Translate this Page

Rating: 2.6/5 (285 votos)




ONLINE
2




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


Comentario evangelho de Lucas cap.7 subsidio EBD
Comentario evangelho de Lucas cap.7 subsidio EBD

Comentario evangelho de Lucas cap.7 subsidio EBD

MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR

 

Comentário  Matthew Henry sobre a Bíblia

Introdução

Neste capítulo temos, I. Cristo confirmando a doutrina que ele havia pregado no capítulo anterior, com dois gloriosos milagres - a cura de um à distância, e esse era o servo do centurião ( Lucas 7: 1-10 ), e o levantamento de um para a vida que estava morto, o filho da viúva em Naim, Lucas 7: 11-18 . II. Cristo confirmando a fé de João que estava agora na prisão, e de alguns de seus discípulos, enviando-lhe um breve relato dos milagres que ele operou, em resposta a uma pergunta que ele recebeu dele ( Lucas 7: 19-23 ), para o qual ele acrescenta um honroso testemunho a respeito de João, e uma justa repreensão aos homens daquela geração pelo desprezo que colocam sobre ele e sua doutrina, Lucas 7: 24-35.. III Cristo consolando um pobre penitente que se aplicava a ele, todo em lágrimas de tristeza piedosa pelo pecado, assegurando-lhe que seus pecados foram perdoados e justificando-se no favor, mostrou-lhe as cavernas de um fariseu orgulhoso, Lucas 7: 36- 50 .

 

Versos 1-10

A Cura do Servo do Centurião.

1 Agora, quando ele terminou todos os seus ditados na audiência do povo, ele entrou em Cafarnaum. 2 E o servo de certo centurião, que lhe era caro, estava enfermo e pronto para morrer. 3E quando ouviu falar de Jesus, enviou-lhe os anciãos dos judeus, implorando-lhe que viesse curar o seu servo. 4 E quando chegaram a Jesus, rogaram-lhe imediatamente, dizendo: Que ele era digno de quem ele deveria fazer: 5 Pois ele ama a nossa nação e edificou-nos uma sinagoga. 6 Então Jesus foi com eles. E quando já não estava longe da casa, o centurião enviou amigos a ele, dizendo-lhe: Senhor, não te incomodes, porque não sou digno de que entres debaixo do meu telhado: 7 Por isso nem pensei que eu era digno de vir a ti, mas diz em uma palavra, e meu servo será curado. isto. 9 Jesus, ouvindo isto, maravilhou-se dEle, virou-se e disse ao povo que o seguia: Digo-te: Não encontrei tão grande fé, não, não em Israel. 10 E os que foram enviados, voltando para casa, acharam todo o servo que estivera doente.

 

Alguma diferença existe entre esta história da cura do servo do centurião, como está relacionado aqui e como nós o tivemos em Mateus 8: 5 Mateus 8: 5Lucas 7: 3 Lucas 7: 6 Mateus 8:13 , & c. Lá foi dito que o centurião veio a Cristo aqui é dito que ele enviou a ele primeiro alguns dos anciãos dos judeus ( Lucas 7: 3 ), e depois alguns outros amigos, Lucas 7: 6 . Mas é uma regra que dizemos que fazemos o que fazemos por outro - Quod facimus per alium, id ipsum facere judicamur. Pode-se dizer que o centurião faz o que ele fez com seus representantes, enquanto um homem toma posse de seu advogado. Mas é provável que o próprio centurião viesse finalmente, quando Cristo lhe disse ( Mateus 8:13 ), Como creste, assim seja feito a ti.

 

Diz-se que este milagre foi feito por nosso Senhor Jesus quando ele terminou todas as suas declarações na audiência do povo, Lucas 7: 1 . O que Cristo disse ele disse publicamente quem quer que pudesse vir e ouvi-lo: Em segredo eu não disse nada, João 18:20 . Agora, para dar uma prova inegável da autoridade de sua palavra de pregação, ele dá aqui uma prova incontestável do poder e eficácia de sua palavra de cura.Aquele que tinha um império tão dominante no reino da natureza quanto o de dominar as doenças, sem dúvida tem tal soberania no reino da graça, a ponto de ordenar os deveres desagradáveis ​​à carne e ao sangue, e se ligar, sob as mais altas penalidades, a a observância deles. Este milagre foi realizado em Cafarnaum, onde a maioria das obras de Cristo foram feitas, Mateus 11:23Mateus 11:23 . Agora observe

 

  1. O servo do centurião que estava doente era querido por seu mestre, Lucas 7: 2Lucas 7: 2 . Foi o louvor do servo que, por sua diligência e fidelidade, e uma preocupação manifesta por seu senhor e seu interesse, tanto por ele quanto por si mesmo, recomendou-se à estima e ao amor de seu amo. Servos devem estudar para se tornarem mestres. Foi também o louvor do mestre que, quando ele tinha um bom servo, ele sabia como valorizá-lo. Muitos mestres, que são arrogantes e imperiosos, acham que o favor é suficiente para os melhores servos que eles não têm para avaliá-los, vencê-los e ser cruéis com eles, ao passo que eles devem ser gentis com eles, e ternos deles, e solícitos por seu bem estar e conforto.

 

  1. O mestre, quando ouviu falar de Jesus, foi para fazer a aplicação a ele, Lucas 7: 3Lucas 7: 3 . Os mestres devem tomar cuidado especial com seus servos quando estão doentes, e não negligenciá-los então. Este centurião implorou que Cristo viesse e curasse seu servo. Podemos agora, por oração fiel e fervorosa, aplicar-nos a Cristo no céu, e devemos fazê-lo, quando a doença está em nossas famílias, porque Cristo ainda é o grande Médico.

 

III Ele enviou alguns dos anciãos dos judeus para Cristo, para representar o caso, e solicitar por ele, pensando que um maior pedaço de respeito a Cristo do que se ele próprio tivesse vindo, porque ele era um gentio incircunciso, a quem ele pensava Cristo, sendo um profeta, não se importaria em conversar. Por essa razão, ele enviou judeus, a quem ele reconhecia serem favoritos do Céu, e não judeus comuns, mas anciãos dos judeus, pessoas em autoridade, para que a dignidade dos mensageiros pudesse dar honra àquele a quem foram enviados. Balaque enviou príncipes a Balaão.

 

  1. Os anciãos dos judeus eram sinceros intercessores para o centurião: Eles imediatamente lhe rogavam ( Lucas 7: 4 Lucas 7: 4Mateus 8: 8 Lucas 7: 5 Esdras 6:10 ), eram muito urgentes com ele, implorando ao centurião o que ele nunca teria defendido por si mesmo, que ele era digno de quem ele deve fazer isso. Se algum gentio estava qualificado para receber tal favor, certamente ele era. O centurião disse: Eu não sou tão merecedor de uma visita ( Mateus 8: 8 ), mas os anciãos dos judeus achavam que ele era digno da cura, assim a honra sustentaria os humildes de espírito. Que outro homem te louve, e não a tua própria boca.Mas o que eles insistiam em particular era que, apesar de ser um gentio, ele era um entusiasta da nação e religião judaica, Lucas 7: 5 . Eles pensaram que precisava tanto com Cristo quanto com eles para remover os preconceitos contra ele como um gentio, um romano e um oficial do exército e, portanto, mencionar isso: 1. Que ele foi bem afetado ao povo de Israel; os judeus: Ele ama a nossa nação (o que poucos dos gentios fizeram). Provavelmente ele havia lido o Antigo Testamento, de onde era fácil avançar para uma alta estima da nação judaica, favorecida pelo Céu acima de todas as pessoas. Note que até os conquistadores e os que estão no poder devem manter uma afeição pelos conquistados e aqueles com quem eles têm poder. 2. Que ele foi bem afetado à sua adoração: Ele construiu uma nova sinagoga em Cafarnaum, descobrindo que o que eles tinham ou tinha ido para a decadência ou não era grande o suficiente para conter o povo, e que os habitantes não tinham capacidade de construir um para si. Por este meio, ele testificou sua veneração pelo Deus de Israel, sua crença de que ele é o único Deus vivo e verdadeiro, e seu desejo, como o de Dario, de ter interesse nas orações do Israel de Deus, Esdras 6:10 . Esse centurião construiu uma sinagoga por seus próprios custos e encargos, e provavelmente empregou seus soldados que estavam em guarnição no prédio para evitar que ocorriam. Nota: Construir locais de encontro para o culto religioso é um trabalho muito bom,é um exemplo de amor a Deus e seu povo e aqueles que fazem boas obras desse tipo são dignos de dupla honra.

