Translate this Page

Rating: 2.7/5 (307 votos)




ONLINE
3




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


SUBSIDIO N.4 ATRIBUTOS DO SER HUMANO
SUBSIDIO N.4 ATRIBUTOS DO SER HUMANO

SUBSIDIO N.4 OS ATRIBUTOS DO SER HUMANO

MAURICIO BERWALD PROFESSOR ESCRITOR

 

Introdução

      INTRODUÇÃO AOS ROMANOS 12

 

O apóstolo primeiro exorta todos os membros da igreja em comum à consideração da adoração a Deus, em oposição às coisas do mundo; e então os oficiais da igreja particularmente, para o cumprimento de seu dever; e depois todos eles, oficiais e membros, para o desempenho de vários deveres respeitando a Deus, a si mesmos, um ao outro e aos homens do mundo. O dever de participar do culto público é mencionado pela primeira vez, representado pela apresentação de seus corpos ao Senhor, Romanos 12: 1., para a qual eles são movidos, em parte pela abundante misericórdia e bondade de Deus para com eles; e em parte pela aceitabilidade disso para Deus; como também pela razoabilidade da coisa: segue-se uma deformação da conformidade com o mundo, os homens e maneiras dele, na superstição e no culto, ou em atos de imoralidade, Romanos 12: 2, e também uma exortação a um curso diferente da vida, na busca de agradar a Deus; que é proposto sobre um princípio de graça neles, sendo renovado no Espírito de sua mente; e com esse fim e visão, para que melhor provem, tentem, discernam e cheguem a um maior conhecimento da mente e da vontade de Deus: e considerando que os dons tendem a inchar os homens com orgulho e vaidade, como qualificar homens para exercer qualquer cargo na igreja, o apóstolo adverte contra esse espírito e conduta e exorta à sobriedade e humildade; observando que os dons que eles têm são tais que Deus lhes deu e que eles não têm por si mesmos; e o que eles têm é apenas em parte e em medida, um e outro; e ninguém tem todos os dons, Romanos 12: 3 , isso ele ilustra, Romanos 12: 4, por um corpo humano e os membros dele, que são muitos, não têm o mesmo cargo, mas um e outro; que ele acomoda ao corpo de Cristo, a igreja, Romanos 12: 5 , que embora apenas um em Cristo tenha muitos membros; e estes são membros um do outro, e são designados mutuamente para servir e ajudar uns aos outros, pelos quais os dons entre eles foram concedidos: e então o apóstolo passa a prestar atenção nos oficiais particulares da igreja e os exorta à função de seus escritórios, de acordo com seus diferentes dons; como, primeiro, o pregador a pregar de acordo com a regra da fé e a medida dos dons concedidos, Romanos 12: 6 , e depois o diácono, o outro oficial, para cuidar de seu diácono, Romanos 12: 7, e na medida em que esses oficiais, de acordo com seus diferentes dons, possam ser distinguidos, alguns com talento para declarar, explicar e defender doutrinas, e podem ser chamados de médicos ou professores, atendam à parte doutrinária da palavra; e outros que tenham talento na maneira prática de pregar, seja por exortação ou consolo, e possam ser chamados de exortadores ou edredons, que atendam a esse ramo do ministério, Romanos 12: 8.e, quanto ao diácono, o desempenho de seu ofício, seja pela distribuição aos pobres, faça-o de forma imparcial e fiel; ou ajudando no governo da igreja, seja feito com toda diligência; ou mostrando misericórdia aos pobres angustiados, além do que costumam receber, faça-o com um semblante alegre: a seguir, siga vários deveres mencionados, não em uma ordem ou método exato, mas que podem ser reduzidos a essas cabeças; tais como interessar a Deus, um amor não fingido por ele, aversão a todo mal e um apego próximo a tudo que é bom, Romanos 12: 9 , e também a adoração a ele, que deve ser realizada com diligência e fervor, Romanos 12: 11, o exercício da graça da esperança com alegria, paciência no meio das tribulações e perseverança na oração, Romanos 12:12 ; então, os deveres que interessam uns aos outros, como cristãos e irmãos em uma relação de igreja; como exercitar um amor fraternal afetuoso e honrar um ao outro; e até para dar preferência mútua, que pode ser igual ou superior, tanto nos dons espirituais quanto nas coisas temporais, Romanos 12:10 , e com respeito aos santos pobres, para se comunicar alegremente com suas necessidades; e com respeito a estrangeiros, para entretê-los hospitaleira, Romanos 12:13 , e como todo membro, seja em circunstâncias prósperas ou adversas, para participar com eles, regozijando-se com um, chorando com o outro, Romanos 12:15e comportar-se com humildade, modéstia e sobriedade em relação a todos, Romanos 12:16 , e próximos deveres que digam respeito aos homens do mundo, particularmente para abençoar, e não amaldiçoar perseguidores, Romanos 12:14 , para não retaliar o mal pelo mal, mas fazer tudo o que é de bom interesse aos olhos dos homens, Romanos 12:17 , para estudar, se possível, viver pacificamente com todos os homens, Romanos 12:18 , para conter a paixão e abster-se da ira, e não busque vingança particular, mas deixe que o Senhor se vingue, Romanos 12:19 , por outro lado, para que ele seja gentil e benéfico com os inimigos, dando-lhes comida e bebida quando estiverem com fome e com sede, expressados ​​nas palavras de Salomão , Provérbios 25:21, as razões pelas quais são, porque, por meio deste, um inimigo pode ser forjado e levado à vergonha ou ao arrependimento, e se tornar um amigo, Romanos 12:20 , e porque, fazendo o contrário, ressentindo-se e devolvendo o mal, um homem é conquistado por ele; enquanto, pelo outro método, o inimigo é conquistado pelo bem, Romanos 12:21 , e é muito mais louvável e honrado ser um conquistador do que ser conquistado.

