou sejam contaminados por ele.

 

Torturado ou atormentado sua alma - ἐβασάνιζεν ebasanizencomparar Mateus 8: 6 Mateus 8: 6 , Mateus 8:29 Mateus 8:29 ; Lucas 8:28 Lucas 8:28 ; Apocalipse 9: 5 Apocalipse 9: 5 ; Apocalipse 11:10 Apocalipse 11:10 ; Apocalipse 14:10 Apocalipse 14:10 ; Apocalipse 20:10Apocalipse 20:10, onde a mesma palavra é tornada “atormentada”. O uso desta palavra parece implicar que houve algo ativo da parte de Ló que produziu esta aflição por causa de sua conduta. Ele não estava apenas perturbado como se sua alma fosse passivamente representada, mas havia fortes exercícios mentais de um tipo positivo, surgindo talvez da ansiosa solicitude de como ele poderia impedir sua má conduta, ou de dolorosas reflexões sobre as consequências de seus atos para si mesmos. , ou de súplicas sinceras em favor deles perante Deus, ou de reprovações e advertências dos iníquos. Em todo caso, a linguagem é tal que parece indicar que ele não era um mero observador passivo de sua conduta. Isso, ao que parece, era “do dia a dia”, isto é, era constante. Havia, sem dúvida, razões pelas quais Ló deveria permanecer entre essas pessoas e por quê?

 

Talvez tenha sido um dos propósitos de seus remanescentes empenhar-se em fazer-lhes bem, já que muitas vezes é dever dos homens bons residir entre os ímpios para o mesmo propósito. Ló supostamente residiu em Sodoma - então provavelmente o lugar mais corrupto da Terra - por 16 anos; e temos, de fato, uma demonstração instrutiva de que um homem bom pode manter a vida da religião em sua alma quando cercado pelos iníquos, e uma ilustração dos efeitos que a conduta dos ímpios terá sobre um homem de verdadeira piedade, quando ele é obrigado a testemunhá-lo constantemente. Podemos aprender com o registro feito de Ló qual será esse efeito, e qual é a evidência de que alguém é realmente piedoso e vive entre os iníquos.

 

(1) ele não será contaminado com sua maldade ou não se ajustará aos seus maus costumes.

 

(2) ele não se tornará indiferente a ele, mas seu coração será cada vez mais afetado por sua depravação. Compare com o Salmo 119: 136 Salmo 119: 136 ; Lucas 19:41 Lucas 19:41 ; Atos 17:16Atos 17:16 .

 

(3) ele terá não apenas uma solicitude constante, mas crescente em relação a isso - solicitude que será sentida todos os dias: “Ele atormentou sua alma dia a dia”. Não será apenas em intervalos que sua mente será afetada. por sua conduta, mas será uma coisa habitual e constante. A verdadeira piedade não é intermitente, periódica e espasmódica; é constante e estável. Não é um “jato” que ocasionalmente explode; é uma fonte sempre fluindo.

 

(4) ele procurará fazer bem a eles. Podemos supor que esse foi o caso de Lot; Estamos certos de que é uma característica da verdadeira religião procurar fazer o bem a todos, por mais perversos que sejam.

 

(5) ele irá garantir sua confiança. Ele não praticará artes impróprias para fazer isso, mas será um dos resultados habituais de uma vida de integridade, que um homem bom assegurará a confiança até dos ímpios. Não parece que Ló perdeu essa confiança, e toda a narrativa em Gênesis nos leva a supor que até mesmo os habitantes de Sodoma o consideravam um bom homem. Os ímpios podem odiar um homem bom porque ele é bom; mas se um homem viver como deveria, ele será considerado correto, e lhe darão o crédito quando morrer, caso o retenham enquanto ele viver.

 

Versículo 9

O Senhor sabe… - Ou seja, os casos mencionados mostram que Deus é capaz de libertar seu povo quando é tentado e entende a melhor maneira de fazê-lo. Ele vê uma maneira de fazê-lo quando não podemos, embora muitas vezes seja uma maneira que não deveríamos ter pensado. Ele pode enviar um anjo para levar seu povo tentado pela mão; ele pode interpor e destruir o poder do tentador; ele pode levantar amigos terrestres; ele pode libertar seu povo completamente e para sempre da tentação, por sua remoção para o céu.

 

E para reservar os injustos - Como ele faz com os anjos rebeldes, 2 Pedro 2: 42 Pedro 2: 4 . O caso dos anjos mostra que Deus pode manter homens perversos, como se estivessem sob títulos, reservados para o julgamento final em seu bar. Embora pareçam sair à solta, ainda estão sob o seu controle e são mantidos por ele com referência a sua acusação final.

 

Verso 10

Mas principalmente - isto é, pode-se presumir que os princípios que acabam de ser estabelecidos seriam aplicáveis ​​em um grau eminente a tais pessoas como ele procede a designar.

 

Que andam depois da carne - Que vivem para a satisfação de seus apetites carnais. Notas, Romanos 8: 1Romanos 8: 1 .

 

Na luxúria da impureza - Em prazeres poluídos. Compare as notas em 2 Pedro 2: 22 Pedro 2: 2 .