 

  1. Jesus Cristo estava muito pronto para mostrar bondade ao centurião. Ele atualmente foi com eles ( Lucas 7: 6 Lucas 7: 6Romanos 3:29 Lucas 7: 7 ), embora ele fosse um gentio, pois ele é o Salvador dos judeus apenas? Ele não é também dos gentios? Sim, dos gentios também, Romanos 3:29 . O centurião não se considerava digno de visitar a Cristo ( Lc 7: 7 ); no entanto, julgou-o digno de ser visitado por ele, pois os que se humilham serão exaltados.

 

  1. O centurião, quando soube que Cristo estava lhe fazendo a honra de ir a sua casa, deu provas adicionais tanto de sua humildade quanto de sua fé. Assim, as graças dos santos são estimuladas pelas aproximações de Cristo em relação a eles. Quando ele já não estava longe da casa, e o centurião percebeu isso, em vez de colocar sua casa em ordem para sua recepção, ele envia amigos para encontrá-lo com novas expressões: 1. De sua humildade: "Senhor, não se preocupe tu mesmopois sou indigno de tal honra, porque sou um gentio. "Isso evidencia não apenas seus baixos pensamentos de si mesmo, apesar da grandeza de sua figura, mas de seus pensamentos elevados sobre Cristo, apesar da mesquinhez de sua figura no mundo. Ele sabia como honrar um profeta de Deus, porém, era desprezado e rejeitado pelos homens 2. de sua. fé: "Senhor, não te incomodes, porque eu sei que não há ocasião tu podes curar meu servo sem entrar em minha casa, por que Todo-Poderoso poder do qual nenhum pensamento pode ser retido. Diga, em uma palavra, e meu servo será curado: "até agora foi este centurião da fantasia de Namaan, que ele deveria vir a ele, e ficar em pé, eestende a mão sobre o paciente, e assim o recupere , 2 Reis 5:11 2 Reis 5:11Lucas 7: 8 . Ele ilustra essa sua fé por meio de uma comparação tirada de sua própria profissão, e está confiante de que Cristo pode tão facilmente afastar a enfermidade quanto pode comandar qualquer um de seus soldados, pode facilmente enviar um anjo com comissão para curar este servo de sua como ele pode enviar um soldado em uma missão, Lucas 7: 8 . Cristo tem um poder soberano sobre todas as criaturas e todas as suas ações, e pode mudar o curso da natureza como quiser, pode retificar seus distúrbios e reparar suas decadências em corpos humanos, pois todo poder lhe é dado.

 

VII. Nosso Senhor Jesus estava maravilhosamente satisfeito com a fé do centurião, e mais surpreso com isso porque ele era um gentio e, tendo a fé do centurião assim honrado a Cristo, veja como ele honrou ( Lucas 7: 9Lucas 7: 9 ): Ele o transformou aproximadamente, como um pasmo, e disse às pessoas que o seguiram, eu não achei tão grande fé, não em Israel. Note, Cristo terá aqueles que o seguem para observar e tomar conhecimento dos grandes exemplos de fé que às vezes são colocados diante deles - especialmente quando qualquer um é encontrado entre aqueles que não seguem a Cristo tão de perto como fazem na profissão - para que sejamos envergonhados pela força de sua fé, pela fraqueza e hesitação dos nossos.

 

VIII. A cura foi presentemente e perfeitamente trabalhada ( Lucas 7:10Lucas 7:10 ). Os que foram enviados sabiam que tinham a sua missão e, portanto, voltaram e encontraram o servo bem, e sob nenhum aspecto de sua enfermidade. Cristo tomará conhecimento do caso angustiado de servos pobres e estará pronto para aliviá-los, pois não há respeito de pessoas com ele. Nem os gentios são excluídos do benefício de sua graça, este foi um exemplo daquela fé muito maior que seria encontrada entre os gentios, quando o evangelho deveria ser publicado, do que entre os judeus.

 

Versículos 11-18

A viúva de Naim.

11 E aconteceu que, no dia seguinte, entrou numa cidade chamada Naim e muitos de seus discípulos foram com ele e muita gente. 12 Quando chegou perto do portão da cidade, eis que um homem morto fora executado, o único filho de sua mãe, e ela era uma viúva; e havia muita gente da cidade com ela. 13E quando o Senhor a viu, compadeceu-se dela e disse-lhe: Não choreis. 14E ele veio e tocou o esquife: e os que o levaram ficou parado. E ele disse: Jovem, digo-te: Levanta-te. 15 E o que estava morto sentou-se e começou a falar. E ele entregou a sua mãe. 16 E veio temor a todos; e glorificaram a Deus, dizendo: Que um grande profeta se levantou entre nós e que Deus visitou seu povo. 17 E esse boato sobre ele saiu por toda a Judéia a, e por toda a região em redor. 18 E os discípulos de João mostraram-lhe todas estas coisas.

 

Temos aqui a história de Cristo ressuscitando a vida de um filho de viúva em Naim, que estava morto e na execução para ser enterrado, o qual Mateus e Marcos não fizeram menção apenas, no geral, Mateus havia registrado, em Cristo Responda aos discípulos de João que os mortos foram ressuscitados , Mateus 11: 5Mateus 11: 5 . Observar,

 

  1. Onde e quando esse milagre foi feito. Foi no dia seguinte depois que ele curou o servo do centurião, Lucas 7:11Lucas 7:11 . Cristo estava fazendo o bem todos os dias e nunca teve motivo para reclamar que perdera um dia. Foi feito no portão de uma pequena cidade, chamada Nain, não muito longe de Cafarnaum, provavelmente a mesma com uma cidade chamada Nais, da qual Jerônimo fala.

 

  1. Quem foram as testemunhas disso. É tão bem atestado como pode ser, pois foi feito à vista de duas multidões que se encontraram no portão ou perto da cidade. Havia uma multidão de discípulos e outras pessoas assistindo a Cristo ( Lucas 7:11, Lucas 7:11Lucas 7:12 ), e uma multidão de parentes e vizinhos comparecendo ao funeral do jovem, Lucas 7:12 . Assim, havia um número suficiente para atestar a verdade desse milagre, que forneceu maior prova da autoridade divina de Cristo do que suas doenças curativas, pois, por nenhum poder da natureza, ou por quaisquer meios, os mortos poderiam ser ressuscitados.

 

III Como foi feito por nosso Senhor Jesus.