Tais demonstrações da misericórdia de Deus que judeus e gentios receberam devem induzi-los a se consagrar a Ele; e não estar em conformidade com o mundo, Romanos 12: 1 , Romanos 12: 2 . Os cristãos são exortados a pensar mal de si mesmos, Romanos 12: 3 . E cada um se comportar adequadamente no ofício que recebeu de Deus, Romanos 12: 4-8 ; Vários deveres morais importantes são recomendados, Romanos 12: 9-18 . Não devemos nos vingar, mas vencer o mal com o bem, Romanos 12: 19-21 .

 

O apóstolo agora tendo terminado a parte doutrinária desta epístola, prossegue para a prática; e aqui pode ser necessário ter uma visão de seus argumentos nos capítulos anteriores.A eleição, chamado e justificação dos gentios crentes, e eles serem admitidos no reino e convênio de Deus, e ter interesse em todos os privilégios e honras de seus filhos.

(1.) Que eles têm um título claro e substancial para tudo isso, ele provou em Romanos 1, 2 e 3.

(2.) Que esse direito é colocado no mesmo pé do título de Abraão às bênçãos da aliança que ele prova em Romanos 6.

(3.) Que isso nos dá um título de privilégios e bênçãos, por melhores que os judeus pudessem se gloriar, em virtude dessa aliança, Romanos 5: 1-12 .

(4.) Ele se eleva ainda mais e mostra que o fato de estarmos interessados ​​no dom e na graça de Deus em Cristo Jesus é perfeitamente agradável à graça que ele concedeu a toda a humanidade, ao libertá-los da morte do corpo provocada. eles pela transgressão de Adams, Romanos 5: 12-21 .

(5.) Ele explica completamente, tanto em relação aos gentios quanto aos judeus, a natureza da constituição do Evangelho em relação a suas obrigações para com a santidade e as vantagens que ela oferece para encorajamento, obediência e apoio, sob as mais severas provações e perseguições. Romanos 6, 7, 8.

(6) Quanto às pretensões dos judeus, que "Deus estava obrigado pela promessa expressa de continuá-los como seu único povo para sempre, e que isso era diretamente inconsistente com a eleição e o chamado dos gentios, sob a condição de fé". sozinho;" ele demonstra que a rejeição dos judeus é consistente com a verdade da palavra de Deus e com sua justiça: ele mostra a verdadeira causa e razão da rejeição deles e conclui com um discurso admirável sobre a extensão e a duração dela; que ele encerra com a adoração da sabedoria divina em suas várias dispensações, Romanos 9, 10, 11. Assim, tendo esclarecido esse assunto importante com julgamento surpreendente, e com a melhor arte e habilidade na escrita, ele agora prossegue, seguindo sua maneira usual em suas epístolas e o método apostólico de pregação, para inculcar vários deveres cristãos, e exortar àquele temperamento mental e conduta da vida adequados à profissão do Evangelho e ao gozo de seus privilégios. Dr. Taylor.

 

 

 

COMENTARIO EXPLICATIVO

 

Verso 1

Peço-lhes, pois, irmãos, pelas misericórdias de DeusO apóstolo, tendo terminado a parte doutrinária desta epístola, procede ao que é mais prático; e reforça os vários deveres da religião, de acordo com os princípios que ele havia estabelecido anteriormente, um método geralmente observado por ele em todas as suas epístolas. A partícula ilativa "portanto" mostra que as seguintes exortações são tantas conclusões, conseqüências e inferências deduzidas do que foi dito na última parte do capítulo anterior; que uma vez que todas as coisas são de Deus, e por ele e para ele, os santos devem apresentar seus corpos a ele, e conhecer, aprovar e fazer sua vontade; e como eles não têm nada além do que receberam dele, não devem pensar muito ou se gloriar em suas realizações. A introdução a essas exortações é muito gentil e afetuosa; os santos são tratados como "irmãos", e muito apropriadamente; já que isso expressa a relação que eles mantinham com o apóstolo, por quem ele tinha um amor e uma preocupação calorosos; e, portanto, o que ele os pressionava era em relação sincera ao bem deles, bem como à glória de Deus; também sua relação um com o outro e com as quais vários dos deveres que ele incita tinham conexão; do mesmo modo, a relação deles com Deus, sendo de sua família, tendo o mesmo Pai e, portanto, sob a obrigação de respeitar sua vontade, honrá-lo e reverenciá-lo: além disso, essas coisas são movidas, não de maneira imperiosa, de maneira autoritária; mas por meio de pedidos, "eu suplico"; como embaixador de Cristo, e como em seu lugar: nem são impingidos por terrores, ameaças e ameaças, mas "pelas misericórdias de Deus"; isso é, a abundante misericórdia de Deus, exibida em sua eleição, regeneração e chamado; além do que, nada pode ter uma influência maior sobre um crente, envolvê-lo na santidade da vida e na conversação; e mostra que as doutrinas da graça não são licenciosas, nem processam preceitos, exortações, pedidos, advertências e conselhos inúteis, particularmente os seguintes;

