Translate this Page

Rating: 2.6/5 (279 votos)




ONLINE
1




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Lição CPAD as obras da carne 1 trim-2017
Lição CPAD as obras da carne 1 trim-2017

            Lição 3- O Perigo das Obras da Carne

      Classe: de Adultos 15 de Janeiro de 2017

                           

 

Texto Áureo

"Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca." (Mt 26.41)

Verdade Prática

Oremos e vigiemos para que não sejamos surpreendidos pelas obras da carne.

 

LEITURA DIÁRIA

Segunda - Gl 5,19: O perigo da prostituição, da impureza e da lascívia

Terça – Gl 5.20a: O perigo da idolatria, das feitiçarias e das inimizades

Quarta – Gl 5.20b: O perigo das contendas, das disputas e das iras

Quinta – Gl 5.21: O perigo da inveja, dos homicídios, das bebedices e das glutonarias

Sexta – Gl 5.21a: O perigo fatal das obras da carne

Sábado – Gl 5.16: Como vencer as obras da carne

 

 

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Lucas 6.39 - 49

39 E dizia-lhes uma parábola: Pode porventura o cego guiar o cego? Não cairão ambos na cova?

40 O discípulo não é superior a seu mestre, mas todo o que for perfeito será como o seu mestre.

41 E por que atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho?

42 Ou como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão.

43 Porque não há boa árvore que dê mau fruto, nem má árvore que dê bom fruto.

44 Porque cada árvore se conhece pelo seu próprio fruto; pois não se colhem figos dos espinheiros, nem se vindimam uvas dos abrolhos.

45 O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca.

46 E por que me chamais, SENHOR, Senhor, e não fazeis o que eu digo?

47 Qualquer que vem a mim e ouve as minhas palavras, e as observa, eu vos mostrarei a quem é semelhante:

48 É semelhante ao homem que edificou uma casa, e cavou, e abriu bem fundo, e pôs os alicerces sobre a rocha; e, vindo a enchente, bateu com ímpeto a corrente naquela casa, e não a pôde abalar, porque estava fundada sobre a rocha.

49 Mas o que ouve e não pratica é semelhante ao homem que edificou uma casa sobre terra, sem alicerces, na qual bateu com ímpeto a corrente, e logo caiu; e foi grande a ruína daquela casa.

HINOS SUGERIDOS: 419,491, 530 DA HARPA CRISTÃ

 

OBJETIVO GERAL

Explicar o perigo das obras da carne.

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  1. Identificar o que é concupiscência da carne;
  2. Mostrar o que é um caráter moldado pelo Espírito;

III. Saber que uma vida que não agrada a Deus vive segundo a carne e é infrutífera.

 

 INTERAGINDO COM O PROFESSOR

Professor, todo ensino deve provocar uma mudança. Se não há mudança, não há aprendizado. Seus alunos devem entender o perigo das obras da carne e repudiar isso de suas vidas. Todos estão sujeitos a caírem nesse mal, mas a partir do momento que o Espírito Santo tem o total controle sobre o crente, dificilmente as obras da carne terão chance de se sobressair. A oração e a vigilância são elementos fundamentais para a luta contra uma vida de pecado, considerando que para Deus não há tamanho de pecado. Pecado é pecado e ponto! O crente deve ouvir a Palavra e ser semelhante ao homem prudente: colocando em prática tudo o que ouvir. Fazendo assim, permaneceremos firmes quaisquer que sejam as tempestades que possam assolar a nossa vida.

 

INTRODUÇÃO

A lição deste domingo é um alerta para os que querem agradar a Deus e ter uma vida frutífera. Estudaremos o perigo das obras da carne. Precisamos ter cuidado, pois dentro de todo crente habita duas naturezas: a natureza adâmica, a qual foi corrompida na Queda, e a nova natureza, que é resultado da regeneração, do novo nascimento (Jo 3.3). Veremos que a natureza adâmica, se não for controlada pelo Espírito, produz frutos que levam o crente à morte espiritual.

 

I - A VIDA CONDUZIDA PELA CONCUPISCÊNCIA DA CARNE

 

  1. A concupiscência da carne.

Você sabe o significado da palavra concupiscência? Segundo o Dicionário Wycliffe, este é um "termo usado teologicamente para expressar os desejos malignos e lascivos que assediam os homens caídos" (Rm 7.8). A velha natureza, se não for controlada pelo Espirito, leva-nos a cometer as piores ações e abominações. Por isso, precisamos vigiar e viver constantemente cheios do Espírito Santo (Ef 5.18). Paulo advertiu a Igreja, explicando que, quem semeia na carne, ou seja, vive segundo a velha natureza, da carne ceifará corrupção (Gl 6.8). Nossos desejos e vontades devem ser controlados pelo Espírito Santo, pois os desejos da velha natureza são impuros e nos conduzem para a morte espiritual.

 

PONTO CENTRAL

A natureza adâmica deve ser controlada pelo Espírito.

 

  1. A vida guiada pela concupiscência da carne.

Quem controla seus desejos? Temos anseios, mas estes precisam ser controlados por Deus. Devemos submeter nossos pensamentos e desejos ao controle divino. O crente que não tem uma mente conduzida pelo Espírito Santo torna-se uma pessoa sem controle, sem qualquer deferência.

A Palavra de Deus nos ensina que precisamos mortificar nossa natureza (Cl 3-5). Mortificar é permitir que Deus controle nossos pensamentos, vontades e ações. Vivemos em uma sociedade hedonista, onde a busca pelo prazer tem feito com que muitos sejam dominados por desejos malignos, praticando, sem qualquer pudor, toda a sorte de impureza, e tudo em nome do prazer e da liberdade. Diante desse triste quadro, a Igreja não pode se calar, mas deve expressar suas virtudes anunciando a mensagem da salvação.

 

3- A vida conduzida pela concupiscência dos olhos.

Longe de Deus e sem o controle do Espírito Santo, o homem manifesta seus desejos mais perversos, trazendo sérios prejuízos para os relacionamentos na Igreja e fora dela. Quando o homem se torna insensível à voz de Deus e ao Espírito, sendo governado apenas por seus instintos, torna-se semelhante aos animais. Uma vida conduzida pela velha natureza leva as pessoas a olharem apenas para os prazeres momentâneos que o mundo oferece, não atentando para o que é eterno. Davi viu e desejou a mulher de Urias, e o seu desejo descontrolado o levou a cometer um adultério e um homicídio (2 Sm 11.1-4). Ele não atentou para as consequências dos seus atos. O crente não pode se deixar seduzir pelos prazeres deste mundo (l 3o 2.15-17).

SÍNTESE DO TÓPICO l

A concupiscência da carne e a concupiscência dos olhos levam a pessoa a viver uma vida fará dos padrões divinos.

 

SUBSÍDIO TEOLÓGICO

Algumas pessoas pensam que o mundanismo está limitado ao comportamento exterior — as pessoas com quem nos associamos, os lugares que frequentamos, as atividades que apreciamos. O mundanismo é também interior, porque começa no coração, e é caracterizado por três atitudes:

(1) a cobiça pelo prazer físico — a preocupação com a satisfação dos desejos físicos;

(2) a cobiça por tudo o que vemos — almejar e acumular coisas, curvando-se ao deus do materialismo; e

(3) o orgulho das nossas posses — obsessão pela condição, posição ou por ser importante. Quando a serpente tentou Eva (Gn 3.6), tentou-a nestes aspectos. Semelhantemente, quando o Diabo tentou Jesus no deserto, estas foram as três áreas de ataque (ver Mt 4-1-11).

Em contraste. Deus estima o autocontrole, um espírito de generosidade, e o compromisso de servir com humildade, É possível dar a impressão de evitar os prazeres mundanos e ao mesmo tempo abrigar atitudes mundanas no coração. É também possível, como Jesus, amar os pecadores e dedicar-lhe tempo, enquanto mantemos um forte compromisso com os valores do Reino de Deus. Quais são os valores mais importantes para você? Suas ações refletem os valores de Deus ou os valores do mundo?" (Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal. Rio de Janeiro: CPAD, 2003, p. 1783-84).

CONHEÇA MAIS

CARNAL

Esta palavra aparece somente no Novo Testamento, embora o termo 'carnalmente' seja encontrado três vezes no Antigo Testamento. 'Carnal' aparece no Novo Testamento onze vezes, e 'carnalmente' uma vez. 'Carnal' significa 'pertinente à carne'. O substantivo SARX significa basicamente o corpo de um animal ou de uma pessoa, ou a carne de um animal. No entanto, no Novo Testamento, o termo