Translate this Page
  • Currently 2.74/5

Rating: 2.7/5 (449 votos)




ONLINE
5




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


COMENTARIO LIVRO DE EFESIOS CAP.2
COMENTARIO LIVRO DE EFESIOS CAP.2

 

 

<img src="https://img.comunidades.net/mau/mauricioberwald/REVISTA_ADULTOS_2_TRIMESTRE_2020.png" border="0">

EFESIOS CAPITULO 2 SUBSIDIO LIÇÕES CPAD ADULTOS

MAURICIO BERWALD ESCRITOR PROFESSOR  

Introdução

INTRODUÇÃO AOS EFÉSIOS 2

Introdução

 

 

[2 A unidade de todos em Cristo ( Efésios 2: 1-22 ).

 

(1) - (a) O ENQUADRAMENTO DE HOMENS DA MORTE DO PECADO E A BONDAGEM DE SATANÁS, por uma união pessoal com Cristo, tornando-os participantes da Sua ressurreição, Sua ascensão, Sua glória sem fim ( Efésios 2: 1-7 ).

 

(b) Tudo isso não por si mesmos, mas pela livre graça de Deus, aceita na fé e realizada em boas obras ( Efésios 2: 8-10 ).

 

(2) Daí o desenho dos gênios por meio de um desordem sem esperança e sem Deus para:

 

(a) proximidade de Deus em Cristo ( Efésios 2: 11-13 ):

 

(b) União com Israel em Cristo ( Efésios 2: 14-18 );

 

(c) Um lugar, como pedras vivas, na grande estrutura de Sua Igreja ( Efésios 2: 19-22 ).]

 

(1 a.) Efésios 2: 1-7 começa a exposição mais completa da doutrina implícita na ação de graças e na oração do capítulo anterior; a partir da união individual e pessoal de todos com Cristo, em virtude da qual eles participam de Sua vida espiritual, Sua conquista da morte e a exaltação de Sua humanidade glorificada no céu.

 

 

 

O objetivo do apóstolo neste capítulo é ampliar as riquezas da graça divina, no chamado e na salvação efetivos dos pecadores, por Cristo Jesus; na qual ele descreve os tristes bens em que se encontram por natureza e, antes da conversão, até os eleitos de Deus entre os judeus, e especialmente entre os gentios; e depois observa como a paz é feita para e entre os dois, por Cristo, o pacificador; e os vários privilégios e bênçãos que ambos desfrutam, em consequência disso: ele começa com os efésios e expressa o estado anterior em que estavam por uma morte, atribuída a ofensas e pecados, Efésios 2: 1, e representa que a caminhada e a conversa deles foram de acordo com o mundo e depois de Satanás; que é descrito por seu domínio sobre outros demônios que habitam no ar, e por sua influência sobre homens desobedientes, Efésios 2: 2 , e que não se pode pensar que o caso desses efésios gentios era pior do que outros, observa o apóstolo de si mesmo e de outros santos entre os judeus, que a conversa deles antes da conversão era entre os homens do mundo e, de acordo com o curso dela, como os gentios; e que foi uma conversa muito carnal que eles haviam passado, realizando os desejos e concupiscências da carne; e que eles eram tão merecedores e sujeitos à ira de Deus em si mesmos, como outras pessoas, Efésios 2: 3, a qual estado anterior ele se opõe ao atual; eles não estavam agora mortos em pecado, mas foram vivificados; que é atribuída a Deus como causa eficiente, e à sua rica misericórdia e grande amor como causa movente; e a Cristo como causa meritória e promotora, por cuja graça eles foram salvos e em quem eles não foram apenas vivificados, mas ressuscitados, e obrigados a sentar-se juntos em lugares celestiais; e a causa e o fim finais de tudo isso foram mostrar a abundante graça e bondade de Deus, por meio de Cristo, Efésios 2: 4 . A doutrina da salvação pela graça, o apóstolo retoma de Efésios 2: 5e à causa comovente da salvação, a graça de Deus, ele acrescenta os meios ou instrumentos pelos quais é recebido e desfrutado, que é a fé; e isso é negado devido ao poder dos homens, mas é dito ser um presente de Deus Efésios 2: 8 , e o fim em vista, ao colocar a salvação no pé da graça e não nas obras, é evitar se gabar. a criatura, Efésios 2: 9 , e que a obra não pode ser a causa da salvação, seja eficiente, comovente ou aquisitiva, é evidente; já que, embora devam ser executados como agradáveis ​​aos propósitos, bem como à vontade de Deus, eles são efeitos, tanto da obra da graça sobre a alma no tempo, chamada criação, como dos decretos de Deus. eternidade, Efésios 2:10, quando o apóstolo passa a colocar os efésios em mente de seu estado anterior em regeneração, com a mesma visão de antes, para ampliar a graça de Deus, mas de uma maneira diferente; não tão comum a eles com os judeus, mas tão peculiar a eles quanto os gentios; como eles eram desprezados pelos judeus, e estavam em um estado de alienação, não apenas deles, mas de Deus e Cristo, e o gozo de vários privilégios, Efésios 2:11 , pelo que a graça de Deus era mais conspícuo em seu estado atual de proximidade, tanto a Deus quanto ao seu povo, provocado pelo sangue de Cristo, Efésios 2:13, que, como pacificador, não apenas fez as pazes pelo sangue de sua cruz entre Deus e eles, mas entre eles e o verdadeiro Israel de Deus entre os judeus; o que foi feito, em parte pela abolição da lei cerimonial, que causou inimizade, e manteve uma divisão entre eles, Efésios 2:14 , e em parte enviando e pregando o Evangelho da paz a ambos, Efésios 2:17 , e por abrir um caminho de acesso para ambos ao Pai através dele, sob a direção e influência do Espírito, Efésios 2:18 , de tudo o que parecia, que eles não estavam em um estado de distância e alienação como antes, mas todos pertencia à mesma cidade e família, e foram construídos sobre o mesmo fundamento, e unidos na mesma pedra da esquina, Jesus Cristo,Efésios 2:19 , e como o apóstolo compara Cristo a um fundamento e a uma pedra angular, a igreja de Cristo, composta por judeus e gentios, a um templo; que, sendo adequadamente montado, torna-se um Santo no senhor, e uma habitação adequada para Deus através do Espírito, Efésios 2:21 .

 

Verso 1

E você apressou ... O desígnio do apóstolo neste e em alguns versículos seguintes é mostrar a excessiva pecaminosidade do pecado, expor a triste condição e condição do homem por natureza, e engrandecer as riquezas. da graça de Deus, e representam a grandeza excessiva de seu poder na conversão: a frase

 

ele acelerou , não está no texto original, mas é fornecido em Efésios 2: 5 , onde será encontrado e explicado: aqui aqueles que são vivificados com Cristo, e pelo poder e graça de Deus, são descritos em suas propriedade natural e não regenerada,

 

que estavam mortos em ofensas e pecados; não apenas mortos em Adão, em quem pecaram, sendo seu chefe e representante federal; e no sentido legal, a sentença de condenação e morte lhes foi passada; mas em um sentido moral, através do pecado original e de suas próprias transgressões reais: que a morte está em uma separação de Deus, Pai, Filho e Espírito, que estão sem Deus e estão alienados da vida de Deus, e estão sem Cristo, que é o autor e doador da vida, e eles são sensuais, sem o Espírito, que é o espírito da vida; e em uma deformação da imagem de Deus, tais fatos são mortos quanto aos seus entendimentos, vontades e afetos, com respeito às coisas espirituais, e à sua capacidade de fazer qualquer coisa que seja espiritualmente boa; e na perda da justiça original; e na privação do senso de pecado e miséria; e servidão ao pecado, Satanás, e o mundo: por conseguinte, parece que o homem deve ser inaceitável para Deus, contagioso e prejudicial para as outras criaturas e incapaz de ajudar a si mesmo: assim era comum os judeus chamarem um homem mau e ignorante, um homem morto ; eles dizemF9,

 

"não há morte como daqueles que transgridem as palavras da lei, que são chamados, מתים , 'homens mortos', e, portanto, a Escritura diz, 'virar e ao vivo'.

 

E de novoF11,

 

"ninguém é chamado de homem vivo, mas aquele que está no caminho da verdade neste mundo. - E um homem mau que não segue o caminho da verdade é chamado, מת ", um homem morto " . '

 

E mais uma vezF12.