 

que você apresente seus corpos; não apenas a parte deles comumente chamada, pois isso não deve ser entendido como uma mera apresentação do corpo no culto público: pois, embora isso deva acontecer, ainda que não sem o coração envolvido nele, o exercício físico não será aproveitar; nem de pura abstinência de pecados mais graves cometidos no corpo e contra ele, e que o contaminam e desonram; muito menos maceração e manutenção sob o corpo, por vigias, jejum, etc. e ainda menos uma oferenda do corpo na morte em um caminho de martírio, embora isso deva ser alegremente cumprido quando exigido: mas por seus corpos se entende, eles mesmos, toda a sua alma e corpo, todos os poderes e faculdades de suas almas e membros de seus corpos; e a apresentação deles, projeta uma dedicação deles, com toda prontidão e vontade, ao serviço de Deus por sua honra e glória, sem confiar nem depositar nenhuma dependência neles; que seria sacrificar à sua própria rede e queimar incenso ao seu arrasto; inclui todo o serviço, conversação e religião, internos e externos. Então os judeusF11 dizer,

 

"digna é a porção dos justos, que oferece todos os dias esta oferta perante o Senhor; e o que é isso? גרמייהו ונפשייהו ", seus corpos e almas ", que eles oferecem diante dele. '

 

A alusão é ao ritual do sacrifício, ao trazer o animal morto e colocá-lo no altar, e ali apresentá-lo e oferecê-lo ao Senhor. Sob a dispensação do Evangelho, todos os crentes são sacerdotes; e os sacrifícios que eles trazem não são os corpos dos animais mortos, mas seus próprios corpos, todo o seu ser; e esses

 

um sacrifício vivo , em oposição aos corpos de animais mortos oferecidos sob a dispensação legal, e às obras mortas daqueles que são destituídos de fé em Cristo, e às performances sem vida dos próprios santos em certos momentos; e projeta tal apresentação de si no desempenho de deveres religiosos, como brota de um princípio de vida sob as influências velozes do Espírito de Deus, com fé e fervor; embora sem nenhuma visão de obter vida por meio disso, pois isso é apenas pela oferta do corpo de Cristo de uma vez por todas. Outro epíteto deste sacrifício de nossos corpos para Deus é

 

santo , em alusão aos sacrifícios sob a lei, que eram separados do uso comum e devotados a Deus, e não deviam ter a menor mancha e defeito; e considera os homens santificados pelo Espírito de Deus, e cujas ações fluem de um princípio de santidade e são realizadas sob a influência do Espírito Santo; e os sacrifícios que são vivos e santos, não podem deixar de ser

 

aceitável a Deus através da mediação de seu Filho, por quem, como as pessoas, as almas e os corpos de seu povo, seus sacrifícios espirituais, sejam de oração ou louvor, são apenas aceitáveis ​​para ele:

 

qual é o seu serviço razoável; é agradável raciocinar, e especialmente como santificado, que os homens que têm seus seres de Deus, e são neles sustentados por ele, e são seguidos pelas recompensas da Providência; e especialmente os que são feitos novas criaturas, e são abençoados por ele com todas as bênçãos espirituais em Cristo, para que se entreguem a ele e o sirvam alegremente em seus dias e gerações; esse serviço também é de acordo com as Escrituras da verdade, o padrão de imundície e prática, e não contém e aplica nada além do que é altamente razoável para ser cumprido; é um serviço que reside não na matança de criaturas irracionais, mas na apresentação de homens dotados de poderes racionais a Deus; e é de natureza espiritual, realizada por homens espirituais, sob a influência do Espírito de Deus; e é adequada à natureza e perfeições de Deus,

 

Verso 2

E não se conforme com este mundo . ... Por este mundo, entende-se a dispensação mosaica e o estado da igreja judaica, assim chamados em oposição a עולם הבא, "o mundo vindouro", a dispensação do Evangelho; no qual havia um santuário mundano e cujos ritos e cerimônias são denominados rudimentos e elementos do mundo; com o qual os crentes no estado atual não estão em conformidade, havendo sacrifícios e ordenanças de outra natureza, é a vontade de Deus que eles devem observar e atender: ou então os homens do mundo são designados, homens carnais e não regenerados , entre os quais eles conversaram anteriormente, dentre os quais foram escolhidos, chamados e separados, e que mentem e vivem em maldade, e, portanto, não devem ser conformados com eles: o que deve ser entendido, não no sentido civil de conformidade com eles em trajes e roupas, desde que o orgulho e o luxo sejam protegidos e observada a decência e a sobriedade, e as diferentes habilidades de pessoas e postos na vida são atendidas; ou a quaisquer outros usos e costumes civis que não sejam contrários à religião natural e revelada; mas de conformidade em sentido moral com as más maneiras dos homens, andar em vão, como outros gentios, para entrar no mesmo excesso de tumulto com eles; pois isso é contrário tanto ao princípio quanto à doutrina da graça, que ensina os homens a negar a impiedade e as concupiscências mundanas; e o cumprimento dos homens do mundo em sentido religioso, juntando-se a eles em atos de idolatria, superstição e adorará, e em qualquer coisa que seja contrária à ordem, ordenanças e verdades do Evangelho. mas de conformidade em sentido moral com as más maneiras dos homens, andar em vão, como outros gentios, para entrar no mesmo excesso de tumulto com eles; pois isso é contrário tanto ao princípio quanto à doutrina da graça, que ensina os homens a negar a impiedade e as concupiscências mundanas; e o cumprimento dos homens do mundo em sentido religioso, juntando-se a eles em atos de idolatria, superstição e adorará, e em qualquer coisa que seja contrária à ordem, ordenanças e verdades do Evangelho. mas de conformidade em sentido moral com as más maneiras dos homens, andar em vão, como outros gentios, para entrar no mesmo excesso de tumulto com eles; pois isso é contrário tanto ao princípio quanto à doutrina da graça, que ensina os homens a negar a impiedade e as concupiscências mundanas; e o cumprimento dos homens do mundo em sentido religioso, juntando-se a eles em atos de idolatria, superstição e adorará, e em qualquer coisa que seja contrária à ordem, ordenanças e verdades do Evangelho.