 

E desprezar o governo -Margem: "domínio". Isto é, eles consideram todo o governo no estado, a igreja e a família como um mal. Defende a liberdade desenfreada de todos os tipos; declamadores da liberdade e dos males da opressão; defensores do que eles consideram os direitos do homem ferido e, ainda assim, secretamente, cobiçando o exercício do próprio poder que eles negariam a outros - eles não fazem distinções justas sobre o que constitui a verdadeira liberdade, e em seu zelo contra o governo em todas as formas. Nenhum tópico de declamação seria mais popular do que isso, e de nenhum deles eles esperariam conseguir mais seguidores; pois se conseguissem remover todo o respeito pelas justas restrições da lei, o caminho estaria aberto para a realização de seus próprios propósitos, estabelecendo um domínio sempre nas mentes dos outros.

 

Presunçosos são eles - ὶολμηταὶ homens audazes, ousados, ousados, audaciosos e presunçosos.

 

Auto- intencional - αὐθάδεις authadeisVer as notas em Tito 1: 7Tito 1: 7 .

 

Eles não têm medo de falar mal de dignidade - A palavra traduzida por “dignidade” aqui ( δόξας doxasmêmicamente honra, glória, esplendor; então aquilo que é adequado para inspirar respeito; aquilo que é digno ou exaltado. Aplica-se aqui aos homens de hierarquia exaltada, e o significado é que eles não consideravam posição, posto ou cargo - violando assim as regras mais simples de propriedade e de religião. ”Veja as notas em Atos 23: 4-5 Atos 23: 4-5 . Judas, entre cuja linguagem e a de Pedro neste capítulo há uma notável semelhança, expressou isso mais plenamente: Ele diz, 2 Pedro 2: 82 Pedro 2: 8“Esses imundos sonhadores contaminam a carne, desprezam o domínio e falam mal das dignidades”. É um dos efeitos da religião produzir respeito pelos superiores; mas quando os homens são obstinados, e quando eles propõem a indulgência a propensões corruptas, é natural que eles não gostem de todo o governo. Por conseguinte, não é de modo algum um efeito pouco frequente de certas formas de erro levar os homens a falar de forma desrespeitosa com os que têm autoridade e a tentar eliminar todas as restrições da lei. É uma indicação muito certa que os homens têm opiniões erradas quando mostram desrespeito aos que têm autoridade e desprezam as restrições da lei.

 

Verso 11

Enquanto anjos - O objeto, pela referência aos anjos aqui, é mostrar que eles, mesmo quando manifestam o maior zelo em uma causa justa, e mesmo quando se opõem a outros, não fazem uso de termos repreensivos, ou de linguagem dura e violenta. . Não se sabe exatamente o que Pedro alude aqui, nem sobre o que a afirmação aqui se baseia. Pode haver pouca dúvida, entretanto, como Benson observou, que, pela forte semelhança entre o que Pedro diz e o que Judas diz, Judas 1: 9-10 Judas 1: 9-10 , há uma alusão à mesma coisa, e provavelmente ambos se referiram a algumas coisas comuns. tradição entre os judeus respeitando a contenda do arcanjo Miguel com o diabo sobre o corpo de Moisés. Veja as notas em Judas 1: 9Judas 1: 9. Como a afirmação em Judas é a mais completa, é apropriado explicar a passagem diante de nós por uma referência àquela; e podemos supor que, embora Pedro use o termo plural e fale de “anjos”, ainda que ele realmente tenha tido o caso de Michael em seus olhos, e pretende se referir a isso como um exemplo do que os anjos fazem. Qualquer que tenha sido a origem dessa tradição, ninguém pode duvidar que o que é dito aqui dos anjos está de acordo com a probabilidade, e ninguém pode provar que isso não é verdade.

 

Que são maiores em poder e poder - E quem poderia, portanto, se fosse em qualquer caso, falar livremente de coisas de grau e dignidade exaltadas. Seria mais para eles do que para os homens. Nesta passagem difícil, veja as notas em Judas 1: 9Judas 1: 9 .

 

Traga não acusação traiçoeira - Eles simplesmente dizem: "O Senhor te repreenda", Judas 1: 9 Judas 1: 9 . Compare Zacarias 3: 2Zacarias 3: 2 . O grego aqui é: “não traga juízo blasfemo ou reprovador, nem condenação” - βλάσφημον κρίσιν blasphēmon krisin Eles detestam toda a grosseira e violência da linguagem; eles simplesmente afirmam as coisas como são. Ninguém pode duvidar que isto está de acordo com o que devemos esperar dos anjos; e que, se tivessem oportunidade de falar daqueles que eram opositores, seria de uma maneira calma e séria, não procurando subjugá-los por meio de censuras.

 

Contra eles - Margem, “contra si mesmos”. Então a Vulgata. A leitura mais correta é "contra eles", isto é, contra aqueles que poderiam ser considerados como seus adversários, Judas 1: 9Judas 1: 9 , ou aqueles de sua própria categoria que fizeram o mal - os anjos caídos.

 

Antes do Senhor - Quando estiver diante do Senhor; ou quando representado como relatando a conduta de espíritos malignos. Compare Zacarias 3: 1-2Zacarias 3: 1-2 . Esta frase, no entanto, está faltando em muitos manuscritos. Veja Wetstein.