 

  1. A pessoa ressuscitada era um homem jovem, cortado pela morte no começo de seus dias - um caso comum surge como uma flor e é abatido. Que ele estava realmente morto foi universalmente aceito. Não poderia haver conluio no caso de Cristo estar entrando na cidade, e não o tinha visto até agora que o encontrou no esquife. Ele foi levado para fora da cidade porque os lugares de sepultura dos judeus estavam sem suas cidades e a alguma distância deles. Esse jovem era o único filho de sua mãe e ela viúva.Ela dependia dele para ser o pessoal de sua velhice, mas ele prova que uma cana quebrada todo homem em sua melhor propriedade é assim. Quão numerosos, quão diversos, quão calamitosos são as aflições dos aflitos neste mundo! Que vale de lágrimas é isso! Que Bochim, um lugar de choro! Podemos até pensar em quão profunda era a tristeza dessa pobre mãe por seu único filho (tal tristeza é referida como expressão do maior pesar - Zech. 10: 10), e era o mais profundo que ela era viúva. , quebrado com violação e um fim completo de seus confortos. Muitas pessoas da cidade estavam com ela, condescendendo com sua perda, para consolá- la.

 

  1. Cristo mostrou tanto sua piedade como seu poder em ressuscitá-lo para a vida, para que ele pudesse dar um exemplo de ambos, que brilham tão intensamente na redenção do homem.

 

(1) Veja como concurso suas misericórdias são para o aflito ( Lucas 7:13 Lucas 07:13 ): Quando o Senhor viu a viúva pobre seguinte seu filho para a sepultura, compadeceu-se dela. Aqui não era pedido feito a ele por ela, nem tanto quanto ele falaria algumas palavras de conforto para ela, mas, ex motro - puramente da bondade de sua natureza, ele estava preocupado com ela. O caso era lamentável e ele olhou com pena. Seus olhos tocaram seu coração e ele disse para ela: Não choreis. Note que Cristo tem uma preocupação com os que choram, com os miseráveis, e freqüentemente os impede com a benção de sua bondade.Isaías 63: 9 1 Tessalonicenses 4:13 Jeremias 31:17Ele empreendeu a obra de nossa redenção e salvação, em seu amor e em sua piedade, Isaías 63: 9 . Que idéia agradável isso nos dá das compaixões do Senhor Jesus e da multidão de suas ternas misericórdias, que podem ser muito confortáveis ​​para nós quando em qualquer momento estamos tristes! Permita que as viúvas pobres consolem-se em suas tristezas com isso, que Cristo tenha piedade delas e conheça suas almas na adversidade e, se os outros desprezam sua dor, ele não o faz. Cristo disse: Não choreis e ele poderia dar-lhe uma razão para isso que ninguém mais poderia: "Não choreis por um filho morto, pois ele se tornará um ser vivente."Esta foi uma razão peculiar para o caso dela, mas há uma razão comum a todos que dormem em Jesus, que é de igual força contra a dor desordenada e excessiva por sua morte - que ressuscitarão em glória e, portanto, deve não tristeza como aqueles que não têm esperança, 1 Tessalonicenses 4:13 . Vamos Rachel, que chora por seus filhos, abster-se os olhos de lágrimas, para que há esperança para o teu futuro, diz o Senhor, que os teus filhos voltarão para sua própria fronteira, Jeremias 31:17 E que nossa paixão em tal tempo seja contida e reivindicada pela consideração da compaixão de Cristo .

 

(2.) Veja como triunfante seus comandos estão sobre a própria morte ( Lucas 7:14 Lucas 7:14 ): Ele veio, e tocou o esquife, ou caixão, dentro ou sobre a qual o corpo morto deitado por ele seria nenhuma poluição. Por este meio, ele insinuou aos portadores que eles não deveriam proceder, ele tinha algo a dizer ao jovem morto. Livra-o de ir ao poço, eu encontrei um resgate, Jó 33:24 . Nisso os que o suportavam ficaram parados, e provavelmente largaram o esquife de seus ombros no chão, e abriram o caixão, se ele foi fechado e depois com solenidade, como alguém que tinha autoridade, e a quem pertenciam as questões da morte. , ele disse,Jó 33:24 Lucas 7:15 Jovem, digo-te: Levanta-te. O jovem estava morto, e não poderia surgir por qualquer poder próprio (não mais pode aqueles que estão espiritualmente mortos em delitos e pecados), mas não era absurdo em tudo para que Cristo lhe desse oportunidade, quando um poder foi junto com essa palavra para colocar vida nele. O apelo do evangelho a todas as pessoas, particularmente aos jovens, é: “ Levante-se, ressuscite dos mortos e Cristo lhe dará luz e vida”. O domínio de Cristo sobre a morte foi evidenciado pelo efeito imediato de sua palavra ( Lucas 7:15 ): Aquele que estava morto sentou-se. Nós temos graça de Cristo? Vamos mostrar isso. Outra evidência da vida foi que ele começou a falarpois sempre que Cristo nos dá vida espiritual, ele abre os lábios em oração e louvor. E, finalmente, ele não iria obrigar este jovem, a quem ele tinha dado uma nova vida, para ir junto com ele como seu discípulo, para ministrar a ele (embora ele lhe devesse até mesmo a si mesmo), muito menos como um troféu. ou mostrar para obter honra por ele, mas entregou a sua mãe, para atendê-la como se tornou um filho obediente para os milagres de Cristo foram milagres de misericórdia, e um grande ato de misericórdia foi para esta viúva agora ela foi consolada, de acordo com o tempo em que ela havia sido afligida e muito mais, pois agora ela podia encarar esse filho como um favorito particular do Céu, com mais prazer do que se ele não tivesse morrido.

 

  1. Que influência isso tinha sobre o povo ( Lucas 7:16 Lc 7:16 ): Havia um medo em tudo o que assustava a todos, para ver um homem morto sair vivo de seu caixão na rua aberta, ao comando de um homem que eles eram Todos ficaram maravilhados com o seu milagre e glorificaram a Deus. O Senhor e sua bondade, assim como o Senhor e sua grandeza, devem ser temidos. A inferência que eles tiraram disso foi: " Um grande profeta se levantou entre nós, o grande profeta que há muito esperávamos, ele é divinamente inspirado e pode assim dar vida aos mortos, e nele Deus visitou seu povo, para redimi-los, como era esperado, " Lucas 1:68 . Este seriaLucas 1:68 Lucas 7:17 Lucas 7:18vida dos mortos, na verdade, para todos os que esperavam o consolo de Israel. Quando almas mortas são assim elevadas à vida espiritual, por um poder divino que acompanha o evangelho, devemos glorificar a Deus e considerá-lo como uma visita graciosa ao seu povo. O relato deste milagre foi realizado: 1. Em geral, todo o país acabou ( Lucas 7:17 ): Este rumor dele, que ele era o grande profeta, saiu sobre as asas da fama através de toda a Judéia, que estabelece um muito longe, e por toda a Galiléia, que era a região em redor. A maioria tinha esse aviso dele, mas poucos acreditavam nele e se entregavam a ele. Muitos têm o boatodo evangelho de Cristo em seus ouvidos que não têm o sabor e sabor dele em suas almas. 2. Em particular, foi cuidadosamente trouxe a João Batista, que estava agora na prisão ( Lucas 07:18 ): Seus discípulos vieram, e deu-lhe uma conta de todas as coisas, para que pudesse saber que embora ele foi obrigado ainda a palavra do Senhor não estava obrigado a obra de Deus estava acontecendo, embora ele tenha sido posto de lado.