 

Mas sede transformados pela renovação de sua mente ; que não diz respeito ao primeiro trabalho de conversão e renovação; pois nesse sentido essas pessoas já foram transformadas, metamorfoseadas, mudadas e renovadas; mas o progresso posterior e o trabalho de renovação, a renovação deles dia a dia no espírito de suas mentes; veja Efésios 4:23 ; de que os crentes devem desejar, orar e fazer uso dos meios que o Espírito de Deus possui para esse fim, atendendo aos exercícios espirituais da religião, como leitura, meditação, oração, conferência, ministração da palavra e ordenanças, que é o inverso da conformidade com o mundo; e o fim a ser alcançado por meio deste é:

 

para que possa provar qual é a boa, aceitável e perfeita vontade de Deus; pelo que se entende não a vontade secreta de Deus, que não pode ser pesquisada, provada e conhecida, até que o tempo e os fatos a descubram; mas a vontade revelada de Deus, tanto na lei, como nas mãos de Cristo, que contém nada além do que é bom; e que quando praticado com fé, a partir de um princípio de amor e para a glória de Deus, é aceitável por meio de Cristo; e é perfeito como uma lei da liberdade, e regra de andar e conversar; e que deve ser provado e aprovado por todos os santos que deleitam-se segundo o homem interior; e também o que está contido no Evangelho; como tudo o que o Pai havia dado a Cristo deveria ser redimido por ele, para que estes fossem santificados, perseverassem até o fim e fossem glorificados; tudo o que é a boa vontade de Deus, um ditado aceitável para os pecadores sensíveis, e um esquema de salvação perfeito e completo, e não precisa ser acrescentado a ele; e é, por aqueles que são diariamente renovados no espírito de suas mentes, cada vez mais provados, provados, discernidos e aprovados, mesmo por todos aqueles que exercem seus sentidos espirituais para discernir coisas que diferem.

 

Verso 3

Pois eu digo, pela graça que me foi dada ... A versão etíope diz: a graça de Deus; e, portanto, duas cópias de Stephens. Pela qual o apóstolo pretende, não a graça interna que foi operada em sua alma; nem o evangelho da graça de Deus, que ele pregou; nem os dons da graça, que o qualificavam para esse serviço; mas a graça do apostolado, ou esse poder autoritário, que ele, como apóstolo, recebeu de Cristo para dizer, ordena, dá ordens e instruções às igrejas e pessoas particulares:

 

a todo homem que está entre vocês : todo membro da igreja, em qualquer estado ou condição, seja no cargo ou não; de qualquer habilidade ou capacidade, possuindo presentes, mais ou menos; a manifestação do Espírito sendo dada a todos para lucrar com ele, e para o bem dos outros:

 

não pensar em si mesmo mais do que deveria pensar; isto é, ou não arrogar para si mesmo o que não lhe pertence e depreciar os outros, que podem ter habilidades iguais, se não superiores, a ele; ou não se gloriar no que ele tem, como se não o tivesse recebido, e como se fosse devido à sua própria sagacidade, penetração, diligência e indústria; ou não procurar coisas muito altas para ele que estão fora de seu alcance e além de sua capacidade; embora isso não deva ser entendido como desencorajador de uma busca nas Escrituras da verdade, as partes mais difíceis e os pontos mais complicados da controvérsia; mas como proibindo a investigação de coisas que não são lícitas a serem pesquisadas, ou, se for lícita, exigindo que tal escrutínio seja feito com modéstia, e uma humilde dependência de luz e assistência superiores, e uma descoberta com humildade e humildade de espírito ;

 

mas pensar sobriamente, de acordo com Deus que distribui a todos os homens a medida da fé : esses devem considerar que dons, habilidades, luz e conhecimento que eles têm, eles têm, não de si mesmos, mas de Deus; que eles não têm toda fé e todo conhecimento, ou não conhecem toda a fé do Evangelho, apenas uma medida dela, que é distribuída, dividida e dividida a todo homem, alguns tendo um maior grau de luz evangélica do que outros; e que todos têm alguns, mas nenhum. A versão siríaca a traduz como "fé na medida"; um dos exemplares de Stephens diz "a medida da graça"; ver Efésios 4: 7 .

