Translate this Page

Rating: 2.7/5 (437 votos)




ONLINE
3




Partilhe esta Página



 <!-- Go to www.addthis.com/dashboard to customize your tools -->
<script type="text/javascript" src="//s7.addthis.com/js/300/addthis_widget.js#pubid=ra-57f3fb36829d1888"></script>

 

 

  contadores de visitas 

 

Flag Counter


A Doutrina da Salvação
A Doutrina da Salvação

A Doutrina da Salvação

(Primeira Parte)

 

 

Salvação é palavra de profundo significado e de infinito alcance. Muitos têm uma concepção muito pobre da inefável salvação consumada por Jesus, o que às vezes reflete uma vida espiritual descuidada e negligente, onde falta aquele amor ardente e total por Jesus, e a busca constante de sua comunhão.

 

Em Efésios 6, quando o apóstolo discorre sobre a armadura de combate do soldado cristão, fala do capacete da salvacão (v17). O capacete cobria totalmente a cabeça, protegendo-a. Isso fala da plenitude do conhecimento e da experiência da salvação.

 

Salvação não significa apenas livramento da condenação do Inferno. Ela abarca todos os atos e processos redentores e transformadores da parte de Deus para com o homem e o mundo através de Jesus, o Redentor, nesta vida e na outra.

 

Salvação é o resultado da redenção efetuada por Jesus. Redenção foi o meio que Deus proveu para livrar o homem de seus pecados. Salvação é o usufruto desse livramento. No sentido comum e limitado, Salvação significa a obra que Deus realiza instantaneamente no pecador que a Ele se entrega, perdoando-o e regenerando-o. Porém, a Salvação tem sentido e alcance muito mais vasto. Assim considerada, significa o pleno livramento da presença do pecado e suas conseqüências, o que somente ocorrerá na glória celestial. Nesse sentido, a Salvação alcança também outras esferas além da humana (Cl 1.20).

 

A Salvação foi planejada por Deus Pai (Ap 13.8 e 1Pd 1.18-20). Deus Filho consumou-a (Jo 19.30 e Hb 5.9). O Espírito Santo aplica-a ao pecador (Jo 3.5; Tt 3.5 e Rm 8.2). Tudo por graça (Ef 2.8).

 

Milhares de filhos de Deus são hoje salvos por Jesus, mas ainda não examinaram detalhadamente a sublimidade desta Salvação em seus dois sentidos: objetivo e subjetivo. A Salvação que Jesus efetuou no Calvário é tão rica, profunda e grandiosa que somente na outra vida é que começaremos a entender de fato o seu infinito alcance. Quando as eras futuras começarem o seu curso na glória celestial, começaremos a compreender as riquezas infinitas desta Salvação em Jesus Cristo (Ef 2.7; 3.8).

 

Vejamos a Salvação em si, do ponto de vista objetivo, considerando Deus como doador e o homem como o recipiendário. Nesse sentido, ela tem três aspectos, todos simultâneos: justificação, regeneração e santificação. Uma pessoa verdadeiramente justificada é também regenerada e santificada.

 

 

 

 

 

A Doutrina da Salvação (segunda parte)

 

Justificação é um termo judicial. Fala de quebra da Lei (1Jo 3.4). Ele é o ato de transformação ou mudança de estado do pecador, perante Deus, operada por Ele mesmo. A justificação tem caráter exterior. Deus é o juiz, Cristo é o advogado e o homem, o réu. A transgressão da Lei de Deus é o pecado cometido.

 

O resultado da justificação na vida do novo crente é a mudança de posição perante Deus. De condenado que era, o homem passa a justificado. Na justificação, o homem entra em boas relações com Deus quanto às suas leis, pois Ele é justo (Rm 5.1; 8.1-4). A justificação é um ato divino fora do indivíduo, enquanto a regeneração ocorre no interior da criatura.

 

É muito maravilhoso o modo como Deus providenciou e efetua a nossa justificação. A justiça de Cristo é creditada à nossa conta espiritual (Rm 3.24-28). Romanos trata desse assunto de modo completo e majestoso.