 

Versos 19-35

Mensagem de João a Jesus O ministério de João e de Cristo.

19 E João, chamando -lhe dois dos seus discípulos, enviou -os a Jesus, dizendo: És tu aquele que haveria de vir? ou olhamos para outro? 20 Quando os homens se aproximaram dele, disseram: João Batista nos enviou a ti, dizendo: és tu aquele que deveria vir? ou olhamos para outro? 21 E naquela mesma hora ele curou muitas de suas enfermidades e pragas, e de espíritos malignos e para muitos que eram cegos, ele deu visão. 22Então Jesus, respondendo, disse-lhes: Ide, e dize a João que coisas viste e ouviste como os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, e os pobres o evangelho é pregado. 23 E bendito é ele,todo aquele que não se escandalizar de mim. 24 E quando os mensageiros de João foram embora, ele começou a falar ao povo a respeito de João: O que foi para o deserto para ver? Uma cana sacudida pelo vento? 25 Mas o que saí para ver? Um homem vestido de trajes macios? Eis que os que são magnificamente vestidos e vivem com delicadeza estão nas cortes dos reis. 26 Mas o que saí para ver? Um profeta? Sim, digo-vos e muito mais que um profeta. 27 Este é ele,de quem está escrito: Eis que eu envio o meu mensageiro ante a tua face, o qual preparará o teu caminho diante de ti. 28 Pois eu vos digo: Entre os nascidos de mulher não há profeta maior do que João, o Batista; mas o menor no reino de Deus é maior do que ele. 29 E todo o povo que o ouviu ,e os publicanos, justificaram a Deus, sendo batizados com o batismo de João. 30 Mas os fariseus e os advogados rejeitaram o conselho de Deus contra si mesmos, não sendo batizados por ele. 31 E disse o Senhor: A isso eu compararei os homens desta geração? e como eles são? 32 Eles são como os filhos sentados na praça do mercado, e chamando uns aos outros, dizendo: Nós vos tocamos, e vós não dançastes, já lamentamos a vós, e não chorastes. 33 Porque João Batista não veio, nem comeu pão, nem bebeu vinho, e dizeis: Ele tem demônio. 34 Filho do homem vem, come e bebe, e dizeis: Eis aí um comilão e bebedor de vinho, amigo de publicanos e pecadores. 35 Mas a sabedoria é justificada por todos os seus filhos.

 

Todo esse discurso concernente a João Batista, ocasionado por seu envio para perguntar se ele era o Messias ou não, nós tínhamos, tanto quanto é aqui relacionado, Mateus 11: 2-19Mateus 11: 2-19 .

 

  1. Temos aqui a mensagem que João Batista enviou a Cristo e o retorno que fez a ela. Observar,

 

  1. A grande coisa que devemos fazer a respeito de Cristo é se ele é quem deve vir para redimir e salvar os pecadores, ou se devemos procurar outro, Lucas 7: 19,20 . Temos certeza de que Deus prometeu que um Salvador virá, um Salvador ungido que temos certeza de que o que ele prometeu que ele realizará em sua estação. Se este Jesus for o Messias prometido, nós o receberemos, e não procuraremos outro, senão, se não, continuaremos nossas expectativas e, embora ele demore, esperará por ele.Lucas 7:19 , 20

 

  1. A fé do próprio João Batista, ou pelo menos de seus discípulos, queria ser confirmada neste assunto, pois Cristo ainda não havia declarado publicamente ser ele mesmo o Cristo, ou melhor, ele não teria seus discípulos, que o conheciam seja assim, para falar disso, até que as provas de seu ser foram completadas em sua ressurreição. Os grandes homens da igreja judaica não o possuíam, nem ganhara qualquer interesse que provavelmente o colocaria no trono de seu pai Davi. Nada desse poder e grandeza era para ser visto sobre ele, no qual era esperado que o Messias aparecesse e, portanto, não é estranho que eles perguntem : "Tu és o Messias?" não duvidar, mas que, se ele não fosse, ele iria dirigir-lhes o outro paraolhe para.

 

  1. Cristo deixou para suas próprias obras para louvá-lo nos portões, para dizer o que ele era e para provar isso. Enquanto os mensageiros de João estavam com ele, ele realizou muitas curas milagrosas, naquela mesma hora, o que talvez insinue que eles ficaram apenas uma hora com ele e que trabalho Cristo fez em pouco tempo! Lucas 7:21 Lucas 07:21 . Ele curou muitas de suas enfermidades e pragas no corpo, e de espíritos malignos que afetaram a mente ou com frenesi ou melancolia, e para muitos que eram cegos ele dava visão. Ele multiplicou as curas, para que não houvesse motivo para suspeitar de fraude e então ( Lucas 7:22 ) ele as ordenou.Lucas 7:22 João 7:31 Lucas 7:22 Isaías 61: 1 Salmo 72:13Vá e conte a John o que eles viram. E ele e eles poderiam facilmente argumentar, como mesmo as pessoas comuns fizeram ( João 7:31 ), Quando o Cristo vier, ele fará mais milagres do que estes que este homem fez? Essas curas, que o viram trabalhar, não foram apenas confirmações de sua comissão, mas explicações dela. O Messias deve vir curar um mundo doente, para dar luz e visão aos que estão nas trevas e para conter e vencer os espíritos malignos. Você vê que Jesus faz isso com os corpos das pessoas e, portanto, deve concluir que este é o que deve vir para as almas das pessoas, e você não deve procurar outro. Para seus milagres no reino da natureza, ele acrescenta isso no reino da graça ( Lucas 7:22) Para os pobres, o evangelho é pregado, o que eles sabiam que deveria ser feito pelo Messias, pois ele foi ungido para pregar o evangelho aos mansos ( Isaías 61: 1 ), e para salvar as almas dos pobres e necessitados, Salmo 72:13 . Juiz, portanto, se você pode procurar por qualquer outro que responda mais plenamente aos caracteres do Messias e às grandes intenções de sua vinda.

 

  1. Ele lhes deu uma indicação do perigo que as pessoas estavam sendo prejudicadas contra ele, apesar dessas provas evidentes de que ele era o Messias ( Lucas 7:23Lc 7:23 ): " Bendito é aquele que não se ofenda em mim, ou escandalize em mim" . Estamos aqui em um estado de provação e provação e é agradável a tal estado que, como há argumentos suficientes para confirmar a verdade àqueles que são honestos e imparciais em busca dela, e tenham suas mentes preparadas para recebê-la, então deve haver também objeções, para obscurecer a verdadepara aqueles que são descuidados, mundanos e sensuais. A educação de Cristo em Nazaré, sua residência na Galiléia, a mesquinhez de sua família e relações, sua pobreza e a desprezibilidade de seus seguidores - esses e outros foram obstáculos para muitos, que todos os milagres que ele realizou não puderam ajudá-los. sobre. Ele é abençoado, pois ele é sábio, humilde e bem disposto, que não é superado por esses preconceitos. É um sinal de que Deus o abençoou , pois é por sua graça que ele é ajudado por estas pedras de tropeço e será abençoado de fato, abençoado em Cristo.

 

  1. Nós temos aqui o alto encômio que Cristo deu de João Batista não enquanto seus mensageiros estavam presentes (para que ele não parecesse lisonjear a ele), mas quando eles foram embora ( Lucas 7:24Lucas 7:24 ), para tornar as pessoas sensíveis às vantagens que tiveram desfrutado no ministério de João, e foram privados de sua prisão. Deixe-os agora considerar o que eles foram ao deserto para ver, quem era aquele com quem havia havido muita conversa e um grande e geral assombro. "Vem", disse Cristo, "eu direi a você".