 

Verso 4

Pois, como temos muitos membros em um corpo , ... O apóstolo ilustra o que ele disse por último sobre o trato de Deus para cada homem com a medida da fé, comparando a igreja de Cristo com um corpo humano, que é apenas um, e muitos membros em união com ele, e um ao outro; e que são colocados em uma exata simetria e proporção, e em adequada subserviência um ao outro e para o bem do todo:

 

e todos os membros não têm o mesmo cargo ou "ação"; eles não exercem a mesma função e realizam a mesma operação, mas cada um que é peculiar a si próprio: o olho só vê, mas não ouve, nem prova, nem cheira; o ouvido apenas ouve, mas não vê nem faz nenhuma das coisas acima mencionadas; o paladar tem gosto, o nariz cheira, o punho da mão, o pé anda, e o mesmo pode ser observado nos outros membros do corpo, que não têm o mesmo, mas seus ofícios particulares, e todos e cada um deles sua utilidade.

 

Verso 5

Então, sendo muitos somos um corpo em Cristo , .... Esta é a aplicação do símile acima. Os escolhidos de Deus, os remidos de Cristo, e aqueles que são justificados por sua justiça e santificados por seu Espírito; apesar de serem poucos em comparação com os homens do mundo, mas considerados em si mesmos, são muitos, e ainda constituem apenas um corpo, a igreja, da qual Cristo é a cabeça; e embora essa assembléia geral; ou igreja universal, pode ser distinguida em várias igrejas congregacionais, e comunidades distintas; contudo, cada comunidade, composta por diversas pessoas, é apenas um corpo "em Cristo", unido e unido por juntas e faixas, sob ele a cabeça, Senhor, e rei; nele, e não em César, ou em qualquer monarca terrestre, para distinguir esse corpo dos corpos políticos ou de qualquer comunidade civil entre os homens:

 

e todos os membros um do outro ; como em união com a cabeça de Cristo, e um com o outro em amor, caminhando juntos em santa comunhão, simpatizando e servindo um ao outro.

 

Verso 6

Tendo então dons, diferindo , .... Como em um corpo natural, os vários membros dele não têm o mesmo cargo e não realizam as mesmas ações; portanto, eles não têm o mesmo, mas diferentes faculdades; um tem uma faculdade, outro outro; o olho tem a faculdade de ver, o ouvido da audição, etc. assim, no corpo espiritual da igreja, como existem membros diferentes, esses membros não têm o mesmo trabalho e negócios que lhes foram atribuídos; alguns são empregados de uma maneira e outros de outra; eles também têm diversidades de dons para suas diferentes administrações e operações, e todos de Cristo sua cabeça, pelo mesmo Espírito, e para o serviço de todo o corpo,

 

de acordo com a graça que nos é dada ; pois todos esses dons não são os efeitos da natureza, os frutos do poder humano, diligência e indústria, mas fluem da graça de Deus, que os dispensa quando, onde e a quem ele deseja de maneira livre e soberana; e, portanto, ser reconhecido como tal e usado para sua glória e para o bem de sua igreja e povo. Portanto

 

seja profecia, vamos profetizar de acordo com a proporção da fé . Os ofícios aqui, e daqui em diante mencionados, não são de um tipo extraordinário, mas comum, que são duradouros e continuarão na igreja até o fim dos tempos: e são divididos em duas partes, que depois são subdivididas em outros ramos. A divisão é "profetizar" e "ministrar". "Profetizar" significa, não prever o que está por vir, e que esse dom foi concedido a alguns, como Ágabo, e outros na igreja cristã; mas isso, como é de natureza extraordinária, não é restringido e limitado de acordo com a proporção da fé; mas a pregação do Evangelho é projetada aqui, que é o sentido da palavra em muitos lugares das Escrituras, particularmente em 1 Coríntios 13: 2. Agora, aqueles que têm esse dom de profecia, ou de abrir e explicar as Escrituras, devem fazer uso dele e frequentar constantemente o trabalho: "profetemos"; diligentemente se prepare para isso através da oração, leitura e meditação, e exercite-o continuamente como a oportunidade oferece; nem deve haver qualquer dificuldade e desânimo para impedir: ou, embora essa última cláusula não esteja no texto original, ela pode ser fornecida por Romanos 12: 3; assim, "pensemos sobriamente", que têm esse dom, e não se deleitam com ele, ou o transportam com altive para aqueles que participam do exercício dele; mas comporte-se com sobriedade, modéstia e humildade, no seu cumprimento: "de acordo com a proporção da fé". Deve haver fé, ou nenhuma profecia; um homem deve acreditar e, portanto, falar ou não falar; um ministro do evangelho não deve ser cético ou duvidar dos principais princípios da religião; tais como dizem respeito às três pessoas divinas, o ofício, a graça e a justiça de Cristo e o caminho da salvação por ele: ele deve estar em um ponto nessas coisas, deve acreditar firmemente, e com segurança afirmá-las, nem temer ser chamado dogmático por esse motivo: ele deve pregar de acordo com sua fé, a proporção dela: que pode ser a mesma medida,Romanos 12: 3 . E assim a versão siríaca lê, איך משוחתא דהימנותה, "de acordo com a medida de sua fé"; com o qual a versão árabe concorda; isto é, de acordo com a medida do dom de Cristo que ele recebeu; de acordo com as habilidades que lhe foram conferidas; de acordo com essa luz, conhecimento, fé e experiência que ele tem; ele deveria pregar a respeito, e nem um pouco menos que isso; ou por "a proporção", ou "analogia da fé", pode significar um esquema de verdades do Evangelho, uma forma de palavras sãs, um conjunto de princípios sobre o plano das Escrituras, deduzido deles e de acordo com eles; e que são inteiros e consistentes entre si, dos quais o profeta ou pregador nunca deve desviar: ou as próprias Escrituras, a palavra certa da profecia, a regra e o padrão de fé e prática: o escopo do texto é: ser atendido, sua conexão com os versículos anteriores ou seguintes, ou ambos; e deve ser comparado com outras passagens das Escrituras e, consequentemente, ser explicado: e isto é seguir a regra direcionada.