 

"quem quer que seja, sem sabedoria, eis que ele é כמת , 'como um homem morto';'

 

Veja Gill em 1 Timóteo 5: 6 . As cópias de Alexandrino e Claromontano, e uma das versões de Stephens e Vulgata em latim, liam "mortas em suas ofensas e pecados"; e a versão siríaca, "morta em seus pecados e em suas transgressões"; e apenas a versão etíope, "morta em seus pecados".

 

Verso 2

Em que andastes no passado , ... Os pecados e transgressões são uma estrada ou caminho, no qual todos os pecadores não convertidos andam; e esse caminho é sombrio, torto e amplo, que leva à destruição e à morte, e ainda é o seu próprio caminho, que eles escolhem, aprovam e gostam de entrar; e caminhar nele denota uma série contínua de pecados, uma persistência obstinada, um progresso na iniqüidade e prazer nele: e o tempo de caminhar neste caminho, que se diz estar no passado, mostra que os eleitos são. Deus antes da conversão, ande na mesma estrada que os outros; e essa conversão é um desdém; e que quando as pessoas são convertidas, o curso de sua caminhada é alterado, o que antes era

 

de acordo com o curso deste mundo, significando este mundo, em distinção do mundo vindouro, ou da era atual, na qual o apóstolo viveu, e designa os homens dele; e o curso disso é seu costume, maneira e modo de vida; às quais os eleitos de Deus, durante seu estado de não regeneração, se conformam, tanto no que diz respeito à conversação quanto ao culto religioso: grande é a força que os costumes predominantes exercem sobre os homens; é um ramo da redenção de Cristo, libertar os homens deste mundo maligno atual e libertá-los de uma conversa vã nele; e é apenas a graça de Deus que efetivamente ensina a negar suas concupiscências; e é somente devido à intercessão e poder prevalecentes de Cristo que até as pessoas convertidas são mantidas do mal dela:

 

de acordo com o príncipe do poder do ar : que não deve ser entendido de nenhum suposto poder que o diabo tenha sobre o ar, com permissão divina, para elevar ventos, mas de um grupo ou corpo de demônios que tem sua residência no ar; pois não era apenas a noção dos judeusF13, que existem espíritos nocivos e acusadores, que voam sobre באויר , "no ar", e que não há espaço entre a terra e o firmamento livre, e que o todo está cheio de uma multidão deles; mas também era a opinião dos caldeusF14e de PitágorasF15e PlatãoF16, que o ar está cheio de demônios: agora há um príncipe à frente deles, chamado Belzebu, o príncipe dos demônios ou o senhor de uma mosca, pois os demônios sob ele são tantas moscas no ar , Mateus 00:24 e pelos judeus chamadaF17, רבהון דרוחיא , "o príncipe dos espíritos"; e é aqui denominado, o Espírito que agora opera nos filhos da desobediência; pelo qual o espírito é entendido, não os demônios menores que estão sob o príncipe, nem o espírito do mundo que vem dele, e não é de Deus; mas o próprio Satanás, que é um espírito, um mal e um impuro; e que opera poderosamente em descrentes, pois eles são feitos por filhos de desobediência ou descrença; assim como בני מהימנותא , "filhos da fé"F18, no dialeto judaico, projeta crentes; e sobre estes Satanás tem grande influência, especialmente a parte reprovada deles; cujas mentes ele cega, e cujos corações ele enche, e coloca neles a prática dos piores crimes; e, de fato, ele tem grande poder sobre os eleitos, enquanto na descrença, e os leva cativos à sua vontade; e na sua falta de regeneração, pode-se dizer que andam atrás dele, quando o imitam, fazem suas concupiscências e cumprem o que ele sugere, dita ou tenta.

 

Verso 3

Entre os quais todos nós já conversamos no passado : ... O que o apóstolo diz sobre os efésios gentios antes da conversão, ele diz sobre si mesmo e outros judeus; e isso ele faz, em parte para mostrar que não foi por má vontade, ou com o intuito de repreender os gentios, que ele disse o que fez; e em parte para derrotar o orgulho dos judeus, que se consideravam melhores que os pecadores dos gentios; bem como para engrandecer a graça de Deus na conversão de ambos: o sentido é que o apóstolo e outros judeus, no tempo de sua não regeneração, tiveram sua conversa de acordo com os costumes do mundo e com o príncipe do ar, e entre os incrédulos, assim como os gentios; e que eles eram igualmente pecadores e viviam um curso de vida semelhante ao pecado.

 

nas concupiscências da nossa carne; por "carne" entende-se a corrupção da natureza; assim chamado, porque é propagado por geração natural; e se opõe ao Espírito, ou princípio da graça; e tem por objeto coisas carnais; e descobre-se principalmente no corpo, na carne; e torna as pessoas carnais ou carnais: e isso é chamado de "nosso", porque pertence à natureza humana e é inerente a ela e inseparável dela nesta vida: e os "desejos" dela são os movimentos internos de em contrariedade à lei e vontade de Deus; e são variados, e às vezes são chamados de concupiscências carnais e mundanas, e concupiscência da carne, concupiscência dos olhos e orgulho da vida; pode-se dizer que as pessoas têm conversas nelas, quando estas são a base de sua conversa, quando eles são solícitos sobre eles,

 

satisfazer os desejos da carne e da mente : ou as vontades deles; o que eles inclinam, desejam e anseiam: vários são os graus de pecado e seus vários movimentos; e universal é a corrupção da natureza humana; não apenas o corpo, e os vários membros dele, são contaminados pelo pecado, e dispostos a ele, mas todos os poderes e faculdades da alma; até os mais nobres e governantes, a mente, a compreensão e a vontade, bem como as afeições; e grande é o poder e a influência que a luxúria exerce sobre eles:

 

e eram por natureza filhos da ira , assim como os outros: com o que se entende, não apenas que eles eram pessoas iradas, vivendo na malícia, odiando e odiando um ao outro; mas que eles eram merecedores da ira de Deus, que vem sobre os filhos da desobediência, entre os quais eles conversaram; e que é revelado do céu contra os pecados dos quais eles eram culpados, apesar de não terem sido designados para ele; e eles eram "por natureza"; realmente, e não na opinião, e até e desde o primeiro nascimento: um comentarista judeuF19nestas palavras, "teu primeiro pai pecou", Isaías 43:27 tem esta nota;

 

"como podes dizer que não pecaste? e eis que teu primeiro pai pecou, ​​e ele é o primeiro homem, pois o homem מוטבע בחטא " está naturalmente em pecado "; '

 

ou por natureza um pecador, ou o pecado é naturalmente impresso nele; e, portanto, sendo por natureza um pecador, ele é por natureza merecedor da ira de Deus, como foram as pessoas mencionadas:

 

mesmo como outros ; como o resto do mundo, judeus e gentios; e os gentios são especialmente projetados, em distinção dos judeus, o apóstolo está falando; e que são particularmente chamados no dialeto judaico אחרים , "outros"; Veja Gill em Lucas 18:11 .

 

Verso 4

Mas Deus, que é rico em misericórdia, .... A misericórdia é uma perfeição da natureza divina e é essencial para Deus; e pode ser considerado com relação aos objetos dele, seja como geral, estendendo-se a todos os homens de maneira providencial; ou como especial, alcançando apenas alguns de uma maneira de graça; pois, embora a misericórdia seja sua natureza, a demonstração e o esforço dela em relação a qualquer objeto é o ato de sua vontade; e misericórdia especial, com todas as bênçãos e benefícios dela, só é exibida em Cristo Jesus: e diz-se que Deus é "rico" nela, porque ele é livre e liberal em distribuí-la e seus efeitos; e isso para um grande número de pessoas, em grande abundância e variedade, de várias maneiras e em diversas instâncias; como na aliança da graça, na missão de Cristo, na redenção por ele, na regeneração, no perdão do pecado e na salvação eterna; e, no entanto, é inesgotável e perpétuo; e isso estabelece a excelência e a glória disso:

 

por seu grande amor com o qual ele nos amou; o amor de Deus ao seu povo escolhido é muito grande, se for considerado quem os amou, Deus e não o homem; quem é um ser infinito, imutável e soberano; e seu amor é como ele mesmo, pois Deus é amor; tem alturas e profundidades e comprimentos e larguras incomensuráveis; não admite variação nem alteração; e é totalmente livre, surgindo de si mesmo, e não de quaisquer motivos e condições nos homens: e se as próprias pessoas são consideradas, quem são seus objetos, homens, homens pecadores, indignos da observação e consideração divinas; e que estes são amados pessoalmente, particularmente, e distintamente, e não outros; nus e não deles, ou por qualquer coisa neles, ou praticados por eles, e não obstante seus múltiplos pecados e transgressões: aos quais se acrescenta que esse amor é representado como um ato passado; e, de fato, é da eternidade, e é antecedente à sua aceleração, e foi quando eles morreram em ofensas e pecados; e é a fonte e a fonte da bênção mencionada a seguir: então o amor divino é freqüentemente chamado nos escritos cabalísticos dos judeusF20, אהבה רבה , "grande amor".