 

  1. Ele era um homem de auto-consistência inabalável , um homem de firmeza e constância. Ele não era um junco abalado pelo vento, primeiro em uma direção e depois em outra, mudando com cada vento, ele era firme como uma rocha, não inconstante como uma cana. Se ele pudesse se curvar como uma cana para Herodes, e ter concordado com a corte, ele poderia ter sido um favorito lá, mas nenhuma dessas coisas o emocionou.

 

  1. Ele era um homem de auto-negação inigualável , um grande exemplo de mortificação e desprezo do mundo. Ele não era um homem vestido de vestes suaves, nem viveu delicadamente ( Lucas 7:25Lucas 7:25 ), mas, pelo contrário, ele viveu em um deserto e foi vestido e alimentado em conformidade. Em vez de adornar e mimar o corpo, ele o submeteu e o manteve em sujeição.

 

  1. Ele era um profeta, tinha sua comissão e instruções imediatamente de Deus, e não do homem ou do homem. Ele nasceu de um sacerdote, mas isso nunca é percebido, pois sua glória, como profeta, eclipsou a honra de seu sacerdócio. Não, ele era mais, ele era muito mais do que um profeta ( Lucas 7:26Lucas 7:26 ), do que qualquer um dos profetas do Antigo Testamento, pois eles falavam de Cristo à distância, ele falava dele como na porta.

 

  1. Ele era o prenúncio e precursor do Messias, e foi ele mesmo profetizado no Antigo Testamento ( Lucas 7:27 Lucas 7:27 ): Este é aquele de quem está escrito ( Malaquias 3: 1 ), Eis que eu envio meu mensageiro antes teu rosto. Antes de enviar o próprio Mestre, ele enviou um mensageiro, para notificar sua vinda e preparar as pessoas para recebê-lo. Se o Messias tivesse aparecido como um príncipe temporal, sob qual personagem os judeus carnais o esperavam, seu mensageiro teria aparecido tanto na pompa de um general quanto na alegria de um arauto em armas, mas era uma préviaMalaquias 3: 1indicação, clara o suficiente, da natureza espiritual do reino de Cristo, de que o mensageiro que ele enviou antes dele para preparar seu caminho fez isso pregando o arrependimento e a reforma dos corações e vidas dos homens. Certamente esse reino não era deste mundo que foi assim introduzido.

 

  1. Ele era tão grande que, na verdade, não havia um profeta maior do que ele. Profetas foram os maiores que nasceram de mulheres, mais honrados do que reis e príncipes, e João foi o maior de todos os profetas. O país não era sensato que valioso, que homem inestimável, tinha, quando João Batista pregou e batizou. E, no entanto, aquele que é o menor no reino de Deus é maior do que ele. O menor ministro do evangelho, que obteve misericórdia do Senhor para ser habilidoso e fiel em seu trabalho, ou o pior dentre os apóstolos e primeiros pregadores do evangelho, sendo empregados sob uma dispensação mais excelente , estão em um cargo mais honrado do que João Batista. O pior dos que seguem o Cordeiro superam em muito o maior dos que vieram antes dele. Aqueles que, portanto, vivem sob a dispensação do evangelho têm muito mais a quem responder.

 

III Temos aqui a justa censura dos homens daquela geração, que não foram trabalhados pelo ministério nem de João Batista nem do próprio Jesus Cristo.

 

  1. Cristo mostra aqui que desprezo foi colocado sobre João Batista, enquanto ele estava pregando e batizando. (1) Aqueles que o mostraram qualquer respeito foram apenas o tipo ordinário de pessoas comuns, que, nos olhos da parte gay da humanidade, eram bastante uma desgraça para ele do que um crédito, Lucas 7:29 Lucas 7:29 . O povo de fato, o rebanho vulgar, de quem foi dito: Este povo, que não conhece a lei, é amaldiçoado ( João 7:49 ), e os publicanos, homens de má fama, como sendo geralmente homens de má moral, ou Assim sendo, estes foram batizados com o seu batismo, e se tornaram seus discípulos e estes, embora gloriosos monumentos da graça divina, ainda não magnificaram João.João 7:49 Lucas 7:30nos olhos do mundo, mas por seu arrependimento e reforma, eles justificaram Deus, justificaram sua conduta e a sabedoria dela em designar alguém como João Batista para ser o precursor do Messias: eles fizeram com que ele parecesse que era o melhor método que poderia ser tomado, pois não era em vão para eles o que quer que fosse para os outros. (2) Os grandes homens de sua igreja e nação, os educados e os políticos, que teriam lhe feito algum crédito nos olhos do mundo, fizeram toda a desonra que puderam eles o ouviram de fato, mas eles não foram batizados. dele, Lucas 7:30. Os fariseus, que eram a maioria na reputação de religião e devoção, e os advogados, que foram celebrados para a sua aprendizagem, especialmente seu conhecimento das escrituras, rejeitaram o conselho de Deus contra si mesmos que eles frustrado isso, eles receberam a graça de Deus, por o batismo de João, em vão. Deus, enviando aquele mensageiro entre eles, tinha um propósito benigno para eles, planejou a salvação deles por meio deles e, se eles tivessem fechado com o conselho de Deus, foram para si mesmos, eles foram feitos para sempre, mas eles o rejeitaram. , não iria cumpri-lo, e foicontra si mesmos, foi para sua própria ruína que eles ficaram aquém do benefício que pretendiam, e não apenas isso, mas perderam a graça de Deus, colocaram um bar em sua própria porta e, recusando aquela disciplina que lhes cabia o reino do Messias se fechou, e eles não somente se excluíram, mas impediram outros, e se interpuseram no caminho deles.

 

  1. Ele mostra aqui a estranha perversidade dos homens daquela geração, em suas cavernas contra João e Cristo, e os preconceitos que eles criaram contra eles.

 

(1) Eles fizeram apenas uma questão de brincadeira dos métodos que Deus tomou para fazê-los bem ( Lucas 7:31 Lucas 7:31 ): "Para onde devo comparar os homens desta geração? O que posso pensar de absurdo o suficiente para representá-los? Eles são, então, como crianças sentadas no mercado, que não se importam com nada que seja sério, mas são tão cheias de brincadeiras quanto podem ser, como se Deus estivesse apenas brincando com elas, em todos os métodos que ele toma para fazê-las. bom, como as crianças estão umas com as outras no mercado ( Lucas 7:32 ), elas desligam tudo com brincadeiras, e não são mais afetadas com isso do que com um pedaço de pompa. " Esta é a ruína das multidões, elas nunca podem se convencer a ser sériasLucas 7:32nas preocupações de suas almas. Os velhos, sentados no sinédrio, eram como crianças sentadas no mercado, e não mais afetados com as coisas que pertenciam à paz eterna do que as pessoas com brincadeiras de crianças. Ó a incrível estupidez e vaidade do mundo cego e ímpio! O Senhor os desperte da segurança deles.

 

(2) Eles ainda encontraram algo ou outro para carpa. [1] João Batista era um homem austero reservado, vivia muito em solidão e deveria ser admirado por ser um homem tão humilde, sóbrio e abnegado, e ouvido como um homem de pensamento e contemplação, mas isto, que foi o seu louvor, voltou-se para o seu opróbrio. Porque ele veio sem comer nem beber, tão livremente, abundantemente e alegremente, como os outros, você diz: "Ele tem um demônio, ele é um homem melancólico, ele é possesso, como o demoníaco cuja morada estava entre os túmulos, embora ele não seja tão selvagem. " [2] Nosso Senhor Jesus era de uma conversa mais livre e aberta, ele veio comendo e bebendo, Lucas 7:34Lucas 7:34.. Ele ia jantar com os fariseus, embora soubesse que eles não se importavam com ele e com os publicanos, embora soubesse que eles não tinham crédito para ele ainda, na esperança de fazer o bem tanto para um como para o outro, ele conversou familiarmente com eles. . Com isso, parece que os ministros de Cristo podem ter temperamentos e disposições muito diferentes, maneiras muito diferentes de pregar e viver, e ainda assim toda a boa e útil diversidade de dons, mas cada um dado para lucrar com isso.Portanto, ninguém deve se tornar um padrão para todos os outros, nem julgar dificilmente aqueles que não fazem exatamente o que eles fazem. João Batista deu testemunho de Cristo, e Cristo aplaudiu João Batista, embora fossem o inverso um do outro em seu modo de viver. Mas os inimigos comuns de ambos reprovaram ambos. Os mesmos homens que haviam representado João enlouquecido em seus intelectos, porque ele não veio nem comendo nem bebendo, representaram nosso Senhor Jesus como corrupto em sua moral, porque ele veio comer e beber, ele é um homem guloso e um bebedor de vinho.O mal nunca fala bem. Veja a malícia das pessoas iníquas, e como elas colocam a pior construção em cada coisa que encontram no evangelho, e nos pregadores e professores dela e por meio disso elas pensam em depreciá- las, mas realmente se destroem .

 

  1. Ele mostra que, não obstante isto, Deus será glorificado na salvação de um remanescente escolhido ( Lucas 7:35Lucas 7:35 ): A sabedoria é justificada por todos os seus filhos. Há aqueles que são dados à sabedoria como seus filhos, e eles serão trazidos pela graça de Deus para se submeterem à conduta e governo da sabedoria, e assim justificarem a sabedoria nas maneiras pelas quais ela leva para trazê-los àquela submissão para eles. são eficazes, e assim parecem bem escolhidos. Os filhos da sabedoria são aqui unânimes, um e todos, todos têm uma complacência nos métodos de graça que a sabedoria divina toma, e nunca pensam o pior deles por serem ridicularizados por alguns.

 

Versos 36-50

Cristo na casa do fariseu.

36 E um dos fariseus desejou que ele comesse com ele. Entrou na casa do fariseu e sentou-se à mesa. 37 E eis que uma mulher da cidade que era pecadora, sabendo que Jesus estava à mesa na casa do fariseu, trouxe uma caixa de alabastro com pomada, 38 e pôs-se aos pés dele , chorando, e começou a lavar-se. os seus pés com lágrimas, e enxugou- os com os cabelos da sua cabeça, beijou-lhe os pés e ungiu- os com o unguento. 39 Ora, quando o fariseu que o convidara o viu , falou consigo mesmo, dizendo: Este homem, se fosse profeta, teria sabido quem e que mulher é essa.que o toca: porque ela é pecadora. 40 E Jesus, respondendo, disse-lhe: Simão, tenho muito a dizer-te. E ele diz, Mestre, diga. 41 Havia um certo credor, que tinha dois devedores: o que devia a quinhentos denários, e os outros cinquenta. 42 E quando eles não tinham nada para pagar, ele francamente perdoou a ambos. Diga-me, portanto, qual deles vai amá-lo mais? 43Simon respondeu e disse, suponho que ele, a quem ele mais perdoou. E ele disse-lhe: julgaste com justiça. 44E virou-se para a mulher e disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei na tua casa, tu não me deste água para os meus pés; mas ela lavou os meus pés em lágrimas, e enxugou- os.com os cabelos da cabeça dela. 45 Tu não me deste nenhum beijo; mas esta mulher, desde o tempo em que entrei, não deixou de beijar os meus pés. 46 A minha cabeça com azeite não ungiste; mas esta mulher ungiu os meus pés com unguento. 47 Portanto, eu te digo: Seus pecados, que são muitos, são perdoados porque ela amou muito; mas para quem pouco é perdoado, o mesmo pouco ama. 48 E ele lhe disse: Os teus pecados estão perdoados. 49 E os que estavam à mesa com ele começaram a dizer dentro de si: Quem é esse que também perdoa os pecados? 50 E ele disse à mulher: A tua fé te salvou, vá em paz.

 

Quando e onde esta passagem da história aconteceu, não aparece este evangelista não observa a ordem do tempo em sua narrativa tanto quanto os outros evangelistas, mas ela vem aqui, por ocasião de Cristo ser repreendido como um amigo para os publicanos e pecadores, para mostre que foi apenas para o seu bem, e para levá-los ao arrependimento, que ele conversou com eles e que aqueles a quem ele admitiu ouvi-lo foram reformados, ou de uma forma esperançosa de ser assim. Quem foi essa mulher que aqui testificou que uma afeição tão grande a Cristo não aparece, é comum dizer-se que é Maria Madalena, mas não encontro fundamento nas Escrituras: ela é descrita ( Lucas 8: 2 Lucas 8: 2 ; Marcos 16: 9Marcos 16: 9 ) ser um dos quais Cristo havia lançado sete demôniosmas isso não é mencionado aqui e, portanto, é provável que não fosse ela. Agora observe aqui

 

  1. O entretenimento civil que um fariseu deu a Cristo, e sua aceitação graciosa desse entretenimento ( Lucas 7:36 Lucas 7:36 ): Um dos fariseus desejava que ele comesse com ele, ou porque achava que seria uma reputação para ele ter um convidado assim à sua mesa ou porque sua companhia seria um entretenimento para ele e sua família e amigos. Parece que este fariseu não crê em Cristo, pois ele não o possuirá como profeta ( Lucas 7:39 ), e ainda assim nosso Senhor Jesus aceitou seu convite, entrou em sua casa e sentou-se para comer carne, para que eles pode ver que ele tomou a mesma liberdade com os fariseus que ele fez com os publicanos, na esperança de fazê-los bem.Lucas 7:39E aqueles podem se aventurar mais na sociedade de pessoas que são preconceituosas contra Cristo, e sua religião, que tem sabedoria e graça suficientes para instruir e argumentar com elas, do que outras.

 

  1. O grande respeito que um pobre pecador penitente mostrou a ele, quando ele estava à mesa na casa do fariseu. Era uma mulher da cidade que era pecadora, uma gentia, uma prostituta, duvido, conhecida por ser assim e infame. Ela sabia que Jesus sentava-se à mesa na casa do fariseu e, tendo se convertido de seu mau curso de vida por meio de sua pregação, ela chegou a reconhecer suas obrigações para com ele, não tendo oportunidade de fazê-lo de qualquer outra maneira que lavar a dele. pés, e ungindo-os com uma pomada doce que ela trouxe com ela para esse propósito. A maneira de sentar à mesa era tal que seus pés estavam parcialmente atrás deles. Agora esta mulher não olhou para o rosto de Cristo, mas veioatrás dele, e fez a parte de uma empregada, cujo escritório era lavar os pés dos convidados ( 1 Samuel 25:411 Samuel 25:41 ) e preparar os ungüentos.