 

Versículo 7

Ou ministério, esperemos em nosso ministério , .... A palavra διακονια às vezes significa todo o ministério eclesiástico, até o ofício de apostolado, bem como o ministério ordinário do Evangelho; veja Atos 1:17 ; mas aqui "diácono", ou o ofício de ministrar aos santos pobres, como em Atos 6: 1 , sendo um ofício distinto de profetizar: ou pregar a palavra, e deve ser usado, exercitado e atendido com diligência, cuidado, e constância; para aqueles que são designados para este cargo, são escolhidos não apenas para um lugar de honra, mas também para serviços e negócios, nos quais devem se comportar com prudência, sobriedade e humildade:

 

ou aquele que ensina, no ensino . O dom de profetizar ou pregar é subdividido em "ensino" e "exortação"; um pertence a "professores" ou médicos, o outro a "pastores"; como a distinção está em Efésios 4:11, não que diferentes diretores e escritórios sejam destinados, mas diferentes filiais do mesmo escritório; e o talento de um homem pode residir mais em um, e outro em outro; e, consequentemente, cada um em sua pregação deve prestar atenção ao dom que lhe é mais peculiar: se o seu dom reside no ensino, empregue-se constantemente naquilo com toda sobriedade e "ensino" não designa um escritório na escola, mas em a Igreja; não está ensinando divindade como os homens ensinam lógica, retórica e outras artes e ciências nas escolas; mas uma instrução das igrejas e seus membros nas doutrinas do Evangelho, a fim de estabelecê-las e edificá-las em sua santíssima fé; veja 1 Coríntios 12:28; reside principalmente em uma maneira doutrinária de pregar, em abrir, explicar e defender as doutrinas de Cristo, como distintas da parte prática do ministério da palavra e da administração de ordenanças, nas quais o pastor é empregado, bem como nisso.

 

Verso 8

Ou aquele que exorta, por exortação , .... Este é o outro ramo de profetizar ou pregar, e que é mais prático, e reside em dar uma palavra de exortação aos santos, como exigem seus casos particulares; pois como profetas eram mestres, Atos 13: 1 ; assim também exorta, Atos 15:32 ; e um ramo considerável do ministério, e que é principalmente o trabalho do pastor, além de ensinar, é exortar todo tipo de pessoa, jovem e velha, rica e pobre, alta e baixa, escrava e livre, sob seus cuidados. , com toda a longanimidade e doutrina. As palavras serão lidas: "aquele que consola, em consolação"; e assim a versão siríaca os torna, ואית דמביאנא הו בבויאה, "e outro consolador, em seu consolo". Embora todos os ministros do Evangelho falem confortavelmente aos santos, pregando as doutrinas da livre justificação pela justiça de Cristo, e remissão dos pecados pelo seu sangue, trazendo as boas novas da salvação por ele e abrindo as grandes e extraordinárias e preciosas promessas do Evangelho; ainda assim, alguns têm um talento maior desse modo que outros; alguns são "Boanergeses", filhos do trovão, Marcos 3:17 , e outros "Barnabases", filhos do consolo, Atos 4:36 ; e cada um deve cuidar disso com toda diligência e humildade, para o qual está mais bem qualificado.

 

Quem dá, faça com simplicidade . Aqui começa a subdivisão do ofício do diácono em seus vários ramos, "dar", "governar" e "mostrar misericórdia": "dar" significa, não dar por si próprio ou realizar: atos de caridade, o que é comum a todos os membros da igreja, que devem contribuir liberalmente para o alívio dos pobres; mas distribuir ou distribuir o dinheiro da igreja a objetos adequados, o que deve ser feito "com simplicidade"; com toda fidelidade e integridade, sem fraude ou desvios do patrimônio da igreja, com imparcialidade e sem respeito pelas pessoas, e de maneira liberal e abundante, como a palavra aqui usada significa; ver 2 Coríntios 8: 2 ;

 

quem governa com diligência ; diáconos são as "ajudas, governos", mencionadas em 1 Coríntios 12:28 , que estão ajudando o pastor no governo da igreja; o negócio deles é observar as conversas dos membros da igreja e adverti-los que são indisciplinados e andam desordenadamente, para compor diferenças e preparar assuntos para serem apresentados à igreja; um diácono é προισταμενος , "um que precede"; e lidera os outros como exemplo em sua conduta e conversa; ou como o siríaco traduz, דקאם ברישא , "que está na cabeça" dos assuntos da igreja; em cuja administração ele deve usar todo estudo, consideração, cuidado e diligência:

 

ele que mostra misericórdia, com alegria ; que não deve ser entendido como mostrar compaixão a objetos miseráveis ​​em comum ou dar esmolas a pessoas necessitadas, e que deve ser feito de acordo com os judeus.F12cânones, בסבר פנים יפות , "com um semblante alegre"; e é o que é altamente agradável a Deus, que "ama um doador alegre": mas de um ramo do escritório do diácono, cujo trabalho, entre outras coisas, é visitar os enfermos e angustiados e comunicar-lhes conforme suas necessidades; tudo o que deve ser feito, não de maneira sombria e franzida, mas com um olhar agradável e um semblante alegre, o que torna a visita e o presente mais bem-vindos, aceitáveis ​​e úteis.