 

Verso 5

Mesmo quando estávamos mortos em pecados , ... Ver Gill sobre Efésios 2: 1 .

 

Nos acelerou junto com Cristo: que pode ser entendido como regeneração, quando uma alma que está morta em sentido moral ou espiritual, é vivificada e vivificada; um princípio de vida é infundido e atos de vida são apresentados; tais têm seus sentidos espirituais, e estes em exercício; eles podem sentir a carga e o peso do pecado; veja seu estado e condição perdidos, a odiosidade do pecado e a beleza de um Salvador, a insuficiência de sua própria justiça e a plenitude e adequação da de Cristo; respire pelas coisas divinas e espirituais; fale em oração a Deus e a língua de Canaã a outros cristãos; mova-se para Cristo, exerça graça sobre ele, aja por ele e ande nele: e nesta vida eles não têm por si mesmos, pois antes estão mortos, e nesta obra vivificante são inteiramente passivos; nem pode regenerar pessoas apressar-se, quando em estruturas mortas e sem vida, e muito menos pecadores não regenerados; mas este é o ato de Deus, o ato de Deus, o Pai; embora não seja exclusivo do Filho, que vivifica quem ele quer; nem do Espírito, que é o Espírito da vida de Cristo; e é um exemplo da grandeza excessiva, tanto de seu poder quanto de seu amor; e pode-se dizer que isso é feito com Cristo, porque ele é a causa aquisitiva e meritória disso, por sua morte e ressurreição dos mortos; e é o autor e a causa eficiente disso; e ele é o assunto disso, não são tanto as pessoas vivificadas que vivem, como Cristo que vive nelas, e é a mesma vida que ele mesmo vive; e porque ele vive, eles também viverão; está nele como na fonte e nelas como na correnteza; caso contrário, isso pode ser entendido como justificativa; homens estão mortos no sentido legal, e por causa do pecado, estão sob a sentença de morte; apesar de naturalmente se acharem vivos e em bom estado; mas quando o Espírito de Deus vem, ele mata todas as suas esperanças de vida por uma aliança de obras; não meramente deixando transparecer os terrores da lei sobre a consciência, mas mostrando a espiritualidade dela e a excessiva pecaminosidade do pecado; e quão incapazes são de satisfazer a lei pelas transgressões dela; e então ele trabalha fé neles, pelo qual eles revivem e vivem; eles vêem perdão e retidão em Cristo, oram por um e alegam o outro; e também se apossam e vivem da justiça de Cristo, quando o Espírito selar o perdão de seus pecados para eles, e passar a sentença de justificação sobre eles, e assim eles se consideram vivos para Deus; e essa é a justificativa da vida, a Escritura fala; e isso é conseqüência de serem vivificados com Cristo, no momento de sua ressurreição; pois quando ele ressuscitou dentre os mortos, eles ressuscitaram com ele; quando ele foi justificado, eles foram justificados nele; e nesse sentido, quando ele foi vivificado, eles foram vivificados com ele:

 

pela graça sois salvos : a cópia de Claromontane e a versão latina da Vulgata são lidas "por cuja graça"; e as versões árabe e etíope, "por sua graça"; seja pela graça daquele que vivifica, seja pela graça de Cristo com quem eles foram vivificados; a versão siríaca a traduz: "por sua graça ele nos redimiu"; que parece se referir à graça redentora de Cristo; e assim a versão etíope ", e nos livrou por sua graça"; e há uma mudança da pessoa em "nós", que parece mais agradável ao que vem antes e segue depois; Veja Gill em Efésios 2: 8 .

 

Verso 6

E nos criou juntos, .... Que se refere tanto a uma ressurreição espiritual, a uma ressurreição de uma morte em pecado, a uma vida espiritual; e qual é o efeito do poder onipotente e da rica graça e misericórdia; e no que diz respeito a Cristo: ele é a causa eficiente disso, ele ressuscita os mortos nesse sentido e acelera quem ele quer; e sua ressurreição é a causa virtual disso; e também o exemplo, entre o qual existe uma grande semelhança; ambos têm o mesmo nome; ambos são uma declaração de filiação; e ambos, o primeiro passo para a glória em Cristo e em seu povo; e ambos são exemplos da grandeza excessiva do poder de Deus: ou pode se referir a uma ressurreição corporal, já dita, porque é na fé e na esperança, e por causa da certeza; e estar junto com Cristo, por causa da conformidade com a sua ressurreição, e à influência de que é devido; e principalmente porque quando Cristo ressuscitou dentre os mortos, todo o seu povo ressuscitou nele, e com ele, como cabeça e representante, ele sendo as primícias dos que dormiam; assim chamado, em alusão às primícias da colheita sob a lei, que representavam e santificavam o todo:

 

e nos fez sentar juntos em lugares celestiais em Cristo Jesus : Cristo entrou no céu como o precursor, para tomar posse dele por seu povo, em seu nome; e preparar mansões de glória para eles, e neles estão assentados; que importa honra, prazer, descanso do trabalho e do cansaço, e segurança e proteção: e o que aumenta a felicidade disso é que está junto com todos os santos e com o próprio Cristo; e nestes eles são feitos para se sentar já; o que é dito, por causa da certeza disso, para a mesma glória que Cristo tem, eles terão; e por causa de seu direito a tal bênção; e principalmente porque a cabeça de Cristo está assentada nela, que sustenta suas pessoas, leva seus nomes em seu coração e os representa.

 

Versículo 7

Que nas eras vindouras , .... Este é o fim do pecado que Deus permite, no qual os homens estão moralmente mortos; e do seu sofrimento para que continuem em pecado, em um estado de não regeneração; e de os vivificá-los com Cristo, levantando-os e fazendo com que se assentem com ele:

 

ele pode mostrar as riquezas excessivas de sua graça: riquezas sendo acrescentadas à graça, denotam a sua valorização, bem como sua abundância e abundância; e também a liberdade e liberalidade de Deus em dar; e igualmente sua natureza enriquecedora: e essas riquezas são excessivas; eles excedem as riquezas deste mundo, na imensidão deles, sendo insondáveis; e na inesgotabilidade deles, pois, embora tais grandes tesouros tenham sido gastos com esse número de pessoas, ainda há a mesma quantidade; e na duração deles, eles duram para sempre; e no lucro e satisfação que produzem, quando outras riquezas desaparecem, não são lucrativas nem satisfatórias; e eles excedem a concepção, conhecimento e compreensão dos homens; e pretendem a extensão máxima da graça de Deus: e que são evidentes e extraordinariamente exibidas,

 

em sua bondade para conosco através de Jesus Cristo; em provê-lo como Salvador para o seu povo; na missão dele neste mundo; em não poupar, mas em entregá-lo como sacrifício à justiça por seus pecados; e abençoando-os com todas as bênçãos espirituais nele: tudo o que Deus planejou mostrar nos séculos vindouros; ou seja, as eras seguintes ao fim dos tempos, em distinção das eras passadas: portanto, parece que não se esperava que o mundo chegasse imediatamente ao fim; e que os escritos do Novo Testamento deveriam ser continuados, e o Evangelho pregado até o fim dos tempos, no qual as riquezas da graça divina são apresentadas à vista; e que essas eras vindouras são estações e dias de graça; pois um dia de graça nunca terminará, enquanto o Evangelho da graça for pregado; e que os exemplos de graça através de Cristo, e nos tempos dos apóstolos, são encorajadores para homens nas idades seguintes; e que a mesma graça que foi exibida então, é mostrada neles: ou então o mundo vindouro é significado, o qual ocorrerá no final disso; e pode nos levar a observar que haverá eras no outro mundo; e que Deus não apenas preparou uma grande quantidade de graça e glória para o seu povo, mas também designou idades suficientes para que eles desfrutassem disso; e que suas riquezas residem em outro mundo e, de certa forma, estão ocultas; e que estes são produtos da graça de Deus; e que as riquezas excessivas disso serão então manifestadas, quando parecerá também que Deus dá graça aos homens, não é apenas com vista à sua própria glória, mas é um ato de bondade para eles; e que a felicidade eterna lhes será concedida de todo coração e livremente, e que através de Jesus Cristo, seu Senhor: a versão siríaca torna "para que, nas eras vindouras, ele mostre", etc. isto é, para os homens nas eras vindouras; o sentido é o mesmo.