 

Agora, no que essa boa mulher fez, podemos observar

 

  1. Sua profunda humilhação pelo pecado. Ela ficou atrás dele chorando, seus olhos tinham sido as entradas e saídas do pecado, e agora ela os faz fontes de lágrimas. Seu rosto agora está sujo de choro, que talvez costumava ser coberto com tintas. Seu cabelo agora fazia uma toalha, que antes tinha sido trançada e adornada. Temos razões para pensar que ela já tinha sofrido pelo pecado, mas, agora que teve a oportunidade de entrar na presença de Cristo, a ferida sangrou de novo e sua tristeza foi renovada. Note bem, torna-se penitente, em todas as suas aproximações a Cristo, renovar sua tristeza divina e vergonha pelo pecado, quando ele é pacificado, Ezequiel 16:63Ezequiel 16:63 .

 

  1. Seu forte afeto ao Senhor Jesus. Foi isso que nosso Senhor Jesus tomou especial atenção, que ela amou muito, Lucas 7: 42,47 . Ela lavou os pés, em sinal de sua pronta submissão ao pior escritório em que ela poderia honrá-lo. Não, ela os lavou com suas lágrimas, lágrimas de alegria que ela estava em um transporte, para se encontrar tão perto de seu Salvador, a quem sua alma amava. Ela beijou seus pés, como um indigno dos beijos de sua boca, que a esposa cobiçava, Song of Song of Solomon 1: 2 . Foi um beijo de adoração e carinho. Ela os enxugou com os cabelos,Lucas 7:42 , 47: Cântico de Salomão 1: 2como um inteiramente dedicado a sua honra. Seus olhos devem produzir água para lavá-los, e seu cabelo deve ser uma toalha para enxugá-los e ela ungiu seus pés com o unguento, possuindo-o, portanto, para ser o Messias, o Ungido. Ela ungiu seus pés em sinal de seu consentimento para o desígnio de Deus em ungir sua cabeça com o óleo da alegria. Note, todos os verdadeiros penitentes têm um querido amor ao Senhor Jesus.

 

III A ofensa que o fariseu tomou em Cristo, por admitir o respeito que este pobre penitente pagou a ele ( Lucas 7:39 Lucas 7:39 ): Ele disse dentro de si mesmo (pouco pensamento que Cristo sabia o que ele pensava), Este homem, se ele fosse um profeta, teria então tanto conhecimento a ponto de perceber que esta mulher é uma pecadora, é uma gentia, é uma mulher de má fama, e muita santidade , portantoIsaías 65: 5não permitir que ela chegue tão perto dele, pois um desses personagens pode se aproximar de um profeta, e seu coração não se eleva a ele? Veja como as almas orgulhosas e estreitas são capazes de pensar que os outros devem ser tão arrogantes e censores quanto eles próprios. Simão, se ela o tivesse tocado, diria: Permanece em mim, não venha perto de mim, pois sou mais santo do que tu ( Isaías 65: 5 ) e ele achou que Cristo também deveria dizer isso.

 

  1. A justificação de Cristo da mulher no que ela fez a ele, e de si mesmo em admitir isso. Cristo sabia o que o fariseu falava dentro de si e respondia: Simão, tenho algo a dizer-lhe, Lucas 7:40Lucas 7:40 . Embora ele fosse gentilmente entretido em sua mesa, mesmo assim ele o reprovou pelo que viu errado nele, e não sofreu pecado sobre ele. Aqueles a quem Cristo tem algo contra ele, tem algo a dizer, pois seu Espírito deve reprovar. Simão está disposto a dar-lhe a audição: Ele diz, Mestre, diga.Embora ele não pudesse acreditar que ele fosse um profeta (porque ele não era tão bom e preciso como ele era), ainda assim ele pode cumprimentá-lo com o título de Mestre, entre aqueles que clamam Senhor, Senhor, mas não as coisas que ele diz. Agora Cristo, em sua resposta ao fariseu, raciocina assim: - É verdade que esta mulher tem sido uma pecadora: ele sabe disso, mas ela é uma pecadora perdoada , que a supõe ser uma pecadora penitente . O que ela fez com ele foi uma expressão de seu grande amor ao seu Salvador, por quem seus pecados foram perdoados. Se ela foi perdoada, quem tinha sido um pecador tão grande,seria razoavelmente esperado que ela amasse seu Salvador mais do que os outros, e deveria dar maiores provas disso do que outros e se esse era o fruto de seu amor, e fluindo do sentido do perdão de seu pecado, ele se tornaria aceitá-lo, e tornou-se o fariseu se sentir ofendido com isso. Agora, Cristo tem mais uma intenção nisso. O fariseu duvidou se ele era um profeta ou não, ou melhor, na verdade negou, mas Cristo mostra que ele era mais do que um profeta, porque ele é um que tem poder na terra para perdoar pecados, e a quem são devidas as afeições. e agradecidos agradecimentos dos pecadores perdoados penitentes. Agora, em sua resposta

 

  1. Ele por uma parábola obriga Simão a reconhecer que a maior pecadora dessa mulher fora o amor maior que ela deveria demonstrar a Jesus Cristo quando seus pecados fossem perdoados, Lucas 7: 41-43Lucas 7: 41-43 . Um homem tinha dois devedores insolventes, mas um deles lhe devia dez vezes mais do que o outro. Ele perdoou muito a ambos, e não se aproveitou da lei contra eles, não ordenou que eles e seus filhos fossem vendidos, nem os entregou aos atormentadores. Agora, ambos sabiam da grande bondade que haviam recebido, mas qual deles o amaria mais? Certamente, diz o fariseu, elea quem ele mais perdoou e aqui julgou corretamente. Agora, sendo obrigados a perdoar, como somos e esperamos ser perdoados, podemos , portanto, aprender o dever entre devedor e credor.

 

(1) O devedor, se tiver alguma coisa a pagar, deve dar satisfação ao seu credor. Nenhum homem pode calcular qualquer coisa sua ou ter algum prazer confortável, mas o que é assim quando todas as suas dívidas são pagas.

 

(2) Se Deus, em sua providência, incapacitou o devedor a pagar sua dívida, o credor não deveria ser severo com ele, nem ir ao máximo rigor da lei com ele, mas livremente perdoá-lo. Summum jus est summa injuria - A lei esticada em rigor torna-se injusta. Que o credor impiedoso leia essa parábola, Mateus 18:23Mateus 18:23 , & c., E trema pois eles terão juízo sem misericórdia que não demonstrem misericórdia.