 

Versículo 12

Mas estes, como feras brutas naturais - Essas pessoas, que se assemelham a tantos animais irracionais que são feitos para serem levados e destruídos. O ponto da comparação é que eles são como bestas ferozes e selvagens que não exercem controle sobre seus apetites, e que só se pode fazer para ser destruído. Essas pessoas, por suas paixões ferozes e ingovernáveis, parecem ser feitas apenas para destruição, e correm cegamente para ela. A palavra traduzida como “natural” (que, no entanto, está ausente em vários manuscritos), significa “como eles são por natureza”, seguindo a inclinação de seus apetites e paixões naturais. A ideia é que eles não exerceram mais controle sobre suas paixões do que as bestas sobre suas propensões. Estavam inteiramente sob o domínio de seus apetites naturais e não permitiam que sua razão ou consciência exercesse qualquer restrição. A palavra traduzida por “bruto” significa sem razão; irracional. O homem tem razão e deve permitir-lhe controlar suas paixões; os brutos não têm natureza racional, e é de se esperar que eles representem suas propensões sem restrições. O homem, como animal, tem muitas paixões e apetites parecidos com os da criação bruta, mas também é dotado de uma natureza superior, que é projetada para regular e controlar suas propensões inferiores, e para mantê-los em subordinação às exigências da lei. . Se um homem se afunda ao nível dos brutos, ele deve esperar ser tratado como brutos; e como animais selvagens e selvagens - leões, panteras, lobos e ursos - são considerados perigosos e “feitos para serem levados e destruídos”, o mesmo destino deve vir sobre os homens que se fazem semelhantes a eles. os brutos não têm natureza racional, e é de se esperar que eles representem suas propensões sem restrições. O homem, como animal, tem muitas paixões e apetites parecidos com os da criação bruta, mas também é dotado de uma natureza superior, que é projetada para regular e controlar suas propensões inferiores, e para mantê-los em subordinação às exigências da lei. . Se um homem se afunda ao nível dos brutos, ele deve esperar ser tratado como brutos; e como animais selvagens e selvagens - leões, panteras, lobos e ursos - são considerados perigosos e “feitos para serem levados e destruídos”, o mesmo destino deve vir sobre os homens que se fazem semelhantes a eles. os brutos não têm natureza racional, e é de se esperar que eles representem suas propensões sem restrições. O homem, como animal, tem muitas paixões e apetites parecidos com os da criação bruta, mas também é dotado de uma natureza superior, que é projetada para regular e controlar suas propensões inferiores, e para mantê-los em subordinação às exigências da lei. . Se um homem se afunda ao nível dos brutos, ele deve esperar ser tratado como brutos; e como animais selvagens e selvagens - leões, panteras, lobos e ursos - são considerados perigosos e “feitos para serem levados e destruídos”, o mesmo destino deve vir sobre os homens que se fazem semelhantes a eles. tem muitas paixões e apetites parecidos com os da criação bruta, mas ele também é dotado de uma natureza superior, que é projetada para regular e controlar suas propensões inferiores, e para mantê-los em subordinação às exigências da lei. Se um homem se afunda ao nível dos brutos, ele deve esperar ser tratado como brutos; e como animais selvagens e selvagens - leões, panteras, lobos e ursos - são considerados perigosos e “feitos para serem levados e destruídos”, o mesmo destino deve vir sobre os homens que se fazem semelhantes a eles. tem muitas paixões e apetites parecidos com os da criação bruta, mas ele também é dotado de uma natureza superior, que é projetada para regular e controlar suas propensões inferiores, e para mantê-los em subordinação às exigências da lei. Se um homem se afunda ao nível dos brutos, ele deve esperar ser tratado como brutos; e como animais selvagens e selvagens - leões, panteras, lobos e ursos - são considerados perigosos e “feitos para serem levados e destruídos”, o mesmo destino deve vir sobre os homens que se fazem semelhantes a eles.

 

Feitas para serem tomadas e destruídas - Elas não são apenas inúteis para a sociedade, mas também destrutivas; e os homens sentem que é certo destruí-los. Não devemos supor que isso ensine que o único objeto que Deus tinha em vista ao fazer animais selvagens era que eles poderiam ser destruídos; mas as pessoas assim as consideram.

 

Fala mal das coisas que eles não entendem - De objetos cujo valor e valor eles não podem apreciar. Isso não é incomum entre as pessoas, especialmente no que diz respeito às obras e caminhos de Deus.

 

E perecerá completamente em sua própria corrupção - Suas visões serão o meio de sua ruína; e eles os tornam aptos para isso, tanto quanto as ferozes paixões dos animais selvagens fazem.

 

Versículo 13

E receberá a recompensa da injustiça - A devida recompensa de suas iniqüidades no mundo futuro. Tais pessoas nem sempre recebem a devida recompensa de seus atos na vida presente; e como é um princípio grande e imutável que todos serão tratados, sob o governo de Deus, como eles merecem, ou que a justiça será dada a todo ser racional, segue-se que deve haver punição no estado futuro.

 

Como eles que consideram prazer se revoltar durante o dia - Como homens especialmente perversos, desavergonhados e abandonados; por apenas tal revelação em dia aberto. Compare a nota de Atos 2:15 2:15 de Atos ; 1 Tessalonicenses 5: 71 Tessalonicenses 5: 7 nota.

 

São manchas e manchas - isto é, elas são como uma mancha escura em uma roupa pura, ou como uma deformidade em uma outra pessoa bonita. Eles são um escândalo e desgraça para a profissão cristã.

 

Esportando-se - A palavra grega aqui significa viver delicada ou luxuosamente; para deleitar-se. A ideia não é exatamente a de praticar esportes, brincar ou divertir-se; mas é que eles tiram proveito de seus pontos de vista para viver em motim e luxo. Sob o traje da profissão cristã, eles dão indulgência às paixões mais corruptas.