 

Para a nossa justificação: a) Deus, em sua graça, colocou seu Filho em meu lugar, e, na cruz, transferiu minhas culpas e crimes para Ele; b) Jesus morreu voluntariamente por mim; c) Eu preciso aceitar, por fé, este único método divino de justificação do ímpio (Rm 4.5), confessando a Jesus como meu Salvador (Rm 10.9).

 

Assim, sem ultrajar sua perfeita justiça, Deus justifica o ímpio (aparentemente um absurdo), substituindo o culpado pelo inocente (Cristo), transferindo minhas culpas para Ele. Deste modo, Deus proveu a justificação para mim e para ti, mediante substituição e transferência, tudo por Cristo. Legalmente, não deveria haver misericórdia para com o culpado. Deveria ele ser punido. Porém, em virtude do sacrifício de Cristo, Deus, o Justo Juiz, faz justiça, perdoando o penitente que a Ele vem com fé. Assim, essa justificação por Jesus só é efetivada na vida do pecador que o aceitar como seu Salvador. Somente aceitando Jesus o pecador entra no plano divino para sua Salvação.

 

Vê-se, assim, que, no sentido bíblico, justificar é mais do que perdoar. O perdão remove a condenação do pecado, e a justi¬ficação nos declara justos. Um juiz terreno ou chefe de Estado pode perdoar um criminoso, mas não pode colocá-lo nunca em posição igual à daquele que nunca transgrediu a lei. Mas o nosso Deus pode e faz isso. Deus tanto perdoa o pecador, como justifica-o. Isto é, trata-o como se nunca tivesse pecado! Aleluia ao Trino Deus! E tal fato ocorre no momento em que o pecador arrependido aceita Jesus como seu Salvador pessoal. Aqui no mun¬do, um criminoso nunca mais receberá a consideração de justo por parte de seus semelhantes, mas Deus declara justo o pecador que Ele justificar. Sim! "Justificado!” – é o veredito divino. Quem pode agora nos condenar se é Deus quem nos justifica? (Rm 8.33-34). Aleluia!

 

Como é possível um Deus justo justificar um ímpio? (Rm 4.5). Já tentamos explicar: substituindo o culpado pelo inocente, o pecador pelo justo, e transferindo a culpa de um para o outro. Foi o que aconteceu no Calvário. Não foram os soldados romanos que levaram Jesus ao Calvário e ocasionaram sua morte, mas os meus e os teus pecados. Sua vida não foi tomada. Ele a deu como sacrifício para nos redimir.

 

É evidente que justificar é mais do que perdoar. Pela justificação o crente é declarado justo. A origem da justificação é a graça de Deus (Rm 3.24 e Tt 3.7). A base da justificação é o sangue de Jesus (Rm 5.9). O meio da justificação é a fé que vem por Jesus (Rm 3.28; 5.1).

 

Regeneração

 

Regeneração é um termo relacionado à família. Tem a ver com a nossa inclusão na família divina. É o ato interior operado na alma, pelo Espírito Santo. É a nova vida em Cristo, o novo nascimento. Sendo regenerado pelo Espírito Santo, o crente é filho de Deus. O lado externo da regeneração é a conversão, isto é, aquilo que o mundo vê ou percebe. Conversão é a mudança externa da pessoa, seu procedimento resultante da regeneração, a qual é a mudança interna na alma. A regeneração é a causa, a conversão é o efeito. Há um sentido em que a conversão não é total (Mt 18.3; Lc 22.32 e Tg 5.19).

 

O que ocasiona a regeneração não é a justificação, mas a comunicação da vida de Cristo. A justificação é imputada; a regeneração é comunicada. Justificação tem a ver com o pecado; regeneração, com a natureza. Justificação é algo feito a nosso favor; regeneração é algo operado em nós.

 

O resultado da regeneração é a mudança de condição – de servo do pecado e do Diabo para filho de Deus (Jo 1.12,13; 3.3 e Tt 3.5). Pela regeneração o crente é declarado filho de Deus.

 

 

 

A Doutrina da Salvação (terceira parte)

 

 

Santificação é um ato divino que também ocorre dentro do homem, refletindo logo em seu exterior. Daí a diferença entre santidade – um estado – e justiça – santidade prática, de vida (Lc 1.75). Na operação divina da conversão, a santidade de Cristo passa a ser a nossa santidade (Cl 2.10; 1Co 2.30; Hb 10.10,14 e Rm 8.2). Seus méritos são creditados à nossa conta. Estamos tratando da santificação posicional em Cristo, não da santificação progressiva, no viver diário do crente, como mostrada em 2 Coríntios 7.1 e Apocalipse 22.1.

 

O resultado da santificação, operada na conversão, é a mudança de vida.

 

A salvação considerada sob estes três aspectos simultâneos é perfeita. É a salvação no sentido objetivo. Estamos em Cristo (2Co 5.17 e Jo 15.4). Nunca seremos mais salvos do que somos agora. Cristo não fará mais nada para salvar-nos além do que já fez. Ele já fez tudo o que era preciso e possível. Aí está o perigo do pecador rejeitar a Cristo, pois não haverá outro plano divino de Salvação. O atual é eterno (2Tm 1.9 e Ef 3.11). Nem mais outro sacrifício expiatório terá lugar, pois o de Jesus foi perfeito e completo (Hb 9.26; 10.10,12).

 

Pela santificação em Cristo, o crente é declarado santo. Por ela, o crente entra em boas relações com Deus quanto à sua na¬tureza, pois Ele é santo (1Pe 1.16 e 2Tm 2.21).

 

Estas três bênçãos – justificação, regeneração e santificação – são simultâneas, no sentido objetivo. As três constituem a plena Salvação em Cristo (2Co 5.17).

 

A Salvação na experiência humana

 

Quando falamos de salvação na experiência humana, estamos falando de salvação no sentido subjetivo. O homem como recipiendário e Deus como o doador. É salvação vista na experiência humana. Considerada a salvação sob este aspecto, ela tem três tempos: no passado, justificação; no presente, santificação; no futuro, glorificação.

 

  1. a) No passado – justificação: É a salvação da condenação do pecado. O crente foi salvo da condenação do pecado. A Bíblia descreve este fato como ato passado (Rm 5.1 e 1Co 6.11). Justificação é o que Deus fez por nós. O crente foi justificado uma só vez. Daí em diante o que ocorrerá é a purificação (1Jo 1.9 e Jo 13.10).

 

  1. b) No presente – santificação: É a salvacão do domínio e influência do pecado. Santificação bíblica significa basicamente separação para uso e posse de Deus. Uma boa definição é a de Paulo em Atos 27.23: “...do Senhor, de quem sou e a quem sirvo”. Santificação não é apenas a pessoa pertencer a Deus, mas também servi-lo. Se o leitor é um santo de Deus, certamente está servindo a Deus. Há muita santificação por aí que pode ser tudo, menos bíblica.

 

A santificação posicional, deve tornar-se experimental no viver diário do crente. A santificação é primeiramente interna, isto é, pureza interior, purificação do pecado, refletindo isso em nosso exterior, traduzido em separação do pecado e dedicação a Deus. É um termo ligado ao culto a Deus e consagração ao seu serviço, conforme se vê no livro de Levítico, através de pessoas e coisas, sacerdotes, templo, objetos etc. Quem pensa ser santo deve ser separado do mal e dedicado a Deus para seu uso (2Tm 2.21). A santificação, como aca¬bamos de ver, tem um lado posicional e outro prático: um santo viver.

 

A justiça é comparada a um vestido (Jó 29.14 e Is 59.17). Mas o corpo, que recebe esse vestido, como deve estar? É razoável um vestido limpo em corpo sujo?

 

A santificação é o que Deus faz em nós. Nesse sentido, a salvação é progressiva. Uma criança nova é perfeita, mas não é adulta. Uma frutinha é também perfeita ao formar-se, mas não é madura (Ef 4.13). Tendo sido justificado, o crente progride e prossegue para a perfeição, de que em seguida nos ocuparemos. Portanto, ao estudarmos a santificação precisamos vê-la quanto à posição do crente em Jesus Cristo, e quanto ao estado do crente em si mesmo.

 

  1. c) No futuro – glorificação: Será a salvação da presença do pecado em nossa vida. A glorificação é a inteira conformação com Jesus Cristo (Rm 8.23 e 1Jo 3.2). É a perfeição do crente. Na glorificação, a salvação envolverá o corpo físico, então glorificado. Estaremos ressuscitados. Estaremos no Céu (Rm 13.11; 2Co 5.2,4; Fp 2.12 e Hb 9.2). Será redenção do corpo (Rm 8.23).

 

A glorificação será o que Deus fará conosco.

 

 

 

 

A Doutrina da Salvação (quarta parte)

 

 

A salvação é uma obra inteiramente independente de nossas obras, esforços e méritos. Contudo, o homem tem certas condições a cumprir. Essas condições são a fé, o arrependimento e a confissão.

 

Fé é a confiança em Deus. Ela se ocupa com Deus, assim como o arrependimento ocupa-se com o pecado e o remorso. A fé divisa a misericórdia divina, quando toma-se a mão para receber a salvação (Ef 2.8).

 

O arrependimento honra a Lei de Deus. Mas, tanto a fé como o arrependimento vêm graciosamente de Deus, para que o homem não tenha de que gloriar-se (At 5.31; Rm 2.4; 12.3; 10.17; At 11.18; Fp 2.13; 2Tm 2.25; Ez 36.27 e Jr 31.3). Bem disse o profeta Isaías que Jeová é a nossa salvação (Is 12.2).

 

A fé e o arrependimento devem acompanhar o crente em toda sua vida. O primeiro é indispensável ao recebimento das bênçãos; o segundo fá-lo zeloso para pureza. O crente que sabe arrepender-se e humilhar-se aos pés do Senhor é um grande vencedor. Quanto à fé, notemos uma coisa: ela somente opera através do amor (Gl 5.6; Ef 6.23; 2Tm 1.13 e 1Tm 5.8). Há por aí os que se dizem cheios de fé, porém sem qualquer dose de amor divino. É uma anomalia, uma decepção, uma negação da verdade (1Co 13.2).

 

No tocante à salvação, confissão significa confessar publicamente a Cristo como Salvador. Após crer com o coração (Rm 10.10a), é preciso confessar ou declarar que agora é crente (Rm 10.9-10). Crer Nele sem confessá-lo é flagrante covardia; confessá-lo sem nEle crer é hipocrisia.

 

Expliquemos: a salvação é uma dádiva ou presente de Deus para nós (Ef 2.8; Tt 3.3 e Rm 6.23). Suponhamos que alguém te ofereça um grande e rico presente, porém suas mãos estão ocupadas com uma porção de objetos inúteis e sem valor, e não queres largar essas coisas para receber esse presente, recusando-o assim. O mesmo acontece em relação a Deus e à Sua salvação. Mas, suponhamos que tu largues tudo e aceites o presente. Nada mereces pelo fato de estenderdes a mão para receber o presente, mas, ao fazer assim, satisfazes a condição para receber essa dádiva. O mesmo se dá em relação à salvação.

 

 

 

 

 

MMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMMmmmmmmmmm

 

 

 

Prevenindo-se das heresias (Parte III)

Nesta série de estudos sobre as seitas apresentaremos tão somente aquelas principais destacando suas principais doutrinas para dar aos leitores uma visão panorâmica dos perigos que ameaçam a nossa fé e como evitá-las. Neste artigo, destacaremos, inicialmente, as Testemunhas de Jeová.

 

TESTEMUNHAS DE JEOVÁ

 

Fundada em 1874, nos Estados Unidos da América do Norte, por Charles Taze Russell, o qual era advindo do adventismo. Discordando dos ensinos adventistas resolveu interpretar por conta própria as Escrituras. A partir de então nasceu a “SociedadeTorre de Vigia”e “Arauto da Presença de Cristo”. Suas doutrinas discordantes confrontavam com os ensinos da Bíblia e sua idéia sobre a inspiração da Bíblia seguia a teoria da “inspiração progressiva” que acreditava que o que vale das Escrituras são as idéias e os pensamentos contidos na Bíblia e não as palavras. Admitia que a Bíblia pode sofrer mudanças porque a sua inspiração é dinâmica e progressiva. Com esta idéia, Russell se achava com o direito de modificar as doutrinas bíblicas de acordo com as suas conveniências e heresias. Contrariava, portanto, a inspiração verbal e plenária das Escrituras. O criador dessa seita falsa morreu em 1916 e assumiu em seu lugar um juiz chamado Joseph Franklin Rutherford, o qual deu continuidade à organização deixada por Russell. Rutherford exerceu forte liderança sobre os membros dessa nova seita e desenvolveu fortemente as suas doutrinas. Na verdade, uma doutrina instável e contraditória ao longo da sua história. O nome “Testemunhas de Jeová”foi usado pela primeira vez pelos membros dessa sociedade em 1931.