 

(3) O devedor que encontrou seus credores misericordiosos deve ser muito grato a eles e, se ele não puder recompensá-los de outra forma, deve amá-los. Alguns devedores insolventes, em vez de serem gratos, são rancorosos, com seus credores que perdem por eles, e não podem dar-lhes uma boa palavra, apenas porque reclamam, enquanto os perdedores podem ter permissão para falar. Mas esta parábola fala de Deus como o Criador (ou melhor, do próprio Senhor Jesus, porque é o que perdoa e é amado pelo devedor) e os pecadores são os devedores: e assim podemos aprender aqui, [1.] Que o pecado é uma dívida e os pecadores são devedoresa Deus todo-poderoso. Como criaturas, devemos uma dívida, uma dívida de obediência ao preceito da lei e, por falta de pagamento disso, como pecadores, nos tornamos sujeitos à penalidade. Nós não pagamos nosso aluguel, desperdiçamos os bens de nosso Senhor, e assim nos tornamos devedores. Deus tem uma ação contra nós pelo dano que causamos a ele e pela omissão de nosso dever para com ele. [2] Que alguns são mais profundos em dívida para com Deus, em razão do pecado, do que os outros são: um devia quinhentos centavos e os outros cinquenta. O fariseu era o menos devedor, mas também um devedor, que era mais do que ele próprio pensava, mas que Deus era seu devedor, Lucas 18: 10,11 . Essa mulher, que havia sido uma escandalosa pecadora notória, era a maior devedora.Lucas 18:10 , 11Alguns pecadores são em si maiores devedores do que outros, e alguns pecadores, em razão de circunstâncias agravantes, maiores devedores como aqueles que pecaram mais abertamente e escandalosamente, que pecaram contra luz e conhecimento maiores, mais convicções e advertências, e mais misericórdias. e meios. [3] Que, se a nossa dívida é mais ou menos, é mais do que podemos pagar: Eles não tinham nada a pagar, nada para fazer uma composição com a dívida é grande, e não temos nada para pagá-lo com. Prata e ouro não pagarão nossa dívida, nem sacrificarão e oferecerão não, não milhares de carneiros.Nenhuma justiça de nossa parte a pagará, não, não nosso arrependimento e obediência para o futuro, pois é a isso que já estamos vinculados, e é Deus que opera dentro de nós. [4] Para que o Deus dos céus está pronto a perdoar, francamente para perdoar, pobres pecadores, mediante termos do evangelho, apesar de sua dívida ser sempre tão grande. Se nos arrependermos e crermos em Cristo, nossa iniqüidade não será nossa ruína, não será responsabilidade nossa. Deus proclamou seu nome gracioso e misericordioso, e pronto para perdoar o pecado e, seu Filho tendo comprado perdão para os crentes arrependidos, seu evangelho promete isso a eles, e seu Espírito sela e dá a eles o conforto disto. [5] Que aqueles que têm seus pecados perdoados são obrigados a amá-loque os perdoou e quanto mais lhes são perdoados, mais eles devem amá-lo. Os maiores pecadores, quaisquer que tenham sido, antes de sua conversão, os santos maiores devem ser depois, mais eles devem estudar para fazer por Deus, e mais seus corações devem ser ampliados em obediência. Quando um Saulo perseguidor se tornou um pregador de Paulo, ele trabalhou mais abundantemente.

 

  1. Ele aplica essa parábola ao temperamento e conduta diferentes do fariseu e do pecador para com Cristo. Embora o fariseu não permitisse que Cristo fosse um profeta, Cristo parece pronto para permitir que ele estivesse em um estado justificado, e que ele era um perdoado, embora para ele menos fosse perdoado. Ele realmente mostrou algum amor a Cristo, ao convidá-lo para sua casa, mas nada do que essa pobre mulher mostrou. "Observe", diz Cristo a ele ", ela é aquele que tem muito perdoado, e, portanto, segundo o teu juízo, pode-se esperar que ela deve amar muito mais do que tu fazes, e assim parece. Vês tu esta Mulher? Lucas 7:44 7:44. Tu a olhas com desprezo, mas considera quão mais amável uma amiga ela é para mim do que tu, então eu devo aceitar tua bondade, e recusar a dela? "(1)" Tu não pediste tanto como pedir uma bacia de água para ser trazida, lavar meus pés, quando eu entrasse, cansada e suja com a minha caminhada, o que teria sido um pouco de refrigério para mim, mas ela fez muito mais: ela lavou meus pés com lágrimas, lágrimas de afeição por mim, lágrimas de aflição pelo pecado, e enxugou-as com os cabelos da cabeça, em sinal de seu grande amor para mim ". (2)" Tu não tanto beijou minha bochecha "(que era uma expressão usual de um calorosa e carinhosa bem-vindo a um amigo) "mas esta mulher não deixou de beijar meus pés ( Lucas 7:45Lucas 7:45 Lucas 7:46), assim expressando tanto um amor humilde quanto um amor afetuoso. "(3)" Tu não me deste um pouco de óleo comum, como de costume, para ungir minha cabeça, mas ela deu uma caixa de precioso unguento sobre meus pés ( Lucas 7:46 ), até agora ela se afastou de ti. "A razão pela qual algumas pessoas culpam as dores e os custos de cristãos zelosos, na religião, é porque eles não estão dispostos a vir a ele, mas resolvem descansar em um barato e religião fácil .

 

  1. Ele calou a caverna do fariseu: Eu te digo, Simão, seus pecados, que são muitos, são perdoados, Lucas 7:47Lucas 7:47 . Ele é dono de que ela tinha sido culpado de muitos pecados: "Mas eles estão perdoados . Dela, e, portanto, não é de maneira imprópria em mim para aceitar sua bondade Eles . São perdoados, porque muito amou " Ele deve ser processado, portanto, que ela amava muito porque é claro, pelo discurso do discurso de Cristo, que o amor não era a causa, mas o efeito de seu perdão e de seu senso confortável de que amamos a Deus porque ele nos amou primeiro.ele não nos perdoou porque o amamos primeiro. "Mas para quem pouco é perdoado, como é para ti, o mesmo ama pouco, como tu." Por este meio, ele sugere ao fariseu que seu amor a Cristo era tão pequeno que ele tinha razão para questionar se ele o amava de todo com sinceridade e, conseqüentemente, se de fato seu pecado, embora comparativamente pequeno, lhe foi perdoado. Em vez de contrariarmos os pecadores maiores com a misericórdia que eles encontram com Cristo, quando nos arrependermos, devemos ser estimulados pelo seu exemplo a nos examinarmos se somos realmente perdoados e amamos a Cristo.

 

  1. Ele silenciou seus medos, que provavelmente foram desencorajados pela conduta do fariseu, e ainda assim não se renderiam ao desânimo para fugir. (1) Cristo disse-lhe: Teus pecados são perdoados, Lucas 7:48 Lucas 7:48 . Note que quanto mais expressamos nossa tristeza pelo pecado e nosso amor a Cristo, mais clara é a evidência que temos do perdão dos nossos pecados, pois é pela experiência de uma obra da graça operada em nós que obtemos a certeza de um ato. da graça forjada por nós. Quão bem ela foi paga por suas dores e custo, quando foi dispensada com esta palavra de Cristo, Teus pecados estão perdoados!Lucas 7:49 Mateus 9: 3 Lucas 7:50e que prevenção efetiva seria dela voltar a pecar novamente! (2) Embora houvesse aqueles presentes que disputavam com Cristo, em suas próprias mentes, por presumirem perdoar pecados, e declarar os pecadores absolvidos ( Lucas 7:49 ), como aqueles haviam feito ( Mateus 9: 3 ), ainda assim ele Parou para o que ele havia dito porque como ele havia provado que ele tinha poder para perdoar o pecado, curando o homem doente da paralisia, e, portanto, não iria aqui tomar conhecimento do cavil, então ele agora mostraria que ele tinha prazer em perdoar o pecado, e foi deleite que ele gosta de falar perdão e paz aos penitentes: Ele disse à mulher: Teus fé te salvou, Lucas 7:50. Isto confirmaria e duplicaria seu conforto no perdão de seu pecado, que ela foi justificada por sua fé. Todas essas expressões de tristeza pelo pecado e amor a Cristo foram os efeitos e produtos da fé e, portanto, como a fé de todas as graças honra a Deus, assim também Cristo, de todas as graças, atribui maior honra à fé. Note, aqueles que sabem que sua fé os salvou podem ir em paz, podem seguir seu caminho alegrando-se.
  2. fonte coment.Mattew Henris / mauricioberwald.comunidades.net