 

Verso 8

Pois pela graça sois salvos, .... Isto deve ser entendido, não de salvação temporal, nem de preservação em Cristo, nem de salvação providencial para chamar, e muito menos de ser colocado em um caminho de salvação, ou apenas em um estado salvável; mas de salvação espiritual, e isso real; pois a salvação não foi apenas resolvida, inventada e garantida na aliança da graça, para as pessoas aqui mencionadas, mas na verdade foi obtida e executada por elas por Cristo, e foi aplicada a elas pelo Espírito; e mesmo quanto ao seu pleno gozo, eles o tinham com fé e esperança; e por causa da certeza disso, dizem que eles já foram salvos; e além disso, possuíam-na representativamente em Cristo a cabeça deles: os interessados ​​nesta salvação não são toda a humanidade, mas pessoas particulares; e aqueles que eram por natureza filhos da ira, e pecadores dos gentios; e é uma salvação do pecado, Satanás, a lei, sua maldição e condenação, e da morte eterna e ira vindoura; e inclui todas as bênçãos da graça e glória; e é inteiramente devido à graça livre: pois graça não significa Evangelho, nem dons da graça, nem graça infundida; mas o livre favor de Deus, ao qual a salvação em todos os seus ramos é atribuída; como eleição, redenção, justificação, perdão, adoção, regeneração e glória eterna: as versões siríaca, árabe e etíope lêem "por sua graça", e assim algumas cópias; e pode se referir à graça de todas as três pessoas; pois os homens são salvos pela graça do Pai, que traçou o plano de salvação, designou homens para ele, fez um pacto com seu Filho, no qual ele é provido e garantido, e o enviou ao mundo para obtê-lo; e pela graça do Filho, que se comprometeu como garantia para realizá-lo, assumiu a natureza humana, obedeceu e sofreu nela para esse fim, e a adquiriu; e pela graça do Espírito, que sensibiliza os homens para suas necessidades, aproxima-o, coloca-o diante deles, aplica-o a eles e lhes dá fé e esperança: daí resulta:

 

através da fé, e que não de vocês mesmos, é um presente de Deus; a salvação é através da fé, não como causa ou condição da salvação, ou como o que acrescenta algo à bênção em si; mas é o caminho, ou meio, ou instrumento, que Deus designou, para recebê-lo e desfrutá-lo, para que possa parecer toda a graça; e essa fé não é o produto do livre arbítrio e do poder do homem, mas é o dom gratuito de Deus; e, portanto, a salvação através dela é consistente com a salvação pela graça; já que isso é da graça, reside inteiramente em receber a graça e dá toda a glória à graça de Deus: o sentido desta última cláusula pode ser que a salvação não é de nós mesmos; não é do nosso desejo, nem do nosso merecimento, nem do nosso desempenho, mas é da livre graça de Deus: embora a fé seja representada em outro lugar como dom de Deus, João 6:65. e é chamado dom especial da fé nos Apócrifos:

 

"E bendito seja o eunuco, que com as mãos não praticou iniqüidade, nem imaginou coisas más contra Deus; porque a ele será dado o" dom especial da fé ", e uma herança no templo do Senhor mais aceitável para os seus mente.' (Sabedoria 3:14)

 

----- (Fiz a seguinte pergunta de um professor de grego e hebraico:

 

"Neste versículo, a que se refere a palavra" que "se refere? Adam Clarke, Wesley & companhia dizem que é um plural neutro e" Fé "é feminina, portanto, não pode se referir à fé (tal admissão destruiria seu sistema teológico). .) No entanto, "Graça" também é feminina, assim como "Salvação".

 

Sua resposta foi:

 

"Aqui você faz uma maravilhosa pergunta teológica / exegética para a qual eu só posso dar uma opinião, e não uma resposta definitiva. O problema é que NÃO há referente preciso. A graça é feminina. A graça é feminina. A fé é feminina. E até a salvação (como substantivo) ), mas deve ser um desses três, pelo menos, e talvez mais de um, ou todos os três em conjunto. Como todos os três vêm de Deus e não do homem, o último pode parecer mais provável. uma tautologia para dizer que salvação e graça não são "de si mesmos" e, nesse caso, certamente parece mais que a passagem está realmente indicando que o homem não pode sequer receber crédito por seu próprio ato de fé, mas essa fé foi criada por Deus e implantado em nós que possamos acreditar (isto é, a posição calvinista normal). No que diz respeito a toda a questão teológica de "a regeneração que precede a fé "entra em jogo. Então, essa é basicamente a minha opinião, embora outros obviamente discordem vigorosamente, mas de um ponto de vista exegético, as outras posições precisam explicar a questão da tautologia".

 

Se você aceita a resposta ou não, é suficiente mostrar que o grego não é tão definitivo neste versículo quanto alguns acadêmicos gostariam que você acreditasse. Editor)

 

Verso 9

Não de obras , .... De qualquer espécie, moral ou cerimonial, antes ou depois da conversão, feita sem fé ou nela, nem em nenhum sentido; as obras não são as causas móveis, nem as causas aquisitivas, nem as causas auxiliares, nem "causa sine qua non", nem condições de salvação; as melhores obras que são feitas pelos homens, não são feitas por si mesmas, mas pela graça de Deus, e, portanto, nunca podem merecer a sua mão: e a salvação é posta em pé;

 

para que ninguém se glorie ; de suas obras diante de Deus e aos homens; portanto, ele negou obras em qualquer lugar na justificação e salvação, a fim de excluir toda a jactância no homem; e o fixou de uma maneira de graça, e escolheu e chamou pobres criaturas pecaminosas e sem valor para desfrutá-lo, para que quem se gloria se glorie no Senhor.

 

Verso 10

Pois nós somos sua obra, .... Não apenas como homens, mas como cristãos; não apenas como criaturas, mas como novas criaturas; a obra da graça sobre a alma parece projetada principalmente, que, como um poema, como a palavra pode ser traduzida, é uma obra muito curiosa; a filha do rei é toda gloriosa por dentro, pois esta é uma obra interna e é boa e excelente; não é de fato aperfeiçoado de uma só vez, mas é gradualmente realizado, até que o golpe final seja dado por aquela mão que o iniciou; o autor disso é Deus, não é obra do homem; nem é obra de ministros, não, nem de anjos, mas é obra de Deus: às vezes é atribuída ao Espírito, que regenera e santifica; e às vezes ao Filho de Deus, que vivifica quem ele quer; e, às vezes, ao Pai, que revela seu Filho, e atrai homens para ele, e que parece ter significado aqui:Efésios 2: 1 e inclui judeus e gentios; e expressar a graça distintiva de Deus, de que eles e não outros, e que por natureza foram filhos da ira como outros, deveriam ser sua obra; e isso é mencionado para mostrar que a salvação não pode ser feita por nenhuma obra dos homens, uma vez que todos suas obras são feitas para eles, ou nelas, por Deus; a salvação é uma obra feita para eles sem eles; e santificação é uma obra neles realizada por Deus, para seu bom prazer; e todas as suas boas obras são frutos da sua graça, como se segue:

 

criado em Cristo Jesus para boas obras ; a obra da graça é uma criação, ou uma criatura, uma nova criatura; não um novo vampiro dos velhos princípios de Adão, mas; uma infusão de novas, e é uma obra de poder onipotente; e os que a têm neles são ditos criados em Cristo; porque assim que um homem se torna uma nova criatura, ele é aberta e visivelmente em Cristo; e por esses novos princípios de graça que nele são criados, ele está apto e pronto, e na capacidade de realizar boas obras; o novo homem formado nele, é formado para a justiça e verdadeira santidade; o princípio interno da graça tanto excita quanto qualifica a realização de ações justas e santas:

 

que Deus ordenou antes que andássemos neles, ou "antes de preparado"; para a preparação de boas obras a serem realizadas pelos santos, e a preparação delas para a realização deles; são ambos do Senhor; Deus designou boas obras a serem feitas por seu povo e em sua palavra ele declarou o que elas seriam; e é sua vontade não apenas que eles os façam, mas continuem a fazê-los; não apenas que eles deveriam fazer um único ato ou mais, mas andar neles; a conversa e o curso da vida deles devem ser uma série contínua de boas obras; mas a intenção não é que eles sejam salvos por eles, mas que eles andem neles; e sendo esta a pré-ordenação de Deus, pois mostra que a predestinação não está de acordo com as boas obras, uma vez que boas obras são os frutos e efeitos dela, de modo que também não é uma doutrina licenciosa;

 

Verso 11

Portanto, lembre-se de que, em tempos passados, gentios na carne, .... Isto, com o que se segue no próximo versículo, o apóstolo coloca em mente os efésios convertidos, a fim de ampliar a graça de Deus em sua conversão; e humilhá-los em vista de seu estado e condição anteriores; e ensiná-los que eles nunca poderiam ser salvos por nenhuma obra deles: particularmente ele os faria lembrar que eles estavam no "passado dos gentios"; que não considera tanto a nação e o país de que eram, pois nesse sentido ainda eram gentios; mas seu estado e condição; eles eram muito cegos e ignorantes, eram gentios que não conheciam a Deus; eles haviam sido pecadores muito maus e devassos dos gentios; e eles eram "gentios na carne": não de acordo com a carne, nem por nascimento, pois assim eram; mas no tempo de sua regeneração eles eram carnais, e lembrou-se das coisas da carne, andou atrás dela, cumpriu as concupiscências e fez as obras dela; parece haver respeito particular à sua incircuncisão na carne, à qual a circuncisão na carne se opõe na próxima cláusula:

 

que são chamados de incircuncisão pelo que é chamado de circuncisão na carne feita pelas mãos ; isto é, eles eram, por meio de reprovação e desprezo, chamados de pessoas incircuncisos; do que ninguém era mais abominável para os judeus, e odiado por eles, que eram chamados de pessoas circuncidadas daquela circuncisão que é externa, na carne, em uma parte específica do corpo; e que é feito pelas mãos de um homem, chamado מוהל , "o circuncidador"; qualquer um que possa ser, exceto um gentioF21; um adulto israelita e hábil era o preferido; todavia, estas não eram pessoas circuncidadas com a circuncisão que é interior e é do coração, no Espírito, e é feita sem as mãos dos homens, e pelo Espírito e poder de Deus.

 

Verso 12

Que naquele tempo estavas sem Cristo , .... Ou separados dele: foram escolhidos nele e foram preservados nele, e foram redimidos por ele antes; mas eles não tinham conhecimento dele, fé nele, amor a ele, comunhão com ele ou sujeição a ele, seu evangelho, governo, leis e ordenanças; e particularmente eles estavam sem promessas dele, ou profecias a seu respeito, que eram peculiares aos judeus; portanto, o Messias é chamado משיחא דישראל , "o Cristo de Israel"F23e quem, como lhe foi prometido, foi enviado apenas às ovelhas perdidas da casa, de Israel;

 

sendo estrangeiros da comunidade de Israel ; ambos do estado civil e da igreja; os gentios não podem habitar entre eles, nem ter relações com eles em coisas civis, a menos que estejam em conformidade com certas leis; nem os judeus podem entrar, nem comer ou conversar com ninguém incircunciso; tão grande alienação e distância existiam entre essas duas pessoas; e muito menos eles poderiam comer a páscoa e se juntar a eles no culto religioso; a palavra para "comunidade" aqui usada, diz HarpocratianF24, é comumente usado por escritores gregos para uma "democracia", embora a constituição original dos israelitas fosse propriamente uma "teocracia":

 

estranhos aos convênios da promessa ; ao pacto de circuncisão dado a Abraão; e à aliança no monte Sinai, feita com Israel; e à dispensação da aliança da graça àquele povo, às vezes chamada de primeira aliança e antiga aliança, e que lhes pertenciam peculiarmente, Romanos 9: 4 uma cópia diz: "estranhos às promessas da aliança"; o que é bastante natural; a versão latina da Vulgata une a palavra "promessa" à próxima cláusula e lê,

 

não tendo esperança da promessa do Messias prometido: "não tendo esperança"; do Messias e salvação por ele, da ressurreição dos mortos, de um estado futuro e da vida eterna; ninguém que seja seguro e firme, que seja purificador e que não se envergonhe; ou que é uma boa esperança através da graça, é o dom de Deus, o fruto do seu amor e o efeito do seu poder; e isso deve estar em uma condição miserável: Philo, o judeuF25observa que

 

"Os caldeus chamam um homem de Enos, como se ele fosse verdadeiramente um homem que espera coisas boas e se sustenta com boas esperanças; e acrescenta, portanto, é manifesto que alguém sem esperança não é considerado um homem, mas um animal em um forma humana, uma vez que ele é destituído de esperança, que é propriedade da alma humana;

 

e sem Deus no mundo ; sem o conhecimento de Deus em Cristo; sem a imagem de Deus, que foi desfigurada pelo pecado; sem a graça e o temor de Deus; e sem comunhão com ele, e o culto a ele; e enquanto estavam assim, estavam no mundo, entre os homens, e faziam parte dele, ainda não sendo chamados: a palavra significa "ateus": assim, alguns dos gentios estavam na "teoria", como todos eles estavam na prática; e eles foram considerados pelos judeus como "ateus"; é um ditado comum com elesF26 naquela

 

"aquele que habita sem a terra (de Israel) é como um שאין לו אלוה ", que não tem Deus ": '

 

Verso 13

Mas agora em Cristo Jesus , .... Estar aberta e visivelmente em Cristo, criado nele, e tornar-se crente nele; como antes estavam secretamente nele, como escolhidos e abençoados antes da fundação do mundo:

 

vocês que às vezes estavam longe ; que em seu estado de não regeneração estavam longe de Deus, de sua lei e de qualquer conhecimento espiritual dele e de comunhão com ele; e de Jesus Cristo, e do conhecimento de sua justiça, e o caminho da salvação por ele; e do Espírito, e qualquer familiaridade com as coisas do Espírito, e de se importar com elas e de andar atrás dele; e dos santos e povo de Deus, e de qualquer amor a eles, e comunhão com eles; e de quaisquer esperanças sólidas de felicidade, ou paz e conforto reais; qual a distância devido ao pecado de Adão e às suas próprias transgressões: é uma observação de um escritor judeuF1em Gênesis 3: 9 "onde estás?" ele (Deus) sabia onde ele estava, mas ele disse isso para mostrar que estava מרוחפ , "longe de" Deus por seu pecado: ver Isaías 59: 2 , e ainda

 

são aproximados pelo sangue de Cristo : para ter proximidade de acesso e comunhão com Deus, Pai, Filho e Espírito, e os santos, em virtude do sangue de Cristo; que dá ousadia e fala paz; pela qual suas pessoas são justificadas, o perdão de seus pecados é obtido, a reconciliação é feita, e suas vestes são lavadas e embranquecidas; e assim eles se aproximam com confiança pela fé nele.