 

Com seus próprios enganos - Judas, no lugar paralelo, Judas 1:12 Judas 1:12 , diz: “Estas são manchas em suas festas de caridade, quando eles se banquetearem com você.” Várias versões, e alguns manuscritos também, aqui leram “festas”. em vez de “embustes” ( ἀγάπαῖς agapaisfor ἀπάταις apataisThe leitura comum, no entanto, é sem dúvida o correto, (ver Wetstein, em loc.), e o significado é, que aproveitou suas opiniões falsas para transformar até mesmo as festas sagradas de caridade, ou talvez a própria Ceia do Senhor, em uma ocasião de indulgência sensual. Compare as notas em 1 Coríntios 11: 20-221 Coríntios 11: 20-22 . A diferença entre essas pessoas e as pessoas da igreja de Corinto parece ter sido a de que essas pessoas fizeram isso no projeto e com o propósito de levar outros ao pecado; aqueles que estavam na igreja em Corinto erraram pela ignorância.

 

Enquanto eles festejam com você - συνευωχούμενοι suneuōchoumenoiEsta palavra significa festejar vários juntos; festejar com qualquer um; e a referência parece ser a algum festival que foi celebrado pelos cristãos, onde homens e mulheres foram reunidos, 2 Pedro 2:14 2 Pedro 2:14 , e onde eles puderam converter o festival em uma cena de motim e desordem. Se a Ceia do Senhor fosse celebrada por eles como em Corinto, isso proporcionaria tal ocasião; ou se foi precedido por uma “festa da caridade” (notas, Judas 1:12 Judas 1:12 ), que forneceria tal ocasião. Parece provável que um festival de algum tipo estivesse relacionado com a observância da Ceia do Senhor (observa, 1 Coríntios 11:211 Coríntios 11.21).), e que isso foi convertido por essas pessoas em uma cena de motim e desordem.

 

Verso 14

Ter olhos cheios de adultério - Margem, como no grego, “uma adúltera”, isto é, contemplar com desejo essas pessoas. A palavra “completo” é designada para denotar que a paixão corrupta referida havia tomado totalmente e ocupado suas mentes. O olho estava, por assim dizer, cheio dessa paixão; não viu outra coisa senão alguma ocasião para sua indulgência; não expressava nada além do desejo. A referência aqui é ao festival sagrado mencionado no verso anterior; e o significado é que eles celebravam aquela festa com sentimentos licenciosos, dando indulgência aos seus desejos corruptos, contemplando as mulheres que estavam reunidas com eles. Na paixão aqui referida, o “olho” é geralmente o primeiro ofensor, a entrada para corromper desejos e o meio pelo qual eles são expressos. Compare as notas em Mateus 5:28Mateus 5:28 . O olhar devasso é a principal ocasião para excitar o pecado; e muitas vezes há roupas, modos e gestos para encantar os olhos e aprofundar a paixão aviltante.

 

E isso não pode cessar do pecado - Eles não podem olhar para as mulheres que podem estar presentes sem pecar. Compare Mateus 5:28Mateus 5:28 . Há muitos homens em quem a presença da mulher mais virtuosa apenas excita os desejos impuros e corruptos. A expressão aqui não significa que eles não tenham nenhuma habilidade natural para cessar do pecado, ou que sejam impelidos a ele por qualquer necessidade física, mas somente que eles são tão corruptos e sem princípios que certamente pecarão sempre.

 

Almas instáveis ​​sedutoras - Aqueles que não são fortes no princípio cristão, ou que são naturalmente flutuantes e irresolutos. A palavra traduzida como sedutora significa atrair, aprisionar e seria aplicável aos métodos praticados na caça. Aqui significa que foi uma de suas artes colocar especulações de sedução diante daqueles que eram conhecidos por não terem princípios estabelecidos ou firmeza, a fim de atraí-los ao pecado. Compare 2 Timóteo 3: 62 Timóteo 3: 6 .

 

Um coração que eles exercitaram com práticas ambiciosas - Hábeis nas artes que homens ambiciosos adotam para enganar os outros fora de suas propriedades. Um propósito importante que influenciou esses homens foi obter dinheiro. Uma das maneiras mais certas para os homens desonestos fazerem isso é fazer uso do princípio religioso; corromper e controlar a consciência; fazer com que os outros acreditem que são eminentemente santos ou que são os favoritos especiais do céu; e quando eles podem fazer isso, eles têm as bolsas de outros no comando. Pois o princípio religioso é o mais poderoso de todos os princípios; e aquele que pode controlar isso, pode controlar tudo o que um homem possui. A idéia aqui é que essas pessoas fizeram disso seu estudo e aprenderam as maneiras pelas quais os homens poderiam ser induzidos a se desfazer de seu dinheiro sob pretensões religiosas. Devemos estar sempre atentos quando professores professos religiosos se propõem a ter muito a ver com questões financeiras. Embora devamos estar sempre prontos para ajudar em toda boa causa, devemos lembrar que os homens sem princípios e indolentes geralmente assumem a máscara da religião para praticar suas artes na credulidade dos outros, e que seu objetivo real é obter sua propriedade, não para salvar suas almas.

 

Crianças amaldiçoadas - Este é um hebraísmo, significando literalmente “filhos da maldição”, isto é, pessoas dedicadas à maldição, ou que certamente serão destruídas.

 

Versículo 15

Que abandonaram o caminho certo - O caminho reto da honestidade e integridade. A religião é frequentemente representada como um caminho reto, e fazer o errado é sair desse caminho de uma forma tortuosa.

 

Seguindo o caminho de Balaão, filho de Bosor - Veja Números 22: 5Números 22: 5 , a seguir. No Livro dos Números, Balaão é chamado de filho de "Beor". Talvez o nome Beor tenha sido corrompido em Bosor; ou, como Rosenmuller sugere, o pai de Balaão pode ter dois nomes. Schleusner (Lexicon) supõe que foi mudado pelos gregos porque foi mais facilmente pronunciado. A Septuaginta, no entanto, lê-lo como Beεὼρ Beōr - "Beor". O significado aqui é que eles IMitAted Balaam. O ponto particular ao qual Pedro se refere, no qual o imitaram, parece ter sido o amor pelo ganho ou a cobiça. Possivelmente, no entanto, ele poderia ter projetado para se referir a uma semelhança mais geral, pois na verdade eles o imitaram nas seguintes coisas:

 

(1) ser professos religiosos professos ou servos de Deus;

 

(2) em sua cobiça;

 

(3) induzir outros a pecar, referindo-se ao mesmo tipo de pecados em ambos os casos.

 

Balaão aconselhou os moabitas a incitar os filhos de Israel a se ligarem ilicitamente a suas mulheres, introduzindo assim a licenciosidade no acampamento dos hebreus ( Números 31:16 Números 31:16 ; compare com Números 25: 1-9Números 25: 1-9 ); e da mesma maneira esses professores levaram os outros à licenciosidade, corrompendo assim a igreja.

 

Quem amava o salário da injustiça - que era supremamente influenciado pelo amor ao ganho, e era capaz de ser empregado, por um preço, num desígnio perverso; prostituindo assim seu alto ofício, como profeta professo do Altíssimo, para fundar e ignorar os fins. Aquele Balaão, embora ele professasse ser influenciado por uma suprema consideração à vontade de Deus Números 22:18 Números 22:18 , Números 22:38Números 22:38 , foi realmente influenciado pelo desejo de recompensa, e estava disposto a prostituir seu grande ofício para assegurar tal recompensa. , Não pode haver nenhuma dúvida.

 

(1) os anciãos de Moab e de Midian vieram a Balaão com “as recompensas da adivinhação nas mãos” Números 22: 7 Números 22: 7 , e com promessas de Balaque de promovê-lo a grande honra, se ele amaldiçoar os filhos de Israel, Números 22:17Números 22:17 .

 

(2) Balaão estava disposto a ir com eles, e foi impedido de ir de uma só vez por uma proibição direta e solene do Senhor, Números 22:11Números 22:11 .

 

(3) apesar desta proibição solene, e não em pé, ele disse aos embaixadores de Balaque que ele faria apenas como Deus ordenou, embora Balaque lhe desse sua casa cheia de prata e ouro, Números 22:18 Números 22:18 , mas ele não o fez. considerar o assunto como resolvido, mas propôs-lhes que esperassem mais uma noite, com a esperança de que o Senhor daria uma direção mais favorável em referência ao seu pedido, mostrando assim que seu coração estava no serviço que requeriam, e que sua inclinação era aproveitar a oferta deles, Números 22:19Números 22:19 .

 

(4) quando obteve permissão para ir, foi apenas para dizer aquilo que o Senhor deveria instruí-lo a dizer, Números 22:20 Números 22:20 ; mas ele foi com um coração perverso, com um desejo secreto de cumprir o desejo de Balaque, e com o conhecimento de que ele estava errado, Números 22:34Números 22:34 , e foi impedido de proferir a maldição que Balaque desejava apenas por uma influência de acima do qual ele não podia controlar. Balaão era indubitavelmente um homem perverso, e foi constrangido por um poder do alto a proferir sentimentos que Deus queria dizer, mas que Balaão nunca teria expressado por vontade própria.

 

Versículo 16

Mas foi repreendido por sua iniqüidade - O objetivo de Pedro parece ser mostrar que Deus empregou os meios extraordinários de causar o asno em que cavalgava para falar, porque sua iniqüidade era tão monstruosa. A culpa de assim rebaixar seu alto cargo e ir adiante para amaldiçoar o povo de Deus - um povo que não o havia cometido, e que não lhe dava ocasião para sua maldição - era tão extraordinária, que significa que era extraordinário exprimi-lo. Se Deus empregar significa tão extraordinário reprovar “sua” depravação, era de se esperar que de algum modo apropriado ele expressasse seu senso da maldade daqueles que se pareciam com ele.

 

O idiota, falando com a voz do homem - Números 22:28Números 22:28. Deus parece ter projetado que tanto Bálsamo quanto Balaque deveriam ser convencidos de que os filhos de Israel eram seu povo; e tão importante era que essa convicção deveria repousar inteiramente nas mentes das rações através das quais eles passavam, que ele não iria sofrer nem mesmo um pretenso profeta fazer uso de sua influência para amaldiçoá-los. Ele projetou que toda essa influência deveria ser a favor da causa da verdade, fornecendo assim um exemplo notável do uso que ele freqüentemente faz dos homens iníquos. Para convencer Balaão do erro de seu rumo, e para torná-lo sensato de que Deus era um observador de sua conduta, e induzi-lo a proferir apenas o que ele deveria dirigir, nada seria mais adequado do que esse milagre. O próprio animal sobre o qual ele andava, mudo e naturalmente estúpido, foi obrigado a proferir uma repreensão; uma censura tão direta do céu como se as pedras tivessem gritado sob seus pés, ou as árvores da floresta tivessem proferido a linguagem do reconto. Quanto à natureza do milagre aqui referido, pode ser observado:

 

(1) que foi tão fácil para Deus realizar este milagre como qualquer outro; e,

 

(2) que foi um milagre que seria tão provável ser eficaz, e responder ao propósito, como qualquer outro.

 

Ninguém pode mostrar que isso não poderia ter ocorrido; e a ocasião foi uma em que alguns decidiram repreender, em linguagem além da consciência, era necessário.

 

Proibiu a loucura do profeta Isto é, o desígnio louco ou perverso do profeta. A palavra aqui traduzida por “loucura” significa, apropriadamente, estar à parte de uma mente correta. Não é encontrado em outras partes do Novo Testamento. É usado aqui para denotar que Balaão estava envolvido em um empreendimento que indicava uma disposição teimosa; uma ação contrária à razão e ao senso sóbrio. Ele estava tão sob a influência da avareza e da ambição que seu sentido sóbrio ficou cego e agiu como um louco. Ele sabia, de fato, o que era certo, e professara o propósito de fazer o que era certo, mas não permitiu que isso o controlasse; mas, por causa do ganho, foi contra sua própria convicção sóbria, e contra o que ele sabia ser a vontade de Deus. Ele estava tão louco ou enfatuado que não permitia que nem a razão, nem a consciência, nem a vontade de Deus o controlassem!

 

Versículo 17

Estes são poços sem água - Judas 1: 12-13Judas 1: 12-13emprega vários outros epítetos para descrever a mesma classe de pessoas. A linguagem empregada tanto por Pedro como por Judas é singularmente concisa, enfática e enfática. Nada para uma mente oriental seria mais expressivo do que dizer de professos religiosos professos, que eles eram “poços sem água”. Sempre foi um triste desapontamento para um viajante nas areias quentes do deserto chegar a um poço onde era Esperava-se que a água pudesse ser encontrada e a secasse. Isso só agravou as provações do viajante sedento e cansado. Tais eram esses professores religiosos. Em um mundo não comparável, em relação ao seu conforto real, aos resíduos e areias do deserto, eles apenas desapontariam seriamente as expectativas de todos aqueles que buscavam as influências refrescantes das verdades do evangelho. Existem muitos desses professores no mundo.

 

Nuvens que são carregadas com uma tempestadeNuvens que são levadas pelo vento e que não chovem a chuva sobre a terra. Eles prometem chuva, apenas para serem seguidos de decepção. Substancialmente, a mesma idéia é transmitida por isso como pela frase anterior. "Os árabes comparam as pessoas que têm a aparência de virtude, quando ainda são destituídas de toda a bondade, a uma nuvem de luz que faz uma demonstração de chuva e depois desaparece" - Benson. O sentido é este: a nuvem, à medida que sobe, promete chuva. A expectativa do fazendeiro é animada que a terra sedenta deva ser refrescada com chuvas necessárias. Em vez disso, no entanto, o vento “entra” na nuvem; é dirigido, e não chove, ou termina em um furacão destrutivo que varre tudo antes. Então, desses professores religiosos. Instrução quanto ao caminho da salvação era esperado deles; mas, em vez disso,

 

Para quem a névoa da escuridão é reservada para sempre - A palavra traduzida “névoa” aqui, ( zόφος zofosmeans propriamente muskiness, escuridão grossa, escuridão, (veja 2 Pedro 2: 4 2 Pedro 2: 4 ), ea frase “névoa da escuridão” é projetado para denota a escuridão "intensa", ou a escuridão mais espessa. Refere-se, sem dúvida, ao lugar do castigo futuro, que é frequentemente representado como um lugar de trevas intensas. Veja as notas em Mateus 8:12 Mateus 8:12.. Quando se diz que isso é “reservado” para eles, significa que está preparado para eles, ou é mantido em estado de prontidão para recebê-los. É como uma cadeia ou penitenciária que é construída em antecipação que haverá criminosos, e com a expectativa de que haverá uma necessidade para isso. Então Deus construiu a grande prisão do universo, o mundo onde os ímpios devem habitar, com o conhecimento de que haveria ocasião para isso; e assim ele mantém de idade para idade que pode estar pronto para receber os ímpios quando a sentença de condenação lhes será passada. Compare Mateus 25:41 Mateus 25:41 . A palavra “para sempre” é uma palavra que denota apropriadamente a eternidade, ( εἰς αἰώναMateus 25:46 eis aiōnaand é uma palavra que não poderia ter sido usada se tivesse sido feita para que não sofressem para sempre. Compare as notas em Mateus 25:46 .

 

Versículo 18

Pois quando eles falam grandes palavras inchadas de vaidade - Quando fazem pretensões à sabedoria e à aprendizagem, ou parecem atribuir grande importância ao que dizem, e insistem de maneira pomposa e positiva. A verdade é simples e se deleita em declarações simples. Ela espera fazer o seu caminho por sua própria força intrínseca, e está disposta a passar por aquilo que vale a pena. O erro é barulhento e declamatório, e espera ter sucesso substituindo o som por sentido, e por tais tons e artes que induzirão os homens a acreditarem que o que é dito é verdade, quando se sabe que o falante é falso.

 

Eles atraem através das concupiscências da carne - A mesma palavra é usada aqui, que em 2 Pedro 2:14 2 Pedro 2:14 é traduzida como “sedutora”, e em Tiago 1:14Tiago 1:14 “seduzida”. Ela não ocorre em outro lugar no Novo Testamento. Isso significa que eles fazem uso de artes enganosas para fascinar, enredar ou seduzir os outros. Os “meios” que aqui diziam que empregavam eram “as concupiscências da carne”; isto é, prometiam uma indulgência ilimitada aos apetites carnais ou ensinavam tais doutrinas que os seus seguidores se sentiriam livres para dar liberdade irrestrita a tais propensões. Este tem sido um método bastante comum no mundo, de induzir as pessoas a adotar falsas doutrinas.

 

Através de muita devassidão - Veja as notas em 2 Timóteo 3: 62 Timóteo 3: 6 . O significado aqui é que eles fizeram uso de toda variedade de artes lascivas para seduzir os outros sob pretensões religiosas. Isso tem sido feito frequentemente no mundo; porque a religião foi abusada para dar aos sedutores acesso à confiança dos inocentes, apenas para que possam traí-los e arruiná-los. É certo que, para todos, a “névoa de escuridão deve ser reservada para sempre”; e se não houvesse um local de punição preparado para tais homens, haveria um defeito na administração moral do universo.

 

Aqueles que estavam limpos escaparam daqueles que vivem em erro - Margem, “por um tempo”. A diferença entre a margem e o texto aqui surge de uma diferença de leitura no grego. A maioria das edições posteriores do testamento grego coincide com a leitura na margem, ( ὀλίγως oligōsmeaning "pouco, mas um pouco, pouco." Isso está de acordo com o escopo da passagem; e, de acordo com isto, significa que eles “escaparam” das armadilhas e influências daqueles que vivem no erro e no pecado. Eles começaram a pensar em seus caminhos; eles haviam quebrado muitos de seus maus hábitos; e havia esperança de que eles seriam inteiramente reformados, e se tornariam cristãos decididos, mas eles foram novamente atraídos pelos pecados em que haviam se entregado por tanto tempo. Isto me parece concordar com o desenho da passagem, e certamente está de acordo com o que freqüentemente ocorre, que aqueles que são viciados em hábitos de vício se tornam aparentemente interessados ​​em religião, e abandonam muitas de suas más práticas, mas são novamente atraídos por as influências sedutoras do pecado e a recaída em seus antigos hábitos. No caso aqui referido, foi por professos professos religiosos - e isso nunca é feito agora? Não há ninguém, por exemplo, que tenha sido viciado em hábitos de intemperança, que tenha sido quase reformado, mas que seja levado de volta pela influência de professores religiosos? Não direta e abertamente, de fato, eles os conduziriam a hábitos de intemperança. Mas, quando sua reforma é iniciada, seu sucesso e sua conclusão dependem da total abstinência de tudo o que intoxica. Nessa condição, nada mais é necessário para assegurar toda a sua reforma e segurança do que a mera abstinência; e nada mais pode ser necessário para levá-los às suas práticas anteriores do que o exemplo de outros que se entregam a beber moderadamente, ou que a doutrina inculcada por um professor religioso de que essa bebida moderada não é contrária ao espírito da Bíblia.

 

Verso 19

Enquanto lhes prometem liberdade - A verdadeira religião sempre promete e produz liberdade (veja as notas em João 8:36João 8:36 ), mas a liberdade particular que essas pessoas parecem ter prometido, era a liberdade daquilo que consideravam como restrição desnecessária, visões estreitas da religião.

 

Eles mesmos são os servos da corrupção - Eles são escravos de paixões grosseiras e corruptas, eles próprios estranhos à liberdade e presos nas cadeias da servidão. Essas paixões e apetites obtiveram todo o domínio sobre eles, e os trouxeram para a escravidão mais severa. Este é frequentemente o caso daqueles que ridicularizam as restrições da piedade séria. Eles próprios são escravos do apetite, ou das regras da vida da moda, ou das leis da honra, ou das indulgências viciosas. "Ele é um homem livre, a quem a verdade liberta, e todos são escravos". Compare as notas em 2 Coríntios 3:172 Coríntios 3:17 .

 

Por quem um homem é vencido ... - Ou melhor, “pelo que ( ᾧ hō) alguém é vencido”, isto é, “o que quer que” tenha o domínio dele, seja avareza, ou sensualidade, ou orgulho, ou qualquer forma de erro. Veja as notas em Romanos 6:16Romanos 6:16 , onde esse sentimento é explicado.

 

Versículo 20

Pois se depois de terem escapado das poluições do mundo - isso não significa necessariamente que eles foram verdadeiros cristãos e caíram em desgraça. As pessoas podem reformar-se exteriormente e escapar das corrupções abertas que prevalecem ao seu redor, ou que elas mesmas praticaram, e ainda não têm nenhuma verdadeira graça no coração.

 

Através do conhecimento do Senhor e Salvador Jéssica - isso não significa que eles eram cristãos verdadeiros, ou que eles já tiveram algum conhecimento salvador do Redentor. Há um conhecimento das doutrinas e deveres da religião que podem levar os pecadores a abandonar seus vícios externos, que não têm conexão com a graça salvadora. Eles podem professar religião e saber o suficiente da religião para entender que ela exige que abandonem seus hábitos viciosos e que nunca sejam cristãos verdadeiros.

 

Eles são mais uma vez emaranhados e superados - A palavra traduzida como “emaranhada”, ( ἐμπλέκω emplekōda qual é derivada da nossa palavra “implicar”, significa entrelaçar, entrelaçar, envolver, enredar. Significa aqui que eles se envolvem naqueles vícios como um animal que está enredado em uma rede.