 

 

SUAS PRINCIPAIS OBRAS

 

Para divulgar suas idéias, Russell escreveu muitos artigos e livros, ajudado por tantos outros que aceitaram suas doutrinas. Entre as principais obras das TJ estão: a "Bíblia Tradução Novo Mundo" ( uma tradução pobre e com o propósito de fortalecer suas idéias absurdas); "Estudos nas Escrituras"; "A Verdade vos tornará livres"; "Do Paraíso Perdido ao Paraíso Recuperado"; "Cumprir-se-á, então, o mistério de Deus"; "Caiu Babilônia, a Grande"; "A verdade que conduz à vida eterna". Todos esses livros são editados e publicados em mais de 95 idiomas e só as revistas "Sentinela" e "Despertai” são editadas para mais de 10 milhões, para a maior parte do mundo.

 

PREDIÇÕES FALSAS DE RUSSELL

 

(1) Russell declarou que os Tempos dos Gentios terminaria em 1914, referente a cidade de Jerusalém e à Palestina na Grande Tribulação. Passaram-se 90 anos e esse tempo ainda não cumpriu-se. Segundo seus cálculos, os Tempos dos Gentios iniciaram no ano 606 a.C. e haveria de continuar por 2520 anos, terminando em 1914.

 

(2) Declarou que o Cristianismo seria destruído até 1914. (3) Predisse que a Batalha do Armagedom aconteceria em 1915. (4) Predisse que o Papado da Igreja Romana teria sua queda em 1914. (5) Declarou que o milênio começou no ano 1873. Depois corrigiu esse número para 1874. (6) Declarou que a 2ª. Vinda de Cristo aconteceu em 1874. (7) Declarou que os mortos em Cristo ( a igreja) ressucitaram em 1878. (8) Declarou que a 2ª. Vinda de Cristo iniciaria na “colheita”, a última grande colheita de almas e terminaria em 1915. Todas estas delcarações e previsões escatológicas contém erros de interpretação, de datas e locais. Referem-se, antes de tudo, a um tempo futuro, a maioria relativa à Israel. Ao longo dos anos de suas atividades heréticas, tanto Russell quanto Rutherford fizeram declarações absurdas e torceram a Palavra de Deus.

 

SUAS PRINCIPAIS HERESIAS

 

(1) Negam a doutrina da Trindade tenazmente em todos os seus escritos. Mt 3.16,17; Mt 28.19; Jô 15.26; 1 Pe 1.2. (2) Negam a Divindade de Jesus Cristo ( Jô 10.30; 17.21; 14.8,9; Cl 2.9; Rm 9.5; Tt 2.13; Hb 1.3,8,9. (3) Negam a ressurreição corporal de Cristo, afirmando que o Cristo ressurreto não era o mesmo Cristo humano, mas que era um espírito invisível. Lc 24.39-43; Jô 20.25-27; At 1.9. (4) Negam a personalidade e a divindade do Espírito Santo. At 8.29 ( fala); Rm 8.26,27 ( intercede); Ef 4.30 (tem sentimentos); At 16.6,7; 13.2 ( ordena, dirige as pessoas); 1 Co 12.11 ( tem vontade própria); Rm 15.20 ( ama). (5)Ensinam que apenas os 144 mil irão para o céu, e o restante viverá aqui na terra no período milenar. (6) Negam a existência da alma imortal depois da morte. A Bíblia indica plena consciência do ser humano após a morte ( 2 Co 5.8; Lc 23.43; Fp 1.23; Lc 16.19-31). Estas doutrinas das TJ além de errôneas e perniciosas, tem produzido grande confusão na cabeça de pessoas simples, especialmente, aquelas que pouco contato tem com a Biblia. É indiscutivelmente, uma seita diabólica que deve ser desmascarada. FONTE CPAD NEWS /WWW.MAURICIOBERWALD.COMUNIDADES.NET