 

Verso 9

Deixe o amor ficar sem dissimulaçãoO apóstolo, tendo dado exortações adequadas aos oficiais desta igreja, ministros e diáconos, passa a incitar o exercício da graça e o cumprimento dos deveres comuns a todos os membros da igreja; e começa com o "amor", que é o cimento dos santos e o vínculo da perfeição, sem o qual todos os dons que os homens têm, a profissão que fazem e as obras que realizam são inúteis, e eles próprios nada. Aqui deve-se considerar, no sentido maior e mais abrangente, o amor a Deus, a Cristo, aos santos e às criaturas, e deve, com relação a cada um, "estar sem dissimulação"; ou "hipocrisia": o amor a Deus deve estar com todo o coração, alma e mente; caso contrário, o medo e a obediência a ele serão apenas externos, formais, costumeiros e hipócritas; o amor a Cristo deve estar com sinceridade, e assim é onde é certo, sincero e genuíno; tais pessoas podem apelar para ele como o buscador de corações, que do coração o amam; e o amor um pelo outro não deve estar em palavras e apenas em língua, mas em ações e em verdade; sim, o amor professado a outras criaturas nunca deve ser pelo medo de homens ou pontos de vista mercenários, mas honesto, reto e sincero.

 

Abomino o que é mau ; pecado, tanto em seus princípios quanto em seus atos; ser odioso a Deus, Pai, Filho e Espírito, ao contrário da natureza, ser e perfeições de Deus, uma transgressão de sua lei justa, excessivamente pecaminosa em si mesma e perniciosa em seus efeitos e conseqüências; para tudo o que deve ser detestado pelos santos: a palavra αποστυγουντες , aqui usada, projeta a maior aversão imaginável, um afastamento dela, como a que é a mais repugnante, detestável e abominável; e tanto ódio disso com horror, como o lago da Estíria, ou o próprio inferno:

 

apegar-se ao que é bom; a Deus, que é originalmente, infinita e imutavelmente bom; quem é bom em sua natureza, e trabalha, e para todas as suas criaturas, e especialmente seu povo escolhido, e portanto deve ser apegado; à sua vontade, seus caminhos e adoração; e a Cristo, o bom pastor das ovelhas, o Cordeiro que deve ser seguido e grudado aonde quer que vá; e ao bom Espírito de Deus, após o qual devemos andar, e não segundo a carne; e ao bom povo de Deus, reunindo-se com quem não deve ser abandonado; e ao bom Evangelho de Cristo, e suas verdades, que devem ser mantidas firmes; e às ordenanças do Evangelho, que devem ser constantemente atendidas; e a toda boa obra, para a qual devemos estar prontos, cuidadosos para manter e sempre seguir, entre nós e todos os homens: eles devem ser colados a ela, como a palavra aqui significa.

 

Verso 10

Seja gentilmente afetuoso um com o outro com amor fraterno, .... Este é um ramo desse amor, antes aconselhado, que não deve ser fingido, e sem dolo e dolo. Os objetos dessa graça são "irmãos", não no sentido em que são todos os descendentes de Adão, ou homens do mesmo país, ou como nascem dos mesmos pais em sentido natural; a cada um dos quais o amor é devido sob seus respectivos caracteres e relações: mas aqueles que são tão espirituais, que são nascidos de Deus, pertencem à sua família, pertencem à sua família, são os irmãos de Cristo e um ao outro; e são membros da mesma igreja, incorporados juntos no mesmo estado da igreja, ou pelo menos membros de Cristo, e da igreja universal. Agora, o amor a esses deve ser gentil, terno e afetuoso, recíproco e mútuo; esses devem se amar; não deveria haver amor querendo dos dois lados; e deveria ser universal e alcançar todos os santos, embora de diferentes dons, luz, conhecimento e experiência, ou altos ou baixos, ricos ou pobres; e deve mostrar-se suportando os encargos uns dos outros, suportando-se e perdoando-se, perdoando-se e edificando-se em sua santíssima fé, orando com eles e uns pelos outros.

 

Em honra, preferindo um ao outro ; os santos devem pensar honrosamente um no outro e ter uma estima honrosa um pelo outro; sim, devem se estimar melhor; e não tolerar suposições más e ciúmes infundados um do outro, o que é contrário ao amor que não pensa mal. Deveriam falar honrosamente um do outro em companhia cristã, e desencorajar essa prática maligna de sussurros, retaliações e insinuações; eles devem se tratar com honra e respeito em sua conversa comum, e especialmente quando reunidos como uma igreja de Cristo. Eles devem comparecer honrando e mostrando respeito, como a palavra προηγουμενος, significa: eles devem dar um ao outro um exemplo; e que também podem ser considerados no sentido da palavra, devem impedir-se mutuamente, sem esperar até que o respeito seja mostrado de um lado para devolvê-lo novamente. Tampouco esta regra infringe a ordem que deveria subsistir e ser mantida em corpos civis e eclesiásticos, o que exige uma honra superior a ser dada às pessoas de acordo com seu caráter, cargo e posto em que estão.