 

Verso 14

Pois ele é a nossa pazO autor da paz entre judeus e gentios: havia uma grande inimizade dos judeus contra os gentios e dos gentios contra os judeus; e principalmente por causa da circuncisão, um estando sem ele e o outro insistindo nele, e marcando um ao outro com apelidos por causa disso; mas Cristo fez a paz entre eles, revogando a lei cerimonial, que foi a ocasião da diferença, e enviando o Evangelho da paz a ambos, convertendo alguns de cada um e concedendo privilégios semelhantes a todos, como pode seja observado nos seguintes versículos: e Cristo é o autor da paz entre Deus e seu povo; existe naturalmente no homem uma inimizade com Deus; o pecado separou os principais amigos; nem o homem pode fazer as pazes com Deus; o que ele faz, ou pode fazer, não fará; e o que ele não pode fazer; Cristo é a única pessoa adequada e adequada para este trabalho, sendo uma pessoa do meio entre ambos, e só é capaz de realizá-lo, sendo Deus, assim como o homem; e assim poderia se aproximar de Deus e tratar com ele sobre termos de paz, concordar com eles e executá-los; e que ele provocou por seu sangue, seus sofrimentos e morte; e que é feito em termos honrosos, por plena satisfação com a lei e justiça de Deus; e assim é duradouro, e é acompanhado por uma série de bênçãos: além disso, Cristo é o doador da paz, da paz externa em suas igrejas, e da paz interna de consciência e da eterna paz no céu: este é um dos nomes do Messias com os judeus e trate com ele sobre termos de paz, e concorde com eles e execute-os; e que ele provocou por seu sangue, seus sofrimentos e morte; e que é feito em termos honrosos, por plena satisfação com a lei e justiça de Deus; e assim é duradouro, e é acompanhado por uma série de bênçãos: além disso, Cristo é o doador da paz, da paz externa em suas igrejas, e da paz interna de consciência e da eterna paz no céu: este é um dos nomes do Messias com os judeus e trate com ele sobre termos de paz, e concorde com eles e execute-os; e que ele provocou por seu sangue, seus sofrimentos e morte; e que é feito em termos honrosos, por plena satisfação com a lei e justiça de Deus; e assim é duradouro, e é acompanhado por uma série de bênçãos: além disso, Cristo é o doador da paz, da paz externa em suas igrejas, e da paz interna de consciência e da eterna paz no céu: este é um dos nomes do Messias com os judeusF2;

 

"diz R. José, o galileu, até o nome do Messias é chamado שלום ," paz "; como é dito, Isaías 9: 6 " o pai eterno, o príncipe da paz "; '

 

veja Miquéias 5: 5, onde é dito: "e este homem será a paz"; que os judeusF3 escritores entendem do Messias:

 

quem fez de ambos um ; Judeus e gentios, um povo, um corpo, uma igreja; ele os uniu e fez com que eles concordassem em um, e os fez ter uma mente e julgamento pelos métodos acima; assim como ele os reuniu em um, em uma cabeça, ele mesmo, que representava todos eles:

 

e derrubou a parede do meio da divisão entre nós ; a lei cerimonial, composta de muitos mandamentos duros e intoleráveis, e distinguida e dividida, e mantinha uma divisão entre judeus e gentios: assim os judeus chamam a lei de muro, "se ela é um muro", Cântico de Salomão 8: 9 , ו תורה , "esta é a lei", dizem queF4: e, portanto, lemos sobre חומת התורה , "o muro da lei"F5; e algumas vezes a frase, uma "parede divisória", é usada para uma divisão ou desacordo; então R. Benjamin dizF6, que entre os karaitas e os rabbanitas, que eram os discípulos dos homens sábios, havia מחיצה , "um muro intermediário de divisão"; uma grande diferença e distância; e tal havia entre judeus e gentios, por causa da lei cerimonial; mas Cristo a removeu e compensou a diferença: a alusão parece estar no muro que separava a corte de Israel da corte dos gentios, no templo, e os mantinha a distância em adoração.

 

Verso 15

Tendo abolido em sua carne a inimizade , .... A lei cerimonial, como aparece a seguir,

 

até a lei dos mandamentos contida nas ordenanças ; que consistia em muitos preceitos e ordenanças carnais; e é assim chamado porque era uma indicação do ódio de Deus ao pecado, exigindo sacrifício por ele; e porque era uma ocasião para despertar a inimizade do homem natural, sendo um fardo e um cansaço para a carne, por causa de seus muitos e perturbadores ritos; e porque era a causa da inimizade entre judeus e gentios: os judeus dizemF7, que o Sinai, o monte sobre o qual a lei foi dada, significa "ódio"; e que é assim chamado porque dele desceu שנאה, "ódio" ou "inimizade" para as nações do mundo: agora este Cristo aboliu "em sua carne" ou por ela; não por sua encarnação, mas pelo sacrifício de sua carne, ou natureza humana, e que em união com sua natureza divina; mas não até que ele cumprisse em si mesmo, que era o fim de sua vinda ao mundo; e então ele a aboliu, de modo que não deveria ser, e como não é, e de nenhum uso e serviço; e isso porque era defeituoso e deficiente, fraco e inútil, além de intolerável; e porque houve uma mudança no sacerdócio; e porque era contrário ao espírito de liberdade, a grande bênção do Evangelho; e que possa haver uma reconciliação e uma coalizão entre judeus e gentios, como segue:

 

para fazer de si mesmo dois homens, fazendo assim a paz ; o que explica o que se quis dizer antes, criando os dois; e expressa o rigor da união entre judeus e gentios, eles se tornaram como um homem; e aponta a maneira pela qual eles se tornaram tão estritamente unidos; e isto é, sendo feitos novos homens, ou novas criaturas, tendo uma obra de graça sobre suas almas, e assim batizados em um corpo, e feitos para beber de um e o mesmo Espírito; a fundação da qual a união está em si mesmo; pois judeus e gentios, homens e mulheres, escravos e livres, são todos um em Cristo Jesus; ele é a pedra angular na qual todos se encontram e a cabeça à qual todo o corpo se une.

 

Verso 16

E que ele possa reconciliar ambos com Deus , ... Este é outro fim da revogação da lei cerimonial: os judeus haviam acumulado uma longa contagem contra a lei cerimonial, bem como contra a lei moral; e Cristo, cumprindo-o por eles e, assim, revogando-os, reconciliou-os; e os gentios não poderiam ser reconciliados com eles, sem a revogação: e essa reconciliação deles é feita a Deus, que era a pessoa ofendida; e quem ainda pôs a pé uma reconciliação, na qual sua glória está grandemente preocupada; e a reconciliação com os outros depende da reconciliação com ele: e isso é feito

 

em um corpo pela cruz; pelo qual "corpo" é entendido, o corpo humano de Cristo, que o Pai preparou para ele, e ele assumiu, e que, a fim de reconciliar seu povo; e é dito ser "um" corpo, porque era em um mesmo corpo, que ele reconciliou judeus e gentios com Deus, e em ou por um sacrifício daquele corpo; a reconciliação é tão efetivamente feita por ela que não há necessidade de reiteração: ou o sentido é que ele as reconciliou em "um corpo"; em um corpo místico, a igreja da qual ele é cabeça; e isto ele fez "pela cruz", isto é, pelo seu sangue derramado na cruz, ou pelo sofrimento da morte da cruz; que mostra que a reconciliação é feita de maneira a satisfazer a lei e a justiça de Deus, por Cristo ter sofrido a penalidade da lei, e sofrendo os golpes da justiça na cruz; e expressa a eficácia de seu sangue e sacrifício, e a grandeza de sua condescendência e amor:

 

tendo matado a inimizade por meio disso ; a lei cerimonial, como antes; e matá-lo é o mesmo que aboli-lo; a menos que se pretenda a inimizade entre Deus e o homem, que foi morto por remover a causa, pecado; e que estabeleceu um fundamento para matá-lo no coração de seu povo em regeneração, quando o pecado é odioso para eles, e eles são reconciliados com o caminho de salvação de Deus; portanto, sendo morto nos dois sentidos, a paz com Deus nunca pode ser quebrada.

 

Verso 17

E veio e pregou a paz para vós, que estavam longe , .... Que não se deve entender da vinda de Cristo em carne; pois quando ele veio em carne, veio somente aos judeus que estavam perto e pregou o Evangelho em seu próprio ministério pessoal a eles, e não aos gentios, que são as pessoas de longe; Efésios 2:12mas de sua vinda pelo Espírito no ministério de seus apóstolos, a quem deu uma comissão depois de ter feito paz e reconciliação pelo sangue de sua cruz, para ir a todo o mundo e pregar o Evangelho aos gentios no mais distante partes da terra; e a quem ele deu presentes, qualificando-os para esse serviço, e os sucedeu por seu poder e graça: e o assunto de seu ministério era a paz, Cristo que é a nossa paz, e a paz feita por seu sangue, e o Evangelho de paz, que declara ambos; e é o meio de tornar as pessoas de disposições pacíficas; suas doutrinas e promessas, quando aplicadas de maneira poderosa, dão paz às mentes angustiadas e acalmam os santos que duvidam; e mostra o caminho para a paz eterna:

 

e para os que estavam perto ; aos judeus, a quem o Evangelho da paz foi pregado em primeiro lugar, não apenas por Cristo e seus apóstolos, antes de sua morte; mas por seus apóstolos após sua ressurreição, e após a comissão ter sido dada para pregá-la aos gentios; embora sejam mencionados por último, porque o apóstolo estava falando com gentios; e isso também verifica o que Cristo diz: o primeiro será o último e o último o primeiro: a cópia alexandrina, algumas outras e as versões latina e etíope da Vulgata, leem "paz", nesta cláusula, como na primeira; o apóstolo parece ter respeito a Isaías 57:19. Uma descrição e distinção semelhante de judeus e gentios pode ser observada nos escritos dos judeusF8; então eles dizem,

 

"os israelitas estão perto do rei santo, e o resto das nações estão longe dele."

 

Verso 18

Pois através dele nós dois temos acesso , isto é, judeus e gentios; a versão em árabe diz: "nós duas facções": sendo feitos um e reconciliados com Deus, e tendo o Evangelho da paz pregado para ambos, eles têm através de Cristo liberdade de acesso e ousadia:

 

por um Espírito ao Pai: eles podem vir a Deus como o Pai dos espíritos e das misericórdias, que fez suas almas ou espíritos, e lhes concedeu suas misericórdias em grande abundância; e como o Pai de Cristo, e como seu Deus e Pai em Cristo; e eles deveriam considerá-lo nessa relação com eles, a fim de lhes ordenar uma reverência e medo dele; garantir liberdade e liberdade em sua abordagem a ele; e incentivar uma santa ousadia e uma confiança fiducial nele; e ensinar-lhes a submissão à sua vontade: e o acesso deles a ele é "através" de Cristo, que fez a paz por eles e expiação por seus pecados; quem satisfez a lei e a justiça, e lhes trouxe uma justiça eterna; de modo que não há nada no caminho para impedi-los; e, além disso, ele os toma como se fosse pela mão, e os leva à presença de seu Pai, e apresenta suas petições por eles, pelos quais eles têm audiência e aceitação de Deus: e esse acesso também é "por um Espírito"; o "Espírito Santo", como diz a versão etíope; e quem é necessário no acesso a Deus, como espírito de adoção, para capacitar e incentivar as almas a irem a Deus como pai; e como espírito de súplica, para ensinar como orar e pelo que, como deveriam; e como espírito livre, para lhes dar liberdade de falar livremente suas mentes e derramar suas almas a Deus; e como espírito de fé, para engajá-los a orar com fé, e com santa ousadia, confiança e importunidade; e diz-se que ele é "um", tanto em relação às pessoas como por quem o acesso é feito, o Pai e Cristo, pois ele é o único e o mesmo Espírito do Pai e do Filho; e com relação às pessoas que têm esse acesso, judeus e gentios, que como eles formam um corpo, são atuados e dirigidos por, e bebem no mesmo Espírito: portanto esse acesso a Deus é de tipo espiritual; é um desenho perto de Deus com o coração, e um culto a ele em espírito; e é pela fé, e pode ser com liberdade, e deve ser, com reverência e deve ser frequente; e é um privilégio peculiar que pertence aos filhos de Deus; e que têm grande honra concedida a eles, ter acesso a Deus a qualquer momento, como seu Pai, através de Cristo, o Mediador, e sob a influência, e pela direção e assistência do Espírito Santo: esta é uma prova considerável de trindade de pessoas na divindade, de sua divindade e personalidade distinta. e com relação às pessoas que têm esse acesso, judeus e gentios, que como eles formam um corpo, são atuados e dirigidos por, e bebem no mesmo Espírito: portanto esse acesso a Deus é de tipo espiritual; é um desenho perto de Deus com o coração, e um culto a ele em espírito; e é pela fé, e pode ser com liberdade, e deve ser, com reverência e deve ser frequente; e é um privilégio peculiar que pertence aos filhos de Deus; e que têm grande honra concedida a eles, ter acesso a Deus a qualquer momento, como seu Pai, através de Cristo, o Mediador, e sob a influência, e pela direção e assistência do Espírito Santo: esta é uma prova considerável de trindade de pessoas na divindade, de sua divindade e personalidade distinta. e com relação às pessoas que têm esse acesso, judeus e gentios, que como eles formam um corpo, são atuados e dirigidos por, e bebem no mesmo Espírito: portanto esse acesso a Deus é de tipo espiritual; é um desenho perto de Deus com o coração, e um culto a ele em espírito; e é pela fé, e pode ser com liberdade, e deve ser, com reverência e deve ser frequente; e é um privilégio peculiar que pertence aos filhos de Deus; e que têm grande honra concedida a eles, ter acesso a Deus a qualquer momento, como seu Pai, através de Cristo, o Mediador, e sob a influência, e pela direção e assistência do Espírito Santo: esta é uma prova considerável de trindade de pessoas na divindade, de sua divindade e personalidade distinta. são atuados e dirigidos por, e bebem no mesmo Espírito; portanto, esse acesso a Deus é de tipo espiritual; é um desenho perto de Deus com o coração, e um culto a ele em espírito; e é pela fé, e pode ser com liberdade, e deve ser, com reverência e deve ser frequente; e é um privilégio peculiar que pertence aos filhos de Deus; e que têm grande honra concedida a eles, ter acesso a Deus a qualquer momento, como seu Pai, através de Cristo, o Mediador, e sob a influência, e pela direção e assistência do Espírito Santo: esta é uma prova considerável de trindade de pessoas na divindade, de sua divindade e personalidade distinta. são atuados e dirigidos por, e bebem no mesmo Espírito; portanto, esse acesso a Deus é de tipo espiritual; é um desenho perto de Deus com o coração, e um culto a ele em espírito; e é pela fé, e pode ser com liberdade, e deve ser, com reverência e deve ser frequente; e é um privilégio peculiar que pertence aos filhos de Deus; e que têm grande honra concedida a eles, ter acesso a Deus a qualquer momento, como seu Pai, através de Cristo, o Mediador, e sob a influência, e pela direção e assistência do Espírito Santo: esta é uma prova considerável de trindade de pessoas na divindade, de sua divindade e personalidade distinta. e é pela fé, e pode ser com liberdade, e deve ser, com reverência e deve ser frequente; e é um privilégio peculiar que pertence aos filhos de Deus; e que têm grande honra concedida a eles, ter acesso a Deus a qualquer momento, como seu Pai, através de Cristo, o Mediador, e sob a influência, e pela direção e assistência do Espírito Santo: esta é uma prova considerável de trindade de pessoas na divindade, de sua divindade e personalidade distinta. e é pela fé, e pode ser com liberdade, e deve ser, com reverência e deve ser frequente; e é um privilégio peculiar que pertence aos filhos de Deus; e que têm grande honra concedida a eles, ter acesso a Deus a qualquer momento, como seu Pai, através de Cristo, o Mediador, e sob a influência, e pela direção e assistência do Espírito Santo: esta é uma prova considerável de trindade de pessoas na divindade, de sua divindade e personalidade distinta.

 

Verso 19

Agora, pois, não sois mais estrangeiros ... Aludindo ao nome נכרי , "um estranho", pelo qual os judeus chamavam de gentios; significando que eles não eram agora estranhos a Deus, à graça de Deus, ao amor de Deus e à comunhão com ele, nem ao trono de sua graça; nem a Cristo, a sua pessoa, sua obra e ofício, a sua justiça, a sua voz e a crer nele; nem ao Espírito Santo, como iluminador, consolador, espírito de adoção e selo e penhor da glória futura; nem para seus próprios corações, a corrupção e a falsidade deles; nem aos artifícios de Satanás; nem à aliança da graça, suas bênçãos e promessas:

 

e estrangeiros : na comunidade de Israel, na igreja de Deus;

 

mas concidadãos com os santos: a cidade a que pertencem é a igreja abaixo, que é a cidade de Deus, de seu edifício, e onde ele habita, do qual Cristo é o fundamento, fortemente fortificado com os muros e baluartes da salvação, está deliciosamente situado pelo rio do amor divino, e é dotado de vários privilégios; ou o céu lá em cima, que também é uma cidade da preparação e construção de Deus, e onde ele tem sua residência, e que é a habitação de anjos e santos; desta cidade, em ambos os sentidos, os santos são cidadãos; aqueles que são santos por separação, que são separados pela graça do Pai, e por imputação, ou por Cristo ser santificado para eles, e pela graça regeneradora do Espírito abençoado; e estes, como têm direito a um nome e um lugar na igreja na terra, também têm cidadania no céu; e que eles não têm por nascimento, nem por compra, mas pela graça gratuita de Deus, que lhes dá direito e satisfação; e os gentios crentes têm o mesmo pé de graça e privilégio que os judeus crentes:

 

e da casa de Deus: e que às vezes é chamada a casa da fé, a igreja de Deus composta por crentes, a família no céu e na terra chamada de Cristo; em que família ou família Deus é o Pai, Cristo é o primogênito, ministros são mordomos; e aqui estão santos de vários tamanhos e crescimentos, alguns pais, alguns jovens, alguns filhos; e a essa família todos os crentes pertencem, sejam gentios ou judeus; e nas quais eles entram, não por nascimento, nem por mérito, mas adotando a graça; e felizes são os que pertencem a esta cidade e casa! eles são libertados de toda servidão e servidão; eles nunca podem ser presos ou condenados; eles têm liberdade de acesso a Deus e compartilham a plenitude da graça em Cristo; eles são bem cuidados; eles são ricamente vestidos e têm muitas provisões; e nunca será despejado,

 

Verso 20

E são edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetasOs profetas do Antigo Testamento e os apóstolos do Novo, que concordam em estabelecer ministerialmente o único fundamento, Jesus Cristo; pois não são aqui as pessoas dos apóstolos e profetas, nem suas doutrinas meramente; mas Cristo, que está contido neles, e quem é o fundamento sobre o qual a igreja e todos os verdadeiros crentes são edificados: ele é o fundamento da aliança da graça, de todas as bênçãos e promessas dela, de fé e esperança, de paz, alegria e conforto, de salvação e felicidade eterna; sobre este fundamento, os santos são construídos pelo Pai, Filho e Espírito, como causas eficientes, e pelos ministros do Evangelho como instrumentos: estes estão na mesma pedreira comum com o resto da humanidade e são destacados dali por graça eficaz; eles são quebrados e cortados pela palavra e ministros dela, como meios; e são colocados ministerialmente em Cristo, o fundamento, e são edificados sobre ele em fé e santidade; sim, os cristãos particulares são úteis dessa maneira para edificar uns aos outros:

 

O próprio Jesus Cristo sendo a principal pedra da esquina ; que cimenta e une anjos e homens, judeus e gentios, santos do Velho e do Novo Testamento, santos acima e santos abaixo, santos na terra, em todas as eras e lugares, e de todas as denominações; e qual é a beleza e a glória, bem como a força do edifício, que mantém todos juntos; e Cristo é o chefe, a lápide da esquina, e quem é superior aos anjos e homens. Essa frase é usada pelos judeus para denotar excelência em uma pessoa; assim, um sábio erudito é chamado אבן פינה , "uma pedra angular";F9ver Salmo 118: 22 . Pode ser traduzida como "a pedra angular principal"; sendo tal que é uma pedra fundamental, bem como uma pedra angular; e alcançou e deitou no fundo de, e apoiou os quatro cantos do edifício; pois a pedra fundamental e de esquina deste edifício espiritual é uma e a mesma pedra, Cristo: diz-se do templo de Latona, em Buto, no Egito, que foi feito, εξ ενος λιθου , "de uma pedra", como HeródotoF11 uma testemunha ocular, atesta.

 

Verso 21

Em quem todo o edifício se enquadra adequadamente ... Este edifício deve ser entendido por todos os santos e povo de Deus; de toda a igreja universal, que é o edifício de Deus; e é um edifício de natureza espiritual, e permanecerá para sempre: e isso é adequadamente enquadrado; consiste em várias partes, como um edifício; alguns santos são comparáveis ​​a vigas, outros a vigas, outros a pilares, etc. e estes são unidos e unidos um ao outro, e são estabelecidos em uma exata simetria e proporção, e em uma adequada subserviência um ao outro; e para fazer o bem, a força e a beleza do todo. E tudo se centra em Cristo; ele tem uma grande preocupação neste edifício; ele é o mestre construtor, e o fundamento e a pedra angular; e estar unido nele,

 

cresce em um templo sagrado no Senhor: cresce com a adesão de novas pedras ou de almas chamadas pela graça e acrescentadas a ela; pois este edifício ainda não está aberto e visivelmente concluído, como será; para que o ministério da palavra e a administração das ordenanças continuem; e isso será no último dia, quando o número de eleitos de Deus, entre judeus e gentios, será reunido; e esse crescimento pode ser entendido também como um aumento daqueles que são abertamente colocados no edifício; de seu crescimento espiritual em sua cabeça, Cristo; e de um aumento de graça neles; da qual a palavra e as ordenanças são meios, sob uma benção divina: e esse edifício cresce até um "templo sagrado", o estado da igreja evangélica, chamado "templo", em alusão ao templo em Jerusalém; cujos materiais eram pedras prontas e cortadas, antes de serem trazidos para lá; e cuja magnificência, beleza e glória eram muito grandes; e era o local de culto público, e da morada divina, e era um emblema muito significativo da igreja de Deus; Vejo2 Coríntios 6:16 , que é "santo", designado para usos santos, e santificado internamente pelo Espírito de Deus; e que é descoberto pela santidade externa da vida, e conversação nos membros dela: e isto é dito estar "no Senhor"; qual frase pode se referir à palavra "cresce" e denota que crescimento e aumento, tanto de pessoas quanto de graça, a igreja tem dentro e a partir do Senhor Jesus Cristo; ou à palavra "santo", e sugere que a santidade da igreja, e todos os membros dela, também estão no e do Senhor; ou à palavra "templo", que é construída para ele habitar.

 

Verso 22

Em quem você também é edificadoComo a igreja universal, toda igreja em particular é um edifício que é compacto, em e sobre Cristo, como era a igreja de Éfeso: Deus é o construtor dela; Cristo é o fundamento; os verdadeiros crentes são os materiais adequados; a porta, ou entrada nela, é Cristo, e fé nele; os ministros do evangelho são pilares nele; as ordenanças são suas janelas; seus móveis são de vários tipos; existem vasos pequenos e de grande quantidade; e suas provisões são grandes e divertidas. Uma igreja é um edifício compacto; consiste em muitas partes; e estes são unidos, por acordo, e são unidos e cimentados no amor; e sendo assim unidos, eles são projetados para o culto social, e sua grande preocupação deve ser edificar um ao outro. A frase "em quem", pode se referir ao templo sagrado antes mencionado, a igreja universal, da qual uma igreja específica faz parte; ou a Cristo, que é o mestre de obras, por quem eles são construídos juntos, e o fundamento sobre quem eles são construídos, e a pedra angular em que eles se encontram e se unem. E o fim de serem assim construídos juntos é, para uma habitação de Deus através do Espírito; que pode ser entendido por Deus Pai, uma vez que ele se distingue de Cristo, em quem e do Espírito Santo, por meio de quem, eles são construídos para esse fim, embora não excluindo nenhum deles; pois uma igreja em particular é uma habitação de Pai, Filho e Espírito: e sendo a habitação de Deus, mostra sua grande graça e condescendência, e o grande valor e consideração que ele tem por isso; e isso o torna desejável, delicioso, e habitação agradável para os santos; e, portanto, é seguro e silencioso, e são felizes os que nela habitam; e aqui as almas devem vir para o gozo da presença divina: e considerando que é dito que é assim através do Espírito; portanto, parece que o Espírito está preocupado com as outras duas pessoas na sua construção; e que por meio disso torna-se uma casa espiritual; e é, por sua graça, uma habitação adequada para o Deus santo habitar; e que Deus habita em suas igrejas pelo seu Espírito. e que por meio disso torna-se uma casa espiritual; e é, por sua graça, uma habitação adequada para o Deus santo habitar; e que Deus habita em suas igrejas pelo seu Espírito. e que por meio disso torna-se uma casa espiritual; e é, por sua graça, uma habitação adequada para o Deus santo habitar; e que Deus habita em suas igrejas pelo seu Espírito.(A. BARNES , COMENTARIO DO NOVO TESTAMENTO)

FONTE http://www.mauricioberwald.com/