 

O último fim é pior para eles do que o começo - geralmente é o caso. Os apóstatas se tornam piores do que eram antes de sua conversão professada. Bêbados “reformados”, se eles voltarem para suas “xícaras” novamente, ficarão mais abandonados do que nunca. Assim, é com aqueles que foram viciados em quaisquer hábitos de vício, e que professam se tornar religiosos, e depois se afastarem. As "razões" para isso podem ser:

 

(1) que eles estão dispostos agora a mostrar aos outros que eles não estão mais sob as restrições pelas quais eles se vincularam;

 

(2) que Deus os entrega à indulgência com menos restrições do que antigamente; e,

 

(3) seus antigos companheiros no pecado podem ter dores especiais para cortejar sua sociedade e levá-los à tentação, a fim de obter um triunfo sobre a virtude e a religião.

 

Versículo 21

Pois havia sido melhor para eles ... - Compare as notas em Mateus 26:24Mateus 26:24 . Teria sido melhor para eles, para:

 

(1) então eles não teriam desonrado a causa da religião como fizeram agora;

 

(2) eles não teriam afundado tão profundamente no desperdício como eles agora têm; e,

 

(3) eles não teriam incorrido em uma condenação tão agravada no mundo da aflição. Se as pessoas estão decididas a serem más, é melhor que nunca finjam ser boas. Se eles devem ser rejeitados, é melhor que não sejam apóstatas da causa da virtude e da religião.

 

Verso 22

Mas isso aconteceu com eles de acordo com o verdadeiro provérbio - O significado dos provérbios aqui citados é que eles retornaram à sua antiga forma de vida. Sob todas as aparições da reforma, ainda permanecia sua natureza maligna, tanto quanto a do cão ou do porco, e que a natureza finalmente prevaleceu. Não houve uma mudança interna completa, mais do que há nos porcos quando é lavada ou no cão. Esta passagem, portanto, parece demonstrar que nunca houve uma verdadeira mudança de coração, e é claro que não houve afastamento da verdadeira religião. Não deveria, portanto, citá-lo para provar que os verdadeiros cristãos podem cair da graça e perecer. O cão e os porcos nunca tinham sido outra coisa senão o cão e o porco, e essas pessoas nunca tinham sido nada além de pecadores.

 

O cão é virado para o seu próprio vômito novamente - isto é, para devorá-lo. A passagem parece implicar, que quaisquer que sejam as dores que devam ser tomadas para mudar os hábitos do cão, ele retornaria a eles novamente. A citação aqui é de Provérbios 26:11 Provérbios 26:11 ; “Quando um cão volta ao seu vômito, o mesmo acontece com sua insensatez”. Um provérbio similar é encontrado nos escritores rabínicos. Da verdade do fato repugnante aqui afirmado do cachorro, não pode haver dúvida. Fedro (Fab. 27) afirma um fato ainda mais ofensivo a respeito de seus hábitos. Na visão dos orientais, o cão era considerado um dos mais vis e repugnantes de todos os animais. Compare Deuteronômio 23:18 Deuteronômio 23:18 ; 1 Samuel 17:43 1 Samuel 17:43 ; 2 Samuel 3: 8 2 Samuel 3: 8 ; 2 Samuel 9: 8 2 Samuel 9: 8; 2 Samuel 16: 9 2 Samuel 16: 9 ; Mateus 7: 6 Mateus 7: 6 ; Filemom 3: 2Filemom 3: 2 . Veja também Horace, II. Epis. 1,26:

 

Vixisset canis immundus, vel amica luto sus .

 

Sobre o uso deste provérbio, veja Wetstein, in loc.

 

E a porca que foi lavada ... - Este provérbio não é encontrado no Antigo Testamento, mas era comum nos escritos rabínicos, e é encontrado nos clássicos gregos. Veja Wetstein, in loc. Seu significado é claro, e da verdade do que é afirmado, ninguém pode ter qualquer dúvida. Não importa quão limpa a suína seja lavada, isso não a impediria, no menor grau, de se enrolar novamente. Ele irá atuar a sua verdadeira natureza. Assim é com o pecador. Nenhuma reforma externa certamente impedirá seu retorno aos seus antigos hábitos; e quando ele retorna, podemos apenas dizer que ele está agindo de acordo com sua natureza real - uma natureza que nunca foi mudada, mais do que a natureza do cão ou do porco. Sobre as características das pessoas mencionadas neste capítulo, 2 Pedro 2: 9-192 Pedro 2: 9-19, veja a introdução, Seção 3.

 

Esta passagem é frequentemente citada para provar “a possibilidade de cair da graça, e de um grau muito elevado dela também”. Mas é uma das últimas passagens da Bíblia que deve ser apresentada para provar essa doutrina. O verdadeiro ponto dessa passagem é mostrar que as pessoas mencionadas nunca “foram mudadas”; que qualquer reforma externa poderia ter ocorrido, sua natureza permaneceu a mesma; e que, quando apostataram de sua profissão exterior, eles simplesmente representavam sua natureza e mostravam que, de fato, não havia “nenhuma” mudança real. Esta passagem provará - o que há fatos abundantes para confirmar - que as pessoas podem reformar-se externamente e depois voltar novamente a seus antigos hábitos corruptos; nunca pode ser feito para provar que um verdadeiro cristão cairá e perecerá. Também provará que não devemos confiar em nenhuma mera reforma externa, nenhuma limpeza externa, como certa evidência de piedade. Milhares de pessoas que foram reformadas externamente acabaram demonstrando isso. não tinha religião, e não há nada em mera reforma externa que nos sirva para o céu. Deus olha para o coração; e é somente a religião que tem sua sede ali, que pode assegurar nossa salvação final.

fonte bibliografia Notas de Albert Barnes  /www.mauricoberwald.comunidades.net