 

Verso 11

Não é preguiçoso nos negócios, .... Não significando negócios mundanos, nem assuntos da vida; embora a preguiça a esse respeito seja escandalosa para a natureza humana, e especialmente em pessoas sob uma profissão de religião; os homens devem diligentemente perseguir seus legítimos chamados para o apoio de si mesmos e suas famílias, e o interesse de Cristo; mas os negócios espirituais, os assuntos de piedade e religião, o serviço de Deus, privado e público, para os quais não devemos estar atrasados, nem preguiçoso no desempenho de; tais como pregar, ouvir, ler, orar e outras ordenanças de Deus; sim, devemos estar prontos e encaminhados para toda boa obra, e particularmente, e que possam ser aqui grandemente planejados, ministrando aos santos pobres em suas necessidades; ao fazer o que mostramos esse amor gentil, terno, afetuoso e fraterno, e damos essa honra e respeito, pelo menos a parte dele, que é um alívio, exigido no versículo anterior; VejoHebreus 6:10 . Notável é o ditado de R. TarphonF13,

 

"O dia é curto, e a obra é ótima, והפועלים עצלים ", e trabalhadores preguiçosos ", e a recompensa é muito grande, e o dono da casa é urgente. '

 

Fervente em espírito ; em seus próprios espíritos, para a glória de Deus, a honra de Cristo e a causa da religião, imitando o próprio Cristo, e como Finéias e Elias; qual fervor de espírito se opõe àquela morna de alma, Apocalipse 3:16 , aquela frieza de afeto e partida do primeiro amor, Apocalipse 2: 4 , que tanto se queixava e se ressentia de Cristo em seu povo: ou então em o Espírito de Deus; pois pode haver fervor no espírito dos homens, que não provém do Espírito de Deus, como nos judeus, e particularmente em Saul, antes de sua conversão, que tinham "zelo de Deus, mas não segundo o conhecimento", Romanos 10: 2. ; mas quando "o amor de Deus é derramado no coração" pelo Espírito de Deus, Romanos 5: 5, isso tornará o espírito de um homem fervoroso no serviço de Deus, pelo qual o apóstolo teria esses crentes em causa. Um discípulo dos sábios entre os judeus éF14disse ser רתח , "fervoroso", porque a lei é como uma panela fervendo para ele; muito mais deve ser fervoroso o discípulo de Cristo, que tem o Evangelho de Cristo, o amor de Deus e a graça do Espírito para inflamar sua alma com verdadeiro zelo e fervor.

 

Servindo ao Senhor ; algumas cópias dizem "tempo de servir": a semelhança das palavras, καιρος e κυριος, especialmente em uma abreviação, pode ter ocasionado essa leitura diferente; qual deveria ser seguido, não deve ser entendido em mau sentido, de temporização ou tempo de servir aos homens que se acomodam, seus sentimentos e conduta, de acordo com os tempos em que vivem, a fim de escapar de reprovação e perseguição; mas de redimir o tempo, melhorando a cada estação para fazer o bem e aproveitando todas as oportunidades de servir a Deus. Mas, como a leitura que segue nossa versão é confirmada por cópias autênticas, e pelas versões siríacas e outras orientais, é melhor aderir a ela: por "o Senhor" significa aqui Deus, Pai, Filho e Espírito, que são o único objeto do serviço divino e do culto religioso; ou o Senhor Jesus Cristo, que mais freqüentemente usa o nome de Senhor no Novo Testamento; e quem é o único Senhor, de quem somos e a quem devemos servir continuamente, estando sob as maiores obrigações para com ele, não apenas como nosso Criador, mas como nossa cabeça, marido e Redentor. Com toda a razão, o apóstolo pressupõe fervor em espírito para servir ao Senhor; pois sem o Espírito de Deus não há verdadeiro culto e serviço a ele, e isso deve ser feito com fervor e com constância. A versão siríaca a traduz como "sirva ao nosso Senhor".

 

Verso 12

Regozijando-se na esperança ... Da glória de Deus, do que a esperança da qual nada pode tornar um crente mais alegre neste mundo; a alegria dos santos é, portanto, chamada de "regozijo da esperança", Hebreus 3: 6 . Isto é colocado entre servir o Senhor e ser paciente na tribulação; pois nada tende mais a animar o povo de Deus a um serviço alegre dele, ou a torná-lo mais paciente sob aflições do que a esperança de estar para sempre com o Senhor:

 

paciente em tribulação ; enquanto os santos estão neste mundo, eles devem esperar tribulações; o caminho deles para o céu está através dele; e torna-se eles pacientes sob ela, não murmurando contra Deus, por um lado, nem ofendendo os homens, por outro.

 

Instante contínuo na oração : a oração é necessária em todos os momentos, mas especialmente em um período de tribulação e angústia, interna ou externa. Isso deve ser feito sem cessar; os santos devem vigiá-lo com toda perseverança; os homens devem orar sempre, e não desmaiar; nunca desista e desanime. Esse conselho é dado e colocado corretamente aqui, para nos ensinar que devemos ir continuamente ao trono da graça em busca de novos suprimentos de graça e força para nos permitir exercitar a graça e cumprir os deveres exortados tanto nos precedentes quanto nos seguintes. versos.WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET